Apresentacao maabe a_escola 4ªsessão

312 views
232 views

Published on

Published in: Technology, Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
312
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentacao maabe a_escola 4ªsessão

  1. 1. São objectivos desta sessãoSão objectivos desta sessão: •Entender as ligações do processo de auto- avaliação à escola. •Perspectivar a gestão da informação e o processo de comunicação com a escola/ agrupamento. •Perceber o papel e a necessidade de liderança por parte do professor coordenador.
  2. 2. Tarefa propostaTarefa proposta: •Perspectivar a integração do processo de auto-avaliação no contexto da escola/ agrupamento implica que o professor bibliotecário divulgue e discuta o valor do Modelo e dê a conhecer o processo: Construa um PowerPoint para apresentar no Pedagógico/ Escola/ agrupamento que evidencie: - A estrutura do Modelo e as metodologias de operacionalização - O papel e mais valias da auto-avaliação da BE; - O processo de implementação e o necessário envolvimento da escola/ agrupamento; - A elaboração do Relatório - A relação com o processo de planeamento; - A integração dos resultados na auto-avaliação da escola.
  3. 3. APRESENTAÇÃOAPRESENTAÇÃO AOAO CONSELHO DE DOCENTESCONSELHO DE DOCENTES E/OUE/OU AOAO CONSELHO PEDAGÓGICOCONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTAÇÃOAPRESENTAÇÃO AOAO CONSELHO DE DOCENTESCONSELHO DE DOCENTES E/OUE/OU AOAO CONSELHO PEDAGÓGICOCONSELHO PEDAGÓGICO
  4. 4. ORIGEM DESTE MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO:ORIGEM DESTE MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO:
  5. 5. OBJECTIVOS DESTE MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO:OBJECTIVOS DESTE MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO: • Demonstrar que a existência de um programa de acção daDemonstrar que a existência de um programa de acção da Biblioteca Escolar pode melhorar os níveis de aprendizagemBiblioteca Escolar pode melhorar os níveis de aprendizagem dos alunos.dos alunos. ““Está comprovado que quando os bibliotecários e osEstá comprovado que quando os bibliotecários e os professores trabalham em conjunto, os alunos atingemprofessores trabalham em conjunto, os alunos atingem níveis mais elevados de literacia, de leitura, deníveis mais elevados de literacia, de leitura, de aprendizagem, de resolução de problemas e competências noaprendizagem, de resolução de problemas e competências no domínio das tecnologias de informação e comunicação. “domínio das tecnologias de informação e comunicação. “ (IFLA/UNESCO,1999)(IFLA/UNESCO,1999) Identificar pontos fortes ou menos desenvolvidosIdentificar pontos fortes ou menos desenvolvidos
  6. 6. INTERVENIENTES NESTE MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO:INTERVENIENTES NESTE MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO: O Director da Escola/Agrupamento Docentes Alunos Pais e Encarregados de Educação Outros parceiros
  7. 7. O PAPEL E MAIS VALIAS DA AUTO-AVALIAÇÃO DA BEO PAPEL E MAIS VALIAS DA AUTO-AVALIAÇÃO DA BE Aferir a eficácia dos serviços prestados Obter evidências (informações consistentes) que validem o trabalho da BE e sustentem o trabalho a desenvolver; “Pretende-se avaliar a qualidade e eficácia da BE e não o desempenho individual do professor bibliotecário ou de elementos da equipa da biblioteca , devendo a auto- avaliação ser encarada como um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua da BE – MAABE - RBE”; Ter a possibilidade de adaptação à realidade onde é aplicada; Ser exequível e integrada nas práticas de gestão - “Medir” o impacto que as práticas da Biblioteca Escolar têm nas aprendizagens dos alunos, nas suas atitudes, valores e competências;
  8. 8. O PAPEL E MAIS VALIAS DA AUTO-AVALIAÇÃO DA BEO PAPEL E MAIS VALIAS DA AUTO-AVALIAÇÃO DA BE Avaliar o trabalho colaborativo entre a Biblioteca Escolar e os professores; Identificar práticas que têm sucesso e pontos fracos a melhorar e, posteriormente, elaborar Planos de Melhoria; Planificar estrategicamente o trabalho, tendo em conta o Projecto Educativo da Escola/Agrupamento; Obter informação mais formalizada, que permita integrar a auto- avaliação da Biblioteca Escolar na avaliação interna e externa da Escola.
  9. 9. A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular A.1 Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes A.2. Desenvolvimento da literacia da informação B. Leitura e Literacias C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade C.1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular C.2. Projectos e parcerias D. Gestão da Biblioteca Escolar D.1.Articulação da BE com a Escola/ Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços D.3. Gestão da colecção ESTRUTURA DO MODELOESTRUTURA DO MODELO
  10. 10. ESTRUTURA DO MODELOESTRUTURA DO MODELO
  11. 11. Seleccionar o Domínio; Recolher as evidências; Interpretar as evidências recolhidas; Identificar o perfil de desempenho; Registar a auto-avaliação: • Assinalar as acções consideradas necessárias para a melhoria. METODOLOGIA DE OPERACIONALIZAÇÃOMETODOLOGIA DE OPERACIONALIZAÇÃO
  12. 12.  Os processos: •Ao longo doAo longo do anoano •De sistemáticaDe sistemática formaforma PEE, PAA, RI, PCT, relatos de actividades, memorandos de reuniões e actividades, estatísticas internas, questionários, grelhas de observação, entrevistas, materiais produzidos pela BE ou em colaboração com os Departamentos,… • As fontes: METODOLOGIA DE OPERACIONALIZAÇÃO - continuaçãoMETODOLOGIA DE OPERACIONALIZAÇÃO - continuação
  13. 13. Analisar Informação em conheciment o Verificar Redefinir Identificar pontos fracos e fortes Nível de Desempenho Delinear Planos de Melhoria INTERPRETAR ASINTERPRETAR AS EVIDÊNCIASEVIDÊNCIAS SENTIDASSENTIDAS METODOLOGIA DE OPERACIONALIZAÇÃO - continuaçãoMETODOLOGIA DE OPERACIONALIZAÇÃO - continuação
  14. 14. A avaliação realizada vai articular-se, em cada domínio/subdomínio, com os perfis de desempenho que caracterizam o que se espera da BE, face à área analisada. Esse desempenho envolve a BE, a Gestão e os professores titulares de turma. METODOLOGIA DE OPERACIONALIZAÇÃO - continuaçãoMETODOLOGIA DE OPERACIONALIZAÇÃO - continuação
  15. 15. - Elaboração de um relatório final, que identifica os pontos fortes, as principais fraquezas e as acções para a melhoria; -Reflexão, em Conselho de Docentes e/ou Pedagógico, sobre os resultados da avaliação e o papel da BE; - Definição de um plano de acção da BE de acordo com os resultados e os objectivos do Projecto Educativo do Agrupamento. METODOLOGIA DE OPERACIONALIZAÇÃO - continuaçãoMETODOLOGIA DE OPERACIONALIZAÇÃO - continuação
  16. 16. Do relatório final de avaliação da BE, a apresentar à RBE e, igualmente, aos órgãos de gestão do Agrupamento, deve ser feita uma síntese que deverá integrar o Relatório Anual de Actividades do Agrupamento e originar uma reflexão amplamente participada, de modo a que possa ser considerada como documento útil, quer na avaliação interna do Agrupamento, quer na avaliação externa a realizar pela Inspecção – Geral de Educação. METODOLOGIA DE OPERACIONALIZAÇÃO - continuaçãoMETODOLOGIA DE OPERACIONALIZAÇÃO - continuação
  17. 17. - Toda a comunidade educativa deve ser chamada a participar e ser envolvida no processo – PB, Equipa da BE, professores, alunos, pais, auxiliares ou outros agentes. - O PB deve estabelecer uma relação directa com a Gestão e um trabalho continuo com professores e alunos , adequando o trabalho da BE aos objectivos educativos do Agrupamento e ao sucesso dos alunos. -A Gestão deve envolver-se desde o primeiro momento, ser líder coadjuvante no processo e aglutinar vontades e acções. - A planificação e gestão deve ser efectuada em função desses resultados e em articulação com os objectivos do Projecto Educativo do Agrupamento.
  18. 18. Deve ser aprofundado, entre a BE e os professores, um trabalho colaborativo que: - favoreça a utilização e a integração dos recursos nas estratégias de ensino-aprendizagem. - contribua para a dinamização de actividades no âmbito da promoção da leitura e de um programa na área da literacia da informação. - permita elaborar planos de intervenção (ou acções) feitos de acordo com as necessidades individuais dos alunos. - permita aprofundar as trocas profissionais, que podem englobar estratégias e apreciações relativas à avaliação, tanto no plano das práticas pedagógicas, como nos processos de aprendizagem dos alunos.
  19. 19. AS VANTAGENS DA AUTO-AVALIAÇÃOAS VANTAGENS DA AUTO-AVALIAÇÃO
  20. 20. •Planear a avaliação - Seleccionar o domínio. - Verificar aspectos implicados. •Recolher evidências - Identificar as evidências mais relevantes para o domínio a avaliar. - Organizar e produzir instrumentos. •Analisar os dados - Fazer apreciações e retirar ilações. - Confrontar os dados com os factores críticos de sucesso e os perfis de desempenho. •Elaborar o relatório final e comunicar resultados - Preencher o modelo de relatório. - Comunicar os resultados à escola/ agrupamento e a outros interlocutores (Incluir resumo de resultados no relatório de auto-avaliação da escola). •Preparar e implementar um plano de acção - Identificar objectivos e metas a atingir. - Planificar e implementar as acções para a melhoria. - Monitorizar o processo de implementação das acções para a melhoria. Síntese – aplicação do modelo de auto-avaliação da BE (MAABE-pág.69)
  21. 21. INSTRUMENTOS CONSULTADOSINSTRUMENTOS CONSULTADOS • Texto da sessão nº 4 – “O modelo de auto-avaliação no contexto da Escola/ Agrupamento. • Texto da sessão nº 3 – “O modelo de auto-avaliação da Biblioteca Escolar: problemáticas e conceitos implicados”. • Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto-Avaliação, RBE, 2010. •

×