Os valores power point
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Os valores power point

on

  • 9,736 views

 

Statistics

Views

Total Views
9,736
Views on SlideShare
9,722
Embed Views
14

Actions

Likes
2
Downloads
74
Comments
1

2 Embeds 14

http://raizes-anabela.blogspot.pt 11
http://raizes-anabela.blogspot.com 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Os valores power point Os valores power point Presentation Transcript

    • Questões para realizar a prova de Filosofia, módulos 1, 2 e 3
      • Explicar o sentido etimológico do termo Filosofia.
      • Caracterização do conceito de Filosofia.
      • Explicar a especificidade da Filosofia.
      • Explicar as características da Filosofia: autonomia, radicalidade, historicidade e universalidade.
      • Distinguir Filosofia de ciência.
      • Explicar quais as questões da Filosofia: gnosiologia (conhecimento), epistemologia (ciência), ontologia (ser), antropologia (homem), axiologia (valores)e metafísica (aquilo que vai para além da experiência física).
      • Explicar a dimensão discursiva do trabalho filosófico: pensar – conceito, juízo e raciocínio, para poder defender uma tese que se sustenta em argumentos.
    • Questões para realizar a prova de Filosofia, módulos 1, 2 e 3
      • 8. Caracterizar a acção humana.
      • 9. Explicar os elementos da acção humana: agente, motivo, intenção, deliberar, ponderar, livre arbítrio e consciência.
      • 10. Distinguir acção de acontecimento, fazer de agir.
      • 11. Explicar as condicionantes da acção humana.
      • 12. Explicar as teorias sobre a liberdade ou livre arbítrio: determinismo radical, indeterminismo, determinismo moderado e libertarismo.
      • 13. Explicar a perspectiva de mente de Searle.
      • 14. Caracterizar o conceito de valor.
      • 15. Distinguir juízos de facto de juízos de valor.
      • 16. Explicar a caracterização geral dos valores: polaridade, hierarquia, historicidade e perenidade, absolutos ou relativos, objectivos e subjectivos.
      • 17. Distinguir moral de ética.
      • 18. Distinguir acções por dever, conforme o dever e contra o dever.
      • 19. Explicar a moral do dever.
      • 20. Explicar o valor de belo e feio, justo e injusto na arte.
    • Sinopse
      • Filosofia reflexão sobre a totalidade da experiência humana
      • Pensar – conceitos
      • Conhecer: a relação entre dois ou mais conceitos
      • Raciocinar: relacionar dois ou mais juízos possibilitando a formação de um ou vários argumentos, defendendo, assim uma tese.
    • Sinopse
      • Acção: intervenção consciente e voluntária no decurso normal das coisas
      • A intervenção realiza-se de acordo com aquilo que preferimos, isto é, de acordo com os nossos valores.
    • Filosofia Filosofia: reflexão sobre a totalidade da experiência humana. Esta é uma reflexão que tem características específicas: historicidade, radicalidade, universalidade e autonomia.
    • Argumentação
      • Dimensão discursiva do trabalho filosófico:
      • Problematizar : questionar;
      • Conceptualizar : representação mental, geral e universal da realidade. Os conceitos servem para que possamos apropriar-nos da realidade.
      • Argumentar: é a capacidade de defender uma ideia ou tese.
    • Para argumentar: como se constrói um argumento…
      • Conceitos
      • Juízo: é a relação entre 2 ou mais conceitos
      • Argumento ou raciocínio é a relação entre 2 ou mais juízos
      • Para que o nosso raciocínio seja coerente tem de ser verdadeiro ou válido. Por exemplo: todas as mulheres são fieis. Este é um exemplo de um juízo válido, mas não verdadeiro, pois santa há só uma, a Maria e mais nenhuma.
    • Acção Humana: análise e compreensão do fenómeno do agir
      • Caracterizar o conceito de acção
      • Distinguir acção de acontecimento
      • Distinguir fazer de agir
      • Explicar a rede conceptual da acção: agente, motivo, intenção, consciência, deliberação, livre arbítrio
      • Distinção entre actos do homem e actos humanos
      • Actos voluntários e involuntários
    • Condicionantes da acção
      • Físico biológicas e psicológicas
      • Histórico socioculturais
      • Liberdade na acção Humana
    • Determinismo e liberdade na acção
      • Determinismo radical
      • Indeterminismo
      • Determinismo moderado
      • Libertarismo
      • Proposta de John Searle: refuta o compatibilismo; analisa a liberdade na sua dimensão ilusória;
      • Análise do conceito de livre arbítrio
      • Defesa do Monismo, consciência e intencionalidade.
    • Monismo, consciência, intencionalidade e acção humana
      • O monismo é a tese que defende que há apenas uma substância ou essência, constitutiva de toda a realidade, que para os materialistas é a matéria e para os idealistas o espírito.
      • A consciência é uma qualidade da mente que engloba qualificações como subjectividade, auto-consciência, capacidade de se perceber a si mesmo e a relação entre si e o meio ambiente.
      • A intencionalidade é a característica pela qual os nossos actos mentais se dirigem ou se referem a objectos e estados de coisas do mundo diferentes deles mesmos. É a direccionalidade da consciência para um qualquer objecto.
      • A acção humana é o resultado de deliberações racionais e que podem alterar o decurso dos acontecimentos no mundo.
    •  
    • Os valores Os valores – Análise da compreensão da experiência valorativa
    • Valores e valoração – a questão dos critérios valorativos
      • Caracterização do conceito de valor
      • Definição de valor
      • Distinção entre juízos de facto e juízos de valor
      • Explicitação dos diferentes tipos de valores: materiais e espirituais
      • Características gerais dos valores: polaridade, hierarquização, historicidade, absolutividade e relatividade.
      • Concepções acerca da natureza dos valores: objectiva e subjectiva
      • Os critérios valorativos
      • Valores e cultura: a diversidade e o diálogo de culturas.
      • O papel da cultura na acção humana
      • O valor é uma qualidade potencial resultante das nossas preferências que fazemos acerca dos objectos, das emoções, das acções de um ser real ou ideal em função da presença ou ausência de algo que é desejável ou digno de estima.
      • Os valores são qualidades potenciais, isto é, qualidades que são atribuídas ao objecto por alguém em certas circunstâncias, ao contrário das suas qualidades físicas e sensíveis que existem. Peso, por exemplo, muito pesado.
      • Dinâmica cultural
      • Relativismo cultural e etnocentrismo
      • Relativismo cultural e direitos humanos
        • Valores e valoração – a questão dos critérios valorativos
      • - Valor
      • - Critério valorativo
      • - Distinção entre juízo de facto e juízo de valor
        • Valores e cultura – a diversidade e o diálogo de culturas
      • - Absoluto / Relativo
      • - Cultura
      • - A relação entre a diversidade cultural, o relativismo e a tolerância.
    • Dimensão da acção e os valores
        • A dimensão ético-política
      • - Análise e compreensão da experiência convivencial
          • – Intenção ética e normal moral
      • - Ética
      • - Moral
          • A dimensão pessoal e social da ética – o si mesmo, o outro e as instituições
      • - Responsabilidade
      • - Por que razão havemos de ser morais?
          • A necessidade de fundamentação da moral – análise comparativa de duas perspectivas filosóficas.
      • - Confronto entre a ética utilitarista do Stuart Mill e a ética deontológica de Kant.
          • – Ética, direito e política – liberdade e justiça social ; igualdade e diferenças; justiça e equidade.
      • A ética é reflexão sobre os problemas morais. Preocupa-se com os ideais da acção humana, isto é, como deve ser a acção humana, diz respeito à reflexão dos princípios ideais da acção.
      • A ética, o direito e a política são campos que estão relacionados, mas que não devem ser confundidos. Estão relacionados porque se relacionam com o agir humano. Tanto a política como o direito devem ter como base princípios éticos. A realização do ser humano no interior de uma sociedade é essencialmente configurada pelo direito e pela política . Estas surgem devido à necessidade de harmonizar os interesses individuais com os interesses colectivos de forma não violenta, tendo em conta a convivência pacífica.
      • O direito é o conjunto de normas que regulam as relações entre os cidadãos, estabelecendo também formas de punição para a violação dessas normas. O direito é o conjunto de normas que têm em conta a diferença de interesses entre os homens, com o objectivo de prever conflitos.
      • A política tem que ver com os projectos sociais e com os direitos e deveres dos cidadãos. É uma forma de enquadramento das relações sociais que pretende organizar e gerir as relações sociais, tendo em conta o bem-estar social.
      • Numa sociedade democrática, a liberdade individual não pode ser arbitrariamente incondicional, pois o direito de cada indivíduo à realização dos seus interesses e das suas aspirações não pode eliminar o direito à realização das aspirações e dos interesses dos outros cidadãos.
      • Para isso é necessário o Estado de direito, que é a essência de uma sociedade democrática, que equaciona o respeito pela liberdade individual como garantia da liberdade civil. O Estado é, assim, a forma moderna de organização política. Por estado de direito entende-se o sistema político que respeita as liberdades de tal modo que ninguém, nem mesmo o próprio Estado, se encontrem acima da lei. O Estado estabelece, assim, a igualdade de todos perante a lei, reconhecendo a igualdade de direito a todos os cidadãos. É a garantia última da igualdade e da liberdade. O Estado é, então, a institucionalização do exercício do poder político e da autoridade, tendo em vista a concretização dos fins a que a comunidade definiu como bons.
      • Por Estado de direito entende-se o sistema político que respeita as liberdades de tal modo que ninguém, nem mesmo o próprio estado se encontra a cima lei. O Estado estabelece, assim, a forma moderna de organização política, e a igualdade de todos perante a lei, reconhecendo a igualdade de direito a todos. É a garantia última da igualdade e da liberdade.
      • O que legitima a autoridade do Estado é, segundo Aristóteles, é o Estado ser a forma mais elaborada de sociedade. O homem é por natureza um animal político, não pode viver sosinho, nem sozinho pode alcançar a perfeição de um Estado. A política torna-se assim, a forma mais eficaz de civilizar e moderar os costumes de um Estado.
      • - Estado
      • - Justiça social
      • - Liberdade
      • - Sociedade civil
      • - Equidade
      • - O que legitima a autoridade do estado? – Comparação das respostas de Aristóteles e de Locke.
      • - Como é possível uma sociedade justa ? – A resposta de Rawls.