• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Sistemas e Tecnologias de Informação na Saúde e Qualidade Assistencial nas UCI
 

Sistemas e Tecnologias de Informação na Saúde e Qualidade Assistencial nas UCI

on

  • 1,374 views

As Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) são ambientes ricos em dados. Numa UCI podem ser medidas de forma contínua, a cada segundo (ou seja, quase um milhão de medições por dia), até dez ...

As Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) são ambientes ricos em dados. Numa UCI podem ser medidas de forma contínua, a cada segundo (ou seja, quase um milhão de medições por dia), até dez variáveis fisiológicas (frequência cardíaca, pressão arterial, saturação de O2 e CO2, temperaturas, etc.). Além disto, há normalmente um número adicional de itens de dados discretos lançados esporadicamente: resultados de laboratório, medicamentos, configurações de equipamentos, observações de pacientes, etc.
Erros podem ocorrer nas UCI sobretudo devido à grande quantidade de informação gerada durante os cuidados intensivos. Não obstante, cuidados rápidos e de alta qualidade com o menor número de erros possível são requeridos para cuidar de pacientes em estado crítico.
Considerando estes desideratos, são apresentados e discutidos os resultados de várias projetos de investigação realizados em países maioritariamente desenvolvidos, com o objetivo de mostrarmos que os sistemas e tecnologias de informação podem melhorar a qualidade assistencial nas UCI.
Concluímos, consequentemente, que os Sistemas de Informação Clínica (SIC) podem efetivamente melhorar o acesso aos dados clínicos, ajudar na redução dos erros, garantir conformidade com padrões de alta qualidade, fornecer apoio à decisão e facilitar a comunicação entre profissionais de saúde.
Em suma, os sistemas e tecnologias de informação podem melhorar a gestão da informação clínica e consequentemente a qualidade assistencial nas UCI.

Statistics

Views

Total Views
1,374
Views on SlideShare
1,374
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Sistemas e Tecnologias de Informação na Saúde e Qualidade Assistencial nas UCI Sistemas e Tecnologias de Informação na Saúde e Qualidade Assistencial nas UCI Presentation Transcript

    • SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA SAÚDE E QUALIDADE ASSISTENCIAL NAS UCI Álvaro Rocha amrocha@ufp.edu.pt GIMED - Grupo de I&D em Informática Médica Universidade Fernando PessoaCentro VI Jornadas do Doente Crítico, 19HospitalarLisboa Norte Janeiro 2012
    • Contexto2  As UCI são ambientes ricos em dados;  Podem ser medidas de forma contínua diversas variáveis ​fisiológicas (frequência cardíaca, pressão arterial, saturação de O2 e CO2, temperaturas, etc.).  Além disso, há um número adicional de itens de dados discretos lançados esporadicamente: resultados de laboratório, medicamentos, configurações de equipamentos, observações de pacientes, etc.
    • Erros…3  Erros podem ocorrer sobretudo devido ao enorme volume de dados;  O relatório do IOM “To Err is Human" indica que 17,7% dos erros que ocorrem nas UCI levam à morte ou invalidez dos pacientes e 46% levam a eventos adversos. Kohn LT, Corrigan JM, Donaldson MS, Eds. (1999), To Err is Human: Building a Safer Health System, Institute of Medicine. National Academy Press, Washington, DC, 1999.
    • Ambição das UCI4  Cuidados rápidos e de alta qualidade com o menor número de erros possível são requeridos para cuidar de pacientes em
    • Porquê Sistemas de Informação Clínica (SIC)?5  A grande quantidade de informação gerada durante os cuidados intensivos pode ser documentada e armazenada facilmente usando SIC;  Vários estudos demonstram que os SIC são clinicamente úteis, melhorando a qualidade
    • Bosman.R., Rood.E., Oudemans-van Straaten.H., Van der Spoel.J., Johannus Wester.J., Durk Zandstra.D. (2003), Intensive care information system reduces documentation time of the nurses after cardiothoracic surgery, Intensive Care Med., 29:83-90.6  Estudo do efeito de um SIC de cuidados intensivos na atividade de enfermagem de uma UCI com 18 camas médico-cirúrgicas de um hospital universitário Holandês.  O uso do sistema de informação após cirurgia cardiotorácica alterou a atividade de enfermagem, pela redução do tempo de documentação, desde os iniciais 20,5% em papel para 14,4% com o sistema de informação, correspondendo a 29 minutos por turno de 8 horas de enfermagem, ficando este tempo disponível para prestação de cuidados aos pacientes.
    • Saarinen, K.; Aho, M. (2005), Does the implementation of a clinical information system decrease the time intensive care nurses spend on documentation of care? Acta Anaesthesiologica Scandinavica, 49(1):62-65.7  Este estudo comparou o tempo de trabalho de enfermagem antes e depois da implementação de um SIC numa UCI polivalente de um grande hospital central Finlandês.  O tempo total gasto pelos enfermeiros na documentação dos cuidados de enfermagem aumentou 3,6%, o que representa cerca de 15 minutos por turno de 8h/enfermeiro. As atividades de cuidados intensivos de enfermagem aumentaram 3,7% (14 minutos). E o tempo total gasto no atendimento ao paciente aumentou 5,5% (21 minutos).  Não obstante, a implementação do SIC também mostrou a melhoria da qualidade de cuidados de saúde na UCI, pela redução de erros de medicação e de erros de documentação.
    • Shulman.R., Bellingan.G. and Singer.M. (2004), Medication errors: comparison of electronic and handwritten prescribing in the ICU, Critical Care, 8(Suppl 1):338.8  Este estudo comparou a taxa de erros de medicação com prescrição manual e com prescrição eletrónica, em UCI geral de 22 camas de Hospital Universitário de Londres (UK).  A introdução do sistema de informação clínica, com respetiva facilidade de prescrição eletrónica, reduziu significativamente os erros de medicação: de 6,7% para 4,7%
    • Hammond.J.,Johnson.H.M.,Varas.R.,Ward.C.G. (1991), A Qualitative Comparison of Paper Flowsheets vs A Computer-Based Clinical Information System, CHEST, 99(1):155-157.9  Neste estudo, realizado na UCI de Hospital Universitário de Miami (USA) com 5 camas, foi efetuada uma comparação qualitativa de registos de atividades de enfermagem em papel e em SIC.  Constatou-se que os erros ocorreram pelo menos uma vez em 25% dos registos de atividades manuscritos para cada turno de enfermagem de12h e que esses erros podem ser eliminados com o uso de SIC.
    • Amarasingham.R., Pronovost.P.J., Diener-West.M., Goeschel.C., Dorman.T., M Thiemann.D.R., and R. Powe.R.N. (2007), Measuring Clinical Information Technology in the ICU Setting: Application in a Quality Improvement Collaborative, J Am Med Inform10 Assoc.,14:288-294.  Este estudo, realizado com a colaboração de 19 Diretores Clínicos de UCIs de hospitais de Michigan (USA), pretendeu avaliar o nível de automação e usabilidade de SIC de UCI e correlacionar os valores obtidos com resultados clínicos;  Os resultados mostraram que a presença de mais sofisticados SIC na UCI estava associada com maiores reduções na taxa de infeção após cateter.
    • Ballermann M, Shaw NT, Mayes DC, Gibney RT (2011), Critical care providers refer to information tools less during communication tasks after a critical care clinical information system introduction, Studies in Health Technology and Informatics, 164:37-41.11  Estudo realizado na Universidade de Alberta, Canada, em 2 UCI (1 geral, de hospital universitário; e 1 pediátrica, de hospital de crianças);  Após a introdução do SIC diminuiu o tempo e o volume de comunicação verbal entre os profissionais de saúde nas mudanças de turnos.
    • Daniela Couto Carvalho Barra, Grace Teresinha Marcon Dal Sasso, Marisa MonticelliI (2009), Processo de enfermagem informatizado em unidade de terapia intensiva: uma prática educativa com enfermeiros, Revista Eletrónica de Enfermagem, 11(3):579-8912  Estudo realizado pela Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil, com os enfermeiros da UCI do Hospital Universitário de Florianópolis;  Os resultados evidenciaram que o processo de enfermagem informatizado em terapia intensiva contribuiu para a melhoria da prática de enfermagem.
    • Emmy Rood, Robert Jan Bosman, Johan Ids van der Spoel, Paul Taylor and Durk Freark Zandstra (2005), Use of a Computerized Guideline for Glucose Regulation in the Intensive Care Unit Improved Both Guideline Adherence and Glucose Regulation, J Am Med Inform Assoc. 2005 Mar-Apr; 12(2): 172–180.13  Estudo realizado na UCI de Hospital Universitário de Amesterdão, Holanda, com o objetivo de aferir o impacte de uma guideline informatizada na regulação da glucose dos pacientes.  A guideline informatizada ajudou significativamente na implementação e adesão a uma guideline para a gestão da glicose num ambiente de cuidados críticos e subsequentemente melhorou a regulação da glucose nos pacientes.
    • McCambridge M, Jones K, Paxton H, Baker K, Sussman EJ, Etchason J. (2010), Association of health information technology and teleintensivist coverage with decreased mortality and ventilator use in critically ill patients, Archives of Internal Medicine. 2010 Apr14 12;170(7):648-53.  Estudo realizado na UCI de um Hospital Universitário dos USA com 727 camas, visando avaliar o efeito da implementação de um pacote de TI (EMR, telemedicina, etc.) nos cuidados intensivos, nomeadamente na mortalidade, no uso do ventilador e no tempo de internamento.  Os resultados indicaram uma mortalidade significativamente menor (-29,5%) e um menor uso do ventilador em doentes críticos.
    • Notas finais (1)15  Os estudos analisados mostram que os SIC têm potencial para resolver vários problemas das UCI:  Facilitam a comunicação entre profissionais de saúde;  Diminuem a frequência de erros (de medicamentos, de documentação, etc.);  Ajudam a reduzir problemas (mortalidade, infeções, etc.);  Podem diminuir o tempo despendido com documentação;
    • Notas finais (2)16  Ajudam na implementação de boas práticas (e.g: guidelines);  Facilitam e melhoram a tomada de decisão;  Contribuem, pois, para o aumento da qualidade assistencial e subsequentes ganhos em saúde.
    • SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA SAÚDE E QUALIDADE ASSISTENCIAL NAS UCI Álvaro Rocha amrocha@ufp.edu.pt GIMED - Grupo de I&D em Informática Médica Universidade Fernando PessoaCentro VI Jornadas do Doente Crítico, 19HospitalarLisboa Norte Janeiro 2012