10 11 Apresentação do modelo de av ao Agrupamento

626 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
626
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

10 11 Apresentação do modelo de av ao Agrupamento

  1. 1. Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis APRESENTAÇÃO DO MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR modelo de auto-avalição da biblioteca escolar Rede Bibliotecas Escolares
  2. 2.  Tradicionalmente, o impacto das bibliotecas aferia-se através da relação directa entre os inputs (colecção existente, staff, verba gasta com o funcionamento da BE...) e os outputs (número de empréstimos, número de visitas, sessões realizadas pela equipa...).  Hoje, a avaliação centra-se, essencialmente, na aferição das modificações positivas que o seu funcionamento tem nas atitudes, valores e conhecimento dos utilizadores (impacto qualitativo). Trata-se de aferir não a eficiência, mas a eficácia dos serviços: os resultados que os serviços produziram. AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR ONTEM E HOJE Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  3. 3. Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis PRESSUPOSTOS «…é importante que cada escola conheça o impacto que as actividades realizadas pela e com a Biblioteca Escolar vão tendo no processo de ensino e aprendizagem, bem como o grau de eficiência dos serviços prestados e de satisfação dos utilizadores da BE.» Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares (RBE, Lisboa 2010)
  4. 4. A Biblioteca Escolar centro de aprendizagens e de investigação nos processos de inovação docente. Este novo paradigma educativo pressupõe grandes transformações: espaços educativos com ensino virtual, sistemas de e-learning, que põem no centro o aluno e potenciam as suas habilidades na construção do conhecimento; recursos informativos apoiados cada vez mais pelas tecnologias de comunicação e informação, em ambientes cada vez mais conectados e cooperativos. Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares (RBE, Lisboa 2010) Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis A BIBLIOTECA ESCOLAR NO CONTEXTO DA MUDANÇA
  5. 5. A auto–avaliação não é um fim em si mesmo, mas um instrumento que permite a melhoria das práticas. ( Elliot, 1978) A auto-avaliação conduz ao profissionalismo. ( Simons, 1982 ) O processo de avaliação deve ser partilhado com a Comunidade Educativa. ( Rudd e Davies, 1999) Pretende-se avaliar a qualidade e eficácia da BE e não o desempenho individual do professor bibliotecário ou de elementos da equipa da biblioteca. Um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua da BE. Instrumento pedagógico que permite orientar as escolas, e sugere possíveis acções para melhoria. Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares (RBE, Lisboa 2010) Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis CONCEITOS IMPLICADOS
  6. 6. Estes domínios procuram reflectir as três áreas chave de actividades das BEs:  Integração na escola e no processo de ensino/ aprendizagem.  Acesso. Qualidade da Colecção.  Gestão da BE. Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis ESTRUTURA DO MODELO A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular B. Leitura e Literacia C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade O Modelo de Auto-Avaliação organiza-se em quatro domínios (divididos em subdomínios) D. Gestão da BE A.1 Articulação Curricular da BE com as Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica e os Docentes A.2 Promoção das Literacias da Informação, Tecnológica e Digital C.1 Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular C.2 Projectos e parcerias D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços D.3 Gestão da Colecção/da informação
  7. 7. ESTRUTURA DO MODELO: SUBDOMÍNIOS E INDICADORES: A1. Articulação curricular da BE com as Estruturas Pedagógicas e os Docentes A.1.1. Cooperação da BE com as estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica da escola/agrupamento. A.1.2. Parceria da BE com os docentes responsáveis pelas áreas curriculares não disciplinares. A.1.3. Articulação da BE com os docentes responsáveis pelos serviços de apoios especializados e educativos (NAE, AE). A.1.4. Ligação da BE ao Plano Tecnológico da Educação (PTE) e outros programas e projectos (Comenius…). A.1.5. Colaboração da BE com os docentes na concretização das actividades curriculares desenvolvidas no seu espaço ou tendo por base os seus recursos. A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  8. 8. ESTRUTURA DO MODELO: SUBDOMÍNIOS E INDICADORES A2. Desenvolvimento da Literacia da Informação A.2.1. Organização de actividades de formação de utilizadores. A.2.2. Promoção do ensino em contexto de competências de informação. A.2.3. Promoção das TIC e da Internet como ferramentas de acesso, produção e comunicação de informação e como recurso de aprendizagem. A.2.4. Impacto da BE nas competências tecnológicas, digitais e de informação dos alunos. A.2.5. Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida. A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  9. 9. ESTRUTURA DO MODELO: SUBDOMÍNIOS E INDICADORES B. Leitura e Literacia B.1 Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura na escola/agrupamento. B.2 Integração da BE nas estratégias e programas de leitura ao nível da escola/agrupamento: fornecimento de livros e outros recursos para as salas de aula, articulação de actividades de leitura com os docentes, desenvolvimento do PNL, difusão de informação, criação de instrumentos de apoia a actividades de leitura e escrita,… B.3 Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literacias: participação dos alunos em clubes, blogue, Jornalês,… B. Leitura e Literacia Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  10. 10. ESTRUTURA DO MODELO: SUBDOMÍNIOS E INDICADORES C.1 Apoio a Actividades Livres, Extra-Curriculares e de Enriquecimento Curricular C.1.1. Apoio à aquisição e desenvolvimento de métodos de trabalho e de estudo autónomos. C.1.2. Dinamização de actividades livres, de carácter lúdico e cultural. C.1.3. Apoio à utilização autónoma e voluntária da BE como espaço de lazer e livre fruição dos recursos. C.1.4. Disponibilização de espaços, tempos e recursos para a iniciativa e intervenção livre dos alunos. C.1.5. Apoio às Actividades de Enriquecimento Curricular (AEC), conciliando-as com a utilização livre da BE. C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  11. 11. ESTRUTURA DO MODELO: SUBDOMÍNIOS E INDICADORES C.2. Projectos e Parcerias C.2.1. Envolvimento da BE em projectos da respectiva Escola/Agrupamento ou desenvolvidos em parceria, a nível local ou mais amplo. C.2.2. Desenvolvimento de trabalho e serviços colaborativos com outras escolas, agrupamentos e BEs. C.2.3. Participação com outras Escolas /Agrupamentos e com outras entidades (por ex. RBE, DREN, CFAE), em reuniões da BM ou outro Grupo de Trabalho a nível concelhio ou inter-concelhio. C.2.4. Estímulo à participação e mobilização dos Pais/EE’s no domínio da promoção da leitura e do desenvolvimento de competências das crianças e jovens que frequentam a escola/agrupamento. C.2.5. Abertura da Biblioteca à comunidade local. C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  12. 12. ESTRUTURA DO MODELO: SUBDOMÍNIOS E INDICADORES D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE D1.1. Integração/acção da BE na escola/ agrupamento. D.1.2. Valorização da BE pelos órgãos de direcção, administração e gestão da escola/ agrupamento. D.1.3. Resposta da BE às necessidades da escola/ agrupamento. D.1.4 Avaliação da BE na escola/ agrupamento. D. Gestão da BE Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  13. 13. ESTRUTURA DO MODELO: SUBDOMÍNIOS E INDICADORES D.2 Condições humanas e materiais para prestação dos serviços D.2.1 Liderança do/a professor/a bibliotecário/a. D.2.2 Adequação da equipa em número e qualificações às necessidades de funcionamento da BE e às solicitações da comunidade educativa. D.2.3 Adequação da BE em termos de espaço e de equipamento às necessidades da escola/ agrupamento. D.2.4 Resposta dos computadores e equipamentos tecnológicos ao trabalho e aos novos desafios da BE. D. Gestão da BE Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  14. 14. ESTRUTURA DO MODELO: SUBDOMÍNIOS E INDICADORES D.3. Gestão da Colecção D3.1 – Planeamento da colecção de acordo com a inventariação das necessidades curriculares e dos utilizadores. D3.2 - Adequação dos livros e de outros recursos de informação (no local e online) às necessidades curriculares e de informação dos utilizadores. D3.3 - Alargamento da colecção aos recursos digitais online. D3.4 – Uso da colecção pelos utilizadores. D3.5 – Organização da informação. Informatização da colecção. D3.6 - Gestão Cooperativa da Colecção. D3.7 – Difusão da informação. D. Gestão da BE Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  15. 15. A implementação da auto-avaliação implica:  Motivação e compromisso institucional do CP e Direcção com o processo de auto- avaliação da BE;  Apresentação do Modelo aos colegas e órgãos de gestão e formalização de alguns procedimentos no sentido de uma mobilização e co-responsabilização de todos os intervenientes:  participação da BE em reuniões alargadas ou restritas de docentes para recolha da informação;  facilitação de documentação e disponibilização de dados pelos colegas;  definição de formas de colaboração com os docentes na recolha de evidências sobre os alunos;  aceitação e reconhecimento dos resultados por todos;  envolvimento na subsequente promoção de um plano de melhoria e desenvolvimento. METODOLOGIA DE APLICAÇÃO DO MODELO Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  16. 16. O Modelo adopta uma aproximação à realidade, por etapas: - Identificação de um problema ou de um desafio; - Recolha de evidências; - Interpretação da informação recolhida; - Realização das mudanças necessárias; - Recolha de novas evidências acerca do impacto dessas mudanças. IMPLEMENTAÇÃO DO PROCESSO O ciclo da avaliação completa-se ao fim de 4 anos e o modelo adapta- se à realidade verificada. Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  17. 17. A execução do Plano de Avaliação envolve as seguintes etapas:  Diagnóstico;  Identificação do Domínio a avaliar (em cada ano é avaliado apenas um domínio, considerando as perspectivas dos professores e as necessidades dos alunos);  Evidências a recolher; instrumentos a utilizar (questionários, entrevistas, inquéritos, análise de documentos, grelhas de observação a alunos, professores e pais/EE, …); limitações; levantamento de necessidades;…  Intervenientes e composição das amostras a utilizar;  Calendarização;  Recolha e análise dos dados (tratamento da informação);  Identificação de pontos fortes e fracos e posicionamento nos respectivos níveis de desempenho, face aos benchmarks dados;  Interpretação e descrição dos resultados da avaliação e definição de acções de melhoria;  Comunicação dos resultados da avaliação e medidas de melhoria a empreender (mudanças necessárias), a integrar no Relatório de Avaliação interna da Escola/Agrupamento. IMPLEMENTAÇÃO DO PROCESSO: ETAPAS Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  18. 18. Contextual (Já existente na escola. Fornece o contexto social/cultural/geográfico em que a escola se insere. Ex: Projecto Educativo). Quantitativa (fornece dados relativos à quantidade de recursos, mobiliário, pessoal, financiamento, serviços oferecidos,…). Qualitativa (fornece dados quanto à qualidade dos aspectos referidos acima. Ex: de que forma os recursos são bem utilizados.). (A informação quantitativa e qualitativa estão intrinsecamente ligadas).  Existentes (verifica-se no dia-a-dia, como no horário de abertura, o tipo de espaços da BE, o número de computadores,…)  Facilmente verificadas (estatística, documentos de registo, programas da BE,…)  Para recolher especificamente (contabilização dos recursos, aplicação de inquéritos, observação de actividades in loco,…) RECOLHA DE EVIDÊNCIAS A avaliaç ão da BE deve apoiar-se em evidências, cuja leitura nos mostra os ASPECTOS POSITIVOS que devemos realç ar e fazer sobressair comunicando os resultados, ou ASPECTOS MENOS POSITIVOS que nos podem obrigar a repensar formas de gestão e maneiras de funcionamento. Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  19. 19.  Registos de Observação.  Questionários/Entrevistas aos professores, alunos, pais/EE.  Checklists.  Registos estatísticos.  Informação contida em documentação que rege e estrutura a vida da escola e da BE (PEA; RI; PCA; PCTs).  Planificações.  Análise de trabalhos dos alunos.  Registos de reuniões/contactos. Actas.  Materiais de apoio produzidos e editados. INSTRUMENTOS DE RECOLHA DE EVIDÊNCIAS Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  20. 20. Direcção Equipa da BE e PTE Professores Alunos Assistentes operacionais Pais Outros membros da comunidade escolar. PARTICIPANTES NO PROCESSO Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  21. 21. Este modelo de avaliação pressupõe: • na identificação de recursos; • no desenvolvimento de actividades conjuntas, orientadas para o sucesso educativo dos alunos; • na adequação da colecção e dos recursos tecnológicos; • na qualidade dos serviços prestados e a acessibilidade aos mesmos. Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis GESTÃO PARTICIPADA • uma mobilização da escola e o esforço de todos, contribuindo desta forma para a implementação do processo avaliativo; • diálogo constante com a Direcção; • apresentação e discussão do processo no Conselho Pedagógico; • proximidade e diálogo com os vários Departamentos e professores; • a colaboração entre os intervenientes:
  22. 22. «A avaliação realizada vai articular-se, em cada domínio/subdomínio, com os perfis de desempenho que caracterizam o que se espera da BE, face à área analisada. Na maioria dos casos, esse desempenho não depende da acção isolada da própria BE, estando envolvidos outros actores, como os órgãos de administração e gestão e os docentes em geral, pelo que a avaliação da biblioteca escolar acaba, de facto, por envolver e implicar toda a escola/agrupamento. Na caracterização dos perfis de desempenho optou-se por uma escala de quatro níveis que caracterizam o tipo de desempenho da BE em relação a cada domínio/subdomínio.» PERFIS DE DESEMPENHO Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  23. 23. • É importante que todo o processo da auto-avaliação da Biblioteca esteja ligado ao processo de avaliação da escola, de forma a garantir o apoio de todo o pessoal docente, não docente e demais membros da comunidade escolar. Assim, deve usar linguagem, esquemas e termos familiares a todos os agentes educativos de forma a assegurar que toda a comunidade está receptiva e percebe claramente os resultados da auto-avaliação da BE. • A escola, enquanto membro agregador de vários recursos, sendo um deles a BE, tem de garantir a avaliação a todos os níveis, permitindo assim uma visão de futuro, no sentido da melhoria das acções e desenvolvimento de soluções para colmatar aspectos menos positivos. Nesta perspectiva, a BE não pode ser deixada de lado. Deve, sim, ter um lugar de destaque em todo o processo de auto-avaliação da própria escola. • Os resultados da auto-avaliação da BE serão comunicados e discutidos em Conselho Pedagógico, entidade à qual será entregue o relatório final de auto-avaliação. • A informação resultante deste processo de auto-avaliação tem um valor estratégico para a escola, mas é também indispensável à tomada de decisões do Programa RBE. INTEGRAÇÃO DOS RESULTADOS NA AUTO- AVALIAÇÃO DA ESCOLA Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  24. 24. RESUMINDO: A Avaliação da BE acaba, de facto, por envolver e implicar toda a Escola. Neste sentido: •não pode ser encarada como um fim mas sim como um processo; •deverá ter uma função reguladora, reflexiva e originar mudanças concretas na prática; •contribui para a elaboração de um plano de desenvolvimento com a identificação dos pontos fortes e fracos; •as acções para a melhoria devem constituir um compromisso da escola, na sua globalidade, já que um melhor desempenho da BE irá beneficiar o trabalho de todos: professores e alunos. OS RESULTADOS •devem ser partilhados com a Direcção da Escola/Agrupamento; •divulgados e discutidos nos órgãos de gestão pedagógica; O resultado global da auto-avaliação da BE deverá ser integrado na auto-avaliação da escola/agrupamento. Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis
  25. 25.  Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares (RBE, Lisboa 2010) < http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/file.php/142/Modelo_de_auto- avaliacao_da_biblioteca_escolar_2010.pdf> [05/11/2010]  Todd, Ross (2001) “Transições para futuros desejáveis das bibliotecas escolares”. The 2001 IASL Conference Auckland New Zealand,9-12 July. < http://forumbibliotecas.rbe.min- edu.pt/file.php/142/Transicoes_para_futuros_desejaveis_das_BE_1_.pdf> [05/11/2010]  Todd, Ross (2008) “O Manifesto para os Bibliotecários Escolares sobre a prática baseada em evidências”. Jornal da Biblioteca Escolar, 4/1/2008. < http://forumbibliotecas.rbe.min- edu.pt/file.php/142/Jornal_da_Biblioteca_Escolar_4_O_Manifesto_para_os_Bibliotecarios_Escolares_sobre_ a_pratica_baseada_em_evidencias.pdf>[05/11/2010]  Todd, Ross (2002) “Professores Bibliotecários Escolares: resultados da aprendizagem e prática baseada em evidências”. 68th IFLA Council and General Conference August. < http://forumbibliotecas.rbe.min- edu.pt/file.php/142/Professores_Bibliotecarios_Escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_baseada_ em_evidencias_1_.pdf > [05/11/2010]  Texto da Acção de Formação < http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/file.php/142/MABE_- _PROBLEMATICAS_E_CONCEITOS_IMPLICADOS_NOVO.pdf > [05/11/2010] BIBLIOGRAFIA Ana Maria Mocho Professora Bibliotecária - E B Soares dos Reis

×