Your SlideShare is downloading. ×
0
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Bovino De Leite
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Bovino De Leite

9,168

Published on

Published in: Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
9,168
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
150
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Amanda Montalvão Andréa França Luciana Guedes Karla Florêncio Priscila Antão
  • 2. <ul><li>Farelo de Trigo em Substituição ao Fubá de Milho em Dietas de Vacas em Lactação. </li></ul><ul><li>3-consumo e Digestibilidade </li></ul>
  • 3. INTRODUÇÃO <ul><li>Na prática de criação de ruminantes, a alimentação tem sido responsável pela maior parte dos custos (60 a 70%), sejam esses animais criados confinados ou extensivamente. </li></ul><ul><li>Dentro de algumas opções de ingredientes de concentrados para o gado leiteiro, o farelo de trigo pode ser uma alternativa viável, quando o seu preço estiver conveniente, entretanto, pouco se sabe sobre o seu valor nutritivo para estes animais. </li></ul>
  • 4. <ul><li>A ingestão de matéria seca (IMS) é um importante critério para avaliação de dietas, especialmente para vacas de alta produção. A IMS depende de uma série de fatores, incluindo peso vivo, nível de produção de leite, estádio de lactação, condições ambientais, fatores psicogênicos e de manejo, histórico de alimentação, condição corporal e qualidade dos ingredientes da ração, particularmente forragens. </li></ul><ul><li>A digestibilidade é um dos parâmetros mais importantes para avaliação do valor nutritivo de um alimento. </li></ul>
  • 5. OBJETIVO: <ul><li>Determinar o tempo necessário para adaptação e medição de consumo e avaliar o efeito de níveis crescentes de farelo de trigo em substituição ao fubá de milho em dietas de vacas em lactação sobre o consumo de MS, MO, PB, EE, FDN, CHOT, CNF e NDT, e as digestibilidades da MS, MO, PB, CHOT e FDN. </li></ul>
  • 6. MATERIAL E MÉTODOS
  • 7. <ul><li>O experimento foi conduzido na Unidade de Ensino Pesquisa e Extensão em Gado de Leite (UEPE-GL) da Universidade Federal de Viçosa (MG); </li></ul><ul><li>Foram utilizadas 12 vacas da raça Holandesa puras e mestiças , em sistema de confinamento total e em baias individuais, distribuídas em três quadrados latinos balanceados , com quatro períodos de 15 dias; </li></ul>
  • 8. <ul><li>Os períodos foram divididos em 3 sub-períodos de 5 dias para coleta de amostras para medição do consumo de MS e 10 dias de adaptação e cinco dias de coletas para análise dos nutrientes, foram utilizadas para avaliar o efeito da substituição do fubá de milho pelo farelo de trigo em 0, 33, 67 e 100% na dieta de vacas em lactação; </li></ul>
  • 9. <ul><li>As dietas foram isoprotéicas (15%PB) compostas de silagem de milho, fubá de milho e/ou farelo de trigo, além de farelo soja, algodão, uréia e minerais. </li></ul><ul><li>A relação volumoso : concentrado foi de 70:30% na base seca. As dietas foram balanceadas para atender as exigências, segundo o NRC (1989) de vacas leiteiras, pesando 550 kg de peso vivo e produzindo 20 kg de leite/dia com 3,5% de gordura. </li></ul><ul><li>As fezes foram coletadas diretamente da ampola retal duas vezes ao dia, as 8 h e as 15 h no décimo quarto dia de cada período experimental. </li></ul>
  • 10. <ul><li>A fibra em detergente ácido indigestível (FDAi) foi utilizada como indicador interno para determinar a digestibilidade aparente dos nutrientes, conforme técnica descrita por CRAIG et al. (1984) , exceto para a incubação, que foi feita diretamente no rúmen por seis dias. </li></ul><ul><li>Os dados foram avaliados por meio de análises de variância e regressão </li></ul><ul><li>utilizando-se um nível de 5% de significância. </li></ul>
  • 11. RESULTADOS E DISCUSSÃOS
  • 12. Tabela 1 – Consumo médio diário de matéria seca estimadas para três sub-períodos em função dos níveis de farelo de trigo na dieta e suas respectivas médias e coeficientes de variação (CV) Sub-período Níveis de farelo de trigo (%) 0 33 67 100 Média geral CV (%) CMS(kg/dia) 17,00 17,65 17,26 CMS(%PV) 3,14 3,27 3,2 CMS(g/kg º ׂ , 75 ) 151,52 157,62 154,23 16,28 17,63 16,46 3,01 3,27 3,06 145,12 157,57 147,12 1 2 3 1 2 3 1 2 3 16,95 17,10 16,45 3,17 3,19 3,07 152,35 153,35 147,52 16,37 17,23 17,04 3,06 3,21 3,18 146,91 154,5 152,82 Y= 16,65 Y= 17,40 Y= 16,80 Y= 3,10 Y= 3,24 Y= 3,13 Y= 148,97 Y= 155,81 Y= 150,42 7,75 7,19 7,59 6,69 5,72 6,98 6,92 6,06 7,04
  • 13. <ul><li>TABELA 1- Observou-se que em nenhum dos sub-períodos os consumos de matéria seca foram influenciados pelos níveis de farelo de trigo nas rações. </li></ul>
  • 14. Tabela 2 – Consumo médios diários de matéria seca (MS) matéria orgânica (MO), proteina bruta (PB), extrato etéreo (EE), carboidratos totais (CT), fibra em detergente neutro (FDN), carboidratos não fibrosos (CNF) e nutrientes digetíveis totais (NDT) das dietas experimentais e suas respectivas equações de regressão, coeficiebte de determinação (R²) e coeficiente de variação (CV) Itens Níveis de farelo de trigo (%) 0 33 67 100 Equação de regressão CV (%) º ,75 17,26 154,23 16,1 2,91 0,498 11,90 6,42 5,34 11,65 3,2 1,19 16,46 147,12 15,33 2,83 0,450 11,25 8,10 4,52 10,82 3,06 1,51 MS kg/dia MS g/kg MO kg/dia PB kg/dia EE kg/dia CT kg/dia FDN kg/dia CNF g/kg NDT kg/dia MS %PV FDN %PV 16,45 147,52 15,64 2,80 0,453 11,73 8,12 4,13 11,08 3,07 1,52 17,04 152,82 15,74 2,91 0,468 11,91 9,29 3,79 10,31 3,18 1,73 Y= 16,08 Y= 150,42 Y= 15,7 Y= 2,86 Y= 0,467 Y= 11,7 Y= 6.696+0,025NT Y= 5,205-0,015NT Y= 10,96 Y= 3,12 Y= 1,242+0,005NT 7,59 7,04 5,79 6,34 11,25 6,43 7,66 10,12 10,26 6,98 7,07 R² Consumos 0,88 0,94 0,88
  • 15. <ul><li>TABELA 2 - Os consumos de MS, MO, PB, EE e NDT não variaram com o aumento dos níveis de trigo da ração, entretanto, os consumos de FDN expressos em kg/dia e %PVaumentaram (P<0,05) com o aumentos dos níveis de trigo, uma vez que este apresenta alto teor de fibra, já o consumo de CNF decresceu (P<0,05) com o aumento dos níveis de farelo de trigo. </li></ul>
  • 16. <ul><li>As digestibilidades aparentes da MS, MO, CHOT e PB decresceram linearmente (P<0,05) com o </li></ul><ul><li>aumento dos níveis de trigo da ração; </li></ul><ul><li>as digestibildades do EE e FDN não variaram. </li></ul>
  • 17. CONCLUSÕES <ul><li>A redução do período experimental para 10 dias poderá resultar em 33% de economia em tempo e custos de alimentação. </li></ul><ul><li>Os consumos de nutrientes, com exceção dos consumos de FDN e CNF não foram afetados pelos níveis de farelo de trigo nas dietas de vacas em lactação. Entretanto, as digestibilidades foram influenciadas, exceto apenas para a digestibilidade do extrato etéreo e FDN. </li></ul>
  • 18. OBRIGADA !!!

×