Your SlideShare is downloading. ×
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)

147
views

Published on

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
147
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A TEORIA DA ENUNCIAÇÃO NO FILME “ESTAMOS JUNTOS” Anderson Lopes Raquel Lima Faculdade São Bernardo Do Campo, São Paulo – Brasil Resumo O trabalho a seguir apresenta uma discussão sobre os processos de enunciaçãoobservando as teorias de Ducrot, Van Dijk e Ingedore Koch. É utilizando como objeto de análise um diálogo retirado do filme “Estamos Juntos” VENTURI, T. (2011) Palavras chave:Enunciação–Diálogo – Estamos Juntos Resumen El trabajo seguinte presenta una discusión a cerca de los procesos de enunciación. Donde se utilizan las teorias de Ducrot,Van Dijk y Ingedore Koch . El objeto de análisis es un dialogo retirado de la película brasileña “Estamos Juntos’’VENTURI, T. (2011) Palabras llave :Enunciación- Diálogo – Estamos Juntos Introdução Para entendermos as teorias da enunciação é necessário entender um pouco da história da linguagem e como ela foi concebida através dos tempos. Koch em A inter-ação pela linguagem (2010)elabora alguns conceitos. A partir destes podemos discorrer sobre as noções de enunciador, enunciatário e
  • 2. 2 enunciado. A linguagem foi conceituada de diferentes maneiras, dentre elas estão a Representação, o Instrumento e a Forma. A Representação se dá quando o indivíduo espelha o mundo através da linguagem, refletindo seu pensamento e seu conhecimento de mundo.Já na segunda, o Instrumento, temos a ideia de ferramenta, na qual a língua age como um código de comunicação. A principal função da linguagem é a transmissão de informações. Na terceira concepção, a Forma, a linguagem é ação e interação; as palavras estão no nosso paradigma e só passam a existir quando produzidas pelo enunciador. Bakhtin, com a teoria da enunciação, introduz um novo conceito nos processos de enunciação. Essa tem como principais componentes o enunciador, o enunciatário e o enunciado. Mas, a teoria só ganhou impulso através de Benveniste e de Ducrot. Ducrotaponta nessa teoria estruturalista as noções de signo, relação, língua e fala, dizendo que a palavra só tem significado dentro de uma frase como contexto. Já Van Dijk(1992) apresenta a o frame, introduzindo uma nova noção de contextualização e de conhecimentos prévios de mundo. No trabalho que se segue serão apresentadas as teorias já citadas enfatizando o conceito de enunciação e a noção de frame. As teorias serão exemplificadas através de um diálogo retirado do filme brasileiro “Estamos Juntos”, produzido e dirigido por Venturi no ano de 2011. 1- A linguística do discurso As condições propícias para o surgimento da linguística do discurso
  • 3. 3 nascem da visão de alguns linguistas (principalmente da Europa) de linguagem como atividade e o pensamento sobre as relações entre língua e usuários. Ingedore Koch(2010) em seu livro A Inter-ação pela linguagem diz que a Linguística do discurso é: “uma linguística que se ocupa das manifestações linguísticas produzidas por indivíduos concretos em situações concretas, sob determinadas condições de produção”(KOCH,p. 9). A autora ainda apresenta alguns tipos de interação que podem ser concebidas de três formas: através de uma só palavra, de uma sequência de duas ou mais palavras ou de sequências linguísticas que tomam proporções maiores que a frase. Baseando-se nisso podemos ultrapassar a frase e tomar como objeto de estudo as combinações frasais, de sequências textuais ou de textos inteiros. Segundo Koch, o objetivo da linguística do discurso é descrever a interação humana e explicá-la utilizando a linguagem, como a capacidade do ser humano de interagir de diversas formas. Para explicar essa interação, essa ação subjetiva pela linguagem, temos duas teorias: a teoria da enunciação e a teoria dos atos de fala. 1.1 As teorias da enunciação e dos atos de fala A teoria da enunciação tem como precursor o teórico Bakhtin (1981) que estabelece uma relação entre enunciador, enunciatário e enunciação. A teoria ganhou impulso na França com o linguista Benveniste(1966)que estuda a subjetividade na língua e o aparelho formal da enunciação. Na teoria da enunciação se estuda principalmente os pronomes e os tempos verbais. A teoria dos atos de fala entende a linguagem como um fazer, “todo dizer é um fazer”. Nela se estudam as ações humanas através da linguagem: os atos de fala, atos de discurso ou atos de linguagem. Há a distinção de três tipos de atos de fala. O ato locucionário é aquele que estuda as emissões do som e as marcas extralinguísticas. O ato ilocucionário é o ato de fala, de pergunta, de ordem, de promessa etc. O ato perlocucionário é o ato de convencer,
  • 4. 4 assustar ou agradar o interlocutor. E partindo do princípio de que linguagem é interação, certamente há uma atividade social. Essa foi estudada mais afundo pela teoria da atividade verbal. Nessa teoria há diferentes tipos de atividades realizadas pelos interlocutores em uma interação. Porém a que ganhou destaque foi a atividade de composição textual. Entretanto nesse ramo não foi dada atenção suficiente ao papel do interlocutor, cuja importância para se construir o sentido do enunciado é fundamental. Nesse sentido Ducrot (1980) realiza importantes pesquisas sobre a interação através da linguagem por meio do conceito das marcas linguísticas da argumentação. Mais adiante estudaremos um pouco de seu pensamento, assim como veremos também o pensamento de outro importante teórico: Van Dijk,(1992) que analisa as funções do falante e as possíveis interpretações do ouvinte através do que ele chamará de frames. 2 –A Teoria da Enunciação em Ducrot Oswald Ducrot na Teoria da Argumentação Da Língua(1989) –uma teoria estruturalista,ou seja, vê a língua como um conjunto de regras – onde se é analisada a noção de signo, de relação e de língua. Ducrot pontua que o signo é a frase, uma estrutura abstrata partindo contra a teoria de Ferdinand Saussure que diz que o signo é o elemento da língua e pode ser definido a partir da relação com outros signos. Pois para Oswald uma palavra só não é um signo,porque para ter significado necessita estar em uma frase. Essa relação produzida entre signos ocorre no enunciado entendido pelo autor como um segmento do discurso. Onde o enunciado e o discurso têm um lugar, uma data um produtor e um ou mais ouvintes.
  • 5. 5 A enunciação é definida entendida em Ducrot como uma representação, uma imagem de algo histórico que já não existe,é puramente semântica, assim não traz nenhuma instância de implicação fisiológica ou psicológica. De acordo com a doutora em linguística e fonética Leci Borges Barbisan em seu estudo, O conceito de Enunciação em Benveniste e em Ducrot,dizer que um enunciado produz uma enunciação é dizer que ele se apresenta como produzido por um locutor, designado por marcos de primeira pessoa,para um elocutório, designado pela segunda pessoa. Essa concepção enunciativa trazida pelo teóricoé de suma importância para a análise do discurso. Em seu livro Les Modes Du Discurs Ducrot diz que “sempre que se fala se fala de sua fala, ou sejao dito denuncia o dizer”(1980: 40). No qual o dito é o produto da própria fala do indivíduo e do dizer é aquilo que eu digo, porém, vem carregado de implícitos. Para o teórico o ato de se expressar é ser responsável por um ato de fala, quando se interpreta um enunciado se ouve não uma, mas sim várias vozes que não a do locutor, gerando assim uma pluralidade de vozes. Assim é introduzido o conceito de polifonia, iniciando o surgimento da teoria da Polifonia da enunciação, e se deu basicamente por dois fatos.O primeiro deles foi o de que Ducrot afirmou que só existe um falante no enunciado. E o segundo é que ele também afirma que o sentido presente em um enunciado é a discrição de sua enunciação e nele está inserida esta pluralidade de vozes apresentadas pelo locutor. Na teoria da Polifonia da enunciação, o enunciado possui algumas funções distintas. A primeira é a de sujeito empírico onde ele é o autor do que é produzido. A segunda é a do locutor que é responsável pelo enunciado, onde é ele que formata a ideia, quando se torna o enunciador reproduz o ponto de vista.E o terceiro é do enunciador que gera os pontos de vista que são apresentados pelo locutor. Vale ressaltar que para Ducrot o enunciador não são pessoas e sim pontos de vistas abstratos
  • 6. 6 Assim o locutor se identificava como um dos enunciadores afirmando seu ponto de vista ou se mantendo “neutro” dando sua aprovação a outro sem admitir seu ponto de vista, ou ainda pode ficar em posição contraria. Ainda na Teoria Da Polifonia Da Enunciação, Ducrot pontua que a argumentação está na língua se opondo assim a concepção tradicional, onde o sujeito falante é aquele que produz o enunciado. A que vai indicar um fato F a ser verdadeiro ou falso como argumento para justificar o enunciado ser verdadeiro ou falso dependendo do fato F. Logo resultará como enunciado A logo C ou seja C já que A . Já em seu livro Polifonia y Argumentacíon (1988) Ducrot apresenta a Teoria Da Argumentação da língua. O teórico pontua que a argumentação está na língua e não nos fatos, gerando assim pela relação locutor e interlocutor. De modo que o locutor age verbalmente sobre o interlocutor, assim apresentando um ponto de vista argumentativo, onde esse tema vira a se tornar parte do seu discurso e com base em sua argumentação ganham sentido argumentativo. A argumentação é uma marca que o locutor transfere para seu discurso, onde essa fala virá cheia de subjetividade. 3 - A teoria de Van Dijk Van Dijk em seu livro Cognição, discurso e interação apresenta a expansão da semântica do discurso que, segundo a doutora em Linguística Edwiges Maria Morato, traz a “representação cognitiva categorizada sob a forma de esquemas ou frames gerais estruturados em vários sub esquemas.” Para Van Dijk frame (conhecido também como script) é o que se caracteriza como representação do conhecimento de mundo. Ele se apresenta em um dado contexto que por sua vez detém certas estruturas que serão pontuadas mais adiante. Vale enfatizar que os frames atuam na compreensão da informação.
  • 7. 7 Em primeiro lugar Van Djik apresenta o “contexto inicial em relação ao qual um processo de fala deve ser analisado”. Esse contexto contém três tipos de informação: 1-Informações semânticas gerais (memórias, frames) 2-Informações de estados finais derivados de eventos/atos imediatamente precedentes. 3-(MACRO) Informação global sobre todas as estruturas/ processos interativos prévios. Van Djik também enfatiza que algumas propriedades sociais podem ser socialmente irrelevantes, se elas não conduzem alguma forma de interação pelos membros sociais. “O que eu penso é irrelevante, a não ser que eu demonstre meu pensamento através do meu comportamento,assim como é irrelevante o que eu levo no meu carro,se isso não tem significado interacional”. (DIJK, Van. Cognição, discurso e interação, 1992) O contexto social pode ser dividido nas seguintes categorias: 1-Privado 2-Público 3-Institucional /Formal 4-Informal Os contextos sociais caracterizados de forma formal são colocados nas seguintes categorias: 1-Posições (papéis, status) 2-Propriedades (sexo, idade)
  • 8. 8 3-Relações (dominação, autoridade) 4-Funções (Pai, Garçonete e juiz ) As relações do falante podem ser analisadas especificamente, se voltando para comportamentos prévios, assim como podemos fazer inferências sobre a estrutura do falante. Usamos os termos: 1-Conhecimento,crenças 2-Desejos, preferências 3-Atitudes 4-Sentimentos,Emoções O ouvinte então deve comparar o que os falantes podem supor do indivíduo. 4 – Processo interacional Abaixo estudaremos o diálogo retirado do filme brasileiro “Estamos Juntos”. Resumidamente, o filme conta a história de uma jovem médica, interpretada por Leandra Leal, que adoece. A jovem mantinha uma relação misteriosa com um amigo, que mais tarde é descoberto como imaginário. A:Você acha que eu nunca tive amigos ? Amigos de verdade? B:Claro que não. Você não deixa. Quantas vezes seus amigos vão na sua casa? Qual a necessidade que você tem de encontrar com eles.Você é um pouco tacanha com a vida. Você ainda acha que o medo deixa as pessoas egoístas? A: Eu nunca disse isso. B: É que você não se lembra. A: Acho. Mas tem cura.
  • 9. 9 A cena se passa em um jardim isolado do mundo exterior. De acordo com o contexto do filme o jardim pode se referir à mente da personagem principal. O jardim é completamente silencioso. As duas personagens estão em uma árvore, aparentemente a única no local. Há barulhos de tesoura, pois a personagem 2 está cortando o cabelo da personagem 1. Há um rio ao fundo, porém não se houve barulho da água. O diálogo foi transcrito através do sistema de Ducrot estudado por Ingedore Koch no livro “A inter-ação pela linguagem”. ((silêncio)) ((barulhos de tesoura)) P1: voCÊ acha que eu nunca tive amigos?... amigos de verdade? P2: CLAro que não... ((barulhos de tesoura)) ce num deixa... quantas vezes seus amigos vão na sua casa?... ((barulhos de tesoura)) qual a necessidade que você tem de::...encontrar com eles...você é um pouco tacanha com a vida...((barulhos de tesoura))... voCÊAINda acha que o medo deixa as pessoas egoístas?... P1: eu nunca disse ISso. P2: é que você não se lembra. P1: acho...mas tem cura. Tipo de contexto social: Privado Instituição: Subconsciente Frame: Questionamento a cerca da amizade e medo A- Estrutura do frame a) Cenário: Jardim silencioso b) Funções: F(x) Personagem 2 G (y) Personagem 1
  • 10. 10 c) Propriedades: X tem função clara de amigo, ao aparecer cortando o cabelo da personagem principal e induzindo questionamento sobre amizade e medo. Y demonstra ser uma pessoa solitária,apesar da presença de um amigo. d) Relação: F(x) tem autoridade sobre G(y) e) Posições: X induz questionamentos em Y Y é coagido psicologicamente por X Segundo o estudo Cortesía y poder: Unacercamientosocio-semiótico de Alexandra Álvarez -Doutora em semiótica membro do grupo de linguística hispânica – diz que Van Dijk propõe uma concepção geral que é conveniente aos nossos propósitos para que se possa situar o poder no âmbito da intenção comunicativa,na qual o poder se concebe como controle . “Um grupo tem o poder sobre outro grupo,se tem sobre este grupo alguma forma de controle. Mais especificamente este controle pertence as ações do outro grupo ou de seus membros, controlamos os outros se fizermos eles atuarem como querermos . ” (DIJK,Van , Discourse as Interaction in Society. And Discourse as Social Interaction Discourse as Interaction in Society,pg 28) Assim ao analisarmos as funções do frame podemos dizer que F(x) exerce uma relação de autoridade sobre G(y), pois faz com que ela seja induzida aos questionamentos propostos. B - Convenções do frame (regras, normas, etc.) 1-Jardim silencioso representando a introspecção. 2-Lugar propício a conversas de cunho íntimo
  • 11. 11 Desenvolvimento contextual da ação: Macroestrutura: Y não tem amigos e busca saber sobre os amigos que nunca teve. Ações antecedentes: Y diz para X que o medo deixa as pessoas egoístas. Quando a personagem 1 pergunta em sua primeira frase: “Você acha que eu nunca tive amigos...” essa primeira pausa, juntamente com a frase em si, determina do que se trata o assunto e a sua complexidade. Mesmo sem explicitar o fato de que a personagem 2 é um amigo imaginário, pode-se cogitar a ideia pela continuação da primeira frase da personagem 1: “amigos de verdade”. Nesse caso a pausa exerce uma função de reflexão sobre sua amizade conservada até o momento com o amigo imaginário. Através dessas análises de frame propostas por Van Dijk aplicadas no diálogo, infere-se que a personagem principal sofre de uma solidão, apesar de estar junto a um amigo. Porém essa solidão, que antecede o diálogo, está em processo de superação quando a personagem 1 diz que acha que o medo deixa as pessoas egoístas, mas esse mesmo medo tem cura. Conclusão Na teoria da enunciação de Benveniste, são focados o sujeito e suas marcas de discurso. Mais tarde a teoria é aprimorada por Ducrot, na qual o foco é deslocado e não se analisa mais o sujeito e sim o locutor, pois o teórico pontua que toda enunciação é marcada por subjetividade, que acontece na relação do locutor com o interlocutor.
  • 12. 12 Em Van Dijk a relação do interlocutor e do locutor é analisada através do que o teórico chama de frames. Elessão espaços que ocorrem dentro de um enunciado e que permitem inferências de conhecimento de mundo prévio. Podemos concluir, através de teóricos distintos trabalhados aqui, que a teoria da enunciação torna-se muito importante nas análises interacionais uma vez que prioriza também o papel do interlocutor e o conhecimento de mundo adquirido por ele. Referências DIJK, V. (1992). Cognição, discurso e interação. São Paulo: Contexto. ÁLVAREZ, A. (2002). Cortesía y poder: Un acercamiento socio-semiótico. Lengua Y Habla, 05-26. BARBISAN, L. B. (2007). O conceito de enunciação em Benveniste e em Ducrot. Programa de Pós Graduação em Letras - PPGL/UFSM, 23-35. KOCH, I. V. (2010). A Inter-Ação Pela Linguaguem. São Paulo: Contexto. MORATO, E. M. (2010). A Noção De Frame No Contexto Neurolinguistico : O que ela é capaz de explicar. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Letras e cognição, 93-113. VENTURI, T. (Produtor), & Venturi, Cinematográfico]. Brasil: Globo Filmes. T. (Diretor). (2011). [Filme