Asma

4,472 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,472
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
177
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Asma

  1. 1. ASMAASMA Por Dra. Tania SalustinoPor Dra. Tania Salustino Alergologista e PediatraAlergologista e Pediatra taniasalustino@hotmail.comtaniasalustino@hotmail.com
  2. 2. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO A asma representa hoje no país um grave problema de Saúde Pública, responsável por importante custo financeiro e social, que traz considerável comprometimento e qualidade de vida dos pacientes e de seus familiares. Essas conseqüências tem como principal fator causal a falta de controle da doença na maioria dos pacientes, determinada por inúmeras causas, entre os quais se destacam a não utilização adequada dos medicamentos profiláticos e o desconhecimento dos aspectos fundamentais da doença por parte de pacientes, familiares e, infelizmente por parte de alguns médicos. Por se tratar de uma doença inflamatória crônica, progressiva e degenerativa das vias aéreas, e sem cura definitiva, devemos buscar, a todo custo a obtenção do controle inflamatório, clínico e funcional, através de adoção de medidas farmacológicas e não farmacológicas para promover o controle da asma em nossos pacientes, melhorando a qualidade de vida e reduzindo a mortalidade.
  3. 3. I.I. ETIMOLOGIAETIMOLOGIA  Asma = Ofegante ( grego )Asma = Ofegante ( grego ) II.II. DEFINIÇÃODEFINIÇÃO A definição de asma como uma doença tem sido objeto de várias conferências internacionais nas últimas décadas, sempre em busca de uma expressão de consenso. Asma é uma doença inflamatória crônica caracterizada por hiperresponsividade ( HR ) das vias aéreas inferiores e por limitação variável do fluxo aéreo reversível espontaneamente ou com tratamento, manisfestando-se clinicamente por episódios recorrentes de sibilância, dispnéia, aperto no peito e tosse, particularmente a noite e pela manhã ao despertar. Resulta de uma interação entre genética, exposição ambiental a alérgenos e irritantes e outros fatores específicos que levam ao desenvolvimento e manutenção dos sintomas.
  4. 4. III.III. EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA 1.1. PrevalênciaPrevalência A asma acontece em todas as idades, raças, sexos e classesA asma acontece em todas as idades, raças, sexos e classes sociais em todos os países do mundo somando um total de 300sociais em todos os países do mundo somando um total de 300 milhões de pessoas.milhões de pessoas. GINA ( Global Initiative for Asthma )
  5. 5.  Idade:Idade:  Infância: 8 a 10% da populaçãoInfância: 8 a 10% da população  Adulto / Jovem: 8 a 6%Adulto / Jovem: 8 a 6%  Melhor idade: 7 a 9%Melhor idade: 7 a 9%  Raça: Hospitalização em negros 240% > brancosRaça: Hospitalização em negros 240% > brancos  Sexo:Sexo:  Sexo Masc. 3:2 ou 2:1 dos 50% das crianças < 10 anosSexo Masc. 3:2 ou 2:1 dos 50% das crianças < 10 anos  Sexo Fem. 25% > 40 anosSexo Fem. 25% > 40 anos  Classe Social: inferiores tem > nº de casos e de mortes.Classe Social: inferiores tem > nº de casos e de mortes. DATASUS: O Brasil é o 8º país em prevalência de asma no mundo Estados com maior nº de casos: Recife, Salvador e Porto Alegre 10% da população brasileira tem asma: ¼ forma moderada / grave Maioria: leve / moderada 400.000 internações / ano por asma ( 3ª causa de hospitalização no Brasil ) Incontáveis atendimentos ambulatoriais e de emergência
  6. 6. 2.2. CausasCausas a) Hereditárias:a) Hereditárias: GINA ( Global Initiative for Asthma )Genética: ( papel importante na expressão da asma ) 1 genitor = 25% 2 genitores = 50% Gêmeos: Dizigóticos = 4,8 a 33% Monozigóticos = 12 a 89%
  7. 7. b) Outros fatores causadores:b) Outros fatores causadores:  Alérgenos domiciliares, pólem e irritantesAlérgenos domiciliares, pólem e irritantes  Ácaros, pêlos de cães e gatos, alérgenos de barata e os fungosÁcaros, pêlos de cães e gatos, alérgenos de barata e os fungos ( mofo ) encontrados em travesseiros, colchões ( 2 mihões de( mofo ) encontrados em travesseiros, colchões ( 2 mihões de ácaros ), cobertores, cortinas, carpetes, pelúcia, poeira.ácaros ), cobertores, cortinas, carpetes, pelúcia, poeira.  Aquecedores e fogões a gás ( piretro )Aquecedores e fogões a gás ( piretro )  Fumaça de cigarro ( irritante )Fumaça de cigarro ( irritante )  Queima de madeira para aquecimento de lareirasQueima de madeira para aquecimento de lareiras  Odores fortes ( perfumes, produtos de limpeza, frituras, tinturasOdores fortes ( perfumes, produtos de limpeza, frituras, tinturas  Infecções de vias aéreas ( Rinovírus )Infecções de vias aéreas ( Rinovírus )  Mudanças climáticas e poluiçãoMudanças climáticas e poluição  Exercício físicoExercício físico  Refluxo gastro-esofágicoRefluxo gastro-esofágico  Certas medicações e alimentosCertas medicações e alimentos  Emocionais: ansiedade e stressEmocionais: ansiedade e stress
  8. 8. d) Associação com outras patologias:d) Associação com outras patologias:
  9. 9. 3.3. MortalidadeMortalidade Apesar do melhor conhecimento da fisiopatologia da asma eApesar do melhor conhecimento da fisiopatologia da asma e do aumento do nº de medicações disponíveis a incidência,do aumento do nº de medicações disponíveis a incidência, morbidade e mortalidade tem aumentado nas últimas décadasmorbidade e mortalidade tem aumentado nas últimas décadas principalmente em países desenvolvidos como os EUA e Japão.principalmente em países desenvolvidos como os EUA e Japão. 5 a 10% das mortes por causas respiratórias principalmente5 a 10% das mortes por causas respiratórias principalmente em domicíliosem domicílios O Brasil tem uma taxa de mortalidade de 2.3/100 hab.O Brasil tem uma taxa de mortalidade de 2.3/100 hab. principalmente em hospitais.principalmente em hospitais.  2.050 óbitos / ano.2.050 óbitos / ano.  6 pessoas / dia morrem por falta de tratamento adequado6 pessoas / dia morrem por falta de tratamento adequado  > incidência no idoso> incidência no idoso No Brasil a mortalidade está praticamente estável, embora emNo Brasil a mortalidade está praticamente estável, embora em algumas regiões está aumentando devido a falta de informaçõesalgumas regiões está aumentando devido a falta de informações sobre a doença e a rejeição a medicação inalada ( preconceito comsobre a doença e a rejeição a medicação inalada ( preconceito com a bombinha ).a bombinha ).
  10. 10. 4.4. Custos:Custos: O impacto sócio econômico da asma é muito importante,O impacto sócio econômico da asma é muito importante, sendo a asma uma das doenças que mais consome recurso emsendo a asma uma das doenças que mais consome recurso em países desenvolvidos. Em termos mundiais os custos com a asmapaíses desenvolvidos. Em termos mundiais os custos com a asma superam aos da tuberculose / AIDS somados.superam aos da tuberculose / AIDS somados.  Em 2006 nos EUA os custos anuais da asma foram de diretosEm 2006 nos EUA os custos anuais da asma foram de diretos aproximadamente 14,7 bilhões e indiretos estimados em 5 bilhõesaproximadamente 14,7 bilhões e indiretos estimados em 5 bilhões de dólares.de dólares.  3 º maior valor gasto com doença3 º maior valor gasto com doença  Grande absenteísmo na escola e no trabalhoGrande absenteísmo na escola e no trabalho
  11. 11. IV.IV. FISIOPATOLOGIAFISIOPATOLOGIA  Inflamação brônquica:Inflamação brônquica: Devido a um amplo e complexo conjunto de interações entreDevido a um amplo e complexo conjunto de interações entre as células inflamatórias, os mediadores e células estruturais dasas células inflamatórias, os mediadores e células estruturais das vias aéreas.vias aéreas.
  12. 12. Vários mediadores inflamatórios são liberados pelosVários mediadores inflamatórios são liberados pelos mastócitos, macrófagos, linfócitos T, eosinófilos, neutrófilos emastócitos, macrófagos, linfócitos T, eosinófilos, neutrófilos e células epiteliais.células epiteliais. Através desses mediadores as células causam:Através desses mediadores as células causam:  Lesões e alterações na integridade epitelialLesões e alterações na integridade epitelial  Anormalidade no controle neural autônomoAnormalidade no controle neural autônomo  Tônus da via aéreaTônus da via aérea  Alterações na permeabilidade vascularAlterações na permeabilidade vascular  Hipersecreção de mucoHipersecreção de muco  Mudanças na função mucociliarMudanças na função mucociliar  Aumento da reatividade do músculo liso da via aéreaAumento da reatividade do músculo liso da via aérea
  13. 13. ASMAASMA
  14. 14. V.V. DIAGNÓSTICODIAGNÓSTICO 1.1. CLÍNICOCLÍNICO  ANAMNESEANAMNESE - 1 ou mais dos sintomas:- 1 ou mais dos sintomas: DispnéiaDispnéia Tosse crônicaTosse crônica SibilânciaSibilância Aperto no peitoAperto no peito - Sintomas episódicos- Sintomas episódicos - 3 ou mais episódios de sibilos / ano- 3 ou mais episódios de sibilos / ano - História familiar de asma ou atopia- História familiar de asma ou atopia
  15. 15.  EXAME FÍSICOEXAME FÍSICO
  16. 16. 2.2. FUNCIONALFUNCIONAL  Provas de Função PulmonarProvas de Função Pulmonar  EspirometriaEspirometria  Pico de Fluxo Expiratório ( PFE )Pico de Fluxo Expiratório ( PFE ) 3.3. ALERGOLÓGICOALERGOLÓGICO  In vivo: Testes cutâneosIn vivo: Testes cutâneos  In vitro: IgE específicoIn vitro: IgE específico
  17. 17. VI.VI. DIAGNÓSTICO DIFERENCIALDIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
  18. 18. VII.VII. CLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO  Intermitente  Persistente leve  Persistente moderada= 25 a 30%  Persistente grave= 5 a 10% 60 %
  19. 19. VIII.VIII. TRATAMENTOTRATAMENTO 1. OBJETIVOS DO TRATAMENTO DA ASMA  Controlar sintomas  Prevenir limitação crônica ao fluxo aéreo  Permitir atividades normais – trabalho, escola e lazer  Manter função pulmonar normal ou a melhor possível  Evitar crises, idas a emergência e hospitalizações  Reduzir a necessidade do uso de broncodilatador para alívio  Minimizar efeitos adversos da medicação  Prevenir a morte
  20. 20. 2. MEDICAMENTOS MAIS UTILIZADOS 2.1. PARA SINTOMAS AGUDOS  β2 agonistas de curta duração  Brometo de Ipratrópio  Aminofilina 2.2. PARA MANUTENÇÃO  Corticosteróides: Inalados Sistemicos  Cromonas  Antileucotrienos  β2 agonistas de longa duração  Teofilina de liberação lenta  Imunoterapia  Omalizumabe
  21. 21. 2.1.1. β2 AGONISTAS A maioria dos efeitos são mediados pela ativação da adenilciclase e da produção intracelular de AMP cíclico. Como são parcialmente seletivos concentram o seu efeito sobre a musculatura brônquica poupando o sistema cardiovascular.  De curta ação: duração entre 4 a 6hs  Salbutamol ( AEROLINR )  Terbutalina ( BRICANYLR )  Fenoterol ( BEROTECR )  De longa ação: duração até 12hs  Salmeterol ( SEREVENTR e SERETIDR )  Formoterol ( FORADILR , ALENIAR , FLUIRR )
  22. 22. 2.1.2. BROMETO DE IPRATRÓPIO ( ATROVENTR )  Efeito brocodilatador devido a redução do tônus colinérgico intrínseco das vias aéreas  Início lento de ação indicado na asma aguda grave – efeito adicional aos β2 agonistas  Tratamento de escolha para broncoespasmo induzido por Betabloqueadores 2.1.3. XANTINAS ( TEOFILINA, AMINOFILINA )  Efeito brocodilatador e alguma ação antiinflamatória  Baixa potência e elevados efeitos colaterais  Ação rápida ( pacientes internados – infusão contínua )  Ação lenta:  evitar exacerbações  Asma noturna  Eficácia < que β2 de longa  Bamifilina ( < efeito colateral )
  23. 23. 2. MEDICAMENTOS MAIS UTILIZADOS 2.1. PARA SINTOMAS AGUDOS  β2 agonistas de curta duração  Brometo de Ipratrópio  Aminofilina 2.2. PARA MANUTENÇÃO  Corticosteróides: Inalados Sistemicos  Cromonas  Antileucotrienos  β2 agonistas de longa duração  Teofilina de liberação lenta  Imunoterapia  Omalizumabe
  24. 24. 2.2.1. CORTICOSTERÓIDES Efeito antiinflamatório: após penetrar na célula se une a um receptor núcleo DNA indução e supressão de genes envolvidos na produção de citocinas, moléculas de adesão e receptores da inflamação.  Melhora os sintomas e a função pulmonar ( rápido )  Melhora HR ( vários meses )
  25. 25. a) CORTICÓIDES INALATÓRIOS ( CI )  Melhor custo / risco / benefício para asma persistente  Diminui a hospitalização e mortalidade  Maior efeito terapêutico  Menor efeitos colaterais - Candidíase ( espaçador e lavagem da boca )  Direto na mucosa respiratória  Doses relativamente pequenas  Início de ação mais rápida
  26. 26.  Diferença de potência tópica
  27. 27. b) CORTICÓIDES SISTEMICOS  Indicado na asma persistente grave  PREDNISONA  PREDNISOLONA  Efeitos colaterais:  Supressão do eixo hipotálamo – hipófise – adrenal depende da dose, duração e da forma do uso. Não existe em doses de Beclometasona ( ≤ 400 mcg / dia em crianças e ≤ 1.500 mcg / dia em adultos )  Osteoporose  Diabetes  Catarata, glaucoma, miopatia meia vida intermediária
  28. 28. 2.2.2. CROMONAS  Efeito: bloqueiam os canais de cloro da membrana dos mastócitos, eosinófilos, nervos e células epiteliais.  NEDOCROMIL  CROMOGLICATO DE SÓDIO ( INTAL )  Seguros, raros efeitos colaterais  4x dia
  29. 29. 2.2.3. ANTILEUCROTRIENOS  Efeito: bloqueiam a síntese ou as interações com os receptores dos leucotrienos  MONTELUCASTE ( SINGULAIRR )  Baby – sachê – 6 meses a 2 anos  4mg – mastigáveis – 2 a 6 anos  5mg – mastigáveis – 6 a 14 anos  10 – mastigáveis - > 15 anos  ZAFIRLUCASTE ( ACCOLATER 20mg )
  30. 30.  Indicações de MONTELUCASTE:  Asma persistente leve  Asma moderada ou grave  Asma pediátrica  Asma induzida por exercício  Asma por Aspirina  Asma agudizada por alérgenos  Fobia aos coticóides  Asma sem controle com dose segura de corticóide  Pacientes com dificuldades de adesão a terapia inalatória  Pacientes com rinite alérgica coexistente  Efeitos Colaterais  Cefaléia  Dor abdominal raros
  31. 31. 3. OUTROS TRATAMENTOS 3.1. OMALIZUMABE  Anticorpo monoclonal recombinante humanizado específico  Inibe a ligação da IgE com seu receptor de alta afinidade  Inibe a broncoconstricção induzida por alérgenos nas fases precoce e tardia da inflamação diminuição da HR das vias aéreas  indicado em pacientes > de 12 anos com asma grave  Aplicação SC a cada 2 semanas 3.2. IMUNOTERAPIA  Doses SC progressivamente > de alérgenos específicos em pacientes sensibilizados, não exacerbados, buscando a indução do estado de tolerância  Eficácia depende da qualidade e da especificidade dos alérgenos  Polênica: usar como ultima escolha? Usar quando não conseguimos controlar com corticóide?
  32. 32. 4. PREVENÇÃO  Capas anti-ácaros para colchões e travesseiros  Lavar roupas de cama semalmente  Retirar cortinas, tapetes, carpetes, pelúcia ou aplicar produtos acaricidas ( ADF plus ) e fungicidas ( FUNGICIL )  Evitar animais domésticos  Ventilação natural do ambiente  Aspirar e não varrer o ambiente
  33. 33. 5. ATUALIDADES  Na Europa desde 12/2009 está disponível o primeiro LABA de ultra longa duração ( usado 1x dia )  INDACATEROL  Início rápido  Ação durante 24h  Sem taquifilaxia  CARMOTEROL  GSK – 159791  Em 18 / 02 / 2010 – teleconferência de membros do FDA e representantes da American Thoracic Society ( ATS ) indica a asma persistente leve para tratamento com antileucotrieno
  34. 34. ALGUEM QUER TER ASMA?

×