Vegetais superiores
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Vegetais superiores

on

  • 499 views

 

Statistics

Views

Total Views
499
Slideshare-icon Views on SlideShare
494
Embed Views
5

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

1 Embed 5

http://www.eadcooepe.com.br 5

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Vegetais superiores Vegetais superiores Presentation Transcript

    • VEGETAIS SUPERIORES
    • Apresentam as seguintes inovações evolutivas: formação de grãos de pólen, de óvulos formados sobre macrosporófilos ou estruturas análogas e produção de sementes.
    • As flores (em conjuntos, por isto chamados estróbilos) são formadas apenas de microsporófilos (folhas modificadas que originarão esporos que ao germinarem originarão estruturas masculinas)
    • Gimnospermas Fanerógamas de óvulos nus, desprovidas de um perianto (cálice e corola) e de ovário por não haver enrolamento dos macrosporófilos durante o seu desenvolvimento.
    • ou estames reunidos em inflorescências ou estróbilos (:amentos) e de macrosporófilos (folhas modificadas que originarão esporos que ao germinarem originarão estruturas femininas)
    • ou carpelos (:cones), também em geral agrupados entre si, mas nunca microsporófilos e macrosporófilos no mesmo estróbilo
    • Os esporângios femininos localizam-se nos CONES, freqüentemente recobertos por escamas endurecidas (carpelos).
    • As escamas encaixam-se perfeitamente umas nas outras e só se abrem depois da fecundação, para liberar a semente.
    • Não esquecer que os cones são estróbilos com as flores femininas.
    • Os estróbilos masculinos são estruturas muito mais frágeis, que se abrem para liberar os grãos de pólen.
    • Ocorrida a fecundação originam-se pinhas que são conjuntos de sementes popularmente denominadas pinhões.
    • Ao final de um ano, aproximadamente, a pinha abre-se e deixa cair os pinhões que se dispersam ao vento até caírem num lugar propício para sua germinação.
    • No pinheiro do Paraná (Araucaria angustifolia) os esporófilos masculinos e femininos encontram-se em indivíduos separados e os estróbilos são diferentes entre si.
    • As coníferas reúnem grande número de espécies arbóreas, entre as quais algumas - as sequóias - são as maiores e mais longevas árvores do planeta. Outras são arbustos e, umas poucas, lianas e cipós.
    • As folhas das gimnospermas são em geral perenes e podem ter aspecto acicular (pinheiros, abetos etc.), escamiforme (ciprestes) ou lobulado (ginkgo), ou ainda se assemelharem às das palmeiras (cicadáceas).
    • PINHEIR OS PINHEIROS
    • ABETOS ABETOS
    • CIPRESTE
    • GINKGO
    • Cicas
    • Certas árvores, como os ginkgos e os lariços, são de folhas caducas. As flores não são vistosas e na verdade se reduzem aos elementos reprodutores, agrupados em massas ou inflorescências.
    • Estas têm a forma de cone em muitas espécies, como nos pinheiros, abetos e cedros, o que originou a denominação de coníferas.
    • O gênero Zamia, estendido por diversas regiões da África e no México principalmen te, apresenta caule muito curto, de que saem pequenas hastes e folhas. Zamia
    • Na região mediterrânea , abunda a espécie E. distachya, com hastes ramificadas, finas e com muitos nós, que lhe dão aparência articulada.
    • Em regiões áridas da África há uma espécie curiosa, a tumboa (W. mirabilis), composta de uma grossa porção subterrânea, que emerge até meio metro acima do solo, e de duas folhas opostas que medem até dois metros de comprimento, rentes ao chão.
    • As ginkgófitas, que datam do período permiano, foram abundantes no passado, mas subsistem por meio de apenas uma espécie, Ginkgo biloba, originária da China.
    • São vegetais cujos óvulos estão encerrados no interior do ovário e que, conseqüentement e tem suas sementes encerradas no interior dos frutos (angios=vasos e sperma=semente). Angiospermas
    • O fruto contribui para a dispersão da semente, o que explica o sucesso do grupo das angiospermas.
    • •São plantas de portes variados, encontradas em praticamente todos os ambientes.
    • Os principais representantes são terrestres embora existam espécies dulcícolas e marinhas (emersas ou submersas).
    • São Cormófitos, ou seja, possuem órgãos vegetativos (Raiz, caule e folhas) bem definidos.
    • São Vasculares ou Traqueófitas possuindo canais ou vasos condutores de água e nutrientes orgânicos ou inorgânicos (seivas).
    • São Fanerógamos por possuírem flores e espermáfitos por produzirem sementes. São Embriófitos, ou seja, formam embriões.
    • 0 ovário, após a fecundação, desenvolve- se num envoltório de proteção e dispersão: o fruto.
    • São plantas extremamente importantes, principais produtores dos ecossistemas terrestres, servindo para alimentação (cenoura, alface, mamão, feijão), aplicações industriais (jacarandá, algodão), ornamentação (orquídea) e fabricação de produtos farmacêuticos (camomila).
    • O processo reprodutivo das angiospermas é algo mais elaborado do que o das coníferas. A planta adulta representa a geração esporofítica.
    • A flor contém pistilo e estames, que produzem os esporos que, germinando, originarão aos gametófitos masculinos e femininos.
    • O esporo que originará ao gametófito masculino é produzido na antera, que fica na extremidade superior do estame.
    • Este esporo desenvolve-se formando o grão de pólen. O pistilo é composto de três partes: o estigma (extremidade superior), estilo ou estilete e o ovário.
    • No interior do ovário localizam- se os óvulos que abrigam a oosfera.
    • A flor, portanto, é um conjunto de esporófilos, isto é, de folhas diferenciadas que elaboram esporos.
    • É formada de:• Pedúnculo ou haste
    • Perianto é formado pelos verticilos de proteção : O Cálice – formado de sépalas. A Corola – formada de pétalas.
    • Androceu – formado por estames ou microsporófilos.
    • Gineceu ou pistilo – formado por carpelos ou macrosporófilos
    • As sépalas em geral são verdes, apresentando a mesma estrutura das folhas.
    • As pétalas apresentam cores variadas, de acordo com a natureza de seus pigmentos e comumente elaboram matérias açucaradas (o néctar), que atraem insetos e pássaros, indispensáveis a polinização.
    • Lembrando que quando as pétalas não se diferenciam das sépalas as chamamos de tépalas e utilizamos para o conjunto de cálice e corola o nome de perigônio.
    • Monocotiledôneas e Dicotiledôneas As angiospermas podem ser divididas nestes dois grupos dependendo de quantos cotilédones suas sementes apresentam. Para um cotilédone, monocotiledônea.
    • Monocotiledônea
    • Dicotiledônea