Crustaceos

2,814 views
2,517 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,814
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
116
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Crustaceos

  1. 1. Os crustáceos são animais do filo Arthropoda, representados por camarões, siris, caranguejos, cracas, lagostas, além de espécies da micro fauna, totalizando cerca de 40.000 espécies. O nome da classe vem do fato de terem um exoesqueleto de quitina endurecido pelo acúmulo de carbonato de cálcio (do latim, crusta = carapaça dura).
  2. 2. Os crustáceos são extremamente diversificados quanto à estrutura e ao hábito, mas são os únicos entre os artrópodes a possuírem dois pares de antenas. As primeiras antenas, próximas a boca, têm uma origem similar às antenas de outros artrópodes.
  3. 3. Constituem o grupo principal de artrópodes aquáticos. A maioria é marinha, mas existem muitas espécies de água doce e tem havido muitas invasões do ambiente terrestre (“tatuzinhos”).
  4. 4. Os crustáceos são os únicos que possuem apêndice em todo o corpo. A especialização do tronco (tórax mais abdome) varia muito, mas é comum uma carapaça que cobre todo ou parte do corpo.
  5. 5. A estrutura básica do tronco desses animais seria formada de muitos segmentos similares, cada qual com um par de apêndices, sendo que na base do último segmento há um ânus. Os apêndices torácicos são fundamentalmente locomotores. Servem para nadar e caminhar sobre superfícies sólidas. Os apêndices abdominais, quando existentes, estão adaptados à natação e a eles, nas fêmeas, podem aderir os ovos até ao nascimento dos novos animais..
  6. 6. Na alimentação por filtração, ceifas muito próximas dos apêndices funcionam como filtro. As brânquias, que geralmente não existem apenas nas espécies muito pequenas, estão tipicamente associadas com os apêndices, mas a localização, o número e a forma variam muito. O corpo, nos crustáceos mais evoluídos, pode ter 19 segmentos e é dividido em três parte: cabeça, tórax e abdômen; a cabeça é fundida ao tórax, e o conjunto chama-se cefalotórax.
  7. 7. O cefalotórax tem as peças mastigatórias (para a alimentação) assim como os órgãos sensitivos: olhos e antenas. Os dois pares de antenas são particularmente desenvolvidos; elas têm um papel táctil e sensitivo. O cefalotórax também pode incluir cinco pares de patas andarilhas explicando o nome dos decápodes . Essas patas servem aos deslocamentos ao solo, o primeiro par é transformado em pinças mais ou menos desenvolvidas em comprimento e espessura. Também protege os órgãos.
  8. 8. Abdômen: É a parte mais comestível dos camarões e lagostas, e é frequentemente chamado de cauda, sobretudo em culinária. É articulado e inclui as patas nadadoras.
  9. 9. A maioria é de vida livre, mas existem espécies gregárias (cracas) que vivem em cardumes. Existem espécies parasitas e comensais. São um grupo muito antigo, com fósseis do Cambriano e, apesar do número reduzido de espécies (se comparado aos insetos), são os artrópodos dominantes do ambiente aquático.
  10. 10. O aparelho digestivo é formado pela boca, esôfago, estômago dividido em duas partes: a anterior, denominada câmara cardíaca e a posterior chamada de câmara pilórica.
  11. 11. Na câmara cardíaca existem dentes calcificados formando um moinho gástrico que ajuda na trituração dos alimentos. De uma maneira geral, os crustáceos são carnívoros ou onívoros, por vezes detritívoros.
  12. 12. Sistema circulatório. Ele e aberto, ou seja, o sangue que parte por veias e artérias quando chega nos órgãos e tecidos começa circula em lacunas. Com troca de nutrientes, gases e excretas formando um coração dorsal onde sai 6 artérias pelo corpo.
  13. 13. Sangue Hemolinfa que tem a coloração azulada. Denominado aberto ou lacunar, porque o sangue não está sempre no interior dos vasos.
  14. 14. Aparelho excretor Formado por um par de glândulas verdes, situadas na face ventral da cabeça, que se abrem no meio exterior de um orifício próximo a base das antenas. As glândulas retiram restos orgânicos e sais da hemolinfa.
  15. 15. Invertebrados aquáticos eliminam os resíduos nitrogenados como amônia, composto este altamente tóxico, porém rapidamente eliminado porque há sempre excesso de água.
  16. 16. O aparelho respiratório é formado por vários pares de brânquias situadas nos dois lados de todos os segmentos torácicos.
  17. 17. Sistema nervoso Crustáceos também é bastante similar ao dos outros artrópodes, notando-se a ocorrência de gânglios nervosos que podem ser maiores ou menores conforme a espécie considerada.
  18. 18. Reprodução A reprodução das maioria dos crustáceos e sexuada e são ovíparos. Entre elas são poucas as hermafroditas uma delas é as cracas.
  19. 19. Os crustáceos são ovíparos. O desenvolvimento dos crustáceos é indireto, ou em outras palavras quando há a eclosão do ovo, o indivíduo encontra-se num estágio
  20. 20. de larva e através de algumas transformações, ao longo do tempo, adquire a forma do adulto
  21. 21. . Na maioria das espécies o desenvolvimento é indireto, com uma larva livre-natante chamada Náuplio, primeiro estágio de eclosão e possui um olho de náuplio mediano e apenas os primeiros três pares de apêndices do corpo.
  22. 22. Nos crustáceos superiores o náuplio se desenvolve numa larva chamada Zoea. Esta pode se desenvolver numa larva mísis ou originar um estágio juvenil muito semelhante ao adulto, chamado pós- larva.
  23. 23. A cópula é típica da maioria dos crustáceos e a incubação dos ovos é muito comum. Os orifícios genitais estão situados ventralmente, entre as patas de andar
  24. 24. Quando há acasalamento, o macho vira a fêmea de costas (por vezes depois da muda) e deposita uma massa de esperma perto de seus orifícios genitais. A desova ocorre umas horas depois, os ovos, freqüentemente muito coloridos, são fecundados à medida da desova.
  25. 25. A incubação varia de dez à vinte dias em função das espécies e da temperatura; quanto mais esta é elevada, mais curta é a incubação.
  26. 26. Os crustáceos , como os artrópodes em geral, têm boa capacidade de regenerar partes perdidas. Se arrancarmos o pedúnculo todo do olho, a regeneração pode ser defeituosa e não originar um novo olho, e sim um apêndice em forma de antena.

×