Plano de Negócios Tirando sua idéia do Papel
<ul><li>Almir Neves - Formado em Administração (FESP), com pós em Finanças (FAE) e MBA em Gestão Empresarial (FGV). Experi...
Programa do Curso 16 Horas Horário :  8h30 às 12h, e das 13h às 17h30.  Divisão do curso em quatro módulos: Módulo 1 : Con...
Empreendedorismo
Historicamente, empreendedorismo tem sido definido como uma  maneira diferenciada de alocação de recursos e otimização de ...
Isto tem gerado certa confusão de definições, pois  muitas pessoas têm considerado o empreendedorismo como sendo sinônimo ...
A  Harvard Business School  considera que empreendedorismo é “a identificação de novas oportunidades de negócio, independe...
O ato de empreender está relacionado à  identificação, análise e implementação de oportunidades de negócio , tendo como fo...
<ul><li>O empreendedorismo aplica-se a uma variedade de organizações em seus vários estágios de desenvolvimento, como por ...
Para que o empreendedorismo ocorra nas organizações haverá a necessidade de pessoas que o façam acontecer, ou seja, os emp...
O empreendedor é aquele que percebe uma oportunidade e cria meios (nova empresa, área de negócio, etc.) para persegui-la. ...
<ul><li>Em qualquer definição de empreendedorismo encontram-se, pelo menos, os seguintes aspectos referentes ao empreended...
Obs.: Movimento : refere-se ao movimento que predominou no período. Foco : refere-se aos conceitos administrativos predomi...
1. Concepção Estratégica
Estratégia é um processo gerencial que abrange todas as atividades de uma empresa proporcionando uma dimensão de unidade, ...
Definição  do  Negócio
Missão A missão consiste na razão de existência da organização. É a capacidade da empresa de vislumbrar as oportunidades e...
Valores Crenças fundamentais da companhia. √    Diversidade √  Mente Aberta √    Espírito Empreendedor √    Liberdade com ...
Diferen ç as entre missão e visão.
Análise Ambiental Externa
Oportunidades e Ameaças
1. Ambiente Político 2. Ambiente Econômico Análise Ambiental Externa
3. Ambiente Sócio - ambiental 4. Ambiente Tecnológico
Análise Ambiental Interna
Forças e Fraquezas
Análise ambiental interna <ul><li>Produtos </li></ul><ul><li>Vendas e Marketing </li></ul><ul><li>Processos </li></ul><ul>...
Forças de Porter
5 Forças de Porter
Escolha da Estratégia
Michael Porter “ Se você estiver tentando competir em todos os negócios, então você não tem uma estratégia. Estratégia imp...
Tipos de Estratégia: Baixo Custos Diferenciação Foco Rede
<ul><li>Baixo Custo: </li></ul><ul><li>Riscos: </li></ul>Imitação da Concorrência Volume de vendas Estrutura enxuta
<ul><li>Diferenciação: </li></ul><ul><li>Riscos: </li></ul>Novidade Custos dos concorrentes Imitação da concorrência
<ul><li>Relacionamento / Segmentação / Foco: </li></ul><ul><li>Riscos: </li></ul>Demanda desaparece Segmento se torna Obso...
<ul><li>Rede </li></ul><ul><li>Riscos: </li></ul>Novas Tecnologias
2. Marketing
O bom marketing não é acidental A Apple, fabricante do Iphone, inova constantemente
Vendas  x  Marketing “ Pode-se considerar que sempre haverá a necessidade de vender. Mas o objetivo do marketing é tornar ...
A que se aplica o marketing? Bens Serviços Eventos & experiências Pessoas Lugares & propriedades Organizações Informações ...
Os 4Ps do mix de marketing
Fonte:  Michael J. Lanning e Edward G. Michaels, “A business is a value delivery system”, relatório interno da McKinsey, 4...
Inteligência de Marketing
<ul><li>Que decisões você toma regularmente? </li></ul><ul><li>De que informações você precisa para tomar essas decisões? ...
Registros internos Ciclo pedido-pagamento Bancos de dados, data warehouses e data mining Sistema de inteligência de market...
Medidas para melhorar a inteligência de marketing Treinar o pessoal de vendas para que relate novos acontecimentos Motivar...
<ul><li>Clientes e sua segmentação </li></ul>
Quem é nosso cliente?
<ul><li>Conquistar novos clientes pode custar até cinco vezes mais do que satisfazer e reter os já existentes. </li></ul><...
Fontes:   Jill Griffin,  Customer loyalty: how to earn it, how to keep it . Nova York: Lexington Books, 1995, p. 36. Veja ...
Fidelidade e Posicinamento = Lucro
<ul><li>Comportamento de Compra  </li></ul>
Fonte:  A. H. Maslow,  Motivation and personality , 2 ed. Upper Saddle River: Prentice Hall, 1970. Reproduzido com permiss...
Modelo das cinco etapas do processo de compra
Etapas entre a avaliação de alternativas e a decisão de compra
<ul><li>Quem compra  </li></ul><ul><li>Quem solicita  </li></ul><ul><li>Quem influencia a compra </li></ul><ul><li>Quem de...
<ul><li>Portfólio de Produto </li></ul>
<ul><li>Ciclo de Vida </li></ul>
<ul><li>Análise detalhada do mercado  </li></ul>
<ul><li>Demanda atual e futura </li></ul><ul><li>Potencial de Mercado </li></ul><ul><li>Consumo por critério </li></ul><ul...
<ul><li>Análise detalhada da concorrência </li></ul>
<ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Estratégias em Curso </li></ul><ul><li>Reação e retaliação </li></ul><ul><li>Status Te...
<ul><li>Comunicação de Marketing </li></ul>
Fonte:  Michael J. Lanning e Edward G. Michaels, “A business is a value delivery system”, relatório interno da McKinsey, 4...
Comunicação de marketing É o meio pelo qual as empresas buscam informar, persuadir e lembrar os consumidores, direta ou in...
Comunicação de marketing e brand equity
<ul><li>Propaganda </li></ul><ul><li>Anúncios impressos e eletrônicos </li></ul><ul><li>Espaços externos das embalagens </...
<ul><li>Eventos/Experiências </li></ul><ul><li>Esportes </li></ul><ul><li>Diversão </li></ul><ul><li>Festivais </li></ul><...
<ul><li>Vendas pessoais </li></ul><ul><li>Apresentações de vendas </li></ul><ul><li>Reuniões de vendas </li></ul><ul><li>P...
Elementos do processo de comunicação
<ul><li>Propaganda </li></ul><ul><li>Penetração </li></ul><ul><li>Aumento da expressividade </li></ul><ul><li>Impessoalida...
<ul><li>RP e assessoria de imprensa </li></ul><ul><li>Alta credibilidade </li></ul><ul><li>Capacidade de pegar os comprado...
<ul><li>Marketing direto </li></ul><ul><li>Personalizado </li></ul><ul><li>Atualizado </li></ul><ul><li>Interativo </li></...
Relação custo-benefício de três ferramentas de comunicação em diferentes estágios de disposição do comprador
3. Operação
Sócios
Sócios <ul><li>Quantos são </li></ul><ul><li>Perfil e currículo </li></ul><ul><li>Descrição das atividades  </li></ul><ul>...
Colaboradores
Colaboradores <ul><li>Tamanho da Equipe </li></ul><ul><li>Descrição das atividades  </li></ul><ul><li>Perfil do profission...
Colaboradores <ul><li>Atração </li></ul><ul><li>Desenvolvimento </li></ul><ul><li>Retenção </li></ul>
Infra Estrutura
<ul><li>Equipamentos </li></ul><ul><li>Lay-out </li></ul><ul><li>Aluguel </li></ul><ul><li>Móveis </li></ul><ul><li>Decora...
Processo Produtivo
<ul><li>Fluxograma </li></ul><ul><li>Pessoas Envolvidas </li></ul><ul><li>Recursos Necessários </li></ul>
Legislação
Legislação <ul><li>Federal </li></ul><ul><li>Estadual e  </li></ul><ul><li>Municipal </li></ul><ul><li>Requisitos Específi...
Compras
Estoque Inicial
4. Finanças
<ul><li>Você precisa conhecer o tamanho do seu mercado consumidor potencial para poder projetar o volume total de receitas...
Investimento Inicial
Investimento Inicial
Investimento Inicial
Investimento Inicial
Custos
Levantamento de Custos
Custo variável 800 pães
Preço de Venda
Indicadores de Desempenho
1. Lucratividade 2. Rentabilidade 3. Prazo de Retorno do Investimento 4. Ponto de Equilíbrio
Suporte ao Empreendedor
<ul><li>Começam a aumentar o apoio... </li></ul><ul><ul><li>Softex (Genesis) </li></ul></ul><ul><ul><li>Empretec (SEBRAE) ...
Tirando a idéia do Papel
De planos estrat é gicos em planos t á ticos e operacionais Nível Institucional Nível Intermediário Nível Operacional Long...
<ul><li>Objetivos e Metas do Plano de Negócios </li></ul>
Gr á fico de Gantt para o lan ç amento de um produto novo.
OS INCRÉDULOS EM NOSSAS VIDAS! Era uma vez uma corrida ... de sapinhos! O objetivo era atingir o alto de uma grande torre....
Anexos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Curso sobre Plano de negócios

9,852

Published on

Slides do curso sobre plano de negócios realizado por Almir Neves, palestrante sobre empreendedorismo e sócio da empresa de treinamento http://www.clickconhecimento.com.br

Published in: Education
5 Comments
55 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
9,852
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
5
Likes
55
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Curso sobre Plano de negócios"

  1. 1. Plano de Negócios Tirando sua idéia do Papel
  2. 2. <ul><li>Almir Neves - Formado em Administração (FESP), com pós em Finanças (FAE) e MBA em Gestão Empresarial (FGV). Experiência em empresas nacionais e multinacionais, tendo trabalho em diversos paises da América Latina e EUA. Professor de Planejamento Estratégico, Marketing e Empreendedorismo. Sócio da empresa de Treinamento Click Conhecimento www.clickconhecimento.com.br [email_address] </li></ul>
  3. 3. Programa do Curso 16 Horas Horário : 8h30 às 12h, e das 13h às 17h30. Divisão do curso em quatro módulos: Módulo 1 : Concepção Estratégica Módulo 2 : Marketing Módulo 3 : Operação Módulo 4 : Finanças
  4. 4. Empreendedorismo
  5. 5. Historicamente, empreendedorismo tem sido definido como uma maneira diferenciada de alocação de recursos e otimização de processos organizacionais , sempre de forma criativa , visando à diminuição de custos e melhoria de resultados. Percebe-se ainda que o termo é constantemente relacionado à criação de novos negócios , geralmente micro e pequenas empresas. Por trás destes negócios estão indivíduos diferenciados, conhecidos por empreendedores.
  6. 6. Isto tem gerado certa confusão de definições, pois muitas pessoas têm considerado o empreendedorismo como sendo sinônimo do ato de abrir empresas. Definições mais abrangentes mostram que o empreendedorismo vai além do ato de abrir novas empresas e que pode estar relacionado a vários tipos de organizações, em vários estágios de desenvolvimento.
  7. 7. A Harvard Business School considera que empreendedorismo é “a identificação de novas oportunidades de negócio, independentemente dos recursos que se apresentam disponíveis ao empreendedor”. O Babson College define o termo de forma ainda mais abrangente: “empreendedorismo é uma maneira holística de pensar e de agir, sempre com obsessão por oportunidades, e balanceada por uma liderança”.
  8. 8. O ato de empreender está relacionado à identificação, análise e implementação de oportunidades de negócio , tendo como foco a inovação e a criação de valor. Isto pode ocorrer através da criação de novas empresas , mas também ocorre em empresas já estabelecidas, organizações com enfoque social, entidades de natureza governamental etc .
  9. 9. <ul><li>O empreendedorismo aplica-se a uma variedade de organizações em seus vários estágios de desenvolvimento, como por exemplo: </li></ul><ul><ul><li>Uma pequena empresa em início de desenvolvimento </li></ul></ul><ul><ul><li>Uma média empresa em fase de crescimento </li></ul></ul><ul><ul><li>Uma empresa familiar em fase de profissionalização </li></ul></ul><ul><ul><li>Uma ONG (Organização Não Governamental) </li></ul></ul><ul><ul><li>Em entidades e órgãos públicos </li></ul></ul><ul><ul><li>Em associações e cooperativas </li></ul></ul><ul><ul><li>Em empresas já estabelecidas, que buscam renovação e crescimento </li></ul></ul>
  10. 10. Para que o empreendedorismo ocorra nas organizações haverá a necessidade de pessoas que o façam acontecer, ou seja, os empreendedores. “ O empreendedor é aquele que faz acontecer, antecipa-se aos fatos e tem uma visão futura da organização” (Dornelas, 2001) “ O empreendedor é aquele que destrói a ordem econômica existente através da introdução de novos produtos e serviços, pela criação de novas formas de organização, ou pela exploração de novos recursos e materiais” Joseph Schumpeter (1949)
  11. 11. O empreendedor é aquele que percebe uma oportunidade e cria meios (nova empresa, área de negócio, etc.) para persegui-la. O processo empreendedor envolve todas as funções, ações, e atividades associadas com a percepção de oportunidades e a criação de meios para persegui-las
  12. 12. <ul><li>Em qualquer definição de empreendedorismo encontram-se, pelo menos, os seguintes aspectos referentes ao empreendedor: </li></ul><ul><ul><li>Iniciativa para criar/inovar e paixão pelo o que faz </li></ul></ul><ul><ul><li>Utiliza os recursos disponíveis de forma criativa transformando o ambiente social e econômico onde vive </li></ul></ul><ul><ul><li>Aceita assumir os riscos e a possibilidade de fracassar </li></ul></ul>
  13. 13. Obs.: Movimento : refere-se ao movimento que predominou no período. Foco : refere-se aos conceitos administrativos predominantes. 1900 1910 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1990 2000 Movimento de Racionalização do trabalho: foco na gerência administrativa. Movimento das Relações humanas: foco nos processos Movimento do Funcionalismo estrutural: foco na gerência por objetivos Movimento dos Sistemas abertos: foco no planejamento estratégico Movimento das Contingências ambientais: foco na competitividade Não se tem um movimento predominante, mas há cada vez mais o foco no papel do empreendedor como gerador de riqueza para a sociedade.
  14. 14. 1. Concepção Estratégica
  15. 15. Estratégia é um processo gerencial que abrange todas as atividades de uma empresa proporcionando uma dimensão de unidade, direção e propósito. Onde Estamos Aonde pretendemos Chegar? Quando?
  16. 16. Definição do Negócio
  17. 17. Missão A missão consiste na razão de existência da organização. É a capacidade da empresa de vislumbrar as oportunidades e ameças no mercado e adotar um foco estratégico de atuação para os resultados empresariais. Missão do Google é organizar a informação mundial tornando-a acessível e util. Visão
  18. 18. Valores Crenças fundamentais da companhia. √   Diversidade √  Mente Aberta √   Espírito Empreendedor √   Liberdade com responsabilidade Valores Souza Cruz: √   Foco no usuário √  E melhor fazer uma coisa bem feita. √   Agilidade √   Democracia na internet √   Mobilidade √   Integridade nos resultados √  Sempre em busca de mais informações √   Operações sem fronteiras. √   Não somos sisudos √   Bom nunca é suficiente Valores Google:
  19. 19.
  20. 20. Diferen ç as entre missão e visão.
  21. 21. Análise Ambiental Externa
  22. 22. Oportunidades e Ameaças
  23. 23. 1. Ambiente Político 2. Ambiente Econômico Análise Ambiental Externa
  24. 24. 3. Ambiente Sócio - ambiental 4. Ambiente Tecnológico
  25. 25. Análise Ambiental Interna
  26. 26. Forças e Fraquezas
  27. 27. Análise ambiental interna <ul><li>Produtos </li></ul><ul><li>Vendas e Marketing </li></ul><ul><li>Processos </li></ul><ul><li>Sistemas de TI </li></ul><ul><li>Estrutura – Pessoas </li></ul><ul><li>Estilo de Administração </li></ul><ul><li>Resultados </li></ul><ul><li>Controles </li></ul>
  28. 28. Forças de Porter
  29. 29. 5 Forças de Porter
  30. 30. Escolha da Estratégia
  31. 31. Michael Porter “ Se você estiver tentando competir em todos os negócios, então você não tem uma estratégia. Estratégia implica o estabelecimento de limites.”
  32. 32. Tipos de Estratégia: Baixo Custos Diferenciação Foco Rede
  33. 33. <ul><li>Baixo Custo: </li></ul><ul><li>Riscos: </li></ul>Imitação da Concorrência Volume de vendas Estrutura enxuta
  34. 34. <ul><li>Diferenciação: </li></ul><ul><li>Riscos: </li></ul>Novidade Custos dos concorrentes Imitação da concorrência
  35. 35. <ul><li>Relacionamento / Segmentação / Foco: </li></ul><ul><li>Riscos: </li></ul>Demanda desaparece Segmento se torna Obsoleto Linha mais completa aumentam
  36. 36. <ul><li>Rede </li></ul><ul><li>Riscos: </li></ul>Novas Tecnologias
  37. 37. 2. Marketing
  38. 38. O bom marketing não é acidental A Apple, fabricante do Iphone, inova constantemente
  39. 39. Vendas x Marketing “ Pode-se considerar que sempre haverá a necessidade de vender. Mas o objetivo do marketing é tornar supérfluo o esforço de venda. O objetivo do marketing é conhecer e entender o cliente tão bem que o produto ou o serviço seja adequado a ele e se venda sozinho. Idealmente, o marketing deveria resultar em um cliente disposto a comprar. A única coisa necessária então seria tornar o produto ou o serviço disponível .” Peter Drucker
  40. 40. A que se aplica o marketing? Bens Serviços Eventos & experiências Pessoas Lugares & propriedades Organizações Informações Idéias
  41. 41. Os 4Ps do mix de marketing
  42. 42. Fonte: Michael J. Lanning e Edward G. Michaels, “A business is a value delivery system”, relatório interno da McKinsey, 41, jun. 1988. Copyright © by McKinsey & Co., Inc. Duas maneiras de ver o processo de entrega de valor
  43. 43. Inteligência de Marketing
  44. 44. <ul><li>Que decisões você toma regularmente? </li></ul><ul><li>De que informações você precisa para tomar essas decisões? </li></ul><ul><li>Que informações você obtém regularmente? </li></ul><ul><li>Que estudos especiais você solicita periodicamente? </li></ul><ul><li>Que informações você quer e não está obtendo agora? </li></ul><ul><li>Quais são as quatro principais melhorias que deveriam ser feitas no sistema de informações de marketing atualmente em uso? </li></ul>Perguntas para descobrir necessidades de informações
  45. 45. Registros internos Ciclo pedido-pagamento Bancos de dados, data warehouses e data mining Sistema de inteligência de marketing Sistemas de informações de vendas
  46. 46. Medidas para melhorar a inteligência de marketing Treinar o pessoal de vendas para que relate novos acontecimentos Motivar membros do canal para que repassem informações importantes Conhecer melhor a concorrência Criar um painel consultivo de clientes Usar fontes de dados governamentais Comprar informações Coletar informações por meio de feedback on-line
  47. 47. <ul><li>Clientes e sua segmentação </li></ul>
  48. 48. Quem é nosso cliente?
  49. 49.
  50. 50. <ul><li>Conquistar novos clientes pode custar até cinco vezes mais do que satisfazer e reter os já existentes. </li></ul><ul><li>As empresas perdem em média 10 por cento de seus clientes a cada ano. </li></ul><ul><li>Uma redução de 5 por cento no índice de perda de clientes pode aumentar os lucros de 25 a 85 por cento. </li></ul><ul><li>A taxa de lucro por cliente tende a aumentar ao longo do tempo de permanência do cliente retido. </li></ul>Retenção de clientes
  51. 51. Fontes: Jill Griffin, Customer loyalty: how to earn it, how to keep it . Nova York: Lexington Books, 1995, p. 36. Veja também Murray Raphel e Neil Raphel, Up the loyalty ladder: turning sometime customers into full-time advocates of your business . Nova York: HarperBusiness, 1995. O processo de desenvolvimento de clientes
  52. 52. Fidelidade e Posicinamento = Lucro
  53. 53. <ul><li>Comportamento de Compra </li></ul>
  54. 54. Fonte: A. H. Maslow, Motivation and personality , 2 ed. Upper Saddle River: Prentice Hall, 1970. Reproduzido com permissão. Hierarquia das necessidades de Maslow
  55. 55. Modelo das cinco etapas do processo de compra
  56. 56. Etapas entre a avaliação de alternativas e a decisão de compra
  57. 57. <ul><li>Quem compra </li></ul><ul><li>Quem solicita </li></ul><ul><li>Quem influencia a compra </li></ul><ul><li>Quem decide o fornecedor </li></ul><ul><li>Quem escolhe e usa </li></ul><ul><li>Quando o mercado compra </li></ul><ul><li>Picos de mercado </li></ul><ul><li>Onde o mercado compra </li></ul><ul><li>Estimulo de compra </li></ul>O que nosso plano precisa responder!
  58. 58. <ul><li>Portfólio de Produto </li></ul>
  59. 59.
  60. 60.
  61. 61. <ul><li>Ciclo de Vida </li></ul>
  62. 62.
  63. 63. <ul><li>Análise detalhada do mercado </li></ul>
  64. 64. <ul><li>Demanda atual e futura </li></ul><ul><li>Potencial de Mercado </li></ul><ul><li>Consumo por critério </li></ul><ul><li>Taxas de crescimento </li></ul><ul><li>Market Share </li></ul><ul><li>Volumes negociados </li></ul><ul><li>Outras informações </li></ul>O que nosso plano precisa responder!
  65. 65. <ul><li>Análise detalhada da concorrência </li></ul>
  66. 66. <ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Estratégias em Curso </li></ul><ul><li>Reação e retaliação </li></ul><ul><li>Status Tecnológico </li></ul><ul><li>Marketing e Serviço ao Cliente </li></ul><ul><li>Capacidade de Investimento </li></ul><ul><li>Analise da competitividade </li></ul>O que nosso plano precisa responder!
  67. 67. <ul><li>Comunicação de Marketing </li></ul>
  68. 68. Fonte: Michael J. Lanning e Edward G. Michaels, “A business is a value delivery system”, relatório interno da McKinsey, 41, jun. 1988. Copyright © by McKinsey & Co., Inc. Duas maneiras de ver o processo de entrega de valor
  69. 69. Comunicação de marketing É o meio pelo qual as empresas buscam informar, persuadir e lembrar os consumidores, direta ou indiretamente, sobre os produtos e marcas que comercializam
  70. 70. Comunicação de marketing e brand equity
  71. 71. <ul><li>Propaganda </li></ul><ul><li>Anúncios impressos e eletrônicos </li></ul><ul><li>Espaços externos das embalagens </li></ul><ul><li>Encartes da embalagem </li></ul><ul><li>Manuais e brochuras </li></ul><ul><li>Cartazes e folhetos </li></ul><ul><li>Catálogos </li></ul><ul><li>Símbolos e logotipos </li></ul><ul><li>Outdoors </li></ul><ul><li>Filmes </li></ul><ul><li>Promoção de vendas </li></ul><ul><li>Concursos, jogos e sorteios </li></ul><ul><li>Prêmios e brindes </li></ul><ul><li>Amostras </li></ul><ul><li>Feiras setoriais </li></ul><ul><li>Cupons </li></ul><ul><li>Reembolsos parciais </li></ul><ul><li>Diversão </li></ul><ul><li>Programas de fidelização </li></ul><ul><li>Concessões de troca </li></ul>
  72. 72. <ul><li>Eventos/Experiências </li></ul><ul><li>Esportes </li></ul><ul><li>Diversão </li></ul><ul><li>Festivais </li></ul><ul><li>Artes </li></ul><ul><li>Causas </li></ul><ul><li>Passeios pela fábrica </li></ul><ul><li>Museus corporativos </li></ul><ul><li>Atividades de rua </li></ul><ul><li>Relações públicas </li></ul><ul><li>Kits para a imprensa </li></ul><ul><li>Palestras </li></ul><ul><li>Seminários </li></ul><ul><li>Relatórios anuais </li></ul><ul><li>Doações </li></ul><ul><li>Publicações </li></ul><ul><li>Relações com a comunidade </li></ul><ul><li>Lobby </li></ul>
  73. 73. <ul><li>Vendas pessoais </li></ul><ul><li>Apresentações de vendas </li></ul><ul><li>Reuniões de vendas </li></ul><ul><li>Programas de incentivo </li></ul><ul><li>Amostras </li></ul><ul><li>Feiras e exposições </li></ul><ul><li>Marketing direto </li></ul><ul><li>Catálogos </li></ul><ul><li>Malas diretas </li></ul><ul><li>Telemarketing </li></ul><ul><li>Vendas pela TV </li></ul><ul><li>Mala direta via fax </li></ul><ul><li>E-mail </li></ul><ul><li>Correio de voz </li></ul>
  74. 74. Elementos do processo de comunicação
  75. 75. <ul><li>Propaganda </li></ul><ul><li>Penetração </li></ul><ul><li>Aumento da expressividade </li></ul><ul><li>Impessoalidade </li></ul>Características das comunicações <ul><li>Promoção de vendas </li></ul><ul><li>Comunicação </li></ul><ul><li>Incentivo </li></ul><ul><li>Convite </li></ul>
  76. 76. <ul><li>RP e assessoria de imprensa </li></ul><ul><li>Alta credibilidade </li></ul><ul><li>Capacidade de pegar os compradores desprevenidos </li></ul><ul><li>Dramatização </li></ul>Características das comunicações <ul><li>Evento e experiência </li></ul><ul><li>Relevante </li></ul><ul><li>Envolvente </li></ul><ul><li>Implícito </li></ul>
  77. 77. <ul><li>Marketing direto </li></ul><ul><li>Personalizado </li></ul><ul><li>Atualizado </li></ul><ul><li>Interativo </li></ul>Características das comunicações <ul><li>Vendas pessoais </li></ul><ul><li>Interação pessoal </li></ul><ul><li>Aprofundamento </li></ul><ul><li>Resposta </li></ul>
  78. 78. Relação custo-benefício de três ferramentas de comunicação em diferentes estágios de disposição do comprador
  79. 79. 3. Operação
  80. 80. Sócios
  81. 81. Sócios <ul><li>Quantos são </li></ul><ul><li>Perfil e currículo </li></ul><ul><li>Descrição das atividades </li></ul><ul><li>Tipo de Sociedade </li></ul><ul><li>Transparência e contrato de sociedade. </li></ul>
  82. 82. Colaboradores
  83. 83. Colaboradores <ul><li>Tamanho da Equipe </li></ul><ul><li>Descrição das atividades </li></ul><ul><li>Perfil do profissional </li></ul><ul><li>Remuneração </li></ul>
  84. 84. Colaboradores <ul><li>Atração </li></ul><ul><li>Desenvolvimento </li></ul><ul><li>Retenção </li></ul>
  85. 85. Infra Estrutura
  86. 86. <ul><li>Equipamentos </li></ul><ul><li>Lay-out </li></ul><ul><li>Aluguel </li></ul><ul><li>Móveis </li></ul><ul><li>Decoração </li></ul><ul><li>Localização / Acesso </li></ul>Infra Estrutura
  87. 87. Processo Produtivo
  88. 88. <ul><li>Fluxograma </li></ul><ul><li>Pessoas Envolvidas </li></ul><ul><li>Recursos Necessários </li></ul>
  89. 89. Legislação
  90. 90. Legislação <ul><li>Federal </li></ul><ul><li>Estadual e </li></ul><ul><li>Municipal </li></ul><ul><li>Requisitos Específicos </li></ul><ul><li>Carga Tributária </li></ul><ul><li>Assessoria </li></ul>
  91. 91. Compras
  92. 92. Estoque Inicial
  93. 93. 4. Finanças
  94. 94. <ul><li>Você precisa conhecer o tamanho do seu mercado consumidor potencial para poder projetar o volume total de receitas da sua empresa; </li></ul><ul><li>Você precisa ter uma noção clara dos preços dos insumos que irá utilizar no seu processo produtivo para determinar o custo médio de fabricação e/ou comercialização dos seus produtos; </li></ul><ul><li>Você precisa ter uma concepção clara do seu modelo de negócio para determinar e orçar o montante de investimentos necessários à sua implantação; </li></ul><ul><li>Finalmente, você precisa ter mapeado o mercado e saber quais são os preços médios de seus concorrentes potenciais, para ter certeza sobre as possibilidades de implantação do negócio, com os preços calculados nesta etapa do trabalho. </li></ul>
  95. 95. Investimento Inicial
  96. 96. Investimento Inicial
  97. 97. Investimento Inicial
  98. 98. Investimento Inicial
  99. 99.
  100. 100. Custos
  101. 101. Levantamento de Custos
  102. 102. Custo variável 800 pães
  103. 103.
  104. 104.
  105. 105.
  106. 106. Preço de Venda
  107. 107.
  108. 108.
  109. 109.
  110. 110.
  111. 111.
  112. 112. Indicadores de Desempenho
  113. 113. 1. Lucratividade 2. Rentabilidade 3. Prazo de Retorno do Investimento 4. Ponto de Equilíbrio
  114. 114. Suporte ao Empreendedor
  115. 115. <ul><li>Começam a aumentar o apoio... </li></ul><ul><ul><li>Softex (Genesis) </li></ul></ul><ul><ul><li>Empretec (SEBRAE) </li></ul></ul><ul><ul><li>Brasil Empreendedor </li></ul></ul><ul><ul><li>Projeto REUNE (CNI/IEL) </li></ul></ul><ul><ul><li>Começa a haver a figura do capitalista de risco </li></ul></ul><ul><ul><li>Crescimento das incubadoras de empresas tradicionais, tecnológicas e mistas </li></ul></ul><ul><ul><li>Ensino de empreendedorismo nas universidades </li></ul></ul><ul><ul><li>Entidades de apoio (Sebrae, Endeavor, Instituto Empreendedor do Ano da Ernst & Young...) </li></ul></ul><ul><ul><li>Alternativas de financiamento: Fapesp, Finep, Angels, VCs... </li></ul></ul><ul><ul><li>Crescimento de franquias </li></ul></ul>
  116. 116. Tirando a idéia do Papel
  117. 117. De planos estrat é gicos em planos t á ticos e operacionais Nível Institucional Nível Intermediário Nível Operacional Longo Prazo Médio Prazo Curto Prazo Planejamento Estratégico Planos estratégicos para o alcance de objetivos globais da empresa Planejamento Tático Planos táticos para o alcance de objetivos departamentais ou de cada unidade da empresa Planejamento Tático Planos operacionais para o cumprimento de tarefas para o alcance de metas operacionais Execução das Operações Missão Organizacional Visão de Futuro
  118. 118. <ul><li>Objetivos e Metas do Plano de Negócios </li></ul>
  119. 119. Gr á fico de Gantt para o lan ç amento de um produto novo.
  120. 120. OS INCRÉDULOS EM NOSSAS VIDAS! Era uma vez uma corrida ... de sapinhos! O objetivo era atingir o alto de uma grande torre. Havia no local uma multidão assistindo. Muita gente para vibrar e torcer por eles. Começou a competição. Mas como a multidão não acreditava que os sapinhos pudessem alcançar o alto daquela torre, o que mais se ouvia era: “Que pena!!! Esses sapinhos não vão conseguir. Não vão conseguir.” E os sapinhos começaram a desistir. Mas havia um que persistia e continuava a subida, em busca do topo. A multidão continuava gritando: “ ... que pena!!! – Vocês não vão conseguir!” E os sapinhos estavam mesmo desistindo um por um, menos aquele sapinho que continuava tranqüilo, embora cada vez mais arfante. Já no final da competição, todos desistiram – menos ele. A curiosidade tomou conta de todos. Queriam saber o que tinha acontecido... E assim, quando foram perguntar ao sapinho como ele havia conseguido concluir a prova, descobriram que ele era surdo! Não permita que pessoas com o péssimo hábito de serem negativas, derrubem as melhores e mais sábias esperanças de seu coração. Lembre-se sempre: Há poder em nossas palavras e em tudo o que pensamos, portanto, procure sempre ser positivo. Resumindo: Seja “surdo” quando alguém disser que você não pode realizar seus sonhos. É hora de você assumir seu próximo desafio: organizar seu Plano de Negócio e buscar recursos para iniciar sua empresa.
  121. 121. Anexos

×