analises mineral e vegetal

4,160 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
4,160
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
56
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

analises mineral e vegetal

  1. 1. Aline da Silva Costa Mariza Peixoto CastilhoPROCEDIMENTOS DE MÉTODOS ANALÍTICOS DA CANA E CALDO Dourados 2012
  2. 2. Aline da Silva Costa Mariza Peixoto CastilhoPROCEDIMENTOS DE MÉTODOS ANALÍTICOS DA CANA E CALDO Trabalho de conclusão de curso apresenta ao Curso de Técnico em química do SENAI de Dourados, com o requisito parcial para obtenção do Título em Técnico em Química. Orientador: Euripedes Garcia Silveira Júnior Dourados 2012
  3. 3. AMOSTRAGEM Esse processo compreende a coleta da amostra, onde é realizada aperfuraçãoda carga por sonda amostradora. Sendo assim a retiradadasamostras é realizada da seguinte maneira: As amostras são retiradasaleatoriamente em três pontos diferentes de carregamento, definidos porsorteio, que serão emitidos ao Pagamento de cana pelo teor de sacarose(PCTS) o Boletim de análises (BA), em uma registradora. O BA é referente à carroceria do caminhão transportador ,a colhedeira,e afazenda, permitindo à unidade industrial acesso para tomada de amostra emtoda área da carroceria. Quando a cana for transportada em um caminhão commais de uma carretas, as amostras podem ser retiradas considerando cadacarreta como um carregamento individual. A perfuração da carga é feita nocentro da carreta. Logo após a a sonda faz a perfuração e amostra é trasferidapara o desfibrador. PREPARAÇÃO DA AMOSTRA No desfibrador a amostra é desfibrada e homogeneizada, em seguida éencaminhada à etapa de extração do caldo, a amostra é prensada e o caldo éobtido da seguinte forma:Em uma balança de precisão separamos 500g daamostra, é enviada para a prensa hidráulica que extrai o caldo e gera obagaço, PBU(bolo) úmido.O caldo é extraído a uma pressão deaproximadamente 250 kgf/cm2. O caldo é colocado uma pequena amostra,aproximadamente (0,3 ml) no refratômetro aonde ele nos dá o valor emporcentagem de Brix ( sólidos solúveis contido no caldo).O bagaço (bolo)úmido é pesado na balança de precisão e esse peso é utilizado para o cálculoda fibra% cana. BRIX DO CALDO O Brix do caldo extraído no refratômetro (aparelho com correção detemperatura) eles nos da um valor em porcentagem. O caldo extraído é filtradoem papel de filtro qualitativo para retirar as impurezas minerais, o caldo étransferido para o refratômetro um instrumento óptico utilizado para medir oíndice de refração de uma substância a POL (porcentagem em massa desacarose contida em uma solução açucarada) o resultado sai após algunsminutos. POL DO CALDO O sacarímetro é calibrado com tubo padrão de quartzo, antes de determinara Pol, o caldo deve ser clarificado com uma mistura clarificante – Octapol, paraisso recolhe-se +ou- 250 mL do caldo em um erlenmeyer de 250mL e adiciona-se de 10 a 12 g de Octapol, em seguida a amostra é homogeneizada com umhomogeneizador (Mixer). Após esse procedimento, faz a filtração com um filtro
  4. 4. qualitativo em um funil e a solução obtida é enviado ao tubo sacarimétrico, eapós alguns segundos o resultado é obtido e tranferido para o sistema atrás deuma leitura que é passada pelo TRD e calculada pelo sistema obtendo aporcentagem de fibras,impurezas,purezas, Ar ( açúcar redutor) e ART (açúcarredutor total). ANÁLISE VEGETAL E MINERAL A analises mineral e vegetal são para encontrar a quantidade de impurezascontidas na cana de açúcar. Na análise vegetal o que vai interessar é aquantidade de palha encontrada na amostra. Inicialmente pesa o recipientecontendo a amostra recolhida na sonda amostradora, depois se faz o processode separação, da cana e da palha. A palha separada da amostra é pesada e érealizada a seguinte relação:(Peso do recipiente (balde) c/ amostra menos orecipente de pois pesar a palha obtida e a cana devidamente separados. Na análise mineral, o que interessa é a quantidade de cinza (impurezamineral) contida na cana desintegrada após ser coletada na sondaamostradora. Essa cinza serve para saber quanto há de impureza mineralindesejável. A pesagem é feita em um recipiente de porcelana(cadinho),colocada 5 g da amostra e pesada na balança de precisão e levadaao forno (Mufla) onde é incinerada à temperatura de 550°C a 600°C num período de5 horas. Depois dessa etapa a cinza é pesada e daí se faz o seguinte cálculo:Peso docadinho + da Amostra desintegrada = Peso inicial do cadinho + Cinza = Pesofinal Peso inicial.
  5. 5. INTRODUÇÃO Cana é o termo genericamente aceito para designar os colmosindustrializáveis da cana-de-açúcar, os quais são cortados na base, rente aosolo. A matéria-prima entregue na indústria para a fabricação do álcool écomposta por cana mais as impurezas carreadas. A composição da cana é extremamente variável em função de diversosfatores, como a idade cronológica e fisiológica da cultura, época deamostragem, variedade, estágio de corte, sanidade das plantas, condiçõesclimáticas durante o desenvolvimento e maturação, adubação e fertilização,tipo de solo, entre outros. Do ponto de vista tecnológico, a cana é constituída de caldo mais ossólidos insolúveis em água, os quais são representados pelas fibras. O caldocontém água mais os sólidos solúveis totais, que correspondem aos açúcares enão-açúcares sendo denominado de Brix. O principal componente da cana é aágua, que pode chegar a 78% do seu peso no início do desenvolvimento. Os açúcares presentes na cana são representados principalmente pelasacarose, glicose e frutose e, na indústria, esses açúcares são denominadoscomo Pol e açúcares redutores, respectivamente. A qualidade do açúcar é influenciada por várias das operações unitáriasque constituem o seu processamento, em especial, a clarificação do caldo decana. Visto que, o desempenho da clarificação também implica nas etapassubseqüentes do processo; filtração do caldo, coeficiente de transferência decalor no evaporador, cristalização da sacarose e a qualidade e quantidade deaçúcar produzido. Além disso, afeta ainda a cor, a morfologia dos cristais, oteor de cinzas e o conteúdo de polissacarídeos no produto final
  6. 6. OBJETIVODefinir métodos analíticos para determinação e avaliação de cana pelo teor desacarose,visto que é a maior componemte de cana METODOLOGIA Conceitos e definições Alguns conceitos e definições básicos são necessáriospara homogeneizar a linguagem deste trabalho. Entre elesdestacam-se:– Glicose e frutose: são os açúcares que compõem acana em menor quantidade.– Sacarose: é o açúcar mais importante e sintetizado emmaior quantidade pela cana. A partir dela é possível fabricaçãode açúcar em forma de cristais, assim como álcool.– Fibra: é a parte sólida da cana formada pela celulose.
  7. 7. – POL: porcentagem em massa de sacarose aparentemente contida no caldoem uma solução açucarada de peso normal.– Brix: porcentagem em massa de sólidos solúveis contida em uma soluçãoquimicamente pura.– Impurezas minerais: impurezas minerais carregadoscom a cana, na operação de corte e carregamento,provenientes do solo.– Impurezas vegetais: são as impurezas de origem vegetal,provenientes da cana como palha e terra.– Açúcares redutores (AR): substancia redutora de cana-de-açúcar, que tem apropriedade de reduzir o cobre em solução cúprico e calculado como açúcarredutor.– Açúcar Redutor Total (ART): substancia redutoras de cana-de-açúcar +sacarose que após hidrólise se constitui de glicose + frutose.– Sólidos solúveis: são todos os sólidos que se encontramdissolvidos no caldo da cana. Entre eles estão os açúcares,ácidos orgânicos, amidas, sais, etc. CONCLUSÃO O presente trabalho serve como base para posteriores comparações afim de melhorar as técnicas analíticas para submissão em amostras vegetais,minerais e determinação de Brix e Pol, verificar a influência das variáveis pH,tempo e temperatura no processo de clarificação do caldo de cana-de-açúcar,por clarificação ou seja teor de sólidos solúveis, açucares redutores, sacarose.
  8. 8. RESUMO A qualidade da cana-de-açúcar como matéria-prima industrial pode serdefinida como uma série de características intrínsecas da própria planta,alterada pelo manejo agrícola e industrial que definirão seu potencial para aprodução do álcool. Os açúcares presentes na cana são representadosprincipalmente pela sacarose, glicose e frutose, e na indústria, esses açúcaressão denominados como Pol e açúcares redutores, Brix e açucares redutorestotais.O Brix é o parâmetro mais utilizado na indústria do álcool que tem comfinalidade de medir o teor de sacarose em soluções puras. No entanto esseparâmetros pode ser realizado através do refratômetro com uma solução purade sacarose onde é medido o índice de refração de soluções de sacarose queforneceram a porcentagem de sólidos solúveis da solução. Outro parâmetroutilizado é a Pol ou porcentagem de sacarose contida no caldo que após afiltração a amostra é passada no sacarímetro onde ele determina o grau depolarização das amostras.
  9. 9. FICHA CATALOGRAFICA
  10. 10. AGRADECIMENTO
  11. 11. ABSTRACT The quality of cane sugar as an industrial raw material can be defined as aset of inherent characteristics of the plant itself, as amended by industrial andagricultural management that will define your potential for alcohol production.The sugars present in cane are mainly represented by sucrose, glucose andfructose, and industry, these are referred to as Pol sugars and reducing sugars,reducing sugars totais.O Brix and Brix is the most common parameter used inthe alcohol industry has an aim measuring the concentration of sucrose in puresolutions. However, this parameter can be accomplished by refractometer witha pure solution of sucrose is measured where the refractive index of sucrosesolutions provided that the percentage of soluble solids of the solution. Anotherparameter used is the percentage of Pol or sucrose contained in the filteredbroth after the sample is passed saccharimeter where it determines the degree
  12. 12. of polarization of the samples. REFERENCIA
  13. 13. ANEXOS

×