Semiotica   a importância dos signos(atv03)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Semiotica a importância dos signos(atv03)

on

  • 3,496 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,496
Views on SlideShare
3,496
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
12
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Semiotica   a importância dos signos(atv03) Semiotica a importância dos signos(atv03) Document Transcript

  • Valor 5,0 /nota 4,8 A Importância dos Signos Aline Rodrigues Totti, Semiótica, Docência no Ensino a Distância. Este texto pretende responder a algumas questões fundamentais a cerca da semiótica, semiologia e linguagem tais como: Qual é o objeto da semiótica? Qual a diferença entre a semiótica e a semiologia? O que significa afirmar que a linguagem é de caráter simbólico? Respondendo a estas questões, ainda que com definições superficiais, poderemos ter uma visão interessante destas ciências e seus principais conceitos e como elas se relacionam. A fim de responder a primeira questão vejamos a seguinte definição que a Wikipédia trás para semiótica: “Ciência geral dos signos e da semiose que estuda todos os fenômenos culturais como se fossem sistemas sígnicos, isto é, sistemas de significação.” (WIKPEDIA, vocábulo semiótica). Onde, ainda na Wikipédia, “um signo, ou representamem, é qualquer coisa que está em vez de (stands for) outra coisa, em determinado aspecto ou a qualquer título, (e que é considerado “representante” ou representação da coisa, do objeto – a matéria física).” Estes signos são de diversas naturezas e serão chamados ícones, símbolos, sinais, nomes de acordo com os diferentes autores e pensadores da semiótica, mas todos terão algo em comum: “serem coisas (objetos, gestos, accções) em função de outras coisas que representam ou caracterizam. Não pode haver sinal sem um “de” à frente”. (FIDALGO e GRADIM, 2005) Assim, temos como exemplos de signos: Gesto de positivo, sinais de trânsito, pegada de animal, sintomas de doença, fotografia de um ambiente, planta ou desenho de uma casa, pintura de uma paisagem ou pessoas, placas de automóveis, um logotipo de uma empresa ou ainda o emblema do time de futebol. Mas não só dos símbolos se ocupa a semiótica, como exposto na definição inicial ela ocupa- se também da semiose que vem a ser o processo de significação em si, ou seja, de que modo percebemos e damos significados aos diversos signos que fazem parte de nossa cultura e que nos rodeiam em nosso dia a dia. Sobre este aspecto da semiótica nos diz Santella: “Esta esfera do conhecimento existe há um longo tempo, e revela as formas como o indivíduo dá significado a tudo que o cerca”. Neste sentido, já podemos estabelecer pelo menos uma diferença clara e importante entre semiótica e semiologia: a primeira é muito mais ampla e abstrata, porque contempla variados sistemas sígnicos, ou seja, várias linguagens, ao passo que a segunda é mais restrita e objetiva, se ocupa de apenas um dos casos de sistema sígnico, que é a linguagem oral/escrita. Sabendo que há outros tipos de linguagens envolvendo outros sistemas de significação, vejamos o significado de
  • linguagem na Wikipédia: Linguagem é qualquer e todo sistema de signos que serve de meio de comunicação de idéias ou sentimentos através de signos convencionados, sonoros, gráficos, gestuais etc., podendo ser percebida pelos diversos órgãos dos sentidos, o que leva a distinguirem-se várias espécies de linguagem: visual, auditiva, tátil, etc., ou, ainda, outras mais complexas, constituídas, ao mesmo tempo, de elementos diversos. Os elementos constitutivos da linguagem são, pois, gestos, sinais, sons, símbolos ou palavras, usados para representar conceitos de comunicação, idéias, significados e pensamentos. (WIKPEDIA, vocábulo linguagem) De posse deste conceito e das considerações anteriores sobre a semiótica e semiologia, vemos que: ao afirmar que a linguagem é de caráter simbólico estamos colocando as questões da linguagem no campo da semiótica, que é muito mais amplo que a semiologia e pode contemplar “qualquer e todo sistema de signo que serve de meio de comunicação”, como afirma a citação acima, e não somente a linguagens oral/escrita. Então a semiótica envolve áreas como: linguagem visual, linguagem corporal, linguagem artística, linguagem midiática e a linguagem oral/escrita. Ao distinguir claramente semiótica e semiologia, podemos verificar que ambas tratam da linguagem, porém a semiótica envolve o tema de forma mais ampla enquanto que a semiologia restringe a uma determinada linguagem. Por fim, nota-se a importância desta ciência, a semiótica, e seus estudos a cerca dos signos e da semiose, tão intimamente ligados à linguagem. Referência Bibliográfica: WIKIPÉDIA. Desenvolvido pela Wikimedia Foundation. Apresenta conteúdo enciclopédico. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Linguagem >. Acesso em: 17 Abr 2010 WIKIPÉDIA. Desenvolvido pela Wikimedia Foundation. Apresenta conteúdo enciclopédico. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Semi%C3%B3tica>. Acesso em: 17 Abr 2010 MAYR, Arnaldo Henrique. Guia de Estudo- Semiótica. Varginha: GEPÓS-UNIS/MG, 2010. Correção 4.80 29/04/2010 Prof. Arnaldo Mayr Justificativa Seu trabalho cumpriu o pretendido, apresentando estrutura coesa e boa argumentação. Atente para a referência Fidalgo e Gradim (não consta na Bibliografia) e Arnaldo Mayr (que consta mas não foi citado. Ficaria como Bibliografia e não como Referência Bibliograica – aqui , obrigatoriamente tem que existir a citação literal no texto).