Your SlideShare is downloading. ×
Drogas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Drogas

1,420
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,420
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
36
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE DROGAS E REDUÇÃO DE DANOS EDUCAÇÃO SOBRE DROGAS
  • 2. Indivíduo Substância Meio Visão Integral
  • 3. O que é droga? Toda substância natural ou sintética capaz de provocar modificações ao serem introduzidas no organismo humano, seja no comportamento, na estrutura e/ou no funcionamento.
  • 4. Lícitas e Ilícitas Drogas lícitas são aquelas que por lei não é crime produzir, usar nem comercializar. Ex: Café, cigarro, álcool, inalantes, coca-cola, chá-mate, Gardenal, Ropinol, Artane, Rivotril, Neosaldina, aspirina, cibalena. Drogas ilícitas: são aquelas que por lei não podem ser produzidas, usadas nem comercializadas Ex: maconha, crack, cocaína, Ecstasy, mesclado
  • 5. Classificação Depressoras Deprimem o funcionamento do SNC; * Diminuem as atividades intelectuais, motoras e sensitivas; * Causam sonolência, depressão respiratória; tendência à diminuição da reatividade à dor e da ansiedade; efeito euforizante inicial e depois, aumento da sonolência. * Exemplos: álcool, soníferos, heroína.
  • 6. Perturbadoras Produzem alterações nas funções mentais; * Promovem fenômenos psíquicos anormais como delírios e alucinações; * Raciocínio, aprendizagem, memória, perepção; * Exemplos: maconha, LSD, Ecstasy.
  • 7. Estimulantes Aumentam a atividade do cérebro; * Estimulam o funcionamento do SNC; * Aumento da atividade motora, insônia, euforia, estado de alerta exagerado,etc; * Exemplos: cocaína, anfetaminas e tabaco.
  • 8. USO  O uso pode ser ocasional, recreacional ou experimental;
  • 9. ABUSO  O abuso é qualquer uso de drogas que traga prejuízos sociais, biológicos e/ou psicológicos ao indivíduo.
  • 10. DEPENDÊNCIA QUÍMICA: Consumo incontrolável, geralmente associado a prejuízos sérios para o indivíduo.  sentimento de perda de controle (comportamento obssessivo-compulsivo)  síndrome de abstinência  tolerância
  • 11. Lembrem-se: Nem todo usuário de droga é dependente.
  • 12. Síndrome de Abstinência: É definida por uma série de sintomas e sinais ocorrendo quando uma substância usada cronicamente é retirada abruptamente.
  • 13. FATORES DE RISCO Condições que aumentam a probabilidade de ocorrência de comportamentos com potencial para afetar a saúde em seus componentes biológicos, psicológicos e sociais.
  • 14. EXEMPLOS DE FATORES DE RISCO Baixo custo e disponibilidade da droga; Baixa auto-estima; Necessidade de novas experiências; Intolerância a frustrações; Ausência de regras ou limites; Carência de vínculo familiar; Dificuldade no acesso à educação e serviços de saúde; Violência..
  • 15. FATORES DE PROTEÇÃO Condições que amenizam ou neutralizam o impacto dos fatores de risco contribuindo para o desenvolvimento biopsicossocial do indivíduo.
  • 16. EXEMPLOS DE FATORES DE PROTEÇÃO Prática de esportes; Lazer; Vínculo familiar satisfatório; Boa auto-estima; Acesso à educação e serviços de saúde; Alimentação adequada; Regras sociais e familiares claras ; Presença de redes sociais de apoio.
  • 17. PREVENÇÃO Conceito Um processo de planejamento, implantação e implementação de múltiplas estratégias voltadas para redução de fatores de risco e fortalecimento dos fatores de proteção.
  • 18. PREVENÇÃO PRIMÁRIA Intervenção precoce – intervir antes do início do uso de drogas; Educação para a Saúde – visa uma melhor qualidade de vida, em uma visão biopsicossocial; Enfraquecer os fatores de risco e fortalecer os fatores de proteção.
  • 19. PREVENÇÃO SECUNDÁRIA Impedir a progressão do uso/abuso de substâncias psicoativas para a dependência química.
  • 20. PREVENÇÃO TERCIÁRIA Sensibilizar para a recuperação e viabilizar tratamento adequado; Diminuir as conseqüências de um uso de drogas contínuo e intenso.
  • 21. Redução da Oferta: Voltada para a fiscalização e controle da produção e da comercialização. Redução da Demanda: Visa desestimular ou diminuir o consumo. Prevenção Primária Prevenção Secundária Prevenção Terciária
  • 22. REDUÇÃO DE DANOS: Orienta a execução de ações para a prevenção das conseqüências danosas à saúde que decorrem do uso de drogas, sem necessariamente interferir na oferta e ou na demanda.
  • 23. É uma política de saúde pública adotada no controle do uso de drogas. Tem por objetivo reduzir as conseqüências adversas decorrentes do consumo de SPA´s, visando à busca da identidade social e da cidadania para usuários de drogas, assegurando o seu direito de cidadão e uma melhor qualidade de vida.
  • 24. FAMÍLIA O papel da família no processo de prevenção e recuperação dependem do seu comportamento. Positivo: reconhecimento/ valorização do indivíduo, disponibilidade, acolhimento, diálogo, inexistência de soluções mágicas, limites; Negativo: vigilância, agravamento, culpa, indiferença, vitimização, passividade.
  • 25. CO-DEPENDÊNCIA “Almeja ser o salvador, protetor ou consertador da outra pessoa. Mesmo que para isso ele esteja comprovadamente prejudicando e agravando o problema do outro.” (Melody Beattie)
  • 26. Conduta / Pensamento do Co-dependente ➔ Viver em função do outro ➔ Baixa auto-estima ➔ Culpa, Incapacidade e Vergonha ➔ Auto-anulação ➔ Controla a conduta do outro ➔ Necessidade de Aprovação ➔ Toma para si a responsabilidade do outro
  • 27. Projeto de vida Aspectos Profissionais; Aspectos Médico/ Psicológicos; Aspectos Familiares; Aspectos Socioeconômicos; Aspectos Comunitários; Aspectos Espirituais.
  • 28. Serviços Caps AD e Caps i; Grupos de Ajuda Mútua; Comunidades Terapêuticas; Hospitais Gerais; Hospital de Saúde Mental; Outros.
  • 29. DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS Efeitos e Consequências
  • 30. Álcool: Efeitos a curto prazo: sensação agradável, desinibição, diminuição da coordenação motora, diminuição da memória, diminuição do discernimento, aumento do tempo de reação.
  • 31. Álcool: Efeitos a longo prazo Aumento da pressão sangüínea; Tremores; Perda da função cognitiva; Cirrose hepática; Pancreatite; Lesões no estômago, fígado e cérebro; Atrofia testicular;
  • 32. Abstinência do Álcool tremores, náuseas, sudorese, tinidos no ouvido, coceiras, câimbras, insônia, irritabilidade, depressão, ansiedade, delirium tremens (confusão da consciência, alucinações vívidas envolvendo alguma modalidade sensorial, com acentuação dos tremores).
  • 33. Cigarro: Efeitos a curto prazo prazer, sensação de aumento da vivacidade, sensação de diminuição da ansiedade, diminuição do apetite, sensação de aumento de performance.
  • 34. Cigarro: Efeitos a longo prazo Hipertensão; Câncer de pulmão, boca, garganta, fígado, intestino e próstata; Bronquite crônica; Enfisema pulmonar.
  • 35. Cigarro Abstinência desejo de fumar, tontura, peso na cabeça, dor de cabeça, dificuldade de concentração, sonolência ou insônia, ansiedade, aumento do apetite, garganta dolorida, boca seca, náusea.
  • 36. Maconha Efeitos a curto prazo olhos avermelhados, boca seca, relaxamento, aumento do apetite, euforia, alteração da percepção, alteração da coordenação motora, taquicardia, ansiedade, aumento da pressão arterial, alucinação.
  • 37. Maconha Efeitos a longo prazo Diminuição da coordenação motora; alteração da memória e da concentração; depressão; irritação; ataque de pânico; ansiedade; tosse seca; dor de cabeça; bronquite crônica; infertilidade; impotência; diminuição da libido.
  • 38. Abstinência da Maconha: irritabilidade, insônia, ansiedade, vontade intensa de usar a droga, sensação de frio, sensibilidade aumentada à luz, calores repentinos, perda de peso, náuseas, tremores discretos.
  • 39. Inalantes Efeitos a curto prazo: desinibição, excitação, tontura, desorientação, fraqueza muscular, desorientação, diminuição da coordenação motora, alucinação, taquicardia, morte por asfixia e/ou parada cardíaca.
  • 40. Inalantes Efeitos a longo prazo Queda da pressão sanguínea; Fadiga; Diminuição da função motora; Diminuição da produção de glóbulos vermelhos; Redução da função dos rins e do fígado; Pneumonia; Parada cardíaca.
  • 41. Abstinência de Inalantes ansiedade, agitação, depressão, perda de apetite, irritação, agressividade, tonturas, tremores, náuseas, câimbras nas pernas.
  • 42. Cocaína Efeitos a curto prazo: agitação, euforia, taquicardia, dilatação das pupilas, boca amarga, secreções no nariz, diminuição do sono e do apetite.
  • 43. Crack Efeitos a curto prazo: sensação de bem-estar, euforia, inquietação, sensação de anestesia, diminuição do apetite, tosse, tontura, sudorese, desinibição, diminuição da pressão sanguínea.
  • 44. Crack Efeitos a longo prazo Irritação; insônia; Perda de peso; Diminuição do apetite; Falta de concentração; Tosse crônica;Convulsão; Diminuição do apetite sexual; Tremores.
  • 45. Cocaína e Crack Abstinência intenso desejo de usar a droga, irritabilidade, inquietação, ansiedade, necessidade de sono, fadiga, depressão.
  • 46. PARA OS QUE VIRÃO Como sei pouco, e sou pouco, faço o pouco que me cabe me dando inteiro. Sabendo que não vou ver o homem que quero ser. Já sofri o suficiente para não enganar a ninguém: principalmente aos que sofrem na própria vida, a garra da opressão, e nem sabem.
  • 47. Não tenho o sol escondido no meu bolso de palavras. Sou simplesmente um homem para quem já a primeira e desolada pessoa do singular - foi deixando, devagar, sofridamente de ser, para transformar-se - muito mais sofridamente - na primeira e profunda pessoa do plural. Não importa que doa: é tempo de avançar de mão dada com quem vai no mesmo rumo, mesmo que longe ainda esteja de aprender a conjugar o verbo amar.
  • 48. É tempo sobretudo de deixar de ser apenas a solitária vanguarda de nós mesmos. Se trata de ir ao encontro. ( Dura no peito, arde a límpida verdade dos nossos erros. ) Se trata de abrir o rumo. Os que virão, serão povo, e saber serão, lutando Thiago de Mello
  • 49. Não tenho o sol escondido no meu bolso de palavras. Sou simplesmente um homem para quem já a primeira e desolada pessoa do singular - foi deixando, devagar, sofridamente de ser, para transformar-se - muito mais sofridamente - na primeira e profunda pessoa do plural. Não importa que doa: é tempo de avançar de mão dada com quem vai no mesmo rumo, mesmo que longe ainda esteja de aprender a conjugar o verbo amar.
  • 50. “Toda criança tem direito a ser feliz.”