SOA - Padrões Associados
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

SOA - Padrões Associados

on

  • 3,774 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,774
Views on SlideShare
3,747
Embed Views
27

Actions

Likes
3
Downloads
173
Comments
0

4 Embeds 27

http://dsw09.blogspot.com.br 12
http://www.slideshare.net 7
http://dsw09.blogspot.com 7
http://74.125.47.132 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

SOA - Padrões Associados SOA - Padrões Associados Presentation Transcript

  • SOA PADRÕES ASSOCIADOS Faculdade Anhanguera de Limeira Desenvolvimento de Sistemas para a Web Módulo 3 – Tópicos no Desenvolvimento de Software Prof. Geraldo Aparecido Gimenez Luis André Claudiano Cláudio Maesi Evandro Santaclara Paulo William
  • SOA - Service-oriented architecture Padrões associados a SOA
  • SOA - Service-oriented architecture Padrões associados a SOA A Arquitetura Orientada a Serviços envolve três aspectos principais: • A localização de serviços: Incluindo a procura por serviços que satisfaçam determinados critérios de negócio; • A organização de serviços: de forma que um requisitante de serviços possa compreender facilmente o que um serviço oferece; • A especificação de serviços: incluindo os protocolos para que os serviços possam ser invocados de modo apropriado.
  • SOA - Service-oriented architecture Padrões associados a SOA Os papéis envolvidos na Arquitetura Orientada a Serviços são: • Provedores de serviços • Consumidores de serviços • Compositores de serviços • Repositórios de serviços
  • Padrões associados a SOA A aplicação da Arquitetura Orientada a Serviços na Web é realizada pela tecnologia de serviços Web . Um serviço Web é um tipo específico de serviço eletrônico, identificado por um URI ( Identificador de Recursos Uniforme ), que expõe funcionalidades accessíveis através da Web e cuja descrição e interação utilizam padrões XML. A definição de serviço Web incluída no documento que especifica o modelo do W3C consiste de: • Sistema de software projetado para apoiar interações máquina-a-máquina em uma rede; • Interface descrita em um formato processável por máquina (especificamente WSDL); • Outros sistemas que interagem com um serviço conforme sua descrição utilizando mensagens SOAP. Essas mensagens são conduzidas utilizando tipicamente o protocolo HTTP, com uma serialização XML em conjunto com outros padrões relacionados. SOA - Service-oriented architecture
  • Padrões associados a SOA SOA - Service-oriented architecture Modelo de serviços Web básico.
  • Padrões associados a SOA A estrutura da tecnologia de serviços Web compreende, entre outras, três áreas básicas: 1- protocolo de mensagens 2- descrição de serviços e 3- descoberta de serviços . SOA - Service-oriented architecture
  • Padrões associados a SOA SOA - Service-oriented architecture Estrutura da tecnologia de serviço Web
  • SOA - Service-oriented architecture WSDL
  • WSDL SOA - Service-oriented architecture Web Services Description Language é um formato XML que proporciona uma descrição de serviço Web processável por máquina. A linguagem WSDL é apoiada pelo W3C. Um documento WSDL descreve a funcionalidade de um serviço Web e provê um ponto de acesso para consumidores de serviços. Uma descrição WSDL completa inclui dois tipos de informação: • Uma interface de serviço ; • Detalhes concretos de uma descrição de serviço, que consumidores devem seguir para acessar o serviço.
  • WSDL SOA - Service-oriented architecture INTERFACE DE SERVIÇO Em WSDL, uma interface compreende um conjunto de operações realizadas por um serviço. Mensagem é o elemento fundamental de uma descrição de serviço. Cada mensagem trocada consiste de itens de dados com tipos definidos. A descrição de uma mensagem é inicialmente abstrata. Em seção posterior do documento WSDL, a mensagem é associada a um protocolo de comunicações. É a partir das mensagens recebidas/enviadas por um serviço Web que o serviço é descrito em WSDL. A parte abstrata de uma descrição de serviço WSDL compreende os seguintes elementos: • portType: é uma coleção de operações; • operation: define uma troca de mensagens; • message: representa os dados enviados em uma transmissão de mensagem; • types: são os tipos de dados empregados pelo serviço.
  • WSDL SOA - Service-oriented architecture DETALHES CONCRETOS Os elementos WSDL que compõem a parte concreta de uma descrição de serviço são apresentados a seguir: • binding: especifica o estilo de interação e o protocolo de comunicações para um elemento portType; • port: combina informações de ligação com um ponto de acesso, especificado por um URI, através do qual uma implementação de um portType determinado pode ser acessada; • service: é uma coleção de elementos port.
  • WSDL SOA - Service-oriented architecture Exemplo de descrição de serviço Web
  • SOA - Service-oriented architecture UDDI
  • UDDI SOA - Service-oriented architecture Universal Description Discovery & Integration provê um repositório de descrições de serviços Web . UDDI é apoiado pelo OASIS, um corpo de padronização que inclui as principais empresas da indústria de software. O padrão UDDI oferece aos consumidores de serviços Web um mecanismo para localizar provedores, os serviços disponibilizados por eles e as informações necessárias para acessar os serviços.
  • UDDI SOA - Service-oriented architecture Baseado em XML, UDDI provê uma infra-estrutura para integrar informação em ambientes de serviços Web tanto para serviços disponíveis publicamente quanto para serviços expostos internamente em organizações. Apesar de desempenhar função semelhante, um repositório UDDI possui as seguintes diferenças em relação a outros serviços de diretório: • Independência: entradas podem ser postadas por qualquer organização e repositórios disponibilizados em diferentes tipos de plataforma; • Flexibilidade: com UDDI é possível utilizar documentos com estrutura livre para a publicação de serviços.
  • UDDI SOA - Service-oriented architecture Um repositório UDDI compreende informações sobre os seguintes itens principais: - provedor de serviços - especificação de serviço e - implementação de serviço. Mapeamento entre elementos WSDL e elementos UDDI para a publicação de serviços Web .
  • UDDI SOA - Service-oriented architecture Exemplo da estrutura utilizada para representar um serviço Web em um repositório UDDI
  • UDDI SOA - Service-oriented architecture O padrão UDDI compreende duas especificações que definem a estrutura e operação de um repositório de serviços: • Uma definição da informação a ser provida sobre cada serviço; • Uma interface de inserção e consulta para o repositório, que define como inserir informações em um repositório e como as informações armazenadas podem ser consultadas.
  • UDDI SOA - Service-oriented architecture o padrão UDDI também apóia repositórios privados. Os seguintes tipos de repositório são permitidos: • Repositório público: repositório que provê acesso aberto aos dados registrados. • Repositório privado: repositório interno, isolado por um firewall de uma rede privada. • Repositório compartilhado: repositório instalado em um ambiente controlado, sendo compartilhado com um grupo limitado de organizações.
  • SOA - Service-oriented architecture SOAP
  • SOAP SOA - Service-oriented architecture SOAP é um protocolo que possibilita a comunicação entre serviços Web . O protocolo SOAP é apoiado pelo W3C. Além da estrutura de mensagem básica, o padrão descreve como receptores devem processar mensagens SOAP. SOAP permite a troca de informação em um ambiente distribuído e descentralizado, tal como um ambiente típico de serviços Web . O mecanismo oferecido por SOAP para a troca de informação utiliza a linguagem XML. Ao invés de definir um novo protocolo de comunicações, SOAP trabalha sobre protocolos existentes. Uma vantagem de empregar SOAP sobre HTTP é a possibilidade de atravessar firewalls sem a necessidade de configurações adicionais.
  • SOAP SOA - Service-oriented architecture Uma mensagem SOAP inclui os seguintes componentes: • Um elemento obrigatório para a identificação de mensagens SOAP; • Um cabeçalho opcional que contém informação que pode ser processada por nós intermediários; • Um corpo obrigatório que representa a mensagem sendo transmitida; • Um elemento opcional com informação sobre falhas de processamento de mensagens.
  • SOAP SOA - Service-oriented architecture O cabeçalho e o corpo de uma mensagem SOAP podem possuir múltiplas partes na forma de blocos. Um bloco é qualquer sub-elemento de primeiro nível do elemento Header ou Body de uma mensagem. Para cada mensagem SOAP, além dos papéis de emissor e receptor final da mensagem, pode existir um número arbitrário de nós para o processamento e roteamento da mensagem. A informação central que um emissor deseja transmitir a um receptor deve ser incluída no corpo da mensagem. Informações adicionais necessárias para o processamento intermediário da mensagem, como, por exemplo, interação transacional, são inseridas no cabeçalho.
  • SOAP SOA - Service-oriented architecture A estrutura de uma mensagem SOAP é influenciada principalmente pelo estilo de interação. SOAP pode ser utilizado em dois estilos de interação: documento e chamada de procedimento remoto. A seguir, esses estilos são descritos: • document-style : as partes envolvidas na interação estabelecem um acordo sobre a estrutura dos documentos a serem trocados. Mensagens SOAP são empregadas para transportar os documentos entre as partes; • RPC-style : nesse estilo de interação, uma mensagem SOAP encapsula uma requisição enquanto outra mensagem encapsula a resposta para a requisição. SOAP define uma convenção para representar requisições e respostas. O corpo de uma mensagem de requisição inclui uma chamada de procedimento, especificando o nome do procedimento sendo invocado e os parâmetros de entrada. O corpo de uma mensagem de resposta inclui o resultado e os parâmetros de saída.
  • SOAP SOA - Service-oriented architecture Exemplo de uma mensagem SOAP
  • SOA - Service-oriented architecture BPEL
  • BPEL SOA - Service-oriented architecture Notoriamente, BPEL é a linguagem de orquestração e coreografia de maior destaque atualmente. Devido à alta aceitação da linguagem no mercado, várias ferramentas, tanto abertas quanto proprietárias, foram criadas para o desenvolvimento, instalação e execução de scripts BPEL. A presença de grandes empresas no comitê técnico de especificação da próxima versão da linguagem mostra o forte interesse destas no desenvolvimento da linguagem. Na linguagem BPEL são definidos processos de negócio ( Business Processes ) e protocolos de negócio ( Business Protocols ). O primeiro é um script que define um fluxo de execução sob o ponto de vista de uma entidade que gerencia chamadas a serviços componentes. Uma máquina de software é capaz de interpretar tal script , coordenando atividades e compensando-as quando erros ocorrerem.
  • BPEL SOA - Service-oriented architecture Qualquer serviço que participa da composição do serviço orquestrado é considerado um parceiro ( partner ). Parceiros podem realizar chamadas ao processo, prover serviços ao processo ou ambos simultaneamente. As interfaces dos parceiros, bem como do serviço composto, são definidas na linguagem WSDL (adicionada de algumas extensões). Por esse motivo, BPEL é considerado uma camada sobre WSDL. Tecnologias para Composição de Serviços BPEL
  • BPEL SOA - Service-oriented architecture Atividades Básicas Na linguagem BPEL cada instrução é uma atividade. As instruções são representadas no documento por elementos XML. Atividades podem ser básicas ou estruturadas. As atividades básicas da linguagem BPEL são: • receive : instrução para o recebimento de uma requisição de serviço . • invoke : instrução para envio de uma requisição de serviço. • reply : instrução para resposta a uma requisição de serviço realizada anteriormente. • throw : instrução utilizada para sinalizar a ocorrência de uma falha interna. • wait : permite que um processo especifique um atraso por um certo período de tempo ( for ) ou até que um prazo final ( until ) seja atingido. • empty : instrução que não realiza ação alguma.
  • BPEL SOA - Service-oriented architecture As atividades estruturadas da linguagem BPEL são: • sequence : instrução que contém uma ou mais atividades que são executadas seqüencialmente, na ordem em que são apresentadas dentro do elemento. • switch : instrução que provê comportamento condicional. • while : instrução que provê suporte à execução repetida de uma dada atividade iterativa. • pick : instrução que aguarda a ocorrência de um dentre um conjunto de eventos e então executa a atividade associada ao evento ocorrido • flow : instrução que provê concorrência e sincronização.
  • REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA SOA - Service-oriented architecture Tese de Mestrado: Incorporação de Qualidade de Serviço no Modelo de Serviços Web Autor: Diego Zuquim Guimarães Garcia Dissertação de Mestrado: Uma Arquitetura Orientada a Serviços para Desenvolvimento, Gerenciamento e Instalação de Serviços de Rede Autor: Victor Alexandre Siqueira Marques de Souza Biblioteca Digital da Unicamp http://libdigi.unicamp.br