Your SlideShare is downloading. ×
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Aspectos ergonômicos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Aspectos ergonômicos

587

Published on

Aspectos ergonômicos que devem ser considerados em projeto de torneira de lavatório.

Aspectos ergonômicos que devem ser considerados em projeto de torneira de lavatório.

Published in: Design
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
587
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL FACULDADE DE DESIGN PÓS GRADUAÇÃO EM DESIGN DE PRODUTO ALINE NOGUEIRA BAUMGARTEN ASPECTOS ERGONÔMICOS QUE DEVEM SER CONSIDERADOS EM PROJETO DE TORNEIRA DE LAVATÓRIO Canoas, dezembro de 2004.
  • 2. ALINE NOGUEIRA BAUMGARTEN ASPECTOS ERGONÔMICOS QUE DEVEM SER CONSIDERADOS EM PROJETO DE TORNEIRA DE LAVATÓRIO Monografia apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Design de Produto da Universidade Luterana do Brasil, campus Canoas, como requisito para a obtenção do título de Especialista em Design de Produto. PROF. DSG. ROBERTO SCARPELLINI DE MELLO Orientador Prof. Dr. Júlio van der Linden Co-orientador Canoas, dezembro de 2004.
  • 3. Aos meus pais, Cleyton e Marlene, exemplos de vida e de união.
  • 4. Agradecimentos Aos professores Roberto Scarpellini e Júlio van der Linden que me orientaram no final do curso. A minha família que é meu porto seguro. A família Kautzmann, por me hospedar nos finais de semana em Canoas. Ao Elisandro, muito mais pelo amor e companheirismo. Aos colegas do pós, os quais levo no coração os momentos agradáveis no campus da Ulbra-Canoas. Aos professores da Especialização, que me influenciaram e despertaram em mim a vontade de obter mais conhecimento. A Meber, na pessoa do Sr. Carlos Bertuol, que abriu as portas da empresa para eu poder fazer um trabalho com as informações corretas do produto. Ao Daniel, pela disposição em me receber e me mostrar as instalações. Aos meus vizinhos, visitantes, funcionários do edifício e aos idosos que agregaram informações preciosas durante o trabalho. A minha amiga Luana, pela disposição em formatar e revisar o trabalho. A todos aqueles que fizeram parte de mais esta etapa, sou Muito grata.
  • 5. Resumo Esta monografia aborda aspectos ergonômicos que devem ser considerados no projeto de uma torneira de lavatório. Apresenta, ainda, uma análise do desenvolvimento do produto, uma apreciação ergonômica baseada em metodologias de design macroergonômico e sugere melhorias de design em uma torneira do estudo de caso utilizada como exemplo. Expõe, também, uma abordagem de conceitos que fazem parte do estudo da Ergonomia. Palavras-chave: ergonomia, apreciação ergonômica.
  • 6. Abstract This monograph approaches ergonomic aspects that must be considered in the project of a bathroom tap. It still presents an analysis of the development of the product, a based ergonomic appreciation in methodologies of macroergonomic design and suggests improvements of design in the tap used as an example in this study of case. It also displays a boarding of concepts that are part of the study of Ergonomics. Key-Words: ergonomics, ergonomic appreciation.
  • 7. Lista de Figuras Figura 01 Foto da torneira de lavatório 1198 CD 201 linha Millenium.......................12 Figura 02 Layout do sanitário do salão de festas após a reforma .............................36 Figura 03 Fotos do banheiro após a reforma, ainda sem os acabamentos embaixo da bancada. ...................................................................................................................37 Figura 04: Fotos de usuários manejando a torneira. .................................................39 Figura 05: Sugestão de novo design para torneira de lavatório. ...............................44 Figura 06: Sugestão de novo design para manejo do produto. .................................45 Figura 07 – Análises Antropométricas Masculinas para lavatórios. ..........................49 Figura 08 – Análises Antropométricas Femininas e infantis para lavatórios. ............49 Figura 09: Foto de torneira de lavatório linha Duomo – Deca Figura 10: Foto de torneira de lavatório linha Línea – Deca ...............................50 .................................50 Figura 11: Foto de torneira de lavatório linha Kromus– Docol ..............................51 Figura 12: Foto de torneira de lavatório linha Queen– Docol ................................51 Figura 13: Foto de torneira de lavatório linha Millenium 27 - Meber Figura 14: Foto de torneira de lavatório linha Minimal - Meber Figura 15: Foto de torneira de lavatório linha Link - Deca .....................52 .............................52 ....................................53 Figura 16: Foto de torneira de lavatório linha Polaris - Docol ...............................53 Figura 17: Componentes para procedimento de montagem da torneira de lavatório 1198 201 da linha Millenium da Meber. ....................................................................54 Figura 18: Vista superior do tampo de lavatório. .......................................................56 Figura 19: Vista lateral do lavatório. ..........................................................................56 Figura 20: Vista Frontal do lavatório..........................................................................57 Figura 21: Fotos da área onde são feitos os moldes em areia..................................60
  • 8. Figura 22: Fotos da área de fundição........................................................................60 Figura 23: Foto da área de polimento e afinação – Robô. ........................................61 Figura 24: Foto dos tanques da área de cromagem..................................................61 Figura 25: Foto da área de montagem – torneira 1198 201- linha Millenium. ...........62 Lista de Tabelas Tabela 01: Freqüência de uso da torneira de lavatório do salão de festas. ..............42 Tabela 2 Nível de dificuldade da interação usuário-torneira, para as variáveis consideradas no estudo. ...........................................................................................43
  • 9. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ...................................................................................................12 1.1. APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA ...........................................................12 1.2. OBJETIVOS ........................................................................................13 1.2.1. Objetivo Geral............................................................................13 1.2.2. Objetivos Específicos ...............................................................13 1.3. 2. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS .....................................................14 REVISÃO DE LITERATURA .............................................................................15 2.1. UM BREVE HISTÓRICO DA CASA BRASILEIRA..........................................15 2.1.1. Desevolvimento de produtos de sucesso...............................16 2.2. O PAPEL DA ERGONOMIA ....................................................................17 2.2.1. Design Macroergonômico ........................................................18 2.2.2. Etapas de uma Avaliação Ergonômica ...................................19 2.2.3. Manejo de Produtos ..................................................................19 2.3. 3. O IDOSO E SUA PARTICIPAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS ...21 ANÁLISE DAS ETAPAS DE PROCESSO DE PROJETO DE PRODUTO .......23 3.1. INTRODUÇÃO ......................................................................................23 3.2. BRIEFING ...........................................................................................24 3.2.1. Necessidade do projeto............................................................24 3.2.2. Parâmetros ................................................................................25 3.3. LEVANTAMENTO DE DADOS .................................................................26 3.4. TENDÊNCIAS ......................................................................................26 3.5. DEBRIEFING .......................................................................................27 3.6. DEFINIÇÃO DO CONCEITO DO DESIGN ...................................................28 3.7. ANÁLISE ERGONÔMICA E DEFINIÇÃO ERGONÔMICA DO PROJETO ...........29
  • 10. 3.7.1. Ergonomia cognitiva de produto .............................................29 3.7.2. Ergonomia do produto..............................................................30 3.8. ANÁLISE MATERIAL E PROCESSUAL DO PROJETO .................................31 3.9. APLICAÇÃO SISTÊMICA .......................................................................32 3.10. 3.11. 4. AVALIAÇÃO NA FORMA E NA FUNCIONALIDADE..................................33 DIFERENCIAL MERCADOLÓGICO .......................................................34 APRECIAÇÃO ERGONÔMICA .........................................................................35 4.1.1. Análise do ambiente .................................................................35 4.1.2. Análise da percepção quanto ao uso do produto ..................37 4.1.3. Análise do uso do produto.......................................................38 4.1.4. Análise da demanda ergonômica ............................................40 5. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS ...................................................................42 5.1. SUGESTÕES DE MELHORIAS NO DESIGN DA TORNEIRA............................43 5.2. SUGESTÕES DE MELHORIAS NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DA EMPRESA ...................................................................................45 6. CONCLUSÃO ....................................................................................................46 7. REFERÊNCIAS .................................................................................................47 8. ANEXOS ............................................................................................................48 8.1. ANEXO I.............................................................................................49 8.2. ANEXO II: MODELOS SEMELHANTES DE TORNEIRAS DE LAVATÓRIO DOS PRINCIPAIS CONCORRENTES DE METAIS SANITÁRIOS: .......................................50 8.3. ANEXO III: MODELOS IDEAIS DE PEGA DE TORNEIRAS DE LAVATÓRIO:.....52 8.4. ANEXO IV: PROCEDIMENTO DE MONTAGEM DA TORNEIRA MILLENIUM 201........ ......................................................................................................54 9. APÊNDICES ......................................................................................................55
  • 11. 9.1. APÊNDICE I: DADOS TÉCNICOS DE PROJETO DE ARQUITETURA DO LAVATÓRIO DO BANHEIRO DO SALÃO DE FESTAS ..............................................56 9.2. QUESTIONÁRIO APLICADO AOS USUÁRIOS .............................................58 9.3. APÊNDICE III: FOTOS DA LINHA DE PRODUÇÃO ......................................60
  • 12. 12 1. INTRODUÇÃO 1.1. APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA A oferta de várias opções em metais sanitários no mercado atual abre a discussão sobre de onde vêm as referências de produtos com linhas tão marcantes e modernas, como é o acesso às mais modernas tecnologias utilizadas nos metais e qual é a preocupação com a questão ergonômica. Sendo assim, deve-se considerar as inovações formais e técnicas que afetam o uso dos produtos (especialmente para pessoas idosas). Neste contexto, o presente trabalho apresenta uma análise de produto com ênfase na ergonomia. O objeto desta análise foi a torneira de lavatório 1198 201 da linha Millenium da Metalúrgica Bertuol (Meber) de Bento Gonçalves, apresentada na Figura 01. Figura 01 Foto da torneira de lavatório 1198 CD 201 linha Millenium (Fonte: MEBER, 2004).
  • 13. 13 A torneira de lavatório analisada foi especificada para atender ao banheiro de um salão de festas de um edifício residencial em Porto Alegre. Além do uso pelos condôminos e visitantes, a torneira atende também os funcionários do edifício que utilizam o banheiro quando não há festas, ou seja, diariamente. A escolha deste modelo foi pautada considerando o seguinte: sugestão do arquiteto conhecedor do produto, para a linha Millenium, aceitação da linha pelos condôminos e em considerando ao preço. 1.2. OBJETIVOS 1.2.1. Objetivo Geral O objetivo deste estudo é analisar aspectos ergonômicos e de desenvolvimento de produto, avaliar a torneira do estudo de caso e sugerir melhorias. 1.2.2. Objetivos Específicos • Analisar aspectos cognitivos do design do produto em questão; • Analisar o processo de desenvolvimento de projeto da torneira; • Avaliar o uso da torneia considerando questões de natureza ergonômica.
  • 14. 14 1.3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O trabalho contempla a análise do processo de desenvolvimento do produto e sua apreciação ergonômica. Foram realizadas as seguintes etapas: • Revisão de Literatura: busca de referências sobre o produto em questão, não apenas na empresa em que é concebido, mas em outras concorrentes, além da apresentação de conceitos e definições; • Análise do desenvolvimento do produto: consistiu na coleta e análise dos dados referentes às etapas do processo de projeto de produto, considerando tendências e tecnologias; foi realizada por meio de visita à fábrica, com uso de entrevistas com a gerência e técnicos e observação do processo de produção; • Apreciação ergonômica do produto: foi realizada através da aplicação de questionários, observação de uso (documentação fotográfica) e análise da demanda de usuários feita com base no Design Macroergonômico, por meio de entrevistas.
  • 15. 15 2. REVISÃO DE LITERATURA A revisão de literatura para este trabalho contemplou diferentes aspectos que devem ser considerados no seu desenvolvimento. A seção sobre o histórico da casa brasileira tem o papel de demonstrar a importância da indústria de metais sanitários para a sociedade moderna. A seção referente ao desenvolvimento de produtos de sucesso vem apontar alguns fatores importantes ou essenciais para que uma empresa atinja o sucesso em sua área de atuação. A terceira seção, sobre ergonomia, apresenta conceitos e técnicas que embasarão a análise do produto. A última seção traz a importância de se considerar um mercado emergente, que apresenta novas exigências aos designers e arquitetos, que é formado pelos idosos. 2.1. UM BREVE HISTÓRICO DA CASA BRASILEIRA A chegada da família Imperial no Brasil provocou o desenvolvimento das cidades com grande ocupação populacional. Na cidade do Rio de Janeiro, para onde a corte se transferiu, logo aconteceu uma manifestação na arquitetura, através de novas técnicas e novos materiais de construção. O abastecimento de água estava a cargo do governo do Estado, mas canalizações, materiais e serviços eram encomendados a empresas estrangeiras (LEMOS, 1989). Lemos (1989) diz: Os ricos e remediados, quando seus jardins (sempre nos fundos das casas) permitiam, passaram a possuir ‘casas de banho’, verdadeiros balneários providos de tanques (...), banheiras escavadas num só bloco de mármore de Carrara, de água corrente, às vezes, até água aquecida em caldeira acoplada no lado de fora do pavilhão.
  • 16. 16 No final do século XIX, com a crescente industrialização, com a chegada da energia elétrica, do gás e da água encanada, a vida cotidiana sofre novas alterações. A água encanada forçou a aproximação da cozinha com as instalações sanitárias para economizar em tubulações, aparelhos, registros e torneiras, pois tudo era importado da Inglaterra ou dos Estados Unidos. 2.1.1. Desenvolvimento de produtos de sucesso O sucesso de um produto não é de responsabilidade de apenas uma equipe, mas da administração superior, da equipe de desenvolvimento de produto e do marketing. Uma empresa dificilmente terá sucesso com seus produtos e serviços, se estes não forem uma boa solução para algum problema de seus clientes (SELL, 1997). Baxter (1998) diz: As melhores idéias são geradas por uma equipe multidisciplinar, envolvendo marketing, desenvolvimento do produto e engenharia de produção. Essas idéias devem ser convertidas em especificações de projeto, para orientar o desenvolvimento e fornecer diretrizes para controlar a qualidade desse desenvolvimento. Segundo Baxter (1998) empresas inovadoras realizam análises dos produtos da concorrência de forma sistemática e não esporadicamente. Algumas empresas, inclusive, compram produtos de concorrentes e montam um mostruário. Considerando esses procedimentos, temos em Baxter (1998), Analisando-se o conjunto dos produtos concorrentes, pode-se extrapolar uma tendência de evolução desses produtos. As pessoas que acompanham essa tendência tornam-se capazes, depois de algum tempo, de fazer extrapolações, predizendo as próximas mudanças que serão introduzidas no mercado. Assim, a empresa, tendo essa visão de futuro, será capaz de se antecipar aos seus concorrentes.
  • 17. 17 O desenvolvimento de um produto requer pesquisa, planejamento, controle e métodos sistemáticos que exigem uma abordagem interdisciplinar, abrangendo métodos de marketing, engenharia de métodos e a aplicação de conhecimentos sobre estética e estilo. Para ter mais chances de sucesso, um produto deve contar com uma especificação clara e precisa, o que inclui determinar o público alvo e os parâmetros de projeto (Baxter, 1998). 2.2. O PAPEL DA ERGONOMIA Segundo Iida (1990, p.1), “ergonomia é o estudo da adaptação do trabalho ao homem”. Tudo que envolve o ambiente de trabalho, desde as máquinas e os produtos, bem como as condições físicas e organizacionais, é considerado como trabalho. A ergonomia é multidisciplinar, ou seja, para obtermos um estudo completo da relação homem-trabalho, faz-se necessário estudar também o ambiente, o sistema de informações, a organização do sistema produtivo e as conseqüências do trabalho. Conforme Iida (1990, p.353) “do ponto de vista ergonômico, os produtos não são considerados como objetos em si, mas apenas como meios para que o homem possa executar determinadas funções”. A ergonomia estuda o sistema homemmáquina-ambiente, visando seu funcionamento ordenado.
  • 18. 18 2.2.1. Design Macroergonômico A Macroergonomia é a abordagem no todo de uma organização ou de um sistema técnico. Segundo Brown (1995) apud Guimarães (1999), “a macroergonomia é o campo que enfatiza a interação entre os contextos organizacional e psico-social de um sistema e o projeto, implementação e uso de novas tecnologias”. A participação dos usuários pode ser estimulada durante o processo de projeto de produto, aumentando as chances de resultados mais satisfatórios de design. Conforme Fogliatto e Guimarães (1999) “o Design Macroergonômico (DM) é uma metodologia para design de produtos e postos de trabalho, de caráter participativo, baseada em preceitos macroergonômicos”. Tem como principal objetivo ouvir o usuário no processo de projeto de produto. No processo de DM, procura-se identificar a demanda ergonômica, através da verbalização dos anseios do usuário. O DM é composto por sete etapas, assim dispostas: • Identificação do usuário e coleta de informações; • Priorização dos Itens de Demanda Ergonômica (IDEs) identificados pelo usuário; • Incorporação da opinião de especialistas; • Listagem dos Itens de Design (IDs) a serem considerados no projeto ergonômico; • Determinação da força de relação entre IDEs e IDs; • Tratamento ergonômico dos IDs; • Implementação do novo design e acompanhamento.
  • 19. 19 2.2.2. Etapas de uma Avaliação Ergonômica Segundo Moraes (1998) uma avaliação ergonômica pode ser dividida em 5 grandes etapas, descritas a seguir: • Apreciação ergonômica; • Diagnose ergonômica; • Projetação ergonômica; • Avaliação, validação e/ou testes ergonômicos; • Detalhamento ergonômico e otimização. Conforme Moraes (1998) apreciação ergonômica é uma fase de pesquisas em que se faz uma listagem dos problemas ergonômicos de um produto ou empresa. As etapas poderão ser implementadas de acordo com as necessidades da empresa e com a urgência, de qualquer forma, a maioria das empresas começam pela apreciação. 2.2.3. Manejo de Produtos Entre várias áreas de conhecimento que a Ergonomia detém, está o estudo de manejos. De acordo com Iida (1998) o manejo é a forma de engate que ocorre entre o homem e o produto. Quanto aos manejos, estes podem ser: manejo fino e manejo grosseiro.
  • 20. 20 • Manejo fino: é aquele executado pelas pontas dos dedos, tendo precisão e velocidade, com pouca força; • Manejo grosseiro: é aquele em que o movimento é executado pelo punho e braço, com muita força e pouca precisão e velocidade. Além disso, existem dois tipos de desenhos de manejo segundo Iida (1998) apud Zerbetto, Santos e Silva: manejo geométrico e manejo antropomorfo, em que se tem: • Manejo geométrico: assemelha-se a uma figura geométrica regular, proporcionando menor superfície de contato com as mãos. Como vantagem, permite maiores variações de pega e não sofre tanto as conseqüências das variações individuais das medidas antropométricas. Como desvantagem, ocasiona alguns pontos de tensão na mão e transmite menos força. • Manejo antropomorfo: apresenta superfície irregular, a qual irá se conformar com a parte do corpo em contato (anatômico). Como vantagem, possui maior superfície de contato, maior firmeza na pega. Como desvantagem, limita a pega a uma ou duas posições, podendo gerar fadiga. Inúmeros fatores ergonômicos exercem influência sobre o manejo e a usabilidade dos produtos, que podem ser fatores fisiológicos e anatômicos das mãos dos usuários, fatores biomecânicos, antropométricos e outros. A mão do homem é uma excelente ferramenta, por ter complexidade e versatilidade. O estudo de manejos é extremamente complexo, por envolver esses fatores e isso afirma o quanto a Ergonomia é multidisciplinar.
  • 21. 21 2.3. O IDOSO E SUA PARTICIPAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS A população brasileira terá, em 2025, cerca de trinta e dois milhões de pessoas com idade acima de sessenta anos, acompanhando o respectivo crescimento na população mundial Em conseqüência, estudos sobre essa fatia da população são cada vez mais divulgados Pascale (2002). Segundo estudos realizados na Universidade de São Paulo (USP), o poder aquisitivo dos brasileiros com mais de cinqüenta anos irá aumentar em torno de 2,5% ao ano, gerando um aumento da demanda de produtos, equipamentos e serviços. E, de acordo com dados do último censo, o número de mulheres idosas, chefes de casa e que moram sozinhas, também está aumentando consideravelmente, o que irá gerar serviços específicos para essa parcela da população. A arquitetura, o urbanismo, o design, áreas que têm preocupação com o usuário, consideram cada vez mais a situação do idoso. Sendo assim, também é importante a opinião desse usuário para elaboração de projetos de arquitetura, de urbanismo e de produtos. Limitações existem em qualquer pessoa e em qualquer idade. Contudo, além de limitações motoras, o idoso pode apresentar limitações psicológicas e neurológicas, gerando projetos especiais para que não haja sua exclusão do meio em que vive. De acordo com a ergonomia e a antropometria, idosos e deficientes físicos são grupos estudados separadamente, pois apresentam dados diferenciados entre a população geral. Segundo Panero (2002) pessoas mais velhas tendem a ser mais baixas que os jovens. Outro dado importante é em relação às medidas de alcance dos idosos, que são menores que as de pessoas mais jovens.
  • 22. 22 Com o avanço da medicina, as pessoas estão vivendo mais e, como conseqüência, o tempo de permanência e o de uso da habitação é maior, em razão de que o uso de produtos e serviços aumenta consideravelmente. Segundo Grunewald e Fialho (1997) o significado da velhice depende de cada sociedade, pois é algo subjetivo e baseado em valores culturais de onde se vive.
  • 23. 23 3. ANÁLISE DAS ETAPAS DE PROCESSO DE PROJETO DE PRODUTO A análise foi desenvolvida com base em roteiro desenvolvido por MELLO (2004) onde estão expostas todas as etapas necessárias para o desenvolvimento de um produto. 3.1. INTRODUÇÃO O produto em análise faz parte da linha Millenium da Meber, situada em Bento Gonçalves, RS. A Meber é uma das indústrias mais conceituadas de metais no Estado e no País. Instalada em dois mil e quinhentos metros quadrados, a empresa conta com os setores de fundição, usinagem, afinação e polimento, cromagem, pintura, montagem, tratamento de efluentes, além da área administrativa. Para garantir a qualidade, a Meber participa de programas ambientais e de qualidade, como o PBQP-H, que garante o compromisso com as normas técnicas brasileiras. Além disso, recentemente, a empresa adquiriu um robô e um torno de controle numérico computadorizado (CNC), com o objetivo de confirmar a produção em série e padronizada de seus produtos. O robô, fabricado na Suécia, atua 24 horas/dia na área de afinação e polimento, o que garante a produção de peças com precisão. O torno CNC, importado do Japão, realiza usinagens em peças de pequeno diâmetro e de geometria peculiar.
  • 24. 24 3.2. BRIEFING 3.2.1. Necessidade do projeto As necessidades do projeto são referências transmitidas ao designer, em que estão as primeiras especificações do que o cliente quer num processo de desenvolvimento de produto (por exemplo). • Categoria: torneira de lavatório; • Embalagens: embalagem final plástica, com material da empresa e de instalação; • Variantes do produto: a linha do produto será composta dos modelos de misturador de lavatório com bica alta, bica baixa, ducha higiênica, misturador higiênico, misturador de parede para cozinha, misturador de balcão para cozinha e acessórios; • Qual a imagem da marca? A MEBER é uma empresa cuja marca transmite confiança. • Quais os principais pontos positivos do produto? O produto apresenta sistema de acionamento ¼ de volta com vedação por pastilha cerâmica que prolonga a vida útil do produto. • Outras influências (ambientais, culturais, sociais, etc.). A influência segue a partir de uma outra linha muito parecida, porém mais popular, a Domus. A necessidade era de criar uma linha mais luxuosa. A linha Millenium 201 agrega elementos que valorizam o produto. • Qual o tamanho do mercado? O mercado é o da construção civil, desde o especificador (arquiteto, construtor) até o usuário final.
  • 25. 25 • Público alvo primário (quem compra): lojista ou o arquiteto, construtor, engenheiro especificador de projetos. • Público alvo secundário (usuário direto): quem está construindo, quem está comprando ou reformando um imóvel. • Quem decide a compra do produto, e normalmente como ela é feita? Quando a compra é feita pelo usuário final, quem decide pode ser o homem ou a mulher. Quando a compra é feita pelo especificador de produtos para uma construção, a decisão de compra é do responsável técnico. • Quais e quantos são os canais de distribuição a serem utilizados? Lojistas de pequeno, médio e grande porte. • Existirão outras alternativas para distribuição? Futuramente, a empresa pretende vender diretamente ao construtor. • Qual a relação do preço do produto com o preço da concorrência? 30% a 40% mais barato que o da concorrência. • Defina os principais concorrentes diretos, produtos e fabricantes: Docol – linhas Kromus e Queen; Deca – linhas Línea e Duomo. 3.2.2. Parâmetros A Meber é uma empresa que desenvolve toda a sua produção, com exceção de alguns produtos que têm peças importadas. A empresa possui desde a etapa de fundição até a montagem. Sendo assim, ao se conceber a idéia de um produto, tudo pode ser feito no parque da empresa, não havendo limites para a sua produção.
  • 26. 26 As referências disponibilizadas ao responsável pelo desenvolvimento de produto devem ser questões de princípio de projeto. Segundo Baxter (1998, p222) para a fabricação, “deve-se explorar uma variedade de formas e funções para cada componente e fazendo-se a seleção sistemática daquela melhor”. 3.3. LEVANTAMENTO DE DADOS Para a concepção da linha Millenium, a empresa baseou-se em sua linha de torneiras Domus, bem como em algumas linhas de suas principais concorrentes, Deca e Docol. Ouviu-se também a opinião de lojistas e representantes. Todas as empresas possuem linhas de design semelhantes, com tecnologias iguais. Isso é resultado da cultura brasileira em relação ao design, fato que, no entanto já está mudando. 3.4. TENDÊNCIAS Linhas de metais sanitários acompanham as tendências mundiais de produtos residenciais. Ainda hoje, temos um culto muito grande ao que acontece em Milão, na Itália. O que é feito lá é trazido para o Brasil de maneira hiper-valorizada. Por volta do ano 2000, uma pesquisa revelou que os usuários femininos preferiam, em seus banheiros, cores claras e detalhes cromados e dourados nos metais sanitários. O usuário masculino também se refere aos detalhes cromados, porém cita as cores escuras. Além das opiniões do usuário direto, representantes e lojistas também opinaram, reivindicando a concepção de novas linhas mais luxuosas, com detalhes
  • 27. 27 diferentes e novas tecnologias. Então, com base na linha Domus, que tem uma venda considerável, foi desenvolvida a linha Millenium 201. No ano de 2002, a Meber lançou a linha Millenium, entre outras. A linha agregava as preferências de acabamentos reveladas pelos os usuários. 3.5. DEBRIEFING A partir das informações coletadas durante o “briefing”, o próximo passo durante o processo é a interpretação – debriefing. Com a pesquisa, tem-se o produto – linha Millenium – produzido através do processo corrente pela indústria metalúrgica. A pesquisa feita atinge seu objetivo inicial, pois determina claramente o usuário, mas não ouve a sua opinião ou parecer em relação ao novo produto. A Meber tem feito trabalhos de pesquisa junto aos representantes e aos lojistas, porém não é suficiente. Com isso, de acordo com a metodologia de design macroergonômico, o principal objetivo desta não foi sequer consultado, ou seja, não houve a participação do usuário final. Pouco se faz nas empresas em ouvir o usuário direto na concepção de novos produtos, podendo gerar produtos equivocados ergonomicamente. Ainda assim, têm-se os elementos de composição do produto para agregar valor ao mesmo, tornando-o mais luxuoso dentre os metais usualmente fabricados, porém isso não o torna mais usável, pois não indica claramente estes elementos. O usuário final não tem, por exemplo, como saber qual o sistema de acionamento da torneira.
  • 28. 28 3.6. DEFINIÇÃO DO CONCEITO DO DESIGN Conforme Baxter (1998) o projeto conceitual se propõe a desenvolver as linhas básicas da forma e as funções do produto, através da produção de princípios de projeto para o novo produto. A geração de conceitos se dá através do processo criativo; quanto maior a liberdade de criação, maior a quantidade de conceitos, resultando em melhores alternativas. O conceito mais simplificado que se tem hoje para o produto do estudo de caso, é a torneira de lavatório. A partir da geração dos conceitos, de acordo com uma abordagem pragmática, ou seja, a inspiração se obteve através de modelos e/ ou produtos existentes, pode-se ter uma abrangência maior do que o produto será capaz de atender, configurando a análise das funções do produto. Segundo o responsável pelo departamento de engenharia da Meber, quando a torneira foi lançada, era uma novidade no mercado de metais sanitários, principalmente em relação à estética: lâmpada do Aladim. A referência se nota no corpo da torneira. O cabeçote e o desenho da pega são semelhantes aos de outros modelos já existentes. Em contrapartida, o emblema com banho de ouro agrega valor estético e cultural ao produto.
  • 29. 29 3.7. ANÁLISE ERGONÔMICA E DEFINIÇÃO ERGONÔMICA DO PROJETO 3.7.1. Ergonomia cognitiva de produto De acordo com a Associação Portuguesa de Ergonomia, Ergonomia Cognitiva diz respeito aos processos mentais, como a percepção, memória, raciocínio e resposta motora, que afetam as interações entre humanos e outros elementos de um sistema.Os tópicos relevantes incluem a carga de trabalho mental, tomada de decisão, desempenho especializado, interação homem-computador, confiabilidade humana, stress do trabalho e formação relacionados com a concepção homemsistema. A interação do usuário e da torneira gera incertezas e constrangimentos. Por exemplo, o usuário identifica o sistema de abertura (de girar) por causa do desenho da pega, porém não identifica que basta abrir apenas ¼ de volta para se ter a vazão total. Em contrapartida, é de fácil identificação que a torneira não apresenta regulagem de temperatura e que também não é um monocomando. A relação usuário-produto será mais bem descrita no item apreciação ergonômica, quando serão interpretadas as respostas do questionário aplicado aos usuários e serão descritas as impressões das pessoas idosas em relação ao produto.
  • 30. 30 3.7.2. Ergonomia do produto As dimensões humanas sempre devem ser consideradas ao se projetar um ambiente. Nos banheiros, vê-se que poucos profissionais conseguem especificar a altura do lavatório de maneira adequada, deixando este dado a cargo do instalador hidráulico. Considera-se que, geralmente, os lavatórios têm uma altura média de 76,2 cm, ou seja, muito baixo. Segundo Panero (2002, p.163) “não é natural para o corpo assumir uma postura tão inclinada enquanto lava o rosto e as mãos”. Ainda em Panero (2002) tem-se que para definir a altura de um lavatório, deve-se considerar a altura do cotovelo do ser humano. Este dado é essencial para a fixação de alturas confortáveis de bancadas, com o usuário em pé. Estudos científicos situam a altura mais confortável em 7,6cm abaixo da altura do cotovelo. • Altura do Lavatório: quando o novo banheiro começou a ser projetado, os lavatórios existentes foram retirados, pois apresentavam o problema de serem baixos. Ao especificar uma bancada em granito com um único lavatório, levou-se em consideração aumentar a altura da bancada em relação aos lavatórios existentes para ter mais conforto. A altura sugerida, de 85 cm, visou atender o público adulto e infanto-juvenil. • Pega e Manejo: a torneira Millenium 201 possui um rebaixo no seu cabeçote para tornar a pega mais confortável. Porém, segundo a análise de manejo, pode-se perceber que a localização do rebaixo poderia ser mais ergonômica. Por outro lado, a torneira possui o sistema de ¼ de volta, que minimiza a força feita para permitir a saída de água; logo, o tipo de manejo adequado é o manejo fino, por não necessitar força. Além disso, o rebaixo do cabeçote visa tornar o manejo, pois determina uma pega anatômica.
  • 31. 31 3.8. ANÁLISE MATERIAL E PROCESSUAL DO PROJETO Na Meber, o processo projetual inicia-se com uma pesquisa de mercado, com o apoio de lojistas e representantes. Semanalmente, são feitas reuniões e em uma delas, discutidos novos produtos com a direção da empresa. Nessa reunião, são levantadas questões como: quais serão os diferenciais do novo produto, qual a definição da linha de produtos, qual a faixa de preço dos produtos, qual o mercado a ser atendido e quais as características dos componentes. Cabe ao departamento de Engenharia fazer os primeiros esboços do novo produto, bem como determinar seus componentes. Uma nova reunião é feita e, sendo aprovado, o produto começa a ser desenvolvido. O desenvolvimento do produto também é de responsabilidade do departamento de engenharia, que fará os desenhos técnicos, definirá os processos, e orientará os procedimentos de montagem. São feitos protótipos e assim que o produto é aprovado, desenvolve-se o catálogo técnico, o manual de procedimento de instalação e inicia-se o processo de vendas e treinamentos. Quanto aos materiais, a torneira de lavatório 1198 201 é composta de uma liga de cobre (vulgarmente conhecida como latão). Os mecanismos são de latão e junta-se ao sistema de vedação por uma pastilha cerâmica. Alguns elastômeros aparecem em pequenos detalhes, como, por exemplo, para a fixação da torneira na bancada. Também há elementos de plásticos, que aparecem, como por exemplo, no arejador. A torneira ainda recebe no acabamento, banhos de água e soda para limpeza, níquel para dar o tom prateado e cromo para dar proteção e o tom azulado.
  • 32. 32 3.9. APLICAÇÃO SISTÊMICA A aplicação sistêmica é a investigação do produto junto aos seus concorrentes, geralmente utilizando o mock-up. A análise dos produtos concorrentes também acontece na fase de pesquisa de mercado, e isso é favorável às empresas. Algumas empresas realizam análises sistemáticas dos produtos concorrentes e não apenas quando começam a desenvolver novos produtos. A Meber realiza análises de produtos de empresas concorrentes, nacionais e internacionais. Buscam-se fora do Brasil, as tendências de novos estilos e novas tecnologias. Após o produto pronto, a análise junto à concorrência e, até mesmo aos próprios produtos desenvolvidos na Meber, é feita pela equipe de engenharia e a direção da empresa. Ao desenvolver a linha Millenium, a empresa baseou-se nas linhas Domus e Luna de seu próprio catálogo de produtos. A essas linhas, mais simples, foram agregados elementos estéticos e tecnológicos para, então, ter uma linha mais moderna e luxuosa. O modelo 201 da linha Millenium concorre com algumas linhas de design semelhante de outras duas grandes empresas de metais sanitários do Brasil - Deca e Docol – listadas a seguir: • Duomo – Deca; • Línea – Deca; • Kromus – Docol; • Queen – Docol.
  • 33. 33 3.10. AVALIAÇÃO NA FORMA E NA FUNCIONALIDADE Uma empresa pode conseguir preciosas informações a respeito de um produto se ouvir os usuários. O ideal é que essa comunicação seja feita no início do desenvolvimento do produto. Além de se comunicar com seu mercado, uma empresa deve analisar a concorrência para poder estar sempre à frente, lançando os produtos antes dos demais; deve ser inovadora. • Forma: em relação à concorrência, a torneira de lavatório Millenium 201 é semelhante a inúmeras outras torneiras que existem no mercado. O que a diferencia é a pega e os detalhes que podem ter acabamentos diferentes do restante do corpo. Comparando-a com as concorrentes, a forma é mais arredondada que as demais, tornando-a mais anatômica. • Funcionalidade: foi avaliada com base no questionário apresentado aos usuários e também com base no experimento. O usuário não teve dificuldade de identificar o funcionamento da torneira, mas somente depois de abrir e notar a considerável vazão de água, ele reconhece que não há necessidade de aplicar muita força para abri-la. Então, o usuário deveria ser informado sobre o procedimento de interação com o produto. Essa avaliação recairá sobre a ergonomia cognitiva, ou seja, o que o usuário sente ao ver o produto, quais as suas primeiras impressões, que tipo de informação ele obtém ao se deparar com o produto, fruto de suas experiências de vida, de sua intuição. A ergonomia, por tratar de diversos assuntos, através de bases de conhecimentos e de metodologias de análise e de pesquisas, deve ser usada com o intuito de apresentar resultados para oferecer maior conforto e satisfação para o usuário.
  • 34. 34 3.11. DIFERENCIAL MERCADOLÓGICO A linha Millenium é composta de três modelos de metais sanitários - a 201, a 200 e a 27. Quando o modelo 201 foi lançado, seus principais diferenciais eram: design, estética, forma (que lembra a lâmpada de Aladim); arejador que agrega economia no uso da água e uma diferença em sua saída, ou seja, é “mais macia”; sistema de abertura ¼ de volta, com vedação de pastilha cerâmica. Estes elementos diferenciais, na época, levaram o produto a estar no topo entre os metais sanitários. Isto porque, era novidade e tinha elementos que agregavam valor ao produto. A questão da economia de água é considerável, visto que a água, cada vez mais se tornará um bem de muito valor. O sistema de abertura ¼ de volta e a pastilha cerâmica que possui uma durabilidade muito maior que a famosa “borrachinha”, também somam ao produto, na questão menor esforço para abrir a torneira. Com isso, a melhora no design de torneiras não é apenas uma questão estética, pois apresenta uma preocupação constante das empresas em agregar valor em forma de tecnologia, qualidade e inovação. Mesmo que essa melhoria seja invisível ao olho do consumidor, a questão da água em nosso planeta irá gerar novas preocupações, fazendo com que, cada vez mais, as empresas busquem soluções inovadoras para este futuro problema.
  • 35. 35 4. APRECIAÇÃO ERGONÔMICA Nesta etapa, foi feita a apreciação ergonômica do uso da torneira 1198 201, por meio de um estudo de caso. Devido a aspectos como facilidade de acesso e conhecimento sobre os critérios adotados para a especificação desta torneira foi escolhida uma aplicação em um lavatório do banheiro de salão de festas, em um edifício residencial da cidade de Porto Alegre (RS). Nesse edifício, o banheiro do salão de festas teve que passar por uma reforma para atender aos desejos dos condôminos. O projeto foi realizado pela autora deste trabalho, considerando critérios de projeto arquitetônico. A despeito de ser destinado originalmente aos moradores, o maior uso do banheiro é feito pelos funcionários do edifício. Diante disso, este banheiro é dividido, internamente, em três compartimentos denominado feminino, masculino e funcionários. 4.1.1. Análise do ambiente O ambiente, onde a torneira de lavatório em estudo está inserida, faz parte de um condomínio residencial de Porto Alegre. O sanitário serve de apoio ao salão de festas, e também, para uso dos funcionários da portaria do edifício. Sendo assim, ao passar por uma reforma, o sanitário foi compartimentado para atender os usuários separadamente (Figura 02) . A bancada com o lavatório é única e atende a todas as pessoas.
  • 36. 36 Figura 02 Layout do sanitário do salão de festas após a reforma Os dados técnicos de projeto de arquitetura (ver apêndice – I) foram especificados para atender os usuários do condomínio e visitantes. Segundo Panero (2002), o arquiteto sempre deverá ter em mente as medidas antropométricas dos usuários ao projetar um espaço, com o intuito de garantir uma adequação deste com aqueles. O sanitário passou a contar com um compartimento para o público feminino, outro para o público masculino e outro compartimento, um pouco maior, para os funcionários. Fez-se necessário rebaixar o forro de gesso, fazer uso de ventilação forçada e iluminação artificial em pontos estratégicos. As duas pias de coluna foram trocadas por uma bancada com pia embutida, somada a isto, iluminação direta e espelho. Por ser de uso exclusivo do condomínio e não possuir um compartimento para banho, as paredes do sanitário foram revestidas com tinta acrílica lavável texturizada. O piso foi revestido com cerâmica antiderrapante, que inclusive, faz todo o perímetro do sanitário como rodapé, protegendo as paredes (Figura 03).
  • 37. 37 Figura 03 Fotos do banheiro após a reforma, ainda sem os acabamentos embaixo da bancada. 4.1.2. Análise da percepção quanto ao uso do produto A análise da percepção quanto ao uso da torneira foi feita por meio da aplicação de um questionário aos usuários (condôminos, funcionários do edifício e visitantes), considerando ainda as variáveis sexo e idade. Com esse questionário pretendeu-se identificar o nível de compreensão do usuário em relação ao produto. Com referência à utilização, são três os grupos de usuários; um que nunca usou, outro que usa eventualmente e outro que usa diariamente.
  • 38. 38 4.1.3. Análise do uso do produto A análise do uso da torneira foi realizada com o objetivo de avaliar aspectos do produto, como a pega e o manejo, que possam estar relacionados e os problemas ergonômicos (ou constrangimentos). Para tanto, foi utilizada a técnica de observação sistemática, com o seguinte procedimento: pediu-se para que as pessoas lavassem suas mãos e registrou-se a realização da tarefa com o uso de fotografias. A avaliação da pega e do manejo do produto indica que esta não está de acordo com as recomendações ergonômicas. Isto foi percebido, quando se pediu aos usuários que fizessem a menção de abrir a torneira. O momento em que o usuário pegou na torneira foi fotografado. Com isto, pode-se fazer uma análise da pega, com referências no material já exposto.
  • 39. 39 Figura 04: Fotos de usuários manejando a torneira.
  • 40. 40 4.1.4. Análise da demanda ergonômica Para fazer a análise da demanda, foram feitas entrevistas de acordo com o Design Macroergonômico (DM), proposto por Fogliatto e Guimarães (1999). Estas foram divididas em duas etapas, sendo a primeira de modo espontâneo e a segunda de modo induzido. Conforme a metodologia de DM, o usuário listou itens de demanda ergonômica (IDEs) – módulo espontâneo; em seguida foram mostrados catálogos técnicos de torneiras, em que o usuário apontou aquelas que são, na sua opinião, de melhor uso – módulo induzido. Fez-se questão de entrevistar pessoas idosas sobre “a torneira ideal”, com o intuito de verificar itens que sejam relevantes no processo de projeto de produto. O intuito de entrevistar o idoso foi devido a sua vivência e suas limitações no manejo de produtos (no caso, da torneira) e que isso pudesse agregar informações na identificação dos itens de demanda ergonômica. As entrevistas com pessoas idosas aconteceram em duas etapas. Num primeiro momento, pediu-se que falassem da torneira do estudo de caso. Num segundo momento, foram mostrados catálogos de produtos de torneiras de lavatório e pediu-se que fossem apontados os produtos mais adequados ao seu uso. Pessoas com mais idade citaram a questão da pega do produto. Por não possuírem mais total controle locomotor, os idosos questionaram o tipo de pega, relacionando tópicos como o material ser escorregadio e não haver diferenciação de textura, ou material. Um ponto positivo ao produto, sob a ótica do idoso, é o sistema de acionamento de ¼ de volta por exigir menor esforço e manejo mais fácil. Na etapa induzida da entrevista, pessoas idosas apontaram, como produtos exemplares, torneiras de lavatório com pega do tipo “estrela” e do tipo “alça”, e também citaram os modelos do tipo monocomandos.
  • 41. 41 Várias impressões sobre o mesmo produto causam a necessidade de se ter uma melhor comunicação com o usuário antes de ele interagir fisicamente com a torneira. Mesmo assim, nota-se que houve aprovação do usuário em relação à escolha do modelo da torneira e com o novo ambiente.
  • 42. 42 5. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Com base na análise do desenvolvimento do projeto de produto observou-se que as melhorias introduzidas, nesse e em outros produtos semelhantes, são fruto de pesquisas não apenas no nível estético, mas também nos níveis tecnológicos de uso e de produção. Contudo, ainda se vê nas empresas que pouco é feito no sentido de ouvir o usuário final, causando a concepção de produtos que não correspondem às expectativas dos mesmos. O ambiente e as pessoas que fazem parte dele influenciarão o uso de um produto. O banheiro do estudo de caso é basicamente usado por pessoas com idades acima de 25 anos, sem nenhum tipo de deficiência física ou psicológica. Pode-se afirmar que aqueles usuários que a utilizam diariamente já apresentam um certo conhecimento sobre como deve ser sua interação com a torneira. Porém, não se deve esquecer dos usuários eventuais que fazem uso do produto em comemorações festivas, nem daqueles com quaisquer problemas de locomoção. A Tabela 1 apresenta a freqüência de uso da torneira para sujeitos que participaram deste estudo. Tabela 01: Freqüência de uso da torneira de lavatório do salão de festas. USO NUNCA USOU USO EVENTUAL USO DIÁRIO 28% 28% 44% Quando se iniciou o processo de aplicação do questionário e foi pedido aos usuários que fizessem uso da torneira, foi surpreendente quando os mesmos demonstraram facilidade de manuseio e de interação com o produto. O usuário está
  • 43. 43 condicionado a abrir a torneira em aproximadamente ¼ de volta, principalmente, em se tratando da torneira convencional, com sistema de “borrachinha”. De acordo com o questionário feito aos usuários para avaliar nível de dificuldade da interação usuário-torneira, os resultados indicaram que o manejo se faz de forma fácil, apresenta boa pega e não há, realmente, necessidade de esforço para abrir a torneira (Tabela 2). Porém, o usuário somente percebe que o esforço para abrir a torneira é mínimo quando já abriu excessivamente a mesma. Tabela 2 Nível de dificuldade da interação usuário-torneira, para as variáveis consideradas no estudo. CONTROLE DE VAZÃO DE ÁGUA REGULAGEM DE TEMPERATURA Difícil Médio Fácil Muito fácil X X 15% 28% 57% X SISTEMA DE ABERTURA MANIPULAÇÃO Muito difícil 15% 15% 28% 42% X 42% 15% 28% 15% X 28% X 57% 15% Ao pedir a uma pessoa para fazer uso da torneira do estudo de caso, o que se nota é que ela abre a torneira, pensando que se trata de uma torneira comum. E o resultado que se vê é o usuário fechando a torneira, controlando a vazão da água, para que não respingue na pia e que ele não fique molhado. 5.1. SUGESTÕES DE MELHORIAS NO DESIGN DA TORNEIRA A avaliação indica que se deve levar em consideração os fatores cognitivos no desenvolvimento de novos produtos. Nesse sentido, a Ergonomia Cognitiva, que , entre outras coisas, trata de analisar como o ser humano percebe os outros elementos tem uma importante contribuição. Logo, um novo design do produto deve
  • 44. 44 indicar de forma mais efetiva o sistema de acionamento. O uso de referências e pistas de como produto funciona é uma das formas mais simples de atender a essa necessidade. Para o caso da torneira, a indicação de que o seu acionamento implica em um deslocamento de ¼ ,ou seja, 90º pode ser feita com o uso de elementos formais de forma intencional. Uma sugestão desse tipo de aplicação está ilustrada na figura a seguir: Figura 05: Sugestão de novo design para torneira de lavatório. Da mesma forma, apesar da torneira indicar um local apropriado para o manuseio – manejo antropomorfo – este não é confortável para o usuário. Percebese que há um esforço mínimo, um certo desconforto nesta interação do usuário com o produto. No caso, o homem se adapta ao produto, quando o recomendável, pelos princípios em que se baseia a Ergonomia, é que produto se adapte ao homem. Então, para haver um manejo menos desconfortável, a pega deveria ser melhorada. Considerando, também, a necessidade de indicação do modo de uso, a figura a seguir sugere uma alternativa de pega.
  • 45. 45 Figura 06: Sugestão de novo design para manejo do produto. 5.2. SUGESTÕES DE MELHORIAS NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DA EMPRESA Como melhoria, sugere-se que ao desenvolver novos produtos, haja, realmente, a participação do usuário direto. A metodologia do design macroergonômico segundo Fogliatto e Guimarães (1999) promove a participação dos usuários e, considerando este envolvimento, aumentam as chances de se ter maior sucesso no desenvolvimento de novos produtos. Retomando Baxter (1998) cabe ressaltar que: As melhores idéias são geradas por uma equipe multidisciplinar, envolvendo marketing, desenvolvimento do produto e engenharia de produção. Essas idéias devem ser convertidas em especificações de projeto, para orientar o desenvolvimento e fornecer diretrizes para controlar a qualidade desse desenvolvimento.
  • 46. 46 6. CONCLUSÃO A ergonomia oferece várias opções de auxílio no desenvolvimento de produtos. Essas opções ainda são ignoradas pelas empresas, mas é importante que mesmo começando devagar, essas percebam que a ergonomia está presente, não somente nos seus produtos, mas na sua organização. Apesar de envolver tantas disciplinas, faz-se necessário seguir uma metodologia que garanta atender, a pelo menos, alguns requisitos de projeto que estejam presentes numa listagem inicial. Ao iniciar a monografia, não se imaginava que o usuário teria uma visão, no geral, positiva do produto. Porém foi surpreendente a aprovação do produto. Este trabalho contribuiu na auto-avaliação de um profissional da arquitetura. O produto especificado para atender o banheiro do salão de festas de um edifício confirmou que o trabalho do arquiteto sempre deve estar baseado no usuário. Não apenas nas suas necessidades, mas também, nas suas informações pessoais. O mercado consumidor está cada vez mais exigente e conhecedor dos seus direitos. O homem está vivendo mais e fazendo uso dos espaços públicos e privados por mais tempo. É necessário que alternativas de produtos e serviços estejam à disposição deste usuário. O design deve estar propenso a apresentar melhorias para todo o mercado.
  • 47. 47 7. REFERÊNCIAS BAXTER, Mike. Projeto de Produto: Guia prático para o design de novos produtos. São Paulo: Ed. Edgard Blücher Ltda., 1998. FOGLIATTO, F.S.; GUIMARÃES, Lia, B.M. Design Macroergonômico: uma proposta metodológica para projeto de produto. Produto & Produção, Porto Alegre, UFRGS/EE/PPGEP, v.3, n.3, p. 1-15, 1999. Grunewald, V; Fialho, Francisco A P. Considerações sobre Ergonomia e Terceira Idade. In: CONGRESSO LATINO AMERICANO DE ERGONOMIA, 4: 1997: Florianópolis. Anais do 4º Congresso Latino Americano de Ergonomia: ecoergonomia e qualidade de vida. Florianópolis, Sonopress, 1997, 1 CD GUIMARÃES, Lia B. M.; COSTELLA, Marcelo. Macroergonomia. Ergonomia de Processo, Porto Alegre, UFRGS/EE/PPGEP, v.2, p.3-1 – 3.1-7, 1999. IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produção. São Paulo: Ed. Edgard Blücher Ltda., 1993. LEMOS, Carlos A. C. A casa brasileira. São Paulo: Contexto, 1989. MELLO, R. S. Desenvolvimento do Projeto: Etapas e bases para desenvolvimento de projeto. Canoas. ULBRA. 2004. MORAES, Anamaria de; MONT’ALVÃO, Cláudia. Ergonomia: conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: 2AB, 1998. PANERO, Julius; ZELNIK, Martin. Dimensionamento humano para espaços interiores. Barcelona: GG, 2002. PASCALE, Mª Aparecida. Ergonomia e Alzheimer: a contribuição dos fatores ambientais como recurso terapêutico nos cuidados de idosos portadores da demência tipo Alzheimer. 2002. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis. SELL, Ingeborg. Atualidades em Ergonomia no Projeto de Produtos. In: CONGRESSO LATINO AMERICANO DE ERGONOMIA, 4: 1997: Florianópolis. Anais do 4º Congresso Latino Americano de Ergonomia: eco-ergonomia e qualidade de vida. Florianópolis, Sonopress, 1997, 1 CD. ZERBETTO, Cristiane A.A; SANTOS, João E.; SILVA, José Carlos P. Aspectos Ergonômicos que envolvem o Manejo de Produtos: uma revisão teórica. S/l; s/d.
  • 48. 48 8. ANEXOS
  • 49. 49 8.1. ANEXO I Figura 07 – Análises Antropométricas Masculinas para lavatórios. Fonte: Panero (2002) p.165 Figura 08 – Análises Antropométricas Femininas e infantis para lavatórios. Fonte: Panero (2002) p. 165
  • 50. 50 8.2. ANEXO II: MODELOS SEMELHANTES DE TORNEIRAS DE LAVATÓRIO DOS PRINCIPAIS CONCORRENTES DE METAIS SANITÁRIOS: Figura 09: Foto de torneira de lavatório linha Duomo – Deca www.deca.com.br - acesso em 19 de dezembro de 2004) (Fonte: site da Deca – Figura 10: Foto de torneira de lavatório linha Línea – Deca www.deca.com.br - acesso em 19 de dezembro de 2004) (Fonte: site da Deca –
  • 51. 51 Figura 11: Foto de torneira de lavatório linha Kromus– Docol www.docol.com.br - acesso em 19 de dezembro de 2004) (Fonte: site da Docol – Figura 12: Foto de torneira de lavatório linha Queen– Docol www.docol.com.br - acesso em 19 de dezembro de 2004) (Fonte: site da Docol –
  • 52. 52 8.3. ANEXO III: MODELOS IDEAIS DE PEGA DE TORNEIRAS DE LAVATÓRIO: Figura 13: Foto de torneira de lavatório linha Millenium 27 - Meber www.meber.com.br - acesso em 10 de janeiro de 2005) Figura 14: Foto de torneira de lavatório linha Minimal - Meber www.meber.com.br - acesso em 10 de janeiro de 2005) (Fonte: (Fonte: site site da da Meber Meber – –
  • 53. 53 Figura 15: Foto de torneira de lavatório linha Link - Deca www.deca.com.br - acesso em 10 de janeiro de 2005) (Fonte: site da Deca – Figura 16: Foto de torneira de lavatório linha Polaris - Docol www.docol.com.br - acesso em 10 de janeiro de 2005) (Fonte: site da Docol –
  • 54. 54 8.4. ANEXO IV: PROCEDIMENTO DE MONTAGEM DA TORNEIRA MILLENIUM 201 Figura 17: Componentes para procedimento de montagem da torneira de lavatório 1198 201 da linha Millenium da Meber. (Fonte: Meber - autorizado pela empresa).
  • 55. 55 9. APÊNDICES
  • 56. 56 9.1. APÊNDICE I: DADOS TÉCNICOS DE PROJETO DE ARQUITETURA DO LAVATÓRIO DO BANHEIRO DO SALÃO DE FESTAS Figura 18: Vista superior do tampo de lavatório. Figura 19: Vista lateral do lavatório.
  • 57. 57 Figura 20: Vista Frontal do lavatório.
  • 58. 58 9.2. QUESTIONÁRIO APLICADO AOS USUÁRIOS Assinale com um X: Sexo: Masculino Feminino Idade: 1. Com que freqüência você usa o lavatório do salão de festas? nunca usei Raramente uso Uso eventual uso diário 2. Em relação à identificação do sistema de abertura para saída da água (se é de abrir, de sensor, automática), a identificação é... Muito difícil Difícil Médio Fácil Muito fácil 3. Em relação à manipulação da torneira, a pega é... Muito difícil Difícil Médio Fácil Muito fácil 4. Quanto à percepção do controle da vazão de água, é... Muito difícil Difícil Médio Fácil Muito fácil
  • 59. 59 5. Quanto à identificação de algum sistema de regulagem de temperatura, ela é... Muito difícil Difícil Médio Fácil Muito fácil 6. Quanto à aparência da torneira em relação à higiene e assepsia, ela lhe parece... Muito suja Suja Médio Limpa Muito limpa
  • 60. 60 9.3. APÊNDICE III: FOTOS DA LINHA DE PRODUÇÃO Figura 21: Fotos da área onde são feitos os moldes em areia. Figura 22: Fotos da área de fundição.
  • 61. 61 Figura 23: Foto da área de polimento e afinação – Robô. Figura 24: Foto dos tanques da área de cromagem.
  • 62. 62 Figura 25: Foto da área de montagem – torneira 1198 201- linha Millenium.

×