• Save
Ler pdf
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Ler pdf

on

  • 1,162 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,162
Views on SlideShare
1,157
Embed Views
5

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 5

http://umcapitulo.blogspot.com 5

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Ler pdf Document Transcript

  • 1. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 59 . Promovendo um massacre O mundo era um lugar muito diferente em 10 de setembro de 2001,quando Donald Rumsfeld subiu ao pódio do Pentágono para fazer um de seus primei- ros longos discursos como secretário da Defesa do presidente George W. Bush. Para a maioria dos americanos, a Al Qaeda não existia, e Saddam Hussein ainda era o presidente do Iraque. Rumsfeld já havia ocupado aquele cargo uma vez — sob o presidente Gerald Ford, entre 1975 e 1977 —, mas voltara ao posto em 2001 com idéias ambiciosas. Naquele dia de setembro do primeiro ano da admi- nistração Bush,Rumsfeld dirigiu-se aos funcionários do Pentágono encarregados de supervisionar os altos negócios dos contratos de defesa — gerenciando as Halliburtons, DynCorps e Bechtels. O secretário estava diante de um ruidoso grupo de ex-executivos da Enron, Northrop Grumman, General Dynamics e Aerospace Corporation — gente que ele havia inserido como seus altos delega- dos no Departamento de Defesa — e fez uma verdadeira declaração de guerra. “O assunto de hoje é um adversário que representa uma ameaça, uma séria ameaça à segurança dos Estados Unidos da América”, trovejou Rumsfeld.1 “Esse adversário é um dos últimos bastiões do planejamento central no mundo de hoje. Seu governo se faz com base em planos qüinqüenais. De uma única capi- tal, ele tenta impor suas exigências por meio de fusos horários, continentes, oceanos e mais além. Com brutal coerência, sufoca o pensamento livre e esmaga 
  • 2. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 60 novas idéias. Desorganiza a defesa dos Estados Unidos e põe em risco as vidas de homens e mulheres de uniforme.” Fazendo uma breve pausa em prol do efeito dramático, Rumsfeld — ele próprio um veterano da Guerra Fria — disse então a sua nova equipe: “Talvez esse adversário lembre a antiga União Soviética, mas ela é um inimigo que não existe mais: hoje, nossos inimigos são mais sutis e implacáveis. Talvez vocês imaginem que eu esteja descrevendo um dos últimos ditadores decrépitos do mundo. Mas os dias desses ditadores também estão quase terminados, e eles não são páreo para a força e o tamanho do adversário a que me refiro. Esse adversário está mais perto de casa. É a burocracia do Pentá- gono.” Rumsfeld estava propondo uma mudança geral na administração do Pentágono, a substituição da velha burocracia do Departamento de Defesa por um novo modelo, baseado no setor privado. O problema, explicou ele, era que, diferentemente dos negócios, “os governos não podem morrer; por isso, preci- samos encontrar outros incentivos que façam a burocracia se adaptar e melho- rar”. O que estava em jogo, declarou, era assustador — “uma questão de vida e morte, em última instância, para todos os americanos”. Naquele dia, Rumsfeld anunciou uma grande iniciativa para modernizar a capacidade de intervenção do setor privado nas guerras empreendidas pelos Estados Unidos, e previu que sua iniciativa encontraria feroz resistência. “Alguns poderão perguntar: ‘Como pode o secretário de Defesa atacar o Pentágono diante de seus próprios funcio- nários?’”,continuou Rumsfeld,dirigindo-se a sua platéia.“A esses,respondo que não tenho intenção de atacar o Pentágono; quero libertá-lo.Nós precisamos sal- var esta instituição de si mesma.” Na manhã seguinte, o Pentágono seria literalmente atacado, quando o vôo 77 da American Airlines — um Boeing 757 — chocou-se contra sua face oeste. Rumsfeld ficaria famoso por ajudar a resgatar corpos dos escombros. Mas não demoraria muito para que ele, o grande mestre do militarismo, aproveitasse a quase inimaginável oportunidade oferecida pelo 11 de setembro para acelerar sua guerra pessoal, exposta apenas um dia antes. O mundo havia mudado de maneira irreversível, e num instante o futuro da mais poderosa força militar do planeta se tornara uma tela em branco, na qual Rumsfeld e seus aliados pode- riam pintar sua obra-prima.A nova política do Pentágono dependeria muito do setor privado, daria ênfase a operações secretas, a sofisticados sistemas de arma- mentos e ao grande uso de forças especiais e de prestadores de serviço. Isso ficou conhecido como a Doutrina Rumsfeld.“Precisamos promover uma abordagem 
  • 3. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 61 mais empresarial: uma abordagem que incentive as pessoas à pronta ação, e não à reação, e a se comportarem menos como burocratas e mais como capitalistas empreendedores”, escreveu Rumsfeld, no verão de 2002, num artigo para a revista Foreign Affairs intitulado “Transformando os militares”.2 A abordagem “minimalista” de Rumsfeld abriu a porta para uma das mais significativas tran- formações na guerra moderna — o amplo uso de prestadores de serviço,ou con- tratados, em todos os aspectos da guerra, inclusive em combate. Entre os que logo receberam chamados da administração para se juntar a uma “guerra global ao terror”, a ser lutada de acordo com a Doutrina Rumsfeld, havia uma companhia pouco conhecida que funcionava em um campo particu- lar de treinamento militar perto de Great Dismal Swamp, um pântano da Caro- lina do Norte. Seu nome era Blackwater USA. Depois da grande tragédia do 11 de setembro, praticamente da noite para o dia uma empresa que mal existia até poucos anos antes se tornaria peça central na guerra global desencadeada pelo império mais poderoso da história.“Trabalho no ramo de treinamento há qua- tro anos e estava começando a ficar um pouco cínico quanto à seriedade com que as pessoas encaram a segurança”, disse o proprietário da Blackwater, Erik Prince, ao entrevistador da Fox News, Bill O’Reilly, pouco depois do 11 de setembro.“Agora, meu telefone não pára de tocar.”3 Mas a história da Blackwater não começa no 11 de setembro, nem com seus executivos ou mesmo com sua fundação. De certa forma, ela resume a história da guerra moderna. Em essência, a Blackwater é o coroamento da obra de uma vida inteira daqueles que formaram o cerne da equipe de guerra da administra- ção Bush. Durante a Guerra do Golfo, em 1991, Dick Cheney — grande aliado de Rumsfeld — era secretário da Defesa. Na época, dez por cento das pessoas posi- cionadas na zona de guerra estava ali por força de um contrato privado, uma porcentagem que Cheney tinha o firme propósito de aumentar. Antes de deixar o cargo, em 1993, ele encomendou um estudo a uma companhia que acabaria por dirigir: a Halliburton. Tratava-se de um estudo sobre como privatizar rapi- damente a burocracia militar. Quase da noite para o dia, a Halliburton criaria sozinha uma indústria de prestação de serviços militares aos Estados Unidos no exterior, com um potencial de lucros aparentemente infinito. Quanto mais agressivamente os Estados Unidos expandissem seu alcance militar, melhor para os negócios da Halliburton. Era um protótipo para o futuro. Nos oito anos 
  • 4. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 62 seguintes do governo Bill Clinton, Cheney trabalhou no American Enterprise Institute, influente grupo neoconservador de pesquisas interdisciplinares que liderou a investida por uma aceleração no processo de privatização do governo e das Forças Armadas norte-americanas. Por volta de 1995, Cheney estava no comando da divisão da Halliburton que se tornaria o maior prestador de servi- ços de defesa aos Estados Unidos. O presidente Clinton apoiou em grande parte esses planos de privatização, e a empresa de Cheney — assim como outras pres- tadoras de serviços — fechou lucrativos contratos durante o conflito dos Bálcãs, nos anos 90, e na guerra do Kosovo, em 1999. Em meados da década de 90, uma empresa de consultoria militar baseada na Virgínia, a Professional Resources Incorporated, dirigida por graduados oficiais aposentados, foi autorizada pela administração Clinton a treinar tropas croatas para sua guerra separatista con- tra a Iugoslávia dominada pelos sérvios; um contrato que em última análise desequilibrou a balança naquele conflito. Esse contrato foi o prenúncio de um tipo de envolvimento do setor privado que se tornaria padrão na guerra ao ter- ror. Mas a privatização foi apenas parte de um programa mais abrangente. Che- ney e Rumsfeld foram membros-chave do Projeto para um Novo Século Ame- ricano (PNAC), iniciado em 1997 pelo ativista neoconservador William Kristol.4 O grupo fez pressão para que Clinton promovesse uma mudança de regime no Iraque, e seus princípios, que advogavam “uma política de força militar e clareza moral”,5 formariam as bases de grande parte da política externa da administra- ção Bush. Em setembro de 2000, apenas meses antes de seus membros passarem a integrar o núcleo central do governo Bush, o Projeto para um Novo Século Americano lançou um relatório chamado Rebuilding America’s Defenses: Stra- tegy, Forces and Resources for a New Century [Reconstruindo as defesas dos Estados Unidos: estratégia, forças e recursos para um novo século]. Ao expor a visão do PNAC sobre a revisão da máquina de guerra norte-americana, o relató- rio reconhecia que “o processo de transformação, ainda que portador de mudanças revolucionárias, provavelmente será longo, caso não haja algum evento catastrófico ou catalisador — como um novo Pearl Harbor”.6 Um ano depois, os ataques do 11 de setembro forneceriam o necessário catalisador: uma justificativa sem precedentes para o avanço desse programa radical, moldado por um pequeno núcleo de agentes neoconservadores que haviam acabado de assumir o poder oficial. 
  • 5. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 63 Paralelamente às guerras do período posterior ao 11 de setembro, desenro- lou-se um subenredo freqüentemente ignorado: o da terceirização e da privati- zação que esses conflitos possibilitaram. Desde o momento em que a equipe de Bush tomou o poder, o Pentágono abarrotou-se de ideólogos como Paul Wolfo- witz,Douglas Feith,Zalmay Khalilzad e Stephen Cambone,bem como de ex-exe- cutivos de grandes empresas — muitas delas grandes fabricantes de armamentos —, como o subsecretário de Defesa Pete Aldridge (Aerospace Corporation), o ministro do Exército Thomas White (Enron), o ministro da Marinha Gordon England (General Dynamics) e o ministro da Aeronáutica James Roche (Northrop Grumman).A nova liderança civil do Pentágono chegou ao poder com dois obje- tivos principais: a mudança de regime em nações estratégicas e a implementação da operação de privatização e terceirização mais abrangente da história militar dos Estados Unidos — uma revolução nos assuntos militares. Depois do 11 de setembro, essa campanha não pôde mais ser detida. A rápida derrota do Talibã no Afeganistão revigorou Rumsfeld e o governo, o que possibilitou o planejamento da pedra angular da cruzada neoconserva- dora: o Iraque. Desde o primeiro momento em que as tropas dos Estados Unidos começaram a se agrupar, durante os preparativos para a invasão, o Pentágono fez dos contratos particulares parte integral das operações. Mesmo enquanto o país aparentava publicamente envidar esforços diplomáticos,a Halliburton se prepa- rava,a portas fechadas,para a maior operação de sua história.Quando os tanques norte-americanos entraram em Bagdá, em março de 2003, transportavam com eles o maior exército de prestadores de serviços já empregado numa guerra. Ao final do mandato de Rumsfeld, estima-se que havia cerca de 100 mil contratados em território iraquiano — quase um para cada soldado norte-americano em ação.7 Para grande satisfação da indústria da guerra, antes de sair, Rumsfeld tomou a extraordinária medida de classificar esses prestadores de serviços como parte oficial da máquina de guerra dos Estados Unidos. Na Revisão Quadrienal do Pentágono de 2006, Rumsfeld esboçou o que chamou de um “guia para a mudança” no Departamento de Defesa, que afirmou ter começado em 2001.8 O documento definia a “Força Total do Departamento” como “os componentes militares ativos e da reserva, bem como os servidores civis e contratados — cons- titui[ndo] nosso efetivo e nossa capacidade de guerra. Membros da Força Total servem em milhares de lugares ao redor do mundo, desempenhando vasta gama de tarefas no cumprimento de missões críticas”. 
  • 6. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 64 Da maneira como foi feita, em meio a uma guerra global sem limites ou definição precisa, essa oficialização formal representou uma negação radical dos agourentos alertas lançados pelo presidente Eisenhower em sua mensagem de despedida à nação, décadas antes, advertindo para o que ele via como as “gra- ves implicações” da ascensão do “complexo militar-industrial”. Em 1961, Eise- nhower declarava: “O potencial para a ascensão desastrosa de um poder mal exercido existe e continuará existindo. Não devemos jamais permitir que o peso dessa combinação ponha em perigo nossas liberdades e nossos processos demo- cráticos. Nada está garantido. Somente uma cidadania alerta e bem informada pode manter o entrosamento apropriado da grande maquinaria industrial e militar de defesa com nossos métodos e metas pacíficos, de tal forma que a segu- rança e a liberdade possam prosperar juntas”. O que se concretizou nos anos seguintes, e em especial na administração Bush, não foi nada menos do que o exato cenário que Eisenhower profetizara de forma sombria. Embora a guerra ao terror e a ocupação do Iraque tenham dado origem a inúmeras empresas, poucas tiveram uma ascensão tão meteórica quanto a Blackwater ao poder, ao lucro e à proeminência — talvez nenhuma outra. Em menos de uma década, a Blackwater saiu de um pântano na Carolina do Norte para se tornar uma espécie de Guarda Pretoriana da “guerra global ao terror” movida pela administração Bush. Hoje, ela tem mais de 2,3 mil soldados parti- culares operando em nove países,inclusive dentro dos Estados Unidos.Mantém um banco de dados com 21 mil ex-agentes e soldados das Forças Especiais, além de policiais aposentados, que pode convocar a qualquer momento. A compa- nhia tem também uma frota particular de mais de vinte aeronaves, incluindo-se aí helicópteros de combate e uma divisão de zepelins de reconhecimento. Seu quartel-general de 28 quilômetros quadrados em Moycock, na Carolina do Norte, é a maior instalação militar privada do mundo, treinando por ano deze- nas de milhares de agentes da lei, locais ou federais, bem como soldados de paí- ses estrangeiros “amigos”. A Blackwater tem sua própria divisão de inteligência e conta, entre seus executivos, com ex-oficiais de inteligência e ex-militares gra- duados. Recentemente, iniciou-se a construção de novas instalações na Califór- nia (“Blackwater West”) e em Illinois (“Blackwater North”), assim como de um campo de treinamento na selva filipina. A companhia possui mais de 500 milhões de dólares em contratos com o governo — e isso não inclui seu orça- mento secreto de operações “clandestinas” para agências de inteligência dos 
  • 7. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 65 Estados Unidos ou para empresas, indivíduos e governos estrangeiros. Como observou um congressista norte-americano, em termos estritamente militares, a Blackwater poderia depor muitos governos do mundo. É,portanto,um Exército particular,controlado por uma única pessoa: Erik Prince, um megamilionário cristão de extrema direita que tem sido um dos maiores financiadores não apenas das campanhas do presidente Bush, como também da direita cristã em geral. Na verdade, até a elaboração deste livro, Prince nunca havia doado um tostão para um candidato democrata — certa- mente um direito seu, mas, por outro lado, um comportamento incomum para o proprietário de uma empresa tão poderosa em serviços bélicos e que revela tanto sobre a sinceridade de seu compromisso ideológico. A Blackwater tem constituído um dos batalhões mais eficientes na guerra de Rumsfeld no Pentá- gono, e Prince fala com ousadia do papel de sua companhia na radical transfor- mação da força militar dos Estados Unidos.“Quando você envia alguma coisa e quer que ela chegue no dia seguinte, usa o correio ou a FedEx?”, perguntou ele durante um recente painel de discussão com oficiais militares. “Nossa meta é fazer pelo aparato de segurança nacional o que a FedEx fez pelo serviço postal.”9 Talvez o sinal de transformação mais revelador tenha sido dado quando a Casa Branca terceirizou o serviço de proteção a funcionários governamentais mais graduados no Iraque, entregando-o à Blackwater a partir de 2003. Quando L. Paul Bremer, enviado de Bush no primeiro ano da ocupação, instalou-se em Bagdá para implementar os planos do presidente, estava sob a proteção da Blackwater, assim como sob sua proteção estiveram todos os sucessivos embai- xadores norte-americanos no Iraque.Em comparação com os soldados da ativa, muito mal remunerados,os guardas da Blackwater recebem salários de seis dígi- tos.“Antes, os salários comuns para profissionais de segurança pessoal [no Ira- que] giravam em torno de trezentos dólares [por pessoa] por dia”, relatou a revista Fortune na época. “Quando a Blackwater começou a recrutar homens para seu primeiro grande trabalho, dar proteção a Paul Bremer, o pagamento saltou para seiscentos dólares por dia.”10 Quase sem nenhum debate público, a administração Bush terceirizou funções historicamente conduzidas pelos mili- tares. E, em grande medida, essas companhias particulares não prestam contas aos contribuintes norte-americanos, de quem extraem seus lucros. Alguns começaram a comparar o mercado mercenário no Iraque com a Corrida do Ouro no Alasca ou com episódios do Velho Oeste. Como observou o Times lon- 
  • 8. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 66 drino à época:“No Iraque, a indústria que vem florescendo no pós-guerra não é a do petróleo. É a da segurança”.11 Enquanto esse inaudito exército privado se expandia no Iraque, o último ato de Bremer antes de se esgueirar para longe de Bagdá, no dia 28 de junho de 2004, foi um decreto conhecido como Ordem 17, isentando de eventuais pro- cessos penais os prestadores de serviços no país.12 Foi um ato significativo no mar de políticas (e de ausência de políticas) que regulamentam a ocupação, um incentivo às forças privadas. Enquanto soldados dos Estados Unidos têm sido processados por matanças e torturas no Iraque,o Pentágono não impôs as mes- mas regras às vastas forças privadas. Esse assunto foi abordado durante uma das raras audiências no Congresso norte-americano sobre os contratados no Iraque, que ocorreu em junho de 2006. Nela, que ouviu também diversos fun- cionários governamentais, a Blackwater representou a indústria. O congres- sista Dennis Kucinich questionou Shay Assad, diretor de licitações e aquisições do Pentágono — a seção do Departamento de Defesa responsável pela contra- tação de serviços. Kucinich observou que as tropas norte-americanas, sujeitas às regras de combate, respondiam a processos por violações de conduta no Ira- que, o mesmo não acontecendo com os prestadores de serviços. Até a data daquela audiência, prosseguiu ele,“nenhum fornecedor de segurança privado havia sido processado”.13 Em seguida, perguntou diretamente a Assad: “Será que o Departamento de Defesa estaria preparado para um eventual processo movido contra um prestador de serviço acusado de ter comprovada e ilegal- mente matado um civil?”. “Não posso responder a essa pergunta, senhor”, respondeu Assad. “Uau!”, retrucou Kucinich. “Pense no que isso significa. Esses prestadores de serviços podem escapar impunes de um assassinato.” Os contratados, disse Kucinich, “parecem não estar sujeitos a nenhuma lei e, portanto, dispõem de licença para fazer justiça com as próprias mãos”. A Blackwater já declarou abertamente que suas forças estão acima da lei.Ao resistir às tentativas de submeter seus soldados ao Código Unificado de Justiça Militar (UCMJ) do Pentágono — insistindo em que eles são civis —,a companhia afirmou gozar de imunidade também no tocante a processos civis nos Estados Unidos, alegando que suas forças são parte do efetivo militar norte-americano, a chamada Força Total. A empresa tem argumentado em depoimentos legais que, se os tribunais permitirem que ela seja processada por crimes cometidos 
  • 9. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 67 por seus contratados, isso poderia ameaçar a capacidade bélica da nação: “Para que prestadores de serviços responsáveis possam acompanhar as Forças Arma- das dos Estados Unidos no campo de batalha, é essencial que sua isenção de res- ponsabilidade por baixas seja protegida pelo governo federal e aplicada unifor- memente nos tribunais federais. Nada poderia ser mais destrutivo ao conceito de Força Total subjacente à doutrina do poderio militar norte-americano — conceito este que se apóia no amplo voluntariado — do que expor seus compo- nentes privados aos sistemas de responsabilização penal de cinqüenta estados, transportados para campos de batalha no exterior [...] Trata-se de matéria que foge à alçada [dos tribunais] tanto quanto foge também dessa alçada a forma como o presidente supervisiona e comanda essas operações militares, incluin- do-se aí as decisões tomadas por meio da cadeia de comando referentes a treina- mento, movimentação, armamentos, missões, composição, planejamento, aná- lise, gerenciamento e supervisão de fornecedores militares privados, bem como de suas missões”.14 Em vez disso, a Blackwater alega que suas forças operam com base num código de conduta próprio, escrito por sua própria associação, ironicamente chamada Associação Internacional de Operações de Paz (International Peace Operations Association). Erik Prince afirma que suas forças são “responsáveis perante o país”,15 como se declarações de lealdade à bandeira constituíssem prova de motivos ou atos justos, ou como se oferecessem um substituto para uma estrutura legal independente. Essa lógica é incentivada não apenas pela imunidade virtual já estendida a esses prestadores de serviços, como também pelo fracasso do Pentágono em supervisionar sua maciça força privada, agora oficialmente reconhecida como parte da máquina de guerra dos Estados Unidos. Tais prestadores de serviços operam numa zona de legalidade difusa, que dá margem a abusos explícitos. No final de 2006, uma emenda de uma única linha foi inserida em silêncio no maciço projeto de lei, submetido ao Congresso em 2007, que trata dos gastos com a defesa e foi assinado pelo presidente Bush. A emenda permitiria subme- ter prestadores de serviços em zonas de guerra ao UCMJ do Pentágono, isto é, ao sistema de corte marcial.16 Os militares, porém, já têm problemas suficientes no policiameno de suas próprias forças,e não se há de esperar deles que monitorem com eficiência mais 100 mil contratados privados. Embora a emenda de meras cinco palavras mal estabeleça um sistema de supervisão independente, os peri- 
  • 10. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 68 tos prevêem que ela ainda enfrentará feroz resistência por parte da indústria pri- vada da guerra. A despeito do apoio sem precedentes a prestadores de serviços empregados no Iraque,no Afeganistão e em outros lugares,o governo ainda não conseguiu nem sequer contabilizá-los, quanto mais fiscalizá-los. Um relatório do Gabinete de Responsabilidade Governamental (GAO) informava, em dezem- bro de 2006, que os militares não dispunham de um sistema eficiente de super- visão e que “os funcionários do governo não foram capazes de determinar o número de fornecedores utilizados nas bases do Iraque”.17 O Exército e a Força Aérea foram incapazes de fornecer aos investigadores do GAO “o número de con- tratados empregados em localidades ocupadas ou a natureza dos serviços que esses contratados prestaram às forças dos Estados Unidos”. O GAO concluiu que “problemas com o gerenciamento e a supervisão dos prestadores de servi- ços tiveram um impacto negativo nas operações militares e no moral da uni- dade, prejudicando a capacidade do Departamento de Defesa de afirmar com alguma segurança se os fornecedores estão de fato cumprindo as exigências con- tratuais, e se o estão fazendo de forma eficiente em termos de custos”. Uma semana depois da Rumsfeld deixar o Pentágono, as Forças Armadas dos Estados Unidos estavam tão sobrecarregadas pela guerra ao terror que o ex- secretário de Estado, general Colin Powell, declarou:“O Exército ativo está quase falido”.18 Em vez de repensar suas políticas agressivas e as guerras de conquista, a administração Bush e o Pentágono falavam da necessidade de aumentar o tama- nho das forças militares. Prince já havia feito sua proposta: a criação do que ele chamou de uma “brigada de contratados” para suplementar a força militar con- vencional dos Estados Unidos.“Existe consternação no Departamento de Defesa quanto ao aumento de tamanho do Exército permanente”, ele declarou.“Quere- mos aumentá-lo em 30 mil pessoas, mas nos falaram de custos que variam de 3,6 a 4 bilhões de dólares para tanto. Bem, pela minha matemática, isso dá cerca de 135 mil dólares por soldado [...] Nós certamente poderíamos fazer isso a um preço mais baixo.”19 Foi uma declaração extraordinária, que só poderia vir de um homem de posse de seu próprio exército.Prince gosta de caracterizar a Black- water como um prolongamento patriótico das forças militares norte-america- nas e, em setembro de 2005, emitiu um memorando para toda a companhia requerendo que seus funcionários e contratados prestassem o mesmo juramento de lealdade à Constituição do país que é feito pelos “clientes da Blackwater liga- dos à Segurança Nacional (ou seja, Pentágono, Departamento de Estado e agên- 
  • 11. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 69 cias de inteligência)”: o de “apoiar e defender a Constituição dos Estados Unidos contra todos os inimigos, externos ou internos [...]. Com a ajuda de Deus”.20 Porém, a despeito desse retrato da Blackwater como uma empresa pura- mente americana que procura defender os indefesos, alguns de seus projetos mais secretos e ambiciosos revelam uma realidade bem diferente e assustadora. Em maio de 2004, ela inscreveu em segredo no Registro Central de Prestadores de Serviços do governo dos Estados Unidos uma nova divisão: a Greystone Limited. Mas em vez de estabelecer a companhia na Carolina do Norte, na Vir- gínia ou em Delaware, como suas outras divisões, a Greystone foi registrada offshore, em Barbados, no Caribe, e devidamente classificada pelo governo americano como “entidade empresarial isenta de impostos”.21 Os folhetos pro- mocionais da Greystone ofereciam aos possíveis clientes “equipes proativas de assalto” que poderiam ser contratadas “para atender a exigências de segurança existentes ou emergentes, de acordo com as necessidades dos clientes no exte- rior. Nossas equipes estão prontas para conduzir medidas de estabilização, pro- teção e recuperação de ativos, bem como retiradas emergenciais de pessoal”. Ofereciam também uma grande variedade de serviços de treinamento, até no tocante a “operações de defesa e ataque para pequenos grupos”. A Greystone gabava-se de “manter e treinar uma força de trabalho extraída de uma base variada de ex-membros de operações especiais, defesa, inteligência e de profis- sionais da lei prontos para serem empregados a qualquer momento, em qual- quer lugar do mundo”. Ela alegava recrutar seus profissionais em lugares como Filipinas, Chile, Nepal, Colômbia, Equador, El Salvador, Honduras, Panamá e Peru — países cujas forças em grande parte apresentam fichas corridas de res- peito aos direitos humanos no mínimo questionáveis. Os formulários de inscri- ção pediam aos candidatos que indicassem suas qualificações em armas: fuzil AK-47, Glock 19, fuzis da série M-16, carabinas M-4, metralhadoras, morteiros, foguetes e granadas antitanques. Entre os profissionais procurados, havia franco-atiradores, atiradores, peritos em artefatos explosivos e pessoas com experiência em unidades de assalto. No Iraque, a Blackwater desembarcou inú- meros mercenários chilenos, alguns dos quais foram treinados e serviram durante o regime brutal de Augusto Pinochet. “Nós reviramos os confins da Terra para encontrar bons profissionais”, disse o presidente da Blackwater, Gary Jackson.“Os comandos chilenos são muito profissionais e se encaixam perfeita- mente no sistema da empresa.”22 
  • 12. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 70 Com as Forças Armadas domésticas sobrecarregadas até o limite — e impossibilitadas de novos recrutamentos por motivos políticos —, resta ao governo dos Estados Unidos batalhar para encontrar aliados que preencham as vagas em sua “guerra global ao terror”. Se os exércitos de outros países não dese- jam se aliar numa “coalizão da boa vontade”, a Blackwater e seus aliados ofere- cem outro tipo de solução: a internacionalização das forças militares, com recrutamento de soldados particulares em todo o planeta. Se os governos estrangeiros não querem participar do jogo, soldados estrangeiros — muitos dos quais de países que se opõem às guerras dos Estados Unidos — podem ser alistados a preços módicos. Esse processo, alegam os críticos, não é senão uma subversão da própria existência da nação-Estado e de seus princípios de sobera- nia e autodeterminação.“O uso cada vez maior de contratados, de forças parti- culares ou do que alguns definiriam como ‘mercenários’ torna mais fácil come- çar e lutar uma guerra — necessário é apenas o dinheiro, e não a cidadania”, diz Michael Ratner, presidente do Centro de Direitos Constitucionais (CCR), orga- nização que abriu processo contra alguns contratados por supostas violações de direitos humanos no Iraque.23 “Quando uma população é convocada para ir à guerra, existe uma resistência, que é necessária até para evitar guerras de auto- engrandecimento, guerras tolas ou, no caso norte-americano, guerras imperia- listas hegemônicas.Tropas particulares são quase uma necessidade para os Esta- dos Unidos, empenhados em manter um império em declínio. Pense em Roma e em sua crescente necessidade de mercenários. É o mesmo que acontece hoje nos Estados Unidos. Se se tornar difícil controlar uma população raivosa e opri- mida mediante uma força policial obediente à Constituição... as tropas particu- lares podem resolver esse ‘problema’.” Assim como a Halliburton, que é a maior prestadora de serviços do Pen- tágono, a Blackwater se diferencia de outras empresas que simplesmente lucram com a guerra pelas características específicas da visão de longuíssimo prazo de seus executivos. Essas duas empresas não somente aproveitaram um momento lucrativo, como muitas de suas concorrentes, mas lançaram-se tam- bém a cavar um nicho permanente para si próprias por décadas à frente. Toda- via, as aspirações da Blackwater não se limitam a guerras internacionais. Suas forças se anteciparam à maioria das agências federais em Nova Orleans, depois da passagem do furacão Katrina em 2005,quando centenas de mercenários for- temente armados — alguns recém-chegados do Iraque — espalharam-se pela 
  • 13. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 71 zona de desastre. Em uma semana, eles foram oficialmente contratados pelo Departamento de Segurança Interna para operar na região, cobrando do go- verno federal 950 dólares por dia por soldado.24 Em menos de um ano, a Black- water havia se apropriado de mais de 70 milhões de dólares em contratos fede- rais relacionados com o furacão — cerca de 243 mil dólares por dia.25 A empresa viu no Katrina outro momento de grande oportunidade, e logo começou a requisitar permissão para ser contratada pelos governos de todos os cinqüenta estados americanos. Os executivos da Blackwater reuniram-se com o governa- dor da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, oferecendo-se para intervir no estado em caso de um eventual terremoto ou de qualquer outro desastre.“Olha, nenhum de nós gosta da idéia de uma devastação se tornar uma oportunidade de negócio”, disse o funcionário da companhia que assumiu a direção da nova divisão de operações formada depois do Katrina.26 “É um fato detestável, mas é assim mesmo. Médicos, advogados, donos de funerárias, até os jornais — todos ganham a vida com as coisas ruins que acontecem.Nós também,porque alguém tem que cuidar disso.” Porém, alguns críticos vêem o emprego de forças da Blackwater no próprio território norte-americano como um perigoso prece- dente que pode solapar a democracia no país. “Suas ações podem não estar sujeitas às limitações constitucionais que se aplicam aos funcionários públicos federais e estaduais — o que inclui a Primeira Emenda e a Quarta Emenda, que impedem buscas e apreensões ilegais. Diferentemente das forças policiais, essas forças não são treinadas para defender os direitos constitucionais”, diz Michael Ratner, da CCR.“Essa espécie de grupo paramilitar lembra os camisas- marrons dos nazistas, que funcionavam como um mecanismo de sanção extrajudicial com direito de operar, e que na verdade operava, fora da lei. O emprego desses grupos paramilitares é uma ameaça extremamente perigosa aos nossos direitos.” O que se mostra particularmente assustador no papel da Blackwater numa guerra que o presidente Bush chamou de “cruzada” é que os principais executivos da companhia seguem uma agenda voltada para a supremacia cristã. Erik Prince e sua família doaram generosos recursos para a guerra dos direitos religiosos contra a secularização e a favor da expansão da presença do cristianismo na esfera pública.27 Prince é amigo íntimo e benfeitor de alguns dos militantes cristãos mais extremistas do país, como o ex-conspirador de Watergate, Chuck Colson — que acabou se tornando um dos assessores do pre- 
  • 14. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 72 sidente Bush e pioneiro das “prisões baseadas na fé” — e o líder conservador Gary Bauer, signatário da “Afirmação de princípios” do Projeto de um Novo Século Americano. Prince, aliás, trabalhou com Bauer na juventude e era amigo íntimo de seu pai. Alguns executivos da Blackwater chegam a se vangloriar de serem membros dos Cavaleiros Soberanos da Ordem de Malta,28 uma milícia cristã formada no século XI, antes das primeiras Cruzadas, com a missão de defender “territórios que os cruzados haviam conquistado dos muçulmanos”.29 Atualmente, a Ordem se gaba de ser “uma organização soberana dentro das leis internacionais, com constituição própria, passaportes, selos e instituições públicas”, e de ter “relações diplomáticas com 94 países”.30 A terceirização das operações militares dos Estados Unidos em países muçulmanos e em socieda- des seculares, deixadas a cargo desses neocruzados, reforça os maiores temores de muitos no mundo árabe, assim como de outros oponentes das guerras do governo Bush. A maior parte do mundo ouviu falar pela primeira vez em “companhias militares particulares” depois do infame 31 de março de 2004, quando quatro soldados da Blackwater caíram em uma emboscada em Fallujah, no Iraque — um linchamento macabro, que marcou uma guinada na guerra e desencadeou a resistência iraquiana. Muitos dos relatos da mídia na época (e ainda hoje) se referem àqueles soldados obscuros como “contratados civis” ou “trabalhadores estrangeiros para a reconstrução do Iraque”, como se fossem engenheiros, tra- balhadores de construção, ajuda humanitária ou especialistas em água. O termo “mercenário” quase não foi usado para descrevê-los. E não por acaso. Na reali- dade, isso fez parte de uma campanha bastante sofisticada de mudança de ima- gem organizada pela própria indústria mercenária,e cada vez mais adotada hoje em dia por políticos, burocratas e demais figuras poderosas de Washington e de outras capitais ocidentais. Aqueles homens que morreram em Fallujah eram membros da maior parceira de Washington na “coalizão da boa vontade” — maior em número do que a totalidade das tropas britânicas —, e ainda assim o mundo não fazia idéia de que eles estavam lá.A emboscada pôs a Blackwater em papel capaz de alterar as regulamentações que supervisionariam (ou não) uma indústria que se expandia a todo vapor, e da qual a companhia era a nova líder. Três meses depois, porém, a empresa assinaria um dos mais valiosos contratos de segurança internacional do governo dos Estados Unidos, responsabilizando- se pela proteção de diplomatas em instalações americanas. As mortes larga- 
  • 15. black water 5a prova 29.05.08 2:26 PM Page 73 mente anunciadas de quatro de seus soldados se revelariam a mola propulsora que poria a companhia no caminho do sucesso pelos anos seguintes. A história da ascensão da Blackwater é um épico na história do complexo militar-industrial. A companhia é o símbolo vivo das mudanças forjadas pela revolução nos assuntos militares e pelo programa de privatização radicalmente ampliado pela administração Bush, tendo a guerra ao terror como pretexto. Porém, mais fundamental ainda é que ela é uma história sobre o futuro da guerra, da democracia e da governança. Essa história vai do início da Blackwa- ter, em 1996, com seus executivos visionários abrindo um campo de treina- mento militar privado (a fim de “atender à demanda do governo pela terceiriza- ção do treinamento em armas de fogo e segurança”); passa pelo aumento do volume de contratos depois do 11 de setembro; e chega às ruas encharcadas de sangue de Fallujah, onde os cadáveres dos mercenários foram pendurados em uma ponte. Mas inclui ainda uma troca de tiros nos telhados da fortaleza de Muqtada al-Sadr, em Najaf; uma expedição ao mar Cáspio, rico em petróleo, onde o governo norte-americano mandou a Blackwater construir uma base militar a poucos quilômetros da fronteira iraniana; uma incursão pelas ruas de Nova Orleans, devastadas por um furacão; e muitas horas dentro dos centros de decisão em Washington, onde executivos da empresa são recebidos como os novos heróis da guerra ao terror. E, no entanto, a ascensão do mais poderoso exército mercenário do mundo começou bem longe dos atuais campos de bata- lha, na sonolenta cidade de Holland, em Michigan, onde Erik Prince nasceu de uma dinastia cristã de direita. Foi a família Prince que lançou as bases, gastando milhões de dólares durante muitas décadas, para que as mesmas forças que pos- sibilitariam a meteórica ascensão da Blackwater chegassem ao poder. 