Esquizofrenia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Esquizofrenia

on

  • 222 views

 

Statistics

Views

Total Views
222
Views on SlideShare
221
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
7
Comments
0

1 Embed 1

http://armstrongandalex.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Esquizofrenia Esquizofrenia Presentation Transcript

  • EFA/ AE 2013/14 PSICOLOGIA Trabalho: ARMANDO
  • Psicopatologia é uma área do conhecimento que objectiva estudar os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental . É a área de estudos que está na base da psiquiatria, cujo enfoque é clínico.
  • Pode-se considerar a psicopatologia um campo de pesquisa principalmente de psicanalistas, psiquiatras e de psicólogos clínicos. A palavra "Psico-pato-logia" é composta de três palavras gregas: "psychê", que produziu "psique", "psiquismo", "psíquico", "alma"; "pathos", que resultou em "paixão", "excesso", "passagem", "passividade", "sofrimento", e "logos", que resultou em "lógica", "discurso", "narrativa", "conhecimento". Psicopatologia seria, então, um discurso, um saber, (logos) sobre o sofrimento, (pathos) da mente (psiquê). Ou seja, um discurso representativo a respeito do pathos.
  •  1. Transtornos geralmente diagnosticados pela primeira vez               na infância ou na adolescência 2. Delírios , demência, transtorno amnéstico e outros transtornos cognitivos 3. Transtornos mentais causados por uma condição médica geral 4. Transtornos relacionados a substâncias 5. Esquizofrenia e outros transtornos psicóticos 6. Transtornos do humor 7. Transtornos de ansiedade 8. Transtornos factícios 9. Transtornos dissociativos 10.Transtornos sexuais e da identidade de género 11. Transtornos da alimentação 12. Transtornos do sono 13. Transtornos do controle do impulso não classificados em outro local 14. Transtornos de adaptação 15. Transtornos de personalidade Organização geral das categorias:
  • A esquizofrenia infantil é uma perturbação que se engloba num comportamento e pensamento anormais; inicia-se entre os 7 anos e o princípio da adolescência. A causa da esquizofrenia infantil não é conhecida. Continuam as especulações sobre as anomalias químicas cerebrais comprometidas e o papel que tem o factor hereditário. Também não se sabe por que razão algumas crianças desenvolvem esquizofrenia na infância, quando a maioria não apresenta sintomas até à adolescência já muito avançada. O que se sabe é que a esquizofrenia não é causada por uma deficiente atenção por parte dos pais.
  • A esquizofrenia infantil habitualmente aparece depois dos 7 anos. A criança torna-se introvertida, perde interesse pelas actividades usuais e desenvolve um pensamento e uma percepção distorcidas. Esta esquizofrenia é semelhante à que começa na adolescência tardia ou no princípio da idade adulta. Uma criança com esquizofrenia, tal como acontece com os adultos, é propensa a sofrer de alucinações, enganos e paranóia, teme que outros estejam a tentar fazer-lhe mal ou a controlar os seus pensamentos
  • Teorias familiares[| Assim como a abordagem psicanalítica, outras abordagens responsabilizam a família, mas apesar de terem bastante impacto histórico, tiveram pouco embasamento empírico. Surgiram na decada de 1950, umas baseadas no tipo de comunicação entre os vários elementos da familia, e outras aparecendo mais ligadas à estrutura familiar. Dos estudos desenvolvidos surge o conceito de mãe esquizofrenogénica - a mãe possessiva e dominadora dos seus filhos como geradora de personalidades esquizofrénicas. Estudos posteriores vieram contudo desconfirmar esta hipótese, relacionando esse comportamento mais com etiologia neuroticas e não com a psicose
  • A doença mental é com frequência relacionada com o mendigo que perambula pelas ruas, falando sozinho, ou com a mulher que aparece na TV dizendo ter 16 personalidades ou ainda com o maníaco homicida que aparece nos filmes. De fato, a doença mental é, há séculos, sinónimo de exclusão social, e o diagnóstico de esquizofrenia, significou por muito tempo um destino certo: os hospitais psiquiátricos ou asilos, onde os pacientes ficavam internados durante anos - às vezes, pela maior parte de suas vidas. Em muitos casos, os indivíduos diagnosticados como esquizofrênicos foram crianças tímidas, introvertidas, com dificuldades de relacionamento e com pouca interacção emocional, eventualmente também com dificuldades de atenção. Durante a adolescência o isolamento vai se tornando cada vez maior e o rendimento escolar vai diminuindo. Estas modificações são frequentemente associadas à crise da adolescência. "Para o adolescente, este é um período de confusão, sente-se desconcentrado, não sabe o que se está a passar com ele. O jovem começa a passar grandes períodos frente ao espelho, a observar o seu corpo, revelando a presença de alterações do seu esquema corporal que podem surgir associadas à vivência psicótica. Isto não acontece só ao nível do corpo, mas também na consciência de si próprio (perturbação da vivência do "eu") apresentando neste caso sentimentos de despersonalização".6