Your SlideShare is downloading. ×
Web 2.0 & Foco no Usuário
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Web 2.0 & Foco no Usuário

2,165
views

Published on

Outra palestra minha na Faculdade Impacta, a respeito de Web 2.0 e foco no usuário. Agora bem mais completa.

Outra palestra minha na Faculdade Impacta, a respeito de Web 2.0 e foco no usuário. Agora bem mais completa.

Published in: Business

1 Comment
3 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
2,165
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
251
Comments
1
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.  
  • 2.  
  • 3.  
  • 4. Mas, vamos ao que interessa...
  • 5. Ah sim, não se preocupem em anotar, porque segunda-feira esta apresentação estará on-line.
  • 6.
    • As atualizações são menos freqüentes e são por conta do proprietário do site ou do webmaster;
    • Sem interatividade - o usuário apenas lê e navega;
    • Poucos sites na Internet e pouca variedade de conteúdo;
  • 7.  
  • 8. O termo WEB 2.0 surgiu em 2004 em uma conferência, e Dale Dougherty (O'Reilly Media) foi o responsável pela criação do termo. Este evento reuniu empresas que sobreviveram à bolha da Internet do ano 2000.
  • 9.
    • Aproveitamento da inteligência coletiva;
    • Conteúdo gerado pelo usuário;
    • Sites mais interativos;
    • Sistemas web cada vez mais parecidos com sistemas desktop;
  • 10.
    • Foco no usuário e nas suas necessidades.
    • Diferente de programas, o site pode ser atualizado a qualquer hora e todos teremos a mesma versão do site;
  • 11.  
  • 12.
    • Flexibilidade: fácil de alterar;
    • Precisa ser leve, para carregar mais rápido;
    • Precisa ser acessível a tudo e todos;
  • 13. “ Segunda geração de serviços baseados na web como sites de redes sociais , wikis , ferramentas de comunicação e folksonomias . Enfatizam a colaboração online e o compartilhamento entre usuários .” Ross Mayfield, CEO, Socialtext
  • 14. Web 1.0 – Rede de Computadores Web 2.0 – Rede de Pessoas
  • 15.  
  • 16.  
  • 17. Você conhece isso e não sabia, quer ver?
  • 18. Como você classificaria esta imagem?
  • 19.  
  • 20. Folcsonomia nada mais é do que a classificação de informações pelos próprios usuários. Exemplo: Flickr , del.icio.us e YoutTube
  • 21. Lembra da folha?
  • 22.  
  • 23.  
  • 24.  
  • 25.  
  • 26.  
  • 27.  
  • 28.  
  • 29.  
  • 30.  
  • 31.  
  • 32.
    • Colaborar e compartilhar com conteúdo ;
    • Sites interativos;
    • Chega de apenas ler, agora vamos participar e opinar;
    • “ Conteúdo é o Rei” e o usuário também.
  • 33.  
  • 34.  
  • 35.
    • Exemplo claro da força da Internet;
    • Grandes empresas investindo em ações de marketing na Internet;
    • Usuários mostram seu poder na Internet: basta vermos os números.
  • 36. 3,178,843 visitas
  • 37. 3,607,716 visitas
  • 38. - Nunca fez propaganda; - 220 milhões de usuários; - Vendido por US$4,1 bilhões.
  • 39. - Não trabalha com a marca diretamente; - Não é apenas vídeo; - O principal meio de propagação é o “boca a boca”
  • 40. Como as empresas gerenciam seu conteúdo hoje?
  • 41.  
  • 42.  
  • 43. O que as empresas ganham com isso?
  • 44. - Interação entre os funcionários e agilidade; - Compartilhamento de conteúdo e pontos de vista; - Modelo de hierarquia modificado, mostrando a flexibilidade da empresa.
  • 45. Julho/2006
  • 46. Julho/2006
  • 47.
    • Falta de privacidade (Já experimentou buscar seu nome no Google ?);
    • Muito conteúdo muitas vezes dificulta achar o que nós REALMENTE queremos;
    • Confiança no conteúdo publicado.
  • 48.
    • Tendências levam a se criar coisas parecidas;
    • Saturação do mercado.
  • 49.  
  • 50. APML A ttention P rofiling M arkup L anguage “ Linguagem de marcação de perfil de atenção”
  • 51. APML Você fala o que gosta e não gosta em um arquivo XML ( eXtensible Markup Language) e se o programa suportar este tipo de tecnologia, você filtra o conteúdo.
  • 52. Web 2.0 mostra seu poder. Estadão ataca os bloggers, você viu?
  • 53.  
  • 54.  
  • 55. Sabe em quantos anos é estimado o fim dos impressos?
  • 56. 20 anos Não era para eles realmente estarem preocupados?
  • 57. Novo posicionamento do IG Por que ele mudou de postura?
  • 58. O que há em comum em todos os sites e portais apresentados até o momento?
  • 59. Simplicidade e foco no usuário
  • 60. Quanto mais simples, mais fácil. Quanto mais focado, mais chances de alcançar o objetivo
  • 61. Quais os maiores exemplos de sites ou portais com foco no usuário e na simplicidade?
  • 62.  
  • 63.  
  • 64.  
  • 65.  
  • 66. Sabe o que as pessoas gostam?
  • 67. 43% de conteúdo X 33% de comunicação Ou seja, elas gostam mais de ler e trocar informações do que vídeos por exemplo.
  • 68. Conteúdo responsável por atrair a massa na internet
  • 69. Entretenimento Vídeos Músicas Esportes
  • 70. Notícias & Informações Jornalismo Tempo Guia / Mapas Lazer
  • 71. Educação Universidades Carreiras
  • 72. Família Saúde Infantil
  • 73. Será que esta festa pela web 2.0 é realmente necessária? Será que ela é a coisa mais importante?
  • 74. Adivinha quem é o centro das atenções daqui para frente?
  • 75. Capa recente da Revista Time . As pessoas são o destaque.
  • 76. Mas o que é esse tal “foco no usuário” ?
  • 77.
    • O foco no usuário é composto por:
    • Usabilidade;
    • Arquitetura da Informação;
    • Acessibilidade.
  • 78. Usabilidade é sinônimo de facilidade de uso, ou seja, se é fácil de usar, o usuário aprende rápido a usar, memoriza as operações, comete menos erros e chega aos seus objetivos.
  • 79.
    • Ser fácil de aprender;
    • Ser eficiente na utilização;
    • Ser fácil de ser recordado;
    • Ter poucos erros;
    • Ser subjetivamente agradável. Jakob Nielsen (2003)
  • 80.
    • É essencial uma boa usabilidade porque, diferente da TV, na web o usuário tem um comportamento ativo e interage com o site;
    • O usuário nunca erra, quem erra é quem projetou o site e não pensou nas prováveis situações de uso e nos possíveis erros dos usuários;
  • 81. Onde está o botão ou link de download na página a seguir? Você consegue encontrá-lo em menos de 5 segundos ?
  • 82.  
  • 83. Conseguiu achar facilmente? Foi intuitivo?
  • 84.  
  • 85. Qual é mais fácil fazer o download? Este...
  • 86. Ou este...
  • 87. Onde posso criar um cadastro no site a seguir? Você consegue encontrá-lo em menos de 10 segundos ?
  • 88.  
  • 89. Bom, vamos clicar em “ Meu cadastro ” e ver o que acontece.
  • 90.  
  • 91.  
  • 92. Alguém conseguiu ver onde é possível se cadastrar? Não? Nem eu!
  • 93. Mas como resolver?
  • 94. Mais fácil não?
  • 95. Conhece o efeito Las Vegas?
  • 96.  
  • 97. Links evidentes Resultados visíveis Busca fácil e intuitiva Você sabe onde está
  • 98.  
  • 99. - Conhecendo os usuários e como eles usam o site; - Dando prioridade a estas pessoas ao invés das tecnologias; - Seguindo os estudos e pesquisadores; - Testando em situações reais;
  • 100. A Arquitetura da Informação organiza os sistemas de informação, para que as pessoas possam encontrar de forma fácil o que desejam.
  • 101.
    • Fluxo de navegação fácil e lógico;
    • Disposição dos elementos na melhor forma possível;
    • Pontos importantes visíveis e destacados;
    • Nomes de seções, campos e etc., intuitivos para qualquer pessoa;
    • Texto direto, fácil e na linguagem do usuário.
  • 102. A Arquitetura da Informação é uma “aliada” da Usabilidade , ambas trabalham juntas na criação de um site fácil de navegar, atingindo assim as expectativas e objetivos do usuário.
  • 103.
    • Resultados de busca mal organizados;
    • Nomes confusos (campos, seções);
    • Página desorganizada;
    • Performance lenta;
    • Navegação inconsistente.
  • 104. Exemplo de investimento em Arquitetura da Informação
  • 105. Nova interface do site da empresa Tecnisa , mais clean e consideravelmente mais organizado. Quer saber os resultados?
  • 106.
    • Aumento de 96% de visitas em 2007;
    • Aumento de 81% em vendas;
    • Aumento de 29% de taxa de conversão visita/chat;
    • Aumento de 50% de taxa de conversão visita/cadastro.
  • 107. Exemplo de investimento em Arquitetura da Informação – Parte 2
  • 108. Sky – e-commerce Taxa de conversão de vendas de 0,2% para 50% em 4 meses
  • 109. Exemplo de Arquitetura da Informação na prática
  • 110. Notícia principal em destaque (E que notícia!) Busca visível E-mail visível
  • 111. Wireframe detalhado
  • 112. Resultado final
  • 113. É importante descobrir quais os pontos mais importantes da página e trabalhar em cima deles.
  • 114.  
  • 115. - Criar formulários fáceis e acessíveis; - Elementos importantes devem estar destacados e bem posicionados; - Buscas eficientes; - Poucos cliques para chegar ao conteúdo;
  • 116. “ Se o consumidor não consegue encontrar o produto, ele não poderá comprá-lo” Jakob Nielsen (2003)
  • 117. Acessibilidade serve para criar sites que possam ser utilizados por pessoas com algum tipo de deficiência, palms, celulares, qualquer navegador e etc.
  • 118.
    • Sites devem ser acessíveis para deficientes em geral (Por exemplo: deficientes visuais, ou com problemas de coordenação);
    • Também devem ser acessíveis para dispositivos móveis como celulares e palms;
    • Navegadores com versões diferentes, versão para impressão e etc, fazem parte de uma boa acessibilidade.
  • 119.  
  • 120. Quem precisa de acessibilidade?
  • 121.  
  • 122. Estas pessoas precisam de acessibilidade... você já imaginou se fosse o contrário?
  • 123. Agora que você já sabe quem precisa de acessibilidade, vamos adiante...
  • 124.  
  • 125. Com uma boa acessibilidade temos...
  • 126.  
  • 127.  
  • 128. - Conhecer as necessidade especiais; - Seguindo os padrões web e diretrizes da WCAG; - Testando em situações reais; - Criando textos diretos, bem escritos e sem erros de português;
  • 129. Sabe qual é o maior cego na Internet?
  • 130.  
  • 131. Mesmo o Google sendo o maior cego, ele não é 100% acessível, ele pode ser considerado razoavelmente acessível segundo Lêda Lucia Spelta do Acesso Digital .
  • 132. - As pessoas têm pouco tempo; - A Internet agora está ao alcance de pessoas de qualquer nível social ou de conhecimento; - A concorrência cresceu;
  • 133. A Internet mudou...você mudou?
  • 134. Primeiro Passo Trabalhar com padrões web (Web Standards): XHTML + CSS Use cada elemento para o qual ele foi feito!
  • 135. Segundo Passo Entender seu cliente, seu público alvo e criar soluções fáceis e acessíveis para todos.
  • 136. Terceiro Passo Acompanhar e entender as mudanças da WEB, AJAX, métricas, RSS, Mashup, acessibilidade, design de interação e por aí vai.
  • 137. Quarto Passo Desenvolver um modelo de desenvolvimento funcional:
  • 138. - Trabalhar com planejamento; - Entender as necessidades do cliente e do seu público alvo; - Criar ações e estratégias focadas no usuário; - Entender métricas e utilizá-las da melhor forma. Quarto Passo
  • 139. Ou você está bem posicionado nos buscadores ou você não existe. URL fácil e campanhas de publicidade de divulgação de site são apenas 20% do total das visitas, adivinha de onde estão vindo os outros 80%? Quinto Passo
  • 140. Buscadores
  • 141. “ Google fornece 60% das buscas realizadas no planeta, estudo da ComScore “ Fonte: Blue Bus
  • 142.  
  • 143.  
  • 144. Custo baixo para obter dados relevantes sobre o projeto, que podem ser utilizados para melhorar a Usabilidade e Arquitetura da Informação , além de entender o que os usuários querem, criando, assim, ações estratégias focadas no usuários .
  • 145. Será preciso refazer todos os sites? Grande parte sim, já que seus formatos são antiquados e 97% não estão dentro da lei de acessibilidade.
  • 146. Foco no usuário dá dinheiro para a empresa e para o desenvolvedor , então não perca tempo, entenda as tendências!
  • 147. Mas quem ganha com foco no usuário?
  • 148. 1- Você que é usuário, que alcança seus objetivos;
  • 149. 2- Você desenvolvedor, que cria projetos bons e será reconhecido;
  • 150. 3- Sua empresa, que será reconhecida por criar projetos úteis e fáceis;
  • 151. 4- Seu cliente, que terá retorno de várias formas;
  • 152. Ou seja, todos ganham!
  • 153. Mitos sobre o foco no usuário
  • 154. 1 – Site fácil de usar e acessível, não é sinônimo de interfaces extremamente limpas;
  • 155. 2 – Acessibilidade não é cara, muito menos demorada e muito menos complexa para ser aplicada;
  • 156. 3 – Acessibilidade NÃO é apenas para pessoas com deficiência visual;
  • 157. 4 – Não são poucos os usuários beneficiados pela Acessibilidade;
  • 158. 5 – Nós achamos que sabemos o que é bom para nosso usuário (Isto serve para o desenvolvedor e para o cliente); Para isto existe os profissionais qualificados
  • 159.
    • O país com mais cadastros no Orkut ;
    • O país onde os internautas ficam mais tempo conectados ( Quase 21 horas por mês em média );
    • o 2º maior usuário do YouTube ;
  • 160.
    • O 3º maior comprador de computadores ( 6 milhões em 2006 );
    • O 4º maior usuário do Second Life ;
    • E o país que possui mais de 30 milhões de internautas.
  • 161. “ Anunciantes vão investir recorde de 31 bilhões de dólares na web em 2007” Fonte: BlueBus
  • 162. Isso é muito dinheiro!
  • 163. Mídias são o futuro e a web será a centralizadora disto tudo.
  • 164. - Vídeos; - Televisão on-line; - Celulares e palms acessando a web; - Tudo fala a mesma língua.
  • 165.
    • As empresas deverão sair de sua estrutura hierárquica atual para a estrutura colaborativa (ou seja, todos ajudam na colaboração);
    • As empresas que souberem organizar e enxergar a importância de focar nos objetivos de seu usuário estarão à frente da concorrência;
  • 166.
    • Não confie no formato atual da web e muito menos em seus conhecimentos atuais, basta olhar o número de mudanças nos últimos anos;
    • Manter-se atualizado não é mais uma necessidade, e sim uma OBRIGAÇÃO nos dias de hoje;
  • 167.
    • Criar sites que sejam acessíveis e interajam com o maior número de dispositivos possíveis;
    • Entenda de teorias e conceitos antes e técnicas e ferramentas depois. Por a mão na massa hoje em dia não é mais luxo;
  • 168. Teoria + Prática = Profissional Completo
  • 169. Mantenha o foco no que você gosta de fazer. Em seguida, busque parceiros que façam o restante! Com certeza os resultados serão melhores!
  • 170. Grandes empresas (Globo.com, AgênciaClick, 10’Minutos e etc), não contratam os profissionais “fazem tudo”
  • 171. “ Cada macaco no seu galho”
  • 172. Grande idéias com pequenos investimentos podem valer milhões, por exemplo, YouTube que foi comprado recentemente pelo Google . Crie, não tenha vergonha de errar, uma hora você pode acertar.
  • 173. A tecnologia cria a necessidade ou a necessidade cria a tecnologia?
  • 174. Não se preocupem em anotar, isto vai estar na internet na segunda-feira!
  • 175. Projetando websites com Usabilidade Jakob Nielsen e Hoa Loranger Design para a Internet Felipe Memória Projetando websites Jakob Nielsen Ergodesign e Arquitetura da Informação Luiz Agner
  • 176. Não me faça pensar Steve Krug Webwriting Bruno Rodrigues Usabilidade na Web Cláudia Dias A cauda longa Chris Anderson
  • 177. Design de Interação : Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece Information Architecture Louis Rosenfeld e Peter Morville Projetando website compatíveis Jeffrey Zeldman Mirando Resultados Ricardo Almeida
  • 178. Usabilidoido: www.usabilidoido.com.br Luiz Agner: www.agner.com.br Complicado: www.complicado.wordpress.com Acesso Digital: www.acessodigital.net FatorW: www.fatorw.com Revolução e Etc: www.revolucao.etc.br Tableless: www.tableless.com.br Planta Baixa: www.plantabaixa.wordpress.com Petitpois: www.lulileslie.com
  • 179.  
  • 180. Acesse www.alexandreformagio.com.br e participe da promoção!
  • 181.