Review 299-escrituralismo-cosmovisao crampton
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Review 299-escrituralismo-cosmovisao crampton

  • 816 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • Jogando.net/MU *28*

    Boa tarde amigos,

    Venham conhecer nossos Servidores de Mu
    Online Season 6 http://www.jogando.net/mu/
    >>muitos kits novos;
    >> Nossos GMs online em todos os servers
    Fazem eventos todos os dias:
    Fazemos sua Diversão com qualidade,há mais de 5 anos
    Servers ON 24 horas por dia
    Vários Server esperando por você.Venha se divertir de verdade.
    >>>CURTA nossa Fan page no Facebook e concorra a prêmios.
    SORTEIO de 2 pacotes de 100 JCASHs mais 15 dias VIP Premium
    >>>Conheçam também Animes Cloud -> http://www.animescloud.com, mais de 20.000 videos online,feito exclusivo para sua diversão.
    Site http://www.jogando.net/mu/ Benvindos ao nosso servidor.
    Wartemix Divulgadora Oficial !
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
816
On Slideshare
816
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
3
Comments
1
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. THE TRINITY REVIEW Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas; destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo; e estando prontos pa- ra vingar toda a desobediência, quando for cumprida a vossa obediência. (2 Coríntios 10.3-6) Número 299 Copyright 2011 The Trinity Foundation Post Office Box 68, Unicoi, Tennessee 37692 Março-Maio 2011 Email: tjtrinityfound@aol.com Website: www.trinityfoundation.org Fone: 423.743.0199 Fax: 423.743.2005 Escrituralismo: Uma Cosmovisão Cristã por W. Gary CramptonNota do editor: este é um seguimento do último ar- experimente[mos] qual seja a boa, agradável, etigo resenha escrito por Dr. Crampton. Vantilianos perfeita vontade de Deus” tal como encontrada nasseguem com as mesmas acusações enfadonhas Escrituras (Romanos 12.2), i.e., nossos pensa-contra Gordon Clark originalmente feitas por Van mentos devem se tornar progressivamente os pen-Til na controvérsia Clark-Van Til e suas reper- samentos de Deus (Isaías 55.6-9), pensamentoscussões. Segue aqui uma excelente defesa do es- divinos esses que são apenas conhecidos atravéscrituralismo ― a filosofia bíblica mais consistente. da Palavra de Deus. O escrituralismo, então, ensi- na que todo o nosso conhecimento deve ser deri-Introdução 1 vado da Bíblia, que tem um monopólio sistemáticoEscrituralismo é uma visão do mundo e da vida. sobre a verdade.Cosmovisão é um conjunto de crenças sobre asvárias questões da vida. Toda pessoa tem uma Essa abordagem a uma cosmovisão cristã é en-cosmovisão; é algo inescapável. A cosmovisão de- sinada pelo apóstolo Paulo e confirmada pelos en-terminará como uma pessoa enxerga a totalidade sinos dos Padrões de Westminster. 4 Nas palavrasda vida, as decisões que toma, por que age como do apóstolo: “Toda a Escritura é divinamente ins-age e assim por diante. Todas as cosmovisões a- pirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir,presentam pressuposições que governam seu sis- para corrigir, para instruir em justiça; para que otema de crença; essas pressuposições funcionam homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente ins-como axiomas a partir dos quais todas as decisões truído para toda a boa obra” (2 Timóteo 3.16-17). Esão deduzidas. Escrituralismo é o sistema de cren- na Confissão de Fé de Westminster (1:6) lemos:ça em que a Palavra de Deus é fundacional na to- “Todo o conselho de Deus concernente a todas astalidade dos assuntos filosóficos e teológicos. 2 Es- coisas necessárias para a glória dele e para a sal-se sistema de pensamento assevera que os cris- vação, fé e vida do homem, ou é expressamentetãos jamais devem tentar combinar ideias se- declarado na Escritura ou pode ser lógica e cla-culares e cristãs. Antes, todo pensamento deve ser ramente deduzido dela; à Escritura nada se acres-levado cativo à Palavra de Deus (2 Coríntios 10.5), centará em tempo algum”.3 que é (parte de) a mente de Cristo (1 Coríntios 2.16). Nossa mente deve ser transformada “para que Observe os universais nessas duas declarações: “toda”, “perfeito”, “perfeitamente”, “toda”, “Todo”,1 Muito deste artigo foi adaptado de W. Gary Crampton, The “todas”, “nada”, “em tempo algum”. A Bíblia, infali-Scripturalism of Gordon H. Clark (Hobbs, New Mexico: The velmente, e a Assembleia de Westminster, em con-Trinity Foundation, 1999). [Futura publicação em português daEditora Monergismo, N. do T.]2 4 John W. Robbins cunhou o termo Escrituralismo, veja “An Todas as referências aos Padrões de Westminster, com-Introduction to Gordon H. Clark” [Uma Introdução a Gordon H. postos da Confissão de Fé de Westminster e dos CatecismosClark], The Trinity Review (Julho e Agosto de 1993). Maior e Menor são da Westminster Confession of Faith (Glas-3 Todas as citações bíblicas neste artigo foram extraídas da gow, Scotland: Free Presbyterian Publications, 1994). A línguaversão Almeida Corrigida e Fiel (ACF), salvo indicação em original foi modernizada. [A tradução das referências é livre, N.contrário. [N. do T.] do T.]
  • 2. The Trinity Review / Março-Maio 2011formidade com a Bíblia, ensinam ambas a total su- nhecimento. Mesmo antes da Queda, o homem jáficiência das Escrituras. De acordo com o princípio dependia da revelação proposicional para o conhe-reformado da sola Scriptura, nem a ciência nem a cimento. Deus tinha então de revelar-lhe informa-história nem a filosofia são necessárias para forne- ção, e a situação atual, agravada pelo pecado, fazcer a verdade. De acordo com o escrituralista, ne- da revelação uma necessidade ainda maior.nhuma teoria de verdade de “duas fontes” é ensi-nada na Palavra de Deus. Como Paulo claramente Epistemologia Cristãafirma nos dois primeiros capítulos de 1 Coríntios, Primeiro, é importante entender que todas as filo-a sabedoria do mundo é loucura e o homem não é sofias (ou cosmovisões) necessariamente come-capaz de chegar ao conhecimento da verdade à çam com um princípio primeiro ou ponto de partidaparte das proposições escriturísticas reveladas pe- indemonstrável, i.e., um axioma a partir do qual tu-lo Espírito. Em 1 Coríntios 2.9-10, por exemplo, do o mais é deduzido. Uma cosmovisão cristã con-Paulo escreve: “Mas, como está escrito: „As coisas sistente assevera que o ponto de partida epistemo-que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não lógico é que somente a Bíblia é a inspirada, infalí-subiram ao coração do homem, são as que Deus vel e inerrante Palavra de Deus e tem um monopó-preparou para os que o amam‟. Mas Deus no-las lio sobre a verdade (João 17.17; 2 Timóteo 3.16-revelou pelo seu Espírito”. A Bíblia é suficiente pa- 17; 1 Timóteo 6.3-5). Os 66 livros do Antigo e Novora a verdade que precisamos. É somente nas Es- Testamento são autocomprobatórios e autoautenti-crituras que encontramos “a certeza das palavras cáveis. As Escrituras julgam todos os livros e idei-da verdade” (Provérbios 22.17-21; veja também as, mas não podem ser julgadas por nenhumaLucas 1.4). Isso é escrituralismo. pessoa ou coisa. Somente a Bíblia é a Palavra de Deus. Este é o princípio reformado da sola Scriptu-Epistemologia ra.Um escrituralista sustenta que a epistemologia (ateoria do conhecimento) é o princípio-chave de Uma epistemologia cristã não começa sua abor-qualquer sistema teológico ou filosófico. Gordon dagem sistemática para a teologia e filosofia comClark afirma isso da seguinte forma: uma discussão sobre se existe um deus, ou como sabemos se existe um deus, para então tentar pro- Enquanto a questão de como podemos co- var que se trata do Deus das Escrituras. O ponto nhecer Deus é fundamental na filosofia da de partida para uma epistemologia cristã genuína é religião, subjacente à filosofia em geral re- a revelação. A doutrina de Deus segue da episte- side a questão última “Como podemos co- mologia. É por isso que a Assembleia de West- nhecer de fato alguma coisa?”. Se não po- minster começou seu estudo da teologia sistemá- demos falar de forma inteligente sobre tica com a doutrina da revelação. O Capítulo 1 da Deus, podemos falar de forma inteligente Confissão de Fé de Westminster tem a ver com sobre moralidade, sobre nossas próprias nossa fonte de conhecimento: “Da Escritura Sagra- ideias, sobre arte, política ― podemos se- da”. Os 32 capítulos seguintes são estabelecidos quer falar sobre ciência? Como podemos sobre o axioma da revelação bíblica. conhecer alguma coisa? A resposta a essa pergunta, tecnicamente chamada teoria de Essa também era a visão de Calvino. Ele começa epistemologia, controla todo assunto ou sua Instituição da Religião Cristã com a seguinte matéria que reivindica ser inteligível ou cog- declaração: “Quase toda a suma de nossa sabedo- nitivo. 5 ria, que deve ser considerada a sabedoria verda- deira e sólida, compõe-se de duas partes: o conhe-Aurélio Agostinho, João Calvino, Gordon Clark e a cimento de Deus e o conhecimento de nós mes-Assembleia de Westminster começaram todos sua mos. Como são unidas entre si por muitos laços,abordagem sistemática ao estudo sobre Deus e não é fácil discernir qual precede e gera a outra”. 6sua criação com a epistemologia, e todos acredita- De acordo com Calvino, sem conhecimento de sivam que as Escrituras são o fundamento epistemo- mesmo não há conhecimento de Deus. Mas, paralógico para uma teoria de conhecimento verdadei- conhecer a si mesmo (e todo o mundo em geral),ra. A revelação é a condição sine qua non do co- deve haver primeiro um conhecimento de Deus.5 Gordon H. Clark, “How Does Man Know God?” [Como o Ho- 6mem Conhece Deus?], The Trinity Review (Julho/Agosto de A Instituição da Religião Cristã, Editora UNESP, 2007; I:1:1-31989), 1. [pg. 37]. 2
  • 3. The Trinity Review / Março-Maio 2011Deus é conhecido melhor e antes de alguém co- turas, portanto, não podem ser deduzidas a partirnhecer a si mesmo ou qualquer outra coisa. 7 Cal- de qualquer princípio superior. Como ensina Calvi-vino também começou sua teologia sistemática no, elas são autoautenticáveis e autocomprobató-com a epistemologia. Seu ponto de partida era a rias. Ele escreve:revelação. …pois, com grande desprezo pelo EspíritoCríticos dessa visão escrituralista frequentemente Santo, perguntam: quem nos fará crer quealegam que ela é pouco mais que uma petição de [a Escritura] provém de Deus? Como nosprincípio; isto é, ela assume o que deve ser prova- certificarmos de que chegou salva e intactado. Como podemos dizer que acreditamos que a aos nossos dias? … A principal prova daBíblia é inspirada e, portanto, verdadeira porque Escritura é que nela Deus fala pessoalmen-ela reivindica ser inspirada e verdadeira, e então te. Os profetas e apóstolos não alegamsair a dizer que devemos acreditar nesta reivindi- nem sua própria agudeza, nem eloqüência,cação porque a Bíblia é inspirada e verdadeira? tampouco aduzem razões, mas proferem oNão deveríamos primeiro provar que a Bíblia é a sagrado nome de Deus, por honra do qualPalavra de Deus? todos são coagidos à obediência. 9Evidentemente, nem toda reivindicação é verda- A Confissão de Fé de Westminster (1:4) coloca as-deira. Há um sem número de testemunhos falsos. sim:Mas dificilmente pode ser negado que a Bíblia rei-vindica ser a Palavra de Deus inspirada (veja João A autoridade da Escritura Sagrada, razão10.35; 2 Timóteo 3.16; 2 Pedro 1.20-21). E isso é pela qual deve ser crida e obedecida, nãosignificativo. É certamente uma reivindicação que depende do testemunho de qualquer ho-muito poucos escritos fazem de si mesmos. Do mem ou igreja, mas depende somente demesmo modo, seria longe de justificável dizer que Deus (a mesma verdade) que é o seu autor;a Bíblia é a Palavra de Deus se ela negasse inspi- tem, portanto, de ser recebida porque é aração, ou fosse talvez silente sobre essa questão. palavra de Deus.Mas é uma posição muito plausível insistir que aprimeira e principal razão de acreditarmos que a E Jonathan Edwards comenta que a Palavra deBíblia é a Palavra de Deus inspirada é que de fato Deus não “se apresenta em petição por sua evi-ela reivindica sê-la. 8 dência, como tanto pensam alguns; a mais superior e adequada evidência ela traz em si mesma”. 10Segundo, a resposta ad hominem ao crítico é que Deve-se aceitar, portanto, a revelação especial detodos os sistemas precisam começar com um axi- Deus como axiomática ou, de fato, nenhum conhe-oma indemonstrável. Sem esse postulado, nenhum cimento será possível. Nas palavras de Clark, “umsistema poderia mesmo iniciar. “Petição de princí- ponto imediato, abordando tanto a epistemologiapio”, neste sentido solto e amplo da expressão, não como a teologia… é a impossibilidade de se co-é uma idiossincrasia do cristianismo. É a situação nhecer Deus exceto por revelação… ou a re-na qual todas as filosofias e teologias se apresen- velação é aceita como um axioma ou, de fato, ne-tam. nhum conhecimento de Deus é possível”. 11Se alguém pudesse provar a proposição de que a Ademais, na epistemologia cristã não há nenhumaBíblia é a Palavra de Deus, a proposição não seria dicotomia entre fé (revelação) e razão (lógica). Elaso ponto de partida. Haveria algo à frente mesmo andam de mãos dadas, pois é Jesus Cristo, o Lo-das Escrituras. De acordo com as Escrituras, po- gos, quem revela a verdade. O cristianismo é ra-rém, não há fonte de verdade superior à própriaautorrevelação de Deus. Como afirma o autor de 9Hebreus, “como [Deus] não tinha outro maior por Calvino, A Instituição da Religião Cristã, Editora UNESP,quem jurasse, jurou por si mesmo” (6.13). As Escri- 2007; I:7:1,4-5 [pg. 71,74]. 10 Jonathan Edwards, The Works of Jonathan Edwards, revi- sado e corrigido por Edward Hickman (Carlisle: The Banner of7 John Calvin, Institutes of the Christian Religion, Volumes I & Truth Trust, 1984), I:293. 11II, John T. McNeil, editor, traduzido por Ford Lewis Battles Gordon H. Clark, An Introduction to Christian Philosophy(Philadelphia: Westminster Press, 1960) I:1:1-3. (Jefferson: The Trinity Foundation, 1968, 1993), 60; agora8 Veja Gordon H. Clark,God’s Hammer:The Bible and Its Critics incluído em Christian Philosophy, 299-300, e Clark and His(Jefferson: The Trinity Foundation, 1982), 1-23. Critics, 53-54. 3
  • 4. The Trinity Review / Março-Maio 2011cional porque Cristo, em si, é a Lógica, 12 Razão e escrever toda. Isto torna indispensável aSabedoria de Deus encarnada (João 1.1; 1 Corín- Escritura Sagrada, tendo cessado aquelestios 1.24,30; Colossenses 2.3). Sendo a imagem antigos modos de revelar Deus a sua von-de Deus, o homem pode raciocinar; pode pensar tade ao seu povo.logicamente, pois Deus lho concedeu essa capaci-dade inata. Conquanto a revelação geral seja suficiente para revelar Deus a todos os homens deixando-os semEssa capacidade concedida por Deus permite que desculpa, ela é insuficiente, como diz a Confissão,os homens compreendam as proposições revela- “para dar aquele conhecimento de Deus e da suadas nas Escrituras. É necessário crer em algo co- vontade necessário para a salvação… Isto tornamo sendo o ponto de partida axiomático a fim de indispensável a Escritura Sagrada”. Sem a verdadese compreender alguma coisa. Para raciocinar cor- proposicional da Palavra de Deus, i.e., a revelaçãoretamente, precisa-se de um fundamento no qual especial, o homem pecador não é capaz de chegartudo está baseado. Na cosmovisão cristã (raciona- a um conhecimento sólido e salvífico de Deus. Alismo cristão) o conhecimento vem através da ra- necessidade da revelação especial repousa na in-zão (i.e., lógica), e não a partir do raciocínio (como suficiência da revelação geral. Devido à sua natu-no racionalismo puro). Ao contrário do racionalismo reza limitada, então, a revelação geral deve sem-puro, o escrituralismo se mantém sobre o funda- pre ser interpretada à luz da revelação especial.mento da revelação bíblica. Como afirmado no dito Isso era verdade antes mesmo da Queda do ho-de Agostinho, “Creio para poder entender”. 13 mem (Gênesis 3), e ainda mais depois, visto que o universo está agora em um estado de anormalida-Revelação Geral e Especial de (Gênesis 3.14-19; Romanos 8.19-25). Assim, oA Bíblia ensina que o Deus trino se revela ao ho- conhecimento de Deus e sua criação só pode deri-mem tanto na revelação geral como na revelação var das Escrituras.especial, que estão em harmonia. A primeira é ge-ral em público (toda a humanidade) e limitada em A Bíblia ensina, como afirma João Calvino, que oconteúdo, enquanto a revelação especial, encon- Espírito de Deus implantou em todos os homenstrada agora somente nas Escrituras, é mais restrita uma ideia inata de si mesmo, um sensus divinitatis,em audiência (aqueles que leem a Bíblia) e mais que é proposicional e não pode ser erradicada. Is-detalhada em conteúdo. A Confissão de Fé de so se deve ao fato de que todos os homens sãoWestminster (1:1) afirma: criados à imagem de Deus. Quando interage com a criação de Deus, que demonstra a glória, poder e Ainda que a luz da natureza e as obras da sabedoria dele, o homem, sendo imagem de Deus, criação e da providência de tal modo mani- é forçado em certo sentido a “pensar Deus”. Em si festem a bondade, a sabedoria e o poder mesma, a criação visível não medeia “conhecimen- de Deus que os homens ficam inescusá- to” para o homem (como na epistemologia de To- veis, contudo não são suficientes para dar más de Aquino), pois o universo visível não apre- aquele conhecimento de Deus e da sua senta ou expõe nenhuma proposição. Antes, esti- vontade necessário para a salvação; por is- mula à intuição (ou recordação) intelectual a mente so foi o Senhor servido, em diversos tem- do homem, que, como ser racional, já possui in- pos e diferentes modos, revelar-se e decla- formação proposicional a priori sobre Deus e sua rar à sua Igreja aquela sua vontade; e de- criação. Essa informação a priori se encontra ime- pois, para melhor preservação e propaga- diatamente impressa na consciência do homem e é ção da verdade, para o mais seguro esta- mais que suficiente para mostrar que o Deus da belecimento e conforto da Igreja contra a Bíblia é o único e verdadeiro Deus. 14 No entanto, corrupção da carne e malícia de Satanás e sem os “óculos” da revelação especial, todas as do mundo, foi igualmente servido fazê-la 14 Clark, An Introduction to Christian Philosophy, 61-62 (Chris-12 A palavra em português Lógica é derivada do grego Logos. tian Philosophy, 300-301; Clark and His Critics, 54-55); Jona-13 Augustine, The Nicene and Post-Nicene Fathers of the than Edwards, The Works of Jonathan Edwards, Volume 6,Christian Church, Volume III, editado por Philip Schaff (Grand editado por Wallace E. Anderson, Scientific and PhilosophicalRapids: Eerdmans Publishing Company, 1988), On the Holy Writings (New Haven, Connecticut: Yale University Press,Trinity (15:2); veja também Norman L. Geisler, editor, What 1980), 346, 361, 368. Edwards refere-se a essa intuição (ouAugustine Says (Grand Rapids: Baker Book House, 1982), 14- recordação) intelectual como “ideias estimulantes” [exciting19. ideas]. 4
  • 5. The Trinity Review / Março-Maio 2011 18evidências falam em vão. Não se deve tentar pro- Algumas dessas verdades proposicionais sãovar Deus; ele é a premissa necessária para toda e implantadas no homem desde sua concepção porqualquer prova. 15 Deus. E quando o homem interage com a criação ou lê as palavras das Escrituras, o mestre divino, oComo todo conhecimento deve vir através de pro- Logos, ilumina a mente para que as proposiçõesposições (que são ou verdadeiras ou falsas) e co- venham à consciência, como a tinta invisível. Issomo os sentidos, interagindo com a criação, não é possível porque a mente do homem é envolvidaproduzem proposições, o conhecimento não pode pela mente do Logos, que ilumina o homem paraser transmitido por sensação. Antes, como obser- compreender as proposições eternas na mente devado acima, os sentidos aparentemente estimulam Deus. Isso não acontece pelo esforço ou iniciativaa mente do homem à intuição intelectual, a recor- do homem, mas pelo esforço ou iniciativa de Deus,dar as ideias inatas, concedidas por Deus, que o que revela a verdade. 19homem já possui. Gordon Clark usou a ilustraçãode um pedaço de papel onde está escrita uma Deus criou os seres humanos com mentes racio-mensagem em tinta invisível. O papel (na ilustra- nais que usam as mesmas leis do pensamento queção, a mente) pode ter a aparência de estar em ele; os homens são portadores da imagem debranco, mas na verdade não está. Quando o calor Deus. Os princípios da razão (lógica) e do conhe-da experiência é aplicado à mente (como quando o cimento são inatamente dados por Deus à humani-calor é aplicado ao papel), a mensagem se torna dade através do Logos. Portanto, sempre que osvisível. O conhecimento humano, portanto, só é seres humanos conhecem a verdade, conhecempossível porque Deus dotou o homem de certas aquilo que existe na mente de Deus; eles não têmideias inatas. 16 meramente uma representação da verdade.A visão cristã de epistemologia tem suas raízes na O escrituralismo nega a teoria da correspondênciadoutrina do Logos. 17 De acordo com o Evangelho da verdade, i.e., que a mente do homem tem ape-de João, Jesus Cristo é o Logos cosmológico (João nas uma representação da verdade, e não a ver-1.1-3), o Logos epistemológico (1.9, 14) e o Logos dade em si. Antes, a epistemologia cristã defendesoteriológico (1.4, 12-13; 14.6). Ele é o Criador do a teoria da coerência da verdade, que sustenta quemundo, a fonte de todo o conhecimento humano e o que o homem tem é a verdade real: a mesmao doador da salvação. Quanto ao Logos epistemo- verdade que existe na mente do homem existelógico, que é o foco do presente estudo, Cristo é a primeiro na mente de Deus. Como afirma Gordon“luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que Clark: “Realismo é a visão de que a mente do ho-vem ao mundo” (1.9). À parte do Logos, o “mestre mem de fato possui a verdade. O representacio-interior”, o conhecimento seria impossível. nismo sustenta que a mente tem apenas uma ima- gem, um retrato, uma representação, uma analogiaOutra maneira de explicar isso é que na mente de da verdade, e não a verdade em si”. 20Deus há a soma total de toda a verdade: “Porquenele [Deus] vivemos, e nos movemos, e existimos” A epistemologia cristã sustenta que uma proposi-(Atos 17.28). Nada existe fora da mente de Deus. ção é verdadeira porque Deus a pensa como ver-É esse o significado das palavras “onisciente” e dadeira. Assim, quando conhece a verdade, o que“onipresente”. Se o homem há de conhecer a ver- o homem conhece concorda com o que Deus co-dade, deve conhecer as proposições eternas na nhece. Nosso conhecimento deve coincidir com omente de Deus. Como afirma Jonathan Edwards, conhecimento de Deus, se havemos de conhecer a“visto que toda verdade está na mente”, e visto que verdade. Na teoria da coerência, a mente e o obje-“Deus é a própria verdade”, se havemos de conhe- to conhecido são parte de um sistema, um sistemacer a verdade, deve haver “consistência e concor- em que todas as partes estão em perfeito acordo,dância das nossas ideias com as ideias de Deus”. pois são encontradas na mente de Deus. Como 18 Edwards, Scientific and Philosophical Writings, 340-342.15 19 Calvino, A Instituição da Religião Cristã, Editora UNESP, Veja Gordon H. Clark, The Johannine Logos (Jefferson,2007; I:1-6 [pg. 37~70]. Maryland: The Trinity Foundation, 1972, 1989).16 20 Gordon H. Clark, Religion, Reason and Revelation (Hobbs, Ronald H. Nash, editor, The Philosophy of Gordon H. ClarkNew Mexico: The Trinity Foundation, [1961], 1995), 142-143. (Philadelphia: Presbyterian and Reformed Publishing Compa-17 Ronald H. Nash, The Word of God and the Mind of Man ny, 1968), 440; reimpresso em Clark and His Critics (Unicoi,(Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1982), 59-69. TN: The Trinity Foundation, 2009), 209. 5
  • 6. The Trinity Review / Março-Maio 2011Deus é onisciente, conhecendo toda a verdade, se são habilitados a crer para a salvação das suaso homem há de conhecer a verdade, deve conhe- almas, é a obra que o Espírito de Cristo faz noscer o que Deus conhece. corações deles, e é ordinariamente operada pelo ministério da Palavra; por esse ministério, bemAlém disso, o escrituralismo assevera que a reve- como pela administração dos sacramentos e pelalação geral (juntamente com os primeiros ensinos oração, ela é aumentada e fortalecida”. Essa obrade revelação especial dados inicialmente por Deus de Deus é referida como o testemunho interior doa Adão) é a razão para a religiosidade básica da Espírito Santo. É uma obra “imediata” do Espírito,humanidade e as muitas das chamadas religiões pela Palavra e com a Palavra proclamada, na qualque existem atualmente. O problema é que o ho- ele produz crença na mente do pecador eleito.mem caído, agora em um estado ético de deprava-ção total (Romanos 3.10-18; 8.7-8), suprime a ver- Como diz a Confissão, o Espírito não opera (nor-dade sobre Deus que inatamente possui. No entan- malmente) no pecador eleito à parte da Palavra.to esse conhecimento é parte da razão de sua res- Pecadores perdidos precisam ouvir de Cristo. Por-ponsabilidade; e ele é indesculpável (Romanos tanto, é responsabilidade da igreja ensinar todo o1.18-21). O homem é culpado perante Deus por conselho de Deus, evangelizar e fazer o trabalhocausa da revelação geral que possui e suprime. de apologética. Estes são deveres cristãos. MasMas, muito embora essa revelação seja mais geral somente o Espírito de Deus é que produz crença.que a revelação especial e suficiente para tornar o Como afirmado por Paulo em 1 Coríntios 3.6: “Euhomem culpado, ela não é suficiente para mostrar- plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimen-lhe o caminho da salvação: Jesus Cristo. Essa in- to”. O pecador, sem qualquer obra especial do Es-formação é dada somente nas Escrituras (revela- pírito de Deus, pode entender a mensagem prega-ção especial). A revelação geral revela Deus como da. Há uma diferença entre entender a verdade eCriador; a revelação especial o revela como Salva- acreditar na verdade. Alguns incrédulos entendemdor. Escreve Calvino: a Bíblia melhor que alguns cristãos. …a Escritura, recolhendo em nossa mente Epistemologia e Soteriologia um conhecimento de Deus [i.e., conheci- O escrituralismo ensina que a soteriologia (a dou- mento inato] de outro modo confuso, desfa- trina da salvação) é um ramo da epistemologia. zendo a fumaça, apresenta-nos claramente Não é um ramo da metafísica, pois o pecado não é o verdadeiro Deus. E este é certamente um um problema metafísico e os homens não são divi- dom singular [revelação especial]: para co- nizados quando são salvos. Nem é um ramo da nhecer o Templo, Deus não usa somente ética, pois os homens não são salvos por suas mestres mudos, mas também torna acessí- próprias obras ou conduta. Antes, a salvação é vel sua boca sacrossanta, e não só promul- somente pela graça, somente pela fé (i.e., pela ga que devemos cultuar algum deus, mas crença na verdade revelada por Deus o Espírito em pronuncia que Ele é o Deus que deve ser sua Palavra), somente em Cristo (Romanos 1.16- cultuado; nem ensina que os eleitos olhem 17). E essa salvação é dom de Deus (Efésios 2.8- unicamente para Ele, mas também se apre- 10). Em concordância com a Assembleia de senta para que o vejam… dado Deus ter Westminster, a salvação tem totalmente a ver com oferecido o auxílio da palavra a cada vez epistemologia. Não apenas somos justificados por que quis dar uma erudição frutífera aos termos fé na verdade, mas também santificados homens, visto que previsse que sua ima- por conhecermos a verdade. Em João 17.17 lemos gem, impressa na belíssima forma do mun- as palavras de Cristo: “Santifica-os na tua verdade; do, fosse pouco eficaz… Digo que é à Pa- a tua palavra é a verdade”. E em 2 Tessalonicen- lavra que se deve voltar quando, de modo ses 2.13 (NVI) o apóstolo diz: “Mas nós devemos probo e vivo, Deus nos é descrito por suas sempre dar graças a Deus por vocês, irmãos ama- obras. 21 dos pelo Senhor, porque desde o princípio Deus os escolheu para serem salvos mediante a obra santi-Como ensinado pela Confissão de Fé de West- ficadora do Espírito e a fé na verdade”.minster (14:1), “A graça da fé, pela qual os eleitos Revelação e Apologética21 A cosmovisão escrituralista rejeita a teologia natu- Calvino, A Instituição da Religião Cristã, Editora UNESP,2007; I:6:1, 3; II:1-17 [pg. 66~69]. ral de Tomás de Aquino e seus seguidores moder- 6
  • 7. The Trinity Review / Março-Maio 2011nos, bem como a teologia natural dos humanistas e pode provar causalidade; ela pode nos dar se-teólogos liberais. Ou seja, ela não se atém a uma quência, mas nunca causalidade. 25visão evidencialista de apologética. Em vez de co- Tampouco é sólido o argumento ontológico (nãomeçar da criação, argumentar pela existência de empírico) de Anselmo e Descartes. Este argumen-Deus e então pela confiabilidade das Escrituras, to, afirma Clark, basicamente declara que “Deus,devemos começar das Escrituras. 22 por definição, é o ser que possui todas as perfei- ções; a existência é uma perfeição; portanto, DeusSegundo Gordon Clark, uma crítica escrituralista existe”. 26 Há vários problemas com esse raciocí-da teologia natural parte do fato de esta se basear nio. Primeiro deve ser dito que tal silogismo, comoem uma metodologia empirista. Não somos capa- afirmado formalmente por Descartes, é válido. Ozes de deduzir formalmente o Deus trino da Bíblia problema não é a forma do argumento, mas seusa partir de uma análise empírica do universo. 23 termos. Existência, por exemplo, é um atributo queNão é possível derivar conhecimento da experiên- se aplica a tudo sem exceção. Sonhos existem,cia sensorial. O empirismo não fornece mais co- alucinações existem, miragens existem. A questãonhecimento sobre o Criador do mundo que sobre o não é se algo existe ou não; a questão é do que semundo em si. trata isso que existe. 27 Por essa razão que a As- sembleia de Westminster fez a pergunta da formaSobre esse assunto, Dr. Clark escreve: como é encontrada no Catecismo Menor (P. 4), “Quem é Deus?”, em vez de “Existe um deus?”. Se Alguém poderia considerar o que o apóstolo o argumento ontológico é entendido como um es- Paulo pensava do argumento cosmológico clarecimento do significado da palavra “Deus” na de Aristóteles para a existência de Deus… Bíblia, ele pode ser útil. Mas não é um argumento Tomás de Aquino declarou que Paulo pro- que chega a Deus a partir de algo extrabíblico. A lepticamente declarara válida a reformula- definição de Deus encontrada no argumento onto- ção tomista de Aristóteles. A partir do pre- lógico inclui elementos contrabandeados das Escri- sente parágrafo [1 Coríntios 1.18-25] pode- turas, incluindo o monoteísmo. ríamos supor que para Paulo isso era um absurdo. Outro erro nas “provas” tradicionais é que conclu- sões normativas nunca podem ser extraídas de Até onde as palavras de Paulo podem ser premissas descritivas. Gordon Clark escreve: aplicadas a Aristóteles, [1 Coríntios] 3.20 seria um repúdio ainda mais claro à espe- A teoria da lei natural comete uma grande culação filosófica sobre Deus… Apologistas gafe lógica ao tentar deduzir uma conclusão cristãos, portanto, fariam bem em repudiar normativa de premissas descritivas. Não a futilidade escolástica da chamada “teolo- importa quão cuidadosa ou complexa seja a gia natural”. Deveriam desistir da tentativa forma de alguém descrever o que os ho- de provar a existência de Deus e descrever mens fazem, ou no que consistem as provi- sua natureza com base em observações dências da natureza, ou como operam as empíricas. 24 tendências naturais, é uma impossibilidade lógica concluir o que os homens devem ouTodas as “provas” tradicionais da existência de não fazer. O é nunca implica o deve. EssaDeus são inválidas; são falácias lógicas. Como Da- crítica se aplica a todas as teorias empíri-vid Hume apontou, não é logicamente necessário cas. 28que o criador de um mundo finito seja infinito. Tudoque é necessário, de acordo com Hume, é que ocriador seja pelo menos tão grande como aquilo 25 Gordon H. Clark, Thales to Dewey (Unicoi, Tennessee: Theque ele criou. Não só isso; a observação nunca Trinity Foundation, [1957], 2000), 299-308; e Gordon H. Clark e Aurelius Augustine, Lord God of Truth e Concerning the Teacher (Hobbs, New Mexico: The Trinity Foundation, 1994), 24.22 26 Para saber mais sobre isso, veja Robert L. Reymond, Faith’s Gordon H. Clark, A Christian Philosophy of Education (Jef-Reasons For Believing (Ross-shire, Great Britain: Christian ferson, Maryland: The Trinity Foundation, [1946], 1988), 31. 27Focus Publications, 2008 ). Clark, Three Types of Religious Philosophy, 33-44.23 28 Clark, God’s Hammer, 66. Gordon H. Clark, Essays on Ethics and Politics, editado por24 Gordon H. Clark, First Corinthians (Jefferson, Maryland: The John W. Robbins (Jefferson, Maryland: The Trinity Foundation,Trinity Foundation, [1975], 1991), 52. 1992), 102. 7
  • 8. The Trinity Review / Março-Maio 2011Ademais, se as várias provas, como as “cinco vias” E nas palavras de Gordon Clark:de Tomás de Aquino, pudessem provar a existên-cia de Deus, elas provariam a falsidade da Bíblia. Pode haver, digamos, mil afirmações histó-Como poderíamos saber se as cinco provas pro- ricas na Bíblia. Felizmente, muitas dessasvam o mesmo deus? Por que não poderiam ser afirmações que o modernista dizia seremdois, três, quatro ou cinco deuses? De fato, se as falsas agora se sabe que são verdadeiras.provas teístas fossem válidas, elas demoliriam o Por exemplo, os modernistas afirmavamcristianismo; provariam quando muito a existência que a nação hitita nunca existiu. Hoje osde uma divindade pagã, e não o Deus cristão. Fe- museus possuem mais livros hititas do quelizmente as provas não são válidas. 29 têm tempo de traduzir. Os modernistas dizi- am que Moisés não poderia ter escrito oNão se pode provar o Deus das Escrituras pela Pentateuco porque em sua época a escritateologia natural. Nem tampouco se pode provar ainda não tinha sido inventada. Bem, a es-que as Escrituras são a Palavra de Deus. Para o crita já existia mais de mil anos antes deescrituralista, a Palavra de Deus é o ponto de par- Moisés. Não obstante, o fato de que a Bí-tida axiomático. Ela é indemonstrável, autoautenti- blia está correta sobre esses pontos nãocável e autoevidente. O dito de Agostinho, “Creio “prova” que ela não tem erros. Obviamentepara poder entender”, também deve ser o nosso. há muitas afirmações históricas na Bíblia que não podemos verificar e jamais sere-Isso não quer dizer que não há evidência abundan- mos capazes de verificar. Quem poderia terte demonstrando que a Bíblia é a Palavra de Deus; esperança de corroborar [por meio da ar-há muitas dessas evidências. Mas as evidências queologia e pesquisa histórica] as afirma-não “provam” que as Escrituras são verdadeiras. ções de que Eliezer pediu a Rebeca um go-Como ensinado na Confissão de Fé de Westmins- le de água e que ela também deu de beberter (1:4-5): aos seus camelos? 30 A autoridade da Escritura Sagrada, razão João Calvino também falou do poder de persuasão pela qual deve ser crida e obedecida, não das várias evidências disponíveis a nós: o argu- depende do testemunho de qualquer ho- mento religioso ou moral, o argumento cosmológi- mem ou igreja, mas depende somente de co, o argumento da graça comum e o argumento Deus (a mesma verdade) que é o seu autor; da anatomia humana. No entanto, diz o reforma- tem, portanto, de ser recebida, porque é a dor, sem a ajuda das Escrituras esses argumentos palavra de Deus. falam em vão. 31 Ele escreve: “As provas da fé de- vem ser [procuradas] na boca de Deus [i.e., na sua Pelo testemunho da Igreja podemos ser Palavra] somente. Se vamos disputar sobre ques- movidos e incitados a um alto e reverente tões que dizem respeito aos homens, deixemos apreço da Escritura Sagrada; a suprema que as razões humanas tomem lugar; mas na dou- excelência do seu conteúdo, e eficácia da trina da fé, a autoridade de Deus deve reinar sozi- sua doutrina, a majestade do seu estilo, a nha, e dela devemos depender”. 32 harmonia de todas as suas partes, o esco- po do seu todo (que é dar a Deus toda a Há um sem número de evidências internas 33 e ex- glória), a plena revelação que faz do único ternas de que a Bíblia é a revelação infalível de meio de salvar-se o homem, as suas muitas Deus ao homem. Mas à parte do testemunho inter- outras excelências incomparáveis e com- no do Espírito Santo essas evidências são incon- pleta perfeição, são argumentos pelos quais clusivas. A própria Bíblia nos diz por que acredita- abundantemente se evidencia ser ela a pa- mos ser ela a Palavra de Deus: Deus o Espírito lavra de Deus; contudo, a nossa plena per- suasão e certeza da sua infalível verdade e 30 divina autoridade provém da operação in- What Do Presbyterians Believe?, 17. 31 Calvino, A Instituição da Religião Cristã, Editora UNESP, terna do Espírito Santo, que pela palavra e 2007; I:1-5, 16 [pg. 37~65, 184~195]. com a palavra testifica em nossos cora- 32 John Calvin, Commentaries, Volumes I-XXII (Grand Rapids: ções. Baker Book House, 1981), Commentary on Acts 17:2. 33 Tecnicamente falando, “evidências internas” não são de fato evidências; são parte da revelação especial. Só evidências29 Clark, God’s Hammer, 87-89. externas (extrabíblicas) é que são realmente “evidências”. 8
  • 9. The Trinity Review / Março-Maio 2011produz essa crença na mente do eleito; ele não o ao silêncio e já podemos nos manifestar,faz nos não eleitos. Não há autoridade maior que a apresentamos a Palavra de Deus e oramosPalavra de Deus. para que Deus o faça crer. 36Uma metodologia apologética escrituralista pres- Essa metodologia apagógica, consistindo em umasupõe a primazia das Escrituras em fornecer a ba- série de reductiones ad absurdum, é o principalse para todas as provas. A Bíblia tem um monopó- método disponível a um apologista bíblico. A razãolio sistemático sobre a verdade. Ela é autocompro- é que, muito embora haja um terreno metafísicobatória e autoautenticável. Julga todos os livros e comum entre crentes e incrédulos, em que ambosideias, e não pode ser julgada por nenhuma pes- são criados à imagem de Deus, não há nenhumsoa ou coisa. Isso não quer dizer que as evidên- terreno epistemológico comum. Não há proposi-cias não são úteis; elas são. Podem ser usadas de ções teóricas em comum, quaisquer “noções” co-forma ad hominem para revelar a loucura dos sis- muns entre o cristianismo e as filosofias não cris-temas não cristãos. Aqui o escrituralista considera tãs. Os argumentos ad hominem apagógicos de-Provérbios 26.4-5 (NVI) muito importante para a vem ser usados contra o incrédulo, um transgres-disciplina de apologética: “Não responda ao insen- sor pactual que já traz consigo a ideia inata desato com igual insensatez, do contrário você se Deus, contra quem está se rebelando. Tambémigualará a ele. Responda ao insensato como a sua envolvem “destrui[r] os conselhos, e toda a altivezinsensatez merece, do contrário ele pensará que é que se levanta contra o conhecimento de Deus” (2mesmo um sábio”. O apologista bíblico se recusa a Coríntios 10.4-5). Os argumentos devem ser usa-responder ao crítico do cristianismo com base nas dos de uma forma que procurem torná-lo epistemo-pressuposições tolas que este adota em sua cos- logicamente autoconsciente (e assim consciente demovisão não cristã. O cristão não responde a esse Deus) de sua rebelião por transgressão de pacto.“insensato com igual insensatez”, pois se agisseassim apenas se tornaria como o insensato. Antes, Após demonstrar a incoerência interna das visõespermanecendo sobre a revelação inspirada, infalí- não cristãs, o apologista bíblico argumentará pelavel e inerrante de Deus, o apologista cristão deve verdade e consistência lógica interna das Escritu-“respond[er] ao insensato como a sua insensatez ras e da cosmovisão cristã nela revelada. Comomerece”, usando as evidências apagogicamente ensina a Confissão de Fé de Westminster (1:5),para refutar a cosmovisão defeituosa do insensato. nas Escrituras há “harmonia de todas as suas par-Essa argumentação deve ser usada para criticar tes”. O apologista bíblico mostrará como o cristia-internamente a cosmovisão do incrédulo, revelando nismo é autoconsistente, como ele nos dá um en-suas inconsistências, por sua vez mostrando que tendimento coerente do mundo. O cristianismoela está errada. 34 Gordon Clark coloca isso da se- responde perguntas e resolve problemas que ou-guinte forma: tras cosmovisões não podem. Esse método não deve ser considerado uma prova para a existência Usemos toda evidência arqueológica que de Deus ou prova da verdade das Escrituras, mas pudermos encontrar. Entremos em grandes uma prova de que a visão não cristã é falsa. Ele detalhes sobre J, E, D e P. Haveremos de mostra que a inteligibilidade somente pode ser discutir a presença de camelos no Egito em mantida ao examinarmos todas as coisas como 2000 a.C. e o hipotético Concílio de Jâmnia. sendo dependentes do Deus das Escrituras, que é 35 Mas nossos argumentos serão totalmente a própria verdade. ad hominem. Devemos mostrar que os princípios que nossos oponentes usam des- Comentando sobre a metodologia apologética es- troem suas próprias conclusões. crituralista de Gordon Clark, Gilbert Weaver escre- ve: O argumento é ad hominem e elêntico. Quando o oponente finalmente é reduzido Um exemplo mais amplo desse tipo de apo- logética é encontrado no livro de Clark, “A34 Jonathan Edwards, The Works of Jonathan Edwards, Vo- Christian View of Men and Things”. Nelelume 24:1, editado por Stephen J. Stein, The “Blank Bible” Clark toma as áreas da história, política, é-(New Haven, Connecticut: Yale University Press, 2006), 575-576.35 36 Suposto concílio do final do primeiro século onde o cânon Nash, editor, The Philosophy of Gordon H. Clark, 451-452;da Bíblia hebraica teria sido finalizado. [N. do T.] reimpresso em Clark and His Critics, 240. 9
  • 10. The Trinity Review / Março-Maio 2011 tica, ciência, religião e epistemologia e mos- opinião. Ao longo da história do pensamento oci- tra em cada uma delas que os principais dental, filósofos como Parmênides, Platão e Aristó- sistemas não cristãos adversários não po- teles têm feito corretamente uma distinção entre dem dar respostas aos problemas básicos ambos. Agostinho e Gordon Clark são apenas dois de sua área de estudo, que eles tendem ao exemplos de filósofos cristãos que fizeram o mes- ceticismo ou à autocontradição e que a mo. 39 Há uma diferença entre aquilo que “conhe- cosmovisão cristã baseada na revelação di- cemos” e aquilo sobre o qual podemos ter opini- vina fornece soluções plausíveis em cada ões. caso. O resultado líquido é que os rivais do cristianismo são solapados em cada área Na cosmovisão escrituralista, conhecimento não é de pensamento, não estando assim em po- apenas ter ideias ou pensamentos; é ter ideias ou sição sólida para lançar um ataque à fé cris- pensamentos verdadeiros. Conhecimento é conhe- tã. 37 cimento da verdade. É uma crença verdadeira justi- ficada. Somente a Palavra de Deus (aquilo que,Dr. Clark usou o argumento a partir da natureza da como diz a Confissão de Westminster [1:6], “ou éverdade de Agostinho para revelar a consistência expressamente declarado na Escritura ou pode serinterna do cristianismo. 38 A verdade, argumenta lógica e claramente deduzido dela”) nos dá esseClark, deve existir; logo o ceticismo é falso. Até conhecimento.mesmo negar a existência da verdade (isto é, dizerque é “verdade” que não existe verdade) é afirmar Opiniões, por outro lado, podem ser verdadeiras ouque a verdade existe e deve existir. Além disso, falsas. Ciência natural é opinião; arqueologia é o-não é possível a verdade ser mutável. O que muda pinião; história (com exceção da história bíblica) épor definição não pode ser verdadeiro. Negar a opinião. Nessas disciplinas não estamos lidandoeternidade da verdade (i.e., dizer que é “verdade” com “fatos”. Não há nelas crença verdadeira justifi-que a verdade não é eterna, ou um dia acabará) cada. “Opinar” algo não é “conhecer” algo. Verda-confirma sua natureza eterna. E como a verdade des justificadas são encontradas somente na Pala-só pode existir na forma de proposições, ela deve vra de Deus.ser mental (i.e., sendo proposicional, só pode exis-tir na mente). Mas, considerando que a mente do O escrituralista começa com a pressuposição quehomem não é eterna e imutável, deve existir uma a Bíblia é a Palavra de Deus; isso é axiomático. Elemente superior à mente do homem que é eterna e então deduz tudo o mais das Escrituras. Como oimutável: a mente de Deus. Como afirmam as Es- homem chega ao conhecimento de Deus e sua cri-crituras, Deus é a própria verdade. E se um ho- ação? Isso só é possível através da autorrevelaçãomem sabe alguma verdade, sabe também algo de de Deus. O conhecimento só é possível porqueDeus. Deus escolheu se revelar ao homem. Esse conhe- cimento não é recebido ou descoberto por sensa-No sistema apologético escrituralista consistente ção ou raciocínio. Todo conhecimento é por natu-há, portanto, duas etapas: em primeiro lugar o apo- reza revelacional e proposicional, e sua fonte élogista deve mostrar ao incrédulo a inconsistência Deus.lógica de sua metodologia. Em segundo, deve a-presentar a consistência interna da cosmovisão Limitações Epistemológicas e a Linguagem dascristã. Uma vez demonstrados esses dois pontos, o Escriturasapologista bíblico deve exortar o incrédulo a repu- O escrituralismo assevera que o homem pode “co-diar seu sistema falso e abraçar os ensinamentos nhecer” a verdade. Mas isso não significa que ele édas Escrituras. 39 Veja W. L. Reese, Dictionary of Philosophy and ReligionConhecimento e Opinião (New Jersey: Humanities Press, 1980), 402; Ronald H. Nash,Uma parte importante da cosmovisão escrituralista The Light of the Mind: St. Augustine’s Theory of Knowledgeé a distinção epistemológica entre conhecimento e (Lexington: Kentucky University Press, 1969); Robert Crouse, “Knowledge”, em Allan D. Fitzgerald, editor, Augustine Through the Ages: An Encyclopedia (Grand Rapids: Eerdmans37 Citado em Nash, editor, The Philosophy of Gordon H. Clark, Publishing Company, 1999), 488; Clark, An Introduction to290; reimpresso em Clark and His Critics, 271. Christian Philosophy, 57-92 (Christian Philosophy, 297-323;38 Clark, A Christian View of Men and Things, 318ss.; Nash, Clark and His Critics, 57-77); e Robbins, “An Introduction toeditor, The Philosophy of Gordon H. Clark, 157-161; reimpres- Gordon H. Clark” [Uma Introdução a Gordon H. Clark], Theso em Clark and His Critics, 128-131. Trinity Review (Julho/Agosto de 1993). 10
  • 11. The Trinity Review / Março-Maio 2011capaz de ter conhecimento exaustivo (Jó 11.7; ponto unívoco de entendimento, não é “a verdade”. 4236.26; Salmos 139.6). Somente Deus tem esseconhecimento (Romanos 11.33-34; 1 Coríntios2.11). Deus é onisciente. Todo o seu conhecimento A revelação especial nos dada nas Escrituras éé intuitivo, ao passo que o conhecimento do ho- proposicional em natureza. O Deus trino das Escri-mem é discursivo. Há limitações no conhecimento turas se revelou ao homem na forma de declara-do homem não só por causa do pecado, mas tam- ções proposicionais. Ele fala ao homem em verda-bém porque ele é criatura. Até mesmo o Adão sem des universais proposicionais. Proposições sãopecado, antes da Queda, jamais poderia ter co- combinações lógicas e compreensíveis de palavrasnhecimento exaustivo. Essa limitação não será re- ― sujeito, verbo, predicado ― que objetivamentemovida nem mesmo no estado final, sem pecado. ensinam algo. Elas são o significado de sentenças indicativas. Proposições são ou verdadeiras ou fal-Não obstante, qualquer conhecimento que o ho- sas. E o que leva uma proposição a ser verdadeiramem tem, posto que deva ser uma verdade que é Deus pensá-la como verdadeira. Ademais, nãoDeus sabe, deve necessariamente ser um conhe- existe algo como uma verdade não proposicional.cimento igual ao conhecimento de Deus. Isso signi- A verdade é uma característica, um atributo, dasfica que devemos rejeitar a visão tomista e vantilia- proposições somente.na da predicação analógica. De acordo com Tomásde Aquino e Cornelius Van Til, todo conhecimento De acordo com o escrituralista, a verdade das Es-que o homem tem de Deus e sua criação é análo- crituras não está “entre” ou “acima” ou “por trás”go. Não há um ponto único de coincidência entre o das palavras ou apenas na mente do intérprete.conhecimento de Deus e o conhecimento do ho- Nem tampouco são as palavras secretamente sim-mem. 40 bólicas ou metafóricas, sugerindo alguma verdade “superior”. Pelo contrário, a verdade de Deus resi-O escrituralista não nega que há uma diferença de na organização e no significado lógicos das pa-quantitativa entre o que Deus sabe e o que o ho- lavras das próprias Escrituras. 43 Sua verdade vemmem sabe. Há uma vasta diferença no grau de co- através do nosso entendimento dessas proposi-nhecimento (Salmos 139.6). Mas não há nenhuma ções de acordo com as regras de gramática e lógi-diferença no conhecimento em si. Há um ponto de ca. Assim, a Bíblia não contém paradoxos lógicos.contato entre o que Deus sabe e o que o homem Obviamente essas declarações proposicionais nãosabe; há um ponto unívoco onde o conhecimento podem ensinar duas ou mais “verdades” contráriasde Deus encontra o conhecimento do homem. ou contraditórias ao mesmo tempo (como na neo-Gordon Clark escreve que “se nossas mentes e a ortodoxia e no neoliberalismo). Elas ensinam umamente de Deus não tivessem algum conteúdo uní- verdade de cada vez, e esta única verdade podevoco, não saberíamos nada. Se Deus tem toda a ter várias aplicações ou implicações lógicas. Issoverdade, não podemos conhecer qualquer verdade também se relaciona com os eventos da história ea não ser a conhecida por Deus”. 41 A diferença seus significados. Isto é, a Bíblia não só nos ensinaentre o conhecimento de Deus e o conhecimento que certos eventos ocorreram na história, comodo homem é de grau. Deus sabe mais e sempre também nos diz o significado desses eventos. Asaberá mais que qualquer criatura. Se tudo o que interpretação do evento não é deixada para a sub-temos é uma analogia da verdade, não temos a jetividade da interpretação pessoal. As Escriturasverdade. Uma mera analogia da verdade, sem um nos dão o evento e o significado na forma de pro- posições. Como mencionado acima, a Bíblia diz que Jesus40 Thomas Aquinas, Summa Contra Gentiles, XXXII-XXXIV. Cristo é a lógica (Logos) de Deus (João 1.1); ele éCornelius Van Til defendia uma visão similar a de Aquino. Em a Razão, a Sabedoria e a Verdade encarnadas (1sua “Introdução” ao livro de B. B. Warfield, The Inspiration andAuthority of the Bible, editado por Samuel G. Craig (Phillips- 42burg, New Jersey: Presbyterian and Reformed Publishing Clark, God’s Hammer, 30-34, 38, 71. 43Company, 1948), por exemplo, Van Til escreve que é por cau- Evidentemente é verdade que nem todas as declaraçõessa da natureza analógica da revelação escriturística que o das Escrituras estão na forma de proposições. Algumas, porconhecimento do homem “em nenhum ponto é idêntico ao exemplo, são mandamentos, e outras, declarações de louvor aconteúdo da mente de Deus”. Deus. Mas mesmo estas podem ser tornadas proposicionais41 Gordon H. Clark, The Pastoral Epistles (Jefferson, Maryland: ao se colocá-las em uma sentença maior, por exemplo: “DeusThe Trinity Foundation, 1983), 119. ordena isso e aquilo” e “Deus é digno de louvor”. 11
  • 12. The Trinity Review / Março-Maio 2011Coríntios 1.24, 30; Colossenses 2.3; João 14.6). Asleis da lógica não foram criadas por Deus ou pelohomem; elas são a maneira de Deus pensar. E vis-to que as Escrituras são parte da mente de Deus (1Coríntios 2.16), elas são pensamentos lógicos deDeus. A Bíblia expressa a mente de Deus de umaforma logicamente coerente para a humanidade.ConclusãoO escrituralismo é uma cosmovisão cristã. É a úni-ca cosmovisão consistente ensinada na própriaPalavra de Deus. O escrituralismo sustenta que aBíblia, a Palavra de Deus inspirada, infalível e iner-rante, é fundacional na totalidade da conduta filo-sófica e teológica de uma pessoa. As Escriturasjulgam todas as coisas, e não podem ser julgadaspor nenhuma pessoa ou coisa. A Bíblia deve serconsiderada o ponto de partida axiomático do cris-tão. Ela é o princípio primeiro indemonstrável, oaxioma a partir do qual tudo é deduzido. Todo equalquer sistema de crença deve partir de premis-sas indemonstráveis. Se estas premissas podemser provadas, não são princípios primeiros. Por is-so, o cristianismo parte das Escrituras e sua reivin-dicação autoautenticável de inspiração.Citando mais uma vez a Confissão de Fé deWestminster (1:6): Todo o conselho de Deus concernente a todas as coisas necessárias para a glória dele e para a salvação, fé e vida do ho- mem, ou é expressamente declarado na Escritura ou pode ser lógica e claramente deduzido dela. À Escritura nada se acres- centará em tempo algum, nem por novas revelações do Espírito, nem por tradições dos homens.Soli Deo Gloria Traduzido por Marcelo Herberts 12