• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
As dificuldades para implantação de plantas de energia a partir de resíduos sólidos urbanos
 

As dificuldades para implantação de plantas de energia a partir de resíduos sólidos urbanos

on

  • 408 views

 

Statistics

Views

Total Views
408
Views on SlideShare
384
Embed Views
24

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

1 Embed 24

http://www.alerj.rj.gov.br 24

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    As dificuldades para implantação de plantas de energia a partir de resíduos sólidos urbanos As dificuldades para implantação de plantas de energia a partir de resíduos sólidos urbanos Presentation Transcript

    • AS DIFICULDADES PARAAS DIFICULDADES PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANTASIMPLANTAÇÃO DE PLANTAS DE ENERGIA A PARTIR DEDE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOSRESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS
    • Lixo – Problema Social e AmbientalLixo – Problema Social e Ambiental
    • A DESTINAÇÃO DEA DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS:RESÍDUOS: AS ALTERNATIVAS E OS PROBLEMASAS ALTERNATIVAS E OS PROBLEMAS ASSOCIADOSASSOCIADOS A ESCADA DE LANSINK (1979) – revisãoA ESCADA DE LANSINK (1979) – revisão 2012:2012: - EVITAR GERAR O LIXOEVITAR GERAR O LIXO - REUSARREUSAR - RECICLARRECICLAR - COMPOSTAGEMCOMPOSTAGEM - QUEIMA COM PRODUÇÃO DEQUEIMA COM PRODUÇÃO DE ENERGIAENERGIA - INCINERAÇÃOINCINERAÇÃO - ATERROSATERROS
    • ALTERNATIVA 1: OS ATERROSALTERNATIVA 1: OS ATERROS - LIXÕESLIXÕES - ATERROS CONTROLADOSATERROS CONTROLADOS - ATERROS SANITÁRIOSATERROS SANITÁRIOS
    • ATERROSATERROS LIXÕESLIXÕES ATERROSATERROS CONTROLADOSCONTROLADOS ATERROS SANITÁRIOSATERROS SANITÁRIOS
    • RESUMO DO LIXO NORESUMO DO LIXO NO BRASILBRASIL Média de 1,1Média de 1,1 kg/dia/habitantekg/dia/habitante SEGUNDO DADOS DO SITESEGUNDO DADOS DO SITE rasil.gov.br/sobre/meio-rasil.gov.br/sobre/meio- ambiente/gestao-do-lixoambiente/gestao-do-lixo 27,7% vai para aterros sanitários27,7% vai para aterros sanitários 22,5% vai para aterros controlados22,5% vai para aterros controlados 49,8% vai para lixões49,8% vai para lixões Segundo PNRS (Política Nacional deSegundo PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos) até 2014 todo o lixoResíduos Sólidos) até 2014 todo o lixo deverá ir para aterros sanitáriosdeverá ir para aterros sanitários Em resumo, no Brasil mais da metade do lixoEm resumo, no Brasil mais da metade do lixo ainda é depositado de forma inadequadaainda é depositado de forma inadequada
    • ASPECTOS SOCIAIS EASPECTOS SOCIAIS E AMBIENTAISAMBIENTAIS
    • • Em aterros e/ou lixões são liberadas imensas quantidades Metano e Compostos Orgânicos Voláteis altamente poluentes (*) • Estes gases quando queimados sem controle formam dioxinas e furanos (**) • A decomposição do lixo também gera o chorume, altamente nocivo ao solo e aquíferos * Tais como: Tolueno, Diclorometano, Etilbenzeno, Acetona, Acetato de Vinil, Tetracloroetileno, Clorato de Vinil, Metil-Etil- Ketone, Xileno, Dicloroetileno, Tricloroetileno, Benzeno ** Somente 40 a 60% do metano é queimado pois o restante permeia no solo e vai para meio ambiente Impactos do lixo no meioImpactos do lixo no meio ambienteambiente
    • • Os principais causadores do Aquecimento Global são dióxido de carbono (CO2 ) e metano (CH4 ) • O Metano gerado em aterros é 21 vezes mais efetivo em reter o calor solar do que o CO2 (aumentando o efeito estufa). • Os efeitos radiantes (energia térmica) derivados de aterros sem controle são 115 vezes maiores do que em uma planta de WTE* (ref. Air and Waste Management Association). * Waste to Energy Impactos do lixo no meioImpactos do lixo no meio ambienteambiente Impactos sobre o Aquecimento Global: Camada de contenção de chorume
    • •"First, even the best liner and leachate collection system will ultimately fail due to natural deterioration, and recent improvements in MSWLF containment technologies suggest that releases may be delayed by many decades at some landfills. For this reason, the Agency is concerned that while corrective action may have already been triggered at many facilities, 30 years may be insufficient to detect releases at other landfills. Source: US EPA Federal Register, Aug 30, 1988, Vol.53, No.168,  •"Em primeiro lugar, mesmo o melhor sistema de contenção e coleta de chorume, var falhar devido à deterioração natural, e as recentes melhorias em tecnologias de contenção de MSWLF sugerem que estes vazamentos podem ser adiados por décadas em alguns aterros sanitários. Por este motivo, a Agência está preocupada que, mesmo que ações corretivas podem já ter sido desencadeada em muitas instalações, 30 anos pode ser insuficiente para detectar lançamentos em outros aterros. "Fonte: EUA EPA Registro Federal, 30 de agosto de 1988, vol.53, No.168. Mais informações em http://www.zerowasteamerica.org/landfills.htm Melhor solução: NÃO TERMelhor solução: NÃO TER ATERROSATERROS Aterros Sanitários: as chances de vazamentos de chorume
    • ALTERNATIVA 2: A GERAÇÃOALTERNATIVA 2: A GERAÇÃO DE ENERGIADE ENERGIA - POR BIOGÁSPOR BIOGÁS - POR QUEIMA DIRETAPOR QUEIMA DIRETA
    • PLANTAS NO MUNDOPLANTAS NO MUNDO País Unidades Geração EUA 87 2,500 MW Alemanha 58 930 MW Outras (Europa) 103 1,100 MW Japão 173 750 MW França 123 89 MW Suiça 29 210 MW Suécia 21 220 MW Dinamarca 31 230 MW Reino Unido 15 225 MW Total 640 6,254 MW
    • PLANTAS NOS ESTADOS UNIDOSPLANTAS NOS ESTADOS UNIDOS Ref. Columbia University  WASTE MAP base 2004 http://www.epa.gov/wastes/nonhaz/municipal/wte/plants.htm MëDIA = 3,5 kg/hab/dia
    • PLANTAS NA EUROPAPLANTAS NA EUROPA Ref. Global Energy Network Institute 409 Plantas – base 2003
    • ENERGIA A PARTIR DO GÁS DEENERGIA A PARTIR DO GÁS DE LIXOLIXO
    •  Necessidades de grandes áreas de terra, distantes de fontes de água com solo com baixa permeabilidade  Somente aplicável à aterros maduros (mínimo de 5 anos) Preparação adequada do terreno com alto custo Alto custo operacional (quando adequadamente operado) Necessidade de manutenção após desativação Alto custo recuperação área após inertização Em resumo = aplicável a aterros maduros ENERGIA A PARTIR DO GÁS DEENERGIA A PARTIR DO GÁS DE LIXOLIXO
    • ENERGIA PELA QUEIMA DO LIXOENERGIA PELA QUEIMA DO LIXO EXEMPLOS:EXEMPLOS: MIAMI DADE (USA)MIAMI DADE (USA) BRESCIA (ITÁLIA)BRESCIA (ITÁLIA) ESTADOSESTADOS UNIDOSUNIDOS ITÁLIAITÁLIA
    • ENERGIA PELA QUEIMA DO LIXOENERGIA PELA QUEIMA DO LIXO Reciclaveis Emissões Limpas Vapor Eletricidade Água Gelada Separação do Lixo Cogeração ou Geração Tratamento de Gases Tratamento de Efluentes Líquidos Caldeira Cinzas
    • ENERGIA PELA QUEIMA DO LIXOENERGIA PELA QUEIMA DO LIXO
    • 90% de redução do volume de residuos CINZAS INERTES ENERGIA PELA QUEIMA DO LIXOENERGIA PELA QUEIMA DO LIXO
    • AS DIFICULDADES IMPOSTASAS DIFICULDADES IMPOSTAS ÀÀ SOLUÇÃO WTESOLUÇÃO WTE
    • • A propriedade do lixo após ser depositado em aterros é da prefeitura local, que nem sempre se interessa por uma solução que altere a situação vigente • Os investimentos em plantas de WTE são grandes e o prazo de pay-back é longo (ao redor de 7 anos ou mais) • Para ter contratos de prazos maiores do que 4 anos, a aprovação das assembleias municipais é requerida, o que nem sempre é possível de ser conseguida • O sistema jurídico torna fácil a contestação da validade de uma concorrência publica de uma concessão do uso do lixo por prazos mais longos AS DIFICULDADES POLÍTICASAS DIFICULDADES POLÍTICAS
    • • Não existem linhas de financiamento específicas para este tipo de sistemas (nem para cogeração qualificada) • As garantias exigidas para financiamentos nas condições normais disponíveis são elevadíssimas, impossibilitando o acesso de empresas de médio porte • Um fundo de aval já foi discutido com o BNDES e nada foi conseguido. • Não existem incentivos fiscais ou tributários • Não existem restrições ao não cumprimento do PNRS pelas prefeituras AS DIFICULDADES FINANCEIRASAS DIFICULDADES FINANCEIRAS