Por que os cronogramas furam?
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Por que os cronogramas furam?

on

  • 1,800 views

Principais fontes de atraso em cronogramas e algumas recomendações para minimizá-las.

Principais fontes de atraso em cronogramas e algumas recomendações para minimizá-las.

Statistics

Views

Total Views
1,800
Views on SlideShare
1,800
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
49
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Por que os cronogramas furam? Por que os cronogramas furam? Presentation Transcript

  • Por Que os Cronogramas Furam? Engº Aldo Dórea Mattos, MSc, PMP ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • A Pesquisa
      • Pesquisa do PMI College of Scheduling (2004)
        • “ Quais as causas mais freqüentes de frustração de cronogramas?”
        • Gerentes de projeto e planejadores (de construtoras)
        • Resultado: 30 causas, listadas em ordem de importância
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • A Pesquisa
      • Causas principais
        • Desconsideração de recursos
        • Ausência de contingências de tempo
        • Estrutura de planejamento inadequada
        • Cronograma não é instrumento de trabalho diário
        • Relatórios inapropriados
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Causa I: Desconsideração de recursos
        • Toda atividade do cronograma deve ter:
          • Duração
          • Predecessora(s)
          • Recursos
      • Recursos
          • Mão-de-obra
          • Material
          • Equipamento
          • Um recurso pode ser a principal restrição do projeto!
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Causa I: Desconsideração de recursos ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Nivelamento de recursos (I) ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Nivelamento de recursos (II) ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Causa II: Ausência de contingências de tempo
    • Contingência
        • Buffer (“pulmão”) de tempo acrescentado a um grupo de atividades a fim de acomodar possíveis frustrações em sua duração
      • Razões:
        • Durações dependem de estimativas
        • Condições imprevistas (known unknowns)
        • Riscos (unknown unknowns)
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Causa II: Ausência de contingências de tempo ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Causa II: Ausência de contingências de tempo
      • Modalidades de contingência
        • Project buffer
        • Feeding buffer
        • Resource buffer
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Causa III: Estrutura de planejamento inadequada
    • Estrutura Analítica do Projeto (EAP)
        • Decomposição lógica e racional do trabalho
        • Organiza e define o escopo
        • Cria pacotes de trabalho
          • Responsáveis
          • Duração
          • Estimativa de custo
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • EAP como processo mental ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • EAP como base para o cronograma ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • EAP como base para o cronograma ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Causa IV: Cronograma não é instrumento de trabalho
        • Prática nociva: planejamento “porque o Cliente exige”
        • Cronograma é a materialização do planejamento
      • Cronograma serve para
          • Mostrar a seqüência das atividades
          • Mostrar a duração das atividades
          • Atribuir responsáveis
          • Detectar desvios e prever conflitos
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Causa IV: Cronograma não é instrumento de trabalho
        • Cronograma deve ser o MAIS importante instrumento de gestão diária do projeto
        • 90% do tempo do GP = comunicação!
        • Gestão diária por cronograma preza a imparcialidade e a objetividade
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Causa V: Relatórios inapropriados
        • Dados ≠ informação
        • Cronograma deve ser distribuído a toda a equipe
        • Status de cada atividade
        • Detecção das causas de atraso (or adiantamento)
        • Permite ao GP manter os stakeholders informados
        • Documentação e rastreabilidade
        • Técnica PPC
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Causa V: Relatórios inapropriados
      • Técnica PPC = Percentual da Programação Concluída
        • Programação prévia
        • Previsto x Realizado
        • Tabulação das causas ►Diagrama de Pareto
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Causa V: Relatórios inapropriados
      • Técnica PPC = Percentual da Programação Concluída
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
      • Técnica PPC – Desempenho por equipe
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
      • Técnica PPC – Causas de atraso
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Conclusões
        • Planejamento deve ser válido , lógico e exeqüível
        • Definir (e aprovar) o escopo é passo fundamental
        • Contingências de tempo aumentam a segurança do projeto
        • Cronograma deve ser monitorado através de relatórios e atualizações periódicas
    • Failing to plan… is planning to fail!
    ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  • Obrigado! [email_address] “ Não há nada mais prático do que uma boa teoria” ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.