Por Que os Cronogramas Furam? Engº Aldo Dórea Mattos, MSc, PMP ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
A Pesquisa <ul><ul><li>Pesquisa do PMI College of Scheduling (2004) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ Quais as causas mais ...
A Pesquisa <ul><ul><li>Causas principais </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Desconsideração de recursos </li></ul></ul></ul><u...
Causa I: Desconsideração de recursos <ul><ul><ul><li>Toda atividade do cronograma deve ter: </li></ul></ul></ul><ul><ul><u...
Causa I: Desconsideração de recursos ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
Nivelamento de recursos (I) ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
Nivelamento de recursos (II) ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
Causa II: Ausência de contingências de tempo <ul><li>Contingência </li></ul><ul><ul><ul><li>Buffer  (“pulmão”) de tempo ac...
Causa II: Ausência de contingências de tempo ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
Causa II: Ausência de contingências de tempo <ul><ul><li>Modalidades de contingência </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Projec...
Causa III: Estrutura de planejamento inadequada <ul><li>Estrutura Analítica do Projeto (EAP) </li></ul><ul><ul><ul><li>Dec...
©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
EAP como processo mental ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
EAP como base para o cronograma ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
EAP como base para o cronograma ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
Causa IV: Cronograma não é instrumento de trabalho <ul><ul><ul><li>Prática nociva: planejamento “porque o Cliente exige” <...
Causa IV: Cronograma não é instrumento de trabalho <ul><ul><ul><li>Cronograma deve ser o MAIS importante instrumento de ge...
Causa V: Relatórios inapropriados <ul><ul><ul><li>Dados ≠ informação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cronograma deve s...
Causa V: Relatórios inapropriados <ul><ul><li>Técnica PPC = Percentual da Programação Concluída </li></ul></ul><ul><ul><ul...
Causa V: Relatórios inapropriados <ul><ul><li>Técnica PPC = Percentual da Programação Concluída </li></ul></ul>©2008 Aldo ...
<ul><ul><li>Técnica PPC – Desempenho por equipe </li></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
<ul><ul><li>Técnica PPC – Causas de atraso </li></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
Conclusões <ul><ul><ul><li>Planejamento deve ser  válido ,  lógico  e  exeqüível </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Defin...
Obrigado! [email_address] “ Não há nada mais prático do que uma boa teoria” ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reser...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Por que os cronogramas furam?

1,709 views
1,598 views

Published on

Principais fontes de atraso em cronogramas e algumas recomendações para minimizá-las.

Published in: Business
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,709
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
60
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Por que os cronogramas furam?

  1. 1. Por Que os Cronogramas Furam? Engº Aldo Dórea Mattos, MSc, PMP ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  2. 2. A Pesquisa <ul><ul><li>Pesquisa do PMI College of Scheduling (2004) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ Quais as causas mais freqüentes de frustração de cronogramas?” </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Gerentes de projeto e planejadores (de construtoras) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Resultado: 30 causas, listadas em ordem de importância </li></ul></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  3. 3. A Pesquisa <ul><ul><li>Causas principais </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Desconsideração de recursos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ausência de contingências de tempo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Estrutura de planejamento inadequada </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cronograma não é instrumento de trabalho diário </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Relatórios inapropriados </li></ul></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  4. 4. Causa I: Desconsideração de recursos <ul><ul><ul><li>Toda atividade do cronograma deve ter: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Duração </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Predecessora(s) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Recursos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Recursos </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Mão-de-obra </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Material </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Equipamento </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Um recurso pode ser a principal restrição do projeto! </li></ul></ul></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  5. 5. Causa I: Desconsideração de recursos ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  6. 6. Nivelamento de recursos (I) ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  7. 7. Nivelamento de recursos (II) ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  8. 8. Causa II: Ausência de contingências de tempo <ul><li>Contingência </li></ul><ul><ul><ul><li>Buffer (“pulmão”) de tempo acrescentado a um grupo de atividades a fim de acomodar possíveis frustrações em sua duração </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Razões: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Durações dependem de estimativas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Condições imprevistas (known unknowns) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Riscos (unknown unknowns) </li></ul></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  9. 9. Causa II: Ausência de contingências de tempo ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  10. 10. Causa II: Ausência de contingências de tempo <ul><ul><li>Modalidades de contingência </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Project buffer </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Feeding buffer </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Resource buffer </li></ul></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  11. 11. Causa III: Estrutura de planejamento inadequada <ul><li>Estrutura Analítica do Projeto (EAP) </li></ul><ul><ul><ul><li>Decomposição lógica e racional do trabalho </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Organiza e define o escopo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cria pacotes de trabalho </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Responsáveis </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Duração </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Estimativa de custo </li></ul></ul></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  12. 12. ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  13. 13. EAP como processo mental ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  14. 14. EAP como base para o cronograma ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  15. 15. EAP como base para o cronograma ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  16. 16. Causa IV: Cronograma não é instrumento de trabalho <ul><ul><ul><li>Prática nociva: planejamento “porque o Cliente exige” </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cronograma é a materialização do planejamento </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Cronograma serve para </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Mostrar a seqüência das atividades </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Mostrar a duração das atividades </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Atribuir responsáveis </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Detectar desvios e prever conflitos </li></ul></ul></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  17. 17. Causa IV: Cronograma não é instrumento de trabalho <ul><ul><ul><li>Cronograma deve ser o MAIS importante instrumento de gestão diária do projeto </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>90% do tempo do GP = comunicação! </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Gestão diária por cronograma preza a imparcialidade e a objetividade </li></ul></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  18. 18. Causa V: Relatórios inapropriados <ul><ul><ul><li>Dados ≠ informação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cronograma deve ser distribuído a toda a equipe </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Status de cada atividade </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Detecção das causas de atraso (or adiantamento) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Permite ao GP manter os stakeholders informados </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Documentação e rastreabilidade </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Técnica PPC </li></ul></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  19. 19. Causa V: Relatórios inapropriados <ul><ul><li>Técnica PPC = Percentual da Programação Concluída </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Programação prévia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Previsto x Realizado </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tabulação das causas ►Diagrama de Pareto </li></ul></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  20. 20. Causa V: Relatórios inapropriados <ul><ul><li>Técnica PPC = Percentual da Programação Concluída </li></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  21. 21. <ul><ul><li>Técnica PPC – Desempenho por equipe </li></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  22. 22. <ul><ul><li>Técnica PPC – Causas de atraso </li></ul></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  23. 23. Conclusões <ul><ul><ul><li>Planejamento deve ser válido , lógico e exeqüível </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Definir (e aprovar) o escopo é passo fundamental </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Contingências de tempo aumentam a segurança do projeto </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cronograma deve ser monitorado através de relatórios e atualizações periódicas </li></ul></ul></ul><ul><li>Failing to plan… is planning to fail! </li></ul>©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.
  24. 24. Obrigado! [email_address] “ Não há nada mais prático do que uma boa teoria” ©2008 Aldo Mattos Consulting. All Rights Reserved.

×