Do mito à ciência

  • 7,431 views
Uploaded on

Resumo das aulas do 2º Bimestre. 2º Ano. Filosofia

Resumo das aulas do 2º Bimestre. 2º Ano. Filosofia

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
7,431
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
109
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Visões de mundo através da história
  • 2. A partir do século VII a.C., os primeiros filósofosgregos - conhecidos como pré-socráticos -iniciaram um processo de ruptura com asexplicações míticas e antropomórficas douniverso. Dedicaram-se a investigar diretamenteo mundo físico, a natureza (que se diz physís,em grego), e a construir uma cosmologia, ouseja, uma explicação sobre a origem, formação eprincipais características do cosmos. Nada - oubem pouco - de deuses ou histórias familiares. Anova tendência era buscar argumentos baseadosna observação do mundo natural e no uso darazão para formar um sistema coerente de
  • 3. No século IV a.C., período clássico da filosofia grega,Platão procurou explicar a realidade concebendo aexistência de dois mundos separados: o mundo sensível(correspondente à matéria), que é temporário e ilusório, eo mundo inteligível (correspondente às ideias), que éeterno e verdadeiro. Uma terceira realidade, no entanto,teria operado na formação do universo: o demiurgo, umaespécie de "grande construtor", que buscouas ideias eternas, situadas no mundo inteligível, paradarforma à matéria, que estava ainda indeterminada.Aristóteles, por sua vez, afirmou que em todas as coisashaveria dois princípios inseparáveis: a matéria (princípioindeterminado, mas determinável pela forma) eaforma (princípio determinado e determinante em relaçãoà matéria). Com relação à origem do universo, o filósofoentendia que o mundo é eterno, mas que um primeiromotor o colocou em movimento, por sua força deatração.
  • 4. Aristóteles também concebeu um modelo de universoextremamente organizado e racional (cosmos, comovimos antes) no qual a Terra tinha um lugarprivilegiado, o centro (geocentrismo),embora fosse também o de menor perfeição (concepçãoplatônica, o mundo corruptível da matéria).De acordo com esse modelo, o universo seria finitoespacialmente e composto de diversas esferasconcêntricas. A menor seria a da Terra; a maior, adas estrelasfixas. A esfera correspondente à Luadividiria o espaço em duas regiões, com qualidadestotalmente distintas: a região terrestre (mundosublunar), mutável e imperfeita, e a região celeste(mundo supralunar), imutável e perfeita, ondehabitariam os deuses.
  • 5. Sistema geocêntrico desenhado por Claudio Ptolomeu(c. séculos I - II d.C.), astrônomo e matemático grego, seguindo omodelo de universo descrito por Aristóteles. A Terra estaria imóvelao centro, enquanto os outros astros girariam ao seu redor. Ogeocentrismo predominou na astronomia da Grécia antiga e daEuropa medieval, embora já existissem vozes discordantes quedefendessem a tese heliocêntrica desde a Antiguidade.
  • 6. A partir do século XV iniciou-se uma série de transformaçõesnas sociedades europeias (políticas, econômicas, sociais),comumente relacionadas com a construção de uma novamentalidade, isto é, uma nova maneira de entender ascoisas. No plano cultural, o movimento que acompanhou,expressou e sustentou essas mudanças ficou conhecidocomo Renascimento (séculos XV e XVI). Foi também nessecontexto que se assentaram os fundamentos da chamadaciência moderna.Filósofos e cientistas de então construíram novas teorias quenão apenas modificaram sistemas antigos de explicação danatureza e do real, como também destruíram um mundo,substituindo-o por outro. Essas teorias forçaram,progressivamente, uma reforma na estrutura do pensamento,uma mudança na maneira de entender as coisas, da qualsomos herdeiros. Foi, enfim, uma verdadeira "revoluçãoespiritual" (cf. KOYRÉ, Estudos de história do pensamentocientífico, p. 154-155).
  • 7. Matematização da natureza.Paralelamente, os pensadores modernosdesenvolveram uma visão da natureza baseada nageometrização do espaço e na matematização dosfenômenos naturais. Essa expressão deve-se aofato de que os cientistas foram abandonando aabordagem tradicional, fundada no estudo dasqualidades dos corpos e de suas causas (orientaçãoaristotélica), e passaram a observar maisatentamente as regularidades entre as propriedadesdos corpos ou fenômenos, adotando o viésquantitativo. O espaço passou a serhomogêneo. Por exemplo, o movimento começou aser pensado em termos das relações espaço-tempo(velocidade) e impulso-duração (aceleração),expressas em linguagem geométrica oumatemática.
  • 8. Mecanicismo.Com Isaac Newton (1642-1727) floresceuplenamente a revolução do pensamento nocampo da investigação da natureza, aliando-sede maneira definitiva a matematização danatureza à experimentação. O mundo passou aser visto como uma grande máquina cujaspartes poderiam ser conhecidas por meio daobservação, da elaboração de hipóteses e darealização de experiências para confirmá-las.
  • 9. Monismo - doutrina que considera que tudo o que existe pode serreduzido (convertido, simplificado) a um princípio único ou realidadefundamental (a palavra monismo deriva do grego monos, quesignifica "único, isolado"). Por exemplo: a matéria (monismomaterialista), mente ou o espírito (monismo idealista ou espiritualista)ou qualquer outra entidade. As explicações monistas tendem acompor grandes sistemas, em que todas as esferas da existênciaestariam interligadas pelo princípio fundamental;Dualismo - doutrina que defende a existência de dois princípiosprimeiros (ou substâncias fundamentais) no universo, irredutíveisentre si (isto é, um não pode ser convertido ou fundamentado nooutro). Existem vários tipos de dualismo, conforme veremos adiante,mas geralmente o termo refere-se à contraposição mente-corpo,espírito-matéria;Pluralismo - doutrina que concebe o universo composto de umamultiplicidade de entidades ou substâncias individuais eindependentes, opondo-se principalmente à ideia de realidadefundamental única do monismo. As explicações pluralistas tendem acompor cenários mais abertos, incompletos ou indeterminados darealidade.