Relatório de Atividades - 2010
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
2,685
On Slideshare
2,685
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
8
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010Crédito: Tadeu Mafra
  • 2. Aldeias Infantis SOS Brasil é uma Associação Civil de direitoprivado, regulada pelas normas do Novo Código Civil, sem fins lucrativos ou econômicos, exclusivamente de finalidadesfilantrópica e cultural, inscrita no CNPJ sob o nº 35.797.364/0001-29, com sede no Escritório Nacional, à Rua José Antonio Coelho, 400 - Vila Mariana, no Município de São Paulo, Estado de SãoPaulo, República Federativa do Brasil e afiliada à Federação SOS Kinderdorf International. Como membro desta Federação, desfrutamos dos princípios, valores e experiências que a Organização vem acumulando em todo o mundo desde 1949. Estamos comprometidos com os estandares profissionais de responsabilidade e transparência. Somos reconhecidos pelasociedade e órgãos públicos como uma parte integral e ativa da sociedade civil brasileira.
  • 3. ÍNDICE 4 MENSAGEM DO PRESIDENTE: AGINDO COM TODAS AS FORÇAS 5 MENSAGEM DA GESTORA NACIONAL: MUDANÇA DE PARADIGMA 7 SOBRE A ORGANIZAÇÃO 9 CONTEXTO SOCIOPOLÍTICO12 PLANOS ESTRATÉGICOS15 ÁREAS DE ATUAÇÃO16 ACOLHIMENTO18 FORTALECIMENTO FAMILIAR E COMUNITÁRIO20 APOIO HUMANITÁRIO22 ADVOCACY23 ASSOCIAÇÃO NACIONAL24 DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS27 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO29 DESENVOLVIMENTO HUMANO E ORGANIZACIONAL31 OPERAÇÕES34 MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS38 SUSTENTABILIDADE41 PRÊMIO HERMANN GMEINER43 ACONTECEU EM 201049 DADOS E RELATOS55 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS78 CONSELHO NOSSO CONSELHO Redação Yara Maria Lanfredi de Andrade Fábio José Garcia Paes Fernanda Volner Revisão Márcia Bertoletti Edição e Jornalista Responsável Débora Moura – MTB 52.987 Projeto Gráfico R2Tura
  • 4. AGINDO COM TODAS AS FORÇAS Mensagem do Presidente Após 43 anos, temos consciência da força desta Organização e de nossa capacidade de impactar positivamente na vida de milhares de crianças, jovens e adolescentes em situação de risco. Trabalhamos na prevenção do abandono e na garantia dos direitos da criança através do Fortalecimento Familiar e Comunitário. Porém, quando por qualquer razão, uma criança se encontra sem a possibilidade de ter a proteção e cuidados da sua família, temos também a capacidade de acolher esta criança, com seus irmãos, em uma casa-lar sob os cuidados de uma mãe-social colaboradora. Temos o compromisso de fazer tudo humanamente possível em prol das crianças em situação de risco. Após um longo período de maturação, estamos iniciando um novo ciclo de crescimento, sustentado por convênios com o poder público, patrocínios e parcerias com o setor privado, alianças com outras organizações, além das doações de muitos Amigos SOS em todo o Brasil.MENSAGEM DO PRESIDENTE Temos urgência e muito a fazer. A Aldeias Infantis SOS tem a missão de ajudar desenvolver novos convênios e parcerias, garantindo crianças, jovens e famílias a construir o seu próprio a s s i m u m c i c l o v i rt u o s o d e i m p a c t o e a futuro, participando ativamente no desenvolvimento sustentabilidade. Além disso, temos que fortalecer a de suas comunidades. Em 2010, assumimos um meta marca Aldeias Infantis SOS e atrair novos Amigos audaciosa: saltar das atuais 9.806 crianças SOS. participantes dos nossos programas para 40 mil até 2016. Em nossa atividade de Acolhimento de crianças e PLANO DE EXPANSÃO - No começo de 2010, o jovens em situação de risco, ou que se encontram sem Conselho Diretor solicitou e aprovou o Plano de o cuidado de uma família por qualquer razão, Expansão 2011-2013 em direção a uma presença queremos partir das atuais 1.470 crianças e jovens, nacional, o que possibilitou nos tornarmos uma representando 2-3% para 10% em território nacional. Organização parceira preferencial do poder público na definição e prática das políticas públicas na área de No final de 2010, contamos com 563 profissionais proteção e preservação dos direitos das crianças e (incluindo 239 mães-sociais), qualificados e alinhados jovens. Para garantir o êxito desse Plano de Expansão, em 17 núcleos em todo Brasil. Operamos com políticas designamos um líder e segregamos recursos e processos definidos, uma gestão profissional e suficientes para implementarmos cinco programas em governança atual. Porém, estamos cientes que cinco estados nordestinos, onde não tínhamos precisaremos estimular ainda mais o nosso senso de presença. urgência e espírito empreendedor, além de aprimorar a nossa habilidade de recrutar, capacitar e integrar PLANO DE REESTRUTURAÇÃO - Paralelamente, novos colaboradores e líderes para gerir e adaptar as designamos um líder para reestruturar os programas novas iniciativas às necessidades locais. que precisavam ser redimensionados e redirecionados dentro do conceito de One Program - Programa Único. O maior desafio desta administração, que tomou Este programa une as atividades de Acolhimento e de posse em março de 2010, é o de direcionar e apoiar Fortalecimento Familiar e Comunitário na prevenção do essa transformação, preservando os valores e legado abandono, resultando em uma visão integrada para construídos até hoje e, ao mesmo tempo, estimular a maximizar o impacto social dos nossos programas e criatividade dos gestores para renovar, inovar e ações.
  • 5. PILARES DE SUSTENTAÇÃO - Para assegurar esta visão e que recursos oriundos do exterior, como acontecia nossas conquistas sejam sustentáveis, focaremos os anteriormente. Portanto, precisamos de parcerias, seguintes pilares: patrocínios, convênios e alianças para gerar recursos de fontes locais e novas sinergias. No setor público, já se 1) Pessoas alinhadas a uma Organização forte – Recrutar, destacam os municípios de Campinas, Recife e São Paulo reter, capacitar e estimular pessoas empreendedoras, capazes capital, que nos escolheram para assumir a gestão de seus de mobilizar a nossa Organização, bem como as lideranças da programas de Acolhimento com o modelo de casa-lar. sociedade civil na qual atuamos, fortalecendo a marca e o Adicionalmente, celebramos a parceria com o município de impacto social da Aldeias Infantis SOS. Rio Preto da Eva, no estado do Amazonas, apoiado pela Petrobras. Já o programa de expansão de 2011-2013, que 2)Liderança nos direitos da criança – Esta iniciativa inclui cinco novos programas, contou com generosas denominada Advocacy, defende a disseminação da contribuições de pessoas físicas e jurídicas, em particular, Convenção dos Direitos da Criança adotada há 21 anos pela da decorrente doação do falecido Ferdinand Burger, que ONU e do Plano Nacional da Convivência Familiar e financia uma parte relevante desse primeiro ciclo de Comunitária. Enfatizamos primeiramente que todos os expansão. esforços serão feitos para fortalecer famílias vulneráveis com o objetivo de manter a criança com a sua família. Apenas AÇÕES HUMANITÁRIAS - Em 2010, iniciamos uma nova quando esses esforços não forem bem sucedidos ou área de atuação: a gestão de Ações Humanitárias. Abrimos possíveis, é que a criança passará a cuidados alternativos, este capítulo quando enviamos nossos profissionais para entre os quais encontra-se o modelo casa-lar, desenvolvido e compor a equipe da SOS Kinderdorf International no Haiti, com gestão da Organização. por ocasião do terremoto que atingiu o país. Posteriormente, com a experiência adquirida, foi possível 3) Parcerias, patrocínios, convênios e alianças – Em função atuar na enchente de São Luiz do Paraitinga em São Paulo, das demandas urgentes em outras partes do mundo com com velocidade e liderança junto ao poder público e a maiores desafios econômicos e sociais do que verificado em comunidade na proteção e Acolhimento das crianças em nosso país, o Brasil não poderá mais contar com aumentos de risco nesse local.A Aldeias Infantis SOS passa atualmente por um processo de transformação, que visa torná-la um Organização dereferência e agente catalisador em prol da garantia dos direitos das crianças, jovens e adolescentes em todo oterritório nacional, evitando o abandono, abuso e maus-tratos das crianças. Em 2011, vamos estabelecer osegundo fundo reserva para o Plano de Expansão 2012-2014, que irá financiar a nossa entrada nos demais estadose territórios nacionais em que ainda não atuamos. Para isso, vamos buscar novos convênios, patrocínios,parcerias, alianças e muitos novos Amigos SOS. Vamos continuar agindo com todas as nossas forças paraimpactar positivamente na vida de milhares de crianças e jovens, garantindo assim que possam crescer em umambiente familiar e acolhedor, sem terem os seus direitos violados, podendo desenvolver todo o seu potencial.Agradecemos a todos que apoiaram a Organização neste ano. Convidamos também aqueles que hoje nãoparticipam, e que são sensíveis a esta causa, a juntarem-se a nós, tornando-se um Amigo SOS. Paulo G. de Castro Jr. Presidente do Conselho Diretor Aldeias Infantis SOS Brasil 5
  • 6. MUDANÇA DE PARADIGMA Mensagem da Gestora Nacional O ano de 2010 representou para a Associação Nacional uma mudança de paradigma. Esta mudança foi impulsionada pelo advento das novas políticas organizacionais, que definem as novas diretrizes e perspectivas de resultados para os programas Aldeias Infantis SOS. O que antes estava no campo das reflexões, agora éMENSAGEM DA GESTORA NACIONAL referência normativa para todas as estratégias, medidas e ações da Organização. A atuação da Organização na defesa e garantia de direitos de crianças, adolescentes e jovens foi A política do programa Aldeias Infantis SOS aponta que desenvolvida e fortalecida com a participação a Organização trabalha prioritariamente na promoção e efetiva em diversos espaços e fóruns de direitos, garantia de um ambiente familiar protetor às crianças que como: CONANDA - Conselho Nacional dos Direitos perderam ou estão em risco de perder o cuidado parental. da Criança e do Adolescente, Fórum DCA - Defesa da Criança e do Adolescente e demais instâncias No Brasil, esta bandeira traz o colorido e a riqueza do em todo o país, permitindo a unidade e força no cenário político nacional, enfocando todos os nossos posicionamento no contexto da garantia de serviços e esforços para a garantia e defesa do direito à direitos em âmbito nacional. convivência familiar e comunitária. Por isso, é imprescindível promover ações qualificadas junto ao Neste ano, firmamos diversas parcerias junto a fortalecimento das famílias e comunidades, assim como municípios para a readequação dos serviços de no acompanhamento efetivo e no desenvolvimento Acolhimento, na implementação da metodologia e integral de crianças, adolescentes e jovens do nosso diretrizes organizacionais na modalidade de casa- Grupo Meta. lar para crianças que perderam o cuidado parental. A pioneira experiência da parceria com a Prefeitura Para atingir estes resultados, a Organização no Brasil de Campinas/SP possibilitou a vivência de novos mobilizou todos os gestores e suas equipes para o caminhos e hoje é referência no estabelecimento alinhamento filosófico, sistêmico e operacional, firmado de convênios com outras cidades como Recife, com todo o compromisso de planejar e desenvolver Ubatuba e São Paulo capital. medidas para este processo de renovação dos nossos trabalhos em uma perspectiva de maior impacto e Porém, para responder a este crescimento, a qualificação dos resultados. Organização implantou de maneira inovadora a Incubadora de Talentos, que visa identificar e reter Assim, com o apoio do novo Conselho Diretor, iniciamos o novos colaboradores e propiciar a todos processo de análise para definição de metas de possibilidades de formação inicial e permanente. crescimento responsável e visão de futuro condizentes com o contexto organizacional e o cenário sociopolítico Assim, apresentamos este relatório como uma vigente no país. iniciativa de prestar contas e demonstrar nosso agradecimento a todos os colaboradores, Outro elemento a ressaltar foi a premência de situações parceiros e envolvidos por esta trajetória de mais de emergência em âmbito nacional e internacional, que um ano de conquistas, dificuldades e perspectivas, nos desafiaram e nos mobilizaram para pensar e agir sempre motivados pelo ideário de Hermann frente ao novo, o inesperado, e assim, construírmos nova Gmeiner, que assim convocava: “ é preciso ... expertise com serviços diretos para crianças, esforçar-se continuamente para responder às adolescentes e jovens no desenvolvimento de condições de uma sociedade em constante competências de suas famílias e comunidades em São mudança e aceitar novos desafios pelo bem estar Luis do Paraitinga/SP Araçoiaba/PE e no Haiti. Com isto , de crianças e adolescentes”. obtivemos o reconhecimento de autoridades, governo e sociedade civil, culminado com o agradecimento público da Ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Sra. Maria do Rosário, pela atuação na região Serrana do Rio de Janeiro, que foi assolada pela forte chuva em janeiro de 2011. Sandra Greco da Fonseca Gestora Nacional Aldeias Infantis SOS Brasil
  • 7. LARFAMÍLIAINFÂNCIA NA DIVERSDADE CULTURALIRMÃOS E IRMÃS: COMUNIDADE DE CRIANÇAS SOBRE A ORGANIZAÇÃOEDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PESSOALMOMENTOS DE UMA INFÂNCIA FELIZSER MÃEO PROGRAMA COMO UM AMBIENTE ACOLHEDOR
  • 8. QUEM SOMOS Aldeias Infantis SOS é uma Organização não-governamental internacional de promoção ao desenvolvimento social, tornando- se modelo de atendimento a crianças que não puderam ser mantidas na família de origem. Foi fundada pelo educador Hermann Gmeiner em 1949, na Áustria. Em 1967 chegou ao Brasil, onde está presente em 10 Estados e no Distrito Federal com 17 programas SOS. Estamos presentes em 132 países e territórios, trabalhando com 2.018 programas e 1.058.600 participantes, no qual a prioridade de atendimento são crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social, que perderam ou estão prestes a perder o cuidados de suas famílias. A Organização já conquistou grande representação: 92 cadeiras em Conselhos de Direito em todo o Brasil, além de um Assento Titular no Fórum DCA - Direito da Criança e Adolescente e no CONANDA - Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. O QUE FAZEMOS Com o conceito de Aldeias Infantis SOS, nossa Organização foi pioneira em definir um enfoque de trabalho com base na estrutura familiar para crianças que perderam o cuidado parental. Promovemos ações na defesa e garantia dos direitos de crianças, adolescentes e jovens, atuando como uma Organização de desenvolvimento social, não-governamental e independente. Respeitamos as diversas religiões e culturas, atuamos em diversos países e comunidades onde o nosso trabalho possa contribuir para o seu desenvolvimento. NOSSOS VALORES O que nos mantêm fortes: Essas são as convicções e atitudes centrais sobre as quais se construiu nossa Organização. Elas constituem a pedra fundamental de nosso êxito. Esses valores duradouros norteiam nossas ações, decisões e relações à medida que nos esforçamos para cumprir a nossa missão. · Audácia · Compromisso · Confiança · Responsabilidade NOSSA VISÃO O que queremos para as crianças do mundo: Cada criança pertence a uma família e cresce com amor, respeito e segurança. NOSSA MISSÃO O que fazemos: Apoiamos crianças e famílias, ajudamos a construir seu próprio futuro e participamos do desenvolvimento de suas comunidades. NOSSA MISSÃO ESTRATÉGICA Apoiar crianças, adolescentes e jovens que se encontram em vulnerabilidade, impulsionando seu desenvolvimento e autonomia em um ambiente familiar e comunitário protetor. NOSSA POSTURA Declaração de Princípios: A centralidade do trabalho da Organização Aldeias Infantis SOS está no desenvolvimento da criança e do adolescente até que chegue a ser uma pessoa autônoma e bem integrada na sociedade. Um ambiente familiar protetor é o lugar ideal para o pleno desenvolvimento do potencial das crianças e adolescentes. Reconhecemos a importância do papel da criança e do adolescente no seu próprio desenvolvimento, assim como o de sua família, comunidade, Estado e outros prestadores de serviços e por isso, cooperamos com outros setores relevantes interessados em uma resposta mais adequada à situação daquelas crianças, adolescentes privados do cuidado parental e/ou que estão em risco de perdê-lo. Em nossos programas, definimos um plano de atuação que compreende medidas oportunas, tendo presente a situação individual da criança e adolescente e de seu interesse superior. Construímos, junto com outros atores envolvidos e a partir dos recursos e iniciativas existentes, fortalecendo as competências onde for necessário. Deste modo, com as intervenções apropriadas e usando adequadamente os recursos disponíveis, melhoramos na medida do possível, a situação de crianças e adolescentes do nosso Grupo Meta.8
  • 9. “Nosso desejo é que o número de crianças e famílias que precisam de nossa ajuda diminua. Infelizmente, esse número continua alto. Portanto, devemos fazer tudo humanamente possível para garantir o bem-estar dessas crianças. Não podemos permitir que elas sejam abandonadas, maltratadas ou violadas, não frequentem a escola e tenham negada a chance de crescer em um ambiente saudável, passando despercebidas pela sociedade. Esta é a missão da Aldeias Infantis SOS desde o começo, e continuaremos com esse compromisso no futuro, assegurando que todas as crianças sejam capazes de ter a proteção de um lar amoroso” . Helmut Kutin Presidente SOS Kinderdorf InternationalMAPA BRASILEIRO DA DESIGUALDADE CONFORME CPS E FGV CONTEXTO SOCIOPOLÍTICOO país detém aproximadamente 31 milhões de pessoas classificadas entre pobres e indigentes, sendo que a linha depobreza é classificada em uma renda familiar per capta de até R$ 140,00 por mês e a linha que define os indigentes é umarenda familiar per capta de até R$ 70,00, conforme dados do CPS - Centro Político Social e da FGV – Fundação GetúlioVargas. Esta classificação foi estipulada pelo Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
  • 10. ONDE ESTÁ A DESIGUALDADE NO PAÍS O Brasil apresentou resultados expressivos nos âmbitos por uma das maiores reformulações desde que foi criado, há econômicos e sociais. O ano de 2010 teve uma clara 20 anos. O índice brasileiro de 0,699, situa o país entre os de recuperação da economia. O PIB – Produto Interno Bruto alto desenvolvimento humano. Este índice é maior que a teve um crescimento ao redor de 8% ao ano e vários outros média mundial (0,624) e parecido com o do conjunto dos indicadores conjunturais de desempenho favorável, como países da América Latina e Caribe (0,704). por exemplo, o emprego formal, que deve fechar o ano com crescimento em torno de 3%, ou seja, mais de 3 milhões de Assim, o Brasil se consolida como uma das referências na empregos criados e uma população economicamente ativa cooperação entre os países em desenvolvimento, de 100 milhões de brasileiros. compartilhando experiências bem sucedidas na área social e obtendo mais força geopolítica e maior poder de negociação. Conforme dados preliminares do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em novembro de 2010, o Brasil O cenário para os próximos anos é positivo. Conforme dados estava com uma população estimada em 190.732.694 de da CNI - Confederação Nacional da Indústria e IBOPE, o habitantes. Esse número demonstra que o crescimento da governo Lula terminou o segundo mandato com 80% de população brasileira no período foi de 12,3%, inferior ao aprovação do governo e 87% de aprovação quanto à forma observado na década anterior (15,6% entre 1991 e 2000). de administrar o país. A presidente eleita Dilma Rousseff defende como cenário de seu governo a erradicação da A política salarial, associada às políticas sociais do governo, pobreza através da associação da política macroeconômica à avançou na redução da desigualdade no país. O Bolsa política social. Ela pretende utilizar o cadastro do Bolsa Família, o PRONAF - Programa Nacional de Apoio à Família como canal para incorporar um leque de Agricultura Familiar, a interiorização da economia, a oportunidades para os pobres e elevar os benefícios a outro melhoria da educação, assim como outras políticas patamar de renda, criando oportunidades de emprego, públicas, ajudaram a reduzir a extrema pobreza. Porém, microcrédito e apoio à comercialização de produtos, através segundo análise do IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica da educação formal, da educação profissional e da formação Aplicada, a renda do trabalho, com aumento do salário técnica. No âmbito da educação, Dilma Rousseff afirma ainda mínimo, teve peso consideravelmente maior nos índices de que ampliará as vagas no ensino médio e infantil e ajudará os redução da desigualdade. municípios a ampliar ofertas de creches e pré-escolas. Ainda assim, dados do CPS - Centro Político Social e da FGV Em seu discurso de posse, a presidenta assegura apoio às – Fundação Getúlio Vargas mostram que o país detém instituições públicas e privadas, colocando o crescimento do aproximadamente 31 milhões de pessoas classificadas país associado a programas sociais para assim vencer a entre pobres e indigentes, sendo que a linha de pobreza é desigualdade de renda e o desenvolvimento regional. classificada em uma renda familiar per capta de até R$140,00 por mês e a linha que define os indigentes é uma Entretanto, o desafio é consideravelmente grande, já que o renda familiar per capta de até R$ 70,00. Esta classificação Brasil é um país de grandes dimensões e que, apesar dos foi estipulada pelo Ministério de Desenvolvimento Social e esforços, ainda mantém um alto índice de pessoas em Combate à Fome. situação de miséria, como indicam os gráficos abaixo, elaborados pelo Centro de Políticas Sociais da FGV em Outro ponto de destaque foi o aumento dos investimentos novembro de 2010. realizados pelo BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento no saneamento básico, controle da Outro ponto relevante no Brasil é a questão da juventude. As poluição, desenvolvimento rural, saúde, educação e medidas padrões de desenvolvimento humano, como economia solidária. Até outubro deste ano, os gastos sociais expectativa de vida, frequência escolar, renda, entre outras chegaram a R$ 3,4 bilhões, superando em mais de R$ 200 que tem evoluído para a população em geral, apresentam milhões os desembolsos totais de 2009. trajetórias diversas para os jovens. O PNUD - Programa das Nações Unidas para o O índice de morte por violência no Brasil (por mil habitantes) Desenvolvimento divulgou no Relatório de é de 40,86 entre jovens de 10 a 14 anos, 99,30 entre jovens de Desenvolvimento Humano 2010 que o Brasil ocupa o 73º 15 a 19 e 27,75 entre jovens de 20 a 29 anos de idade (Neri, lugar no ranking de 169 nações e territórios da nova versão 2007, p.52). do IDH - Índice de Desenvolvimento Humano, que passou10
  • 11. A UNICEF - Fundo das Nações Unidas para a Infância, juntocom a Secretaria Especial de Direitos Humanos, oObservatório das Favelas e o Laboratório de Análise daViolência da UERJ - Universidade Estadual do Rio deJaneiro, mostram que o IHA - Índice de Homicídios naAdolescência aumentou significativamente nos últimosanos. O IHA estima o número de adolescentes, num grupode mil, que será assassinado antes dos 19 anos. O IHAnacional em 2007 ficou em 2,67, considerando os 266municípios com mais de cem mil habitantes. Valores acimade mil indicam “risco inaceitável de violência letal contraadolescente”.A Organização Aldeias Infantis SOS Brasil se colocadiante deste cenário com um programa integrado pararesponder às necessidades de seu Grupo Meta, conscienteda importância de suas ações para garantir os direitos dacriança, do adolescente e do jovem. Essas necessidadesvariam nas diversas localidades e se transformam ao longodo tempo. Da mesma forma, a atuação da Organização tendea se adaptar e a se adequar aos diferentes momentos, nasmúltiplas regiões onde atua, sempre seguindo conceitos eprincípios estabelecidos e em parceria com o Estado ediferentes espaços da sociedade civil de forma ética, parapropiciar o pleno desenvolvimento de crianças,adolescentes e jovens dentro de um ambiente familiarseguro, onde eles possam atuar como protagonistas dessedesenvolvimento.O Brasil desfruta de um bom momento econômico e de umgoverno que preza pelo desenvolvimento, pela igualdade epela distribuição de renda. É um momento importante para aOrganização consolidar parcerias e ampliar sua expertisejunto a outras redes de proteção infantil e governo, nummovimento conjunto de luta por um país justo, inclusivo ecom acesso universal aos direitos básicos. 5,3 24 11
  • 12. PLANOS ESTRATÉGICOSCrédito: Tadeu Mafra
  • 13. PLANO ESTRATÉGICO INTERNACIONALA Organização trabalha com ciclos de planejamento de oito anos. Para a definição dos objetivos estratégicos e metasinternacionais, foram ouvidas 2 mil vozes em todo o mundo, entre elas mães-sociais / cuidadoras-residentes, crianças, jovens,associações nacionais e governo. Com base nessa grande escuta, foram definidas as seguintes metas internacionais:UMA CRIANÇA1 milhão de crianças que crescem em um ambiente familiar e protetorUM AMIGOObter amigos e parceiros para financiar 1 milhão de criançasUM MOVIMENTOColaboradores fortalecidos e associações nacionais fortes para apoiar o crescimento Crédito: Tadeu Mafra 13
  • 14. PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL UMA CRIANÇA Até 2016 · 42.866 crianças, adolescentes e jovens se desenvolvem em um ambiente familiar e comunitário protetor Para 2011 · 1.791 crianças em Famílias SOS e outras formas de Acolhimento · 10 mil crianças em suas famílias de origem que participam dos programas de Fortalecimento Familiar e Comunitário · 12% de flutuação anual de colaboradores que trabalham diretamente no âmbito do Acolhimento · 5% de aumento anual do custo criança/mês nas Famílias SOS e outras formas de Acolhimento Familiar · Nível 2* no trabalho de promoção e defesa · Nível 3*de qualidade no gerenciamento de informações relacionadas aos processos de desenvolvimento dos programas · Redimensionar 25% dos programas existentes para localidades onde teremos maior impacto, sem renúncia orçamentária · Nível 3* de influência da Organização na elaboração e aplicação das políticas de proteção à infância · 30% de jovens do Grupo Meta (em processo de independência) com perfil empreendedor e autônomo UM AMIGO Até 2016 · Garantir subsídios e 93 mil Amigos SOS para o financiamento de 42.866 crianças, adolescentes e jovens Para 2011 · US$ 450.000 ingressos netos de captação de recursos (R$ 810.000) · Nível 1* de implementação da estratégia de Captação de Recursos · 7.097 doadores regulares ativos especialmente valiosos · US$ 3.022.000 em subvenções governamentais locais (R$ 5.439.600) · R$ 1.250.000 em outras entradas locais (parcerias e arrecadações) · Apresentar um diagnóstico do patrimônio imobiliário para apoiar a administração dos recursos patrimoniais, com planos de rentabilidade a curto, médio e longo prazo visando a racionalização de espaços e recursos · Consolidar um fundo nacional para novos projetos UM MOVIMENTO Até 2016 · Assegurar atores envolvidos e fortalecidos na promoção, defesa dos direitos das crianças, adolescentes, jovens e famílias Para 2011 · 5% do total de salários investidos na formação e desenvolvimento dos colaboradores como resultado do ciclo de gestão de desempenho · 60% dos colaboradores receberão orientação na estratégia One, Marca, Quem Somos e Direitos das Crianças seguindo um enfoque global · 40% dos colaboradores, que a partir da avaliação de desempenho, acordaram um plano de formação e desenvolvimento · 2 eventos para o desenvolvimento do Conselho Diretor MARCA Objetivo Estratégico Adicional para o ano de 2011 · Fortalecer a marca Ações · Assegurar a implementação do Manual de Desenho em 100% dos programas · Continuar o processo de fortalecimento da marca, assegurando que 100% dos colaboradores recebam a formação · Promover ações de implementação da marca em 100% dos 9 pontos de contato · Implementar o Manual das Mensagens-Chave (Key Messages) em 100% dos programas · Revisar o Manual do Colaborador dentro da nova perspectiva da marca · Implementar o sistema de monitoramento dos projetos locais da marca nos pontos de contato *Nível 1 a 4, sendo o nível 1 com o melhor desempenho14
  • 15. Crédito: Tadeu MafraÁREAS DE ATUAÇÃO
  • 16. 16 ACOLHIMENTO Crédito: Tadeu Mafra
  • 17. ACOLHIMENTOÉ um serviço de proteção integral a crianças, adolescentes e Todo Núcleo Familiar possui suas próprias características,jovens que por motivo de risco como negligência, ritmo e rotina, em cada um deles, há uma mãe-social /discriminação, abuso e exploração tiveram seus vínculos cuidadora-residente, que é responsável pelo cuidado,familiares fragilizados ou rompidos. Atualmente, cerca de desenvolvimento e projeto de vida de cada criança e jovem1.550 crianças, adolescentes e jovens estão acolhidos. a ela confiada, proporcionando segurança, amor e estabilidade que cada uma necessita. Essa profissional,Como funciona: capacitada em cuidados infantis, administra o lar comAs crianças são encaminhadas pelas autoridades da Infância autonomia, oferece orientação e respeita a origem familiar,para o Núcleo Familiar Aldeias Infantis SOS, onde a as raízes culturais e a religião de cada um. A profissão deOrganização detém a guarda provisória e excepcional das mãe-social é regulamentada e registrada pela Lei nº. 7.644,crianças, adolescentes e jovens a ela confiada. de 18 de dezembro de 1987.Cada Núcleo Familiar é composto por até nove crianças, de Em uma Unidade de Acolhimento são garantidos seusdiferentes idades, ambos os sexos, irmãos biológicos ou direitos básicos como: alimentação, educação, saúde, lazernão. No caso de irmãos biológicos, estes não são separados. e o direito à convivência familiar e comunitária. Nesta unidade as crianças crescem e aprendem juntas,Os Núcleos Familiares estão inseridos no meio comunitário, compartilham responsabilidades, trabalham conflitos eonde crianças, adolescentes e jovens têm a oportunidade de limites da vida cotidiana na perspectiva de umparticipar ativamente da realidade local. desenvolvimento integral. Faixa Etária Residência Assistida - Local Inauguração Total de Crianças, Jovens e Adolescentes Acima de 18 anos 0 a3 4a5 6 a 10 11 a 13 14 15 a 17 acima de 18 Amazonas Manaus 1997 126 6 4 38 34 10 31 3 3 Bahia Lauro de Freitas 1980 83 11 7 22 24 4 10 5 6 Brasília Distrito Federal 1972 113 10 5 24 26 8 26 14 4 Minas Gerais Juiz de Fora 1984 96 6 1 23 20 14 29 3 4 Paraíba João Pessoa 1987 100 2 4 40 37 3 12 2 4 Paraná Goioerê 1977 82 13 4 19 18 3 15 10 3 Pernambuco Igarassu 2007 118 10 13 53 32 5 5 ----- ----- Jacarepaguá 1980 52 2 2 15 10 4 13 6 4 Rio de Janeiro Pedra Bonita 1995 74 4 4 26 19 1 14 6 1 Rio Grande do Norte Caicó 1979 129 18 8 44 32 12 11 4 4 Porto Alegre 1967 99 4 6 23 25 13 18 10 4 Rio Grande do Sul Santa Maria 1980 99 3 5 26 32 15 18 ----- 4 Campinas 2009 45 8 2 27 8 ----- ----- ----- ----- Poá 1968 112 3 6 30 40 8 20 5 1 São Paulo Rio Bonito 1980 80 2 2 11 25 7 32 1 4 São Bernanrdo do Campo 1970 62 1 2 10 15 3 23 8 4 17
  • 18. FORTALECIMENTO FAMILIAR E COMUNITÁRIO Crédito: Tadeu Mafra18
  • 19. FORTALECIMENTO FAMILIAR E COMUNITÁRIOÉ um trabalho que visa contribuir para a diminuição doabandono infantil, facilitando os processos que propiciem odesenvolvimento e a autonomia de famílias e comunidadesna promoção e proteção de crianças, adolescentes e jovens.Os serviços são desenvolvidos em 14 Centros Sociais e 40Centros Comunitários presentes em 10 estados brasileiros eno Distrito Federal, com cerca de 8.300 crianças, Crédito: Tadeu Mafraadolescentes e jovens participantes.Todos os serviços se desenvolvem com a participação earticulação da comunidade que o programa atua, tendocomo parceiros fundamentais as associações de moradores,organizações governamentais e não-governamentais. ALGUNS DOS SERVIÇOS PRESTADOS: Apoio legal e orientação para o cuidado e a proteção de seus filhos Atenção nutricional Atenção psicopedagógica Capacitação para a geração de emprego e renda Educação inicial Fortalecimento das lideranças e das potencialidades locais Fortalecimento e integração da família Orientação para a saúde da mulher Proteção e cuidado diário à crianças e adolescentes enquanto seus pais trabalham Lauro de Freitas 815São Paulo 332 183 736 19
  • 20. 20 Foto: Acervo Aldeias Infantis APOIO HUMANITÁRIO
  • 21. APOIO HUMANITÁRIOHAITI ARAÇOIABA/PEO começo de 2010 esteve marcado pelo devastador Em meados de 2010, as chuvas que assolaram a região, muitoterremoto no Haiti. A SOS Kinderdorf International, há 20 além do esperado para o período, trouxeram para o pobreanos implementa programas de emergência em todo o município de Araçoiaba, situado no litoral norte do estado demundo. No caso do Haiti, o foco foi em oferecer cuidados Pernambuco, mais dor e desespero para as famílias habitantespara crianças e adolescentes em situação de da parte baixa da cidade, com a perda do pouco que tinham.vulnerabilidade, assim como na distribuição de Muitas das casas, que já eram frágeis, se foram com as águasalimentos e na oferta de serviços médicos quando que lavaram a comunidade. Famílias inteiras sem um teto,necessários, para milhares de crianças e suas famílias criança sem ter para onde ir, foram momentos de grandeatravés dos Centros Comunitários. dificuldade.O programa de reconstrução foi planejado para ser Com o Apoio Humanitário prestado pela Aldeias Infantisdesenvolvido no transcurso de 10 anos. No planejamento SOS, além de outras ONGs, foi possível amenizar essa grandeconsta a reconstrução e construção de escolas, as dor, trazendo esperança e alegria para dez famílias vitimadas,transferências de conhecimentos e capacitações no setor escolhidas através de visitas domiciliares nas áreas atingidas,da educação, os centros médicos locais, a ampliação dos onde as consequências das chuvas eram mais críticas. Oserviços de Fortalecimento à famílias e comunidades, o projeto beneficiou famílias que tinham como principaisabastecimento de recursos da comunidade e a critérios: possuir crianças e adolescentes, ser chefiadas pormobilização a favor da proteção infantil e dos direitos de mulheres e possuir renda abaixo de um salário mínimo.adolescentes e jovens, assim como serviços deAcolhimento para crianças sem o cuidado parental. Em contrapartida, as famílias participaram do processo de reconstrução das casas em um mutirão, ajudando uns aosQuatro colaboradores da Aldeias Infantis SOS Brasil outros. Na ocasião, foi formada uma comissão com aestiveram no local para ajudar no apoio estratégico e responsabilidade de coordenar os serviços, solucionaroperacional do programa de Emergência. São eles: o possíveis dificuldades inerentes às reformas e acompanhar asSubgestor Nacional - Alberto Guimarães – Subgestor obras. Essa comissão foi composta por três membros daNacional, Ruth Guimarães – Gestora, Carlos Silva – família, uma Assistente Social da Secretaria deTrabalho SocialCoordernador e Roberta Botezine - Assistente Social. e o Gestor do Programa Aldeias Infantis SOS, de Igarassu. No início, foram encontros com intuito de manter elevada aSÃO PAULO/SP auto-estima, discutir orçamentos, estabelecer estratégias eA Aldeias Infantis SOS Brasil oficializou, em janeiro, trabalhar algumas dificuldades de processo. Foramuma ajuda de emergência para o município de São Luiz momentos muito ricos e com belas lições de solidariedade, jádo Paraitinga. A cidade histórica do Vale do Paraíba, em que o grupo contava com famílias e as suas mais variadasSão Paulo, foi uma das mais atingidas pelas chuvas nos situações: chefiadas por mulheres com crianças pequenas;primeiros dias do ano. O local foi completamente grávidas prestes a ganhar bebê e mãe em tratamento contra odestruído, com milhares de pessoas desalojadas e câncer.desabrigadas. A primeira tarefa do comitê foi definir a sequência das casas aLideramos uma campanha de ajuda de emergência com serem recuperadas, e não foi uma tarefa difícil, logo o grupoapoio presencial às vítimas e arrecadação de doações de definiu que a prioridade seria para as famílias com maiormateriais de escritório e roupas. As organizações como necessidade de moradia.Fundação Abrinq, Instituto Familiae, Cenpec e Unimedtambém participaram. Com a ajuda humanitária, a comunidade de Araçoiaba mostra força e solidariedade para superar, mais uma das diversasA equipe da Aldeias Infantis SOS auxiliou o poder dificuldades que já passaram, cheios de esperança por diaspúblico da cidade no trabalho diagnóstico de assistência melhores.social, por meio de visitas domiciliares à famíliasatingidas, atendimento individual nos abrigos e Com a conclusão dos serviços, queriam agradecer de algumaaquisição de móveis. Ao todo, 212 famílias receberam o forma, e não foram poucas as demonstrações de gratidão.apoio direto da Organização. 21
  • 22. ADVOCACY Crédito: Tadeu Mafra Queremos assegurar que todas as crianças, adolescentes Posicionamento Externo e jovens sejam ‘’sujeitos de direitos’’ em todos os espaços O CONANDA - Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do na sociedade. Adolescente realizou em 26 de novembro, a eleição de titulares e suplentes para a representação civil no Conselho para o biênio Com o objetivo de promover os direitos da criança e do 2011 - 2012. adolescente, temos a participação em diversas redes, campanhas e um intenso trabalho de apoio em políticas Antes do início da votação, os representantes das organizações públicas, junto a conselhos municipais, estaduais e apresentaram propostas de trabalho para a nova gestão do federal. CONANDA. A Aldeias Infantis SOS Brasil se comprometeu com o fortalecimento da atuação dos Conselhos Setoriais para a O Advocacy está embasado nos principais documentos de garantia dos direitos infanto-juvenis. garantia de direitos da criança e do adolescente, fomentando e fiscalizando o cumprimento da Convenção Trinta e oito instituições participaram do processo eleitoral.Trinta das Nações Unidas sobre os Direitos das Crianças, de e duas delas concorreram às 14 vagas de titulares e 14 de 1989, e do que prevê a legislação brasileira no ECA - suplentes. A Aldeias Infantis SOS Brasil foi reeleita com 24 Estatuto da Criança e do Adolescente, de julho de 1990 e votos. Os conselheiros tomaram posse no dia 15 de dezembro. recentemente o PNCFC - Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Temos o Secretariado Nacional do Fórum DCA - Defesa da Convivência Familiar e Comunitária. Criança e do Adolescente. 2 0 1 Nacional J 022
  • 23. ASSOCIAÇÃO NACIONAL Crédito: Tadeu Mafra “Cada criança é uma fonte de felicidade. O aspecto básico de nossa Marca é o entusiasmo pelas crianças que são a fonte de energia e identificação com todos que entram em contato conosco. O significado da marca nos ajuda a descobrir o sentido da vida. O processo começa com nossos próprios colaboradores e se estende a todos os amigos, doadores e parceiros. A marca define nosso marco estratégico de ação; descreve a forma como nós percebemos os nossos princípios de ação. Um aspecto simbólico da marca é o vínculo que nosmantêm unidos em mais de 130 países e territórios e serve de diretriz para nossas ações. Este vínculo nos une,nos orienta e estabelece um perfil único para nossas ações futuras. Assumamos este desafio, sejamos fortes e mediante nosso exemplo individual, motivemos cada vez mais pessoas para fazerem parte deste desafio” . Helmut Kutin – Presidente SOS Kinderdorf International PALAVRAS-CHAVE GOVERNANÇA, POTENCIALIDADE E IMPACTO
  • 24. DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS - DP VISÃO GERAL DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CRIANÇAS/ ADOLESCENTES EM NÚCLEOS SOS CRIANÇAS/ ADOLESCENTES NA FAMÍLIA DE ORIGEM Locais de atendimento • AM: Manaus e Rio Preto da Eva • BA: Lauro de Freitas • DF: Brasília • MG: Juiz de Fora • PB: João Pessoa • PE: Recife, Igarassu e Araçoiaba • PR: Goioerê • RJ: Rio de Janeiro e Jacarepaguá • RN: Caicó e Natal • RS: Porto Alegre e Santa Maria • SP: São Paulo, Poá, Campinas e São Bernardo do Campo ‘’Para que uma rede global de bem-estar social como a Aldeias Infantis SOS permaneça atuante e mantenha seu dinamismo, é preciso esforçar-se continuamente para responder às condições de uma sociedade em constante mudança e aceitar novos desafios pelo bem-estar de crianças e adolescentes. Mediante este processo contínuo de adaptação das diferentes realidades sociais do mundo, o trabalho da Aldeias Infantis SOS conduzirá os desenvolvimentos específicos nas instalações e serviços oferecidos” . Hermann Gmeiner PALAVRAS-CHAVE RENOVAÇÃO, MOBILIZAÇÃO E ADEQUAÇÃO24
  • 25. DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS De acordo com o ideário do fundador Hermann Gmeiner “o melhor lugar para uma criança crescer com amor e segurança é a família” A Organização Aldeias Infantis SOS Brasil estabelece suas ações com foco em crianças, adolescentes e . jovens na garantia, promoção e defesa integral de seus direitos, com a perspectiva de fortalecer a convivência familiar e comunitária por meio de seus programas com três intervenções: I. Serviços diretos básicos: São oferecidos para atender às necessidades básicas da criança e do adolescente, assegurando que sua sobrevivência, desenvolvimento e direitos sejam respeitados. II. Desenvolvimento de competências: Destinado às pessoas que cuidam de crianças e adolescentes, às famílias, comunidades, defensores do cumprimento do direito e prestadores de serviços com objetivo de ajudá-los a ampliar conhecimentos, desenvolver habilidades, atitudes, estruturas e sistemas necessários para protegê-los. III. Ações de promoção e defesa: Promovem mudanças nas políticas e práticas que violam os direitos de crianças e adolescentes.A ÁREA ALINHAMENTO DOS PROGRAMAS ALDEIASNeste ano foi constituída a nova equipe da área de INFANTISDesenvolvimento de Programas - DP por uma equipe Neste ano, diversos encontros foram realizados para amultidisciplinar, para responder aos novos desafios de disseminação dos novos marcos organizacionais. A Unidadecrescimento e qualificação de todos os processos e de Desenvolvimento Humano - UDH e Desenvolvimento deestratégias dos programas em âmbito nacional. Hoje, a área Programas - DP implementaram, além do encontro deatua nas seguintes frentes: gestores, um plano de formação junto a todos os· Novos Projetos – responder e acompanhar diretamente as colaboradores do eixo gerencial e de apoio à gestão a partirexperiências-piloto e também a implementação de novos das novas estratégias e processos organizacionais.programas. A Área de Desenvolvimento de Programas produziu e· Monitoramento, Pesquisa e Avaliação – responder às sistematizou materiais que orientarão o trabalho no períododemandas relacionadas aos sistemas e ferramentas de de dois anos, em que se iniciará o processo demonitoramento, compilação de dados e análise dos mesmos, reordenamento dos programas a partir dos alineamentos doalém de propiciar pesquisas que forneçam cenários de PAISOS - programa Aldeias Infantis SOS. Para iniciar, jádecisão e desenvolvimento da Organização, bem como temos a definição dos Projetos Pilotos de Igarassu e Recifedifundir a cultura de avaliação em todos os programas. para a implementação dos processos referente ao PAISOS.· Advocacy: Promoção e defesa de direitos – como aAssociação Nacional tem a representatividade em mais de 92conselhos e fóruns de direitos da criança e adolescentes, umplano nacional de Advocacy, com o foco central no direito àconvivência Familiar e Comunitária de crianças e O QUE ESPERAMOSadolescentes que perderam ou estão em risco de perder o · Fortalecer as famílias para proporcionar atenção e cuidadoscuidado parental, se faz necessário. A grande meta é alcançar às crianças e adolescentes, prevenindo assim a suao reconhecimento por esta causa em todo o território separação das famílias de origem.nacional. · Oportunizar proteção específica para crianças e adolescentes que se encontram temporal ouGRUPO META permanentemente privados da convivência familiar.· Crianças e adolescentes privados do cuidado parental, · Atender às necessidades de desenvolvimento da criança equando já não estão vivendo em seu ambiente familiar por do adolescente.diferentes razões e circunstâncias. · Alcançar melhores resultados em nosso trabalho através de· Crianças e adolescentes que estão em risco de perder o intervenções relevantes, flexíveis e qualitativas.cuidado parental, porque o/a responsável não dispõe dos · Otimizar nosso trabalho fazendo o melhor uso dos recursosrecursos necessários ou não assume adequadamente o disponíveis.compromisso de cuidar da criança ou adolescente sob seus · Impactar na situação das crianças e adolescentes do nossocuidados. Grupo Meta. 25
  • 26. DADOS GERAIS DOS PROGRAMAS ACOLHIMENTO E FAIXA ETÁRIA RESIDÊNCIA ASSISTIDA FAIXA ETÁRIA FORTALECIMENTO FAMILIAR E COMUNITÁRIO 0 a 3 anos 103 4 a 5 anos 75 0 a 3 anos 1.043 4 a 6 anos 2.325 6 a 10 anos 431 7 a 14 anos 4.598 11 a 13 anos 397 acima de 14 anos 324 14 anos 110 Mulheres 3.901 15 a 17 anos 277 Homens 1.512 acima de 18 anos 123 Famílias 5.970 TOTAL DE CRIANÇAS, TOTAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES E JOVENS 1.516 ADOLESCENTES 8.290 Os participantes dos programas são de 232 comunidades. Dados de 31 de dezembro ESCOLARIDADE ENCERRAMOS 2010 COM JOVENS DO ACOLHIMENTO EM DEZEMBRO DE 2010 117 CASAS-LARES ENSINO MÉDIO 115 INSERIDAS NOS ENSINO TÉCNICO 10 CONDOMÍNIOS SOS E 25 ESCOLA ESPECIAL 16 CASAS INSERIDAS NA ENSINO SUPERIOR 13 COMUNIDADE COMUNIDADES RESIDÊNCIA CENTROS CENTROS PARTICIPANTES ALDEIAS TOTAL JUVENIS ASSISTIDA SOCIAIS COMUNITÁRIOS 2006 1538 126 32 2624 931 5251 2007 1541 73 91 3972 2371 8048 2008 1617 11 108 4674 3586 9996 2009 1518 11 100 3837 4169 9635 2010 1470 0 46 3419 4871 9806 QUANTIDADE TOTAL DE CRIANÇAS QUANTIDADE TOTAL DE NOVOS DADOS DO REINTEGRADAS ACOLHIMENTOS ACOLHIMENTO REINTEGRADAS ADOTADAS COM APOIO SOS 2006 200 2007 263 120 23 2007 289 2008 420 235 68 2008 431 2009 532 319 31 2009 354 2010 556 346 39 2010 596 Resumo Geral Do total de 1.516 crianças, adolescentes e jovens: 346 estão reintegradas as suas famílias de origem, com apoio técnico e financeiro da Organização.26
  • 27. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - ICT Crédito: Tadeu Mafra“Apoiamos e contribuímos para que as estratégias de negócios e todos os processos críticos sejam realizados com eficácia e confiança, com sistemas seguros de ICT. Ajudamos a Organização a utilizar o poder das tecnologias da informação e comunicação para alcançar a eficiência operacional e uma posição competitiva” ICT – Escritório Internacional PALAVRAS-CHAVE ESTRATÉGIA, AGILIDADE E EFICIÊNCIA 27
  • 28. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO As atuais necessidades da Organização, diante dos desafios apresentados pela rápida mudança de cenários, demandam cada vez mais sistemas de informação que possam fornecer insumos para tomada de decisões com rapidez e segurança. Além disso, devido às dimensões continentais de nosso país, se faz necessária a implementação de uma plataforma de comunicação e colaboração que sirva de base estratégica para o compartilhamento do conhecimento e para a integração organizacional. A visão e a abordagem utilizadas atualmente em relação às políticas e estratégias da Tecnologia da Informação e Comunicação têm papel fundamental em seu desenvolvimento e integração com as demandas organizacionais. · Adequação de 50% da infraestrutura de rede dos programas · Troca de 30% do parque de computadores nos programas · Implementação de telefonia Voz sobre IP em 50% dos programas + Escritório Nacional · Início do projeto de interconexão de Voz sobre IP LAAM (América Latina) · Implementação de 8 pontos de Videoconferência · Doação de licenças da Microsoft para 100% das unidades · Parceria com CISCO Brasil para projetos de ICT4D - Information and Communication Technologies for Development VIDEOCONFERÊNCIA INFRAESTRUTURA Como parte da estratégia de inovação de ICT, iniciamos em Como parte da estratégia de infraestrutura, 30% do parque de julho de 2010 o projeto de videoconferência, utilizando computadores foi substituído nos programas por equipamentos de alta qualidade que permitem ótimas computadores de alta qualidade, com três anos de garantia definições com a utilização de links de baixo custo, on-site, garantindo durabilidade e disponibilidade de uso encerramos o ano de 2010 com oito pontos de para que os colaboradores possam desenvolver suas videoconferência, cobrindo toda a região sul/sudeste e parte atividades com qualidade durante toda a vida útil dos da região norte/nordeste. equipamentos. Essa nova forma de plataforma de comunicação vai permitir Essa medida garantirá a redução dos custos de manutenção que as formações de colaboradores ocorram com mais local, além de potencializar a eficiência operacional e frequência e com custos reduzidos, além de desenvolver a otimização dos recursos humanos com a redução das vizinhança entre os programas e suas equipes, através de paralisações por incidentes nos equipamentos. reuniões gerenciais e troca de experiências. “No mundo contemporâneo é impossível pensar no futuro sem considerar os avanços da tecnologia como meios NOVA PLATAFORMA DE TELEFONIA facilitadores de comunicação, e porque não dizer de inclusão, Foi implementada em março de 2010, a nova plataforma de em todos os seus âmbitos: social, cultural e novos telefonia, que proporciona uma comunicação de melhor conhecimentos. A construção de conhecimentos e novas qualidade entre o Escritório Nacional e os programas, além linguagens são as áreas em que prioritariamente vamos de permitir a integração com países vizinhos na América atuar, utilizando recursos tecnológicos em especial, a Latina. Essa iniciativa estimula a comunicação entre os educação a distância. Esse processo viabilizará a formação programas, permitindo a aproximação e trabalho em não presencial de inúmeros colaboradores, reduzindo custos vizinhança. e otimizando as atividades pedagógicas. A busca constante Toda a comunicação utiliza equipamentos e tecnologia de da qualidade de nossos serviços e a ousadia na superação de ponta, utilizando as conexões de internet existentes para desafios se materializa na incorporação dessa metodologia trafegar voz - VOIP eliminando assim os custos de , inovadora. afirma Sandra Greco, Gestora Nacional. ” comunicação entre os pontos instalados.28
  • 29. DESENVOLVIMENTO HUMANO E ORGANIZACIONAL - HR/ODCrédito: Tadeu Mafra “O grande desafio para o ser humano é combinar trabalho com cuidado. Eles não se opõem, mas se compõem. Limitam-se mutuamente, e ao mesmo tempo se complementam. Juntos constituem a integralidade da experiência humana, que transcende o ser humano para uma condição maior. “ Leonardo Boff PALAVRAS-CHAVE OUVIR, CONHECER E DESENVOLVER 29
  • 30. DESENVOLVIMENTO HUMANO E ORGANIZACIONAL Na área de desenvolvimento, a Organização Aldeias · Incubadora de Talentos – Foi criada com o objetivo Infantis SOS Brasil atua em consonância com os de prospectar, reter e formar colaboradores. princípios éticos e de valores, como responsabilidade, compromisso, confiança e coragem, de acordo com o · Desenvolvimento Gerencial - Com o apoio da marco legal vigente. Enfatizando as políticas afirmativas e C o n s u l t o r i a P y x i s D e s e nvo l v i m e n t o H u m a n o , de inclusão, com um modelo avançado para o promovemos capacitação do eixo gerencial em técnicas gerenciamento de pessoas, o Sistema Integral de Gestão de liderança, coaching e feedback. de Desempenho, Desenvolvimento e Resultados integra a e s t r a t é g i a o r ga n i z a c i o n a l , d e s e nvo l v e n d o a s · Educação a Distância – Com o apoio da área de competências com foco em resultados. Tecnologia da Informação e Comunicação, implantamos sete pontos em diferentes regiões e um no Escritório Para atingir os resultados organizacionais, as técnicas de Nacional, o que possibilitará agilidade na comunicação e coaching, liderança e gestão de pessoas, o racionalização de recursos nos processos de formação. desenvolvimento de competências como visão estratégica, visão sistêmica, foco em resultados, gestão · Parcerias - Buscando eficiência e o protagonismo nas de recursos, assumir riscos, a tomada de decisão, a ações de desenvolvimento e formação permanente dos construção de alianças e redes são de extrema colaboradores, estabelecemos parcerias com importância. consultorias, empresas, universidades para desenvolvimento dos colaboradores. Esta alternativa nos Os processos desenvolvidos no ano de 2010 tiveram fez refletir em temas candentes como identificação e como foco a continuidade das prioridades da área, que retenção de talentos, a capacitação e qualificação dos são a identificação e retenção de talentos, assim como a colaboradores, fazendo frente às necessidades de continuidade da formação e capacitação. ampliação com qualidade. COLABORADORES ACOLHIMENTO COMUNIDADE JUVENIL CENTRO SOCIAL CENTRO COMUNITÁRIO 2006 324 12 117 10 2007 315 4 123 7 2008 323 1 153 16 2009 329 0 159 19 2010 316 0 191 27 Crédito: Tadeu Mafra30
  • 31. OPERAÇÕES - OP Crédito: Tadeu Mafra“Administrar é usar recursos escassos e torná-los suficientes para atingir um objetivo” . Eliane de Oliveira PALAVRAS-CHAVE OPERACIONALIZAÇÃO, EFICIÊNCIA E CONTROLE 31
  • 32. OPERAÇÕES Cada vez se torna mais imprescindível possuir controles e ferramentas que assegurem o correto uso dos recursos financeiros, sejam nacionais ou internacionais, para a transparência e credibilidade na prestação de contas a doadores, assim como à manutenção de convênios e parcerias necessárias para a sustentabilidade de nossa atuação. Em 2008, já com foco nas metas internacionais, definiu-se a área de Operações, que engloba toda a parte financeira/contábil, construções, padrinhos internacionais e administração de pessoal. OPERAÇÕES PARTICIPANTES ORÇAMENTO TOTAL (US$) SUBSÍDIOS INTERNACIONAIS (US$) 2005 4872 14.298.371 11.438.696 2006 5251 14.712.630 11.770.105 2007 8048 13.329.945 10.663.956 2008 9996 14.021.268 11.217.015 2009 9635 12.627.035 8.831.627 2010 9806 14.064.974 11.558.619 PADRINHOS INTERNACIONAIS PADRINHOS INTERNACIONAIS DE PROGRAMAS DE CRIANÇAS 2005 848 5953 2006 866 6575 2007 866 6747 2008 1108 6625 2009 1123 6327 2010 1137 5090 OBRAS - Projetos concluídos em 2010 · Reforma das casas-lares do Programa Aldeias Infantis SOS Brasil - Manaus/AM A reforma teve início em 2009, com substituição dos telhados, adequações nas instalações elétricas e hidráulicas. Também foi reformada uma parte da administração. · Reforma e ampliação do Centro Social de Igarassu / PE Os espaços destinados as atividades deste Centro Social e a administração do programa Aldeias Infantis SOS Brasil Igarassu foram reformados para recuperar suas instalações de água, esgoto e energia elétrica; a cobertura metálica; a construção do sistema de drenagem de águas pluviais; a adequação dos espaços internos e a construção de um refeitório. A área do edifício destinada à administração foi toda reconstruída e as outras áreas passaram por reformas. As salas, os vestiários, a cozinha e o refeitório receberam revestimentos cerâmicos, pintura, janelas de alumínio, portas internas de madeira e externas de alumínio.32
  • 33. MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS E COMUNICAÇÃO - FDC Crédito: Tadeu Mafra “Muitas crianças precisam de muitos Amigos SOS. É fácil fazer o bem, se muitas pessoas colaboram. ” Hermann Gmeiner PALAVRAS-CHAVE MOBILIZAÇÃO, COMUNICAÇÃO E EXPANSÃO 33
  • 34. MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS E COMUNICAÇÃO De acordo com o novo Plano Estratégico Internacional, em vigor no período de 2009-2016, foram estabelecidas mudanças na área de Mobilização de Recursos e Comunicação para os próximos anos. Para essa área, o ano de 2010 foi marcado por grandes oportunidades e pela estruturação da equipe. A nova estrutura tem o objetivo de mobilizar pessoas e recursos em prol das necessidades da infância, por isso, se torna muito mais funcional, possibilitando que o talento da equipe seja explorado da melhor maneira possível. As ações objetivaram ampliar a base de doadores individuais mensais e estabelecer novas parcerias que garantiram os resultados financeiros. Crédito: Tadeu Mafra34
  • 35. · Produção pro bono de campanha de mala-direta.· Desenvolvimento de projetos de ICT4D - Information and Communication Technologies for Developmentcom foco na formação de jovens para o mercado de trabalho de ICT - Tecnologia da Informação eComunicação, com a possibilidade de utilização do trabalho voluntário de colaboradores da Cisco paraapoio nas atividades.· Em 2011 teremos duas unidades como piloto, visando à empregabilidade e a ampliação da renda dosjovens, buscando parceiros e oportunidades a fim de acelerar o processo de contratação. Essa iniciativainaugura uma nova maneira de atuação organizacional, utilizando a tecnologia diretamente para gerarimpacto socioeconômico no Grupo Meta. · Produção pro bono de anúncios e materiais para campanhas de recrutamento de novos Amigos SOS. · Apoio na conquista de espaços gratuitos para veiculação.· Assessoria e relacionamento com a imprensa.· Diagramação da Revista do Amigo.· Organização do Prêmio Hermann Gmeiner de Responsabilidade Social.· Com o apoio da Consultoria Pyxis Desenvolvimento Humano, promovemos capacitação do eixogerencial em técnicas de liderança, coaching e feedback.· Produção gratuita de vídeo.· Produção de layouts e diagramações diversas.· Assessoria e relacionamento com a imprensa. · Doação do Software - Obtivemos em agosto de 2010 uma doação de mais de 500 licenças de software Microsoft, totalizando em valores de mercado, cerca de R$ 500.000,00. Com essas licenças, vamos garantir em 2011 que 100% dos computadores da Organização tenham softwares oficiais e atualizados por até dois anos. Disponibilizamos assim, os melhores softwares e ferramentas aos usuários, que aliados ao fornecimento de novos equipamentos e formação em ICT - Tecnologia da Informação e Comunicação, devem proporcionar as condições necessárias para que os colaboradores possam desenvolver suas atividades com qualidade e alto desempenho. 35
  • 36. AÇÕES DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO · O valor que seria gasto com cartões de Natal para clientes e parceiros foi revertido em doações para a Organização. A empresa enviou aos clientes e parceiros, cartões eletrônicos de Boas Festas das Aldeias Infantis SOS. · Doação de kits escolares por parte dos funcionários. · Realização de PrêmioTransatlântico de Fotografia, em que a renda da venda das melhores fotografias do concurso foi revertida para a Organização. O clube de negócios também cedeu gratuitamente seu espaço para a realização do 1° Prêmio Hermann Gmeiner de Responsabilidade Social. · O site destina parte da renda de suas assinaturas do Programa de Reeducação Alimentar. · Doação em dinheiro para manutenção dos nossos programas. · Campanha de doação de livros. · Campanha de doação de agasalhos e material escolar por parte dos funcionários. · Doação de alimentos. · Parceria institucional por meio de apresentação da Organização aos parceiros. · Doação de alimentos e livros pela GE Volunteers - programa de voluntariado da empresa. · Doação de materiais escolares para crianças e jovens do Acolhimento de Rio Bonito, Brasília, Porto Alegre e Jacarepaguá. · Doação de brinquedos novos, distribuídos entre todas as unidades.36
  • 37. · Voluntariado em POÁ/SP pelos trainees da empresa. · Campanha de doação de brinquedos. · Ação de voluntariado com funcionários no Rio de Janeiro. · Doação em dinheiro pela Mattel Foundation, destinados ao Fortalecimento Familiar e Comunitário de Natal/RN. · Campanha para captar doações de pessoas físicas no site de descontos. · Campanha com doação de kits escolares junto a funcionários. · Campanha de arrecadação de livros junto a funcionários. · Doação de brinquedos. · Apoio financeiro.STORE · Patrocínio de projeto no Centro Comunitário de Rio. · Ação de internet convidando os clientes da empresa a se tornarem Amigos SOS. 37
  • 38. AÇÕES DE RELACIONAMENTO COM AMIGOS SOS · Envio de encartes junto as faturas de cartões de crédito de clientes do Banco do Brasil. · Envio de mala-direta para recrutamento de novos Amigos SOS e para reativação de antigos Amigos SOS. · No final do segundo semestre, comemoramos a implantação do novo sistema para relacionamento com Amigos SOS (MF Plus). As ferramentas ERP e CRM permitem relatórios mais dinâmicos e precisos sobre os resultados das campanhas desenvolvidas, novas metodologias para extração e segmentação de público, além do compartilhamento de dados e informações de forma padronizada com outras Associações Nacionais da Organização. AÇÕES DE COMUNICAÇÃO · Envio de releases à imprensa, que proporcionaram grande exposição da Organização em matérias de rádio, jornal, revista, TV e internet. · Destaque para publicação de matérias em veículos de grande circulação, como no jornal Valor Econômico e na Revista Caras. · Conquista de espaços gratuitos em veículos segmentados e de grande circulação, como nos jornais Valor Econômico e no Destak. · Atualização do banco de fotos profissionais, com o apoio de fotógrafos voluntários. · Publicação de duas edições da Revista do Amigo. AÇÕES DE NEW MÍDIA · Reestruturação completa do site, proporcionando maior facilidade na navegação, além de ser encontrado mais facilmente por sites de pesquisa, como o Google, por exemplo. · Foi realizada a primeira campanha de recrutamento de Amigos SOS pela internet, por meio de banners em grandes portais, como MSN, UOL,Yahoo, IG eTerra. · Veiculação gratuita de links patrocinados no Google. GIFE Desde o dia 9 de setembro, a Organização Aldeias Infantis SOS Brasil foi incluída no quadro de associados do GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas. O GIFE é uma associação sem fins lucrativos que reúne organizações de origem empresarial, familiar, independente e comunitária, que investem em projetos sociais, culturais e ambientais.38
  • 39. Crédito: Tadeu MafraSUSTENTABILIDADE
  • 40. SUSTENTABILIDADE Durante este ano, diversos municípios procuraram a expertise da Organização para a implementação do PAISOS - Programa Aldeias Infantis SOS. Este oportuno cenário foi gerado pelas novas políticas governamentais que definem metas de alinhamento e reordenamento em todos os serviços de Acolhimento prestados à sociedade. O modelo de atendimento, com base no cuidado familiar, oferecido pela Aldeias Infantis SOS, se configurou em possibilidade favorável para esse reordenamento de serviços, novas frentes e a ampliação da atuação em outros municípios (Aracaju/CE, Embu das Artes e Ubatuba/ SP Londrina/ PR, , Araçoiaba e Carpina/ PE). A perspectiva atual é crescer em outros estados, principalmente na região norte e nordeste, de acordo com dados de vulnerabilidade, buscando financiamentos locais, em especial com o governo. Campinas, uma cidade do Estado de São Paulo, firmou há dois anos, uma parceria de 80% de custeio do serviço de Acolhimento e em 2010 estabeleceu também uma parceria no trabalho junto as comunidades e famílias em alta vulnerabilidade do Município. Os gestores, ao longo deste ano, buscaram diversos tipos de financiamentos e convênios governamentais e particulares, para desenvolver seus projetos de caráter qualitativo, buscando a auto-sustentabilidade. Hoje 80% dos programas SOS têm algum tipo de convênio e parceria com o Governo ou empresa com fundo de incentivo ao trabalho social. Esta atitude de buscar a sustentabilidade local tem sido a prioridade e estratégia de todos os programas. Segue abaixo alguns exemplos: · Pelo quinto ano consecutivo, a empresa Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes, executou a auditoria financeira da Associação Nacional. · Doação da Fundação Konrad Wessel no valor de R$130.000,00, utilizado para manutenção dos projetos. · Doação da Fundação Prada de R$ 83.000,00 para a reforma do Centro Comunitário Madre Angela em Poá/SP. · Em Recife - Iniciamos um projeto de geração de renda para mulheres, com patrocínio integral da Fundação Avon. Ofertamos essa oportunidade às mães das crianças atendidas pelo programa. Hoje o projeto é referência na região, como proposta social empreendedora, com resultados expressivos. · Em Manaus - O programa firmou parceria com a Petrobras, para o financiamento de um projeto voltado para crianças, famílias e lideranças comunitárias do Município de Rio Preto da Eva, marcado por situações de violação de direitos. Hoje, com um espaço cedido pelo Município e reformado pela Organização, este projeto atende diariamente crianças, oferecendo serviços de incentivo à cultura local, educação, promoção e defesa de direitos. · No Rio Grande do Norte - O programa de Caicó também firmou um convênio com a Petrobras para o financiamento da Orquestra Filarmônica Infantil e Juvenil, para a comunidade local. A Petrobrás também aprovou um Projeto de fortalecimento de famílias dos programas de João Pessoa / PB.40
  • 41. Crédito: Tadeu MafraPRÊMIO HERMANN GMEINER
  • 42. I PRÊMIO HERMANN GMEINER DE RESPONSABILIDADE SOCIAL No dia 10 de novembro, em São Paulo, foi realizada a primeira edição do Prêmio Hermann Gmeiner de Responsabilidade Social, que prestou homenagem a 24 empresas parceiras do Brasil e contou Crédito: Tadeu Mafra com a presença de aproximadamente 150 convidados . A Vice-Prefeita de São Paulo e Secretária de Assistência e Desenvolvimento Social do Município, Alda Marco Antônio, abriram o evento, enaltecendo o trabalho realizado pela Organização. A entrega dos troféus ficou a cargo de cinco participantes do programa de Poá: Amanda, Gabriele, Laura, Lucas e Lucas Gabriel. Os apoiadores dos programas foram divididos em cinco categorias: APOIO A PROJETOS - Reconheceu as empresas que investiram recursos financeiros para o Crédito: Tadeu Mafra desenvolvimento ou ampliação de projetos da Organização: CISCO (Ligia Oliveira – Gerente da Cisco Academy), HSBC INSTITUTE (Eliziane Gorniak – Gerente de Responsabilidade Corporativa), DUFRY (Alvaro Neto – Gerente Geral SP) e AVON (Débora Regina – Gerente de Vendas). AÇÕES COM CLIENTES - Foram reconhecidas as empresas parceiras que abriram seus canais de relacionamento com o objetivo de engajar seus clientes em prol do trabalho da Aldeias Infantis Crédito: Tadeu Mafra SOS: SWISS (Arturo Kelmer – Diretor de Marketing), CYBERDIET (Alexandre Canatella – CEO), BANCO DO BRASIL (Bel Gribel – Diretora de Cartões), CAIXA ECONÔMICA (Fernando Passos – GerenteGeral SP) e KALUNGA (Paulo Garcia – CEO). AÇÕES COM FUNCIONÁRIOS - O envolvimento voluntário dos colaboradores com o trabalho da Crédito: Tadeu Mafra Aldeias Infantis SOS, tornou ainda mais legítimo o apoio das empresas homenageadas: SUPPORT MEDICAL NUTRITION/DANONE (Eduardo Trabulsi – Diretor de RH LATAM) e MELITTA (Bernardo Wolfson – CEO). DOAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS - As empresas homenageadas na categoria foram: PYXIS (Ivan Petrini – Diretor), GLOBAL CROSSING (Paula Vivo – Comunicação LATAM), TECHSOUP (José Crédito: Tadeu Mafra Avando – Presidente), HASBRO (Silvana Souza – Head de RH), MICROSOFT (Alexandre Esper – Diretor Jurídico), DELOITTE BRASPRESS (Flávio Silva – Sócio), ADM (Andréia Baptista – Responsável por Responsabilidade Social) e BRASPRESS (Tayguara Helou – Diretor). Crédito: Tadeu Mafra APOIO INSTITUTIONAL – Essa categoria faz um agradecimento às empresas e organizações que colaboram com o desenvolvimento institucional da Aldeias Infantis SOS. Os homenageados foram: VISA , LVBA Comunicação e Publicidade, GERMAN CHAMBER e ESTAÇÃO BRASIL Advertising. Além de cada uma das categorias, a Organização fez uma menção especial a algumas empresas com as quais está iniciando parcerias promissoras: FNAC, G.E., Rimowa e ClubTransatlântico. O evento foi realizado com o apoio de diversos parceiros. Essa iniciativa foi uma excelente oportunidade para agradecer a participação de alguns dos responsáveis por conseguirmos cumprir nosso objetivo: garantir que cada criança cresça em uma família com amor, respeito e segurança.42
  • 43. Crédito: Tadeu MafraACONTECEU EM 2010
  • 44. VISITAS PRESIDENTE MUNDIAL VISITA ALDEIAS Helmut Kutin visita Aldeias Infantis SOS Brasil e comemora a páscoa com as crianças do programa de Pedra Bonita O presidente mundial da Organização Aldeias Infantis SOS, Helmut Kutin, chegou ao Brasil em 3 de abril de 2010, juntamente com Heinrich Müller, Diretor Continental, para visitar alguns dos programas SOS do país. A visita foi marcada por homenagens a 14 mães-sociais e pela alegria de colaboradores e crianças. O presidente mundial comemorou o domingo de páscoa junto às crianças e colaboradores do programa de Pedra Bonita, no Rio de Janeiro. Feliz por voltar ao programa de Manaus, 15 anos após a inauguração, Helmut Kutin participou de uma programação de três dias nos programas de Manaus e Rio Preto da Eva, no Crédito: Acervo Aldeias Infantis Estado do Amazonas. O ponto alto foi a homenagem realizada para a mãe-social, Waldenice, do Espírito Santo, no teatro Hermann Gmeiner, com mais de 100 convidados, crianças e colaboradores que prestigiaram o evento. Além da entrega do anel para a mãe-social, o Sr. Kutin assistiu as apresentações culturais típicas da região realizadas por crianças e jovens. Em seu discurso, o presidente inspirou crianças, mães-sociais e colaboradores para que busquem um futuro digno e feliz. Wal, como é carinhosamente chamada, é mãe-social há 14 anos, tempo em que foi responsável pelo desenvolvimento de 20 crianças. Ela ficou radiante por compartilhar esse momento tão especial com as crianças, adolescentes e familiares. Ainda durante a visita a Manaus, Helmut Kutin foi homenageado pela Câmara Municipal de Vereadores, pela sua trajetória e pelo brilhante trabalho realizado na cidade ao longo de 15 anos. No dia 08 de abril, em São Paulo, o presidente visitou o programa de Rio Bonito. A seguir, houve uma cerimônia solene: 11 mães-sociais foram homenageadas pelos anos de trabalho recebendo o anel da Organização das mãos do Presidente Mundial. O evento, que contou com a presença de autoridades, colaboradores e crianças, também homenageou o ex-presidente da Organização Aldeias Crédito: Acervo Aldeias Infantis Infantis SOS Brasil, Dr. Maurice van Den Berch van Heemstede, pela sua dedicação e pelas conquistas de sua gestão. Em seu discurso, Helmut Kutin expressou sua satisfação com a oportunidade de se aproximar dos programas do Brasil, e relatou o emocionante encontro que teve com um jovem que cresceu no programa de Manaus e hoje tem uma família estruturada.44
  • 45. PRINCESA MATHILDE, MAURREN MAGGI E KIM GEVAERT NA ALDEIAS Princesa Mathilde visita Aldeias Infantis SOS Brasil na companhia das Medalhistas Maurren Maggi e Kim Gevaert. Crédito: Tadeu MafraEm 18 de maio de 2010, a princesa Mathilde, da Bélgica, e uma comitiva de empresários belgas, estiveram no programa de Poá,em São Paulo, para selar o patrocínio do projeto Esporte paraTodos.As medalhistas de atletismo das Olimpíadas de 2008, na China, a brasileira Maurren Maggi (ouro no salto em distância) e a belgaKim Gevaert (prata no revezamento 4X100m), acompanharam a visita e prestigiaram o evento.O projeto é financiado por empresários belgas e prevê a manutenção da infraestrutura por cinco anos. O patrocínio do projetopermitirá a reforma do campo de futebol com toda a infraestrutura necessária, incluindo vestiários e professor para 150 crianças ejovens, de 5 a 18 anos, da comunidade de Poá, além dos participantes dos programas da Aldeias Infantis SOS Brasil.O Projeto Esporte paraTodos.Este projeto visa criar uma perspectiva de participação cidadã, no qual se reconheçam as habilidades esportivas e as potencialidades dosparticipantes, favorecendo o protagonismo infanto-juvenil e um posicionamento crítico diante das questões esportivas, comunitárias e sociais.Além disso, busca motivar a comunidade de Poá para a prática de atividades esportivas, estimulando competições locais e entre cidades vizinhas,com o objetivo de diminuir os problemas da juventude atual como violência, drogas, baixa auto-estima e desemprego. ASTA HOLLER VISITA ALDEIASEm novembro, tivemos a visita do Diretor da Fundação Asta Holler, da Alemanha, Dr. Pressler, acompanhado pelos membros daAssociação Nacional, Dr. Avelino Schmitt e Klaus Windmüller, que visitaram os programas de Porto Alegre e Goioerê. 45
  • 46. ENCONTROS NACIONAIS E INTERNACIONAIS ENCONTRO DE GESTORES NACIONAIS · O primeiro encontro, que ocorreu entre os dias 9 e 16 de abril, teve início com a solenidade de entrega de anéis para mães-sociais com a presença do Presidente Mundial; · O segundo encontro foi realizado no período de 9 a 11 Crédito: Acervo Aldeias Infantis de agosto, como preparação para o processo de Planejamento Nacional 2011; · E o terceiro encontro foi realizado de 28 de novembro a 4 de dezembro, com foco nos alinhamentos dos desenvolvimentos de programas para 2011 e a preparação do plano gerencial de cada gestor para o ano de 2011. ENCONTRO DOS PROJETOS PILOTOS NO ENCONTRO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ENFOQUE INTEGRAL DE DIREITOS No período de 6 a 8 de setembro, realizamos pela terceira vez o De 27 de setembro a 1º de outubro, sediamos o Encontro de Planejamento estratégico para 2011, com a participação Encontro Regional de Assessores de de representantes da Secretaria Geral, Walter Cadima e Jerry Desenvolvimento de programas com a presença das Bustillos; da Gestora Nacional, Subgestores e Assessores Nacionais Assessoras Regionais, Nancy Ardaya e Mônica do Conselho Nacional de Operações. Beltran, dos gestores de programas e Assessores Nacionais dos países Chile, Peru, Bolívia, Equador, Colômbia e Brasil. O Brasil liderou junto com os outros países temas referente ao desenvolvimento de jovens até a sua autonomia e trabalho com as famílias. Crédito: Acervo Aldeias Infantis ENCONTRO DOS ASSESSORES DE RECURSOS HUMANOS Sediamos, no Escritório Nacional, o encontro dos Assessores de Recursos Humanos da América do Sul, no período de 25 a 29 de outubro, que contou com a presença dos Assessores Regionais, Ronald Paravicini e Jerry Bustillos, e do Diretor Regional, Walter Cadima.46
  • 47. ENCONTRO DE DESENVOLVIMENTO DA MARCADe 17 a 26 de fevereiro, recebemos a visita da Assessora O Encontro Internacional de Assessores Nacionais deContinental de Desenvolvimento da Marca, Cristina Wasner, para Desenvolvimento da Marca, realizado no Paraguai,o Encontro de Capacitação da Marca para o Conselho Nacional entre os dias 13 a 17 de setembro, teve a primeirade Operações e Líderes do Escritório Nacional. participação do Brasil.Em Engenho do Meio e Igarassu, a Sra. Wasner, realizou doisencontros de Sensibilização da Marca, dando início ao processopara todos os programas do país. ENCONTRO SOBRE AS NOVAS POLÍTICAS DA ORGANIZAÇÃOAconteceu em Cochabamba, na Bolívia, no primeiro semestre colaboradores que participaram de diversas comissõesde 2010, um momento de estudo e elaboração de diretrizes com que definiram marcos de desenvolvimento para osbase nas novas políticas organizacionais (Inclusão, Educação, programas em âmbito regional.Proteção Infantil, HIV/ AIDS). O Brasil esteve presente com oito Crédito: Acervo Aldeias InfantisENCONTRO DA REDE LATINO AMERICANA DE ENCONTRO REGIONAL DE PADRINHOSACOLHIMENTO INTERNACIONAISEm Foz do Iguaçu, ocorreu o encontro da RELAF - Red Este ano aconteceu o Encontro Regional de PadrinhosLatinoamericana de Acolhimento Familiar, com o tema: Internacionais em Cusco, Peru. Neste momento ficou“Modalidades Alternativas de Acolhimento” Diversas . entendida a função estratégica de padrinhos dentro doAssociações Nacionais enviaram seus representantes, além da cenário nacional e internacional.presença do Escritório Continetal e Regional. Este encontro O Brasil representou a América do Sul no Encontro depublicou oficialmente o documento “Diretrizes sobre as Padrinhos da América Latina e Caribe, que aconteceu naModalidades Alternativas do Cuidado de Crianças” redigido a Cidade da Guatemala. Nessa ocasião, além das trocaspartir da experiência do Brasil no Acolhimento de crianças. Tal de experiências e aprendizado, foi mostrado aosdocumento é, hoje, referência nesse assunto na ONU. colegas a CATTool utilizada no Brasil. 47
  • 48. SECRETARIADO NACIONAL SECRETARIADO NACIONAL DO FÓRUM DCA Ao manter o cargo no ano de 2010, pudemos interferir na de Mendes/RJ, com adolescentes participantes das afiliadas definição das políticas públicas que tratam dos direitos das do FNDCA e educadores sociais. crianças, adolescentes e jovens. Para isso, realizamos 5 Estamos em construção com o Projeto de Monitoramento, Seminários Regionais, contemplando as regiões Norte, baseado em Dados da Infância e Adolescência Brasileira, Nordeste, Sul, Sudeste e Centro-Oeste, culminando para o ancorado numa análise de cenário que investiga a garantia Seminário Nacional após a realização da Plenária de Políticas dos direitos fundamentais legitimados sob a égide dos Públicas, com o objetivo de contribuir na construção do Plano marcos regulatórios da Constituição, do Estatuto da Criança e Decenal e na Política Nacional dos Direitos da Criança e do do Adolescente e da Convenção Internacional dos Direitos da Adolescente. Criança e do Adolescente, para fins de maior incidência Assegurando o direito à participação e protagonismo, política da sociedade civil e fortalecimento dos conselhos. realizamos o II Encontro Nacional de Adolescentes na cidade INAUGURAÇÃO NOVO CENTRO SOCIAL É INAUGURADO EM IGARASSU No dia 30 de junho de 2010, a Organização Aldeias Infantis musicalidade e desenvoltura, tirando sons de instrumentos SOS Brasil, inaugurou em Igarassu, seu 14° Centro Social. A não-convencionais, utilizando garrafas, canos, outros cerimônia registrou a presença de mais de 300 convidados, material reciclados e também o próprio corpo. entre eles crianças participantes do programa, A solenidade contou com os discursos do Prefeito de patrocinadores e autoridades. Igarassu, Genésio Baracho, e o Secretário Adjunto de O Centro Social de Igarassu foi inaugurado em clima de festa, Assistência Social, Melchiades Pereira Neto, sobre a com a participação de 200 crianças, de 4 a 12 anos, e suas importância do Centro Social e da Aldeias Infantis SOS famílias, beneficiadas pelo novo espaço. para o município e para o estado de Pernambuco. Outro Três grupos de crianças e adolescentes participantes do importante discurso foi o do Presidente da Dufry no Brasil, programa apresentaram lindas manifestações culturais, que Humberto Mota. Esta é uma das principais empresas de valorizaram a música e a dança da região Nordeste do Brasil. varejo de viagem do mundo e a patrocinadora da construção O ponto alto da festa foi a apresentação do grupo de do Centro Social. percussão do Centro Social, que demonstrou muita Crédito: Tadeu Mafra48
  • 49. Crédito: Tadeu Mafra DADOS E RELATOS *Nomes fictícios para preservar a identidade “Se, na verdade, não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo; se não é possível mudá-lo sem um certo sonho ou projeto de mundo, devo usar toda possibilidade que tenha para não apenas falar de minha utopia, mas participar de práticas com ela coerentes” . Paulo Freire
  • 50. Ao longo deste relatório apresentamos diversos dados e atividades realizadas durante o ano de 2010 na Aldeias Infantis SOS Brasil. Nossa razão de ser está baseada na possibilidade de propiciar um ambiente familiar e protetor para crianças em situação de vulnerabilidade. Sabedores desta responsabilidade, mensuramos também os nossos resultados a partir do impacto de nosso trabalho. Isto se materializa em casos reais de nossa atuação na garantia, promoção e defesa de direitos de crianças, adolescentes e jovens que destacamos em seus relatos a seguir: AMAZONAS / MANAUS Há 11 anos, Jonathan* foi acolhido no programa Aldeias Infantis SOS de Manaus, pois sua mãe biológica não tinha condições de cuidar dele. O jovem, hoje com 16 anos, mora com uma mãe-social e com irmãos SOS, onde se tornou um jovem esforçado, estudioso e obediente, além de ter superado a dor da perda, passando a visitar sua mãe biológica semanalmente. Atualmente está cursando o 1º ano do Ensino Médio; é menor aprendiz pela Petrobras; cursa informática e faz um curso para seguir a carreira militar, pois deseja servir na aeronáutica e continuar a se profissionalizar. ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 28/10/1997 Inicio das Operações 2004 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 126 Total de Crianças 587 0 a 3 anos 6 0 a 3 anos 28 4 a 5 anos 4 4 a 6 anos 208 6 a 10 anos 38 7 a 14 anos 351 Faixa Etária 11 a 13 anos 34 Mulheres 413 Faixa Etária 14 anos 10 Homens 348 15 a 17 anos 31 Famílias 360 acima de 18 anos 3 Residência Assistida - Acima de 18 anos 3 BAHIA / LAURO DE FREITAS Anderson*, um adolescente participante do programa de Lauro de Freitas, cresceu frequentando o terreiro de candomblé do seu tio. Ele mostra para o grupo seu álbum de fotografias das festas de família e amigos dentro do terreiro, enquanto explica sobre os rituais religiosos no candomblé. A curiosidade envolve o grupo e promove debates dinâmicos e enriquecedores que desmistificam preconceitos. Isso acontece porque este programa de Lauro de Freitas carrega um histórico de misturas entre povos, com distintos costumes, crenças, valores e rituais, com predominância da cultura afro-descendente. Dessa forma, as crianças e adolescentes identificam e resgatam a grande diversidade cultural e religiosa existentes na comunidade, e expressam a pluralidade de crenças e valores vivenciados no âmbito familiar. ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 5/12/1980 Inicio das Operações 8/11/2001 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 83 Total de Crianças 286 0 a 3 anos 11 4 a 6 anos 42 4 a 5 anos 7 7 a 14 anos 148 6 a 10 anos 22 Acima de 14 anos 96 Faixa Etária - 11 a 13 anos 24 Mulheres 88 Faixa Etária 14 anos 4 Homens 57 15 a 17 anos 10 Famílias 221 acima de 18 anos 5 Residência Assistida - Acima de 18 anos 6 BRASÍLIA / DISTRITO FEDERAL Juca* saiu do Pará quando tinha 6 anos, trazido por sua mãe a procura de uma vida melhor em Brasília. Os primeiros anos não foram fáceis e como consequência Juca* e os dois irmãos foram acolhidos, mas a mãe continuava presente em suas vidas, pois não deixava de visitar os filhos. Enquanto isso, eles aguardavam a construção da sonhada casa. Foi então que a mãe teve um derrame cerebral, mas mesmo assim Juca* estudou muito, se tornou Joaquim*, e começou a trabalhar em uma banca de jornal, onde leu tudo o que pôde para passar no Vestibular de Ciências da Computação. Emancipado, foi morar com a mãe e os irmãos na casa que ajudou a construir. Hoje, formado, ele trabalha em uma empresa de Consultoria de Informática. E agradece todos os dias por ter tido quem acolhesse a ele e aos irmãos na fase mais difícil de suas vidas, para que pudessem ter, de novo, a família reunida em um verdadeiro lar. ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 29/4/1972 Inicio das Operações 1/4/2007 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 113 Total de Crianças 260 0 a 3 anos 10 7 a 14 anos 200 4 a 5 anos 5 Acima de 14 anos 60 6 a 10 anos 24 Faixa Etária Mulheres 52 11 a 13 anos 26 Homens 48 Faixa Etária 14 anos 8 Famílias 100 15 a 17 anos 26 acima de 18 anos 14 Residência Assistida - Acima de 18 anos 450
  • 51. MINAS GERAIS / JUIZ DE FORAEm uma visita domiciliar, duas educadoras do Fortalecimento Familiar e Comunitário de Juiz de Fora constataram a necessidade de ajudar e intervir em um problemaidentificado na família de Everton*, que aos três anos dormia em um galinheiro, não falava, usava fraldas e ficava o dia inteiro em frente a televisão. Essa foi uma cenamuito chocante, por isso conversaram com a mãe de Everton*, que passava por problemas no relacionamento e tentava manter o casamento por meio do filho, dizendoque ele era muito doente e consequentemente não via necessidade de estimulá-lo. Após várias conversas, Everton* foi matriculado no programa de Fortalecimento e aeducadora fez um belo trabalho junto à família, que colaborou para que as visitas acontecessem. A mudança em alguns meses era visível, e agora, ele é um garoto feliz,participa de todas as atividades da escola infantil e começou a ser atendido por um fonoaudiólogo. Sua mãe agradece ao programa pela mudança toda. ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 14/4/1984 Inicio das Operações 4/2003 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 96 Total de Crianças 338 0 a 3 anos 6 0 a 3 anos 132 4 a 5 anos 1 4 a 6 anos 78 6 a 10 anos 23 7 a 14 anos 128 Faixa Etária 11 a 13 anos 20 Mulheres 229 Faixa Etária 14 anos 14 Homens 272 15 a 17 anos 29 Famílias 297 acima de 18 anos 3 Residência Assistida - Acima de 18 anos 4PARANÁ / GOIOERÊFabiana* foi acolhida no programa Aldeias Infantis SOS de Goioerê, em 1991, aos dois anos, com vários problemas de saúde e atraso no desenvolvimento físico emotor. Na época, a garotinha era aluna da APAE e precisava de cuidados especiais, pois não andava, não falava e se arrastava pelo chão. O diagnóstico: paralisiacerebral. Ela precisava iniciar com urgência o tratamento com acompanhamento psicológico, ortopédico, fonoaudiólogo e fisioterápico. A partir desse momento,iniciou-se uma grande luta da mãe-social Maria do Socorro pela vida de Fabiana*. Foram diversas cirurgias em Curitiba, tratamentos contínuos de fisioterapia, para queFabiana* desse os primeiros passos. Apenas aos cinco anos Fabiana* caminhou pela primeira vez. Sua mãe-social não mediu esforços para que a menina vencesse aparalisia, ainda que parcialmente. Com o apoio da mãe-social, do irmão biológico, também acolhido, e de todos no programa, Fabiana superou seus limites, e hoje,comemora com muita alegria cada conquista: formou-se em cursos de inglês, teclado e técnico em magistério. Permaneceu no programa até sua maioridade, e em2008, conquistou seu primeiro emprego em uma empresa de tratores, como recepcionista, passou então a morar sozinha e caminhar rumo a sua independência. Comas barreiras de saúde superadas, Fabiana* foi atrás de outra realização: retomar o contato com sua mãe biológica. Mais uma vez, a palavra obstáculo não significounada para Fabiana*, que atualmente mora na cidade de Cianorte, no estado do Paraná, com sua mãe biológica, e acaba de passar em um concurso público domunicípio. ACOLHIMENTO Inaugurada em 26/5/1977 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 82 0 a 3 anos 13 4 a 5 anos 4 6 a 10 anos 19 11 a 13 anos 18 Faixa Etária 14 anos 3 15 a 17 anos 15 acima de 18 anos 10 Residência Assistida - Acima de 18 anos 3PARAÍBA / JOÃO PESSOAA mãe-social Janete Santa Rosa, há 10 anos coleciona histórias de sucesso no programa Aldeias Infantis SOS. Uma dessas histórias começou quando ela recebeuum grupo de seis irmãos em sua casa-lar. A mãe biológica deles estava no hospital, em estágio terminal, e não existia na família e na comunidade quem pudesseassumir seus seis filhos. Assim que recebeu as crianças, Janete sentiu uma emoção muito forte. Em companhia das crianças, chegou a visitar algumas vezes a mãebiológica no hospital. Lembra, emocionada, que uma das meninas falou para a mãe que agora era uma pessoa rica, pois não tinha mais piolhos. Antes de falecer,quando sua doença estava em um estágio bem avançado, a mãe biológica entregou as crianças para Janete e disse que morreria tranquila, porque sabia que os seusfilhos estavam em boas mãos. Hoje, as crianças estão se tornando adolescentes e vivenciando a fase de acordo com a idade de cada um, sempre em clima de diálogo eafeto. ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 31/5/1987 Inicio das Operações 2/2003 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 100 Total de Crianças 832 0 a 3 anos 2 0 a 3 anos 20 4 a 5 anos 4 4 a 6 anos 268 6 a 10 anos 40 7 a 14 anos 542 11 a 13 anos 37 Faixa Etária Acima de 14 anos 2 Faixa Etária 14 anos 3 Mulheres 551 15 a 17 anos 12 Homens 31 acima de 18 anos 2 Famílias 582 Residência Assistida - Acima de 18 anos 4PERNAMBUCO / ENGENHO DO MEIO“Quando chegamos ao espaço é maravilhoso! Esqueço todos os meus problemas, pois as meninas são ótimas, tudo é gratificante: desde a confecção até a venda dosmateriais. Eu sou feliz assim: com outras pessoas, aprendendo, trocando experiências e estimulando as que estão passando pelos mesmos problemas que passei” nos ,relata Maria Etiene, 46 anos, solteira e com dois filhos. Ela nos conta também que antes de participar da oficina de criatividade da Aldeias Infantis SOS era umapessoa triste e deprimida, passava a maior parte do tempo assistindo televisão e até chegou a pensar em suicídio. O projeto “Mãos que Abrem Caminhos” abriu ,também os olhos de 15 mulheres da comunidade Roda de Fogo, para que impulsionassem suas vidas, desenvolvessem suas habilidades produtivas e se tornassemmulheres independentes. Maria Etiene, por exemplo, se tornou uma representante de produtos de beleza e se sente bem em divulgar este trabalho, se envolve bastantenas feiras para apresentar os produtos artesanais, confeccionados pelo grupo de mulheres, e não precisa viver apenas com benefícios do governo. FORTALECIMENTO Inicio das Operações 13/11/2007 Total de Crianças 1412 0 a 3 anos 52 4 a 6 anos 451 7 a 14 anos 866 Faixa Etária Acima de 14 anos 866 Mulheres 397 Homens 203 51
  • 52. PERNAMBUCO / IGARASSU Em 2008, Renata* foi acolhida bastante debilitada no programa Aldeias Infantis SOS Igarassu, aos cinco meses de vida. O pai, desempregado, fazia uso abusivo de bebidas alcoólicas e quando estava sob o efeito da bebida, costumava agredir a todos em casa. Durante os dois anos em que esteve acolhida, a família pôde se reorganizar e reconquistar o direito à convivência com ela. No final de 2009, ela foi reintegrada a sua família e a partir de então, o programa SOS passou a acompanhar sistematicamente a família, ouvindo, orientando e apoiando através do serviço social e da mãe-social, visando o fortalecimento e a autonomia familiar. Um ano depois, em um encontro no programa realizado com as famílias, o pai de Renata* se emocionou ao contar que estava tomado pelo vício, sem emprego, sem casa e praticamente sem família, mas a cada encontro que participava, sentia-se mais fortalecido e convencido de que era possível a mudança. Aos poucos, foi superando o vício da bebida. Para ele, três fatores foram importantes nesse processo de superação: o seu temor a Deus, a ajuda de sua esposa e o apoio da Aldeias Infantis SOS. Atualmente, a família reside em imóvel próprio, que é bastante simples, mas aconchegante. O pai se orgulha de manter a família com o fruto do próprio trabalho e com o apoio recebido. A filha mais velha participa das atividades desenvolvidas no Centro Comunitário de Araçoiaba. E a família segue em acompanhamento técnico, com atendimentos individuais e em grupo, onde se trabalha a autonomia e o papel protetor da família. Ele conclui agradecendo todo apoio recebido e ressalta a importância do trabalho junto às famílias e a sua felicidade por participar deste grupo, apresentando fotos suas nas oficinas de artes. Hoje, a mãe de Renata* foi convidada pela família para ser sua madrinha, selando uma relação de confiança e credibilidade. ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 13/11/2007 Inicio das Operações 30/6/2010 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 118 Total de Crianças 190 0 a 3 anos 10 4 a 6 anos 46 4 a 5 anos 13 7 a 14 anos 144 6 a 10 anos 53 Mulheres 63 Faixa Etária Faixa Etária 11 a 13 anos 32 Homens 1 14 anos 5 Famílias 120 15 a 17 anos 5 RIO DE JANEIRO / JACAREPAGUÁ Antes de serem acolhidas na Aldeias Infantis SOS, as três irmãs viviam à margem de seus direitos em verdadeira situação de vulnerabilidade social. Pediam dinheiro nos sinais de trânsito, não estudavam e não se alimentavam bem. A casa onde moravam não tinha a mínima condição de higiene, nem um banheiro e muito menos água encanada. Hoje, as meninas são respeitadas em seus direitos fundamentais, fazem acompanhamento com uma psicóloga e estão muito felizes. Agora, elas sentem que podem ser crianças, brincar, ganhar brinquedos, se alimentar adequadamente e tomar banho. Aliás, elas adoram isso! ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 16/6/1980 Inicio das Operações 2/2003 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 52 Total de Crianças 639 0 a 3 anos 2 0 a 3 anos 117 4 a 5 anos 2 4 a 6 anos 202 6 a 10 anos 15 7 a 14 anos 319 11 a 13 anos 10 Faixa Etária Acima de 14 anos 1 Faixa Etária 14 anos 4 Mulheres 487 15 a 17 anos 13 Homens 14 acima de 18 anos 6 Famílias 501 Residência Assistida - Acima de 18 anos 4 RIO DE JANEIRO / PEDRA BONITA Antes de ser acolhido pelo programa Aldeias Infantis SOS, Ivan* vivia em situação de rua com outros meninos e meninas que passavam pelo mesmo problema. Foi nas ruas que conheceu as drogas, “o maior de todos os meus problemas“ segundo Ivan*. , Para sobreviver, conseguia dinheiro vendendo doces e trabalhando de engraxate no centro do Rio de Janeiro. O jovem de 17 anos conta que o dinheiro e as drogas traziam uma felicidade passageira. “Fiquei assim, por quase seis anos de minha vida e só parei quando cheguei à Aldeia“ Por iniciativa própria deixou as drogas, em um . momento em que não acreditava mais que poderia mudar a própria vida. “Graças às pessoas que encontrei por aqui, comecei a ter alguma esperança, e hoje, sou do jeito que sou“ Ele voltou a estudar e foi recebido em um núcleo familiar . caloroso e afetivo, que lhe estimulou a crescer. Em 2011, Ivan* ingressou no ensino médio. Já cursou informática nos módulos básico, avançado, montagem e manutenção de microcomputadores. Além disso, faz cursos de Inglês e violão. Ele também se prepara para o mercado de trabalho, participando do programa Jovem Aprendiz em uma empresa de telemarketing. “Antes, eu não tinha reconhecimento na sociedade, agora tenho o meu lugar no mundo, posso andar de cabeça erguida. Graças a essas pessoas, hoje tenho expectativa de vida. Muito obrigado pela imensa oportunidade de mudar minha vida. Eu ainda vou mostrar muito mais. “ ACOLHIMENTO Inaugurada em 5/5/1995 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 74 0 a 3 anos 4 4 a 5 anos 4 6 a 10 anos 26 11 a 13 anos 19 Faixa Etária 14 anos 1 15 a 17 anos 14 acima de 18 anos 6 Residência Assistida - Acima de 18 anos 152
  • 53. RIO GRANDE DO NORTE / CAICÓDayane* chegou ao programa Aldeias Infantis SOS aos 5 anos com uma história marcada por violência e abuso. O que essa garotinha tímida mais precisava eracarinho e amor, alguém que realmente se importasse com ela. Foi exatamente o que encontrou sob os cuidados de Lúcia, sua mãe-social. Dayane* tinha que resgatar ainfância que havia sido tirada tão bruscamente. Aos poucos, ela começou a aceitar os afagos da mãe-social, seus abraços e cuidados. Lúcia soube esperar por seutempo. Hoje, Dayane* é uma adolescente feliz, que conseguiu dar um novo significado aos traumas da infância, e sabe que Lúcia é um ponto de apoio para o resto desua vida. ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 13/5/1979 Inicio das Operações 5/2003 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 129 Total de Crianças 695 0 a 3 anos 18 4 a 6 anos 76 4 a 5 anos 8 7 a 14 anos 520 6 a 10 anos 44 Acima de 14 anos 99 Faixa Etária 11 a 13 anos 32 Mulheres 80 Faixa Etária 14 anos 12 Homens 5 15 a 17 anos 11 Famílias 621 acima de 18 anos 4 Residência Assistida - Acima de 18 anos 4RIO GRANDE DO SUL / PORTO ALEGREO jovem Nelson* sempre foi um exemplo de dedicação e perseverança para as crianças e jovens da Aldeias Infantis SOS. Há alguns anos, a equipe técnica conseguiulocalizar sua avó paterna, com quem ele passou a ter contato. Desde então, passou a cultivar o sonho de reencontrar outros membros de sua família. Em 2010, por meioda internet, descobriu que tem uma irmã por parte de pai, sobrinha e muitos primos. Ele está muito feliz com essa aproximação e faz questão de visitá-los regularmente,fortalecendo assim laços de amizade e amor a cada dia. Nelson* destaca que sua mãe- social, Ana Lúcia, e seus padrinhos afetivos têm grande importância na suajornada, pois são eles que acompanham e orientam seus passos. Nelson* cursa o 3º ano do Ensino Médio, onde assiste atento a todas as aulas, principalmente a de suamatéria preferida: matemática. Acaba de se formar no curso de Mecânica Automotiva e integra um projeto com o objetivo de inserir os melhores alunos de escolastécnicas no mercado de trabalho. O próximo passo é trabalhar e cursar faculdade de engenharia automotiva ou mecânica. No campo pessoal, se sente muito realizado,ainda mais agora, que descobriu sua família biológica. “Levo das Aldeias princípios e valores passados desde a infância, onde aprendi que o respeito aos outros éfundamental para ser respeitado” . ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 14/10/1967 Inicio das Operações 24/4/2006 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 99 Total de Crianças 289 0 a 3 anos 4 0 a 3 anos 60 4 a 5 anos 6 4 a 6 anos 173 6 a 10 anos 23 7 a 14 anos 56 Faixa Etária 11 a 13 anos 25 Mulheres 81 Faixa Etária 14 anos 13 Homens 10 15 a 17 anos 18 Famílias 239 acima de 18 anos 10 Residência Assistida - Acima de 18 anos 4RIO GRANDE DO SUL / SANTA MARIA“Ser mãe-social para mim significa a realização plena no lar. Meu objetivo sempre foi proporcionar raízes e valores para as crianças, pois todos tiveram históriasdifíceis” descreve Leonida, que não teve filhos biológicos, mas dedicou mais de 20 anos à vocação de mãe-social. Com extrema dedicação, mais de 20 crianças ,passaram por seus cuidados. Ela se emociona ao lembrar da família com cinco irmãos que acolheu há 18 anos, no programa Aldeias Infantis SOS. O caçula, de tãopequenino, cabia em uma caixa de sapato, e hoje o pequeno se transformou em um rapagão forte, feliz e responsável que já está inserido no mercado de trabalho, masmesmo emancipado, pode contar com o apoio e carinho de quem lhe cuidou no momento de maior fragilidade: SUA MÃE-SOCIAL. ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 23/9/1980 Inicio das Operações 1/2004 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 99 Total de Crianças 600 0 a 3 anos 3 0 a 3 anos 166 4 a 5 anos 5 4 a 6 anos 266 6 a 10 anos 26 7 a 14 anos 152 11 a 13 anos 32 Faixa Etária Acima de 14 anos 16 Faixa Etária 14 anos 15 Mulheres 346 15 a 17 anos 18 Homens 311 Residência Assistida - Acima de 18 anos 4 Famílias 346SÃO PAULO / POÁ“No programa Aldeias Infantis, conheci muitas pessoas que fizeram a diferença em minha vida, foi aí que comecei a ter saúde, a ter uma vida digna, igual à de todosda sociedade ao meu redor. Estudei, me dediquei, queria ser alguém” Essa é Patrícia*, que aos 7 anos era uma menina muito triste e desnutrida, e chegou à Aldeias .Infantis SOS porque a sua mãe passava por sérios problemas de saúde. Aos 10 anos, começou a praticar judô, inglês, completou o curso técnico em informática econcluiu o ensino médio. “Aproveitei tudo que a Aldeia podia me oferecer, sempre com acompanhamento, o que eu acho muito importante para o nosso crescimentopessoal, profissional e social” Patrícia sempre perseguiu o sonho de ser uma atleta e disputar campeonatos. E não faltou apoio da mãe-social e de todos na Aldeia para .que isso acontecesse. Ela se dedicou muito, treinou e começou a participar de campeonatos locais. Hoje, a atleta cursa Administração e participa dos maiorescampeonatos nacionais e internacionais. ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 30/3/1968 Inicio das Operações 2004 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 112 Total de Crianças 610 0 a 3 anos 3 0 a 3 anos 45 4 a 5 anos 6 4 a 6 anos 129 6 a 10 anos 30 7 a 14 anos 436 Faixa Etária 11 a 13 anos 40 Mulheres 73 Faixa Etária 14 anos 8 Homens 56 15 a 17 anos 20 Famílias 74 acima de 18 anos 5 Residência Assistida - Acima de 18 anos 1 53
  • 54. SÃO PAULO / CAMPINAS César* tem três anos e foi acolhido em uma das casas-lares de Campinas, em 2009. Antes de viver com a Adinalva, sua mãe-social, César* vivia em um abrigo municipal, onde recebeu o diagnóstico de Síndrome Fetal Alcoólica. Esta é uma doença grave, ocasionada pelo consumo de álcool pela mãe durante a gravidez. Adinalva visitava César* no abrigo municipal, enquanto aguardava a inauguração da sua casa-lar. Em uma dessas visitas, uma funcionária do abrigo chegou a dizer que César* não sobreviveria, pois era muito pequeno para a sua idade e estava com a saúde frágil. Ela disse ainda que receber o menino na casa-lar seria um erro, pois cuidar da criança seria muito trabalho. Adnalva ficou indignada: “ ele vai embora comigo hoje!” Em seu diário, a mãe-social descreveu César*: “No dia 12 de ... . agosto de 2009 recebi César*. Ele estava debilitado, com diarréia e vomitando. Um garoto triste, sem muito movimento, só sabia sentar, e chorava muito, muito mesmo. Ele era uma criança medrosa, tomava leite de 3 em 3 horas, não brincava, não sorria, tinha sarna... o quadro não era bom. Depois de apenas 10 dias, César* já estava bem extrovertido, alegre, correndo pela casa, pedindo as coisas, brigando com Bruna*, sua irmã, até chamava atenção: fazia birra de criança, gritava quando estava nervoso e desenvolveu bem a sua coordenação. Brinca com lápis de cor, toma leite no copo, só pede a chupeta na hora de dormir. Quem disse que amor não cura? ” Hoje, após mais de um ano vivendo com César*, percebemos muitos avanços. É certamente uma criança feliz, como todas têm o direito de ser! Menino muito inteligente e arteiro, frequenta uma boa escola e é o xodó de todos naquela casa-lar. Neste lar, o lema “transformar é possível” se fez presente, provando que com amor e trabalho coerente e constante podemos mudar as mais diversas realidades. ACOLHIMENTO Inaugurada em 5/11/2009 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 45 0 a 3 anos 8 4 a 5 anos 2 Faixa Etária 6 a 10 anos 27 11 a 13 anos 8 SÃO PAULO / RIO BONITO Angélica é mãe de Marcos* que participa do Fortalecimento Familiar e Comunitário da Aldeias Infantis SOS. Lá, a educadora da classe de Marcos* apresentou a Mala da Família (dispositivo em que pais e crianças constroem juntos um material com recortes e textos sobre o que têm feito em família). Angélica comentou a mudança em sua família na última reunião de pais: “A aproximação entre meu marido e meu filho era muito difícil, pois meu marido chegava em casa muito cansado do trabalho e não queria dar atenção para o Marcos*. Apenas comia, assistia o jornal e ia dormir. No máximo, dava um beijo nele. Essa situação era normal para meu marido, ele achava que estava tudo bem. Quando a Mala da Família chegou na minha casa, meu filho foi mostrá-la para o pai, e eu até chorei de felicidade, acredita? Os dois sentaram-se no chão da sala da minha casa e meu filho explicou o que eles tinham que produzir. Participei mesmo sem o Marcos* me chamar. Fiquei tão feliz! Meu marido mudou! Agora, todas as noites, mesmo cansado, meu marido quer saber o que o nosso filho fez durante o dia, quer saber o que ele aprendeu, o que brincou, enfim, formou-se uma aproximação verdadeira entre os dois. Fiquei surpresa, não pensei que a Mala fosse unir os dois dessa maneira. Vocês estão de parabéns!” ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 8/12/1980 Inicio das Operações 3/2003 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 80 Total de Crianças 889 0 a 3 anos 2 0 a 3 anos 231 4 a 5 anos 2 4 a 6 anos 227 6 a 10 anos 11 7 a 14 anos 428 11 a 13 anos 25 Faixa Etária Acima de 14 anos 3 Faixa Etária 14 anos 7 Mulheres 332 15 a 17 anos 32 Homens 183 acima de 18 anos 1 Famílias 736 Residência Assistida - Acima de 18 anos 4 SÃO PAULO / SÃO BERNARDO DO CAMPO O Grupo MAGIA DA LATA foi fundado em 2008, no Fortalecimento Familiar e Comunitário de São Bernardo do Campo, com aulas de percussão em um dos espaços do Centro Social, localizado no bairro Tatetos. Hoje, o grupo promove atividades para 40 crianças e adolescentes, que confeccionam instrumentos com latas de tintas e tocos de madeira. O grupo também conta com um surdo, um timbal, um repique e um par de baquetas. O gosto pela percussão começou a aparecer na composição de duas músicas: “Centro Social” sobre as atividades que eles desenvolvem na unidade deTatetos e “Meu Bairro, Minha Cidade” sobre as melhorias necessárias no bairro , , e na cidade onde o grupo vive. O destaque deste grupo é o envolvimento dos adolescentes que vivem em uma região muito vulnerável, com poucas possibilidades de acesso a lazer e cultura, por meio da descoberta de materiais do cotidiano. Cada um descobre também formas de fazer música e conhecer o lado alegre da musicalidade. E os benefícios não são apenas individuais: por meio da música e da cultura, as crianças e adolescentes passam a ser voz ativa na sociedade, denunciando problemas, na tentativa de mudar a situação. Foi o que aconteceu no desfile cívico da cidade, onde o grupo se apresentou nas comemorações dos 62 anos do Subdistrito do Riacho Grande, região onde esses adolescentes residem. ACOLHIMENTO FORTALECIMENTO Inaugurada em 24/4/1970 Inicio das Operações 2004 Total de Crianças, Adolescentes e Jovens 62 Total de Crianças 663 0 a 3 anos 1 0 a 3 anos 192 4 a 5 anos 2 4 a 6 anos 159 6 a 10 anos 10 7 a 14 anos 308 11 a 13 anos 15 Faixa Etária Acima de 14 anos 4 Faixa Etária 14 anos 3 Mulheres 216 15 a 17 anos 23 Homens 148 acima de 18 anos 8 Famílias 503 Residência Assistida - Acima de 18 anos 454
  • 55. Crédito: Tadeu MafraDEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS
  • 56. 56
  • 57. 57
  • 58. 58
  • 59. 59
  • 60. 60
  • 61. 61
  • 62. 62
  • 63. 63
  • 64. 64
  • 65. 65
  • 66. 66
  • 67. 67
  • 68. 68
  • 69. 69
  • 70. 70
  • 71. 71
  • 72. 72
  • 73. 73
  • 74. 74
  • 75. 75
  • 76. 76
  • 77. 77
  • 78. CONSELHO INTEGRANTES DO CONSELHO ALDEIAS INFANTIS SOS BRASIL CONSELHO DIRETOR – GESTÃO 2010/2013 Diretor-Presidente PAULO GAIO DE CASTRO JUNIOR Diretor Vice-Presidente MAURICE MARIE JOSEPH VAN DEN BERCH VAN HEEMSTEDE Diretor-Tesoureiro HENRY ALAIN FRANÇOIS UBERSFELD Diretor-Secretário MARIO PROBST Diretor de Relações Públicas PEDRO PAULO ELEJALDE DE CAMPOS Representantes SOS Kinderdorf Internacional WALTER CADIMA NADIA GARRIDO CONSELHO FISCAL - GESTÃO 2010/2012 ALFREDO NICOLAU & BENITO ANTONIO LUIS PARKINSON DE CASTRO HORST KINTER KUNO DIETMAR FRANK PAULO ROBERTO DELA MARTA TRAUGOTT GEHRING78
  • 79. CONTATORua José Antônio Coelho, 400 – Vila Mariana CEP 04011-061 Tel: 55 11 5574-8199 Fax: 55 11 5572-3893 CNPJ: 35.797.364/0001-29 sosbrasil@aldeiasinfantis.org.br www.aldeiasinfantis.org.br