Your SlideShare is downloading. ×
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,153
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Indústria há 100 anos na Freguesia de Bonfim
  • 2.
    • As principais indústrias, que se destacaram no Bonfim, nessa época, foram:
      • A Fábrica Calandra;
      • A Fábrica de Pás de Ferro;
      • Real Imperial Chapelaria a vapor de Paços Braga;
      • A Companhia de Fiação e Tecido do Porto;
      • A Fábrica Manuel Pinto de Azevedo;
      • A Fábrica de Louça de Massarelos .
  • 3.
    • A indústria há cem anos na Freguesia de Bonfim era completamente diferente da indústria actual. Bonfim tornou-se, no início do século XX, uma verdadeira “indústria”.
  • 4. Companhia de Fiação e Tecidos do Porto
  • 5. Companhia de Fiação e Tecidos do Porto
    • Esta indústria foi fundada em 1874 e todas as suas instalações são consideradas as mais importantes do seu género.
  • 6. Fábrica Manuel Pinto de Azevedo
  • 7. Fábrica Manuel Pinto de Azevedo
    • Biografia de Manuel Pinto de Azevedo
    • Manuel Pinto de Azevedo foi um empresário industrial.
    • Nasceu na freguesia de Bonfim, no Porto, a 27 de Abril de 1874 e faleceu a 17 de Fevereiro de 1959.
    • Tornou-se um dos grandes nomes da história industrial de Portugal no século XX.
  • 8. Fábrica Manuel Pinto de Azevedo
    • Em 1894 tornou-se um operário têxtil.
    • Rapidamente ascendeu na sua profissão, tornando-se, por isso, em 1900, director da Fábrica de Tecidos do Bonfim.
  • 9. Fábrica Manuel Pinto de Azevedo
    • Fábrica de Bonfim
    • Os dois edifícios vizinhos que davam apoio à fábrica de tecidos de Manuel Pinto de Azevedo são considerados património arquitectónico do Porto. Foram mandados construir pelo próprio Manuel, um dos grandes nomes da indústria portuguesa e e dono de várias fábricas.
  • 10. Fábrica Manuel Pinto de Azevedo
    • O conjunto arquitectónico composto por estes dois edifícios situava-se na Rua António Carneiro, em Bonfim, na cidade do Porto e era bastante valioso para o património arquitectónico e industrial da cidade do Porto, devido ao facto de ter sido construído segundo o estilo “Arte Nova”.
  • 11. Fábrica Manuel Pinto de Azevedo
    • Esta arte é caracterizada pelas linhas curvas e esbeltas, pela graciosidade e beleza, e pelos painéis de azulejos.
  • 12. Fábrica Manuel Pinto de Azevedo
    • O primeiro edifício foi fundado em 1916 e era utilizado como um armazém no piso inferior, e como uma sede do Centro Republicano Democrático, na freguesia de Bonfim.
    • O seu interior, dada a sua funcionalidade, era constituído por variados espaços amplos e abertos, com a excepção de duas salas destinadas a serviços de secretaria e casa de banho.
  • 13. Fábrica Manuel Pinto de Azevedo
    • O segundo edifício, fundado em 1918, serviu de creche, balneário, dormitório e cantina da fábrica.
    • O Arquivo Histórico Municipal do Porto guarda toda a documentação sobre ambos os edifícios, incluindo as suas plantas da construção.
  • 14. Fábrica Manuel Pinto de Azevedo
    • Com o encerramento da fábrica, o conjunto de edifícios ficou abandonado, encontrando-se actualmente bastante degradado e aguardando o merecido restauro.
  • 15. Fábrica de Louça de Massarelos
  • 16. Fábrica de Louça de Massarelos
    • A Fábrica de Louça de Massarelos é das mais antigas fábricas de faianças do Norte de Portugal.
    • Foi fundada em 1766 por Manuel Duarte Silva em Massarelos.
  • 17. Fábrica de Louça de Massarelos
    • O edifício da fábrica situava-se na Rua da Restauração, tendo sido consumido por um incêndio em 1920.
  • 18. Fábrica de Louça de Massarelos
    • A fabrica mudou então de local passando a situar-se na freguesia do Bonfim, mais propriamente na Quinta do Roriz, perto da ponte D. Maria Pia, nas faldas do Monte do Seminário, junto ao rio
  • 19. Fábrica de Louça de Massarelos
    • Encerraria décadas mais tarde, e os seus edifícios teriam fins diferentes:
    • O edifício original, na Rua da Restauração, esteve muito tempo sem qualquer utilização, tendo sido recentemente comprado e remodelado, mantendo a estrutura exterior. Este foi transformado num prédio para fins habitacionais.
  • 20. Fábrica de Louça de Massarelos
    • Os edifícios do Bonfim, junto ao Douro, foram demolidos após o encerramento da fábrica, para que nesse local se construísse a ponte de São João.
    • Desses edifícios restam apenas dois fornos e uma chaminé.
  • 21. Fábrica de Louça de Massarelos
    • Como os proprietários e industriais que exploraram a fábrica de Louça foram diversos e atendendo à diferença de pintura em várias cores, costuma dividir-se o fabrico em 4.
  • 22. Fábrica de Louça de Massarelos
    • No 1º período (1766/1819) o combustível utilizado era a carqueja. A decoração era nas cores azul, verde, amarelo e cor de vinho.
  • 23. Fábrica de Louça de Massarelos
    • No 2º período (1819/1845) a fábrica é arrendada a Rocha Soares, da fábrica de Miragaia, e familiar por afinidade de Manuel Duarte da Silva.
    • A faiança neste período usa pasta mais fina, com decoração policromática ou monocromática, de cor azul, cor de vinho, e ainda, as cores e esmaltes usados pela fábrica de Miragaia.
  • 24. Fábrica de Louça de Massarelos
    • No 3º período (1845/1873) inicia-se o fabrico de faiança utilizando o esmalte plumbífero. Pintura monocromática azul, e na decoração aplica-se a estampilha.
    • A fábrica neste período emprega barro vermelho de Valbom de Baixo (Gondomar).
  • 25. Fábrica de Louça de Massarelos
    • No 4º período (1873/1895) houve uma tentativa de maior industrialização na fábrica produzindo-se azulejos lisos e em relevo, além de louça sanitária e várias peças artísticas, conforme se pode verificar pela factura da época.
  • 26.
    • Trabalho realizado por:
      • Inês Guedes - nº16
      • Mariana Costa - nº18
      • 9º F

×