Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Um é o Outro - O Casal e as Mutações do Coração
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Um é o Outro - O Casal e as Mutações do Coração

  • 95 views
Published

Trabalho apresentado na disciplina: Introdução à Filosofia

Trabalho apresentado na disciplina: Introdução à Filosofia

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
95
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
6
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. UM É O OUTRO – O CASAL, OU AS MUTAÇÕES DO CORAÇÃO Elisabeth Badinter (Piero di Cosimo 'Venus, Mars und Amor' 1595)
  • 2. Quem é Elisabeth Badinter? Nome de batismo: Élisabeth Bleustein-Blanchet Data de nascimento: 05 de março de 1944 Nacionalidade: francesa Ocupação: historiadora, escritora, filósofa, empresária, feminista e professora de filosofia.
  • 3. Elisabeth Badinter – CONTEXTO • Filha de Sophie Vaillant com Marcel Bleusteing- Blanchet. • Esposa de Robert Badinter, um famoso advogado francês, professor de direito e antigo Ministro da Justiça na França, com o qual possui 3 filhos. • Seguidora de Simone de Beauvoir, se juntou ao movimento de liberação feminina no começo dos anos 70. • Badinter é uma das mais ricas cidadãs francesas. Em 2011, a revista Desafios estimou sua fortuna em 652 milhões.
  • 4. DE FILÊMON E BÁUCIDE PARA...? • A noção tradicional de casal vacila; • União sobre uma base tão frágil; • Harmonia entre o amor próprio e o amor pelo Outro. (Adam Elsheimer ‘Philemon und Baucis' 1609/2610)
  • 5. O INDÍVIDUO ANTES DO CASAL • Antiga unidade básica da sociedade; • Hipertrofia do ego e individualismo militante; • Mudanças de objetivos.
  • 6. O VALOR ABSOLUTO DO EGO • O individuo como exemplar representativo de toda a humanidade; • Ego – valor estético, econômico e moral; • “Conheça-te a ti mesmo” e “Ama-te”; • Derrota e desvalorização do ego; • Moral egocêntrica x Ética cristiano- kantiana.
  • 7. AMOR OBLATIVO E AMOR MATERNO • Destino da mulher – devotamento e sacrifícios; • Satisfação e enriquecimento do Ego; • Obras-primas do Ego; • Gratificações em troca do sacrifício; • União entre a criança real e a criança fantasiada.
  • 8. AMOR OBLATIVO E O CASAL • Altruísmo x Imperativo da reciprocidade; • Dar para receber – condição de sobrevivência do casal (regra da reciprocidade); • Antiga troca de status, títulos ou dotes; • Igualdade entre gêneros – regra da reciprocidade apenas em provas de amor. “ Amo a ti tanto quanto a mim mesmo, com a condição de que tu me ames tanto quanto a ti mesmo, e de que me proves isso”
  • 9. ANTES A SOLIDÃO DO QUE A COAÇÃO! • Aumento do número de divórcios; • Regra da reciprocidade quebrada em prol dos homens; • Trabalho doméstico dividido desigualmente; • Outro – explorador; • Repúdio a relação mantida por “força de hábito”; • Casal elimina a pessoal humana (Le Garrec).
  • 10. ANTES A SOLIDÃO DO QUE A COAÇÃO! • Enfraquecimento dos laços com a coletividade; • Solidão após a separação; • “Viver pra si e cultivar o seu Ego”; • Proteção do Ego de sofrimento causado pelo Outro; • Autonomia total do Outro – felicidade por si só; • Tranquilidade da alma.
  • 11. ENFRAQUECIMENTO DAS PAIXÕES: “Eu vi, enrubesci, descorei em seguida; Um tumulto elevou-se em minh’alma perdida; Não mais viam meus olhos, nem falar; E senti que meu corpo abrasava e transia” (Racine, Fedra 1677, ato I, cena III)
  • 12. A PAIXÃO DE MENOS, A TERNURA A MAIS • Limitante dos efeitos perigosos da paixão para proteção do Ego; • Existência da paixão – provas, obstáculos e proibição; • Perde-se o motor da paixão; • Noção de tempo – mulher torna-se “acessível” e não há necessidade do grande processo de iniciação; • Retardamento do momento de satisfação erótica;
  • 13. O DESEJO DE TERNURA • Amor – Amizade x Amor – Paixão; • Relação amorosa idealizada na relação de amizade; • Imagens recíprocas semelhantes – companheirismo; • Retorno a simbiose materna – Um deve ser mãe e filho; • Casamento – última prova de ternura.
  • 14. ENTRE O QUENTE E O MORNO CALOR do casal X FRIEZA da solidão Concepção mantida por muitos anos durante a história...
  • 15. ENTRE O QUENTE E O MORNO Nova visão: “bons amigos” “casais de uma pessoa” aumentaram 70% desde 1962 entre os franceses.
  • 16. ENTRE O QUENTE E O MORNO [[Solteiros]] • Perdeu-se a concepção negativa (anormal e suspeita) • “os estatísticos burgueses perseguiam o solteiro nos registros de presos, hospital, asilo, necrotério, para demostrar sua nocividade e seu infortúnio”
  • 17. ENTRE O QUENTE E O MORNO “Solteira, a mulher, ao mesmo tempo, está em perigo e é um perigo. Em perigo de morrer de fome e de perder sua honra. Ameaça para a família e para a sociedade. Ociosa, se as instituições de caridade não a monopolizam, ela passa seu tempo fazendo intrigas e mexericos... Sem família onde exercer seu poder, ela vive como parasita na família dos outros... Não consignadas como residentes em seus lares, as mulheres sozinhas circulam. Elas são vendedoras nos toaletes, alcoviteiras, abortadeiras, em pouco bruxas”
  • 18. ENTRE O QUENTE E O MORNO Atualmente ser solteiro é questão de ESCOLHA Cidadania em pé de igualdade com os casados • Entre as mulheres, ser solteira estaria ligado à Escala Social.
  • 19. ENTRE O QUENTE E O MORNO “A ambição feminina e as carreiras que valorizam são fatores poderosos de solidão ou de apartamentos separados. Mesmo se umas e outras às vezes se queixam, ou lamentam a ausência do grande amor, são elas que, em última instância, preferem sua liberdade a uma ligação considerada medíocre”
  • 20. ENTRE O QUENTE E O MORNO • Entre os homens: egoísmo absoluto. Os homens solteiros preferem a aventura e a liberdade, porém com o silêncio da não obrigatoriedade de dar satisfação e agradar o outro. “Colocam sua disponibilidade acima de tudo e consideram a vida a dois como um obstáculo...”
  • 21. ENTRE O QUENTE E O MORNO • Entretanto, também haveria outros frustrados, que sonham secretamente com o grande amor Estes não estariam solitários por escolha, mas “não é certo que a vida conjugal seria melhor para eles.”
  • 22. ENTRE O QUENTE E O MORNO “escolhida ou forçada, transitória ou definitiva, a solidão é cada vez mais preferida à ligação forçada. Aprende-se a arrumar e a aproveitar de seu egoísmo. Mesmo se para alguns ela continua sinônimo de infelicidade, não é mais encarada como uma calamidade social e econômica. Psicologicamente, pode inclusive ser um prazer.”
  • 23. ENTRE O QUENTE E O MORNO “Divididos entre nossa vontade de independência e de completude, os solteiros estão ENTRE O QUENTE E O MORNO.” “Não podendo sentir-me aconchegada Contigo, escolho ficar confortável Comigo.” Que minha solidão me sirva de companhia. Que eu tenha a coragem de me enfrentar. Que eu saiba ficar com o nada e mesmo assim me sentir como se estivesse plena de tudo. (Clarice Lispector)
  • 24. VOLTA À QUESTÃO DE PODER • Relação de complementariedade entre os sexos; • Maior igualdade entre gêneros; • Poder da contracepção; • Reprodução sem a mulher – mutação da espécie; • Um novo HOMEM.
  • 25. GRUPO Alanna Gianin Amanda Balbino Ana Carolina Frazão Beatriz Almendra Giovanna Lisboa