Agenda Motivação do estudo Breve descrição dos autores Escolas de Testes Quadro comparativo entre as Escolas Bibliogr...
Detalhes importantes!   Esta apresentação é baseada num artigo    de Bret Pettichord     Famoso Consultor de testes    ...
Roger S. Pressman é em engenheiro de software, escritor e consultor,norte-americano, presidente da R.S. Pressman & Associa...
Devemos usar IEEE 829?   Padrão para Documentação de Testes     PRESSMAN: SIM!     Lisa Crispin: NÃO!     James Bach: ...
Qual o papel dos Testes Exploratórios?    Testes onde o design e a execução ocorrem     de forma simultânea.      PRESSM...
O que devemos usar para projetar ostestes? PRESSMAN: Apenas os requisitos  documentados! Lisa Crispin: As histórias cont...
Por que dividir Testes em Escolas?   Especialistas de testes não concordam    entre si     Não é por causa de suas perso...
Definindo o termo “escola”   Definido por                 Composto por     Afinidade Intelectual        Hierarquia de ...
Escola Analítica     Muito utilizado em:       Indústrias de Telecom       Sistemas Críticos (Aviões, Navios)     Inst...
Principais Crenças Software é um artefato lógico Teste é uma ciência baseada em  Computação e Matemática     Objetivo, ...
Escola Analítica   Implicações     Requer especificação precisa e detalhada     Testadores verificam se o software está...
Técnica Exemplo   Testes Caixa Branca     Ou “Structural testing”     Diversas métricas de cobertura de código são     ...
Escola Convencional   Mais utilizado em     Enterprise IT     Desenvolvimento para Governo   Instituições     IEEE St...
Principais Crenças   Testes devem ser gerenciados     Previsível, repetível, planejado   Testes devem ser lucrativos   ...
Técnica de Exemplo   Matriz de Rastreabilidade     Ter certeza que todos os requistos foram     testados                ...
Escola Convencional   Implicações     Requer fronteiras claras entre testes e outras      atividades (start/stop criteri...
Principais Crenças Qualidade de Software requer disciplina Testes determina se o processo de  desenvolvimento está sendo...
Técnica de Exemplo   The Gatekeeper (O Porteiro)     O software não está pronto até que o SQA (Controle     de Qualidade...
Escola da Qualidade   Implicações     Preferem Garantia da Qualidade aos Testes     Testes é o ponto de partida para a ...
Context Driven (Dirigido ao Contexto)    Mais utilizado em      Software Comerciais      Market-driven Software (Softwa...
Principais Crenças   Software é criado por Pessoas. Pessoas definem o    contexto.   Possui 07 princípios básicos.   Te...
07 Princípios Básicos   1. O valor de qualquer prática depende de seu contexto.   2. Existem boas práticas em determinad...
Técnica de Exemplo   Exploratory Testing     Execução e Design feitos de forma concorrente     Rapid learning     Exec...
Escola “Context Driven”   Implicações     Preparado para mudanças. Adapta o planejamento      dos testes baseado nos res...
Principais Crenças Software é desenvolvido a partir de uma  conversa Testes mostram que uma história está  completa Tes...
Técnica de Exemplo   Testes Unitários     Usados para Test-Driven Development (TDD)     Testes unitários são projetados...
Escola Ágil   Implicações     Desenvolvedores devem fornecer frameworks      para automação dos testes     Demora para ...
Escolas de Testes     Analytic School                  Quality School       Encara os testes como uma        Ênfase no...
O que é Teste?   Analytic School:     Um branch da ciência da computação e matemática   Standard School:     Um proces...
Testes sem Especificação   A FAVOR                        CONTRA   Context-Driven School          Analytical School   ...
Certificação de Testes   A FAVOR                         CONTRA   Standard School                 Context-Driven and  ...
Conclusões  Não existe escola MELHOR do que outra!  Cada escola tem o seu contexto  Analise o seu, e escolha as prática...
| 43
Referências   Context Driven School     http://www.context-driven-testing.com/     http://www.testinglessons.com/     ...
Referências    Standard School      http://www.istqb.org      http://en.wikipedia.org/wiki/IEEE_829      Foundations o...
Obrigado...              | 46
Escolas de testes de software
Escolas de testes de software
Escolas de testes de software
Escolas de testes de software
Escolas de testes de software
Escolas de testes de software
Escolas de testes de software
Escolas de testes de software
Escolas de testes de software
Escolas de testes de software
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Escolas de testes de software

342
-1

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
342
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Escolas de testes de software

  1. 1. Agenda Motivação do estudo Breve descrição dos autores Escolas de Testes Quadro comparativo entre as Escolas Bibliografia | 2
  2. 2. Detalhes importantes! Esta apresentação é baseada num artigo de Bret Pettichord  Famoso Consultor de testes  Líder do desenvolvimento da Watir  Co-autor de um dos principais livros de testes: “Lessons Learned in Software Testing” | 3
  3. 3. Roger S. Pressman é em engenheiro de software, escritor e consultor,norte-americano, presidente da R.S. Pressman & Associates.Livros:1977. Numerical control and computer-aided manufacturing1988. Making software engineering happen: a guide for instituting thetechnology.1988. Software engineering: a beginners guide.1991. Software shock: the danger & the opportunity2005. Software engineering: a practitioners approach2009. Web engineering: a practitioners approachLisa Crispin renomada autora na comunidade de Teste de Software,escritora do livro “Agile Testing” e blogueira no site http://lisacrispin.com/.James Marcos Bach é testador de software, escritor, consultor e membrodo “Board of Directors of the Association for Software Testing”. Também éco-escritor do livro “Lessons Learned in Software Testing”.
  4. 4. Devemos usar IEEE 829? Padrão para Documentação de Testes  PRESSMAN: SIM!  Lisa Crispin: NÃO!  James Bach: SIM e NÃO! | 7
  5. 5. Qual o papel dos Testes Exploratórios?  Testes onde o design e a execução ocorrem de forma simultânea.  PRESSMAN: Complementa os testes com roteiros!  Lisa Crispin: Complementa os testes unitários automatizados (TDD)!  James Bach: A mais eficiente técnica de testes! | 8
  6. 6. O que devemos usar para projetar ostestes? PRESSMAN: Apenas os requisitos documentados! Lisa Crispin: As histórias contadas pelo usuário! James Bach: Qualquer informação sobre o contexto da aplicação! | 9
  7. 7. Por que dividir Testes em Escolas? Especialistas de testes não concordam entre si  Não é por causa de suas personalidades ou experiências Melhorar a base para o estudo  Diferenças de valores explicam a preferência por certas políticas de testes | 10
  8. 8. Definindo o termo “escola” Definido por  Composto por  Afinidade Intelectual  Hierarquia de Valores  Integração Social  Técnicas  Objetivos em Comum representativas  Instituições Organizadoras
  9. 9. Escola Analítica  Muito utilizado em:  Indústrias de Telecom  Sistemas Críticos (Aviões, Navios)  Instituições que defendem:  Academias | 14
  10. 10. Principais Crenças Software é um artefato lógico Teste é uma ciência baseada em Computação e Matemática  Objetivo, rigoroso e compreensivo Técnicas de testes devem ser objetivas  “apenas uma resposta certa” Teste é uma atividade técnica Principal Pergunta:  Quais técnicas deveremos utilizar? | 15
  11. 11. Escola Analítica Implicações  Requer especificação precisa e detalhada  Testadores verificam se o software está conforme a sua especificação  Qualquer outra coisa não é teste! | 16
  12. 12. Técnica Exemplo Testes Caixa Branca  Ou “Structural testing”  Diversas métricas de cobertura de código são utilizadas  Provê uma medida objetiva dos testes | 17
  13. 13. Escola Convencional Mais utilizado em  Enterprise IT  Desenvolvimento para Governo Instituições  IEEE Standards Boards  Instituições certificadoras de Teste ○ ISTQB, ALATS, etc... | 19
  14. 14. Principais Crenças Testes devem ser gerenciados  Previsível, repetível, planejado Testes devem ser lucrativos  Trabalhadores com pouco conhecimento precisam de um direcionamento Testes valida o produto Testes medem o progresso do desenvolvimento Principal Questão:  Como podemos medir se estamos progredindo? Quando teremos terminado o desenvolvimento? | 20
  15. 15. Técnica de Exemplo Matriz de Rastreabilidade  Ter certeza que todos os requistos foram testados | 21
  16. 16. Escola Convencional Implicações  Requer fronteiras claras entre testes e outras atividades (start/stop criteria)  Incentiva padrões, melhores práticas e certificação  Utilização de variações do V-model ○ Atividades de testes ocorrem em paralelo. | 22
  17. 17. Principais Crenças Qualidade de Software requer disciplina Testes determina se o processo de desenvolvimento está sendo seguido  Cada bug é um problema do PROCESSO! Testadores devem proteger os usuários dos software ruins Principal Pergunta:  Estamos seguindo um bom processo? | 24
  18. 18. Técnica de Exemplo The Gatekeeper (O Porteiro)  O software não está pronto até que o SQA (Controle de Qualidade de Software) diga que está pronto! | 25
  19. 19. Escola da Qualidade Implicações  Preferem Garantia da Qualidade aos Testes  Testes é o ponto de partida para a Melhoria do Processo  Pode alienar os desenvolvedores Mais utilizado em  Empresas burocráticas  Organizações sob leis e obrigatoriedades Instituições  American Society for Quality (ASQ)  Software Engineering Institute (CMM)  International Standards Organization (ISO) | 26
  20. 20. Context Driven (Dirigido ao Contexto)  Mais utilizado em  Software Comerciais  Market-driven Software (Software dirigido ao Mercado)  Instituições  LAWST Workshops ○ Los Altos Workshop on Software Testing ○ StarEast/StarWest | 28
  21. 21. Principais Crenças Software é criado por Pessoas. Pessoas definem o contexto. Possui 07 princípios básicos. Teste deve encontrar bugs. Teste provê informações para o projeto Teste é uma atividade mental que requer habilidade Teste é multidisciplinar Principal Pergunta:  Que teste é o mais valioso agora? | 29
  22. 22. 07 Princípios Básicos 1. O valor de qualquer prática depende de seu contexto. 2. Existem boas práticas em determinado contexto, mas não existem melhores práticas. 3. As pessoas, trabalhando em conjunto, são a parte mais importante do contexto de qualquer projeto. 4. Projetos se desdobram ao longo do tempo de maneiras normalmente imprevisíveis. 5. O produto é uma solução. Se o problema não foi resolvido, então o produto não funciona. 6. O bom teste de software é um processo intelectual desafiador. 7. Somente por meio de julgamento e habilidade, realizados cooperativamente ao longo de todo projeto, somos capazes de fazer as coisas certas nos momentos certos para testar nossos produtos de forma efetiva. | 30
  23. 23. Técnica de Exemplo Exploratory Testing  Execução e Design feitos de forma concorrente  Rapid learning  Execução baseada em Missão e Estratégias  Difícil Gerenciamento  Ótimo resultados práticos ○ Eficiência ○ Eficácia | 31
  24. 24. Escola “Context Driven” Implicações  Preparado para mudanças. Adapta o planejamento dos testes baseado nos resultados.  Efetividade das estratégias são verificadas colocando-as em prática  Pesquisas de testes requerem estudos empíricos e psicológicos  Foco na habilidade ao invés da prática/método | 32
  25. 25. Principais Crenças Software é desenvolvido a partir de uma conversa Testes mostram que uma história está completa Testes devem ser automatizados Principal Pergunta:  A história está pronta? | 34
  26. 26. Técnica de Exemplo Testes Unitários  Usados para Test-Driven Development (TDD)  Testes unitários são projetados antes do desenvolvimento  Suportado por ferramentas | 35
  27. 27. Escola Ágil Implicações  Desenvolvedores devem fornecer frameworks para automação dos testes  Demora para perceber o valor dos testes exploratórios Mais utilizado em  IT Consulting  Desenvolvimento por equipe menores Instituições  Agile Workshops | 36
  28. 28. Escolas de Testes  Analytic School  Quality School  Encara os testes como uma  Ênfase no processo, atividade técnica e monitoramento dos rigorosa. Possui muitos desenvolvedores, agindo proponentes na academia; como o gatekeeper;  Standard School  Context-Driven School  Encara os testes como uma  Ênfase nas pessoas, maneira de medir o procurando os bugs mais progresso com ênfase nos importantes para os custos e em padrões stakeholders; repetíveis;  Agile School  Usa os testes para provar que o desenvolvimento está completo. Ênfase nos testes automatizados. | 38
  29. 29. O que é Teste? Analytic School:  Um branch da ciência da computação e matemática Standard School:  Um processo gerenciado Quality School:  Um branch da garantia da qualidade Context-Driven School:  Um branch do desenvolvimento Agile School:  Parte do papel do cliente | 39
  30. 30. Testes sem Especificação A FAVOR  CONTRA Context-Driven School  Analytical School  Faça o que for possível  Impossível para ser útil  Standard School  Fazem questionamentos  Necessário algum tipo de e entrevistas se especificação necessário  Descobrem  Quality School especificações  Porque ela força que os desenvolvedores sigam o Agile School processo  Conversa é mais importante do que documentação | 40
  31. 31. Certificação de Testes A FAVOR  CONTRA Standard School  Context-Driven and  Torna os testadores mais Agile School fáceis para contratar,  Certificações Existentes treinar e gerenciar são baseados em Quality School doutrinas ao invés de habilidades  Aumenta o Status  Analytic School  Preferem [pós-] graduações às certificações | 41
  32. 32. Conclusões  Não existe escola MELHOR do que outra!  Cada escola tem o seu contexto  Analise o seu, e escolha as práticas de cada uma para montar a sua própria solução! | 42
  33. 33. | 43
  34. 34. Referências Context Driven School  http://www.context-driven-testing.com/  http://www.testinglessons.com/  Lessons Learned in Software Testing Kaner, Bach, and Pettichord Agile School  http://www.testing.com/agile/  http://www.qualitytree.com/  Testing Extreme Programming Lisa Crispin and Tip House. | 44
  35. 35. Referências  Standard School  http://www.istqb.org  http://en.wikipedia.org/wiki/IEEE_829  Foundations of Software Testing: ISTQB Certification Graham, Veenendaal, Evans and Rex Black  Analitic School  http://en.wikipedia.org/wiki/Model-based_testing  Practical Model-Based Testing: A Tools Approach Mark Utting , Bruno Legeard  Quality School  http://en.wikipedia.org/wiki/Quality_assurance  Four Schools of Testing  http://www.io.com/~wazmo/papers/four_schools.pdf | 45
  36. 36. Obrigado... | 46
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×