Novidades top 1140
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Novidades top 1140

  • 1,492 views
Uploaded on

Novidades da Versão 11.40 TOTVS TOP - Obras e Projetos....

Novidades da Versão 11.40 TOTVS TOP - Obras e Projetos.

Segue abaixo a apresentação das principais inovações realizadas pela equipe de desenvolvimento para a versão 11.40.

More in: Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
1,492
On Slideshare
1,491
From Embeds
1
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
73
Comments
0
Likes
1

Embeds 1

http://wildfire.gigya.com 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Gestão de Obras e Projetos – Princ. Novidades 11.40
    GDP Projetos - 03 / 2011
    1
  • 2. Principais Novidades 11.40
    ÍNDICE
    Cálculo por Permanência
    Improdutividade
    Projeto Vinculado
    Turma Típica
    Composição por Unidade de Medição de Serviço
    Contrato por Marco Contratual
    Contrato de Parcelas Fixas
    Planejamento com Curva de Distribuição
    Análise de Valor Agregado
    Comparador de Projetos
    Atividades para Fórmula Visual
    Novo Cálculo Custo Horário de Composição
    Descrição para o Item de Contrato
    Produto Global Associado ao Insumo
    Integração com GED / SharePoint
    2
  • 3. Processo de Montagem – Cálculo por Permanência
    Trata-se de uma nova modalidade de cálculo que visa atender principalmente as empresas que tem como seu maior foco a venda de projetos onde o principal recurso a ser consumido é a mão de obra. Ex.: Projetos de Montagem Eletromecânica.
    A distribuição da mão de obra e equipamentos no tempo, deve se tornar um dos principais fatores gerador do orçamento e seu respectivo custo.
    O Quadro de Permanência possibilita a distribuição dos recursos de Mão de Obra e Equipamentos, e está disponível na aba de Cadastros na opção Quadro de Permanência
    3
  • 4. Processo de Montagem – Cálculo por Permanência
    Quadro de Permanência:
    4
  • 5. Processo de Montagem – Cálculo por Permanência
    Planilha de Atividades – Montagem/Insumos Derivados:
    5
  • 6. Para que os valores da permanência sejam aplicados à planilha de atividades e ao cronograma, é necessário que se utilize o recurso de insumo derivado para os insumos associados às tarefas, onde um insumo deve ser capaz de derivar dele mesmo ou de vários outros que se fizer necessário, pois é através da regra de derivação e da fórmula associada à derivação que os valores serão calculados.
    Ex.:
    6
    Processo de Montagem – Cálculo por Permanência
  • 7. O Fator de Improdutividade define o percentual ocioso de um determinado recurso e é uma propriedade do insumo, que será aplicado à quantidade daquele insumo quando este for utilizado em uma composição ou estiver associado diretamente a uma tarefa.
    Ex.:
    Processo de Montagem – Improdutividade
    7
  • 8. Improdutividade por Insumo
    Alteração Geral de Insumos
    Processo de Montagem – Improdutividade
    8
  • 9. Representam sub-projetos, sem estarem necessariamente na mesma planilha do projeto Principal. Ex. serviços orçados ou prestados por terceiros ou até mesmo por setores de diferentes departamentos dentro da própria empresa. Tratam-se de projetos orçados no sistema que compõe o orçamento do projeto principal através de uma tarefa do tipo valor cotado. Ex.: Construção Civil, Engenharia, TI, etc.
    Os projetos vinculados podem ser calculados através do cálculo do projeto principal habilitando-se o parâmetro “Calcular Projetos Vinculados a Tarefas”.
    Revisões de projeto devem ser feitas a partir do projeto principal.
    Processo de Montagem – Projeto Vinculado
    9
  • 10. Planilha de Atividades com o Projeto Vinculado:
    Processo de Montagem – Projeto Vinculado
    10
  • 11. A Turma Típica representa os recursos de Mão de Obra que serão utilizados na execução de uma atividade, e será tratada como uma Composição no TOTVS Obras e Projetos. A principal diferença de uma turma típica comparada com uma composição de preço unitário é que a distribuição dos recursos é em percentual (%), representando a divisão das horas de execução do serviço.
    Uma composição de turma típica por si só não gera custo para um projeto, já que ela trata do peso de cada mão de obra na execução de um serviço. Ela irá gerar custo quando estiver inserida em uma composição por unidade de medição de serviço, e essa composição estiver inserida em alguma tarefa.
    Processo de Montagem – Turma Típica
    11
  • 12. A composição do tipo Turma Típica só poderá ser utilizada como uma composição auxiliar dentro de uma “composição por unidade de medição do serviço”.
    A soma dos coeficientes dos recursos de uma Turma Típica deverá ser de um (1), totalizando 100% (esses coeficientes representam o percentual que cada recurso demanda dentro de uma Turma Típica).
    Todos os recursos da composição de Turma Típica devem possuir a mesma unidade da unidade utilizada na composição de Turma Típica.
    Processo de Montagem – Turma Típica
    12
  • 13. Composição do tipo Turma Típica:
    Processo de Montagem – Turma Típica
    13
  • 14. Essa composição possui como diferencial o tratamento de valores Standard, que representa a quantidade de horas necessárias para se produzir uma unidade de um determinado serviço. É nesse tipo de composição que encontra-se o uso da turma típica, onde o campo Standard define a quantidade de horas necessários para a conclusão desse serviço. Em conjunto com a turma típica temos a quantidade de horas que cada recurso, que compõe a turma típica ligada a essa composição, demandará.
    As horas definidas no Standard serão aplicadas à Turma Típica utilizada como composição auxiliar, portanto, composição por unidade de medição do serviço deve possuir uma (e somente uma) Turma Típica associada.
    Processo de Montagem – Composição por Unidade de Medição de Serviço
    14
  • 15. Ex.:
    As horas definidas no Standard serão aplicadas à Turma Típica utilizada como composição auxiliar.
    A quantidade de horas de cada recurso que será multiplicada pelo preço unitário de cada um para se encontrar o custo da montagem no sistema.
    Processo de Montagem – Composição por Unidade de Medição de Serviço
    15
  • 16. Composição do tipo Unidade de Medição de Serviço:
    Processo de Montagem – Composição por Unidade de Medição de Serviço
    16
  • 17. Contratos baseados em marcos contratuais são aqueles que possuem atividades/serviços chamados de metas.
    O Contrato por marco contratual foi criado para suprir a necessidade de se realizar pagamento em determinados marcos no projeto.
    Contrato do tipo marco contratual não possui medições como no contrato de Serviço.
    Contrato por Marco Contratual
    17
  • 18. Contrato por Marco Contratual
    18
    • Após a criação do contrato, deverá ser definido os marcos contratuais . Esse processo estará disponível na opção “Associação de itens ao contrato”.
  • Logo após, o usuário poderá associar a(s) meta(s) ao item de contrato.
    Contrato por Marco Contratual
    19
  • 19. Quando a meta for cumprida o item de contrato estará apto a ser liberado pelo usuário, caso um item não possua metas associadas, este item  contratual poderá ser liberado em qualquer momento.
    Para a consulta dos Itens Liberados, foi disponibilizado no menu de anexos a opção de “controle de liberação”.  Este anexo será utilizado apenas para contratos do tipo marco contratual.
    Contrato por Marco Contratual
    20
  • 20. Contratos com parcelas fixas
    • Este tipo de contrato é utilizado quando há uma negociação entre contratante e contratado para que a execução das tarefas seja dividida em períodos equivalentes e o pagamento do serviço prestado seja efetuado sempre com os mesmos valores.
    • 21. Este tipo de contrato visa a simplicidade e agilidade do negócio.
    • 22. Dessa forma, o valor de cada parcela é calculado proporcionalmente a partir do valor total dos itens associados ao contrato, dividido igualmente entre os períodos.
  • Contratos com parcelas fixas
    • Uma vez criado o contrato, associados os itens e definidos os períodos/parcelas, estas são criadas de forma que já estejam medidas e prontas para a liberação.
    • 23. Uma vez excluído um período/parcela, o valor correspondente fica disponível para distribuição entre os demais períodos/parcelas ainda não liberados.
    • 24. É possível ainda cancelar um período/parcela, sendo que, neste caso, o valor não fica disponível para distribuição.
  • Planejamento com Curva de Distribuição
    • Criado o processo para planejar atividades que não possuem um percentual de completude igual em todos os períodos.
    • 25. Será possível cadastrar uma Curva de Distribuição com percentuais diferentes para cada período.
  • Planejamento com Curva de Distribuição
    • Na Planilha de Tarefas, através do processo Aplicar Curva de Distribuição, será possível planejar as tarefas com a distribuição criada previamente.
  • Visão de Projetos – Análise de Valor Agregado
    • O valor agregado é uma ferramenta de gestão do projeto. Permitindo ao gerente de projeto avaliar se está consumindo mais dinheiro para realizar uma determinada tarefa ou se está apenas gastando mais naquele momento porque o desenrolar do projeto está sendo acelerado, permitindo que sejam tomadas ações corretivas e preventivas com a devida antecedência. 
    • 26. O acesso a Análise de Valor Agregado
    • 27. é feito pela seção de relatório.
     
     
    25
  • 28. Visão de Projetos – Análise de Valor Agregado
    • O valor agregado tem como foco a relação entre os custos reais consumidos e o produto físico obtido no projeto através de uma quantidade especifica de trabalho, ou seja: o que foi obtido pelo projeto em relação à quantidade de capital consumida para atingir esse resultado.
    • 29. Assim o valor agregado é definido através da Avaliação entre o que foi obtido em relação ao que foi realmente gasto e ao que se planejava gastar.
    26
  • 30. Visão de Projetos – Análise de Valor Agregado
    • Avaliação dos índices do Projeto.
    • 31. Possibilidade de acompanhamento com histórico e tendências.
     
    27
  • 32. Comparador de Projetos
    O novo comparador de projetos permite a comparação e sub-comparação de diversas
    entidades como:
    • Planilha de Atividades
    • 33. Planilha de Serviços
    • 34. Cronograma Previsto
    • 35. Composições
    • 36. Recursos da Composição
    • 37. Insumos
    • 38. Preços do Insumo
    • 39. Parâmetros do Projeto
  • Comparador de Projetos
    • Comparador de Atividades
    • 40. Comparador de Serviços
  • Comparador de Projetos
    • Comparador de Composições
  • Comparador de Projetos
    • Comparador de Cronograma Planejado
  • Comparador de Projetos
    • Comparador de Recursos da Composição
  • Comparador de Projetos
    • Comparador de Insumos
  • Comparador de Projetos
    • Comparador de Preços de Insumo
  • Comparador de Projetos
    • Comparação dos parâmetros dos projetos
  • Atividades de fórmulas visuais
    • A utilização de Fórmulas Visuais é um recurso muito interessante para a customização de cadastros e processos, sem que seja necessário o desenvolvimento de novas funcionalidades.
    • 41. Com a utilização de fórmulas visuais, é possível, por exemplo, realizar validação de preenchimento de campos, executar processos, utilizar consultas SQL, dentre outras possibilidades.
    • 42. O TOTVS Obras e Projetos apresenta quatro atividades para serem executadas em fórmulas visuais, sendo estas:
    • 43. Cálculo do avanço físico
    • 44. Cálculo do cronograma de atividades
    • 45. Cálculo do cronograma de serviços
    • 46. Cálculo do projeto
  • Atividades de fórmulas visuais
    • Assim, é possível, por exemplo, anexar a atividade de cálculo de projeto ao final de uma fórmula visual que atue em modificações de quantidades/valores na planilha de serviços/atividades.
    • 47. Ao final do processo, o usuário já enxerga a informação desejada de forma atualizada.
  • Cálculo Custo Horário de Composição
    • Cálculo do custo horário de composições com grupo DNIT Equipamento ou Mão-de-obra passa a ser realizado através do valor parcial dos seus recursos
    • 48. O custo produtivo é obtido pela soma do valor parcial de todos os recursos que são selecionados como “Produtivo”. Da mesma forma, o custo improdutivo é definido pela soma do valor parcial de todos os recursos que são selecionados como “Improdutivo”.
  • Descrição para o Item de Contrato
    • A partir da 11.40 o item de contrato pode ter sua descrição alterada. Esta nova descrição pode ser utilizada para relatórios de medição e faturamento entre outros.
  • Produto Global
    • Para melhorar processos de logística de materiais o módulo de materiais criou o conceito de produto Global. Trata-se da possibilidade de ter apenas um cadastro do material e este ser utilizado em todas as coligadas.
    • 49. Para acompanhar esta inovação e dar aos clientes TOPs este benefício, a partir da 11.40 a relação insumo/produto aceita o produto Global. Os módulos como cópia de Itens e requisição de materiais foram preparados para trabalhar com este conceito.
  • Integração com GED / SharePoint
    Introdução
    Na versão 11.20 foram liberados alguns cadastros como o de Planilha de Atividades, de Serviços e Projetos integrado ao ECM. Agora na 11.40 todos os cadastros foram integrados.
  • 50. Integração com GED / SharePoint
    CONFIGURAÇÃO DOS SERVIDORES
    • Para configuração dos servidores, Na nova MDI, acesse Integração/Ferramentas/Parâmetros
  • Integração com GED / SharePoint
    UPLOADS DE ARQUIVOS POR MÓDULO
  • 51. Integração com GED / SharePoint
    • PODEMOS TER TRÊS TIPOS DE UPLOADS
    • 52. 1º Pasta: Iremos definir uma pasta do ECM onde todos os arquivos que forem feitos uploads através da action configurada serão postados.
    • 53. 2º Sub-Pasta: Iremos definir uma pasta do ECM, e no momento que o usuário for fazer o upload o usuário irá escolher uma das sub-pastas da pasta parametrizada.
    • 54. 3º DataServer: Iremos definir uma pasta do ECM, e uma coluna do DataServer do contexto, e no momento que o usuário for realizar o upload, o sistema irá resgatar o registro selecionado, e buscar o valor da coluna do DataServer definida na parametrização, e verificar se existe uma pasta com esse nome dentro da pasta parametrizada, caso negativo, irá criar a mesma e postar o arquivo dentro dela.
  • Integração com GED / SharePoint
    SharePoint
    Também é possível integrar o SharePoint com os cadastros do TOP
  • 55. Integração com GED / SharePoint
    CONFIGURAÇÕES DE ACTIONS PARA ENVIO DE INFORMAÇÕES VIA SHARE POINT
    • A configuração para envio de informações é realizada em Processos->>SharePoint->> Gerenciar
  • Novidades 11.40
    QUESTÕES
    Alaim Porto Alvarenga
    GDP Projetos
    alaim.alvarenga@totvs.com.br
    IMAGEM
    47