• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Projeto educativo   idf - 2012 2013
 

Projeto educativo idf - 2012 2013

on

  • 1,338 views

Projeto Educativo - Instituto Diocesano de Formação João Paulo II

Projeto Educativo - Instituto Diocesano de Formação João Paulo II

Statistics

Views

Total Views
1,338
Views on SlideShare
1,338
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
13
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution-NonCommercial LicenseCC Attribution-NonCommercial License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Projeto educativo   idf - 2012 2013 Projeto educativo idf - 2012 2013 Document Transcript

    • PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA DESAFIAR A CRIATIVIDADE PARA UMA ESCOLA DO FUTURO 2011/2013 EDUCAR PARA O AMBIENTE PROTEGER O QUE É NOSSO Campo de Milho – S. Tomé Caixa Postal 636 Tel. e Fax: 00.239.221194
    • Índice1. Preâmbulo............................................................................................................. 32. Princípios e valores orientadores .......................................................................... 53. Caracterização do meio ........................................................................................ 64. Caracterização da Escola ..................................................................................... 9 4.1. Estruturas físicas e condições de trabalho ...................................................... 9 Biblioteca e centro de recursos ........................................................................... 10 Laboratórios ........................................................................................................ 11 Reprografia ......................................................................................................... 11 Campos de Jogos ............................................................................................... 11 4.2. População discente ...................................................................................... 12 4.3. Pessoal docente ........................................................................................... 12 4.4. Pessoal não docente .................................................................................... 13 4.5. Órgãos de administração e gestão da Escola ............................................... 13 4.6. Oferta formativa ............................................................................................ 14 4.7. Recursos financeiros/ Protocolos e parcerias ............................................... 185. Diagnose da Escola ............................................................................................ 19 5.1. Identificação dos pontos fracos..................................................................... 19 5.2. Identificação dos pontos fortes ..................................................................... 206. Prioridades e Finalidades do Projeto Educativo de Escola .................................. 21 6.1. Áreas de intervenção .................................................................................... 21 6.1.1. Ação Curricular e Pedagógica ............................................................... 21 6.1.2. Ação na vida da Escola ......................................................................... 22 6.1.3. Ação a nível da Organização ................................................................. 24 6.1.4. Ação na Formação e Desenvolvimento Profissional do Pessoal Docente e Não Docente .................................................................................................... 257. Operacionalização do projeto .............................................................................. 26 7.1. Metas e Objetivos ......................................................................................... 278. Avaliação do Projeto Educativo de Escola .......................................................... 29 8.1. Vigência do Projeto Educativo ...................................................................... 29 8.2. Formas de divulgação do Projeto Educativo ................................................. 29 8.3. Momentos de avaliação do Projeto Educativo .............................................. 29 8.4. Aprovação .................................................................................................... 309. Conclusão ........................................................................................................... 3010. Bibliografia ....................................................................................................... 32 2
    • 1. Preâmbulo O Instituto Diocesano de Formação João Paulo II (IDF) é uma escola com algu-ma experiência na concretização de projetos e atividades, direcionados para a comu-nidade envolvente, que lhe conferiram identidade própria e responsabilidade acrescidaenquanto agente de educação e cultura. A cidadania, do latim status civitatis, é um estatuto jurídico-político que confere acada indivíduo um conjunto de direitos e deveres. Ser cidadão é ter consciência dos direitos e deveres cívicos, ter autonomia eespírito crítico, aceitar a diferença do outro (raça, cultura, religião, orientaçãosexual,...), ter o poder e dever de participar, colaborar e intervir, e ter responsabilida-de. O Meio Ambiente, comummente chamado apenas de Ambiente, envolve todasas coisas vivas e não-vivas ocorrendo na Terra, ou em alguma região dela, que afetamos ecossistemas e a vida dos humanos. O conceito de Meio Ambiente pode ser identificado pelos seus componentes:  Completo conjunto de unidades ecológicas que funcionam como um sistemanatural mesmo com uma massiva intervenção humana e outras espécies do planeta,incluindo toda a vegetação, animais, microrganismos, solo, rochas, atmosfera e fenó-menos naturais que podem ocorrer nos seus limites.  Recursos e fenómenos físicos universais que não possuem um limite claro,como ar, água, e clima, assim como energia, radiação, descarga elétrica, e magnetis-mo, que não se originam de atividades humanas. A educação ambiental, como componente essencial no processo de formação eeducação permanente, com uma abordagem vocacionada para a resolução de pro-blemas, contribui para o envolvimento ativo do público, torna o sistema educativo maisrelevante e mais realista e estabelece uma maior interdependência entre estes siste-mas e o seu ambiente natural e social, com o objetivo de um crescente bem-estar dascomunidades humanas (UNESCO, 1997). 3
    • Se existem inúmeros problemas que dizem respeito ao ambiente, isto deve-seem parte ao facto de as pessoas não serem sensibilizadas para a compreensão dofrágil equilíbrio da biosfera e dos problemas da gestão de recursos. Com a escolha deste tema, pretende-se promover uma educação ambiental demodo a salvaguardar e a preservar a natureza, o meio, o património e os valoresessenciais da cultura. Assim, espera-se despertar o interesse dos alunos pelos problemas do mundoem que vivem, pelo ambiente que os rodeia, e muito em particular pela reutilização demateriais, procurando criar uma nova mentalidade conceptual de aprendizagem, emque no processo de formação se torna indispensável introduzir a curiosidade, a pes-quisa, a formulação de questões. Cabe ao docente que dinamiza as atividades facilitar o processo de formaçãodos jovens, através da inserção estratégica e lúdica dos conteúdos nos seus momen-tos de lazer, promovendo a reflexão sobre os mesmos num ambiente descontraído ede confiança. O Projeto Educativo do Instituto estabelece os princípios que estruturam odesenvolvimento das atividades educativas da escola, indo ao encontro das necessi-dades e expectativas da comunidade educativa, na procura da excelência. Este projeto é como tal, um elemento de caráter pedagógico, resultante da parti-cipação de toda a comunidade educativa, que orienta o trabalho no sentido de darrespostas aos problemas e necessidades da escola. Pensando numa formação integral dos jovens, pretende-se promover iniciativasno âmbito da cidadania para o ambiente, da educação para a saúde. Neste contexto,impõe-se a necessidade de fomentar, na comunidade escolar, atitudes cívicas e depleno exercício da cidadania, com destaque para a preservação ambiental e para aproteção do património cultural. 4
    • 2. Princípios e valores orientadores O Projeto Educativo do IDF baseia-se num conjunto de princípios fundamentais,valores, objetivos, políticas e práticas educativas que ambiciona favorecer o desenvol-vimento integral do aluno, no sentido da sua autonomia, responsabilidade, participa-ção, sentido crítico, competência, solidariedade, capacidade de procura de informaçãoe criação de conhecimento. Os princípios fundamentais do Projeto Educativo do Instituto são:  Melhor ensino – Valorização do saber e do conhecimento, fomentando a aquisição de competências essenciais a uma formação ao longo da vida; Promoção das boas práticas de ensino, pugnando pela permanente atualiza- ção e adaptação às exigências contextuais, do país e do mundo globalizante;  Melhor Ambiente – Divulgação e aplicação do conhecimento científico e das inovações tecnológicas a par com a educação ambiental e a proteção do património natural e cultural; Motivação dos alunos para a política dos 4 Rs – reduzir, reciclar, reutilizar e renovar;  Melhor Cidadão – Promoção da cidadania esclarecida na escola e no meio envolvente, para que o aluno seja um cidadão ativo e participativo; Valoriza- ção das competências inerentes ao desenvolvimento da socialização, nomeadamente, o empenho, o trabalho em equipa, a cooperação, o sentido de pertença, a responsabilidade e a autonomia;  Melhor Desempenho – Valorização e incentivo do esforço individual e coleti- vo, e busca da excelência na concretização dos objetivos e metas do PEE;  Melhor Comunidade – Atuação dos diferentes elementos da comunidade educativa com responsabilidade, empenho, rigor, profissionalismo, colabora- ção partilhada e total respeito pelas diretrizes; Interação com a comunidade envolvente, tornando-se referência nacional como lugar de ensino e aprendi- zagem para públicos variados;  Melhor Família – Envolvimento dos Pais/Encarregado de Educação no pro- cesso de ensino/aprendizagem e na vida da Escola; Participação e contributo 5
    • dos pais/Encarregados de Educação em diferentes momentos de aprendiza- gem;  Melhor Saúde – Promoção da educação para a saúde, através da adoção de comportamentos saudáveis promotores de bem-estar físico, emocional e social, salientando os benefícios da prática desportiva e oferecendo oportu- nidades de prática de atividades físicas e desportivas diversificadas; Promo- ção da estreita relação entre a saúde, o desporto e o ambiente;  Melhor Escola – Excelência em todos o serviço educativo, implementando melhores e mais eficazes práticas de atuação. 3. Caracterização do meio A nossa Escola insere-se no Distrito de Água-Grande, situada na ilha de SãoTomé, e acolhe alunos de todos os Distritos de S. Tomé e da Região Autónoma doPríncipe. S. Tomé e Príncipe é um pequeno país africano, insular situado no Golfo da Gui-né, acima da linha do equador, na zona intertropical do planeta com um clima quente ehúmido. A sua situação geográfica tem, naturalmente, uma grande influência na suaorganização socioeconómica. Com um território de 1001 km2, o país é constituído por duas ilhas - São Tomé ePríncipe - e alguns ilhéus - das Rolas, Sete Pedras Santana, Cabras, S. Miguel, Cocoe Forte de São João Batista de Ajudá. Na sua organização político-administrativa con-ta com seis distritos - Água Grande; Cantagalo; Caué; Lembá; Lobata; Mé-Zochi euma região autónoma, a Região do Príncipe. A sua população ronda 187.000 habitantes segundo os dados de 2012, forneci-dos pelo INE. Independente há três décadas sensivelmente, o país revela uma grande fragili-dade económica já que a sua produção é quase nula mantendo-se altamente depen-dente da Ajuda Pública ao Desenvolvimento. A sua Balança de Pagamentos é revela-dora de um desequilíbrio evidente entre o valor das suas exportações (5 milhões de 6
    • Dólares) e importações (49 milhões de Dólares) - valores referentes a 2005 - UN –OHRLLS, Measuring in least developed countries; 2006. O Relatório de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas (PNUD, 2007)embora coloque São Tomé e Príncipe como um país de desenvolvimento médio, veri-fica-se, no entanto, que o crescimento económico nacional tem sido bastante diminuto. Os problemas que se colocam hoje ao nível da conservação do meio ambiente eda defesa/preservação dos recursos naturais estão intimamente ligados ao baixo nívelde escolaridade da população e, consequentemente, com os baixos rendimentos queos agregados familiares auferem. Esta situação leva a que se exerça uma depredaçãodos recursos naturais (animais e vegetais) pondo em risco o equilíbrio ecológico des-tas ilhas. Os estudos realizados, nomeadamente o Estudo do Perfil da Pobreza em SãoTomé e Príncipe (2001), concluiu que 54% da população vive em estado de pobreza,com elevado índice de desemprego e uma alta taxa de população vivendo da recole-ção. O ciclo de pobreza perpetua-se porque existem áreas prioritárias onde ainda nãose investiu o suficiente, nomeadamente a educação. Se atendermos aos dados do INE (2012) que nos dizem que 75% da populaçãosão-tomense tem menos de 25 anos vemos a urgência e a pertinência da necessidadede reorganização de todo o sistema educativo para que os jovens tenham acesso aformação de qualidade e possam responder capazmente aos desafios do mercado detrabalho e diminuir a taxa de desemprego que os atinge maioritariamente. A aposta na sustentabilidade do meio envolve de forma inequívoca o setor edu-cativo apelando a intervenção de todos os agentes sociais capazes de dar um contri-buto útil à sociedade. O progresso exige grandes investimentos na formação, na suadiversidade e qualidade para que os recursos humanos sejam cada vez mais versáteise estejam aptos a responder aos desafios dos tempos modernos. Neste sentido, aEstratégia Nacional de Redução da Pobreza (ENRP) de São Tomé e Príncipe, atravésdo reforço dos seus recursos internos, ambiciona reduzir até 2015, o índice de pobre-za existente. 7
    • A Educação e o Ambiente são dois dos temas hoje debatidos ao nível dos dife-rentes setores. A tentativa de dar um caráter mais cultural à Educação e a necessida-de de que a pedagogia tenha uma função fundamental no êxito da preservação doambiente têm permitido conciliar as políticas educativas e ambientais como vetoresfulcrais a considerar no desenvolvimento sustentado do nosso país. Têm sido váriosos atentados contra a natureza e a destruição gradual do ecossistema tem estado acomprometer o desenvolvimento do país já que o mesmo tem por base a sua riquezaambiental. Neste contexto, o IDF preocupado com esta situação, e no quadro das diferentesparcerias nacionais e estrangeiras, procura levar a cabo ações de sensibilização emicroprojectos ambientais em contexto escolar e comunitário com vista a criação deeco cidadãos. Procura contribuir para uma maior consciência ambiental e, consequen-temente, para a mudança de comportamentos a curto e a longo prazo que conduzama ações de respeito pelo ambiente e contribuam para uma gestão durável dos recur-sos em São Tomé e Príncipe. 8
    • 4. Caracterização da Escola A escola entrou em funcionamento no ano letivo de 1989/90. O IDF iniciou o seu projeto como espaço de ensino e formação, como um espa-ço de apoio aos alunos santomenses com maiores dificuldades de aprendizagem.Paulatinamente foi-se transformando, por via da qualidade do trabalho que foi desen-volvendo, num local procurado quer por alunos nacionais que buscavam uma alterna-tiva ao ensino praticado no país quer por alunos portugueses, filhos de expatriados,que necessitavam de aprendizagens mais adequadas ao ensino do país de origem.Estes dois fatores foram decisivos para que, na altura, os esforços conjugados da Dio-cese e da Representação Diplomática de Portugal em S. Tomé e Príncipe, tivessemconseguido obter autorização de funcionamento do Ministério de Educação e Ciênciade Portugal para a lecionação do currículo português, tendo-se assim oficializado oIDF, Instituto Diocesano de Formação João Paulo II, desde o ano letivo de 1993/1994,como escola particular santomense, com paralelismo pedagógico ao sistema de ensi-no ministrado em Portugal. O caráter social da sua ação (30% dos alunos beneficiamde isenção de propinas, 20% de redução e 50% pagam propinas no valor de 60 e 70euros), a qualidade do ensino que ministra e o sucesso dos alunos que prosseguemos estudos superiores no exterior têm sido as suas grandes divisas. Em janeiro de 2010, o Ministério da Educação e Cultura de São Tomé e Prínci-pe, reconheceu o Instituto com efeitos retroativos a partir da data em que este foi cria-do. O Instituto foi tutelado pela Diocese de São Tomé e Príncipe até 2009, encon-trando-se atualmente sob a tutela da Fundação UNIR. 4.1. Estruturas físicas e condições de trabalho O Instituto Diocesano de Formação possui dois blocos: um bloco central e umbloco anexo, dois campos de jogos (em piso de cimento e descobertos) e de dois ves-tiários para Educação Física. 9
    • A escola está rodeada de um vasto espaço verde, o que estimula e inspira aliberdade de espírito, a ligação com o meio ambiente, de toda a comunidade educativana aceitação de novos desafios, permitindo a criatividade e aprendizagem. A Escola dispõe de: Bloco central  11 salas de aulas;  1 sala de professores;  Secção administrativa / diretiva;  1 sala da associação de estudantes;  1 sala para funcionários;  1 sala de atendimento aos encarregados de educação;  Biblioteca;  1 sala de Informática;  4 sanitários; Bloco anexo  1 laboratório de Físico/Química e Matemática;  1 laboratório de Biologia;  1 sala Polivalente; Espaço para a prática desportiva  2 campos de jogos;  2 vestiários para os alunos; Biblioteca e centro de recursos O Instituto Diocesano de Formação João Paulo II, possui uma Biblioteca apetre-chada com cerca de 10 mil obras, das várias áreas do domínio do saber. Tem estadoa ser criada uma base de dados, que permite inserir num programa de Bibliotecasescolares, todas as obras que o Instituto possui. Tem alguns meios audiovisuais, sen-do no entanto necessário que a Biblioteca fique apetrechada com computadores para 10
    • que os alunos possam fazer as suas pesquisas, embora a internet seja muito lenta emSão Tomé. Uma vez que se dinamiza várias conferências, palestras e “workshops” subordi-nadas a temas integrados no tema aglutinador do Projeto Educativo, é na Bibliotecaque estas se realizam. Na Biblioteca existe um funcionário efetivo que presta todo o apoio aos alunos eprofessores e uma assistente operacional que o apoia. Laboratórios No Instituto Diocesano de Formação existe, num dos pavilhões, laboratórios deFísica, Química, Matemática, Biologia e uma sala polivalente onde funcionam as aulasde Educação Visual, Educação Tecnológica, Educação Musical e Teatro. Estes laboratórios estão minimamente apetrechados, podendo com os instru-mentos/equipamentos existentes realizar as atividades práticas sugeridas nas orienta-ções curriculares / programas portugueses. Neste momento, existe alguma carência em relação aos reagentes, pois necessi-ta-se de verba para a sua aquisição e transporte. Existe uma assistente operacional, com alguns anos de experiência e formaçãodada por um professor da área, que presta apoio aos laboratórios. Reprografia A reprografia está equipada com equipamentos de cópia e encadernação. Osprofessores e alunos podem produzir e/ou reproduzir trabalhos e documentação. Campos de Jogos Os campos de Jogos existem no espaço exterior da escola, onde se realizam asaulas da disciplina de Educação Física, torneios interturmas e interescolas. 11
    • Existem insuficiências de meios para a prática de algumas modalidades despor-tivas e o espaço carece de melhorias. 4.2. População discente Ano de escolaridade N.º de alunos 5.º 59 6.º 52 7.º 54 8.º 41 9.º 41 10.º 42 11.º 43 12.º 56 Total 388 Tabela 1. População discente – Ano letivo 2011/2012 Durante o ano letivo 2010/2011 foi criada no Instituto a Associação de Estudan-tes. Os pais e encarregados de edução dos alunos, têm na sua maior parte um nívelmédio de escolaridade. Os alunos com fracos recursos económicos são apoiados de formas diversas,nomeadamente através da isenções de propinas, material didático e apoio alimentar. 4.3. Pessoal docente O corpo docente do IDF é constituído por 39 professores (Ano letivo 2011/2012),na sua maioria são recrutados localmente por concurso e os restantes são provenien-tes de Portugal como agentes da cooperação (4 professores) e requisitados (1 profes-sora). 12
    • 4.4. Pessoal não docente No IDF trabalham 17 funcionários não docentes, de acordo com a seguinte dis-tribuição: Secretaria 2 Assistentes operacionais 2 Limpeza 7 Vigilantes 2 Biblioteca 2 Laboratório 1 Jardineiros 2 4.5. Órgãos de administração e gestão da Escola A gestão e administração do IDF são realizadas de uma forma dialogante, flexí-vel e funcional, revelando uma grande proximidade entre todas as suas estruturas. Osórgãos de administração e gestão do Instituto encontram-se distribuídos de acordocom o seguinte organograma (fig.1). Figura 1. Organigrama dos órgãos de administração e gestão 13
    • 4.6. Oferta formativa Baseado no Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho(O presente Decreto-Lei revoga os DL n.º 74/2004, de 26 de março, 24/2006, de 6de fevereiro, 272/2007, de 26 de julho, e 4/2008, de 7 de janeiro, 50/2011, de 8 deabril, e 42/2012, de 22 de fevereiro) Matriz Curricular do 2º Ciclo do Ensino Básico 14
    • Matriz Curricular do 3º Ciclo do Ensino Básico 15
    • Matriz Curricular do Ensino Secundário 16
    • 17
    • 4.7. Recursos financeiros/ Protocolos e parcerias Não sendo possível sobreviver de meios próprios, o IDF tem beneficiados, aolongo dos anos, do apoio de Portugal a dois níveis:  Apoio do Ministério de Educação e Ciência – através de um subsídio anual e do envio de professores (GAERI);  Apoio do IPAD (Atual Instituto Camões) - concessão de um subsídio exce- cional anual e o apoio à construção de infraestruturas escolares, o seu ape- trechamento e no envio de professores para as áreas prioritárias. Ao nível das parcerias internas temos contado com a colaboração do Ministérioda Educação e Cultura de S. Tomé e Príncipe, principalmente em questões de logísti- 18
    • ca (permissão para que os professores do ensino oficial lecionem no IDF, transporteescolar, cedência pontual de espaços e outros). O IDF recebe apoios de algumas instituições e/ou ONGs que, esporadicamente,oferecem ao Instituto material escolar e alguns equipamentos. Anualmente, os melhores alunos do Curso de Ciências e Tecnologias participamnas atividades da Escola de verão da Física da Universidade Júnior - Universidade doPorto. No ano letivo 2011/2012, os melhores alunos do IDF participaram nas Olimpía-das do Ambiente e da Matemática, com excelentes resultados. 5. Diagnose da Escola 5.1. Identificação dos pontos fracos Tendo por base a recolha de dados referentes à implementação do Projeto Edu-cativo de Escola anterior e da informação resultante da avaliação interna e externa eda auscultação de outras entidades da comunidade, é possível enunciar os seguintesconstrangimentos, consoante os diferentes olhares sobre a organização da instituição:  Resultados académicos nas disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemá- tica na avaliação externa;  Dificuldade na articulação entre as várias áreas curriculares;  Participação dos pais e encarregados de educação nas atividades da Escola;  Equipamento informático ainda insuficiente na escola, quer para alunos, quer para professores;  Financiamento insuficiente;  Pouca estabilidade do corpo docente;  Insuficiente formação profissional para a docência. 19
    • 5.2. Identificação dos pontos fortes Boa preparação dos alunos que terminam o ensino secundário para o pros- seguimento dos estudos no exterior; Currículo estável, abrangente e que garante o direto acesso às universidades exteriores; Única escola no país que garante o 12.º ano de escolaridade nas áreas de Ciências e Tecnologias, e Línguas e Humanidades; Exigência pedagógica; Oferta educativa adequada às necessidades dos alunos; Prémios de mérito e quadro de honra; Boa divulgação por parte da Escola das suas ofertas educativas; Criação de ambiente digital online para divulgação da Escola; Responsabilização dos alunos para os seus deveres cívicos; Segurança na escola; Boa imagem da Escola na comunidade em que está inserida; A Escola desenvolve processos de autoavaliação, para melhorar os seus desempenhos; Aulas de Apoio / Acompanhamento aos alunos; As atividades do Projeto de Acompanhamento Escolar e Serviço de Psicolo- gia e Orientação; Análise dos resultados obtidos pelos alunos ao nível dos conselhos de turma, dos departamentos curriculares e do Conselho Pedagógico; Adequação das atividades desportivas aos interesses dos alunos; Utilização do espaço da Biblioteca Escolar; 20
    •  Eficácia dos meios de comunicação, desenvolvidos pela escola, com a comunidade educativa;  Inexistência de casos de indisciplina graves;  Boa gestão dos espaços e dos recursos humanos da escola; 6. Prioridades e Finalidades do Projeto Educativo de Escola 6.1. Áreas de intervenção O Projeto Educativo de Escola desdobra-se em quatro grandes Áreas de inter- venção que deverão nortear toda a ação educativa da Escola e de cada agente educa- tivo. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1 Ação Curricular e Pedagógica 2 Ação na Vida da Escola 3 Ação a Nível da Organização 4 Ação na Formação e Desenvolvimento Profissional do Pessoal Docente e não Docente No âmbito de cada área de intervenção, foram traçados os respetivos objetivos, definidas estratégias de operacionalização e indicadores de medida, cuja avaliação permitirá determinar se o caminho seguido permite atingir as metas estabelecidas para consolidar uma escola de sucesso. 6.1.1. Ação Curricular e Pedagógica Objetivos Estratégias de operacionalização Indicadores de medida ▪ Desenvolvimento de hábitos e métodos de  Aumento do sucessoMelhorar a qualidade trabalho individual e em grupo; dos alunosdo ensino e das ▪ Integração, de forma diversificada, em contex-  Publicação dosaprendizagens visan- tos de avaliação formativa, da leitura e do uso melhores alunos pordo uma melhoria efeti- da escrita, promovendo o gosto pela leitura e turma e por ciclosva de resultados e das pela escrita;competências adquiri-  N.º de livros requisita-das ▪ Promoção de projetos/atividades de natureza dos na biblioteca e interdisciplinar; lidos 21
    • ▪ Promoção do conhecimento científico, recor-  Melhoria da qualidade rendo ao ensino experimental e à investigação do desempenho dos autónoma; alunos ▪ Realização de testes intermédios em diversas  Resultados nos Tes- disciplinas; tes Intermédios ▪ Apoio suplementar aos alunos dos anos de  Resultados nos Exa- Exames Nacionais; mes NacionaisContinuar a prevenir o ▪ Avaliação diagnóstica e formativa, de forma ainsucesso através da detetar, o mais cedo possível, dificuldades dedespistagem precoce aprendizagem;  Número de alunosde inadaptações, defi-ciências, dificuldades, ▪ Promoção da diferenciação pedagógica e da identificadosproporcionando um flexibilização curricular, indo ao encontro dos  Número de alunosacompanhamento estilos e características de aprendizagem dos reorientadosadequado e prevendo alunos com necessidades educativas espe-orientações vocacio- ciais.nais diferenciadas ▪ Promoção do diálogo e interação entre as diferentes estruturas educativas, consolidando  Reuniões de coorde-Melhorar a articulação processos de implementação de decisões par- nação verticalpedagógica entre ticipadas;  Materiais produzidosciclos ▪ Incentivar a articulação vertical e horizontal  Atividades transver- entre as diferentes áreas disciplinares. sais realizadas ▪ Realização de pesquisas orientadas e de tra- balhos de projeto;  Portefólios dos alunos ▪ Responsabilização dos alunos pelo cumpri-  N.º de aulas em que mento de prazos e regras; foram utilizadas as ▪ Aquisição de competências digitais necessá- TICPromover a autonomi- rias ao bom uso das novas tecnologias, a partir  Nº de alunos por tur-zação da aprendiza- do 3.º ciclo; ma que de formagem ▪ Promoção de atividades que permitam aos autónoma utilizam as alunos desenvolver a sua autonomia na utiliza- TIC ção das TIC;  Qualidade dos traba- ▪ Realização de atividades letivas utilizando as lhos produzidos TIC como instrumento de trabalho. 6.1.2. Ação na vida da Escola Objetivos Estratégias de operacionalização Indicadores de medida ▪ Enunciação de regras claras de convivência na comunidade escolar;  Redução do númeroReduzir situações deindisciplina ▪ Promoção de reuniões entre a Direção e os de participações e Representantes de Pais e Encarregados de sanções disciplinares Educação; ▪ Diálogo entre os docentes e pais no sentido 22
    • de promover atitudes e respostas educativas convergentes, perante determinados compor- tamentos dos alunos; ▪ Participação e contributo dos pais/Encarregados de Educação em diferen- tes momentos de aprendizagem; ▪ Reconhecimento, divulgação e valorização pública de comportamentos meritórios. ▪ Comunicação regular da escola com as famí-  Aumento dos contac- lias, incentivando a sua maior participação tos regulares com Pais nas questões relacionadas com a vida esco- e Encarregados dePromover um maior lar; Educaçãoenvolvimento dosEncarregados de Edu- ▪ Apoio na dinamização da Associação dos  Aumento da presençacação e das famílias, Pais/Encarregados de Educação; dos Pais e Encarrega-no acompanhamento ▪ dos de Educação nas Incentivo à utilização das TIC (site, blogues,do percurso escolar diversas reuniões Moodle, etc.) por parte de toda a comunidadedos seus educandos educativa.  Número de visitantes na plataforma digital da escola ▪ Desenvolvimento de projetos, fomentando as parcerias com o meio envolvente;  Realização de ativida- des envolvendo toda a ▪ Oferta de diversos núcleos/clubes/ projetos de comunidade educativa desenvolvimento de atividades de enriqueci- da escolaEnvolver os alunos e mento curricular;restante comunidade  Aumento da participa- ▪ Realização de acções que envolvam a comu- ção de docentes e nãoeducativa em projetos nidade educativa, nomeadamente as promo- docentes nas diversasde escola vidas pelos Departamentos Curriculares, ativi- atividades promovidas dades desportivas, áreas artísticas e outras;  Incremento do número ▪ Maior valorização da participação dos alunos de alunos que partici- em todas as atividades, quer no âmbito da pam nas atividades escola, quer na comunidade. ▪ Realização de visitas de estudo;  Grau de satisfação dos destinatários e quali- ▪ Participação dos alunos em concursos, expo- dade dos trabalhos sições, jogos, espetáculos… elaborados nesse ▪ Promoção de projetos envolvendo a interliga- âmbito ção com outros países, recolhendo boas práti-Aumentar a interação  Grau de Interdisciplina- cas e bons esquemas organizacionais acom o meio envolvente ridade implementar na escola;em vários domínios:  Práticas organizacio-curricular, artístico, ▪ Consolidação dos protocolos já firmados com nais ajustadas, efica-científico, profissional e entidades, empresas… zes e inovadorassocial ▪ Elaboração de novos protocolos/parcerias;  Melhoria das compe- ▪ Realização de exposições, conferências, tências artísticas dos debates, ações de formação, eventos cultu- alunos rais…  Consolidação da Ima- ▪ Promoção de atividades de animação musical/ gem da escola na expressão artística e/ou desportiva. comunidade 23
    • ▪ Promoção do respeito pelo ambiente em São Tomé e Príncipe com a criação do Ecoclube (2º e 3º Ciclo), com organização de um JardimFomentar a formação Ecológico e uma horta escolar;de cidadãos com umaeducação sólida e ▪ Promoção da cidadania através do ambiente,equilibrada, e com os motivando os alunos para a política dos 4 Rs  Utilização das novas – reduzir, reciclar, reutilizar e renovar; envol- tecnologiasconhecimentos e ascompetências essen- vimento dos alunos em processos de reapro-  Atividades colaborati-ciais para que sejam veitamento de disperdícios, tais como, a reci- vas realizadassocialmente responsá- clagem de papel e construção de objetos utili-  Existência de Projetosveis, tolerantes, capa- tários com desperdícios; promoção de deba- inovadores e criativoszes, intervenientes e tes/ concursos;críticos. ▪ Valorização do desporto escolar com a reali- zação de um acampamento, estreitando a relação entre a saúde, o desporto e o ambien- te para (todos os ciclos). 6.1.3. Ação a nível da Organização Objetivos Estratégias de operacionalização Indicadores de medida ▪ Realização de ações de formação e de sensi- bilização, nomeadamente nas seguintes áreas:  Educação Alimentar;  Educação para a cidadania;Promover a aquisição  Número de ações rea-de hábitos individuais  Prevenção das doenças crónicas trans- lizadas neste âmbitoe comportamentos missíveis/não transmissíveis;coletivos adequados  Trabalhos realizados  Segurança rodoviária;em termos de saúde e  Número de protocolossegurança  Primeiros Socorros; estabelecidos  Educação Sexual;  Hábitos de higiene. ▪ Incremento da boa colaboração entre a Esco- la e as entidades da sociedade civil (ex. Cen- tros de Saúde, Polícia Nacional, etc.). ▪ Atualização regular da Página Internet da  Aumento da informa- escola; ção disponível para todos na Página de ▪ Divulgação periódica das atividades mais Internet da escola, noDivulgar as dinâmicas significativas desenvolvidas na Escola nos jornal “Soletrar”, noe os fatores identitá- meios de comunicação social (ex: Rádio Jubi- programa de rádiorios da escola lar; jornal da escola “Soletrar”), com a colabo- “100% IDF” ração de todos os elementos da comunidade educativa.  Aumento da participa- ção na elaboração do jornal da escolaFomentar encontros ▪ Procura partilhada, coletiva, de soluções que  Número de ações pro-de trabalho/reflexão facilitem e melhorem o funcionamento da movidas 24
    • entre professores dos escola;  Grau de participaçãovários ciclos por forma ▪ Realização de atividades que promovam umaa efetuar uma articula- sã convivência escolar.ção vertical de compe-tências, estratégias econteúdos ▪ Promoção de uma utilização competente das novas tecnologias de informação;  Número de recursosFomentar a utilização informáticos na escola ▪ Consolidação da atual metodologia de circula-das tecnologias da ção da informação implementada, generali-  Grau de utilização dainformação zando o recurso à plataforma Moodle, ao E- plataforma Moodle/ mail institucional e Página Internet da Escola Página Web por várias estruturas da Escola. ▪ Melhoria do controlo de acesso na portaria,Reforçar a segurança através da apresentação obrigatória do cartão  Identificação dos regis-nas escolas escolar; tos de conflitos e atos de vandalismo ▪ Instalar redes e sistemas de vídeo vigilância. ▪ Fomento da monitorização da autoavaliação do desempenho da Escola;Consolidar uma práti-  Melhoria do grau de ▪ Apreciação dos resultados, de modo a poder satisfação e eficáciaca de autoavaliação refletir sobre as soluções organizativas, fun- dos serviços educati-da Escola cionamento dos serviços e atividades realiza- vos das, no sentido de melhorar ou reajustar práti- cas e procedimentos organizativos. 6.1.4. Ação na Formação e Desenvolvimento Profissional do Pessoal Docente e Não Docente Objetivos Estratégias de operacionalização Indicadores de medida ▪ Promoção de Ações de Formação, nas seguintes áreas: Docentes ▪ Didáticas das diferentes disciplinas; ▪ Educação especial, necessidades educativas; ▪ Utilização das TIC: Plataforma Moodle, Qua-  Número de ações fre-Formar os recursos dros Interativos, Multimédia didática na sala quentadashumanos tendo em de aula, Computadores em Sala de Aula;  Número de participan-conta as necessidades ▪ Utilização do programa JP Abreu; tes nas ações realiza-da Escola das ▪ Instrumentos de Avaliação de Alunos nos Ensinos Básico e Secundário; ▪ Projeto Curricular de Turma; ▪ Intercâmbios Pedagógicos e/ou Culturais; ▪ Higiene e Segurança no trabalho; ▪ Promoção da Saúde em Meio Escolar / Edu- cação Sexual; 25
    • ▪ Bibliotecas Escolares. Não docentes ▪ Tecnologias da Informação e Comunicação; ▪ Primeiros Socorros; ▪ Laboratórios Escolares; ▪ Comunicação e Relações Interpessoais; ▪ Gestão de conflitos; ▪ Bibliotecas Escolares; ▪ Higiene e segurança no trabalho. 7. Operacionalização do projeto A operacionalização deste Projeto Educativo é feita através do Plano Anual deAtividades da Escola e, na sua forma mais direta, através dos Projetos Curriculares deTurma.  Plano Anual de Atividades: integrações educativas propostas pelos departa- mentos, grupos de docência, conselhos de turma, bem como outros projetos desenvolvidos na escola;  Projeto Curricular de Turma: integra as decisões relativas à adaptação do currículo e à definição de atividades/estratégias educativas para a realidade específica de cada turma; 26
    • O presente esquema apresenta de forma simplificada a operacionalização doProjeto Educativo de Escola. 7.1. Metas e Objetivos a) Ao nível escolar:  Desenvolver no corpo docente atitudes de cooperação, investigação, reflexão crítica e troca de experiências que contribuam para melhorar a consciência e a satisfação profissional;  Desenvolver formas de avaliação contínua e sistemática de todas as ativi- dades e práticas de ensino no sentido de inventariar necessidades, suprir falhas e melhorar a qualidade;  Favorecer a aprendizagem integrada de saberes, numa perspetiva inter- disciplinar e transversal do conhecimento;  Fomentar a educação para a saúde; 27
    •  Incrementar práticas pedagógicas baseadas nas novas tecnologias da informação e da comunicação;  Dinamizar atividades de complemento curricular em espaços e em tempos específicos diferenciados;  Valorizar o clima de escola, incentivando a participação de todos os ele- mentos da comunidade educativa.b) Ao nível do comportamento/disciplina:  Educar no sentido de dotar os alunos de competências que possibilitem a sua integração na sociedade;  Dinamizar atividades conducentes ao sucesso, que permitam a formação integral do aluno, quer ao nível da aquisição de conhecimentos, quer ao nível das atitudes e dos valores;  Promover a articulação com a comunidade local, com base numa gestão integrada de recursos e no desenvolvimento de atividades educativas, cul- turais, desportivas e recreativas, mediante o estabelecimento de protoco- los/parcerias.c) Ao nível ecológico:  Promover a construção de uma consciência ambiental que vise um futuro equilibrado entre o Homem e o planeta Terra;  Fomentar a interiorização de valores e de práticas de cidadania que pro- movam um melhor ambiente/qualidade de vida;  Sensibilizar a comunidade educativa para a problemática do ambiente;  Dar a conhecer aos alunos o que é reduzir, reciclar, reutilizar e renovar (política dos 4 Rs). 28
    • 8. Avaliação do Projeto Educativo de Escola O Projeto Educativo de Escola deve ser sujeito a uma avaliação no final de cadaperíodo e a uma avaliação no final de cada ano letivo, de forma a compreender osproblemas e perspetivar um contínuo aperfeiçoamento das práticas, definindo ou rea-justando estratégias de melhoria que se afigurem necessárias. Esta avaliação deveser contínua e participada. Cabe ao Conselho Pedagógico o acompanhamento e a avaliação do ProjetoEducativo, nomeadamente através da concretização do Plano Anual de Atividades, doProjeto Curricular de Turma, do cumprimento do Regulamento Interno e da avaliaçãodos resultados obtidos nas Áreas Prioritárias de Intervenção, tendo como referência osresultados esperados. 8.1. Vigência do Projeto Educativo O Projeto Educativo de Escola foi elaborado para o biénio 2011/2013, sendo otema globalizante o ambiente e o tema específico “Educar para o ambiente, proteger oque é nosso”. 8.2. Formas de divulgação do Projeto Educativo Colocação, em formato PDF, na Página Internet da escola e no computador dasala dos professores. 8.3. Momentos de avaliação do Projeto Educativo  No final de cada período.  No final de cada ano letivo.  No termo da respetiva vigência. Esta avaliação final, global, do Projeto Educativo constituirá elemento de análise e interpretação de todo o pro- cesso e servirá de suporte à elaboração do projeto seguinte. Intervenientes (momentos de avaliação): Conselho de Turma, Conselho de Departamento, Conselho Diretivo e Conselho Pedagógico. 29
    • Instrumentos de avaliação:  Alunos (fichas de avaliação trimestral);  Questionários periódicos;  Relatórios dos Conselhos de Turma e de Departamentos. 8.4. Aprovação Este documento entra imediatamente em vigor após aprovação pelo ConselhoPedagógico e Diretivo. 9. Conclusão A elaboração do Projeto Educativo de Escola, para o biénio 2011/2013, permitiu-nos definir e hierarquizar as prioridades para a ação, tendo em conta o contexto espe-cífico da Escola, em prol dos grandes problemas educativos sentidos pela comunida-de. É nossa ambição proporcionar a cada aluno uma formação de qualidade que lhepermita uma boa inserção profissional e social, num mundo em constante e rápidamudança, muito competitivo, onde se exige competência, rigor, capacidade de adapta-ção e desempenhos relevantes. A escola é uma instituição geradora de educação e não somente de instrução. OProjeto Educativo enquadra as ações a desenvolver, a nível do IDF, por todos os ele-mentos da comunidade educativa. Centrada em quatro grandes Áreas de Intervenção, a ação dos diversos elemen-tos deve conduzir à implementação de atividades destinadas a atingir as prioridadesestabelecidas. Contudo, a concretização do Projeto Educativo de Escola só poderá efetuar-secom o empenho e a ação de todos, num trabalho partilhado e colaborativo, realizadono mesmo sentido, de modo a “Educar para o ambiente, proteger o que é nosso” etornar a vida na nossa escola motivadora, aliciante, enriquecedora e formadora. 30
    • Proposta apresentada e aprovada em Conselho Pedagógico em 08/07/2011 Reapreciado em Conselho Pedagógico em 06/07/2012 Aprovação em Conselho Diretivo em 20/07/ 2012Presidente do Conselho Pedagógica Diretora_____________________________ ______________________ 31
    • 10. BibliografiaProjeto do IDF – Educação Ambiental e Energia Alternativa Como Soluções Para osProblemas do Meio Ambiente – Ano Letivo 2011/2012Legislação em vigor 32