O que e biblioteca 2 0 - P

1,710
-1

Published on

Published in: Technology, Travel
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,710
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O que e biblioteca 2 0 - P

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - UFMG ESCOLA DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO - ECI CURSO DE BIBLIOTECONOMIA - T1 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA PROFESSORES: ANTÔNIO MENDES RIBEIRO E GABIEL L. OLIVEIRA   BIBLIOTECA 2.0: alguns recursos essenciais   Acadêmico: AILTON JOSE DA SILVA BELO HORIZONTE, JUNHO DE 2001.
  2. 2. O QUE É BIBLIOTECA 2.0? <ul><li>O conceito Biblioteca 2.0 liga-se a dois outros conceitos ou termos: Biblioteca e Web 2.0. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Reune as teorias e as práticas da Biblioteconomia inserido-as no contexto da Web 2.0 . </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Utiliza uma diversidade de ferramentas:   streaming media , blogs , wikis , redes sociais , tagging e alimentadores RSS , Mashups ). </li></ul><ul><li>Biblioteca 2.0 </li></ul>
  3. 3.   A Web 2.0 reconfigurou os processos de produção e organização do conhecimento e informações na Internet.    O conceito de Biblioteca 2.0 marca uma relação das ações Biblioteconômicas com a dinâmica de conteúdos Web 2.0 .   A Biblioteca 2.0 tem como características a abordagem centrada ao usuário pertencente a comunidades e a política de compartilhamento de informações sob a ótica da ética hacker.
  4. 4. MAPA MENTAL DA EVOLUÇÃO DA WEB <ul><li>  </li></ul>
  5. 6. A Biblioteca 2.0 não trata de ser uma biblioteca física, com livros nas estantes, embora carregue consigo a força expressiva do termo biblioteca.   Ela existe no ciberespaço, e é formado por uma rede de pessoas que agrupam-se em comunidades com interesses em comum e que tenham como propósito compartilhar informações, conteúdos, documentos.   Nesse contexto o bibliotecário 2.0 atua fazendo conexões relevantes entre dados e informações com sua comunidade, além de auxiliar as pessoas na resolução de seus problemas de informação em ambientes digitais.
  6. 8. Estas técnicas de trabalho tornam-se inovadoras a partir do momento em que os serviços e produtos oferecidos por bibliotecários respondam às reais necessidades das comunidades da qual participam, reinventando outras relações de trabalho e práxis da profissão.   Os serviços do Bibliotecário 2.0 tem na desordem digital boas oportunidades para filtrar, organizar e categorizar as informações para sua posterior utilização dos usuários, além de estabelecer um vínculo participativo com as comunidades e com as pessoas desenvolvimento de novos serviços.
  7. 9. QUAIS SÃO OS ELEMENTOS ESSENCIAIS PARA CONSIDERAR UMA BIBLIOTECA 2.0? <ul><li>Uma teoria para Biblioteca 2.0 poderia ter quatro elementos essenciais:    </li></ul><ul><li>É centrada no usuário .  </li></ul><ul><li>Usuários participam na criação de conteúdos e serviços que eles vêem na presença da biblioteca na web, OPAC, etc. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>O consumo e a criação do conteúdo é dinâmica, e por isso as funções do bibliotecário e do usuário nem sempre são claras. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>. </li></ul>
  8. 10. Oferece uma experiência multimídia .    Ambos, coleções e serviços de Biblioteca 2.0, contêm componentes de áudio e vídeo. Embora isso nem sempre seja citado como uma função de Biblioteca 2.0, é aqui sugerido que deveria ser (MANESS, 2007).
  9. 11. É socialmente rica. A presença da biblioteca na web inclui a presença dos usuários. Há tanto formas síncronas (e.g. MI) e  assíncrona (e.g. wikis) para os usuários se comunicarem entre si e com os bibliotecários.
  10. 12. É comunitariamente inovadora .   Este é talvez o aspecto mais importante e singular da Biblioteca 2.0. Baseia-se no fundamento das bibliotecas como serviço comunitário, mas entende que as comunidades mudam, e as bibliotecas não devem apenas mudar com elas, elas devem permitir que os usuários mudem a biblioteca. Ela busca continuamente mudar seus serviços, achar novas formas de permitir que as comunidades, não somente indivíduos, busquem, achem e utilizem informação (MANESS, 2007).  
  11. 13. COMO FUNCIONA A BIBLIOTECA 2.0? <ul><li>  </li></ul><ul><li>&quot;Mas nem tudo está perdido. As Bibliotecas 2.0 serão agora estimuladas por bibliotecários. (...) Esse é um assunto interessante, que está aparecendo cada vez mais nos blogs e fontes de informação&quot;  (MURAKAMI, 2011). </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  12. 14. &quot;Não, não é sonho nem delírio. E também não estou falando de algum país da europa. É a mais pura e brasileira realidade que possa existir: algumas dezenas de pontos de ônibus com mini-bibliotecas públicas, gratuitas, de acesso livre e de espírito completamente colaborativo&quot;. &quot;Em minha humilde opinião o conceito de Web 2.0 jamais foi tão bem aplicado quanto neste projeto. E espero que esta idéia se espalhe pelo mundo inteiro. Parabéns ao pessoal do Açougue Cultural T-Bone pela brilhante iniciativa!&quot; (GAMEIRO, 2011).
  13. 15. QUAIS AS VANTAGENS DESSE RECURSO? <ul><li>  </li></ul><ul><li>Os avanços das tecnologias empregadas na Web 2.0 têm propiciado experiências mais ricas aos usuários em vários níveis. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>As vantagens de aplicações que são executadas localmente, no desktop – como a interatividade rica, alto envolvimento do usuário e desempenho superior – são combinadas com os pontos fortes das redes – independência de plataforma, acesso ubíquo e colaboração. </li></ul>
  14. 16. características em comum * colaborativas por natureza, * interativas,  *dinâmicas,  sendo que a linha entre criação e consumo de conteúdo nesses ambientes era tênue: usuários criavam o conteúdo nesses sites tanto quanto eles o consumiam.       (MANESS, Jack M. , TEORIA DA BIBLIOTECA 2.0: Web 2.0 e suas implicações para as bibliotecas . In: Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v.17, n.1, p.44-55, jan./abr. 2007.)
  15. 17. O termo é agora amplamente usado e interpretado, mas Web 2.0, essencialmente, não é uma Web de publicação textual, mas uma Web de comunicação multi-sensitiva.    Ela é uma matriz de diálogos, e não uma coleção de monólogos.                     Ela é uma Web centrada no usuário de maneira que ela não tem estado distante de ser.
  16. 18. CONSIDERAÇÕES FINAIS <ul><li>&quot;Biblioteca 2.0: ela é centrada no usuário; é uma experiência multimídia; é rica socialmente; e comunitariamente inovadora. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Marcada pela interatividade, colaboratividade, e tecnologias multimídia baseadas em web para serviços e coleções de biblioteca” (MANESS, 2007). </li></ul>
  17. 19.   &quot;A melhor concepção de Biblioteca 2.0 neste momento seria uma interface de rede social que o usuário desenha. Isto é, um OPAC personalizado que incluem acesso a MI, alimentadores RSS, blogs, wikis, tags, e perfis públicos e privados dentro da rede da biblioteca. Isto é realidade virtual da biblioteca, um lugar onde alguém pode não apenas procurar por livros e revistas, mas interagir com uma comunidade, com um bibliotecário, e compartilhar conhecimento e entendimento com eles&quot; (MANESS, 2007).  
  18. 20.   Biblioteca 1.0 levou coleções e serviços esparsos para um ambiente online, e Biblioteca 2.0 irão levar o pacote completo de serviços de biblioteca para um meio eletrônico, com Biblioteca 2.0, seus usuário serão convidados a entrar nela.
  19. 21. Se por um lado, a Biblioteca 2.0 é uma mudança; por outro, sua natureza natureza mantem-se próxima da tradição e missão das bibliotecas, possibilitando que o acesso à informação e o aprimoramento da sociedade. Em síntese, podemos dizer que a Web 2.0 e as bibliotecas formaram uma união com benefícios recíproco na visão de muitos pesquisadores, estudiosos e bibliotecários .    
  20. 22. REFERÊNCIAS <ul><li>  </li></ul><ul><li>CAMPOS, Luiz Fernando de Barros.  WEB 2.0, BIBLIOTECA 2.0 E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO (I): Um protótipo para disseminação seletiva de informação na Web utilizando mashups e feeds RSS. In: VIII ENANCIB – Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação , 28 a 31 de outubro de 2007 · Salvador · Bahia · Brasil. Disponível em: http://www.enancib.ppgci.ufba.br/artigos/GT2--232.pdf , acessado em 13 de junho de 2011, as 14:30. </li></ul><ul><li>GAMEIRO, Alexandre. Bilioteca 2.0: conceito colaborativo vai pra rua .  Disponível em: http://www.overmundo.com.br/overblog/biblioteca-20-conceito-colaborativo-vai-pra-rua , acessado em 13 de junho de 2011, as 15:00. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  21. 23. MANESS, Jack M., TEORIA DA BIBLIOTECA 2.0: Web 2.0 e suas implicações para as bibliotecas . In: Rev. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v.17, n.1, p.44-55, jan./abr. 2007).  Disponível em: www.cipedya.com/web/FileDownload.aspx?IDFile=102055 , acessado em 13 de junho de 2011, as 14:15.   MURAKAMI, Tiago. Biblioteca 2.0 . Disponível em: http://bsf.org.br/2006/11/13/biblioteca-20/ , acessado em 13 de junho de 2011, as 14:39. WIKIPÉDIA. Biblioteca 2.0 . Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Biblioteca_2.0 , acessado em: 13 de junho de 2011, as 15:09.
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×