Linked in   parte 2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Linked in parte 2

on

  • 346 views

 

Statistics

Views

Total Views
346
Views on SlideShare
346
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Linked in   parte 2 Linked in parte 2 Presentation Transcript

    • Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Ciência da InformaçãoDisciplina: Arquitetura da Informação e Acessibilidade Digital Bernadete Luiza de Faria Ludmila Aparecida Scardoelli Patrícia Bárbara de Paula
    • O que é o LinkedIn?• O LinkedIn é uma rede social online para contatos profissionais. É diferente de outros sites de rede social, como o MySpace e o Facebook porque foi criado especialmente para relacionamentos profissionais - encontrar um emprego, descobrir malas diretas, entrar em contato com possíveis parceiros de negócios - e não apenas para fazer amigos ou compartilhar fotos, vídeos e músicas.
    • Arquitetura da Informação• A arquitetura da informação, conforme a definição criada por Wurman, trata da organização da informação para torná-la clara, compreensível. Na web, esse objetivo se mantém: criar as estruturas de organização da informação de um website para que o usuário consiga compreendê-lo com facilidade.• Na web, a arquitetura da informação cuida de projetar a estrutura, o esqueleto, de um website sobre o qual todas as demais partes irão se apoiar.
    • Sistema de Organização• A organização define o agrupamento e a categorização de todo o conteúdo informacional (Reis, 2007)
    • Sistema de Organização: Ambiguidade
    • Sistema de Organização: Heterogeneidade
    • Sistema de Organização: Estética
    • Avaliação• Neste tópico iremos avaliar a rede social em termos de Acessibilidade e Usabilidade.• Validar a interface de acordo com os requisitos do usuário e permitir sua verificação de forma que se perceba se ele encontrará dificuldades em seu uso identificando barreiras que possam comprometer sua interação consiste na Avaliação de interfaces• Seus objetivos são: Identificar problemas de interação ou interface
    • Forma de Avaliação• Cada integrante do grupo fez uma avaliação prévia e após esta nos encontramos para chegar às conclusões apresentadas a seguir.
    • Usabilidade• Usabilidade baseia-se em proporcionar melhor experiência aos usuários em termos de eficiência, efetividade e satisfação.
    • Método adotado• O grupo optou por usar o método de avaliação heurística pelo fato de aplicarmos diretrizes que já existem e métodos que já foram utilizados para esse tipo de teste.
    • Usabilidade: Interface de buscaPontos importantes na Busca:• É fácil encontrar a informação ?• É fácil de usá-la?• Permite refazer ou refinar sua busca?• Os construtores de query são usados de forma eficiente?
    • Usabilidade: Interface de Busca• Resultados relevantes no topo da lista?• Clareza nos parâmetros usados na busca?• Clareza no que foi buscado?• Clareza nos resultados que foram encontrados?• Informações apresentadas úteis?• Os resultados agrupados de forma útil?
    • Usabilidade: Interface de busca • É fácil encontrá-la; • É fácil usá-la; • Permite que o usuário refine a busca.
    • Usabilidade: Interface de busca • Os resultados relevantes aparecem no topo da lista; • Aparece de forma clara os parâmetros usados na busca; • Apresenta de forma clara o que foi buscado e os resultados.
    • Usabilidade: Rotulação• Estabelece as formas de representação, de apresentação da informação definido signos para cada elemento informativo (Reis, 2007)• Os rótulos do LinkedIn são compreensíveis.
    • Usabilidade: Rotulação
    • Usabilidade: NavegaçãoNAVEGAÇÃO GLOBAL• É possível mover-se através de poucos cliques;• Amplitude e profundidade estão balanceadas;• Os rótulos são claros e significativos.NAVEGAÇÃO CONTEXTUAL• É possível saber onde estou dentro do site.
    • Acessibilidade• Acessibilidade baseia-se em remover barreiras de acesso causadas por limitações técnicas, ambientais e humanas.• Chama-se de acessível tudo aquilo que pode ser usado por qualquer pessoa, independentemente de sua condição física.
    • Método adotado e partes analisadas• O método usado foi a avaliação preliminar de acessibilidadePARTES ANALISADAS• Página Inicial• Perfil• Contatos• Empregos
    • Outros aspectos avaliados• Nesse tópico foram avaliados os recursos do site de acordo com duas das diretrizes do WCAG para construção de sites acessíveis. Lembrando que o WCAG é Composto por 14 diretrizes e 2 princípios.
    • Recomendação 6: âncoras para ir direto ao conteúdo INEXISTENTE
    • Recomendação 19: Descrever links clara e sucintamente
    • Considerações finais• O LinkedIn é uma rede profissional online, que permite o usuário manter contato com outros profissionais de sua área, amigos e empresas. Buscar e oferecer vagas, recomendar pessoas e ser recomendado, aumentando assim suas possibilidades de ser ‘visto’ no mercado de trabalho. Em termos de acessibilidade digital ainda é necessário que ocorram mudanças, uma vez que torna conturbado o acesso devido à quantidade de informação disponibilizada em sua página inicial e de não permitir aumentar o tamanho da fonte em sua própria página, por exemplo.
    • Referências• ALVES, C. D. ; ROCHA, J. Avaliação de interfaces. 2012• ALVES, C. D. ; ROCHA, J. Sistemas de AI. 2012• ALVES, C. D. ; ROCHA, J. Como construir sites acessíveis. 2012• COMO FUNCIONA O LINKEDIN. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=DL7c3IJUe04> Acesso em: 23 Out. 2012.• LINKEDIN. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/LinkedIn>. Acesso em: 23 Out. 2012.• ROCHA, J. A. P; ALVES, C. D. ; DUARTE, A. B. S. E-acessibilidade e usuários da informação com deficiência. Inc. Soc., Brasília, v. 5 n. 1, p.78-91, 2011. Disponível em: http://revista.ibict.br/inclusao/index.php/inclusao/article/view/219/210> Acesso em: 09 Jan. 2012.