Your SlideShare is downloading. ×
Morfologia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Morfologia

23,390
views

Published on

Published in: Education, Technology

1 Comment
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
23,390
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
341
Comments
1
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. MORFOLOGIA ESTRUTURA DAS PALAVRAS Por Alex S. S. Santos (Estudante de Letras - UNIP)
  • 2. O QUE É MORFOLOGIA?
    • Segundo o dicionário Aulete Digital:
    • Gram. Parte da gramática que descreve os processos de formação e de flexão das palavras.
    • Exemplo: Brasileiro
    • Brasil (país)
    • eiro (indica lugar, profissão etc.)
  • 3. MORFEMA
    • Morfema é a menor unidade de significação que constitui o elemento ou os elementos integrantes de um vocábulo.
    • Um mesmo morfema pode ter várias funções. Por exemplo: eiro > profissão, recipiente, etc.
    • Os morfemas têm um significado, já os fonemas trazem uma distinção.
  • 4. MORFEMAS LIVRES E MORFEMAS PRESOS
    • Morfemas Livres (ou Reais ) - são aqueles que não se ligam obrigatoriamente a outros morfemas. Exemplos: um, de, mas , eu, sim .
    • Morfemas Presos (ou Gramáticais ) - só ocorre simultaneamente a pelo menos um morfema adicional com o qual forma um conjunto indissociável. Exemplos: cant-ar. São as noções de plural, de tempo, os sufixos etc. Como só fazem sentido quando juntos a outras estruturas são conhecidos como morfemas presos.
  • 5. MORFEMA ZERO
    • Morfema zero é quando a palavra não possui uma letra para indicar a flexão, que é representada por outros recursos. Por exemplo: mar.
    • Nessa palavra, há morfema zero. Isso porque não há nenhuma desinência que indique o singular. Sabemos que é singular porque, em português, o morfema que indica plural é -s. A ausência dele (morfema zero) indica o singular.
    • O morfema zero é indivisível em unidades menores de significado.
  • 6. ALOMORFE
    • De acordo com o dicionário online : http://www.dicio.com.br/alomorfe/
    • sm ( alo+morfo ) Ling Variante dos morfemas; realização concreta deles.
    • Resumindo: Alomorfe é a variação da forma de um morfema.
    • Em INFELIZ, por exemplo, a comparação com FELIZ nos faz depreender o morfema –in. Esse mesmo morfema realiza-se como i - antes de radicais iniciados por L-, M- e R-> Ilegal, Imoral, Irreal. Essas diferentes realizações são designadas como ALOMORFES.
  • 7. RADICAL E AFIXOS
    • RADICAL: É o morfema do qual irmana as palavras da mesma família e lhes dá uma base comum de significação.  Ex: ( cant o/ cant emos/ cant ador).
    • AFIXOS: São os morfemas que se anexam ao radical para mudar-lhe o sentido (fazer/ des fazer) ou para acrescentar uma idéia secundária. (livro/livr aria ). Dividem-se em Prefixos (antes do radical) e Sufixos (após o radical).
  • 8. TEMA E VOGAIS TEMÁTICAS
    • Tema é o radical somado à vogal temática. Exemplo: Cantamos. Cant (radical) + a (vogal temática = canta (tema).
    • A vogal temática é a vogal que antecede o radical de nomes ou de verbos. Em verbos, indica a conjugação a que eles pertencem.
    • Os nomes que terminam por consoante ou vogal tônica não possuem vogal temática e são chamados de nomes atemáticos.
  • 9. VOGAIS TEMÁTICAS NOMINAIS:
    • As vogais temáticas nominais, em português, são –a, -e, -o. Assim, poderia haver confusão entre VT e DG, mas não há. Enquanto –o e –a desinenciais comutam com –a e –o para exprimir mudança de gênero (menino/menina), isso não ocorre com as vogais temáticas (livro e *livra), -o e –a temáticos não se associam às noções de masculino e feminino. A vogal temática –o apresenta em alguns lugares a variação com –u.
    • Por exemplo: Conceito / conceitual / conceituoso.  Mar e Lar e Cruz, por ex, seriam atemáticos, já que –es (do plural) é alomorfe.
  • 10. VOGAIS TEMÁTICAS VERBAIS
    • As vogais temáticas verbais são três, no português: -a (primeira conjugação) –e (segunda conjugação) –i (terceira conjugação). Pode-se identifica-las pelo infinitivo, são as vogais que antecedem o –r desinencial: am a r,vend e r,part i r. 
  • 11. DESINÊNCIAS
    • São os morfemas terminais de palavras variáveis que têm simplesmente valor gramatical.
    • Desinências Nominais : Servem para indicar as flexões de gênero e número.
    • Desinências Verbais: servem para indicar as flexões de Modo e Tempo, Número e Pessoa.
  • 12. Desinências Nominais
    • Gênero: Em alguns casos o masculino é uma forma desprovida de flexão específica. Exemplo: Mestre/Mestra.
    • Número: Não há desinência para o singular, o que permite-nos dizer que no referente ao número o singular é caracterizado pelo morfema zero.
  • 13. Desinências Verbais
    • As flexões de pessoa e número são expressas nos verbos por desinências especiais, que podemos distribuir por três grupos:
    • - Desinências do presente do indicativo
    • - Do pretérito perfeito do indicativo
    • - Do infinitivo pessoal (= futuro do subjuntivo).
    • As desinências modo temporais vêm antes das desinências número-pessoais, isso ocorre em português e em outros idiomas.
    • Exemplo: Desinência MT do presente do Indicativo. Canto – CANT (Radical) + o (Vogal Temática) + 0 (DMT)  
  • 14. Canta r em, parti r des -r todas Pessoal Infinitivo Não dev a s, não part a mos -a 2ª e 3ª Negativo Não cant e m, não cant e is -e 1ª Negativo 1 Imperativo Canta r es, deve r mos -r todas Futuro 2 Canta sse s, devê sse mos -sse todas Pret. imperfeito Dev a s, dev a is -a 2ª e 3ª Presente Cant e mos, cant e is -e 1ª Presente 1 Subjuntivo Canta ria , parti rie is -ria, -rie todas Fut. do pretérito Canta rá , deve re mos -ra,- re (tônico) todas Fut. do presente Canta ra , deve rê is -ra, re (átono ) todas Pret. mais-q-perfeito Dev ia s, dev íe is -ia, -ie 2ª e 3ª Pret. imperfeito Canta va s, cantá ve is -va, -ve 1ª Pret. imperfeito Indicativo Exemplos Desinências Conjugação Tempo Modo Desinências Modo-temporais
  • 15. -m -em -em -ão -ram -m 3ª -is -des -des -is -stes -is 2ª -mos -mos -mos -mos -mos -mos 1ª Plural - - - - u - 3ª -s -es -es -s -ste -s 2ª - - - -i -i -o 1ª Singular Outros tempos Infinitivo Pessoas Futuro do Subjuntivo Futuro do presente do Indicativo Pretérito perfeito do indicativo Presente do Indicativo Pessoa Número Desinências número-pessoais
  • 16. ELEMENTOS DE LIGAÇÃO
    • São elementos que aparecem no interior dos vocábulos apenas para facilitar a pronúncia, desfazer sons desagradáveis ou ligar morfemas. Não são morfemas porque não são portadoras de nenhum tipo de informação.
    • Ex: gas-ô-metro: (dois radicais ligados pela vogal –o-, sem valor significativo)
    • cafe-t-eira: (um radical + um sufixo, entre os quais aparece a consoante insignificativa –t- para evitar o desagradável hiato –éê-.
  • 17. BIBLIOGRAFIA
    • - Dicionário online: http://www.auletedigital.com.br/
    • - Dicionário online de português: http://www.dicio.com.br
    • - CUNHA, Celso; Gramática do português contemporâneo: edição de bolso . Rio de Janeiro: Lexikon; Porto Alegre, RS: L&PM, 2008.
    • KEHDI, Valter; Morfemas do português.. 6ª Edição. São Paulo, SP: Editora Ática, 2004.