Métodos alternativos e novas formulações químicas para o controle de doenças em pós-colheita de citros

  • 2,112 views
Uploaded on

32ª Semana de Citricultura …

32ª Semana de Citricultura

Dra. Lenice Magali do Nascimento

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,112
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
23
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Semana da Citricultura
    Métodos alternativos e novas formulações químicas para o controle de doenças pós-colheita de citros
    Lenice Magali do Nascimento
    PqC V
    Centro de Citricultura Sylvio Moreira – IAC
    Junho / 2010
  • 2. Novas formulações químicas para o controle de doenças pós-colheita
    Material: Laranja Valencia
    Tratamentos: inoculação e imersão
    1- Fruto + água - testemunha
    2- Fruto CDDA(1mL/ 1 L água)
    3- Fruto + CDDA (2mL/ 1 L água)
    4- Fruto + imazalil (2mL/ 1 L água)
    5- Fruto + imazalil + CDDA (1mL de imazalil + 1mL de CDDA /1 L água)
    6- Fruto + imazalil + CDDA (1mL de imazalil + 2mL de CDDA /1 L água)
    7- Fruto + OPP 13% (50mL /1 L água)
    8- Fruto + OPP 13% + CDDA(25mL de OPP + 1mL de CDDA /1L água)
    9- Fruto + TBZ (11mL/ 1 L água)
    10 Fruto + TBZ + CDDA (5,5mL de TBZ + 1mL de CDDA /1L água)
    11-Fruto + TBZ + CDDA (5,5mL de TBZ + 2mL de CDDA /1L água)
    Parâmetros físico-químicos avaliados: cor da casca, rendimento de suco, ST ou ° Brix; AT; Ratio e IT.
    CDDA = cloreto de dodecil dimetil amônio = Sporekill
  • 3. Resultados
    Tabela 1 - Resultados obtidos das avaliações de imersão de diferentes patógenos em Laranja Valência armazenados a 10°C e 90% U. R. Caixas com 80 frutos. Médias do primeiro e segundo experimentos. Resultados expressos em porcentagem.
  • 4. Figura 1 - Resultados obtidos das avaliações de imersão de diferentes patógenos em Laranja Valência armazenados a 10°C e 90% U. R. Caixas com 80 frutos. Médias do primeiro e segundo experimentos. Resultados expressos em porcentagem.
  • 5. Tabela 2 - Resultados obtidos das avaliações de inoculação de diferentes patógenos em Laranja Valência armazenados a 10°C e 90% U. R. Médias do primeiro e segundo experimentos. Resultados expressos em mm (P. digitatum e G. candidum) e em porcentagem (P. citri).
  • 6. Figura 2 - Resultados obtidos das avaliações de inoculação de diferentes patógenos em Laranja Valência armazenados a 10°C e 90% U. R. Médias do primeiro e segundo experimentos. Resultados expressos em mm (P. digitatum e G. candidum) e em porcentagem (P. citri).
  • 7. CONCLUSÕES
     
    Pelos resultados obtidos de todos os tratamentos, seja por inoculação, imersão ou in vitro, pôde-se concluir que a adição do produto comercialmente conhecido como Sporekill adicionado aos produtos fungicidas convencionais reduz acentuadamente o crescimento de patógenos tais como Penicillium digitatum, Geotrichum candidum e Phomopsis citri em pós-colheita de laranja Valência. Salienta-se que o melhores resultados foram obtidos adicionando-se a dose comercial do produto Sporekill à meia dose dos produtos comercialmente recomendados. Verificou-se também que os produtos utilizados em todos os tratamentos não interferiram nos parâmetros físico-químicos dos frutos de Laranja Valência.
    Dessa forma, para os frutos comercializados no mercado interno, recomenda-se a adição de Sporekill na linha de processamento de laranja Valência. Porém, deve-se levar em conta o registro do produto junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Para a exportação, avaliar as exigências do país importador em relação aos produtos legalizados nos seus destinos.
  • 8. Novas alternativas para o controle de doenças pós-colheita
    Lima Ácida Tahiti
    Tratamentos térmicos:
    1- Tratamento térmico 48°C +/-1°C
    2- Tratamento térmico 50°C +/-1°C
    3- Tratamento térmico 52°C +/-1°C
    4- Tratamento térmico 54°C +/-1°C
    5- Tratamento térmico 56°C +/-1°C
    6- Testemunha – sem aquecimento
     
    Tempo de imersão – 2 minutos
     
    Tratamento químico:
    1- Aplicação de Imazalil – 200mL/100L de água (dose comercial recomendada)
     
    Tratamentos alternativos:
    1- Aplicação de Carbonato de Sódio – em quantidade equivalente a 3% da solução.
    2- Aplicação de Bicarbonato de Sódio – em quantidade equivalente a 3% da solução.
  • 9. Tabela 1- Médias de crescimento das inoculações de Penicillium digitatume Phomopsis citri dos frutos de Lima Ácida Tahiti referentes aos tratamentos estudados em dois experimentos, Cordeirópolis-SP, 2008.
  • 10. Tabela 1 - Médias de crescimento das imersões de Penicillium digitatum e Phomopsis citri dos frutos de Lima Ácida Tahiti referentes aos tratamentos estudados em dois experimentos, Cordeirópolis-SP, 2008.
  • 11. CONCLUSÕES
     
    Pôde-se verificar que o tratamento 52°C mostrou-se como mais promissor em relação a um possível controle de fungos patogênicos e, também, em relação à longevidade dos frutos, quando comparado com os demais tratamentos térmicos. Como era de se esperar, o Imazalil apresentou melhores resultados no controle de Penicillium digitatum, mas próximos àqueles obtidos com 52°C. No controle de Phomopsis citri, verificou-se que o tratamento a 52°C também foi mais eficiente que o próprio produto químico recomendado (OPP 13%).
    Os tratamentos realizados com Carbonato de Sódio também apresentaram resultados promissores no controle dos fungos estudados.
  • 12. Muito Obrigada!
    Centro de Citricultura - IAC
    Rodovia Anhanguera, km 158, CP 04
    Cordeirópolis-SP, Brasil
    13490-970
    Tel/fax: (55 - 19) 3546-1399
    E-mail: lenice@centrodecitricultura.br
    www.centrodecitricultura.br