Manual do EducadorApoio:                      COMITÊ DA BACIA                                        FundAg               ...
Autoria e Produção: Antonio Lucio Mello Martins, Fabiana de Souza Gouveia, Maria Conceição                    Lopes, Maria...
Índice    Caro Educador .....................................................................................................
Caro Educador,       A Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), vinculada a Secretaria de Agricultura eAbas...
Sobre o temaBacia Hidrográfica: Um Instrumento na Educação           O modo de vida da sociedade contemporânea tem causado...
Pólo Regional Centro Norte (Estação Experimental de Pindorama)       O Pólo Regional Centro Norte pertencente a Apta - Agê...
Bacia Hidrográfica          Uma bacia hidrográfica é o conjunto de terras que direcionam a água dasprecipitações para um c...
Atividades Oferecidas pelo ProjetoCurso de capacitação de educadores       O curso de capacitação de educadores tem o obje...
Atividades Pedagógicas em Visitas MonitoradasAs atividades educativas estão distribuídas de acordo com as séries.         ...
Ensino                                                                     Ensino Fundamental    Médio /                  ...
Ensino                                                                         Ensino Fundamental    Médio /              ...
Ensino                                                                 Ensino Fundamental    Médio /                      ...
Sugestões de AtividadesApós a capacitação, onde os educadores tiveram contato com conceitos técnicos e sob uma óticainterd...
Pelos Caminhos da Água                                                      Planeta Água                                  ...
Produção de Tintas de Solo    A tinta é uma mistura de pigmentos, liquidos e colas.    A tinta de terra utiliza o pigmento...
Porosidade do solo e infiltração de água     Competências e habilidades: Observar a partir de práticas como a textura do s...
Conhecendo o nosso solo     1. Verificando o que existe no solo     Material necessário: frasco de vidro transparente; pan...
Estação Meteorológica Competências e habilidades: coletar informações, comparar dados e tirar conclusões. Procedimento: co...
O EDUCADOR COMO PROTAGONISTA NO               PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTALO projeto de educação ambiental “ Bacia Hidrogr...
Trabalhos interdisciplinares realizados por alunos            que participaram do Projeto                         Artes   ...
OBJETIVO DO MILÊNIO                           ESTAMOS NA DÉCADA DA ÁGUA!               A Organização das Nações Unidas- ON...
Referências para Consulta     Vídeos Segue uma lista de vídeos sugeridos. Entre parênteses, destacamos as séries nas quais...
Relacionamos alguns sites de interesse, quando não estiver especificada a indicaçãoPROFESSOR, significa que o endereço apr...
ESTAMOS ESPERANDO VOCÊS !!!    Venham participar desta aula prática e divertida no Pólo    Regional Centro Norte, em Pindo...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Apta Manual do Educador

1,662

Published on

Published in: Technology, Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,662
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
36
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apta Manual do Educador

  1. 1. Manual do EducadorApoio: COMITÊ DA BACIA FundAg FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA AGRÍCOLA HIDROGRÁFICA TURVO / GRANDERealização: SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO
  2. 2. Autoria e Produção: Antonio Lucio Mello Martins, Fabiana de Souza Gouveia, Maria Conceição Lopes, Maria Teresa Vilela Nogueira Abdo, Rômulo Sensuline Valaretto, Tereza Cristina Tarlé PissarraImagens: Antonio Severino BeneventeReallização: Apta - Pólo Regional Centro Norte (Estação Experimental de Pindorama)Apoio: Fundo Estadual de Recursos Hídricos - FEHIDRO. Comitê de Bacia Hidrográfica dos Rios Turvo e Grande CBH-TG, Fundação de Apoio à Pesquisa Agrícola - FUNDAG, Centro de Estudos Agroambientais de Pindorama CAPINAgradecimentos: Secretaria Estadual de Educação de São Paulo e Diretorias Municipais de Educação
  3. 3. Índice Caro Educador ...................................................................................................4 Sobre o tema .......................................................................................................5 Bacia Hidrográfica: Um Instrumento na Educação ..........................................5 Pólo Regional Centro Norte ...............................................................................6 Bacia Hidrográfica .............................................................................................7 Atividades oferecidas pelo Projeto ...................................................................8 Curso de capacitação de educadores ...............................................................8 Visita ao Pólo Regional Centro Norte ................................................................8 Atividades Pedagógicas em Visitas Monitoradas ............................................9 Sugestões de Atividades .................................................................................13 Hora da Colheita ...............................................................................................19 Os Objetivos do Milênio ...................................................................................21 Referências para Consulta ..............................................................................22 Videos ...............................................................................................................22 Bibliografia ......................................................................................................23 Site ....................................................................................................................23
  4. 4. Caro Educador, A Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), vinculada a Secretaria de Agricultura eAbastecimento do Estado de São Paulo, gerencia e executa atividades de ciência e tecnologia para aagropecuária. É estruturada nas atividades de seus Institutos de Pesquisas: IAC (Instituto Agronômico deCampinas), IB (Instituto Biológico), IEA (Instituto de Economia Agrícola), IP (Instituto de Pesca), ITAL(Instituto de Alimentos) e IZ (Instituto de Zootecnia) e 15 Pólos Regionais com a administração centralsediada no município de Campinas - SP. Os 15 Pólos Apta apresentam 34 Unidades de Pesquisa eDesenvolvimento (UPDs) que têm como meta gerar e adaptar tecnologias que promovam odesenvolvimento dos agronegócios em diversas regiões do Estado, levando em consideração aspotencialidades sócio-econômicas e climáticas em suas atividades. O projeto de educação ambiental “Bacia Hidrográfica: Um Instrumento na Educação”, implantado econduzido pelo Pólo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Centro Norte -Pindorama (antiga Estação Experimental de Pindorama), tem como objetivo promover a educaçãoambiental, desenvolvendo, com alunos da rede pública e particular, conceitos de uso e ocupação da água edo solo de uma bacia hidrográfica e a importância da preservação dos recursos hídricos através de visitasmonitoradas à Unidade; e, oferecer capacitação a um grupo de 50 educadores com palestras e oficinaspedagógicas para melhor atuação junto aos alunos da rede escolar e à comunidade regional. O projeto ainda incentiva as atividades relacionadas aos problemas ambientais regionais, tendo emvista a gestão dos recursos naturais da região noroeste do Estado de São Paulo, com enfoque na melhoriada qualidade hídrica da Bacia Hidrográfica dos Rios Turvo e Grande na gestão ambiental dos municípiosenvolvidos. Iniciado na Unidade em 2005 e desenvolvido com recursos financeiros do Fundo Estadual deRecursos Hídricos - FEHIDRO, repassados pelo Comitê de Bacias Hidrográficas dos Rios Turvo e Grande -CBH-TG, o projeto já atendeu 14.500 estudantes do ensino fundamental e médio de rede pública eparticular, capacitou 120 professores, envolvendo cerca de 35 municípios integrantes da Bacia Hidrográficados Rios Turvo Grande -CBH-TG/ URGH 15. Essa ação foi possível devido à dedicação dos educadores dos municípios participantes que,apesar de viverem realidades distintas, empenharam-se na tarefa de ampliar a percepção de seusestudantes sobre a questão da preservação dos recursos naturais. Acredita-se que o conhecimento é o bem mais valioso que se pode oferecer aos jovens em formaçãopara que se tornem adultos responsáveis e conscientes de sua relação com o ambiente que os cerca.Compartilhamos com você, caro educador, o interesse em garantir uma educação ambiental de qualidade. Esperamos que esse material seja útil na condução de atividades e discussões sobre o tema.Lembre-se: ele foi elaborado para auxiliá-lo a transportar para a sala de aula, de maneira didática econsistente, a reflexão sobre as escolhas que fazemos no dia-a-dia. A equipe de profissionais do PóloRegional Centro Norte espera ainda que ocorra uma grande interação entre o trabalho realizado nestaInstituição de Pesquisa e o desenvolvido nas Instituições de Ensino, em busca de resultados inovadores naformação de agentes multiplicadores. Contamos mais uma vez com seu apoio, e agradecemos a confiança e dedicação ao programa.Bom trabalho! Apta - Pólo Regional Centro Norte (Estação Experimental de Pindorama)4 Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação
  5. 5. Sobre o temaBacia Hidrográfica: Um Instrumento na Educação O modo de vida da sociedade contemporânea tem causado inúmeros impactos negativos aosecossistemas como: alterações climáticas, poluição dos recursos hídricos, poluição do ar, perda debiodiversidade, esgotamento de recursos naturais, comprometendo assim a continuidade da existência doplaneta e da humanidade. Em geral, isso ocorre pela ação impensada e imediatista do ser humano perantea natureza. Isso podendo ser observado no âmbito da agricultura em problemas como: erosão do solo,assoreamento de rios, esgotamento da fertilidade dos solos, supressão da vegetação natural, ameaça dafauna, qualidade do ar e comprometimento dos recursos hídricos. Quando falamos em sustentabilidade, de imediato pensamos em ações mais efetivas comopreservar áreas naturais, reciclar o lixo, economizar água e energia, conservar o solo, adotar fontesalternativas de energia e não poluir. Neste contexto, a bacia hidrográfica é uma importante unidade deestudo para o ensino e pesquisa, pois é uma área física considerada relevante em planejamento eexecução de atividades sócio-econômicas, ambientais, culturais e educativas. A dimensão ambiental desse tema torna o ensino mais dinâmico e participativo, na medida em queprioriza as relações interdisciplinares. Nesta unidade se caracterizam e integram conhecimentos relativos arelevo, clima, flora, fauna, uso e ocupação do solo e modelos de gestão ambiental. Desta forma, este projetotem como objetivos: proporcionar aos professores a oportunidade de junto com seus alunos observar epesquisar no campo os temas abordados em sala de aula; identificar os impactos causados pela ocupaçãohumana e refletir sobre possíveis maneiras de minimizá-los; contribuir com a formação dos estudantes,além de incentivar a reflexão sobre os problemas ambientais regionais e propor soluções, articulando aintegração de ações educativas nas cidades integrantes do Comitê de Bacia dos Rios Turvo, Grande emesmo de outros comitês e outras instituições parceiras, visando a sustentabilidade do desenvolvimentoregional, com proteção de corpos de água e florestas da região. Tanto a escola como a sociedade têm papéis decisivos na promoção de bons hábitos edesenvolvimento consciente, especialmente porque as crianças e adolescentes se espelham nos adultos,o que torna de igual importância o exemplo de pais e educadores. O estudante bem orientado faz escolhasadequadas dentro e fora da escola. Vista geral da Microbacia ‘‘Córrego da Olaria” situada no Pólo Regional Centro Norte Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação 5
  6. 6. Pólo Regional Centro Norte (Estação Experimental de Pindorama) O Pólo Regional Centro Norte pertencente a Apta - Agência Paulista de Tecnologia Agrícola, órgãoda Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, localiza-se na Rodovia WashingtonLuiz, km 372, município de Pindorama, possui uma área de 532ha e tem seu raio de influência distribuídopor 18 municípios do EDR de Catanduva, 19 municípios do EDR de São José do Rio Preto, 10 municípios doEDR de Jaboticabal, 03 municípios do EDR de Araraquara e 2 municípios do EDR de Barretos. A criação desta Unidade originalmente como Estação Experimental de Pindorama ligada ao InstitutoAgronômico de Campinas (IAC) deu-se na década de 30, com a finalidade de buscar alternativas para asubstituição da monocultura cafeeira e criar novas tecnologias para essa lavoura. Neste ano de 2011 a Unidade completará 77 anos e inúmeras são as contribuições para aagricultura regional proporcionadas pelas pesquisas desenvolvidas. Atualmente desenvolve trabalhos demelhoramento vegetal em várias culturas, técnicas de cultivo, conservação do solo, plantio direto,fitopatologia e estudo de novas alternativas agrícolas. Ao lado da experimentação, a produção de sementesocupa lugar de destaque na atuação da sede do Pólo. Algumas características particulares, como amanutenção de 120ha de matas nativas, transformadas em Reserva Biológica pela Lei nº 4.960 de janeirode 1986, abrem perspectivas para estudos de fauna e flora regionais, e desenvolvimento de projetosalternativos de educação ambiental com visitas educativas, e mesmo ecoturismo. O Pólo apresenta em seus limites a microbacia hidrográfica do Córrego da Olaria com uma extensãode 11 Km² a qual contribui para o Ribeirão São Domingos, pertencente a bacia hidrográfica dos rios Turvo eGrande, que percorre um trecho de 2km nos limites da Unidade, constituindo um patrimônio naturalimportante para região. O tema meio ambiente sempre esteve em evidência nas atividades e inovações tecnológicas doPólo Regional Centro Norte. Há registros de visitas monitoradas desde a década de 40, com participação dacomunidade em geral (produtores, alunos e instituições pedagógicas). Com as ações de temática em educação ambiental esta Instituição de Pesquisa justifica suaexistência perante a comunidade e cumpre com sua missão de gerar e transferir conhecimentos em nívelregional, viabilizando um trabalho pedagógico através da conceituação de bacia hidrográfica, preservaçãode recursos hídricos e práticas conservacionistas, monitorando atividades de aprendizado no projeto deeducação ambiental desenvolvido dentro dos limites do Pólo.6 Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação
  7. 7. Bacia Hidrográfica Uma bacia hidrográfica é o conjunto de terras que direcionam a água dasprecipitações para um curso de água e seus afluentes. Consiste em um sistema que integraas conformações de relevo e drenagem. A formação da bacia hidrográfica dá-se através dosdesníveis dos terrenos que orientam os cursos da água, sempre das áreas mais altas para as mais baixas. Essa área é limitada por um divisor de águas que a separa das bacias adjacentes e que pode serdeterminado nas cartas topográficas. As águas superficiais, originárias de qualquer ponto da áreadelimitada pelo divisor, saem da bacia passando pela seção definida e a água que precipita fora da área dabacia não contribui para o escoamento na seção considerada. Assim, o conceito de bacia hidrográfica podeser entendido através de dois aspectos: Rede Hidrográfica e Relevo. Em qualquer mapa geográfico asterras podem ser subdivididas nas bacias hidrográficas dos vários rios. Um bom exemplo é o que ocorre com o rio São Domingos que possui um trecho de dois quilômetrosdentro dos limites do Pólo e seqüencialmente um trecho de aproximadamente quatro quilômetros nomunicípio de Pindorama. Entre o Pólo e o perímetro urbano, o rio São Domingos apresenta em suasmargens dois afluentes popularmente conhecidos como “Córrego da Olaria” e “Córrego do Lima”. OCórrego do Lima encontra o rio São Domingos em uma área localizada na periferia da cidade. Nos limites doPólo, situa-se a Microbacia do “Córrego Olaria” com uma área de onze quilômetros quadrados (figuraabaixo), é rica em nascentes como a denominada “Mina do Cacau”. Essa mina contribui para formação doaçude principal, que por sua vez forma o Córrego Olaria que percorre seis quilômetros na Unidade efinalmente deságua no Rio São Domingos que segue sua trajetória integrando-se a Bacia Hidrográfica dosRios Turvo e Grande. Grupo de alunos reconhecendo a Bacia Hidrográfica do Córrego Olaria no Pólo Regional Centro Norte.Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação 7
  8. 8. Atividades Oferecidas pelo ProjetoCurso de capacitação de educadores O curso de capacitação de educadores tem o objetivo de proporcionar aperfeiçoamento, ampliandoos conhecimentos na temática ambiental relacionada a recursos hídricos, usos e ocupação do solo e daágua na Bacia Hidrográfica e realidade regional dos educadores. Serão oferecidas palestras (aulasteóricas) e oficinas (aulas práticas) com equipe técnica especializada que dará suporte didático e técnicopara que os professores tenham maior segurança em desenvolver os conceitos apresentados na cartilhaconvite junto aos alunos e desenvolver, através de equipes interdisciplinares, um trabalho deconscientização com os alunos em conceitos técnicos acerca de recursos hídricos, conservação do solo ereconhecimento de bacia hidrográfica. O curso será dividido em três módulos com dois encontros mensais para seu desenvolvimentodurante 12 meses, com carga horária de 192 horas/atividades. Para participação do curso as unidades escolares e/ou professores deverão entrar em contatocom o Pólo Regional Centro Norte pelo telefone: (17) 3572-1592/2208 ou via e-mail:polocentronorte@apta.sp.gov.br, romulo@apta.sp.gov.br e conceicao@apta.sp.gov.br.Visita monitorada ao Pólo Regional Centro Norte Foram elaboradas vinte e quatro atividades de acordo com o conteúdo programático da disciplina deCiências e Biologia do ensino fundamental e médio, respectivamente, para serem realizadas em campo. Para cada série foi definido um conjunto de atividades diferentes que mudarão a cada semestre.Monitores ambientais do Pólo Regional Centro Norte, devidamente treinados, acompanharão osestudantes ao campo e conduzirão atividades práticasPara o agendamento das visitas, as unidades escolares deverão entrar em contato com o Pólo RegionalCentro Norte pelo telefone: (17) 3572-1592/2208 ou via e-mail: polocentronorte@apta.sp.gov.br;conceicao@apta.sp.gov.br e romulo@apta.sp.gov.br.*Importante* O tempo mínimo para realização das aulas práticas é de duas horas e meia, motivo pelo qualsolicitamos aos visitantes pontualidade nos horários de chegada ao Pólo Regional. Assim todo conteúdopoderá ser desenvolvido adequadamente, e os objetivos atingidos.Horários: * Manhã: chegada às 8:00 hs * Tarde: chegada às 13:00 hs A equipe, preocupada com a qualidade do trabalho e a segurança, estipulou o número máximo de 30estudantes em cada visita. Todos os estudantes devem estar uniformizados e com roupas apropriadas paraa visita monitorada na Instituição.8 Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação
  9. 9. Atividades Pedagógicas em Visitas MonitoradasAs atividades educativas estão distribuídas de acordo com as séries. Ensino Ensino Fundamental Médio / ATIVIDADES Técnico 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª 1º 2º 3º 1. Apresentando o Pólo: os alunos assistem a uma apresentação com slides do Pólo e tem uma visão inicial ordenada do conjunto de usos cotidianos da água, passando-se X X X X X X X X X X X para suas formas de obtenção na natureza e de transformação para a utilização na agricultura para a vida humana. 2. Mapas: são entregues aos alunos mapas denominados “Mapa Pólo” e “Mapa dos Pontos de Água” para que estes X X X X X X X X X X X acompanhem o trajeto guiando-se através deles. 3. Conhecendo Jardim Sensorial e Estufa Alunos percorrem os canteiros com vendas nos olhos. Quem aceitar o convite terá a oportunidade de valorizar os outros sentidos para identificar as plantas, conhecendo-as através do cheiro, forma e textura. Após o percurso, os visitantes deverão responder a um breve questionário onde deixarão registradas suas experiências. Os canteiros são compostos por plantas de texturas, cheiros ou paladares diferentes. A estufa flores de coloridas e X X X X X X X X X X X formas diversificadas. O jardim sensorial possui grande influência oriental, manifestando-se através de quatro sentidos do corpo humano: O tato, através das texturas das plantas, A audição, com os repuxos dágua, A visão, através das cores exuberantes e, finalmente O olfato com os aromas das espécies. 4. Zé Semente: os alunos, utilizando copo descartável, meia, serragem, substrato e alpiste confeccionam um “boneco” para X X que observem posteriormente a germinação da semente. 5. Animais no Açude: os alunos exploram as margens do açude retirando filhotes de peixes e insetos aquáticos que X X vivem no mesmo. 6. Entendendo um viveiro: os alunos exploram o viveiro da Unidade, conhecendo diversos tipos de hortas e mudas de X X X X X X X X X X X árvores.Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação 9
  10. 10. Ensino Ensino Fundamental Médio / ATIVIDADES Técnico 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª 1º 2º 3º 7. Conhecendo Culturas: os alunos visitam campos e ensaios de culturas instaladas no Pólo. Discutem sobre a planta X X X X X X X X X X X estudada e técnicas utilizadas na condução do experimento desenvolvido. 8. Simulador de Chuva: o monitor utiliza duas bandejas de plástico sendo uma com solo nu, outra com solo protegido X X por vegetação e um regador para demonstrar aos alunos o resultado do impacto da água (erosão) nos diferentes solos. 9. Movimento da Terra: os alunos acompanham a simulação dos movimentos da terra (translação e rotação) X X X com um globo terrestre. 10. Aprendendo a importância da prática de conservação do Solo: os alunos aprendem o conceito e utilidade das praticas de conservação do solo desenvolvida na Unidade, através da observação e X X X X X X X X X X exploração das práticas conservacionistas como: Curva de nível e desnível, caixa de retenção, levantamento de estradas, construção paliçadas e estabilização de voçoroca. 11. Explanação na Mata: os alunos visitam a mata e participam de uma explanação sobre os principais conceitos relacionados com os tipos de poluição decorrentes de atividades humanas para permitir a X X X X X X X X X identificação dos principais aspectos que influem na avaliação da qualidade dos mananciais disponíveis ou alterados pelo uso humano. 12. Procurando e Conhecendo flora local: Os alunos encontram arvores marcadas na trilha e descobrem através de X X X X X X X X X texto informativo suas características e utilização. 13. Análise com Ecokit: os alunos acompanham uma análise da água da nascente e do açude formado dela, X X X X X X X X X usando parâmetros como temperatura, oxigênio, dureza, ph e outros.10 Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação
  11. 11. Ensino Ensino Fundamental Médio / ATIVIDADES Técnico 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª 1º 2º 3º 14. Disco de Sechi: os alunos realizam a medição da X X X X X X X X X turbidez da água, interpretando seu resultado. 15. Uso Racional da Água de Irrigação: os alunos observam tipos de irrigação por microaspersor e X X X X X X X X gotejamento, compreendendo a importância do uso racional da água. 16. Globo Terrestre: há uma comparação da quantidade de água e terra existente no planeta e da água doce em X X comparação com a salgada. 17. Perfil do Solo: os alunos observam a gênese do solo diferenciando cores, texturas e camadas existentes no X X X X X X X X X perfil e sua importância. 18. Conhecendo a hidroponia: os alunos conhecem o X X X X X X X X X cultivo hidropônico (cultivo na água) e sua importância. 19. Afunda ou Flutua: os alunos acompanham vários objetos de diferentes tamanhos e formas serem X X ‘‘jogados” na água, compreendendo diferença de tamanho, densidade e peso.Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação 11
  12. 12. Ensino Ensino Fundamental Médio / ATIVIDADES Técnico 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª 1º 2º 3º 20. Reconhecendo uma bacia hidrográfica: os alunos identificam a microbacia hidrográfica “Córrego da X X X X X X X X X Olaria” localizada na Unidade. 21. Aprendendo história do café no Pólo: os alunos visitam o terreiro de café na Unidade e recebem X X X X X informação sobre os experimentos científicos desenvolvidos com esta cultura. 22. Usando o Microscópio: os alunos observam no aparelho amostras de: água, insetos, células de animais X X X X X X e vegetais. 23. Conhecendo uma Estação Meteorológica: os alunos visitam a estação meteorológica descobrindo a utilidade de cada equipamento e qual a importância dos X X X X X dados meteorológicos e pluviométricos para a agricultura. 24. Água e Eletricidade: o monitor leva os alunos para conhecer casa de eletro bombas, onde há explanação X X X X X sobre: energia, trabalho e motores elétricos.12 Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação
  13. 13. Sugestões de AtividadesApós a capacitação, onde os educadores tiveram contato com conceitos técnicos e sob uma óticainterdisciplinar, eles deverão transmitir aos alunos na sala de aula esses conceitos. Esse trabalho deveráenvolver disciplinas como Língua Portuguesa, História, Geografia, Educação Artística, Matemática, Inglêse outras. O trabalho pedagógico interdisciplinar é de fundamental importância para que haja assimilaçãopelos alunos. O educador assume papel fundamental nessa fase do projeto de Educação Ambiental ondedeverá dominar os assuntos abordados na capacitação e correlacioná-los com atividades práticasdesenvolvidas com os alunos. Entende-se que esse seja um dos pontos de estrangulamento para osucesso do projeto, pois essas atividades deverão conter os conceitos técnicos abordados e acima de tudofazer com que o aluno se interesse pelo universo apresentado, assimilando e vivenciando novas atitudes.Seguem algumas atividades que poderão ser desenvolvidas em sala de aula:Uso, ocupação do solo e da água da Bacia HidrográficaCompetências e habilidades: coletar informações e elaborar texto, comparar dados e tirar conclusões.Procedimento: Levar alunos a campo para reconhecimento da bacia hidrográfica onde sua escola estásituada, orientar os alunos para entrevistar pessoas mais velhas (avós, tios, pais e irmãos), procurandoidentificar as mudanças ocorridas na região, como era a paisagem, os rios e a economia da região.Descobrir, também, quais eram as principais culturas e se existiam festas ou comemorações temáticas.Coletar fotos, documentos ou jornais antigos. Promover a educação ambiental através de pesquisastemáticas, além de resgatar a valorização da cultura popular da região e o fortalecimento dos vínculosfamiliares e sociais.Ação: produzir textos com informações colhidas e comparar os hábitos de outros tempos com os de hoje,assim como soluções dos problemas referentes aos recursos hídricos regionais, agricultura e economia.Montar exposições antes e depois, comparando locais com fotos ou desenhos. Explorar a mudança, o quefoi bom e o que foi ruim.Divulgação: apresentar um painel com fotos e figuras sobre o tema “Passado, presente e futuro”.Atividade de campo com monitor do projeto Pesquisas TemáticasProjeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação 13
  14. 14. Pelos Caminhos da Água Planeta Água Composição: Guilherme Arantes Competências e habilidades: consultar diferentes fontes, ler, Água que nasce na fonte interpretar e organizar informações do texto. Serena do mundo E que abre um Procedimento: trabalhar a música por meio da leitura e Profundo grotão execução e passar algumas perguntas de interpretação. Água que faz inocente Riacho e deságua Ação: responder as perguntas e fazer uma pesquisa sobre o ciclo Na corrente do ribeirão... da água, e a sua utilização pelo ser humano. n Águas escuras dos rios Que levam * Quais são os personagens que aparecem na música? Explique A fertilidade ao sertão como cada pessoa está envolvida no ciclo da água. Águas que banham aldeias E matam a sede da população... * Que situações descritas na música ocorrem em sua cidade? E n na zona rural? Águas que caem das pedras No véu das cascatas * De onde vem a água que você recebe em casa? Essa água foi Ronco de trovão tratada? Caso tenha sido, onde ocorreu esse tratamento? E depois dormem tranqüilas No leito dos lagos * Para onde vai a água que você e seus familiares utilizam em No leito dos lagos... casa? n Água dos igarapés Divulgação: transformar a pesquisa em desenhos, Onde Iara, a mãe dágua representando todas as etapas pesquisadas, até o tratamento do É misteriosa canção Água que o sol evapora esgoto. Pro céu vai embora Virar nuvens de algodão... n Gotas de água da chuva Alegre arco-íris Sobre a plantação Gotas de água da chuva Tão tristes, são lágrimas Na inundação... n Águas que movem moinhos São as mesmas águas Que encharcam o chão E sempre voltam humildes Pro fundo da terra Pro fundo da terra... n Terra! Planeta Água...(6x) n Água que nasce na fonte Serena do mundo E que abre um Profundo grotão Água que faz inocente Riacho e deságua Na corrente do ribeirão... n Águas escuras dos rios Que levam a fertilidade ao sertão Águas que banham aldeias E matam a sede da população... n Águas que movem moinhos São as mesmas águas Que encharcam o chão E sempre voltam humildes Pro fundo da terra Pro fundo da terra... n Terra! Planeta Água...(6x) Maquete “Microbacia Córrego da Olaria”14 Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação
  15. 15. Produção de Tintas de Solo A tinta é uma mistura de pigmentos, liquidos e colas. A tinta de terra utiliza o pigmento de origem mineral (solo) como produção artesanal. Produção de tintas A coleta do solo: Os cuidados para coleta do solo são importantes, pois definem parte da qualidade da tinta e atenção como meio ambiente. Extrair amostras de 1 kg. Preparação do Solo Consiste em destorroar e peneirar o solo (podemos fazer com um martelo e uma peneira de trama fina 2 mm). Importante descartar pedras e raízes, para obter um pó fino e uniforme. Para produzir boa tinta o ideal é obter o máximo de silte e argila, pois elas possuem as cores mais vivas. A produção da tinta: Para uma lata de 18 litros de tinta com solo, cola branca e água. Precisaremos de 1 balde de 20 litros, 1 balança, 1 colher de pau, 4 kg de PVA (cola branca), 8 litros de água e 8 kg solo preparado. Coloque água e adicione 4 kg de solo. Misture bem, adicione mais 2 litros de água e o restante do solo. Continue a misturar. Quando obtiver uniformidade, adicione os 4 kg de PVA, lave o recipiente de cola com restante da água e adicione a mistura, mexendo até uniformizar. Para facilitar, é só lembrar das proporções: 1 medida de cola, para 2 de água e 2 de solo. Fonte: Cores da Terra: fazendo tinta com terra! texto Anôr Fiorini de Carvalho et allAtividade confecção de tinta de solo Pintura com tintas de soloExposição de telas pintadas com tinta de soloProjeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação 15
  16. 16. Porosidade do solo e infiltração de água Competências e habilidades: Observar a partir de práticas como a textura do solo interfere na porosidade e velocidade de infiltração da água. Procedimento: Após a explicação dos conceitos de textura e porosidade do solo realizar duas atividades para verificar a velocidade de infiltração de água no solo. Material necessário: Pedaços de espuma de diferentes densidades, garrafas PET inteiras e cortadas, água e amostras de solo com diferentes texturas. Ações: Atividade 1- Pegar as espumas e jogar vagarosamente a água sobre cada pedaço. Observar e explorar as perguntas: A quantidade de água que fica retida nas diferentes espumas é a mesma? Algumas das espumas deixa a água passar livremente? Alguma espuma não deixa a água passar? Atividade 2 - Cortar duas garrafas PET pela metade e encaixar a parte do gargalono interior da outra metade amarrando um pano no término do funil que se formará como na figura 1 abaixo. Preencher parte do recipiente com solos diferentes e depois com água e observar a velocidade de infiltração da água. Observar e explorar as perguntas: Por que ocorre diferença na velocidade de infiltração da água? Como isso pode ser prejudicial no nosso solo?Figura 01. Esquema de montagem do experimento Figura 02. Realização do experimento com as três amostras Fonte: YOSHIOKA, M.H., LIMA, M.R. de. Experimentoteca de solos: infiltração e retenção da água no solo. Arquivos da APADEC, Maringá, v. 8, n. 1, p. 63-66, 2004.16 Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação
  17. 17. Conhecendo o nosso solo 1. Verificando o que existe no solo Material necessário: frasco de vidro transparente; panela pequena; tampa de panela (pode ser maior que a panela); saquinho de terra comum de jardim; fogão ou bico de Bunsen e água. Procedimentos e questões: a) Coloque terra no frasco até mais ou menos sua metade. Vagarosamente, derrame água na terra. Anotar o que foi observado. b) Como você explica o que observou? É possível acentuar esse efeito? Como? c) Coloque o restante da terra seca na panela e peça a um adulto que leva à chama do fogão por alguns minutos, até aquecer a terra. O que você observou? d) Peça ao professor que segure a tampa sobre a panela onde a terra está sendo aquecida. e) O que foi observado? f) Que conclusão você tira deste experimento? *Observação: para um melhor aproveitamento da atividade, desenvolvê-la em conjunto com o professor de português com a atividade “Pelos caminhos das águas”. 2. Verificando alguns componentes do solo Material necessário: funil; garrafa de vidro transparente; duas porções de terra preta; pequena bacia de plástico; panela e água. Procedimentos e questões: a) Usando a bacia, lave uma das porções de terra e reserve a outra. Para lavar a terra, despeje água sobre ela, mexa e deixe descansar por meia hora. Escorra então a água, deixando no fundo da bacia o material decantado. b) Posicione o funil, com um pouco de algodão, na boca da garrafa. c) Coloque no funil o material decantado (que ficou no fundo da bacia). Despeje um pouco de água limpa sobre ele. O que você observou? d) Como você explica o que observou? e) Coloque a outra porção de terra na panela e peça a um adulto que a leve ao fogo. f) Depois de um tempo, o que você observou? g) Como você explica esse resultado? h) Que componentes do solo você verificou através deste experimento? 3. Verificando a variabilidade da vida animal Material necessário: porção de terra de jardim; porção de terra de quintal onde existam árvores frutíferas; porção de areia; luminária; peneira de cozinha; funil de plástico; pote de vidro (de maionese, por exemplo); pinça; lupa; pires; papel e lápis. Procedimentos e questões: a) Ponha o funil no pote e a peneira na abertura do funil. Acrescente a porção de terra de jardim na peneira. Posicione a luminária a uma pequena distância do conjunto peneira-funil-pote. Acenda a lâmpada e deixe por uma hora. Os minúsculos animais que vivem na terra fugirão da luz, passando pela peneira e caindo no pote. b) Desligue a lâmpada, retire a peneira e o funil. Despeje no pires os animais do pote. c) Separe-os cuidadosamente com a pinça e observe-os com a lupa. Em seu caderno, anote o tipo de terra usada, a quantidade de animais que observou e descreve (desenhe) suas formas. Repita o experimento aos outros tipos de solos. Lave os materiais entre um experimento e outro. d) Por que minúsculos animais que vivem na terra fugiram da luz? e) Em qual amostra de solo você verificou maior variedade de vida animal? Por quê? f) Compare os solos analisados com o solo da região onde você mora.Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação 17
  18. 18. Estação Meteorológica Competências e habilidades: coletar informações, comparar dados e tirar conclusões. Procedimento: construção de uma pequena estação meteorológica (biruta, anemômetro, pluviômetro e barômetro). * Biruta Material necessário: meia fina feminina, arame (30 cm), bambu (taquara ou cabo de madeira), barbante (50 cm) e tesoura. Corte a meia feminina na região do pé. Em seguida faça um arco (anel) com o arame, de forma que suas extremidades fiquem bem unidas. Prenda a abertura maior da meia no arame. Se for necessário, faça pequenos furos laterais na extremidade maior da meia e passe pequenos pedaços de barbante pelos buracos, amarrando e fixando a meia no anel de arame. Depois, prenda a biruta no bambu (ou cabo de madeira) com pedaços de barbante. Fixe o bambu em uma área mais aberta e verifique as mudanças de direção do vento. * Anemômetro Material necessário: 4 copos pequenos de plástico, 3 palitos de cerca de 20 cm (como de espetinho de churrasco), 1 caneta esferográfica (sem a carga), massa plástica, bambu (taquara ou cabo de madeira), fita adesiva e 1 tachinha. Pegue dois palitos de churrasco e faça um cruzamento entre eles, formando uma cruz. Prenda-os com massa plástica. Introduza outro palito perpendicularmente ao centro do sistema anterior usando a massa plástica ou tachinha para fixá-lo. Em seguida, coloque em cada ponta da cruz formada pelos palitos um copo pequeno de plástico, para isso faça furos laterais nos copinhos e use fita adesiva para fixá-los. Coloque o anemômetro dentro do tubinho vazio de caneta esferográfica e teste se o sistema apresenta movimento giratório. Prenda o sistema no bambu com fita adesiva e fixe o bambu em área aberta e verifique as alterações de velocidade do vento. * Barômetro Material necessário: 1 pote de vidro, 1 bexiga de aniversário, 1 lata vazia, 1 canudo de refresco, 1 régua pequena, elásticos, cola, tesoura e fita adesiva. Prenda com a fita adesiva a régua, em pé, na lata vazia. Alinhe uma determinada marcação da régua com a borda superior da lata. A bexiga deve ser cortada de modo que sua extensão seja suficiente para cobrir a boca do vidro por completo. Prenda-a com elásticos. Cole o canudo sobre a bexiga, partindo do centro. Mantenha a lata e o pote de vidro lado a lado. Mantenha o barômetro em local aberto. * Pluviômetro Material necessário: 1 garrafa plástica transparente (PET), 1 régua, cola, tesoura e fita adesiva. Corte a parte superior da garrafa. Coloque um pouco de água no fundo da garrafa, caso este seja irregular, deixando-o nivelado. Prenda a régua com fita adesiva do lado de fora da garrafa, sendo que a marcação 0 cm deve estar nivelada com a margem de água no fundo da garrafa. Coloque o pluviômetro em lugar aberto sem risco de tombar. Ações: Os estudantes devem ser separados em grupos e com o auxilio do docente, cada grupo irá montar um equipamento de aferição dos fenômenos meteorológicos. Após os equipamentos terem sido montados, cada grupo deverá anotar os dados meteorológicos semanalmente durante 1 mês. Ao final de 1 mês, os estudantes podem reunir e analisar os dados anotados por cada grupo. Para qual direção o vento mais se dirigiu? Qual o movimento mais observado no anemômetro? O rápido, o médio ou o anemômetro ficou mais tempo parado? Quais foram os dias que a pressão atmosférica, medida pelo barômetro, esteve mais alta? E mais baixa? Qual foi o valor da maior precipitação de chuva (em milímetros)? Qual o dia de maior precipitação? E o de menor? Qual foi a média mensal? Divulgação: apresentar um painel com gráficos informativos sobre os dados climáticos coletados e analisados. Estação Convencional Estação Automatizada18 Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação
  19. 19. O EDUCADOR COMO PROTAGONISTA NO PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTALO projeto de educação ambiental “ Bacia Hidrográfica: Um Instrumento na Educação” Fehdiro TG 355/2008encontra-se em sua quarta continuidade de atividades. Desde 2005 o Pólo Regional Centro Norte- APTAem parceria com as unidades escolares municipais e estaduais, pertecentes a Bacia Hidrográfica dos RiosTurvo, Grande e até mesmo de outros Comitês, que participam projeto são responsáveis pela execução dediversas ações ambientais relacionadas à educação formal. Os frutos desse trabalho já começaram a sercolhidos, podendo ser observados pela mudança de atitudes dos estudantes e seu envolvimento nasoficinas pedagógicas desenvolvidas nas escolas. Um bom exemplo é o próprio logo do projeto que foi arepresentação da bacia hidrográfica realizada por duas estudantes da EMEF Wagner Hage do municipiode Pindorama - SP, que participaram do projeto em 2005. No ano 2008, durante o VI Diálogo Interbacias de Educação Ambiental em Recursos Hídricos - água esaneamento, evento realizado anualmente, pelo consórcio de comitês paulista na cidade de Avaré - SP, oprojeto recebeu o prêmio Melhores Práticas Significativas de Educação Ambiental em Recursos Hídricos eem 2009 divulgando as ações regionais no VII Interbacia foi novamente premiado. Este prêmio é fruto dasatividades desenvolvidas na capacitação aos educadoresdo projeto e visitação monitorada. O Trabalhointitulado “A Educação Ambiental Uma Ação Compartilhada entre Instituição de Pesquisa, Escola eComunidade” desenvolvido pela Escola Estadual de 1º e 2º Graus Gabriel Hernandes, da cidade deAriranha-SP ganhou como melhor painel, comprovando a importância da educação ambiental efetiva.Neste ano de 2010 o projeto participou do VIII Diálogo com apresentação oral do trabalho “A EducaçãoAmbiental como Ferramenta Pedagógica em Temas Transversais” desenvolvido pelas escolas Municipaisdos municipios: Paraiso, Embauba e Cedral-SP.Outro destaque deste ano foi participação de trabalhos em forma de apresentação oral e paniel noCongresso Estadual dos Comitês Paulistas em São Pedro - SP e no congresso mundial de Ciências doSolo realizado em Brisbana, Australia.Toda a equipe do Pólo Regional Centro Norte- APTA se sente muito feliz e parabeniza toda equipe deeducadores e educandos participantes. E convida um novo grupo para participar desta nova etapa doprojeto onde busca-se a realização de atividades técnicas e pedagógicas diversificadas com o obejtivo de“popularizar’’ o conceito técnico cientifico em relação a água, solo e o reconhecimento da BaciaHidrográfica. Despertando para a importancia dos recursos hidricos, o uso e ocupação do solo e da águaem uma bacia hidrogáfica, viabilizando o trabalho pedagógico e utilizando como área de estudo umamicrobacia situada em uma Instituição de Pesquisa com atividades de educação ambiental. Grupode Educadores em aula prática Grupo de Educadores em “Plantio Direto” palestra técnicaProjeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação 19
  20. 20. Trabalhos interdisciplinares realizados por alunos que participaram do Projeto Artes Pesquisas Temáticas Confecção de Maquetes Produção de Textos20 Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação
  21. 21. OBJETIVO DO MILÊNIO ESTAMOS NA DÉCADA DA ÁGUA! A Organização das Nações Unidas- ONU estabeleceu o período de 2005 a 2015 como aDécada Internacional para a Ação "Água para Vida". O dia definido para início oficial da Década foi22 de março de 2005, aproveitando a comemoração anual do Dia Internacional da Água. Essa recomendação tem como objetivo dar uma maior importância para as questõesrelacionadas ao recurso natural água , bem como a preservação dos recursos hídricos. Um alerta à crescente crise da água e cumprimento das Metas do Milênio, do Plano deImplementação da Cúpula da Terra para o Desenvolvimento Sustentável de Joanesburgo e daAgenda 21 são outros objetivos da Década.Conheça e faça sua parte. Acesse:www.objetivosdomilenio.org.brwww.facaparte.org.brProjeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação 21
  22. 22. Referências para Consulta Vídeos Segue uma lista de vídeos sugeridos. Entre parênteses, destacamos as séries nas quais o tema é desenvolvido de forma mais aprofundada. A cidadela dos Robinsons: direção de Ken Anakin, EUA, 1960, 121 min, colorido. Aventura clássica, em que uma família de náufragos procura adaptar-se às dificuldades de viver numa ilha longe da civilização. Esse filme permite ao professor tecer comentários sobre a exploração de recursos naturais e a adaptação do ser humano ao meio ambiente (6º e 7º anos: recursos naturais, meio ambiente e sobrevivência). Ferngully, as aventuras de Zak e Crysta na floresta tropical: direção de Bill Kroyer, EUA, 1992, 76 min, colorido. Desenho animado criado especialmente para a ECO-92, cuja trilha sonora foi consagrada por Elton John. E ecologia é o tema, e a devastação da floresta recebe o enfoque principal. O professor poderá tratar da ganância humana que leva ao desequilíbrio ecológico e à dizimação de espécies ainda desconhecidas. A magia e os entes da floresta representam os segredos que poderemos deixar de conhecer por causa de atitudes inconseqüentes. Caberá ao professor lembrar que a cura de inúmeras doenças que afetam a humanidade pode estar escondida nos segredos de uma floresta (6º e 7º anos: equilíbrio ecológico, extinção de espécies, recursos naturais). WALL-E: direção de Andrew Stanton, Disney, 2008, 92 minutos, Animação, colorido. Após entulhar a Terra de lixo e poluir a atmosfera com gases tóxicos, a humanidade deixou o planeta e passou a viver em uma gigantesca nave. O plano era que o retiro durasse alguns poucos anos, com robôs sendo deixados para limpar o planeta. Wall-E é o último destes robôs, que se mantém em funcionamento graças ao auto-conserto de suas peças. Sua vida consiste em compactar o lixo existente no planeta, que forma torres maiores que arranha-céus, e colecionar objetos curiosos que encontra ao realizar seu trabalho. Até que um dia surge repentinamente uma nave, que traz um novo e moderno robô: Eva. A princípio curioso, Wall-E logo se apaixona pela recém-chegada (6º ano: desequilíbrio, lixo). llha das Flores: direção de Jorge Furtado, Brasil, 1989, 12 minutos, colorido. Um tomate é plantado, colhido, transportado e vendido num supermercado, mas apodrece e acaba no lixo. Fim? Não. Ilha das Flores o persegue até seu verdadeiro destino, entre animais, lixo, mulheres e crianças. E então fica clara a diferença que existe entre tomates, porcos e seres humanos (6º ano: cadeia alimentar, lixo).22 Projeto Bacia Hidrográfica - Um Instrumento na Educação
  23. 23. Relacionamos alguns sites de interesse, quando não estiver especificada a indicaçãoPROFESSOR, significa que o endereço apresenta conteúdo de fácil consulta para os estudantes.Mas, antes de indicá-los para a classe seria conveniente conferi-los. Primeiro, avaliar se osestudantes têm prontidão para aquele assunto; segundo, porque alguns sites trazem modelos deexperimentos que devem ser controlados e coordenados pelo professor.SitesHttp://educar.sc.usp.br/youcanwww.agenda21.org.brwww.ana.gov.brwww.cienciaonline.orgwww.educarede.org.br (PROFESSOR) www.ibama.gov.brwww.mec.gov.br/sef/ambiental (PROFESSOR) www.mma.gov.brwww.uol.com.br/cienciahojewww.uol.com.br/novaescola (PROFESSOR)/www.planetaorganico.com.br/entrev-microbacia.htmwww.meioambientecriancas.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=7www.microbacias.rj.gov.br/www.escola.agrarias.ufpr.br/www.aba-agroecologia.org.br/aba2/images/pdf/cartilha_ziraldo.pdfSOLO NA ESCOLAwww.planetaorganico.com.br/entrev-microbacia.htmwww.meioambientecriancas.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=7www.microbacias.rj.gov.br/www.escola.agrarias.ufpr.br/www.aba-agroecologia.org.br/aba2/images/pdf/cartilha_ziraldo.pdfwww2.cead.ufv.br/espaçoProdutor/scripts/inicio.phdwww.cdcc.sc.usp.br/quimica/link.html (PROFESSOR)www.5elementos.org.brwww.sma.sp.gov.brwww.soaresoliveira.br/projetoagua/www.cetesb.sp.gov.brwww.sabesp.com.brwww.ana.gov.brwww.uniagua.org.br (PROFESSOR)www.redeciga.ning.com/(PROFESOR)www.apta.sp.gov.br(PROFESSOR)www.iac.sp.gv.br(PROFESSOR)www.ambiente.sp.gov.br/crh.php(PROFESSOR)www.agua.bio.br/(PROFESSOR) VISITEM O BLOG DO PROJETOhttp://projetobaciahidrografica.blogspot.com/
  24. 24. ESTAMOS ESPERANDO VOCÊS !!! Venham participar desta aula prática e divertida no Pólo Regional Centro Norte, em Pindorama. Aqui você aprenderá como conservar os recursos naturais e, consequentemente, seu FUTURO !!! EQUIPE TECNICA Coordenador: Antonio Lucio Mello Martins Monitores ambientais: Maria Conceição Lopes Maria Teresa Vilela Nogueira Abdo Romulo Sensuline Valaretto Fernando Henrique Albergante Everton Luis Finoto Célio Luis Justo Aparecido Valdir Cabrera Antonio Severino BeneventeBLOG : http://projetobaciahidrografica.blogspot.com/ Endereço: Pólo Regional Centro Norte (Est. Experimental de Pindorama) Rod. Washington Luiz, km 372. Cx Postal 24 CEP 15830-000, PINDORAMA, SP Contatos: (17) 3572-2208 / 3572-1592 polocentronorte@apta.sp.gov.br

×