• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Handbook Usability Testing - Capitulo 6
 

Handbook Usability Testing - Capitulo 6

on

  • 1,633 views

Mini-seminários da disciplina de Teste Formal de Usabilidade, Pós-graduação em Ergodesign de Interfaces da PUC-Rio / Laboratório de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces / LEUI. Prof. Luiz Agner, ...

Mini-seminários da disciplina de Teste Formal de Usabilidade, Pós-graduação em Ergodesign de Interfaces da PUC-Rio / Laboratório de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces / LEUI. Prof. Luiz Agner, 2010.

Statistics

Views

Total Views
1,633
Views on SlideShare
1,137
Embed Views
496

Actions

Likes
1
Downloads
17
Comments
0

2 Embeds 496

http://www.agner.com.br 495
http://agner.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Handbook Usability Testing - Capitulo 6 Handbook Usability Testing - Capitulo 6 Presentation Transcript

    • Gustavo e Bianca Lehmann
    • Introdução   Para muitas pessoas e empresas, um laboratório de teste de usabilidade, bem equipado e com tecnologia de ponta passou a ser mais importante do que o próprio teste de usabilidade em si, numa tentativa de impressionar tanto clientes como concorrentes. Um teste de usabilidade vai muito além de câmeras e gravadores. Ele tem que ser realmente centrado no usuário, em suas percepções e ações durante o uso de um determinado produto. O mais importante para a realização dos testes não é uma grande e poderosa infra estrutura e sim o conhecimento básico dos métodos e técnicas para realiza-los. "Ouvir o que as pessoas tem a dizer é um engano: é preciso observar o que elas fazem" (Jakob Nielsen) 'You bunch of users!'
    • Identificação da equipe  Antes de começar os testes, treine a equipe e dê funções específicas para cada um. O Coletor de Dados - Será a pessoa que coletará dados do usuário durante o teste, ele poderá fazer isso através de softwares específicos (como o Camtasia), ou cruzando referência de ações do participante com  fontos e vídeo. O Guardião do Tempo - Ele cronometra o tempo que o participante demora em cada tarefa (não é recomendado que ele seja o moderador) O Técnico Expert - Trata-se de uma pessoa que conheça os dados técnicos do produto em análise,  ele deve ficar atento para corrigir qualquer problema que possa aparecer e garantir que o produto não fique impossibilitado de ser testado. Os Observadores - Ele não tem particularmente um papel de um entendido do teste que está sendo aplicado. Ele pode ser um membro do projeto, um desenvolvedor do produto ou um funcionário qualquer da empresa que está testando o mesmo. Todos membros da equipe de desenvolvimento devem ser incentivados a participar como teste de muitos sessões possível. O Moderador - O líder do projeto, não é necessário ( e até mesmo recomendado) ele acumular qualquer outra função descrita acima, pois ele deverá se concentrar o máximo na interação entre o usuário e o produto em teste.
    • Decidindo a localização e o espaço físico   O local do teste está intrinsecamente relacionado com o projeto do estudo e quem são os usuários. Considere cuidadosamente a localização que você deseja que os observadores analisem os usuários. Você, como moderador, deve decidir: - Você estará seguro e confortável de ter observadores te olhando?  (lembre-se sempre de treinar como os observadores devem se  portar durante o teste) - Como você se sente sobre os observadores estarem, possivel- mente, conversando entre si, enquanto observam fora da sala do teste. Além disso, especialmente para moderadores iniciantes, recomendamos que você concentre-se no teste e consiga alguma outra pessoa para tomar as notas ou dados.
    • Onde realizar os testes?    Há algumas questões relevantes que devem ser tomadas em conta na hora de se escolher onde realizar os testes: 1) Tipo de teste e medidas   - Qual o seu objetivo? Fazer um teste exploratório de avaliação ou validação?   - Você precisa se sentar perto do usuário para colher dados qualitativos? dar suporte caso necessário?   - Você precisa observar de longe o usuário para que ele não tenha interação ou se sinta "intimidado" por você? 2) Logistica   - Você possui espaço disponível em sua empresa para a realização dos testes?   - Este local é acessível a todos os participantes em quaisquer condições (condução, praticidade e acessibilidade a pessoas com deficiência motora)   - É importante que quem encomendou o teste se mantenha anônimo?   - O que você deseja testar pode ser transportado para outro ambiente (tamanho, peso, política de privacidade/confidencialidade da empresa)   - Há o uso de algum aparato especial para a coleta de dados durante os testes (aparelhos de eye-tracking)
    • 4) Disponibilidade dos participantes   - É essencial que o usuário vá até o laboratório?    - O que é mais produtivo em termos de coleta de dados? Observar o usuário no ambiente controlado do laboratório ou onde ele normalmente realiza suas tarefas?   - É fácil para o usuário se desligar de suas tarefas diárias para comparecer ao teste? Quanto tempo dele isso pode tomar? Quais as consequências? 3) Relações públicas internas   - Você quer demonstrar alguma idéia ou produto interno para a equipe ou pessoas da empresa?    - Haverão observadores? Porque eles devem observar?   - Eles vão ficar observando de longe ou dentro da sala com o usuário?
      • Teste em vários locais geográficos diferentes 
      • Pessoas de outros locais encontram problemas de usabilidade, tão diferentes, quanto as que estão no seu escritório? 
      • A resposta é: Nem sempre
      • Depende do contexto. 
      • Ao estudar a possibilidade de testar em vários locais ou em um local fora de sua área, comece a pensar sobre o contexto do usuário (levando em conta tanto o orçamento bem como a disponibilidade do tempo). Se a significância dessa diferença entre usuários terá um impacto tão grande no seu produto, então você deve explorar esses diferentes contextos para testar.
      • Considere teste em locais diferentes do que você normalmente poderia testar em quando:
        • O local é dominado por um tipo de negócio ou cultura
        • As experiências, exposição ou atitudes da população local é diferente da do público-alvo.
        • Os locais não usam o produto que você está testando
    • Na ausência de possibilidade de teste em locais internacionais, você pode obter alguns dados úteis por: 
        • Testes Remotos de Usabilidade, ou seja, ouvir as pessoas ao telefone enquanto elas usam o produto. Se o produto é um software ou um web site, você pode facilmente configurar o teste para ver o que está acontecendo simultaneamente na tela do computador do participante, além de poder usar programas para gravar e webcams.
        • Incluir usuários em seu estudo que tenham recém-chegado do estrangeiro. Muitas vezes você pode encontrar participantes que tenham estado em seu país algumas semanas ou meses, através de agências de trabalho temporário ou estágio.
        • Embora eles estejam em seu país ( podendo ter diferentes atitudes e motivações das pessoas que permaneceram na sua terra natal). Eles não assimilaram a cultura ainda, então você pode ganhar muitos 'insights' por causa do contexto remanescente da cultura que eles trazem.
      • Se ocasionalmente (nem sempre) a maioria dos problemas de usabilidade são os mesmos em todos os locais, significa que a maior parte do tempo, se você apenas testar localmente, isso é ótimo. 
      • Então, se você não tem orçamento para realizar testes em mais de um local, você pode se sentir confiante apenas testando em um local. Você pode então olhar para outras formas criativas de obter feedback sobre as diferenças contextualizações geográficas.
      • Levando o teste até o usuário 
      •  
      • Tendo em vista que o gestor provavelmente terá feito um critério na seleção dos participantes . Pode haver políticas da empresa sobre se os participantes podem tomar parte em um teste durante o expediente normal e se pode aceitar incentivos ou compensação pelo tempo que passarem com você.
      • Lembre-se que você é um estranho entrando no espaço pessoal dessa pessoa, no local de trabalho ou em sua casa. Por essa razão, deve sempre se organizar.
      • Quando o teste for no trabalho do usuário, planeje muito bem a sessão:
        • Obtenha a permissão de gestor (se necessário) e do participante (dã!)
        • Marque o horário do teste com o(s) participante(s) e confirme horas antes do teste.
        •   Envie informações pertinentes antes, mas se possível não as tarefas que serão requisitadas
        • Se informe com antecedência sobre o local, como chegar e se tem estacionamento no local
        • Se você está testando qualquer software ou site no seu laptop, lembre-se de preparar o ambiente antes.
        • Se tiver um assitente acompanhando, treine-o antes para saber qual é a sua função, como configurar aparelho de filmagem, anotar, etc.
      • Quando o teste for no trabalho do usuário, o que levar:
        • Roteiro, formulários e questionários
        • Cartão de visita e identificação.
        • Gravador de áudio, baterias e cabos para tomada ou USB
        • Câmera de vídeo, baterias e cabos para tomada ou USB
        • Tripé
        • Extensão (de tomada, ou algum tipo de cabo específico)
        • Canetas e uma prancheta
        • Pelo menos um bloco de anotações, no caso de você estar indo para a casa do participante. 
      • Ao chegar no lugar onde será realizado o teste com o usuário, peça para ele mostrar a alguém da sua equipe, o lugar onde o participante irá usar o produto a ser testado, e rapidamente arrume tudo para começar  a sessão e a coleta de dados.
      • Laboratório de teste de usabilidade portátil
      • O laboratório portátil, não possui uma sala específica para utiliza-lo. Nessa modalidade, o software que você utiliza (como o Camtasia ou o Morae) que captura em vídeo, cada passo que o usuário faz durante o teste, é de suma importância. Caso o pesquisador deseje capturar os movimentos das mãos do usuário no teclado, ou as expressões faciais, ele deve instalar webcams ou câmeras em tripés.
      •  
      •   Vantagens:
        • Você consegue observar o usuário em seu habitat, no seu contexto.
        • Facilidade em conseguir usuários para participar dos testes
        • Tem um bom custo x benefício 
        • Como o laboratório é portátil, você consegue levar (literalmente) o teste até o usuário
        • As câmeras e aparelhos utilizados, não são exclusivos do laboratório.
      •  
      • Desvantagens:
        • Planejamento e logística podem ser complicados, se comparar a um laboratório de testes fixo
        • Sessões de teste em campo, podem demorar muito mais tempo.
        • O espaço físico pode ser muito pequeno para arrumar os observadores
        • Pode ter problemas como, poluição sonora (crianças, bichos e transito), espaço pequeno para posicionar o computador e ou as câmeras
        • Não ter um espaço permanente significa ter de se contentar com o que o espaço está disponível.
        • Ficar sempre em transito, pode encurtar a vida útil dos equipamentos (computador, camera, etc.)
        • Existe a possibilidade de que os problemas no local possam confundir ou complicar o seu estudo. você terá que lidar com cuidado a sua análise dos dados da pesquisa.
    • Laboratório de teste de usabilidade fixo Modelo de Sala Única -  Representa o ambiente mínimo necessário para o teste que pode acomodar observadores, e é essencialmente, uma sala tranquila e isolado. O moderador deve estar perto do usuário, deve estar na visão periférica dele, de modo que ele saiba que você está perto o tempo todo, mas cuidando para não distrai-lo ou deixa-lo ansioso.  
    • Modelo de sala única
    • Modelo de sala única O moderador tem total controle do que ocorre na sala, assim como pode ver as emoções que o usuário expressa. O comportamente do moderador pode afetar o comportamento do usuário e assim prejudicar o teste, contaminando-o. Durante a fase exploratória de testes é possível ter uma maior interação com o usuário. Fazendo-o se sentir parte da equipe. O espaço para os observadores é limitado e eles devem evitar conversarem entre si para não distrairem o usuário. O usuário não se sente sozinho e pode ser encorajado pelo moderador durante testes difíceis. Os observadores podem aproveitar para pedir ao moderador que faça perguntas ao usuário.
    • Variação do modelo de sala única
    • Variação do modelo de sala única
    • Variação do modelo de sala única O moderador tem mais liberdade de tomar notas, se movimentar e usar o programa de captura durante o teste, mantendo uma proximidade do participante. A perda de proximidade com o participante faz com que o moderador perca determinadas reações do participante O usuário não se sente sozinho e pode ser encorajado pelo moderador durante testes difíceis. A posição que o moderador se encontra pode deixar o participante desconfortável com a sensação de estar sendo "vigiado". Este modelo encoraja o usuário a "pensar alto" enquanto realiza o teste. O espaço para observadores é limitado. Se o participante escuta o moderador digitando para tomar notas, pode assumir que está fazendo alguma coisa errada.
    •   Modelo de sala única com tela e projetor
    • Modelo de sala única com tela e projetor
    • Modelo de sala única com tela e projetor Todas as vantagens do modelo de sala única também se aplicam à essa disposição. Demanda mais tempo e treinamento para gerenciar um grande número de observadores. É possível acomodar confortavelmente um grande número de observadores. O moderador tem que estar "afiado" no controle dos observadores para previnir que atrapalhem o teste, distraindo o usuário. Porque há um maior número de pessoas observando, há uma maior coleta de dados. Requer mais equipamentos e espaço. É mais fácil obter anotações e dúvidas dos observadores, deixando a experiência mais rica. Os observadores não poderão ver as reações do usuário, apenas suas "entradas" no computador. Não é necessário gravar o teste pois todas as pessoas envolvidas no projeto e que gostariam de assistir ao teste podem estar presentes. Se o participante escuta o moderador digitando para tomar notas, pode assumir que está fazendo alguma coisa errada.
    • Modelo de observação remota
    • Modelo de observação remota
    • Modelo de observação remota Todas as vantagens do modelo de sala única também se aplicam à essa disposição. O comportamento do modeador pode afetar o teste Os observadores tem maior liberdade de ver e comentar sem a preocupação de estar interferindo no teste. Se não houver um espaço permanente, é necessário que se monte a estrutura cada vez que for utilizada.
    • Modelo clássico de sala de testes de usabilidade
    • Modelo clássico de sala de testes de usabilidade
    • Modelo clássico de sala de testes de usabilidade Os observadores podem se comunicar livremente Dependendo da equipe, o ambiente pode ficar muito impessoal e o participante pode se sentir uma espécie de "cobaia" Esse tipo de instalação consegue acomodar bem os observadores Os observadores podem começar a redesenhar e mudar conceitos e interações mesmo antes do teste terminar, ignorando o restante das observações e análise dos resultados gerais do teste.
    • Estrutura básica para se realizar um teste de usabilidade segundo Jakob Nielsen   usuário computador moderador material para anotação tarefas pré determinadas + + + + "Testar pelo menos 5 pessoas, já é o suficiente para se obter muitas respostas" (Jakob Nielsen)
    • Conclusão Não importa a infra estrutura para a realização dos testes. O mais importante é o que se extrae da experiência. Como o usuário utiliza e se relaciona com o produto. São suas ações e emoções durante o teste, o relato da sua experiência e a análise correta da relação entre os dados coletados. Recomendação:  Laboratório de teste de usabilidade portátil Rubin e Chisnell recomendam o laboratório portátil, para os moderadores inexperientes e os que detem pouco recurso financeiro. Como dito anteriormente apresenta o melhor custo benefício, é mais prático no sentido que pode ser feito em qualquer ambiente, inclusive utilizando combinações de configurações remotas.
    • Bibliografia HANDBOOK OF USABILTY TESTING - J efrey Rubin and Dana Chisnell - Foreword by Jared Spool.  How to plan, design and conduct effective tests. 2nd. Edition