Palestra Palácio do Planalto, Brasília
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Palestra Palácio do Planalto, Brasília

  • 4,974 views
Uploaded on

Palestra de Luiz Agner no Programa de Integração e Aperfeiçoamento em Comunicação Pública, evento promovido pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República, focalizando especificamente o......

Palestra de Luiz Agner no Programa de Integração e Aperfeiçoamento em Comunicação Pública, evento promovido pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República, focalizando especificamente o tema da Internet e Governo Eletrônico.

More in: Education , Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • Gostou? Veja também meu blog: http://www.agner.com.br
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
4,974
On Slideshare
4,733
From Embeds
241
Number of Embeds
6

Actions

Shares
Downloads
4
Comments
1
Likes
0

Embeds 241

http://www.agner.com.br 231
http://www.slideshare.net 5
http://agner.com.br 2
http://64.233.169.104 1
http://scholar.googleusercontent.com 1
http://webcache.googleusercontent.com 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A prestação de serviços públicos na internet O DESAFIO DE OUVIR O CIDADÃO LUIZ AGNER
  • 2. Apresentação
    • Designer
    • Tecnologista em informações estatísticas e geográficas
    • Professor de Desenho Industrial
    • DSc. pela PUC-Rio Linha de pesquisa: Ergonomia e Usabilidade de Interfaces
  • 3. Apresentação ERGODESIGN E ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO: Trabalhando Com o Usuário Ed. Quartet, 2006 Luiz Agner
  • 4. Citando Steve Krug:
    • “ Quando criamos sites, agimos como se os usuários fossem analisar atentamente cada página, lendo o nosso texto com a devida atenção, descobrindo como nós organizamos a informação, e pesando cada opção cuidadosamente, antes de decidir em que link vai clicar.” (Não Me Faça Pensar)
  • 5. Citando Steve Krug:
    • “ A realidade dos usuários é mais parecida com passar de carro por um outdoor a 140 km por hora”.
  • 6. Como são planejados os sites
  • 7. Como são planejados os sites
  • 8. Mapa de atenção
  • 9. Como realmente usamos a web
  • 10. Como realmente usamos a web
  • 11. Pergunta no ar:
    • Se nossas intenções são as melhores possíveis, então... Por que os usuários não agem conforme o planejado?
  • 12. Steve Krug:
    • Fato 1: Os usuários não lêem as páginas. Apenas dão uma rápida olhada nelas.
  • 13. Steve Krug:
    • Fato 2: Os usuários não fazem escolhas ideais. Fazem apenas o que é suficiente.
  • 14. Steve Krug:
    • Fato 3: Não querem descobrir como as coisas funcionam. Apenas querem atingir o objetivo.
  • 15. O usuário está orientado à tarefa
    • Uma interface mal desenhada requer que o usuário decomponha as suas tarefas de modo não-intuitivo (que não espelha o seu modelo mental) isto gera erros e problemas de navegação.
  • 16. Os gurus também erram
    • “ Desde que comecei a desenhar para a Web, já cometi uma grande quantidade de erros".
    • Jakob Nielsen Pesquisador e consultor de usabilidade.
  • 17. Erros fundamentais
    • Modelo de negócios Tratar a Web como se fosse um mero folheto, e não uma profunda transformação em direção à sociedade em rede.
  • 18. Erros fundamentais
    • Gestão do projeto Administrar o projeto Web como um projeto corporativo qualquer. Isso leva a um site desfocalizado, voltado para questões internas das organizações.
  • 19. Erros fundamentais
    • Arquitetura de informação Estruturá-la como espelho dos departamentos da organização. Não refletir as necessidades do usuário nem a sua visão do espaço informacional.
  • 20. Erros fundamentais
    • Design Se preocupar com a criação de páginas esteticamente agradáveis para o público interno da organização.
  • 21. Erros fundamentais
    • Conteúdo É um erro escrever no estilo linear em vez de empregar técnicas que facilitem a leitura online.
  • 22. Princípio fundamental
    • Ouvir o usuário
    • Conhecer o seu modelo mental, perfil, necessidades e objetivos, através de pesquisas:
    • - grupos de foco, entrevistas, questionários, testes de usabilidade, etc.
  • 23. Testes de usabilidade
    • É um processo empírico de se aprender sobre a usabilidade de um produto, observando os usuários durante a sua utilização.
  • 24. Pesquisa acadêmica: Teste do site IBGE
  • 25. Portal IBGE
    • Utilização por:
      • Empresas
      • Pesquisadores
      • Jornalistas
      • Estudantes
      • Poder público
        • federal
        • estadual
        • municipal
      • Sociedade civil
      • Organismos internacionais
  • 26. Testes de usabilidade
    • Laboratório portátil
      • Notebook
      • Webcam.
      • Mouse.
      • Headphone com microfone
      • Software de captura de telas
      • Câmera digital
      • Gravador analógico
      • Acesso sem fios à Internet
      • Questionários
  • 27. Testes de usabilidade Locais – Campi universitários do Rio, residências e locais de trabalho dos pesquisadores.
  • 28. Testes de usabilidade Locais – Campi universitários do Rio, residências e locais de trabalho dos pesquisadores.
  • 29. Testes de usabilidade Locais – Campi universitários do Rio, residências e locais de trabalho dos pesquisadores.
  • 30. Tarefa
    • “ A partir da home page do portal IBGE, identifique em que estado do Brasil reside a maior concentração de pessoas idosas (com mais de 60 anos)”.
  • 31. Testes de usabilidade
    • Protocolos de verba- lização concorrente retrospectivo
  • 32. Participantes
  • 33. Resultados dos testes
  • 34. Resultados dos testes
  • 35. Conclusão o desafio de ouvir o cidadão
    • Incorporar os métodos e técnicas de avaliação de usabilidade dentro das organizações públicas.
    • Desafio da tomada de consciência da usabilidade como uma disciplina formal do Design.
    • Importância da institucionalização da usabilidade .
  • 36. Conclusão o desafio de ouvir o cidadão
    • O processo envolverá mudanças fundamentais em diversas direções.
    • Uma profunda mudança filosófica precisa ocorrer em direção ao desenvolvimento de tecnologias centradas no cidadãos, pois a maioria das empresas está focada em “mostrar serviço”.
  • 37. Conclusão o desafio de ouvir o cidadão 36
  • 38. Conclusão o desafio de ouvir o cidadão 12
  • 39. Conclusão o desafio de ouvir o cidadão
    • Outra mudança deve ser no modelo mental da equipe que trabalha com a tecnologia.
    • A equipe precisa deixar de privilegiar o desenvolvimento de sistemas “avançados” ou “da moda”
    • para criar ferramentas simples, práticas e utilizáveis .
  • 40. Conclusão o desafio de ouvir o cidadão
    • A maneira de pensar da Gestão deverá mudar.
    • Precisaremos aprender a mensurar o sucesso de um e-serviço não em termos quantitativos (número de acessos e logs), mas de satisfação dos usuários.
  • 41. Conclusão o desafio de ouvir o cidadão
    • Por último, a equipe de Design deverá mudar seu paradigma.
    • Precisará desenvolver projetos a partir de um processo iterativo (prototipar-testar-redesenhar).
    • Para isso, as organizações públicas devem desenvolver uma cultura interna de apoio a este tipo de metodologia.
  • 42. Obrigado.
    • Luiz Agner
    • [email_address] www.agner.com.br