1UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL – UNICSUL Ciências Administrativas e de Negócios – CAN  Curso de Comunicação Social – Jornal...
2                  Bruno Dionisio da Silva RGM: 18573-6                      Daiana Santos RGM: 18273-7                   ...
3                                                                     DEDICATÓRIADedicamos esse trabalho aos nossos famili...
4                                                                 AGRADECIMENTOS       ......................................
5                                                                                EPÍGRAFE Querido Jesus, “precisas ver o q...
6                                     SUMÁRIOEquipe                                            P.2Nome da mídia           ...
7A sustentabilidade ambiental é um assunto que está sendo tratado nas conversas dodia a dia, nas escolas, faculdades, nas ...
8                Equipe  Bruno Dionisio da Silva RGM: 18573-6      Daiana Santos RGM: 18273-7      Danilo Cardoso RGM: 182...
9Histórico da MídiaA rádio comunitária é uma prática relativamente nova no Brasil, estima-se queexistam dez mil no Brasil,...
10Quando da ``abertura lenta, gradual e segura do regime militar, mais no final dadécada de setenta e no início da seguint...
11ouvida na cidade. Mas, como era previsível, acabou sendo fechada e interditadapela polícia federal.Outra experiência sig...
12existência de milhares de emissoras de baixa potência em todo país e assumiu ocompromisso de regulamentar seu funcioname...
13                               SINOPSE DA MÍDIARádio comunitária é uma radiodifusão sonora, com freqüência modulada (FM)...
14                                    OBJETIVOSNosso trabalho tem como objetivo:Alertar sobre os perigos da deflorestação;...
15FormatoPrograma matutino diário, de caráter informativo. Contém três blocos.Tempo de duraçãoAproximadamente 25 minutos.P...
16
PAUTARetranca: Reciclagem ZoológicoGênero: InformativoFormato: Entrevista – Ping PongRepórter: Bruno Dionisio da Silva    ...
18                                     PAUTARetranca: ReciclagemGênero: InformativoFormato: Entrevista – Ping PongRepórter...
19RoteiroPROGRAMA: “IN NATURA”DATA: 14/10/2010 INÍCIO: 8h00DURAÇÃO: 25 MINUTOS1° BLOCOTEC – VINHETA DE ABERTURA – 15”NANA ...
20TEC – BREAK – 2’2° BLOCOTEC – VINHETA VOLTA DE BLOCO – 5”NANA – O IN NATURA está de volta e agora eu vou mostrar pra voc...
21JULIANA – Obrigada, Daiana. Bom dia! É isso mesmo, Nana. São gestos simplescomo fechar a torneira enquanto escova os den...
22informar sobre postos de coleta de pilhas!NANA- Apesar da reciclagem ser muito boa para a sociedade é preciso reforçar a...
23Custos25/10/2010 – 1ª Ida ao Zoológico de São Paulo – Ida Metrô RS: 1,35 +RS: 1,35+1,35 – Entradas Zoológico RS: 7,50 (i...
241. Princípios do meio AmbienteO termo “meio ambiente” é empregado para referir-se ao que nos rodeia tanto omeio ambiente...
25                     mineração; a extração vegetal, a agricultura em larga escala; a fabricação                     de p...
26mesma continuará a prover recursos e bem estar econômico e social para ascomunidades que nela vivem por varias gerações....
27Segundo ABREU, Carlos (2008)                     Garantir a sustentabilidade do meio ambiente é garantir, antes de qualq...
28Outro fator que atualmente está influenciando na escassez de água são asconstantes mudanças      climáticas.    Como    ...
29doenças respiratórias devido ao ressecamento do ar, criando um termo chamadoimpacto ambiental.4. Como reduzir impacto am...
30freqüência e com maior intensidade catástrofes naturais de grande magnitudecomo : furacões, tornados, maremotos , tsunam...
317.1 Éticas para que ocorra sustentabilidade organizacional na sociedadeMovimentos Populares como: comunidades locais em ...
32A educação faz parte desse processo de transformação de uma realidade queenfrenta dificuldades, com a escassez dos recur...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Radicalizando pelo bem

759 views
615 views

Published on

Projeto Interdisciplinar

Published in: News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
759
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Radicalizando pelo bem

  1. 1. 1UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL – UNICSUL Ciências Administrativas e de Negócios – CAN Curso de Comunicação Social – Jornalismo RADICALIZANDO PELO BEM São Paulo 2010
  2. 2. 2 Bruno Dionisio da Silva RGM: 18573-6 Daiana Santos RGM: 18273-7 Danilo Cardoso RGM: 18281-8 Douglas Lourenço Fernandes RGM: 18379-2 Juliana Veloso RGM: 16752-5 Luan Tunes Balero RGM: 18426-8 Madelene Milene Mazola RGM: 17683-4Radicalizando para o bem: Mídia Rádio Comunitária Viver Bem– Programa IN Natura Trabalho apresentado à Universidade Cruzeiro do Sul, curso de Comunicação Social - Jornalismo, como requisito à aprovação na disciplina Projetos Interdisciplinares, sob orientação da Profa. Ms. Regina Tavares. São Paulo 2010
  3. 3. 3 DEDICATÓRIADedicamos esse trabalho aos nossos familiares, amigos, colegas de universidade,professores pela compreensão, pelo auxílio no desenvolvimento da pesquisa, aoindicarem referências, livros, revistas e por mostrarem que é possível fazer o bem sejuntarmos as nossas forças, basta querermos.
  4. 4. 4 AGRADECIMENTOS ...............................................................................................A equipe do SGA (Sistema de Gestão Ambiental ) composta pela......................................................................................................bióloga Inaiá Sedenho; As aprimorandas Monique de GodoyFroés que concedeu a entrevista ao programa, e a Carolina que....................................................................................................recebeu o grupo com muito carinho; A equipe do Estúdio deRádio e TV do campus Anália Franco composta pelos nossosqueridos Edgar, Jefferson e Danilo que nos ajudaram e muito nodesenvolvimento da mídia; e a todos que contribuíram de formadireta e indireta no trabalho.
  5. 5. 5 EPÍGRAFE Querido Jesus, “precisas ver o que temos feito com esta terra,...................................................................................................... na qual teu Pai criou vida – e vida inteligente! Nossa ambição de lucro polui rios e mares, queima florestas,...................................................................................................... exaure o solo, resseca mananciais, extingue espécies marítimas, aéreas e terrestres, altera os ciclos das estações e envenena a atmosfera. Gaia se vinga, caracterizando-nos, reduzindo as defesas de nosso organismo, castigando-nos com a fúria de seus tonados, tufões, terremotos, com frio e calor intensos” - Frei Beto, em Folha de S. Paulo, 24.12.1998.cad.1, p.3.
  6. 6. 6 SUMÁRIOEquipe P.2Nome da mídia P.3IntroduçãoHistórico e principais características da mídia P.8Sinopse P.12Objetivos P.13Formato P.14Tempo de duração P.14Público-alvo P.14Pautas P.15Roteiros P.17Custos P.22Objetivo do milênio selecionado P.23Considerações finaisReferências Introdução
  7. 7. 7A sustentabilidade ambiental é um assunto que está sendo tratado nas conversas dodia a dia, nas escolas, faculdades, nas residências, todos querem discutir econtribuir para a manutenção e o desenvolvimento do nosso planeta.É difícil de acreditar mas ainda há muitas pessoas, que não têm acesso a águapotável, que não sabem como se prevenir de catástrofes ambientais, de manteremterras e habitações bem tratadas, de reciclar os dejetos produzidos por nós mesmos.Essa consciência e preocupação ambiental se espalhou pelo mundo de tal forma,que atualmente grandes empresas de diversos setores tais como: alimentícios, deprodução do papel, da comunicação e da mídia seja ela impressa, ou eletrônicatodas reconhecem a importância de tentar auxiliar na preservação do meioambiente.Cuidar do planeta não é um tema que ficou restrito aos especialistas na área,biólogos, ambientalistas, entre outros. As barreiras foram rompidas e se dedicar aprojetos com iniciativas de preservação ambiental tornou-se uma necessidade, eum aprendizado constante.O conceito de viver bem não depende apenas de um ser vivo, as medidas devemser adotadas e divulgadas por todos que acreditam que há chances de reverter umproblema que se iniciou no passado, devido a vontade de progredirdesesperadamente com a construção de asfaltos, prédios, com a substituição da corverde natural, pela cor cinza completamente produzida.A sustentabilidade do planeta é uma luta coletiva, e as pessoas já deramdemonstrações que é possível transformar um conceito em realidade, basta tervontade e atitude.
  8. 8. 8 Equipe Bruno Dionisio da Silva RGM: 18573-6 Daiana Santos RGM: 18273-7 Danilo Cardoso RGM: 18281-8Douglas Lourenço Fernandes RGM: 18379-2 Juliana Veloso RGM: 16752-5 Madelene Milene Mazola RGM: 17683-4
  9. 9. 9Histórico da MídiaA rádio comunitária é uma prática relativamente nova no Brasil, estima-se queexistam dez mil no Brasil, e têm como prerrogativa exibir programação comconteúdo de qualidade, cultural, educativo, informativo e de prestação deserviços. Após um longo período de censura, nos deparamos com a 3ª ondada comunicação, as Rádios e TVs comunitárias.Baseada na tecnologia barata e de fácil acesso, inicialmente era disseminada pelapopulação pobre e desassistida e logo mostrou-se eficiente para a veiculação decultura dentro de uma comunidade.Geralmente, as rádios comunitárias tratam de problemas pouco falados em rádioscomuns, como a cultura, festas, saúde, segurança da comunidade, assuntos quedizem respeito a comunidade local.Origens das Rádios Livres no BrasilNo Brasil, as rádios livres começaram a aparecer nos anos setenta, numa época emque o regime militar estava em vigor e os meios de comunicação de massa estavam,de forma predominante, nas mãos de pessoas ou grupos privilegiados com aconcessão de canais, por decisão unilateral do Poder Executivo Federal.A primeira experiência foi a da Rádio Paranóica, de Vitória (ES), em outubro de1970. Seus idealizadores eram dois irmãos, na época com quinze e dezesseis anosde idade. O mais novo foi preso tido como subversivo, coisa que ele desconhecia oque significava. Seu interesse era apenas fazer rádio. Ela surgiu com o slogan``Paranóica, a única que não entra em cadeia com a Agência Nacional.Apesar deter sofrido intervenção, voltou a funcionar em 1983 e continua no ar, com nome deRádio Sempre Livre.Depois surgiria a Rádio Spectro, de Sorocaba (SP), em 1976. A imprensa informouque essa cidade chegou a ter mais de quarenta emissoras desse tipo no início dadécada de oitenta. Outra pioneira, em 1978, a RCG- Rádio Globo de Criciúma (SC).
  10. 10. 10Quando da ``abertura lenta, gradual e segura do regime militar, mais no final dadécada de setenta e no início da seguinte, elas passariam a desenvolver-se commaior intensidade. disseminando-se em muitas cidades brasileiras. A capital paulistacontava com dezenas delas em 1985, criando-se até uma Cooperativa dos Rádio-Amantes. Os nomes eram curiosos. Rádio Totó, Rádio Ternura, Rádio Xilik, RádioTrip, Rádio Livre-Gravidade. De 15 de maio a 19 de junho de 1987, tambémfuncionou a Rádio TX 107,3, na Biblioteca da Universidade Federal do EspíritoSanto, operada por alunos do Curso de Comunicação Social.Num primeiro momento, as rádios livres eram constituídas por jovens interessados,antes de tudo, em praticar a arte da radiofonia, pouco ou nada envolvidos com``grandes causas sociais ou políticas. Em muitos casos, tratava-se de ``umacurtição de roqueiros, como aconteceu em 1983, quando a cidade de Sorocaba foipalco de uma simpática eclosão de rádios ilegais, realizada pôr garotos cansados damesmice das freqüências moduladas oficiais. (...) Eles se diziam apolíticos. Onegócio era muita música, uns recados para a sogra e umas paquinhasradiofônicas.Depois, também se instalariam emissoras mais sensíveis à questão da centralizaçãodos meios de comunicação, bem como à problemática sócio-econômica do País,embora continuassem preponderando o senso de ironia e a preocupação emousar.Dizia um pequeno manifesto da Cooperativa dos Rádio-Amantes: ``Nósiniciamos um movimento de reforma agrária no ar. O rádio é uma conquista técnicada humanidade e não pode ficar nas mãos (...) de proprietários-concessionários. Ouuma locução da Rádio Xilik, em 20.07.1985: ``Eles têm medo dos velhos pôr suasmemórias. Eles têm medo dos jovens por sua inocência. Eles têm medo dostrabalhadores, (...) da ciência, dos músicos, (...) dos filósofos, (...) da democracia.Ou, ainda, uma declaração da Rádio Ítaca: ``O cotidiano - e não o Estado - é o localescolhido para nossos delírios/desejos. (...) Não temos compromissos de gêneroglobal. (...) Nada de relações viciadas. Queremos comunicar. Também houveexperiências de rádios em sindicatos e nos movimentos comunitários. Os bancáriosde São Paulo, que em 1981/1982 haviam adquirido prática com o sistema de alto-falantes móveis, puseram no ar, em 1985, a Rádio Teresa, com 120 watts depotência. Em Ermelino Matarazzo, na zona leste da capital paulista funcionou aRádio Patrulha que passou o microfone à comunidadeDe 14 de julho de 1990 a 03 de abril de 1992 funcionou a Rádio Livre Paulicéia, emPiracicaba (SP), com dez watts de potência, sem fins lucrativos, de propriedade dosmoradores do bairro e gerida por um conselho coordenador escolhido pelo voto. Elaatuava com base em decisões tomadas por uma assembléia composta de 120pessoas que discutia sobre seu papel e sua programação, entre outros assuntos.Contava com a participação intensa da comunidade, tanto nas deliberações como naprodução dos programas, recebendo de trinta a quarenta telefonemas diários comsugestões, recados e perguntas. Cedia espaços para os católicos (pastoral dajuventude, movimento carismático), os evangélicos, as crianças, os grupos dedesempregados, conjuntos de rapp etc. Predominava a música black. As notícias,que eram da cidade, iam ao ar no Jornal da paulicéia. Faziam-se transmissões aovivo. Ficando no ar até por 120 horas semanais, chegou a ser a emissora mais
  11. 11. 11ouvida na cidade. Mas, como era previsível, acabou sendo fechada e interditadapela polícia federal.Outra experiência significativa é a Rádio Novos Rumos, surgida em dezembro de1990 e inaugurada oficialmente em maio de 1991, em Queimados, município daBaixada Fluminense (RJ). A emissora com pouco tempo de funcionamento foifechada por fiscais do Ministério das Comunicações e a polícia federal, sendoapreendido o transmissor, a aparelhagem de áudio e discos. Depois de váriastentativas de reabri-la, através da mobilização da comunidade e de lobby do Comitêpela Democratização da Comunicação do Rio de Janeiro junto ao Ministério dasComunicações, finalmente após o então Ministro, Sergio Motta, ter secomprometido, em março de 1995, a formar uma comissão para elaborar umaproposta de regulamentação para as emissoras de baixa potência, a emissora éreinaugurada em 15 de maio de 1995. Em 1997 voltou a ser fechada no dia 6 demaio, mas reaberta em 11 do mesmo mês.Atualmente, a Rádio Novos Rumos funciona diariamente, das 6 às 24 horas. É aterceira emissora mais ouvida em Queimados, com 21% dos ouvintes, segundopesquisa de audiência do IBOPE.Pelo estatuto a emissora garante a todo cidadão o direito a voz na programação.Conta com 100 colaboradores e 14 funcionários. Tem um quadro de 781 sócios, quecontribuem com R$ 2,00 (dois reais) por mês, mas sua principal fonte de receitar sãoos comerciais e prestação de serviços para terceiros.Dos 51 programas , 44% são musicais, 42% jornalísticos e 14% religiosos(deorientação evangélica, católica e espírita).A emissora faz assembléia, de seis em seis meses, com os associados, da qualtiram as diretrizes globais de atuação, mas o seu dia a dia e conduzido por umconselho executivo, composto por cinco membros. Possui também um conselho deprogramação e um conselho de fundadores.As rádios livres, mesmo que algumas possam ter sido decorrência de aventuras semmaiores pretensões políticas, são, no conjunto, um protesto contra a forma deacesso aos instrumentos massivos e uma tentativa de conquistar a liberdade deexpressão a qualquer preço. Elas contribuem para o debate sobre a estrutura anti-democrática dos meios de comunicação de massa no Brasil, que também teria lugarna Assembléia Nacional Constituinte, mas nunca veio a empolgar amplos setoresrepresentativos da sociedade, nem conseguiu grandes avanços no texto da nova LeiMagna promulgada em 1988. Esta apenas estatuiu que a concessão de canaisdeveria ter a aprovação do Congresso e a criação do Conselho Nacional deComunicação.A proliferação atual de emissoras comunitárias é o resultado de um processo demobilização social pela regulamentação da radiodifusão de baixa potência, cujomarco histórico é o dia 10 de abril de 1995, data em que o Ministro dasComunicações, Sérgio Motta, recebeu, em audiência, um grupo de representantesde rádios livres e comunitárias. Nessa ocasião ele reconheceu, publicamente, a
  12. 12. 12existência de milhares de emissoras de baixa potência em todo país e assumiu ocompromisso de regulamentar seu funcionamento.Convém lembrar que o Fórum pela Democratização da Comunicação, cuja açãoeste mais contundente no processo Constituinte, vem acompanhando as ações doCongresso Nacional, fazendo lobby e propondo políticas democráticas para osmeios de comunicação no País. Uma de suas conquistas nesse setor é a lei de TV aCabo, uma lei que garante a obrigatoriedade de seis canais de uso público.A origem dessas rádios está ancorada nas experiências de rádios populares de alto-falantes, também conhecidas como rádio- poste, cujo apogeu ocorreu nos anos 80,no Brasil.A transmissão de programas através de alto-falantes foi, e continua sendo emmuitos lugares, o veículo de comunicação a que as organizações comunitáriastiveram acesso para poderem levar suas mensagens aos habitantes dedeterminadas localidades. São chamados de``rádio do povo ou de ``rádio popular.Contudo, o uso do alto-falante como rádio, surgiu há muitos anos, ainda antes doregime militar de 1964, em muitas localidades, principalmente no interior, e em geralvinculados a lojas comerciais, Igrejas e Prefeituras.Em Muqui (ES), existiu uma emissora desse tipo em 1948 para divulgar aspromoções de uma loja. Com o tempo, passou a desenvolver um serviço de utilidadepública. Transmitia música, debate político, jogos de futebol e festas. Em outrosmunicípios do Espírito Santo, como Castelo, Alegre e Guaçui também existiramserviços semelhantes. Com o Golpe Militar de 64 foram extintos.Nos anos oitenta há um ressurgimento desse tipo de meio de comunicação. Nadécada de 90 eles continuam existindo e com conotações diferenciadas. Existe ummodelo em que o serviço de som funciona como um produto da comunidade.Desenvolve uma programação voltada para a conscientização e mobilização,informa, oferece entretenimento e presta serviço de utilidade pública. Um segundomodelo conserva as características de interesse público, mas é dirigido por uma ouduas pessoas comprometidas com o bem-estar social local. Normalmente sãopessoas que gostam do rádio e vem nessas emissoras um canal para exercitaremsua voz e prestarem um serviço a comunidade. Num terceiro modelo seusidealizadores chegam até a colocar o sistema de som a serviço da comunidadevisando melhorias, mas seus interesses são particulares. Querem reconhecimento,prestígio e almejam um emprego nas emissoras convencionais. Um quarto modelo ésimilar ao anterior, só que os interesses são de ordem comercial . Operam o sistemade som enquanto meio para veiculação de anúncios e outras formas de patrocíniovisando o lucro particular. Claro que acabam prestando algum serviço de utilidadepara o local, chegando às vezes até mesmo a transmitir notícias das associações demoradores.Aos poucos houve um declínio das rádios de alto-falantes e começaram a surgir asemissoras, propriamente ditas, tais como a Rádio Livre Paulicéia e a Rádio NovosRumos, mencionadas anteriormente.
  13. 13. 13 SINOPSE DA MÍDIARádio comunitária é uma radiodifusão sonora, com freqüência modulada (FM), debaixa potência (25Watts) e cobertura de no máximo 1 km a partir da antenatransmissora. As rádios comunitárias estão a serviço da comunidade, trazem culturae música, são ecléticas e ecumênicas, não se envolvem com partidos políticos,debatem questões sociais e importantes para a comunidade. Lutam constantementepela democratização dos meios de comunicação e apóiam movimentos sociais quelutam por uma sociedade mais justa. Dentre os muitos benefícios que as rádioscomunitárias trazem, o maior deles é a prestação de um serviço de utilidade públicaque promove a integração da população e faz com que as pessoas possam terdireito de expor suas idéias, estimulando o lazer, a cultura e o convívio social.
  14. 14. 14 OBJETIVOSNosso trabalho tem como objetivo:Alertar sobre os perigos da deflorestação;Sinalizar os impactos que o meio ambiente vem sofrendo;Mostrar maneiras para que todos possam contribuir com pequenos gestos diáriospara diminuir o consumo indevido de água e energia;Indicar as consequências irreversíveis de ações como queimadas, desmatamento eocupação inapropriada de terras;
  15. 15. 15FormatoPrograma matutino diário, de caráter informativo. Contém três blocos.Tempo de duraçãoAproximadamente 25 minutos.Público AlvoCrianças, Jovens e Adultos ( pessoas de todas as idades).
  16. 16. 16
  17. 17. PAUTARetranca: Reciclagem ZoológicoGênero: InformativoFormato: Entrevista – Ping PongRepórter: Bruno Dionisio da Silva 17Enfoque(s): Importância da reciclagem para o Zoológico e para a sociedade.Assunto: A sustentabilidade ambiental é um tema que está sendo discutido em todosos lugares, do mais simples ao mais complexo. Todos se preocupam com amanutenção do meio ambiente.No Zoológico de São Paulo localizado no bairro da Água Funda, não é diferente. Oparque possui o seu próprio sistema de gestão ambiental com canais que tratam dareutilização da água, e iniciativas que colaboram com a reciclagem, e com apreservação desse habitat natural.Fontes:Oficial: Equipe do Sistema de Gestão Ambiental (SGA) – Zoológico de São Paulo;Contatos: Sistema de Gestão Ambiental (SGA)- Zoológico de São PauloPortão 2 : Avenida Miguel Stéfano, 4241 – Água FundaBióloga Inaiá Sedenho ManoelTelefones: 0xx11 – 5073-0811 Ramal: 2141e-mail: isedenho@sp.gov.br Questões:1. Quando surgiu a idéia de criar o sistema de preservação ambiental aqui noZoológico?2. Como que é esse processo pra conseguir essa certificação?3. A equipe é formada por quantas pessoas?4. Como que é realizado, o processo de separação do lixo no parque? Tanto pela partedos visitantes, quanto pela parte dos setores aqui do parque?5. As cooperativas que trabalham nesse processo, elas são de onde? Como elas sãoescolhidas? Elas ficam próximas do Zoológico?6. A participação dos visitantes é significativa? Eles aderem a essas medidas depreservação?7. Ao percorrer pelo Zoológico ainda são encontrados muitos dejetos nas jaulas dosanimais. Há uma fiscalização especializada para impedir que isso aconteça?8. Existe algum projeto do sistema de gestão ambiental (SGA) com as escolas paraexplicar sobre a reciclagem como ela é feita aqui no zoológico, e fora também?9. Qual a importância da reciclagem para o Zoológico?10. Existe um canal para que o público possa dialogar com o Zoológico?
  18. 18. 18 PAUTARetranca: ReciclagemGênero: InformativoFormato: Entrevista – Ping PongRepórter: Daiana SantosEnfoque(s): Importância da reciclagem.Assunto: Quais os benefícios da reciclagem para a sociedade? O que acontececom os resíduos quando são reciclados? Posso confiar na durabilidade de umproduto reciclado? Essas são perguntas feitas por todos. É importante reciclar?Fontes:Independente: Ronaldo Silva – Gerente de Resíduos da empresa JN Reciclagem eRemoção de LixoContatos: Ronaldo SilvaAvenida Amaro Felicissimo da Silveira, 1195. Parque Novo Mundo – São PauloGerente Ronaldo SilvaTelefones: 0xx11 – 26355674e-mail: ronaldo.jn@terra.com.br Questões:1. Que benefícios futuros a reciclagem poderá trazer se todos a fizerem?2. A qualidade e durabilidade de um produto reciclável é realmente confiável aoponto de poder estar sendo reciclado novamente?3. Há um Órgão especifico para averiguar a qualidade do produto reciclável?4. Existe uma entidade publica ou particular que oferece formação comunitária emreciclagem?5. O que é considerado crime ambiental?6. Que tipo de materiais pode ser considerados fontes renováveis e por quê?
  19. 19. 19RoteiroPROGRAMA: “IN NATURA”DATA: 14/10/2010 INÍCIO: 8h00DURAÇÃO: 25 MINUTOS1° BLOCOTEC – VINHETA DE ABERTURA – 15”NANA – Bom Dia , eu sou Nana Santos, são 8 horas em ponto, e eu, como decostume, começo o IN NATURA que hoje traz um assunto muito importante que e areciclagem. E eu estou aqui com Ronaldo Silva que é Gerente de Resíduos daempresa JN Resíduos e Remoção de Lixo.NANA: Bom dia, Ronaldo. Nós temos perguntas feitas pelos nossos ouvintes paravocê sobre reciclagem.(PAUTA RECICLAGEM)NANA – Chamar o break - 5"TEC – VINHETA SAÍDA DE BLOCO – 5”
  20. 20. 20TEC – BREAK – 2’2° BLOCOTEC – VINHETA VOLTA DE BLOCO – 5”NANA – O IN NATURA está de volta e agora eu vou mostrar pra você umareportagem exclusiva que o nosso repórter Bruno Dionísio foi fazer lá no Zoológicode São Paulo. Você vai conferir um problema que está dando dor de cabeça aosresponsáveis pelo Zoo.É com você, Bruno!(PAUTA ZOO RECICLAGEM)TEC – VINHETA SAÍDA DE BLOCO – 5”TEC – BREAK – 2’3° BLOCOTEC – VINHETA VOLTA DE BLOCO – 5”BG – TRILHA 1 – BG – 8’00”NANA – Voltamos com o IN NATURA. O programa que fala sobre sustentabilidade ecomo de costume, esse terceiro e último bloco é espaço reservado para a Ju Velosoque traz sempre dicas para você que gosta de dar uma ajuda para o planeta! Todomundo pode ajudar, é só prestar atenção nos gastos desnecessários, não é Juliana?Bom dia! Seja bem vinda mais uma vez ao estúdio do nosso programa!
  21. 21. 21JULIANA – Obrigada, Daiana. Bom dia! É isso mesmo, Nana. São gestos simplescomo fechar a torneira enquanto escova os dentes ou faz a barba, não tomarbanhos demorados, desligar o chuveiro enquanto se ensaboa, não jogar óleos napia, a Sabesp, inclusive orienta as donas de casa a jogarem no lixo orgânico ou atémesmo procurarem postos de coleta. E é interessante também, para você que édona de casa, procurar receitas de sabão de óleo de cozinha. No siteWWW.triangulo.org.br você encontra essa receita. -”30”NANA – Isso é muito importante, inclusive segundo a ONG Ação Triangulo, querecolhe óleo vegetal em casas e empresas, um litro de óleo contamina 1 milhão delitros de água. O suficiente para uma pessoa usar durante 14 anos. -”15”JULIANA – Nós temos dados aqui de que escovar os dentes com a torneira abertaconsome 80 litros de água, banhos longos, de 95 a 180 litros, lavar a calçada, 280litros, lavar o carro com mangueira em meia hora, cerca de 560 litros de água. Porisso é importante fechar bem as torneiras para evitar vazamentos. E para osaparelhos eletrônicos, é importante também comprar os que possuem o selo Procelde economia de energia. Para os que gostam de dormir com a TV ligada, acione afunção SLEEP, quanto as luzes, a preferência é para as fluorescentes compactas oucirculares, porque consomem menos energia e duram até 10 vezes mais. O arcondicionado, no verão, consome cerca de um terço de todo o consumo da casa,por isso é necessário o uso inteligente desse aparelho! -50NANA – É isso aí. Para os que acham difícil separar os materiais para reciclagemem lixos específicos para cada material, eu tenho uma dica interessante. No sitesonholilas.com.br existe uma categoria só para artesanato com materiais recicláveis!Tem cada coisa linda e eles te ensinam a fazer tudo com aulas fáceis e vídeosexplicativos! Vale a pena conferir! É muito bacana a iniciativa desse site.JULIANA – Outra coisa que precisamos reforçar Nana, é sobre o descarte de pilhas!Não jogue pilhas no lixo. Existem bancos que fazem a coleta desse material que étão prejudicial ao solo! Uma única pilha contamina o solo por 50 anos! Procure se
  22. 22. 22informar sobre postos de coleta de pilhas!NANA- Apesar da reciclagem ser muito boa para a sociedade é preciso reforçar aidéia de que, no fundo, é necessário preciclar, ou seja, diminuir o consumo demateriais nocivos ao meio ambiente! Bom, por hoje nosso programa fica por aqui.Queria agradecer a participação do Bruno Dionísio que fez aquela belíssimareportagem no zoológico de São Paulo. Também à Juliana Veloso que contribuiucom nosso quadro de dicas e a todos os nossos ouvintes!BRUNO – Eu que agradeço, é um prazer estar aqui mais uma vez. Bom dia a todose obrigado pela atenção. Com certeza, esse programa foi de grande utilidade paraas pessoas tomarem consciência da importância dos pequenos gestos. -15”JULIANA – Eu faço minhas as palavras do Bruno, é um prazer enorme podercontribuir para o bem estar da nossa comunidade. Obrigada a todos que nosprestigiaram com atenção. Bom dia! -10”NANA – E eu, dou sequencia a programação da Rádio Comunitária Viver Bem eamanhã às 8 da manhã tem mais informação e cultura para você que se interessapelo meio ambiente no programa In Natura, com a sua apresentadora de sempre,eu! Continuem participando, mandando e-mails com dúvidas, sugestões e críticaspara a gente. O endereço você já sabe! innatura@gmail.comAté amanhã com mais dicas de sustentabilidade! Abraço a todos!Eu sou Nana Santos e preservar faz bem! -25”TEC – VINHETA DE ENCERRAMENTO – 15”
  23. 23. 23Custos25/10/2010 – 1ª Ida ao Zoológico de São Paulo – Ida Metrô RS: 1,35 +RS: 1,35+1,35 – Entradas Zoológico RS: 7,50 (ingresso) + RS: 4,00 x3 = R$ 34,50;25/10/2010 – Pilhas palito para utilização do gravador: R$: 2,00;08/10/2010 – 2ªIda ao Zoológico de São Paulo – entrevista com equipe Sistema deGestão Ambiental – Ida – Metrô: R$: 2,40; + Táxi R$: 14,00; Volta - Ônibus: R$1,35;08/10/2010 - Pilhas palito para utilização do gravador: R$: 2,00;OBS: No dia 25/10/2010 o valor gasto envolveu três componentes do grupo: Bruno,Daiana e Danilo;No dia 08/10/2010 o valor gasto inclui o componente Bruno;Valor Total Gasto nesta etapa: R$ 41,85.
  24. 24. 241. Princípios do meio AmbienteO termo “meio ambiente” é empregado para referir-se ao que nos rodeia tanto omeio ambiente físico natural, como a terra, a água, o clima, as plantas e os animais,quanto o meio ambiente humano, o lugar em que vivemos.Os seres humanos dependem do meio ambiente natural para sobreviver, porémpara poder estar em relação harmoniosa com o mesmo, é necessário manter oequilíbrio entre as necessidades e a exploração desnecessária.Segundo WIGGINS, Sarah (Roots 13 2009, p. 7): A interação humana com o meio ambiente freqüentemente causa um impacto negativo. Às vezes, o mau manejo de um recurso leva a outros problemas ambientais. Por exemplo, a exploração excessiva das reservas florestais aumenta o desmatamento, o que pode resultar em deslizamentos de terra, inundações e erosão do solo. Se a terra desmatada não for manejada de forma adequada, pode ocorrer uma perda da biodiversidade ou da fertilidade do solo.2. O que é Sustentabilidade Ambiental?Falar de meio ambiente não é somente dizer, precisamos criar projeto dereflorestamento, não jogar qualquer espécie de lixo nas ruas esgotos entre outroslugares.De acordo com o autor ABREU, Carlos (2008) Na prática o conceito de sustentabilidade representa promover a exploração de áreas ou o uso de recursos planetários (naturais ou não) de forma a prejudicar o menos possível o equilíbrio entre o meio ambiente e as comunidades humanas e toda a biosfera que dele dependem para existir. Pode parecer um conceito difícil de ser implementado e, em muitos casos, economicamente inviável. No entanto, não é bem assim. Mesmo nas atividades humanas altamente impactantes no meio ambiente como a
  25. 25. 25 mineração; a extração vegetal, a agricultura em larga escala; a fabricação de papel e celulose e todas as outras; a aplicação de práticas sustentáveis nesses empreendimentos; revelou-se economicamente viável e em muitos deles trouxe um fôlego financeiro extra.Quando falamos de sustentabilidade no séc.XXI, se pensa somente em projetosdesenvolvido por uma ONG (Organização não-governamental), mas não é umaverdade. Antônio de Assis Ribeiro Diretor da Escola Salesiana do Trabalho explicaem (ASSIS, Antonio A auto-sustentabilidade do terceiro setor p.4), “Asustentabilidade, partindo do horizonte biológico é a asseguração da manutençãonecessária do “ente” em vista da conservação de sua vida.” Tornando o termosustentabilidade um fator de extrema importância para preservação da existênciados seres humanos e de outros seres vivos.Segundo Sarah Wiggins (Roots 13 p.4), “Precisamos considerar como a nossaorganização pode proteger o meio ambiente nas atividades não relacionadas comprojetos que ela realiza antes de considerarmos os impactos dos nossos projetos” , énecessário conhecer as proporções de impacto ambiental gerado pelo projeto se éviável ou não.Atualmente estão surgindo novas idéias de projetos empresariais que atendam aideologia de sustentabilidade esses projetos começam a espalhar-se e a multiplicar-se por vários lugares do planeta.Algumas comunidades que antes viviam sofrendo com inúmeras doençasocasionadas por indústrias poluidoras instaladas em suas vizinhanças, hoje estãovendo gradativamente sua qualidade de vida ser restabelecida em decorrência dodesenvolvimento de projetos sustentáveis.Para que se possa garantir a sustentabilidade de um projeto de exploraçãosustentável é necessário dar garantias de que mesmo a área sendo explorada a
  26. 26. 26mesma continuará a prover recursos e bem estar econômico e social para ascomunidades que nela vivem por varias gerações.Segundo ABREU, Carlos (2008) A sustentabilidade é um ideal sistemático que se perfaz principalmente pela ação, e pela constante busca entre desenvolvimento econômico e ao mesmo tempo preservação do ecossistema. Podem-se citar medidas que estão no centro da questão da sustentabilidade ambiental: a aquisição de medidas que sejam realistas para os setores das atividades humanas.Os princípios da sustentabilidade conduzem para sobrevivência do planeta, tanto nopresente quanto para as gerações futuras, que devem estar diretamente ligados autilização de fontes renováveis.3. Desenvolvimento e a Sustentabilidade do Meio AmbienteHoje um dos maiores desafios do governo e das organizações ambientais épromover a integração entre desenvolvimento econômico e meio ambiente naturalgarantindo a sustentabilidade.Para levantar a bandeira da sustentabilidade é necessário primeiro ensinar a umapopulação leiga os princípios do que significa tal termo; ensinar que não se podeusar do meio ambiente indiscriminadamente acreditando-se que a naturezaproduzirá sempre os recursos de que se é necessário para viver bem sem jamaispedir nada em troca.Deve-se lembrar que o meio ambiente ecologicamente correto e equilibrado que édireito de todos, só existe com a integração entre o meio ambiente e uma populaçãoinformada dos danos que poderá se ocasionar com a continuação da exploração dosrecursos naturais desenfreadamente.
  27. 27. 27Segundo ABREU, Carlos (2008) Garantir a sustentabilidade do meio ambiente é garantir, antes de qualquer coisa, que a fome, a pobreza e a miséria estarão afastadas definitivamente e, com isso, terminará a dura realidade que força as pessoas a praticar a exploração predatória dos recursos disponíveis em determinadas áreas. Pois só com uma situação de vida regular, os habitantes de uma determinada região poderão tornar-se permeáveis as “novas idéias”.Respeitando a natureza e o uso sustentável dos recursos naturais, há possibilidadesde aumento na lucratividade da economia, pois com a preservação dabiodiversidade do planeta e das áreas de produção intensa que se não preservadasficarão inférteis, pode-se observar lucros em longo prazo.3.1 Conceitos e a importância da reciclagemA reciclagem consiste em reaproveitar materiais já utilizados para se tornar em outromaterial exemplo: sacos de papéis rasgados, ele é coletado por uma empresa decadernos que o reprocessa ele em um liquidificador industrial o tronando em papelmarchê o colocando em uma fórmica de prensa onde ele ficará por algumas emtemperatura de 180 graus onde ele ganhará forma, ele será resfriado e coloca-se oaro de ferro e virá um caderno de folhas recicladas.3.2 A água e sua importância para se manter a sustentabilidadeUm outro quesito que deve ser mencionado é o da conservação dos recursoshídricos ou seja, a água. Segundo Sarah Wiggins (Roots 13 p.11) “De acordo com oInstituto Internacional de Gestão da Água, no Sri Lanka, cerca de um quarto dapopulação mundial agora vive em áreas de escassez de água” , é necessário queutilize a água de nosso planeta com prudência para que as gerações não soframcom a escassez da água.Mais de 70 por cento da superfície da Terra está coberta de água, aproximadamente60% de água salgada e 10% água doce potável (sendo maior parte dela concentrano Brasil), conforme pesquisa do Instituto Internacional de Gestão da Água feita em2006 no Sri Lanka.
  28. 28. 28Outro fator que atualmente está influenciando na escassez de água são asconstantes mudanças climáticas. Como o aquecimento global que gera:derretimento das calotas polares fazendo a água do mar se aqueça e se expanda,resultando no aumento nos níveis do mar e gerando inundações a curto prazo eescassez de água a longo prazo, um perigo iminente para a existência dahumanidade.3.3 Preservações dos recursos florestais para a sustentabilidadeÉ necessário para se manter a sustentabilidade do planeta á conservação dasárvores pelo simples fato delas serem as responsáveis pela produção de oxigênio aregular o ciclo da água por agirem como uma esponja, absorvendo a chuva eliberando a água em intervalos regulares. As florestas ajudam a prevenir asinundações, a erosão e os deslizamentos de terra após as chuvas fortes. As árvorestambém oferecem e protegem habitats naturais para os animais e plantas.O desmatamento desordenado das florestas contribui para o aumento de emissãode gás carbônico na atmosfera terrestre por que ela concentra todo o gás carbônicoem si mesma, quando cortada ela libera para o meio amibiente toda estaconcentração de gás carbônico aumentando o efeito estufa.3.4 Entendendo à influência climática na sustentabilidade ambientalO clima sempre teve um papel fundamental desde os tempos mais primórdios daexistências de todos os seres vivos, mas devido ao descuido do ser humano emdestruir os recursos tem gerado um distúrbio chamado efeito estufa.Como explica Jude Collins (Roots Vol.3 p.23) A energia do sol aquece a superfície da Terra. Parte desta energia é, então, mandada de volta para o espaço. Parte dela permanece dentro da atmosfera da Terra, que é uma camada fina de gases ao redor dela. Esta capacidade da atmosfera de reter o calor do sol (conhecida como o efeito estufa) ajuda a manter a Terra numa temperatura confortável para a vida nela existente (uma média global de 15°C).Mas devido á emissão de gases poluentes que destroem a camada de ozônio comoo CFC (cloro fluor carbono) utilizado em vários tipos de aerosol como: inseticidas,desodorantes entre outros. Juntamente com gás carbônico vem destruindo acamada de ozônio assim os raios ultravioleta (os raios que causa doença como ocâncer de pele), aumentando a temperatura e assim ocasionando queimadas e até
  29. 29. 29doenças respiratórias devido ao ressecamento do ar, criando um termo chamadoimpacto ambiental.4. Como reduzir impacto ambientalCustomizando produtos (reciclagem) de materiais criando combustíveis (como olítio), não poluente é a solução para não emissão de gases na atmosfera e daconscientização das pessoas sobre a importância de uma sociedade sustentável.Como Antônio Assis Ribeiro menciona (ASSIS RIBEIRO A AUTO-SUSTENTABILIDADE DO TERCEIRO SETOR p.8) “Esta legitimidade dependeprofundamente da dinâmica de ação a consecução da justiça social [...]”.5. Educação AmbientalÉ necessária a implantação da idéia de educação ambiental desde os primeirosanos da infância, para criar desde crianças a idéia de cidadania.Para que isso ocorra o poder público tem a necessidade de orientar as entidades deeducação públicas e privadas a importância da preservação dos recursos naturais,podendo-se utilizar de aulas teóricas e praticas para o incentivo da preservação parasuas gerações e as futuras.Em união um governo, escolas e uma sociedade conscientizada, pode-se criarexpectativas para uma mudança real dos problemas ambientais mundiais que seenfrenta atualmente.6. Aplicando a Sustentabilidade em casaSurge atualmente com o intuito de alertar os habitantes do planeta Terra uma idéiade conscientização ambiental, onde cada individuo é chamado para ajudar nessapreservação, pois a vida de cada um desses habitantes está diretamente ligado apreservação desse planeta, que se não preservado terá cada vez com mais
  30. 30. 30freqüência e com maior intensidade catástrofes naturais de grande magnitudecomo : furacões, tornados, maremotos , tsunamis e secas.A sustentabilidade deve fazer parte de nossa vida no cotidiano retratando o queestamos fazendo pelo nosso espaço físico e social, sendo de grande valia termosesta iniciativa própria de investirmos na conservação ambiental através de umsimples ato de se jogar o lixo em seu devido lugar (em cestos de lixo de coletaseletiva ou não), acionando autoridades responsáveis pela coleta de lixo e resíduosnocivos ao meio ambiente, (solventes industriais entre outros produtos).Para que possa haver essa conscientização dos indivíduos é necessário implantar aidéia de Educação Ambiental, onde com pequenas atitudes ecologicamente corretaspode-se melhorar e muito o lugar onde se vive.Uma alternativa que pode ser mencionada é a dos próprios moradoresdesenvolverem seu método de sustentabilidade com coleta seletiva, reciclagem demateriais diversos como: plásticos, alumínio, papel são os tipos de materiais maiscomuns de se reciclar. Outro passo importante é a utilização de fontes de energiarenováveis, como a solar, a eólica em detrimento das provenientes de fosseis, comoo petróleo que é uma fonte não renovável.Com pequenas atitudes ambientalmente corretas pode-se dar um grande passo paraa salvação desse planeta tão degradado pelo homem.7. Sustentabilidade organizacional e ponto de vista éticoA sustentabilidade organizacional é definida pelos projetos definidos eimplementados por políticas sociais de representação ativa, ou seja, ONGs quedesenvolveram projetos que virou lei como, por exemplo, que toda estação dedistribuição de água canalizada deve colocar flúor na água tratada e será distribuidapara as residências.
  31. 31. 317.1 Éticas para que ocorra sustentabilidade organizacional na sociedadeMovimentos Populares como: comunidades locais em parceria com podem exigirdas autoridades projetos de lei, normas de conduta para se manter a limpeza,higiene de um determinado local, ou área de conservação ambiental.Respeitando os moradores à fauna e à flora local, mantendo contato com asautoridades locais entre outras alternativas plausíveis como diálogo, conferências epalestras educativas de como criar sustentabilidade ambiental.Sara Shaw explica (Roots 2 p.44), “O respeito pelo “ethos” de um povo pressupõe oreconhecimento de sua subjetividade e, portanto, a acolhida da sua capacidade deser o primeiro responsável pelo seu desenvolvimento”. Considerações finaisA escolha pelo sétimo objetivo de Desenvolvimento do Milênio proposta pela ONU(Organização das Nações Unidas), foi um grande desafio e um compromissoestabelecido por todos que desenvolveram esse trabalho, garantir a sustentabilidadeambiental.
  32. 32. 32A educação faz parte desse processo de transformação de uma realidade queenfrenta dificuldades, com a escassez dos recursos naturais, com as diferençasexistentes entre as pessoas, pela vontade de termos um futuro melhor, com umPlaneta preservado, cuidado, oferecendo condições dignas de vida para apopulação mundial.A criação da Rádio Comunitária Viver Bem e do programa In Natura uniu osconteúdos aprendidos nesse semestre no curso de Jornalismo, com a pesquisadesenvolvida sobre a sustentabilidade ambiental. Tema esse que transita pormedidas importantes como a reciclagem do lixo, a preservação do meio ambiente,com iniciativas de plantarmos mais verde, e de utilizarmos a água com o devidocuidado e responsabilidade.A população mundial demorou para perceber que através da união, ainda temoscomo atingir o objetivo acima. Os governantes dos 191 países membros dasNações Unidas tem se destacado bastante nesse processo, pois eles têm mostradoatuações firmes e com a participação de pessoas de diversos setores entre eles ocivil, o empresarial, todos querem contribuir para a manutenção da flora e faunalocal e global.Acreditamos que as ideias expostas nesse projeto como um todo, não ficarãolimitadas ao textos, as palavras. As ações já estão sendo realizadas e a nossacontribuição é essa propagar entre todas que preservar faz bem. ReferênciasMilare, Édis. Direito do Ambiente. 3ªed. São Paulo: Editora revista dos tribunais,2004 .59p.LIMA, Beatriz. In: Natureba – Educação Ambiental. Reciclagem de lixo: ExercíciodeCidadania. 2007. Disponível em: <http://www.guiarh.com.br/pp117.html>. Acessoem 02 de agosto de 2008.BIDONE, Francisco Ricardo Andrade. Metodologias e Técnicas de Minimização,Reciclagem e Reutilização de Resíduos Sólidos Urbanos. Rio de Janeiro: ABES -Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, 1999.

×