Trauma Crânio Encefálico e Raqui Medular

40,549 views
40,251 views

Published on

Published in: Health & Medicine

Trauma Crânio Encefálico e Raqui Medular

  1. 1. Trauma crânio-encefálico O traumatismo crânio encefálico (TCE) é definido como uma agressão ao cérebro causada por ação física externa, que pode produzir alteração no nível de consciência e resultar em comprometimento das habilidades cognitivas, físicas e comportamentais. O tratamento do TCE baseia-se, inicialmente, no entendimento do mecanismo da lesão traumática. CIRURGIA GERAL
  2. 2. Trauma crânio-encefálico A lesão cerebral é o principal determinante da sobrevida e do resultado funcional na maioria dos casos de traumatismo fechado. Dois princípios norteiam os cuidados iniciais do paciente com lesões cranianas graves: - avaliação imediata e repetida da gravidade da lesão. - proteção do cérebro contra lesão adicional. CIRURGIA GERAL
  3. 3. Trauma crânio-encefálico Classificação A. De acordo com a causa: D. De acordo com os efeitos funcionais ou - Queda. estruturais sobre o cérebro: - Acidente automobilístico. - Focais: - Hematoma extradural. - Agressão. - Hematoma subdural. B. De acordo com o mecanismo: - Hemorragia intracerebral. - Penetrantes. - Contusão cerebral. - Não penetrantes. - Difusas: - Concussão leve. C. De acordo com a morfologia: - Concussão clássica. - Fraturas. - Lesão axonal difusa. - Lesões intracranianas. E. De acordo com gravidade: baseada na pontuação da escala de Glasgow: - Leve: entre 13 e 15. - Moderado: entre 9 e 12. - Grave: abaixo de 9. CIRURGIA GERAL
  4. 4. Trauma crânio-encefálico – controle inicial - Especial atenção às vias aéreas, manutenção de pressão arterial e volemia. - Cuidado com lesão de coluna cervical (até 10%). - Nível de consciência (CGS). - Função pupilar. - Fraqueza lateralizada das extremidades. CIRURGIA GERAL
  5. 5. Trauma crânio-encefálico – controle inicial Definição de lesão grave: - Glasgow < 9. - Queda de, ao menos, 3 pontos na escala de Glasgow. - Anisocoria. - Debilidade lateralizada. - Fraturas de crânio com afundamento. - Lesões com exposição encefálica. CIRURGIA GERAL
  6. 6. Trauma crânio-encefálico – controle inicial Proteção contra insulto adicional: - Controle de sangramento. - Controle da ventilação (obtenção de vias aéreas, pneumotórax, etc.) - Oferta de O2. - Ressuscitação volêmica (cuidado com edema cerebral!). CIRURGIA GERAL
  7. 7. Trauma crânio-encefálico – cuidados definitivos Diagnóstico preciso – TC de crânio – sempre realizada tão logo possível. Pacientes com lesão de massa devem ser encaminhados à cirurgia. Lesões difusas seguem para tratamento clínico. Todos os casos devem, preferencialmente, ter PIC monitorada. Métodos para manter a PIC: - Hiperventilação moderada (pCO2 de 30 a 35 mmHg). - Diuréticos. - Manitol à 20%. - Barbitúricos (?). - Corticóides (?). - Hipotermia (?). CIRURGIA GERAL
  8. 8. Trauma raqui-medular O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto de alterações, temporárias ou permanentes, nas funções motora, sensitiva ou autonômica, conseqüentes à ação de agentes físicos sobre a coluna vertebral e os elementos do sistema nervoso nela contidos. O acometimento da coluna cervical acontece em 2/3 dos pacientes com TRM e freqüentemente apresentam lesões simultâneas, como trauma torácico, abdominal e lesões vasculares do sistema vértebro-carotídeo. CIRURGIA GERAL
  9. 9. Trauma raqui-medular Apesar do baixo índice de incidência representa importante taxa de morbidade e altos custos de tratamento. Principais causas são acidentes de trânsito, quedas, prática esportiva e ferimentos por arma de fogo. Até 1/3 das lesões não são identificadas na emergência. Causas de diagnóstico tardio: - Lesões cranianas. - Lesões múltiplas. - Intoxicação. Atenção com queixa de dor nas costas ou pescoço, debilidade, parestesia, paresia ou perda de controle de esfíncteres. CIRURGIA GERAL
  10. 10. Trauma raqui-medular – cuidados iniciais Estabilização da coluna (prancha, colar e estabilizadores laterais). Atenção ao mecanismo de trauma. Palpação de processos espinhosos. Toque retal. Prednisolona (pode ser utilizada até 8 h após o trauma – pref. até 3h): - 30mg/kg em 15 min. - 5,4mg/kg após 45 min., nas próximas 23h. - Contra – indicado em lesão aberta, risco de vida iminente, < 14 anos, gestantes. CIRURGIA GERAL
  11. 11. Trauma raqui-medular – tratamento de lesões específicas Redução imediata de qualquer deslocamento ou deformidade que comprometa o canal medular, realizada por tração externa ou cirurgia. CIRURGIA GERAL
  12. 12. Muito Obrigado! CIRURGIA GERAL

×