Your SlideShare is downloading. ×
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Língua  portuguesa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Língua portuguesa

1,295

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,295
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
18
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PORTUGUÊS Durante a leitura, é preciso que sejam LÍNGUA PORTUGUESA explicitadas as pistas e os procedimentos utilizados pelos diferentes leitores (os alunos) que possibilitaram determinadas compreensões. Para COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE tanto, é importante que sejam feitas questões ao TEXTOS longo da leitura para propiciar inferências e antecipações, assim como a verificação das mesmas a partir de pistas lingüísticas. Por LEITURA E COMPREENSÃO DE TEXTOS exemplo:INTRODUÇÃO: Você acha que a Chapeuzinho Vermelho irá seguir o caminho da floresta ou o caminho do rio? Interpretar significa comentar, explicar algo.Podemos dizer que interpretar um texto é dar a ele Por quê?um valor simbólico, uma explicação. Você acha que o lobo irá conseguir realizar o Por exemplo, um fato ocorre em uma via seu intento? Por quê?pública, várias pessoas são testemunhas dessefato, contudo, cada pessoa dará a ele um valor, Por que esse fato - o da proibição dauma prioridade distinta, pois cada um traz uma utilização das rocas em todo o reino (em “A Belahistória pessoal e será essa história que permeará Adormecida”) - foi mencionado agora, logo noas análises, os símbolos de cada interpretação. começo da história? Então... como interpretar textos em prova, se Será que o príncipe irá encontrar a princesa?cada pessoa possui seu modo específico de ver os Por quê? O que faz você pensar assim?fatos? No que se refere ao produto do processo de A resposta não é simples. Não obstante, o valor leitura e compreensão do texto, as questões devemsubjetivo do texto possui uma estrutura interna estimular os alunos a realizarem inferências ebásica e independente de quem o lerá. Essa reconstrução de informações de trechos do texto eestrutura textual garante uma interpretação não apenas a localização de informações. Porprimordial que trabalha o texto e que o vê como exemplo:um objeto a ser analisado em seu interior, objetiva-mente. Quais fadas estiveram no bati- zado/nascimento da Bela Adormecida? Para efeito didático, vamos dizer que hábasicamente três tipos de estruturas de texto, que De que animal o caçador retirou o coraçãoirão se mesclar, conforme o estilo, intenção, etc., para enganar a rainha (em “Branca de Neve”)?do autor. Vamos chamá-las de MACRO-ESTRUTURAS: NARRAÇÃO, DESCRIÇÃO e Inferência: que sentido faz descobrir que aDISSERTAÇÃO, que irão se organizar a partir de princesa identifica um grão de ervilha colocadoelementos característicos de cada uma. A seguir, embaixo dos colchões (em “A Princesa e airemos estudar as MACRO-ESTRUTURAS e seus Ervilha”)?elementos característicos. Reconstrução de informações: por que o lobo IDENTIFICAÇÃO DO ASSUNTO conseguiu chegar à casa da vovó antes de Chapeuzinho? A partir da leitura do título do texto e daarticulação dessa informação com outras como por Esses tipos de questões e estratégias de leituraexemplo, autoria, fonte e características do gênero, podem levar à compreensão efetiva do texto.é importante solicitar aos alunos que hajainformações prévias do que o leitor irá encontrar ESTRUTURAÇÃO DE TEXTOSno texto. Por exemplo: Considerando que o título do texto é “A MACRO-ESTRUTURASPrincesa e as Ervilhas”, que tipo de assunto vocêacha que o texto abordará? a) NARRAÇÃO: Você acha que será uma história, uma Identificamos um texto narrativo quando ele senotícia, um poema...? propõe a contar algo, seja real ou fictício. Qualquer história, qualquer assunto contado será uma Sabendo que quem o escreveu foi o mesmo narração. Podemos exemplificar o texto narrativoautor de “Chapeuzinho Vermelho”, você mantém como o conto, romance, novela.suas respostas anteriores ou as modifica? Por quê? b) DESCRIÇÃO: E sabendo que ela foi publicada em um livrocujo título é “Um Tesouro de Contos de Fadas”, que Identificamos um texto descritivo quando elehipóteses levantadas até agora você mantém? caracteriza, detalha, “fotografa” um objeto, uma 5
  • 2. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSpessoa, um sentimento, etc. Geralmente, a A caracterização das personagens está relacionadadescrição acompanha a Narração e a Dissertação. à expectativa que o autor tem de seu tema, ou seja, conforme a intenção do autor, ele irá criarc) DISSERTAÇÃO: personagens que reiteram ou não sua intenção. Personagens podem ser pessoas, animais, objetos,Identificamos um texto dissertativo quando ele sentimentos, etc. As personagens PRINCIPAISpropõe uma idéia, quando defende uma opinião, atuam no encaminhamento do enredo central daquando traz argumentos sobre algum tipo de tese. história. Quando as personagens são boas,Podemos exemplificar o texto dissertativo como o chamamos de PROTAGONISTAS; quando agem naensaio, crônica, crítica. esfera do mal, ANTAGONISTAS. Num texto, devemos identificar quais ou qual a NARRAÇÃO personagem principal, a seguir caracterizá-la como antagonista ou protagonista e em alguns casos, Noite na Taverna – Álvares de Azevedo identificar as duas coisas. As personagens secundárias atuam num segundo plano, podem ser apenas mencionadas ou aparecerem apenas num (...) Godofredo Walsh era um desses velhos determinado instante do texto, sempre atuam nosublimes, em cujas cabeças as cãs semelham o intuito de reforçar as personagens principais.diadema prateado do gênio. Velho já, casara em Personagens SECUNDÁRIAS também podem sersegundas núpcias com uma beleza de vinte anos. objetos, forças da natureza, etc.Era pintor: diziam uns que este casamento fora umamor artístico por aquela beleza romana, como que 4) O COMO SE DEU O ENREDOfeita ao molde das belezas antigas - outros criam-no compaixão pela pobre moça que vivia de servir É modo pelo qual as personagens alcançaram osde modelo. O fato é que ele a queria como filha - objetivos. É nesse ponto que devemos ter bastantecomo Laura, a filha única de seu primeiro atenção, porque será nesse momento que o autorcasamento - Laura, corada como uma rosa, e loira dará as pistas, fará o suspense, apresentará álibis.como um anjo. Podemos dizer que esse é o “meio” do texto, pois Eu era nesse tempo moço era aprendiz de daí sairão as definições das personagens, as pistaspintura em case de Godofredo. Eu era lindo então! para o leitor.Que trinta anos lá vão! Que ainda os cabelos e asfaces me não haviam desbotado como nesses 5) O ESPAÇO FÍSICO, O LOCALlongos quarenta e dois anos de vida! Eu era aqueletipo de mancebo ainda puro do ressumbrar infantil, Pode ser descrito em detalhes, ou simplesmente serpensativo e melancólico como o Rafael se retratou mencionado com algumas características. Há casosno quadro da galeria Barberini. Eu tinha quase a em que o espaço da ação é dentro dasidade da mulher do mestre. Nauza tinha vinte - e personagens: o corpo físico ou as emoções. Oeu tinha dezoito anos. espaço físico também pode ser omitido em funçãoAmei-a, mas meu amor era puro como meus de um clima pretendido, seja mistério, suspense,sonhos de dezoito anos. Nauza também me amava: drama, etc.era um sentir tão puro! Era uma emoção solitária eperfumosa como as primaveras cheias de flores e 6) O TEMPO DA AÇÃO, QUANDO OCORREU O FATOde brisas que nos embalavam aos céus da Itália... DO TEXTO(...) Pode ser tratado de duas formas: cronologicamente Dissemos que narrar é contar, relatar fatos. ou psicologicamente.Nesse relato ocorre com a presença de No tempo cronológico, há indicação de quandodeterminados elementos, que poderão aparecer ou ocorrem as ações do texto, isto é, através de datas,não na ordem abaixo exposta: horários, dias, indicações climáticas, estações do ano, enfim, tudo que fizer referência ao tempo que1) O NARRADOR passa / passou / passará é uma marcação do tempo cronológico.É aquele que nos conta o fato, a história. Onarrador pode contar a história a partir de suas No tempo psicológico, o narrador (aquele que nosposições, que chamamos de PONTO DE VISTA. conta o fato) não organiza as ações dentro de uma seqüência temporal. Isto significa que ele, o2) O FATO, A AÇÃO, O ENREDO narrador, pode relembrar os fatos sem ordená-los na ordem do acontecimento, pois não há interesseDefine o que aconteceu, o que ocorreu; Trata-se de em precisar o tempo correto da história, e a açãoum conjunto de fatos em as ações e se encadeiam, seguirá o registro dos fatos sem a preocupação deque as personagens se envolvem num determinado uma ordem temporal.tempo e lugar. Então, num texto, precisamosidentificar o que está ocorrendo e em que as 7) O PORQUÊ DOS FATOS, O MOTIVO DAS AÇÕESpersonagens se envolvem para definirmos seuenredo. Podemos dizer que nesse momento do texto o leitor terá parte do texto compreendido, isto porque será3) AS PERSONAGENS o momento da explanação do porquê das atitudes 6
  • 3. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSdas personagens e aí, então, compreende-se suas entrever o retrato psicológico da mesma,opções ou pelo bem ou pelo mal. Por exemplo, o caracterizando suas idiossincrasias. Basta lembrarantagonista tornou-se “ruim” devido a uma Quincas Borba, em “Memórias Póstumas de Bráscarência na infância, ou um trauma, etc. Alguns Cubas”, de Machado de Assis.textos não trazem esse porquê devidamenteexplanado, vai depender exclusivamente da Quanto à descrição técnica, aqui sim, háintenção do autor, de seu estilo característico. grande preocupação com a exatidão dos detalhes e precisão vocabular. É uma descrição objetiva. O DESCRIÇÃO autor descreve o ser tal qual ele se apresenta na realidade. Há predomínio da denotação. Iracema, a virgem dos lábios de mel, quetinha os cabelos mais negros que a asa da graúna e Qualquer manual de instruções de aparelhosmais longos que seu talhe de palmeira. O favo da ou mecanismos é uma descrição técnica.jati não era doce como seu sorriso; nem a baunilha Poderíamos também citar outros exemplos, como:recendia no bosque como seu hálito perfumado. descrição de um mineral, descrição anatômica deMais rápida que a ema selvagem, a morena virgem um corpo, etc.corria o sertão e as matas do Ipu onde campeavasua guerreira tribo da grande nação tabajara, o pé 3) CARACTERIZAÇÃO FORMALgrácil e nu, mal roçando alisava apenas a verdepelúcia que vestia a terra com as primeiras águas. Com relação ao aspecto formal da descrição, devem-se evitar os verbos e, se isso não for (Iracema – José de Alencar) possível, que se usem então as formas nominais, o presente e o pretérito imperfeito do indicativo, dando-se sempre preferência aos verbos que 1) CONCEITUAÇÃO indiquem estado ou fenômeno. A descrição, ao contrário da narrativa, não Todavia, deve predominar o emprego dossupõe ação. É uma estrutura pictórica, os aspectos adjetivos e advérbios, que conferem colorido aosensoriais predominam. texto. Toda técnica descritiva implica umacontemplação e uma apreensão de algo objetivo ou 4) ESQUEMA DA DESCRIÇÃOsubjetivo, o redator, ao descrever, precisa possuirum certo grau de sensibilidade. Real? Assim como o pintor capta o mundo exterior O que se descreve?ou interior em suas telas, o autor de uma descriçãofocaliza cenas ou imagens, conforme o permita sua Imaginário?sensibilidade. Objetivamente? 2) TIPOS Como se descreve? A descrição, conforme o objetivo que se Subjetivamente?propõe, pode ser literária ou técnica. Na primeira, não deve haver preocupação 5) EXEMPLO DE TEXTO DESCRITIVO (autorquanto à exatidão da imagem descrita, porque a consagrado)finalidade é transmitir a impressão sensorial que acoisa vista causa no autor. A Casa Materna Isso não implica preocupação com detalhes.O que importa é que o conjunto, ao deixar Vinícius de Moraessobressair os traços principais, seja enfatizado. Há, desde a entrada, um sentimento de É importante a seleção desses traços, para tempo na casa materna. As grades do portão têmque o trabalho mais precioso não dê a impressão uma velha ferrugem e o trinco se oculta num lugarde uma fotografia, mas, sim, seja a imagem do que só a mão filial conhece. O jardim pequenoobjeto (como o autor vê e sente esse objeto). parece mais verde e úmido que os demais, com suas palmas, tinhorões e samambaias que a mão Na descrição literária, predomina o aspecto filial, fiel a um gesto de infância, desfolha ao longosubjetivo. O autor transfigura o ser de acordo com da haste.suas vivências psicossensoriais. Aqui predomina aconotação. É sempre quieta a casa materna, mesmo aos domingos, quando as mãos filiais se pousam sobre Com relação à descrição de tipos, pode-se a mesa farta do almoço, repetindo uma antigadescrevê-los física ou psicologicamente. A imagem. Há um tradicional silêncio em suas salas eprimeira será uma descrição em que predomina a um dorido repouso em suas poltronas. O assoalhoobjetividade; na segunda, porém, predominará a encerado, sobre o qual ainda escorrega o fantasmasubjetividade. da cachorrinha preta, guarda as mesmas manchas e o mesmo taco solto de outras primaveras. As Às vezes, o autor, através da caricatura coisas vivem como em prece, nos mesmos lugaresintencional dos traços físicos da personagem, deixa onde as situaram as mãos maternas quando eram 7
  • 4. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSmoças e lisas. Rostos irmãos se olham dos porta- é uma marca de humanidade, podemos dizerretratos, a se amarem e compreenderem que somos apenas humanos ao desejá-lo.mudamente. O piano fechado, com uma longa tirade flanela sobre as teclas, repete ainda passadas Patrícia Aragão – Professora de Línguavalsas, de quando as mãos maternas careciam Portuguesasonhar. Um texto dissertativo não nos conta uma A casa materna é o espelho de outras, em história, não nos descreve um lugar; um textopequenas coisas que o olhar filial admira ao tempo dissertativo apresenta-nos uma idéia a serem que tudo era belo: o licoreiro magro, a bandeja defendida, argumentada através de exemplos,triste, o absurdo bibelô. E tem um corredor à estatísticas, etc. O texto dissertativo é formado deescuta de cujo teto à noite pende uma luz morta, três partes: Introdução, Desenvolvimento ecom negras aberturas para quartos cheios de Conclusão.sombras. Na estante, lei, inclusive, seu gêneroliterário. Com ele, aprendi a cantar e a viver: John - INTRODUÇÃOWinston Lennon. Deverá apresentar o assunto chave do texto. DISSERTAÇÃO Normalmente, vem expresso em um parágrafo, mas pode acontecer de possuir mais de um.O Donjuanismo na poesia de Florbela Espanca - DESENVOLVIMENTO O donjuanismo pode ser visto por ângulos É a parte mais importante da dissertação. Será nela distintos. O primeiro se caracteriza através da que o autor apresentará os exemplos, as conquista pela conquista, pela satisfação dos justificativas, o aspecto positivo e negativo do instintos, em que o Outro não possui valor assunto em questão. algum, sendo considerado apenas como um corpo sem alma, uma forma de chegar ao - CONCLUSÃO prazer. Don Juan, em “El Burlador de Sevilla” (2002), Aqui o leitor terá acesso à opinião formalizada do de Tirso de Molina, diz que é um homem sem autor; formalizada porque a mesma já foi sendo nome (MOLINA, 167), ou seja, um homem, um desenvolvida no corpo de todo o texto até chegar à sexo, que seduz e engana o Outro com conclusão. promessa de amor eterno e união. A promessa de casamento é, para ele, uma forma de iludir OBSERVE O SEGUINTE ESQUEMA: a sua vítima, que será apenas um meio de Qual é o tema? Qual é o saciar seu desejo de infinito, revigorando sua INTRODUÇÃO problema? energia para uma nova conquista e, ao mesmo Exemplos tempo, reforçando a auto-estima do Narciso Estatísticas que o habita. Fatos Concretos Por outro lado, o donjuanismo pode representar Aspectos positivos e negativos uma marca de humanidade quando o que DESENVOLVIMENTO Argumentações acontece é a procura pelo amor, sentimento Comparações demasiado profundo que ninguém sabe Pessoas envolvidas na mesma explicar... É algo supremo que se desperta no idéia interior do ser humano, sem hora para chegar, Há solução? nem data para partir. Simplesmente entra e CONCLUSÃO Qual a solução? invade o coração dos seres sem avisar O Com esse esquema, a identificação das partes para donjuanismo de Florbela Espanca é sinônimo de a análise será bem mais fácil. Às vezes, o texto não busca com o propósito de encontro, embora possuirá todos esses elementos, mas haverá isto não ocorra durante a sua vida – “Talvez sempre a presença de alguns mais significativos. seja a alma, a alma doente / D´alguém que quis amar e nunca amou!” (Alma perdida, UM CERTO CAPITÃO RODRIGO 1919) . A Bela poetisa, em versos, expressou que (Érico Veríssimo) deseja amar, amar perdidamente. “Este, Toda a gente tinha achado estranha Aquele, o Outro e toda a gente” refletem a camaneira como o Capitão Rodrigo Cambará sua busca interminável. Não foi possível com entrara na vida de Santa fé. Um dia, chegou a Este, mas talvez será com Aquele e Bela cavalo, vindo ninguém sabia de onde, com chapéu percorre os caminhos com a esperança de de barbicacho puxado para a nuca, a bela cabeça encontrar o Prince Charmant, uma de macho altivamente erguida e aquele seu olhar característica comum aos seres humanos. de gavião que irritava e ao mesmo tempo fascinava Assim somos, buscamos a felicidade ao lado as pessoas. Devia andar lá pelo meio da casa dos deste e, se não encontramos, partimos trinta, montava um alazão e vestia calças de acreditando que iremos encontrá-la ao lado riscado, botas com chilenas de prata e o busto daquele. Seríamos todos “Don Juans” ao musculoso apertado num dólmã militar azul, com desejarmos o Outro? Considerando que a busca gola vermelha e botões de metal. Tinha um violão a tiracolo; sua espada rebrilhava ao sol daquela tarde 8
  • 5. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSde outubro de 1828 e o lenço encarnado que trazia Nesse tipo de interpretação, devemos escolher ano pescoço esvoaçava no ar como uma bandeira. alternativa cuja idéia está de acordo com o texto,Apeou na frente da venda do Nicolau, amarrou o eliminando as que contenham dados contrários,alazão no tronco dum cinamomo e entrou alheios ou exagerados em relação ao texto.arrastando as esporas, batendo na coxa com orebenque e foi logo gritando com ar de velho Parece muito difícil generalizar entre nós o uso doconhecido: cheque. Brasileiro gosta mesmo é de receber aquele Santos Dumont de chapéu e ar angélico, - Buenas e me espalho! Nos pequenos dou de deslumbrado de tantos zeros em sua célula de dezprancha, nos grandes dou de talho! mil ou um melancólico Floriano, a garantir, atrás do bigode mongólico, a autenticidade de seus cem Havia por ali uns dois ou três homens que o cruzeiros.miraram de soslaio, sem dizer palavra. Mas dum Negócio de ver o freguês rabiscar uma ordemcanto da sala ergueu-se um moço moreno, que dirigida a um banco não apetece a ninguém.O talãopuxou a faca, olhou para Rodrigo e exclamou: pode ser furtado. O signatário pode não ser o - Pois dê! próprio nem residir onde alega. A conta bancária pode estar gélida. A assinatura pode não conferir Os outros homens afastaram-se como para com os registros do banco. Enfim, uma porção dedeixar a arena livre, e Nicolau, atrás do balcão, possibilidades indesejáveis se antepõem entre ocomeçou a gritar: papelucho e a ambiciosa "moeda corrente - Aqui dentro, não! Lá fora! Lá fora! nacional". Rodrigo, porém, sorria imóvel, de pernas Questão: Segundo o texto,brasileiro não gosta deabertas, rebenque pendente do pulso, mãos na receber cheque, porque:cintura, olhando para o outro com um ar que era,ao mesmo tempo, de desafio e simpatia. a) normalmente o cheque não tem fundo. b) o dinheiro vale mais do que o cheque. - Incomodou-se, amigo? – perguntou, jovial, c) somente o dinheiro em "moeda correnteexaminando o rapaz de alto a baixo. nacional" inspira confiança. d) o talão de cheques é normalmente falso. - Não sou de briga, mas não costumo e) em geral, a assinatura do cheque não confereagüentar desaforo. com o registro bancário. - Ooi, bicho bom! Resposta: C; porque é a única que está de acordo Os olhos de Rodrigo tinham uma expressão com o texto.cômica. c) Texto cuja interpretação é baseada em - Essa sai ou não sai? - perguntou alguém síntese:do lado de fora, vendo que Rodrigo não Nesse tipo de texto, o trabalho consiste em reduzir-desembainhava a adaga. O recém-chegado voltou a lo a uma idéia (a idéia básica). Devemos, paracabeça e respondeu calmo: tanto, escolher a opção que encerra essa idéia: - Não sei. Estou cansado de pelejar. Não O Japão, elevado à condição de terceira potênciaquero puxar arma pelo menos um mês. Voltou-se mundial, conserva ainda muito de sua milenarpara o homem moreno e, num tom sério e cultura, embora haja o influxo de outrasconciliador, disse: - guarde a arma, amigo. civilizações, especialmente a norte-americana. O outro, entretanto, continuou de cenhofechado e faca em punho. Era um tipo indiático, de Questão: Segundo o texto:grossas sobrancelhas negras e zigomas salientes. a) A cultura japonesa sofre a interferência de - Vamos, companheiro – insistiu Rodrigo. – outras civilizações.Um homem não briga debalde. Eu não quis ofender b) Como terceira potência mundial, o Japão ainda éninguém. Foi só um jeito de falar. tradicional. c) O tradicionalismo japonês é uma realidade, Depois de alguma relutância, o outro guardou embora seja uma grande potência.a arma, meio desajeitado, e Rodrigo estendeu-lhe a d) A elevação do Japão à condição de terceiramão, dizendo: potência mundial não alterou sua cultura. - Aperte os ossos. e) Como terceira potência mundial, o Japão conserva suas tradições, mesmo sofrendo influência TEMA CENTRAL E ORGANIZAÇÃO de outras culturas. TEXTUAL: RELAÇÃO ENTRE IDÉIAS E PARÁGRAFOS Resposta: E, porque é esta que respeita a íntegra do texto. PRINCIPAIS E SECUNDÁRIAS: ORIENTAÇÃO: Com a finalidade de auxiliar o raciocínio de quem deve responder a questões de compreensão de textos, observe o seguinte: 9
  • 6. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS1) Atenha-se exclusivamente ao texto. empreender a leitura. exemplo: um sinal de2) Proceda através de eliminação de hipóteses. interrogação face aos pontos obscuros do3) Compare o sentido das palavras: às vezes, uma parágrafo; outro exemplo: um retângulo parapalavra decide a melhor alternativa. colocar em destaque para as palavras chave.4) Tente encontrar o tópico frasal, ou seja, a frase 4. reconstruir o texto a partir das palavrasque melhor sintetiza o texto. sublinhadas em cada parágrafo além da pintura analítica serve de base para a elaboração doPara tanto, guarde as palavras: resumo ou síntese do livro convém lembrar, que o resumo não é uma redução de idéias apreendidas1) INVERSÃO: as informações contidas nas nos parágrafos mas é fundamentalmente a síntesealternativas contradizem o texto. das idéias do pensamento do autor.2) FALTA: quando na alternativa faltaminformações essenciais. Exercícios resolvidos:3) EXCESSO: quando na alternativa se encontraminformações estranhas ao texto. Interpretação Textual e Gramática (PUCO BICHO 2003): Um Bebê na UniversidadeManuel Bandeira 01 Depois do bebê de proveta, os cientistas1. Vi ontem um bicho conseguirão,2. na imundície do pátio 02 um dia, abreviar o tempo de gestação para3. catando comida entre os detritos. trinta dias? Por4. Quando achava alguma, 03 mais incômoda que _____ ser a gravidez, as5. não examinava nem cheirava: mães, em geral,6. engolia com voracidade. 04 conformam-se com este indispensável prazo7. O bicho não era um cão, biológico, e não8. não era um gato, 05 há notícias _____ tentado, de alguma forma,9. não era um rato. apressar o ciclo10. O bicho, meu Deus!, era um homem. 06 de desenvolvimento do embrião. O mesmo fazem os IDÉIA CENTRAL 07 agricultores: esperam, pacientemente, que a E INTENÇÃO COMUNICATIVA semente 08 germine e a planta cresça com seu próprio ritmo 1- de que fala o texto? (o agricultor, 09 necessariamente, tem que aprender a ter 2- como está problematizado? paciência, 10 esperança e previsão). Quando o crescimento 3- qual o fio condutor da explanação? biológico 11 perde seu ritmo natural, transforma-se em 4- que tipo de raciocínio ele segue na “câncer”,argumentação? 12 deformando o projeto contido no código genético. Todavia, é necessário lembrar que a 13 Com o ser humano, de maneira estranha, logoidéia central defendida pelo autor só pode tomar que acorpo associada a outras que são chamadas de 14 criança nasce, inicia-se violenta pressão parasecundárias em relação à primeira. que supere 15 rapidamente suas etapas de crescimento. Mas como trabalha esta fase de leitura? 16 Quem trabalha com crianças pequenas, em escolas A partir de unidades bem 17 maternais e em jardins de infância, conhece adeterminadas (parágrafos), tendo sempre à frente “corrida aoo tema problema que a, é o fio condutor de todo 18 pau-de-sebo”. Enquanto a criança não aprendeutexto. neste trabalho de análise o texto é a ler, ossubdividido refazendo toda a linha de raciocínio do 19 pais toleram que a escola experimente os maisautor. para deixar as claras a idéia central no texto diversosé fundamental a técnica de sublinhar. 20 métodos e que siga as teorias mais modernas. Mas quando DICAS 21 chega a idade tradicional de alfabetização, os pais perguntam 1. nunca sublinhar na primeira leitura. 22 se tudo aquilo não é apenas brincadeira e 2. só sublinhar as idéias principais e os diversão. Épormenores significativos 23 que a alfabetização é o primeiro know-how 3. elaborar um código a fim de restabelecer contabilizável,os sinais que identifiquem o seu modo pessoal de 24 isto é, com valor econômico, numa sociedade 10
  • 7. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊScompetitiva. B) A interrogação (linhas 01 e 02) assinala25 Daí para a frente, o problema é fazer a criança previamente ao leitor o caráter opinativo do texto,entrar na levando o a refletir sobre o tema.26 corrida curricular, transpor rapidamente o C) O autor do texto argumenta por analogia, que éprimeiro grau, um raciocínio a partir da comparação, da27 entrar no segundo grau e, finalmente, o mais semelhança: o que vale para x provavelmentecedo possível, valerá para y, visto que são semelhantes.28 enfrentar o vestibular.Transposta essa barreira,cessa a angústia: D) Na apresentação de seus pontos de vista, o29 o garoto está equipado para a luta pela vida. autor mostra-se imparcial e comedido, embora oNinguém assunto que discute seja polêmico.30 pergunta se se obedeceu aos ritmos de E) O autor, na introdução e desenvolvimento doamadurecimento, se texto, conduz o leitor a concordar com a idéia que31 a escola realmente deu oportunidade à defende em seu final: a universidade é umestruturação mental, processo de reflexão só acessível a pessoas32 se a criança foi feliz durante esse período de maduras.crescimento.33 A entrada na quinta série, por exemplo, exige o Comentário: A alternativa correta é a letra “D”amadurecimento porque faz uma afirmação contrária à idéia do34 das estruturas lógico-abstratas, sem o que toda texto, isto é, defendendo seu ponto de vista, o35 aprendizagem se transforma em mera autor não é parcial. Trata-se de uma questão dejustaposição, que logo leitura e de identificação da intenção do autor.36 é eliminada por falta de estruturas deassimilação. O ingresso 03. A IDÉIA CENTRAL do texto é:37 na universidade só deveria ser feito depois de,digamos, A) A instrução obtida no ensino é um capital38 21 anos, quando o jovem tivesse plena altamente rentável com que os indivíduos disputammaturidade para manipular “um lugar ao sol”.39 a complexidade dos processos científicos. O B) A vida moderna caracteriza-se pelaresultado competividade entre os indivíduos, embora40 é uma chusma de doutorezinhos imaturos e ninguém saiba explicar para onde todos vão nestasemiIetrados, corrida.41 sem o mínimo poder de reflexão, com a cabeça C) Os seres humanos tentam retardar a infância echeia acelerar a velhice, mas não conseguirão alterar o42 de coisas decoradas. Mas os pais estão felizes tempo determinado pelo desenvolvimento biológico.de Ihes terem D) A angústia dos pais é a responsável pela pressão43 fornecido o diploma, espécie de tacape com que a que as crianças são submetidas, o que gera aenfrentarão infelicidade dos jovens.44 os adversários na “luta por um lugar ao sol”. O E) Há um tempo próprio para cada etapa de45 resultado é semelhante ao que se obtém desenvolvimento dos seres: violar esse ritmoamadurecendo frutas implica distúrbios.46 à força, por processos artificiais... E para onde Comentário: A resposta correta é a letra “E”, quevão todos sintetiza a idéia desenvolvida pelo autor, ou seja, a47 nessa corrida? Perde-se o sentido de viver a de que há um preço para a violação das etapas devida em troca desenvolvimento dos seres. É uma questão de48 de subir rápido no “pau-de-sebo”. interpretação textual.Lauro de Oliveira Lima. Temas piagetanos. Rio: Ao 04. Entre o primeiro e segundo parágrafos doLivro Técnico,1984 (adaptado) texto, existe uma articulação sintática de01. As palavras que completam corretamente A) oposição.as lacunas do texto são: B) adição. C) conseqüência.A) possa / de que tenham D) explicação.B) pudesse / que tenham E) alternância.C) poderia / que tivessemD) pode / de que tenha-se Comentário: é uma questão de coesão textual. AE) pode / que tenham resposta está na letra “A”, pois o segundo parágrafo é oposto ao que foi apresentada noComentário: a questão envolve conjugação verbal e primeiro.emprego de preposições. A alternativa correta é aletra “A”. 05. INSTRUÇÃO: Para responder à questão 5,02. Todas as afirmativas estão corretas, com numerar os parênteses relacionando asEXCEÇÃO DE circunstâncias da direita às orações da esquerda, de acordo com o papel que estasA) O título do texto é uma hipérbole, empregada desempenham na estrutura em que secomo estratégia para despertar a curiosidade do encontram no texto.leitor. 11
  • 8. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS( ) “Por mais (...) ser a gravidez” Comentário: A resposta correta é a “D”. Trata-se de 1. tempo(linhas 02 e 03) uma questão de vocabulário, que envolve uso( ) “o garoto está equipado para denotativo e figurado. 2. conclusãoa luta pela vida.” (linha 29) INSTRUÇÃO - Responder às questões 8 a 14( ) “logo que a criança nasce” 3. explicação conforme a orientação e o código seguintes:(linhas 13 e 14) * 8 e 9 com base no texto 2( ) “Transposta essa barreira” 4. condição * 10, 11 e 12 com base no texto 3(linha 28) * 13 com base apenas no código 5. oposição * 14 com base no texto 4 Código:A numeração correta dos parênteses, de cima parabaixo, é: A) apenas a I está correta.A) 5 – 3 – 1 – 1 B) apenas a I e a II estão corretas.B) 5 – 2 – 4 – 4 C) apenas a I e a III estão corretas.C) 3 – 3 – 2 – 1 D) apenas a II e a III estão corretas.D) 4 – 3 – 5 – 3 E) a I, a II e a III estão corretas.E) 3 – 1 – 1 – 2 (...) É chegada a hora de se contestar o impérioComentário: A resposta correta encontra-se na das cruzinhas, responsáveis pela perda de muitasletra “A”. As idéias expressas pelas orações indicam propostas pedagógicas. No sistema de cruzinhas, ooposição, explicação e tempo. aluno não faz uso de seu raciocínio, apenas opta por uma das respostas, nascidas de outro cérebro06. Em relação a mudanças no texto, é correto (o do professor) e, assim, não elabora os conceitos,afirmar que é possível frutos de seu próprio aprendizado. Não se diga, por isso, que os cursinhos são a causa da “dor deA) substituir a forma verbal “fazem” (linha 06) por cabeça” __________ passa o ensino: apenas lhe“tem feito” sem alterar o sentido e a correção da fornece a “aspirina”. (...) Por tudo isso, nos parecefrase. menos importante preocupar-se com os cursinhos e muito mais apoiar as iniciativas para salvar oB) colocar acento indicativo de crase em “a idade” ensino de primeiro e segundo graus, nos quais(linha 21), com conseqüente alteração no sentido residem as mazelas que tanto __________da frase. preocupando a sociedade brasileira.C) deslocar “rapidamente” (linha 15) para depois Milton Menegotto, professor da Faculdade dede “inicia-se” (linha 14), sem alteração no sentido Biociências da PUCRS.da frase. Zero Hora, janeiro de 1995 (fragmento de texto)D) subtrair a palavra “digamos” (linha 37) semalterar o sentido da frase. 08.E) substituir a palavra “onde” (linha 46) por I. A primeira lacuna do texto deve ser completada“aonde” sem prejuízo para a correção da frase. com “por que”.Comentário: A resposta certa é a alternativa “B” e II. A palavra “mazelas” significa “doenças”;trata-se de uma questão de crase, envolvendo, ”aflições”.também, conhecimento de sintaxe. Sem acento III. A segunda lacuna do texto deve ser completadaindicativo de crase, a expressão “a idade” tem com “vêm”.função de sujeito; com acento, contudo, a mesma é Comentário: todas afirmações estão corretas,um adjunto adverbial. portanto a resposta é “E”. É uma questão de grafia07. A afirmativa INCORRETA é dos “porquês”, vocabulário e concordância verbal.A) O sentido denotativo de “pau-de-sebo” (linha 09.18) é: pau comprido e untado com sebo, tendo no I. Pode-se inferir do texto que o “império dastopo prêmios para quem consiga alcançá-los. cruzinhas” baliza a forma de ensino nas escolas.B) A palavra “pau-de-sebo” está empregada, na II. O autor do texto toma partido dos “cursinhos”.linha 48, em sentido figurado. III. Segundo o autor, o ensino nos “cursinhos” éC) A palavra “know-how” (linha 23) é um muito melhor que o ensino nas escolas.anglicismo incorporado ao vocabulário do Comentário: A alternativa correta é a letra “B”. Éportuguês, e significa conhecimento. uma questão de interpretação e inferência. AD) A palavra “chusma” (linha 40) significa “reduzido terceira afirmação contradiz a idéia centralnúmero”. esboçada no primeiro parágrafo.E) A expressão “luta por um lugar ao sol” (linha 44)é um lugar-comum, que realça a competividade daspessoas. 01 Quando o listão é divulgado, chega ao clímax um 02 processo que tem mil implicações. Há luta, há 12
  • 9. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSesperança, 10. As palavras que completam corretamente03 há choro e pode até haver ranger de dentes, as lacunas do texto, na ordem em que separa encontram, são04 satisfação dos ortodontistas (que por sua vez I. às / as / atambém05 tiveram de passar pelo transe do listão). E aí II. a / a / àvem a cena: III. às / às / à06 os olhos percorrem numa rapidez vertiginosa a Comentário: A alternativa encontra-se na letra “D”.seqüência Trata-se de uma questão de crase. As duas07 dos nomes, procurando identificar aquelas letras primeiras lacunas podem ser completadas de duascom formas: “às explicações” e “às lamentações” ou “a08 as quais nos familiarizamos desde a infância; explicações” e “a lamentações”, sem uso de artigo.nesse09 momento, nada mais somos do que isso, do queum 11.10 nome. I. A palavra “transe” (linha 05) significa “momento11 Que está ou não está. Se está, é alegria, e a crítico”, “situação angustiosa”.alegria12 se basta por si mesma. Se não está, contudo, há II. A repetição do verbo “haver” (linhas 02 e 03) ede do verbo “exigir” (linhas 28 a 31) deveria ter sido13 início um choque, uma dolorosa surpresa. Que evitada, pois se trata de um vício de linguagem queno instante empobrece o texto.14 seguinte dá lugar _______ explicações, III. A expressão “a gente” (linha 34) é_______, característica da língua falada.15 lamentações, mas, sobretudo, _______ Comentário: é outra questão de vocabulário e deamargura. construções paralelas. A resposta certa é a C. A16 (...) afirmação II está errada porque a repetição dos17 Mas o vestibular não é o juízo final. O vestibular verbos “haver” e “exigir” é um recurso utilizadonão para reforçar a argumentação do texto.18 é nem mesmo a vida, embora desempenhe nelaum19 papel muito importante. O vestibular avalia 12. As sugestões corretas de reescrita paraconhecimentos, partes do texto são:20 que representam um dos componentes da I. “nesse momento, nada mais somos do que isto,profissão, do que um nome. Que está ou não está.” (linhas 0821 mas não o único. Falta o resto. a 11) - “nesse momento, nada mais somos do que22 O resto cabe numa listinha. Ser feliz. Gostar dos isto: um nome, que está ou não está.”outros. II. “O resto cabe numa listinha. Ser feliz. Gostar23 Ter amigos. Ser solidário. Ser justo. É claro que dos outros. Ter amigos. Ser solidário. Ser justo.”24 esta listinha não está afixada em lugar algum. (linhas 22 e 23) - “O resto cabe numa listinha: serCada um feliz, gostar dos outros, ter amigos, ser solidário,25 tem de descobri-la por si mesmo. Mais: cada um ser justo.”tem de III. “É claro que esta listinha não está afixada em26 colocar seu nome nela. Não é a mesma coisa lugar algum. Cada um tem de descobri-la por sique entrar mesmo.” (linhas 23 a 25) - É claro, que esta listinha não está afixada em lugar algum; cada um27 na lista ou no listão. É um processo que demora tem de descobri-la por si mesmo.”28 tempo. Exige não só conhecimento, masautoconhecimento. Comentário: A resposta certa é a “B”. A questão é29 Exige que saibamos responder às nossas sobre pontuação. A terceira alternativa estáquestões incorreta porque a vírgula após “É claro” separa a30 interiores, que não são apenas de múltipla oração subjetiva introduzida pelo “que” de seuescolha, predicado.31 mas são de muito difícil escolha. Exige um 13. Comparando-se a frasegabarito, (a) Até jovens universitários abandonam o Brasil,32 que não nos é fornecido pelo rádio após a prova, muitas vezes submetendo-se a trabalho braçal emmas cidades como Nova Iorque, Roma, Tóquio, Londres,33 tem de ser descoberto por nós. etc. Folha de São Paulo, 20/07/91.34 Mas vale a pena. Quando a gente está dentro, com a fraseestá35 dentro. (b) Jovens universitários abandonam o Brasil muitas vezes submetendo-se a trabalho braçal em Moacyr Scliar Zero Hora, janeiro,1995 (fragmento cidades como Nova Iorque, Roma, Tóquio, Londres, de texto) etc. 13
  • 10. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSé correto afirmar que “Saia da frente da TV” ou, simplesmente dizer, em outras palavras (“indiretamente”), “Você não é deI. a supressão da vírgula após “Brasil” torna a frase vidro...”(b) ambígua. Assim sendo, o uso de alusões, insinuações,II. a frase (a) evidencia que a desesperança no ironias, ambigüidades, dentre outras, são recursosBrasil é realmente abrangente: inclui setores da comuns na linguagem cotidiana.elite da sociedade. Freqüentemente, o conflito entre o que o usuárioIII. a supressão da palavra “até”, presente na frase “quis dizer” e o conteúdo dito “literalmente” é fruto(a), altera o sentido da frase (b). de uma intenção deliberada. No entanto, há casos nos quais ocorre umComentário: A reposta correta é a “E”, pois todas “deslize”, por parte do usuário, decorrente de umaas afirmativas estão corretas. A questão envolve atitude não-intencional.interpretação textual, ambigüidade e uso de nexos. Observação: O conteúdo de significação contextualA suspensão da vírgula torna a frase ambígua, isto de palavras e expressões está inserido na apostilaé, não deixa claro a que verbo se refere a na parte dos processos sintáticos.expressão “muitas vezes”.14. A redação está de acordo com a norma COERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL culta escrita em:A) Prezado vestibulando: é preciso estar ciente Para definirmos de maneira específica, podemos que lhe espera uma dura batalha e que para dizer que a coesão é uma forma de recuperar, em sair vencedor dependerá exclusivamente de seu uma sentença B, um termo presente na sentença A. esforço. Sê bem vindo! Mas coesão não é somente um processo de olhar constantemente para trás. É também o de olharB) Prezado vestibulando, é preciso estar ciente de para adiante. Um termo pode esclarecer-se na frase que o espera uma dura batalha e de que a seguinte. Se minha frase inicial for Pedro tinha um vitória dependerá exclusivamente de seu grande sonho, estou criando um movimento para esforço. Seja bem-vindo! adiante. Só vamos saber do que se trata naC) Prezado vestibulando! É preciso estar ciente próxima frase: ele queria ser veterinário. O que o espera uma dura batalha. Para sair importante é cada enunciado estabelecer relações vencedor, dependerá exclusivamente de teu estreitas com os outros, a fim de tornar sólida a esforço. Sê bem vindo! estrutura do texto.D) Prezado vestibulando: é preciso estar ciente de que te espera uma dura batalha e de que a Clareza vitória, dependerá exclusivamente de seu esforço. Seja bem vindo! É a transmissão compreensível de uma mensagem. Há falta de clareza nas frases seguintes:E) Prezado vestibulando! É preciso estar ciente de - Os visitantes não podem falar com os prisioneiros que te espera uma dura batalha e que a vitória até que eles tenham sido cuidadosamente dependerá exclusivamente de teu esforço. Seja revistados. bem-vindo!Comentário: A alternativa correta é a “B” e a O exemplo acima é ambíguo, porque o pronomequestão envolve Regência e Imperativo. As outras pessoal eles tanto pode referir-se a visitantes,apresentam os seguintes erros gramaticais: quanto a prisioneiros. Regência Verbal – quem é ciente é ciente de Forma adequada: algo. - Os visitantes não podem falar com os prisioneiros Pronome Oblíquo – “lhe” é representante do até que aqueles tenham sido cuidadosamente objeto indireto: o verbo esperar é transitivo revistados. direto, portanto o objeto deveria ser o direto, Concisão isto é , “o”. Imperativo É o emprego do mínimo de palavras, expressões ou frases, para obter o máximo de comunicação.Hífen - Bem-vindo. Falta concisão às seguintes frases: INFORMAÇÕES LITERAIS - Um vendaval catastrófico destruiu a cidade. E INFERÊNCIAS Para que dizer um vendaval catastrófico, se vendaval já traz implícita a idéia de catástrofe?Nem sempre quando se utiliza a linguagem, oentendimento entre os interlocutores é bastante - Os grevistas refutaram o aumento proposto pelosimples. governo. Enquanto o líder da situação fazia naAo contrário, na maioria das vezes em que um Câmara os prolegômenos de novos índices, osenunciado é proferido, seu sentido literal e o trabalhadores faziam do lado de fora o maior auê,sentido que ele adquire no contexto não coincidem. achando que o governo não estava com nada.Dessa forma, se uma mãe deseja que sua filha saiada frente da TV porque está atrapalha a visão São variados os textos para interpretação. A fim dedaquela, pode expressar sua vontade com a frase podermos trabalhar dentro dos limites necessários 14
  • 11. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSaos objetivos que nos propusermos, vamos redação, tem de envolver-se profundamente comenumerar três tipos de textos a interpretar. os textos produzidos por seus alunos, devendo perceber claramente que o autor de um textoTextos que utilizam sinônimos (ou começa a escrever sem muita maturidade naantônimos): escrita, mas, com o tempo, melhora na produção e aperfeiçoa seu estilo de composição.É muito comum aparecerem questões envolvendo oconhecimento de sinônimos e, às vezes, de Redação é um espaço para o alunoantônimos. demonstrar sua competência de produção literária, colocando em seu texto sua opinião, seu ponto deVejamos um exemplo: Não há crime onde não vista, suas idéias e conclusões a respeito de umhouve aquiescência. tema ou assunto apresentado como desafio , pois, a partir da escrita do aluno, pode-se conhecê-loIndicar, entre as alternativas, a que poderia melhor, perceber suas dúvidas, seus anseios, suassubstituir a palavra grifada, sem alteração do necessidades, sua visão de mundo, seussentido da frase: objetivos.... No texto redacional predomina a linguagema) arrependimento escrita que exige grande esforço do pensamento nab) conhecimento escolha das palavras, idéias e colocação destas nasc) consentimento frases, orações e períodos até que seja formado umd) intenção texto que seja lido, entendido e compreendido pore) premeditação um leitor, para isso o texto deve revestir-se de emoção , a fim de que o leitor tenha prazer de ler eResposta: C goste daquilo que está lendo.LEMBRETE: É importante observar que há Ajuda muito fazer leituras de textos,possibilidade de uma palavra adquirir um sentido promover debates e seminários sobre temasrestrito ao contexto. Neste caso, no sentido sociais, psicológicos, culturais, etc... antes dedefinido pelo texto, temos o significado atual. produzirmos um novo texto. A leitura e o debate ajudam muito na obtenção de informações quePor exemplo: Todos haveremos de morrer um dia. facilitarão o desenvolvimento do senso crítico doMorrer = finar-se, falecer, dizer adeus ao mundo, autor/produtor.acabar, terminar, etc.Já no texto: Ele morre de amores pela filha do Na técnica de produção de um textovizinho, o significado de morrer adquire o sentido redacional tem papel fundamental a leitura e ade “gostar muito de.” interpretação de texto sobre temas variados. É nessa atividade de leitura que se assimilam osVejamos num texto: mecanismos gramaticais básicos, os recursos expressivos corretos que a língua nos oferece,Amara caminha para o piano. Seus dedos magros formando e ampliando o vocabulário e tomando-sebatem de leve nas teclas. Duas notas tímidas e consciência das variações semânticas das palavrasdesamparadas: mi, sol... Mas a mão tomba em suas diferentes implicações (= sentidodesanimada. O olhar morto passeia em torno, vê as denotativo x sentido conotativo de palavras eimagens familiares: a cama desfeita, os livros da expressões de nossa língua). Bom leitor é aquelenoite, empilhados sobre o mármore da cabeceira... que lê fazendo observações, analisando e aprofundando-se nas idéias apresentadas peloA palavra morto, em "O olhar morto passeia..., autor do texto, compreendendo e construindosignifica: mentalmente sua síntese ou seu resumo.a) falecido SIGNIFICADO DE PALAVRAS Eb) matado EXPRESSÕES NOS CONTEXTOSc) perdidod) finadoe) acabado O estudo da significação das palavras de uma língua é denominado semântica.A resposta é a letra C. Toda saudade PONTO DE VISTA DO AUTOR Toda saudade é a presença da ausência de alguém, de algum lugar, de algo enfim. Sobre o ponto de vista do autor temos ainda: Súbito o não toma forma de sim Não há escrita sem leitura, sem reflexão, como se a escuridão se pusesse a luzir.sem a adoção de um ponto de vista, sem um Da própria ausência de luzdesejo por parte de quem escreve, de manifestar- o clarão se produz,se a respeito de um determinado tema ou assunto. o sol na solidão. Toda saudade é um capuz transparente A pessoa que corrige, lê e analisa uma que veda e ao mesmo tempo traz a visão 15
  • 12. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS do que não se pode ver A palavra “independente” para definir porque se deixou pra trás oração coordenada está baseada somente na mas que se guardou no coração. estrutura sintática. As orações coordenadas possuem dependência semântica, portanto há uma (GIL, Gilberto. In: O eterno Deus Mudança. autonomia sintática, mas não semântica. Enquanto LP WEA 670.8059. 1989. Faixa 5, lado 2.) isso, as orações subordinadas dependem sintática e semanticamente de uma oração principal. A Semântica envolve os seguintes aspectos: • Família de idéias • Paronímia Orações Coordenadas Aditivas: • Antonímia • Homonímia Ela estuda e trabalha. • Sinonímia • Polissemia Ele estuda, e ela trabalha. Família de idéias: são palavras que possuem uma relação de sinonímia, apresentando um Orações Coordenadas Conclusivas: mesmo significado. Ex.: casa, lar, moradia. Ela estudou muito para o vestibular, portanto conseguiu a aprovação. Ele estudou muito para o concurso; conseguiu, Sinonímia: ocorre quando duas ou mais portanto, a aprovação. palavras têm o mesmo sentido, ou sentidos semelhantes. Ex.: chato – desagradável. Orações Coordenadas Adversativas: Ela estudou muito, no entanto não conseguiu a Antonímia: ocorre quando duas ou mais aprovação. palavras possuem significados opostos. Ex.: Ele estudou muito; não conseguiu, no entanto, belo – feio. a aprovação. Homonímia: são palavras que possuem Orações Coordenadas Explicativas: significados diferentes, mas têm a mesma Choveu, porque a calçada está molhada. estrutura fonológica. Ex.: O gosto de chocolate. Obs: se a frase estiver no imperativo, é // Eu gosto de chocolate; cela, sela; sessão, explicativa - Feche a janela porque faz frio. cessão, seção. Orações Coordenadas Alternativas: Paronímia: ocorre quando duas ou mais Ora a criança chorava, ora sorria. palavras têm significados diferentes, mas são ☺ Ora... ora... / Ou... ou... (partícula expletiva parecidas ao serem pronunciadas. Ex.: ou de realce). cavaleiro // cavalheiro; cumprimento // comprimento. Exercícios: Polissemia: trata-se do fato de que as palavras 1. (MAGISTÉRIO/DF) Apenas um dos períodos podem ter vários significados. Ex.: Ele visa a abaixo é composto por coordenação. Assinale- um alto posto há anos. // Ela deixou o carro o. estacionado ao lado do posto. // Irei ao cinema, a) “Minha terra tem palmeira onde canta o sabiá.” posto que (embora) possa chover. (A. Gonçalves Dias) b) “Já se vê quem, muito vai do saber aparente ao SUBSTITUIÇÃO DE PALAVRAS saber real.” (Rui Barbosa) E DE EXPRESSÕES NO TEXTO c) “A morte é para qualquer momento, não se pode estar de pijama.” (Guimarães Rosa)Chegam a se constituir em substituição de d) “Carmélia bailava à sombra de árvores quepalavras, em inversão na ordem de frases. refulgiam ao sol.” (Cyro dos Anjos)Naturalmente o objetivo das substituições é o de e) “Todos os pais aconselham, se bem que nemmelhorar o texto, o que se efetiva com a busca de todos possam jurar pelo valor de seus conselhos.”uma palavra que capte melhor o sentido da (Rui Barbosa)palavra, com a eliminação de artigos que tornem otexto metricamente mais cerrado, e assim por 2. (TCU) Aponte a alternativa em que ocorradiante. oração coordenada sindética conclusiva. a) Todos estavam presentes. porém ninguém SINTAXE prestou atenção. b) Saiu cedo, no entanto não chegou na hora combinada. RELAÇÕES DE COORDENAÇÃO E c) Estes exercícios são mais fáceis. portanto SUBORDINAÇÃO resolva-os agora. d) Vá embora; que logo começará a chover. Período composto por COORDENAÇÃO: é o c) Não só compareceram, mas também ajudaram. período composto por duas ou mais orações independentes entre si, que podem ser 3. (AMAN) Por definição, oração coordenada assindéticas ou sindéticas, isto é, ligadas por que seja desprovida de conectivo é um conectivo. São classificadas de acordo com denominada assindética. a conjunção que as introduzem. Observando os períodos seguintes: I - Não caía um galho, não balançava uma folha. 16
  • 13. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSII - O filho chegou, a filha saiu, mas a mãe nem É importante lembrar que o significado danotou. oração explicativa não é o mesmo da restritiva. PorIII - O fiscal deu o sinal, os candidatos entregaram exemplo: em “Os rapazes, que são altos, saíram”,a prova. Acabara o exame. significa que TODOS os rapazes são altos. Por outro lado, em “Os rapazes que são altos saíram”Nota-se que existe coordenação assindética em: apenas os rapazes altos saíram.a) I apenas. Orações Subordinadas Substantivas:a) II apenas. exercem função substantiva (sujeito, OD, OI,b) III apenas. CN, predicativo, aposto) e são introduzidasa) I, II e III. pelas conjunções integrantes “que” e “se”.b) em nenhum deles. Podem ser:4. (FlSCAL-MG) Por definição, “oração • Orações Subordinadas Substantivascoordenada que se prende à anterior por Subjetivas – funcionam como sujeito daconectivo é denominada sindética e é oração principal.classificada pelo nome da conjunção que a Ex.: Parece que você é feliz. (Que é queencabeça”. Assinale a alternativa em que parece? que você é feliz - sujeito)aparece uma coordenada sindética explicativa,conforme a definição: • Orações Subordinadas Substantivasa) A casaca dele estava remendada, mas estava Objetivas Diretas – exercem a função delimpa. objeto direto (OD) da oração principal.b) Ambos se amavam, contudo não se falavam. Ex.: Quero que você seja feliz. (O que EUc) Todo mundo trabalhando: ou varrendo o chão ou quero? que você seja feliz - OD)lavando as vidraças.d) Chora, que lágrimas lavam a dor. • Orações Subordinadas Substantivase) O time ora atacava, ora defendia e no placar Objetivas Indiretas – desempenham o papelaparecia o resultado favorável. de objeto indireto (OI) da oração principal. Ex.: Lembre-se de que você é feliz.5. (TST) Em relação ao trecho: “Durante o • Orações Subordinadas Substantivasenterro, abraçou-se ao caixão, aflita; levaram- Completivas Nominais.na para dentro”, é correto afirmar: Ex.: Tenho a certeza de que você será feliz.a) há uma oração subordinada adverbial.b) a primeira oração é coordenada assindética. A oração completiva nominal pedec) uma das orações é reduzida de infinitivo. complemento assim como a objetiva indireta.d) trata-se de um período composto por No entanto, a primeira completa um nomecoordenação e subordinação. (vontade de, certeza de, favorável a, desejoe) há apenas uma oração coordenada sindética. de, necessidade de) que pode ser um substantivo abstrato, um advérbio ou umGabarito adjetivo, enquanto a segunda é o complemento do verbo (necessito de, assisto a, etc.). 1C 2C 3D 4D 5B • Orações Subordinadas Substantivas Período composto por SUBORDINAÇÃO: Predicativas – geralmente apresentam um apresenta orações dependentes entre si. A verbo de ligação (VL) que indica estado e oração regente é chamada principal e não caracteriza o sujeito (oração principal). apresenta conectivo; oração regida é a Ex.: Minha vontade é que você seja feliz. subordinada e apresenta conectivo. (sujeito simples: minha vontade; verbo ser = VL) Obs.: O período que tem orações coordenadase subordinadas chama-se período misto. Todo VL possui predicativo do sujeito, mas nem todo o predicativo pede VL. Orações Subordinadas Adjetivas: equivalem a um adjetivo, cuja função é de adjunto • Orações Subordinadas Substantivas adnominal do termo que elas modificam. São Apositivas – apresentam um aposto. iniciadas por pronome relativo. Ex.: Quero somente isto: que você seja feliz. Podem ser: (sujeito oculto: eu; objeto direto: somente isto) • Orações Subordinadas Adjetivas Explicativas - explicam o termo anterior, amplo e genérico. Estas orações vêm sempre entre Exercícios comentados: vírgulas. Ex.: Brasília, que é capital do Brasil, foi fundada em 1960. 1. Classifique as orações subordinadas • Orações Subordinadas Adjetivas Restritivas substantivas de acordo com o exemplo: - restringem o sentido do termo que elas modificam. a) Convém que fiques alegre. Ex.: O livro que eu li é velho. 1. Localizar o verbo. 17
  • 14. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS 2. Localizar o sujeito. O que convém? Que 3. Classificar a oração: oração subordinada fiques alegre (sujeito). substantiva objetiva direta, pois 3. Classificar a oração: oração subordinada desempenha a função de OD da oração substantiva subjetiva. principal = O que eu espero? Que fiques alegre (OD).b) Espero que fiques alegre. 1. c) Necessito de que fiques alegre................................................................... 1. Verbo = necessitar. 2. 2. Sujeito: Quem necessita? Sujeito oculto EU......................................................................... 3. Classificar a oração: oração subordinada substantiva objetiva indireta, pois desempenha a 3. função de OI da oração principal = DE que eu........................................................................ necessito? De que fiques alegre (OI).c) Necessito de que fiques alegre. d) Tenho necessidade de que fiques alegre. 1. 1.Verbo = ter......................................................................... 2.Sujeito: Quem é que tem? Sujeito oculto EU. 3. Classificar a oração: oração subordinada 2. substantiva completiva nominal, pois há um........................................................................ nome (NECESSIDADE – substantivo abstrato) antecedendo a preposição DE. 3. 4......................................................................... * Cuidado para não confundir objeto indireto com complemento nominald) Tenho necessidade de que fiques alegre. 1. e) Desejo apenas isto: que fiques alegre......................................................................... 1. Verbo = desejar. 3. Sujeito: Quem é que deseja? Sujeito oculto 2. Eu. - O que? Apenas isto – objeto direto......................................................................... 2. Classificar a oração: oração subordinada substantiva apositiva porque desempenha a 3. função de aposto..................................................................................................................... f) Meu desejo é que fiques alegre. 1. Verbo = ser verbo de ligação (VL)e) Desejo apenas isto: que fiques alegre. 2. Sujeito: O que é? Sujeito simples: meu desejo 1. 3. Classificar a oração: oração subordinada........................................................................ substantiva predicativa porque desempenha a função predicativo do sujeito. 2......................................................................... Orações Subordinadas Substantivas 3. Adverbiais: funcionam como adjunto adverbial........................................................................ da oração principal. Podem ser:f) Meu desejo é que fiques alegre. 1. • Causais - identificam a causa do que se........................................................................ declara na oração principal. Ex.: Irei ao teatro porque gosto do autor da 2. peça......................................................................... Atenção: A oração causal é parecida com a 3. explicativa, mas não é igual. Uma forma de........................................................................ identificá-la é substituir “porque” por “como” na inversão da frase - Irei ao teatro porque gosto doRespostas: autor da peça = Como gosto do autor da peça, irei ao teatro.a) Convém que fiques alegre. 1. Localizar o verbo. • Comparativas - representam o segundo 2. Localizar o sujeito. O que convém? Que termo de uma comparação. fiques alegre (sujeito – oração principal). Ex.: A vida vai se apagando como a chama 3. Classificar a oração: oração subordinada de uma vela. substantiva subjetiva, pois exerce a função de sujeito da oração principal. • Concessivas - demonstram um fato contrário ao da oração principal.b) Espero que fiques alegre. Ex.: Mesmo que chova, iremos à praia. 1. Verbo = esperar. 2. Sujeito. Quem espera? Sujeito oculto EU. 18
  • 15. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS • Condicionais - exprimem uma condição para Concessivas embora, ainda que, mesmo que, se que ocorra o que está sendo expresso na bem que, posto que, conquanto, oração principal. apesar de que Ex.: O resultado será satisfatório se você Condicionais se, caso, sem que, se não, a não ficar atento. ser que, contanto que Conformativas Conforme, consoante, como, • Conformativas - exprimem a conformidade segundo de um pensamento com o outro. Consecutivas de modo que, de maneira que, Ex.: Cada um colhe conforme semeia. tão...que, tal...que, tamanho...que, tanto...que • Consecutivas - indicam a conseqüência do Finais para que, a fim de que, de modo que se fala na oração principal. que, de maneira que Ex.: A liberdade é tão querida, que todos a Proporcionais à proporção que, à medida que, ao desejam. passo que Temporais quando, enquanto, assim que, logo • Proporcionais - exprimem um fato que, sempre que, depois que, simultâneo ao da oração principal. Ex.: À desde que medida que estudas, mais aprendes. Integrantes que, se (quando introduzem orações subordinadas substantivas) • Finais - indicam a finalidade do que se afirma na oração principal. Observações importantes: Ex.: Saí rapidamente a fim de que ele entrasse. ♦ POIS • Temporais - exprimem o tempo em que - Conclusivo: posposto ao verbo, isolado por ocorre o fato expresso na oração principal. vírgulas. Ex.: Quando a gente conhece alguém, Ex.: Estudei muito para o vestibular, consegui, conhece-lhe o rosto e não o coração. pois (portanto) a aprovação. Orações reduzidas: apresentam o verbo em - Explicativo: anteposto ao verbo quando a uma das formas nominais (infinitivo, gerúndio, oração for imperativa (ordem) ou houver particípio). alguma hipótese. Ex: Não acredito em você, pois já mentiua) orações reduzidas de gerúndio - geralmente muitas vezes. serão adverbiais. Ex.: Estando cansados, dormiram. - Causal: anteposto ao verbo, completando uma oração que tem sentido de conseqüência.b) orações reduzidas de particípio - serão sempre Ex.: Choveu, pois a calçada está molhada. adverbiais ou adjetivas. Ex.: Preocupada com o temporal, esqueci o ♦ COMOpacote na loja. - Causalc) orações reduzidas de infinitivo - serão sempre Ex.: Como gosto de dançar, sairei à noite com adverbiais ou substantivas. meus amigos. Ex.: Ao sair, feche a porta. - Comparativo Conjunções Coordenativas Ex: Ele é inteligente como uma porta.Aditivas e, nem, não só, mas também, não somente - Conformativo: une duas orações com verbosAdversativas mas, porém, todavia, contudo, distintos. Pode ser substituído por conforme. entretanto, não obstante Ex.: Ele fez o trabalho como o professor pediu.Alternativas ou...ou, ora...ora, já...já, quer...quer, seja...seja Exercícios:Conclusivas logo, pois (posposto ao verbo), por 1. (MACK-SP) Assinale a alternativa em que a tanto, por isso, por conseguinte, palavra como assume valor de conjunção assim subordinativa conformativa.Explicativas porque, pois (anteposto ao verbo), a) Como ele mesmo afirmou, viveu sempre que tropeçando nos embrulhos da vida. b) Como não tivesse condições necessárias para Conjunções Subordinativas competir, participou, com muita insegurança, dasCausais porque, que, visto que, já que, uma atividades esportivas. vez que, pois, porque, porquanto, c) As frustrações caminham rápidas como as como tempestades das matas devastadoras.Comparativas como, mais... (do) que, menos... d) Indaguei-te apreensiva como papai tinha (do) que, tão... como, tanto... assumido aquela contínua postura de quanto, assim como, como se contemplação. 19
  • 16. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSe) Como as leis eram taxativas naquele vilarejo, b) subjetivatodos os moradores tentavam um meio de c) completiva nominalobediência às normas. d) apositiva d) adverbial final.2. (GDF-SEA-IDR) Nas frases abaixo, cadaespaço pontilhado corresponde a uma 7. (TCE.MG) Assinale a opção em que hajaconjunção retirada. uma oração completiva nominal:1. “Porém já cinco sóis eram passados..............dali a) Certamente não suspeita de que umnos partíramos...” desconhecido o vê.2. ..........estivesse doente, faltei à escola. b) Ninguém desconfiou de que o plano pudesse3. ..........haja maus nem, por isso devemos fracassar.descrer dos bons. c) Chego à conclusão de que o contrato só4. Pedro será aprovado...........estude. beneficiou os ingleses.5. ..........chova eu sairei de casa. d) Ninguém duvidou de que a propaganda mentiu. e) Karl Marx acreditava em que a barbárie era aAs conjunções retiradas são, respectivamente: ausência do socialismo.a) quando, ainda que, sempre que, desde que,como. 8. (TRF-SP) Em todos os períodos abaixo, háb) que, como, embora. desde que, ainda que. orações reduzidas. Aponte, dentre elas, ac) como, que, porque, ainda que, desde que. subordinada adverbial final.d) que, ainda que, embora, como, logo que. a) O menino fingia ouvir seus conselhos.e) que, quando, embora, desde que, já que. b) Pressentindo o mau tempo, não viajamos. c) Estuda para passar no concurso.3. (MACK-SP) Embora todas as conjunções d) Perdeu o trem por estar atrasadosejam aditivas, uma das orações abaixo e) Encontrou um peregrino rezando fervoroso.apresenta idéia adversativa.a) Não achou os documentos nem as fotocópias. 9. (NCE- UFRJ) “Podem acusar-me: estou comb) Queria estar atento à palestra e o sono chegou. a consciência tranqüila.” Os dois-pontos (:) doc) Não só aprecio a medicina como também a período poderiam ser substituídos por vírgula,odontologia. exp1icitando-se o nexo entre as duas oraçõesd) Escutei o réu e lhe dei razão. pela conjunção:e) Não só escutei o réu, mas também lhe dei razão. a) portanto b) e4. (CORREGEDORIA-TJ-BA) Sabendo que a c) comooração subordinada substantiva apositiva d) poisexerce a função de aposto e que este é “um e) emboratermo de natureza substantiva que se refere aum outro, também de natureza substantiva”, 10. (TRT -ES) No seguinte período: “Choveumarque a alternativa que apresenta uma durante a noite, porque as ruas estãooração apositiva. molhadas”, a oração destacada é:a) Disse-me: vá embora. a) subordinada adverbial consecutiva;b) Cometeu dois erros, aliás, três. b) coordenada sindética explicativa;c) Havia apenas um meio de ajudá-la: contar-lhe a c) subordinada adverbial causal;verdade, d) coordenada sindética conclusiva;d) “Como Sofia falasse das bonitas rosas que e) subordinada adverbial concessiva.possuía, Rubião pediu para ir vê-las: era doido porflores.” 11. (EMESCAM-ES) Assinale a alternativa quee) Não preciso de ajuda: sei arrumar-me sozinho. expressa a idéia correta da segunda oração, considerando a conjunção que a introduz. A5. (TRT-AM) Todas as orações destacadas nos torcida incentivou os jogadores; esses,itens abaixo são reduzidas. Assinale a opção contudo, não conseguiram vencer.cuja oração destacada se classifica como a) proporção d) oposiçãosubordinada reduzida do particípio adverbial b) conclusão e) concessãocondicional: c) explicaçãoa) “Feita a partilha, o Leão tomou a palavra.”b) “Armado com tais provas, até que eu o 12. (POLÍCIA CIVIL-PE) Na frase: “Maria doenfrentaria.” Carmo tinha a certeza de que estava para serc) “A tropa, acampada às margens do Iguaçu, foi mãe”, a oração destacada é:surpreendida.” a) subordinada substantiva objetiva indiretad) “Ernestina estava certa de ser amiga. d) coordenada sindética conclusivae) “Transposto o rio, seguimos viagem. b) subordinada substantiva completiva nominal e) coordenada sindética explicativa6. (FGV -RJ) Assinale a alternativa que c) subordinada substantiva predicativacorresponde à classificação da oraçãodestacada: “O orador encareceu a necessidade 13. (ASSEMBLÉIA-MG) Em todas asde sermos amantes da paz”. alternativas há uma oração subordinadaa) objetiva indireta substantiva subjetiva, exceto em: 20
  • 17. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSa) Urge que tomemos uma atitude a) coordenada sindética adversativa;d) É preciso que você nos apoie b) coordenada sindética explicativa;b) Parece que o tempo voa c) coordenada sindética conclusiva;e) Importa apenas que sejamos felizes. d) coordenada sindética aditiva;c) O ideal seria que todos participassem e) coordenada assindética adversativa.14. (CEF) Em: “O moço ficou tão emocionado 20. (MAGISTÉRIO-MG) Assinale a alternativaque chorou”, a oração subordinada é uma que contém uma coordenativa conclusiva:adverbial a) Sérgio foi bom filho; logo será bom pai.a) comparativa d) causal b) Os meninos ora brigavam, ora brincavam.b) proporcional e) temporal c) Jaime trabalha depressa, contudo produz pouco.c) consecutiva d) Os cães mordem, não por maldade, mas por precisarem viver.15. Aponte a alternativa em que ocorra oração e) Adão comeu a maçã, e nossos dentes até hojecoordenada sindética adversativa. doem.a) Ou você resolve o exercício, ou fica sem nota.b) Ele não resolveu o exercício, logo ficou sem Gabaritonota. 01A 02B 03B 04C 05B 06B 07C 08C 09D 10Bc) Resolva o exercício, porque você ficará sem nota. 11D 12B 12C 14C 15E 16A 17C 18C 19A 20Ad) Ele preferia ficar sem nota a resolver o exercício.e) Ele ficou sem nota, mas não resolveu o REGÊNCIA VERBALexercício.16. (TFC) A única alternativa correta a 1. VERBOS QUE MUDAM DE SIGNIFICADO AOrespeito do período: “Imagina que para MUDAR DE REGÊNCIA:agradar-lhes é preciso ter qualidades acimado vulgar” é que ele: VERBO OBJETO OBJETOa) apresenta quatro orações; TRANSITIVO DIRETO – VTD INDIRETOb) apresenta três orações; DIRETO (VTD) – VTIc) apresenta duas orações; OU (peded) é composto por coordenação e subordinação; TRANSITIVO preposição)e) é composto por orações que se caracterizam por INDIRETOnão possuir sujeito determinado. (VTI) AGRADAR * Mimar, fazer * Satisfazer,17. (CESESP-PE) Chamando de: carinho. serI - o período composto por coordenação sindética; Ex.: A noiva agradável.II - o período composto por coordenação agrada o Ex.: Oassindética. namorado. professor nãoAssinalar a alternativa correta: Agradou aosa) Colhemos frutos, jogamos bola. (I) alunos.b) Bem depressa chegou o trem; despedimo-nos ASPIRAR * Sugar, sorver. * Almejar, sem demora. (I) Ex.: A servente desejar,c) Os dois anos de serviço acabaram em 1855, o aspirou o pó do pretender. escravo ficou livre, mas continuou o ofício. (I) carpete. Ex.:d) Dormi tarde, mas acordei cedo. (II) * Cheirar. Ex.: A Aspiramos ae) Fui bem em Física, mas não acertei nada de menina aspirou um bom Química. (II) o ar do campo. emprego. ASSISTIR * Dar * Ver, olhar,18. “Não chores que a vida é luta.”; “Segue o assistência, presenciar.teu ritmo, não contraries a tua índole.”; “Os tomar conta. Ex.: Osalicerces cederam: a casa ruiu, pois.” As Ex.: O médico torcedoresorações apresentadas são coordenadas: assistiu o assistirama) sindética conclusiva / sindética negativa / doente. / O ao jogo. sindética explicativa. governo assistiu * Morar,b) assindética / sindética aditiva / sindética os flagelados. residir. Ex.: explicativa. Caio assistec) sindética explicativa / assindética / sindética em Brasília. conclusiva. * Caber,d) sindética aditiva / assindética / sindética pertencer. conclusiva. Ex.: Istoa) assindética / sindética adversativa / sindética não lhe conclusiva. assiste. ATENDER * Atender * Atender a19. (ESEx) Na oração “Que saibam, não creio: pessoas. Ex.: O coisas, fatosmas desconfiam”, o trecho destacado é uma balconista e pessoas.oração: atendeu o Ex.: Atenda 21
  • 18. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS freguês. ao telefone. * Deferir, /A aceitar. Ex.: O ambulância professor atendeu ao atendeu o acidente. VERBOS QUE REPELEM O LHE E ACEITAM A ELE, A pedido do aluno. ELA.CUSTAR * Acarretar. Ex.: * Ser ♦ Aspirar (desejar, almejar, pretender) A preparação custoso, ♦ Assistir (ver, olhar, presenciar) paro o concurso difícil. Ex.: ♦ Visar (desejar, almejar, pretender) custa aos alunos Custou-me muita dedicação. entender a / O remorso questão. VERBOS COM UM SENTIDO E MAIS DE UMA custou lágrimas REGÊNCIA aos perdedores. * Ter VERBO OBJETO OBJETO necessidade. TRANSITIVO DIRETO – INDIRETO – Ex.: Preciso DIRETO (VTD) VTD VTI (pede mais tempo para OU preposição) estudar. TRANSITIVO INDIRETOPRECISAR *Marcar com * Ter (VTI) precisão. necessidade. ABRAÇAR * Mallmann * Mateus Ex.: O relojoeiro Ex.: Preciso abraçou a abraçou-se na precisou o de mais amiga. amiga. defeito do tempo para * Márcio relógio. estudar. abraçou-se ao amigo.QUERER *Desejar para si. * Gostar, * Mallmann Ex.: Quero uma estimar. abraçou-se com mulher que Ex.: Adoro o a amiga. saiba lavar e Mallmann e AGUARDAR * Aguardamos * Aguardamos cozinhar. lhe quero o colega. pelo colega. muito.VISAR * Por o visto. * Almejar, AJUDAR * Paulo o * Paulo lhe Ex.: O gerente pretender. ajudou. ajudou. visou o cheque. Ex.: Visas a * Apontar uma um bom ESQUECER, * Esqueci o * Esquecer-se, arma. emprego? LEMBRAR, guarda-chuva. lembrar-se, Sim, viso a ADMIRAR, / Lembrei que recordar-se, ele. RECORDAR ele viria mais admirar-se. Ex.:IMPLICAR * Envolver. Ex.: * Ter tarde. Esqueci-me do Implicaram o implicância. guarda-chuva. / rapaz no crime. Ex.: Lembrei-me de * Acarretar. Ex.: Implicou que ele viria Sua atitude com o mais tarde. implica marido o dia ENCONTRAR * Encontrei * Eu me demissão. todo. Marcelo encontrei comDEPARAR * Encontrar. Ex.: * Encontrar ontem. Marcelo. Olhando sua com RENUNCIAR * Leonardo * Henrique prova, deparei 3 alguém. Ex.: renunciou o renunciou ao erros. Estava no cargo. cargo. bar e SATISFAZER * Kamir não * Kamir não deparei com satisfez as satisfez às o Marcelo. exigências. exigências. * Apresentar- 1. VERBOS CUJA REGÊNCIA MAIS SE ERRA. se. Ex.: Hoje, VERBO OBJETO OBJETO durante a TRANSITIVO DIRETO – INDIRETO – aula, DIRETO (VTD) VTD VTI (pede deparou-se OU TRANSITIVO preposição) ao INDIRETO (VTI) professor. NAMORAR * Marcelo Não se usa aPAGAR/PERDOAR * Quando se * Quando se namora preposição com. refere a coisas. refere a Patrícia há Ex.: Pagar um pessoas. 22
  • 19. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS um ano e alusão a meio. amante deOBEDECER E * Preposição A.DESOBEDECER Ex.: O filho análogo a desobedeceu ao ansioso de, para, por pai.PREFERIR * Preposição A. apto a, para Prefiro dança do atento a, em ventre à dança de salão. aversão a, para, porRESPONDER * Para dar a * Preposição A ávido de, por resposta. no sentido de benéfico a Ex.: dar resposta. Respondeu Ex.: Responda capaz de, para que estava às questões certo de satisfeito. abaixo. * Ficar compatível com responsável. compreensível a Ex.: Respondeu pelos erros. comum a, de constante emCHEGAR * Preposição A. Ex.: Chegar a contemporâneo a, de casa para contrário a comer. / Aonde curioso de, para, por queres chegar? desatento a descontente com Preposições utilizadas nos verbos transitivos indiretos: desejoso de desfavorável a A ANTE APÓS ATÉ PARA POR PELO PELA COM CONTRA devoto a, de DESDE EM ENTRE SEM PERANTE diferente de SOB SOBRE difícil deAtenção! digno deVerbos com regências diferentes em uma mesma entendido emfrase são estruturados da seguinte forma: equivalente aCORRETO: Li o livro e gostei dele.ERRADO: Li e gostei do livro. erudito em escasso de REGÊNCIA NOMINAL essencial para estranho a Assim como os verbos, alguns nomes(adjetivos e substantivos) necessitam de um fácil decomplemento nominal (CN). Em outras palavras, o favorável aCN representa para o nome aquilo que o objetoindireto representa para o verbo, complementando fiel avocábulos que não possuem sentido sozinhos. firme emVejamos alguns exemplos: generoso com grato a acessível a hábil em acostumado a, com habituado a adaptado a, para horror a afável com, para com hostil a aflito com, em, para, por idêntico a agradável a impossível de alheio a, de impróprio para alienado a, de imune a 23
  • 20. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS incompatível com 3. Nas locuções conjuntivas adverbiais e prepositivas inconseqüente com Ex.: À medida que passa tempo a o dinheiro indeciso em acaba. independente de, em Os estudantes vivem à mercê de alguns indiferente a professores sem ética. indigno de Gosto muito de sair à noite com meus inerente a amigos. insaciável de 4. Na indicação de horas. leal a Ela saiu às 10h. liberal com Ela sairá às 10h. (Porém: Ela saíra a 10h) medo a, de Das 8h às 10h. (Porém De 8h a 10h) natural de Obs.: se ao trocarmos o número de horas pela necessário a palavra meio-dia, teremos a expressão ao meio- negligente em dia, então ocorrerá crase. Ex.: Mateus retornou às oito horas. = Mateus retornou ao meio-dia. nocivo a ojeriza a, por ♦ EMPREGO FACULTATIVO paralelo a parco em, de 1. Diante de nomes próprios femininos. passível de Ex.: Estou me referindo à Míriam./ Estou me referindo a Míriam perito em 2. Diante de pronomes possessivos femininos. permissivo a Ex.: Márcio vai à sua apresentação./ Márcio vai a sua apresentação. CRASE 3. Após a preposição até. CRASE Ex.: Vou até à esquina./ Vou até a esquina. Crase não é acento, mas, sim, a fusão entre a ♦ CASOS EM QUE NÃO OCORREpreposição a com o artigo definido a ou, ainda, como a inicial dos demonstrativos aquele, aquela, 1. Diante de palavras masculinas.aquilo, etc. Ex.: Estou a serviço. 2. Diante de verbos.♦ REGRA GERAL: a crase ocorre quando o Ex.: Mallmann está apto a participar do termo anterior exigi a preposição a e o termo concurso. posterior admite o artigo a ou as. 3. Diante de nome de cidade não utiliza o artigo. Ex.: Vou a a escola dar aula amanhã = Vou à Ex.: Alan vai todos os anos a Garopaba.escola dar aula amanhã. Dicas:Importante: para nos certificarmos da ocorrência Use o verbo VOLTAR para verificar se oda crase, podemos substituir o termo feminino por nome da cidade aceita artigo. Se houverum masculino; se a contração ao for necessária, a contração de preposição e artigo, haverácrase também será. crase. Ex.: Voltei da Argentina./ Fui à Argentina.Ex.: Vou ao colégio dar aula amanhã. = Vou à Voltei de Florianópolis./ Fui aescola dar aula amanhã. Florianópolis. Obedeceu a aquele chefe. = Obedeceu àquele • Atenção: caso o nome da cidade estejachefe. determinado, a crase será obrigatória.♦ EMPREGO OBRIGATÓRIO Ex.: Fui à bela Garopaba. 1. Nos casos em que a regra geral for aplicada. 4. Em expressões formadas por palavras repetidas Ex.: Referiu-se à matéria. (cara a cara, frente a frente, gota a gota, etc.). 2. Nas expressões à moda de, à maneira de, Ex.: Preciso falar com Marcelo frente a frente. ainda que estejam implícitas. Ex.: Farei para o almoço pizza à paulista. 24
  • 21. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS5. Quando o a estiver no singular diante de uma 19. Fui a Salvador no ano passado.palavra no plural. 20. Irei a Portugal assim que puder. Ex.: Leonardo não resiste a mulheresencantadoras. 21. Dei os livros a sua amiga. 22. Entreguei os relatórios a suas colegas.6. Diante do artigo indefinido uma.Ex.: Aquilo me fez chegar a uma conclusão: ele 23. Chegaremos até a esquina.não é fiel, nem nunca foi. 24. Comuniquei as mudanças a Paula.7. Diante da palavra terra, quando esta significar 25. A enfermeira assistiu a enferma com dedicação.terra firme, tomada em oposição a mar ou ar. Ex.:Os astronautas não puderam voltar a terra. Respostas: 1. Os amigos foram à praia, às pressas, às 88. Diante da palavra casa (no sentido de lar, horas.moradia) quando esta não estiver determinada poradjunto adnominal. Ex.: Vou a casa dormir. 2. À colega Giovana, durante a reunião, os diretores fizeram alusão.Dicas: Se a palavra casa estiver determinada por 3. Obedeço às regras tradicionais.um adjunto adnominal, haverá crase. Ex.: Vou à 4. Referiram-se a Roma.casa de meu pai dormir. 5. Referiram-se à Roma de César. 6. Viram as meninas a distância.9. Diante de pronomes que não admitem artigo:relativos, indefinidos, pessoais, tratamento e 7. Pedi a ele que ficasse à distância de doisdemonstrativos. metros de mim.Ex.: Disse a ele que não o amo mais. / Solicito a 8. Cheguei a casa ontem.V.Sª que compareça amanhã. 9. Cheguei à casa de meus tios para visitá-los.10. Diante da palavra distância quando não estiverdeterminada. 10. Vou à esquina.Ex.: Curso a distância. / Falei para ele: fique a 11. A menina a quem ofereceram rosas não estádistância de mim. (Porém: Fique à distância de 2m mais namorando.do parque) 12. Viso àquele cargo há anos. 13. Prefiro isto àquilo. Exercício - Complete as frases com crase 14. Vende-se sapatos a partir de R$30. se for necessário. 15. Fiz referências a algumas propostas oportunas.1. Os amigos foram a praia, as pressas, as 8 horas. 16. Às 18 horas, tenho um encontro.2. A colega Giovana, durante a reunião, os 17. Elas saíram do trabalho às 20 horas. diretores fizeram alusão. 18. Fui à Bahia nas últimas férias.3. Obedeço as regras tradicionais. 19. Fui a Salvador no ano passado.4. Referiram-se a Roma. 20. Irei a Portugal assim que puder.5. Referiram-se a Roma de César. 21. Dei os livros à sua amiga (facultativa).6. Viram as meninas a distância. 22. Entreguei os relatórios a suas colegas.7. Pedi a ele que ficasse a distância de dois 23. Chegaremos até à esquina (facultativa). metros de mim. 24. Comuniquei as mudanças à Paula (facultativa).8. Cheguei a casa ontem. 25. A enfermeira assistiu a enferma com dedicação.9. Cheguei a casa de meus tios para visitá-los.10. Vou a esquina.11. A menina a quem ofereceram rosas não está CONCORDÂNCIA VERBAL mais namorando.12. Viso aquele cargo há anos. SUJEITO SIMPLES O verbo concorda com o sujeito.13. Prefiro isto aquilo. Ex.: O rapaz saiu.14. Vende-se sapatos a partir de R$30. O cantar faz bem! Paula saiu com o pai.15. Fiz referências a algumas propostas oportunas. SUJEITO COMPOSTO16. As 18 horas, tenho um encontro. O verbo pode concordar com um elemento do sujeito ou com ambos.17. Elas saíram do trabalho as 20 horas. Ex.: Saiu/saíram o rapaz e a moça.18. Fui a Bahia nas últimas férias. O andar e o cantar faz/fazem bem. 25
  • 22. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS Paula com o pai saiu/saíram. Meus óculos estão na gaveta. Minhas costas estão doendo. UM E OUTRO / NENHUM NEM OUTRO “Os Lusíadas” é/são de Camões. Nesses casos, o verbo pode ficar na 3ª pessoal do singular ou do plural. HAJA VISTA Ex.: Um e outro rapaz saiu/saíram. Nenhuma nem outra moça Indicando causa permanece invariável. saiu/saíram Ex.: Ela não saiu haja vista (porque) seu carro estava quebrado. UM OU OUTRO O verbo fica na 3ª pessoa do singular FALTARquando as idéias são contrárias e na 3ª pessoa doplural quando necessariamente se deve escolher O verbo concorda com o sujeito.um dos elementos do sujeito Ex.: Faltam as pastas. Ex.: São Paulo ou Grêmio será campeão. Falta encontrar as pastas. Café ou chocolate me agradam. PARECER OU / E Quando a idéia for de uma coisa OU outra, o verbo Em uma locução verbal, poderá alternar com o verbo principal, ficando na 3ª pessoa doficará na 3ª pessoa do singular, mas quando se tratar de uma plural ou do singular.coisa E outra, ficará na 3ª pessoa do plural. Ex.: Elas parecem gostar do carro. Ex.: Um olhar, (ou) um toque, (ou) um Elas parece gostarem do carro.carinho basta. Um olhar, (e) um toque, (e) um carinho Quando desempenhar a função de verbo bastam. intransitivo, ficará na 3ª pessoa do singular. Ex.: Parece que ela gosta do carro. MAIS DE UM O verbo permanece na 3ª pessoa do APOSTO RESUMITIVO singular, embora a idéia seja de plural. Ex.: Mais de um aluno passou. O verbo concorda com o aposto resumitivo Porém - Menos de dois alunos passaram. O e não com o sujeito. verbo fica na 3ª p. do plural. Ex.: Leo, Henrique e Marcelo, ninguém (aposto) voltou. UM DOS... QUE VERBOS IMPESSOAIS A concordância verbal pode ser feita com a expressão ou com o núcleo do sujeito. Os verbos impessoais permanecem na 3ª Ex.: Um dos alunos que saiu/saíram. pessoa do singular. Fui eu um dos alunos que saiu/saíram. Ex.: Faz duas horas. Porém – Um dos alunos saiu. Deve fazer duas horas. Há árvores. QUE / QUEM REGRA DO ÍNDICE DE INDETERMINAÇÃO No primeiro caso, o verbo concorda com o DO SUJEITO sujeito apenas, mas no segundo, o verbo pode concordar com o pronome quem ou com o Quando o verbo é intransitivo direto sujeito. acompanhado pela partícula SE, permanece na Ex.: Eu que comprei. Eu quem comprei. ou 3ª pessoa do singular, ainda que o objeto Eu quem comprou. indireto (OI) esteja no plural. Neste caso não Nós que compramos. Nós quem há sujeito.compramos. ou Nós quem comprou. Ex.: Precisa-se do livro (OI). Precisa-se dos livros (OI). COLETIVOS PARTÍCULA APASSIVADORA Se estiver especificado, o verbo pode concordarcom o coletivo ou com o elemento que o especifica. O verbo concorda com o sujeito. Ex.: Um bando de aves saiu/saíram. Ex.: Comprou-se o livro (sujeito). Meu molho de chaves foi/foram Compraram-se os livros (sujeito). perdido/as. USO DA PARTÍCULA SE PALAVRAS NO PLURAL Em alguns casos, o verbo estará na 3ª pessoa 1. Conjunçãodo plural, em outros na 3ª pessoa do singular: A partícula SE pode desempenhar a função Canoas é pequena. de conjunção. O lápis tem duas cores. Exemplo: Eu não sei se ele já voltou. Os Alpes são distantes. 26
  • 23. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS2. Expletiva / de realce Da mesma maneira, pode ter a função Exercício comentado:expletiva, ou seja, se for retirado da oração nãoaltera o sentido. Exemplo: Eles foram-se embora. Ou Eles foramembora. 1. Classifique a partícula SE como apassivadora (PA) ou como índice de3. Pronome reflexivo indeterminação do sujeito. A partícula SE será um pronome reflexivono seguinte caso: Lucas cortou-se. Em outraspalavras, Lucas cortou a si mesmo – Lucas cortou o a) Comeu-se o bolo.Lucas. Desempenhará, nesse caso, a função de ..................................................................objeto direto. “Lucas cortou-se”. b) Gosta-se do bolo. Sujeito: Lucas / Verbo: cortar (algo) / ..................................................................Objeto Direto: se. c) Vive-se em Gramado.4. Pronome recíproco .................................................................. Ex.: Os namorados deram-se as mãos. SE, d) Comprou-se a blusa.neste caso, desempenha a função de objeto ..................................................................indireto. “Os namorados deram-se as mãos”. e) Procura-se por emprego. Sujeito: Os namorados / Verbo: dar (algo a ..................................................................alguém) / Objeto Indireto: se. f) Ama-se a cidade.5. Sujeito do infinitivo .................................................................. Na estrutura g) Bebeu-se o vinho. .................................................................. deixar, ver, ouvir, sentir, mandar, fazer + SE + verbo no infinitivo Respostas: a partícula SE obrigatoriamente será a) Comeu-se o bolo.sujeito. Ex.: Marta deixou-se estar triste. Partícula apassivadora. Sujeito: o bolo / Verbo: comer (VTD)6. Partícula apassivadora (PA) – pronome O verbo é transitivo direto.apassivador (DIFERENTE de índice de A oração pode ser invertida: O bolo foi comido.indeterminação do sujeito) b) Gosta-se do bolo. Neste caso, temos verbo transitivo direto Índice de indeterminação. Verbo: gostar (VTI) / OI:(VTD) ou verbo transitivo direto e indireto (VTDI) do bolo.mais a partícula SE. O verbo é transitivo indireto. Não há sujeito. Ex.: Jogam-se búzios. Sujeito: búzios /Verbo: jogar (VTD) / PA: se. c) Vive-se em Gramado. A oração pode ser invertida: Búzios Índice de indeterminação. Verbo: viver (VTI) / OI:são jogados. em Gramado. O verbo é transitivo indireto. Vendem-se casas. Sujeito: Casas / Não há sujeito.Verbo: vender (VTD) / PA: se. Casas são vendidas. d) Comprou-se a blusa. Partícula apassivadora. Sujeito: a blusa / Verbo:7. Índice de indeterminação do sujeito comprar (VTD) O verbo é transitivo direto. Neste caso, temos verbo intransitivo (VI), A oração pode ser invertida: A blusa foi comprada.verbo transitivo indireto (VTI) e verbo de ligação(VL) mais a partícula SE. e) Procura-se por emprego. Índice de indeterminação. Verbo: procurar (VTI) / Ex.: Caiu-se na rua. Verbo: cair (VI) / Ind. OI: por emprego.de indet.: se / Ajdunto Adverbial: na rua. O verbo é transitivo indireto. NÃO pode ser invertida e não há Não há sujeito.sujeito. f) Ama-se a cidade. Precisa-se do livro. Verbo: precisar / Partícula apassivadora. Sujeito: a cidade / Verbo:Ind. de indet.: se / OI: do livro. amar (VTD) Precisa-se dos livros. Verbo: precisar O verbo é transitivo direto./ Ind. de indet.: se / OI: dos livros. A oração pode ser invertida: A cidade é amada. 27
  • 24. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSg) Bebeu-se o vinho. a) partícula apassivadora e pronome reflexivo.Partícula apassivadora. Sujeito: o vinho / Verbo: b) partícula apassivadora e conjunção integrantebeber (VTD) c) partícula integrante do verbo e conjunçãoO verbo é transitivo direto. condicionalA oração pode ser invertida: O vinho foi bebido. d) índice de indeterminação do sujeito e partícula de realce Exercícios: e) partícula integrante do verbo e conjunção integrante1. (CESGRANRIO-RJ) Assinale a opção cuja 7. (UnB-CESPE) “...se em troca nem ao menoslacuna não pode ser preenchida pela se garante a chance de viver...” A palavra sepreposição entre parênteses. no período é, respectivamente:a) uma companheira desta, ........ cuja figura os a) conjunção condicional e conjunção integrantemais velhos se comoviam (com) b) pronome apassivador e conjunção integranteb) uma companheira desta, ........ cuja figura já nos c) pronome reflexivo e pronome reflexivoreferimos anteriormente (a) d) conjunção integrante e pronome reflexivoc) uma companheira desta, ......... cuja figura havia e) conjunção condicional e pronome apassivador.um ar de grande dama decadente (em)d) uma companheira desta, ......... cuja figura Gabaritoandara todo o regimento apaixonado (por)e) uma companheira desta, ......... cuja figura as 01E 02D 03C 04Ccrianças se assustavam (de) 05B 06B 07E CONCORDÂNCIA NOMINAL2. (F1NEST -SP) “Se você vai sair agora,nunca saberá se dissemos a verdade a eles equal foi sua reação ao se verem diante Para evitar ambigüidade e erros gramaticais nadaquela descoberta.” No texto acima, a língua portuguesa, é importante prestar atençãopartícula se é, respectivamente: em algumas situações de concordância nominal. Aa) conjunção condicional, conjunção condicional, regra geral é que adjetivos, pronomes, artigos epartícula apassivadora. numerais concordam, em gênero e número, com osb) conjunção integrante, partícula expletiva, substantivos a que se referem.partícula apassivadora.c) conjunção integrante, pronome reflexivo, Vejamos alguns casos a seguir:pronome reflexivo.d) conjunção condicional, conjunção integrante, BOM / É BOA - É PROIBIDO / Épronome reflexivo. PROBIBIDA – É NECESSÁRIA/NECESSÁRIOe) conjunção condicional, conjunção integrante, - NOMES PRÓPRIOS FEMININOSpartícula apassivadora. • Cerveja é bom.3. (TCE-AL) Aponte a alternativa em que a • É proibido entrada.partícula SE é índice de indeterminação do • É necessário aprovação.sujeito. • Patrícia é bonito. (Subentende-se “o nomea) Resolver-se-ão os exercícios. Patrícia é bonito”)b) Não se reprovarão estes alunos. Porém, quando houver artigo femininoc) Trabalha-se com afinco naquela empresa. determinando o substantivo, a concordância fica dad) Vendem-se relógios. seguinte forma:e) Plastificam-se documentos. • A cerveja é boa. • É proibida a entrada.4. (Professor-MO) Assinale a opção em que o • A aprovação é necessária.sujeito está indeterminado. • A Patrícia é bonita.a) Na placa liam-se os dizeres: cobrem-se botões.b) Acontecem coisas estranhas por aqui. TODO / TODO O – TODA / TODA Ac) Não se deve nadar em alto mar.d) Emprega-se auxiliar de mecânico. Quando não há artigo antes da palavra todo(a),e) Decorreram alguns instantes de silêncio. significa qualquer; se houver artigo posposto, significa inteiro(a).5. (FISCAL-PE) Aponte a alternativa em que a • Todo (qualquer) ser humano deve serpalavra se é partícula apassivadora. respeitado.a) Vive-se bem no campo. • Todo o mundo (o mundo inteiro) deveb) Revogar-se-á este dispositivo. combater a desigualdade social.c) Obedeceu-se ao pedido do diretor.d) Estuda-se muito naquela escola. QUITEe) Come-se muito no inverno. Concorda com o verbo: • Estou quite. => Estamos quites.6. (UnB-CESPE) “Não se sabe se é verdade ounão.” Os dois se que aparecem no texto são, ALERTAconforme a sua colocação: Não admite plural. 28
  • 25. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS • Ela está alerta. => Eles estão alerta. c) Quais de vocês serão os primeiros a responder aos questionários? SÓ d) Deram onze horas e os candidatos ainda não Pode significar “sozinho” ou “apenas” estavam na fila. (somente). • Estou só. (sozinho) 2. (BOMBEIRO-GDF-SEA-IDR) A concordância • Estamos sós. (sozinhos) verbal está incorreta em: • Eles só (apenas) fizeram aquilo. a) A gente do campo é mais solidária, mais • Estamos a sós. (sozinhos) confiante e, muitas vezes, mais social que a dos centros urbanos. TAL QUAL b) O festival de cinema e o curso de mú&1ca em É uma expressão invariável. Entretanto, que os participantes inscreverão seus trabalhos será variável quando estiver ao lado de um começarão amanhã. verbo de ligação. c) Jovens recém-chegados, com muito entusiasmo, também aplaudia a destreza, a coragem e a • Compramos os livros tal qual pediram. perseverança dos bombeiros. d) Tu e teu amigo estareis seguros aqui, mesmo Verbo de Ligação: durante a implosão dos edifícios interditados. • O filho é tal qual o pai. • Os filhos são tais qual o pai. 3. (BOMBElRO-GDF-SEA-IDR) A concordância • O filho é tal quais os pais. nominal está incorreta em: • Os filhos são tais quais os pais. a) Anexadas, remeto-lhe a procuração e a listagem dos outros documentos. MESMO b) “Agradáveis. passeio e compras” - desejaram- Desempenha a função de adjetivo (variável) ou lhes os guias turísticos, ao terminar a excursão. de advérbio (invariável). c) As jovens estagiárias caminhavam rápida e • Elas mesmas (adjetivo) fizeram aquilo. decididamente em direção ao incêndio. • Elas fizeram aquilo mesmo (advérbio). d) Elas próprias conseguiram salvar as crianças da grande e repentina enchente. LESO Concorda com o termo posterior. 4. (BOMBEIRO-GDF-SEA-IDR) Assinale o item • Lesa nacionalidade. cujos adjetivos preenchem, respectivamente, • Lesos patriotismos. as lacunas da frase abaixo, de modo correto. BASTANTE Mesmo estando..........com a tesouraria do clube, Quando for advérbio, ficará invariável, era ............ a entrada dos associados que não significando “suficiente” e quando for adjetivos, apresentassem o comprovante de pagamento. será variável, podendo ser substituído por a) quites / proibida muito(s) ou muita(s) b) quite / proibido Eles estão bastante alegres. c) quites / proibido d) quite / proibida • Comprei bastantes (adjetivo - muitos) livros. 5. (AUXILIAR- TRE-RJ) A única frase em que há erro de concordância nominal na palavra MEIO grifada é: Será advérbio (invariável) quando significar a) Essas consultas não ficam baratas.“mais ou menos” e adjetivo (variável) quando se b) Ficaram decepcionados a juíza, o padre e osignificar “metade”. réu. • Ela ficou meio aborrecida com a notícia. c) As crianças não devem ficar descalças. • Paulo comeu meia laranja. d) A discórdia, por qualquer motivos é sempre um mal. ANEXO / INCLUSO c) Anexas seguem as informações solicitadas. Concordam com o termo a que se referem. • As folhas seguiram anexas (ou em anexo). 6. (AUXILIAR-TRE-RJ) A alternativa que • O papel seguiu anexo (ou em anexo). apresenta erro quanto à concordância verbal é: O/A ... POSSÍVEL / OS/AS... POSSÍVEIS a) Eram dois irmãos bem parecidos. • Elas são as mais poderosas possíveis. b) Só eles podem fazer tais exceções. c) São dificuldades a serem vencidas. Exercícios: d) Deram quatro hora., no relógio da Central. e) Tudo estava bem, como se não houvessem1. (BOMBEIRO-GDF-SEA-IDR) Segundo as ameaças.normas da concordância verbal, está incorretoo item: 7. (AGENTE DE TRÂNSITO-DF) Assinale aa) Fazem cinco anos da publicação deste livro. opção correta quanto à concordância verbal:b) No seu relatório ainda faltam alguns dados. 29
  • 26. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSa) Mencionou, no relatório, que além do motorista, a) faziam - haviam - suficienteshaviam duas pessoas embriagadas no veículo b) fazia - havia - suficienteenvolvido no acidente. c) faziam - havia - suficienteb) Diante das previsões de que fará invernos cada d) fazia - havia - suficientesvez mais rigorosos no sul do país, o governo vai e) faziam haviam - suficientespriorizar a duplicação das estradas desta região.c) Fazem dois anos que fui interrogado e não omiti, 14. (ASSEMBLÉIA-MG) Assinale a alternativaem momento algum, que fui eu quem começou a que, na seqüência, completa corretamente asdiscussão. orações abaixo.d) Alguns de nós, ao entrar no ônibus, percebeu I – Isto...........migalhas.que o motorista estava muito nervoso, mas ainda I1 - Nossa vida...........loucuras.não existia motivos para chamar o guarda. III – Vocês............meu castigo. IV - As cores vermelha e negra............ a marca8. (MACK-SP) Assinale a frase em que a do Flamengo.concordância verbal não é aceita pelos V – Hoje.........12 de janeiro.padrões da norma culta.a) Minha família e eu gostaríamos de que as lojas a) são, eram, serão, eram, sãode São Paulo acabassem com as incertezas da b) é, eram, serão, era, éeconomia. c) são, era, serão, era, sãob) Faltava apenas dois veículos para que a indústria d) é, eram, serão, eram, sãoautomobilística aquecesse o mercado de vendas de e) são, eram, serão, era, écarros modernos.c) Um mês, um ano, uma década não é suficiente 15. (ASSEMBLÉIA-MG) Assinale a frasepara estabilizar os problemas deste país. gramaticalmente correta nas opções abaixo:d) Ocuparam-se, para surpresa das Forças a) Há menas pessoas hoje.Armadas, todas as instalações militares da capital. b) Ele comportou-se muito mau durante ae) Poderão existir combinações afinadíssimas entre entrevista.imagens e sons nos arranjos desse compositor c) Esperava-se menos perguntas na prova.extraordinário. d) Os atletas apresentavam-se afim de iniciarem a corrida.9. (MACK-SP) O período está expresso e) Cristina viajou há três semanas.corretamente em:a) Não se pensam em miséria com dinheiro no 16. (F.C.Chagas/SP) Complete: ......... fazerbolso. cinco meses que não a vemos; ............ existirb) Estudaram-se esta matéria. motivos imperiosos para a sua ausência, poisc) Esclareceram-se as dúvidas. se não............., ela já nos teria procurado.d) Comentaram-se muito durante a estréia dapeça. a) vai - deve - houvessem d) vão - deveme) Convocou-se os candidatos à Prefeitura. - houvesse b) vai - devem - houvessem e) vão - devem10. (HSCAL-MT) A concordância verbal não - houvessemestá correta em: c) vão - deve - houvessema) Isso são verdadeiros absurdos.b) Os Andes ficam na América. 17. (FUVEST/SP) Indique a alternativac) Entre nós não haviam segredos. correta.d) Isso não passa de absurdos comentários. a) Tratavam-se de questões fundamentais.e) Menos de dois candidatos disputam a vaga. b) Comprou-se terrenos no subúrbio. c) Precisam-se de datilógrafos.11. (FGV-SP) Aponte a frase gramaticalmente d) Reformam-se temos.correta: e) Obedeceram-se aos severos regulamentos.a) Existem uma série de problemas insolúveis.b) Existe uma série de problemas insolúveis. 18. (MACK-SP) Já.......... muitos anos que sec) Existe uma seria de problemas insolúveis. alteraram algumas regras de acentuação,d) Existem uma série de problemas insolúveis mas......... muitas pessoas quee) Existe uma série de problemas insolúveis. ainda............ao grafar certas palavras. a) deve fazer - há - hesitam12. (TFC-TCU) Aponte a oração correta. b) devem fazer - tem - excitama) Aluga-se casas. c) deve fazerem - há - hesitab) Vendem-se apartamentos. d) deve fazer - tem - hesitamc) Precisa-se pedreiros. e) fazem - há - excitamd) Precisam-se de pedreirose) Fez-se reformas na escola. 19. (FUVEST -SP) ...........dez horas que se......... iniciado os trabalhos de apuração dos13. (POL. CIVIL/PE) Como.............meses que votos sem que se ......... quais seriam osa produção estava parada, candidatos vitoriosos.não............peças............para atender à a) fazia - haviam - previsseclientela. b) faziam - haviam - prevesse 30
  • 27. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSc) fazia - havia - previsse Assim sendo, conceituemos o que seja frase.d) faziam - havia - previssem Quando o indivíduo agrega as palavras da língua,e) fazia - haviam - prevessem ele tem o objetivo específico de estabelecer contatos, de comunicar-se. Frase é, pois, a unidade20. (DER-CE) Assinale a opção correta. mínima de comunicação lingüística. Desta forma, éa) Mais de um retirante se afastou do serviço frase qualquer palavra ou conjunto de palavrasb) Qual de vós sabeis o destino do retirante. suficiente para que o falante alcance seu objetivo,c) Podem haver, no campo, dias horríveis. qual seja, comunicar-se. Assim, pode se dizer qued) Espera-se dias mais propícios. frase é qualquer enunciado de sentido acabado.21. (PRF) Acredito que..........muitas Faraco & Moura (Gramática 15ª edição, Ed. Ática,enchentes, pois.......... fatos que...........afiná- 1995) apresentação a seguinte classificação delo. frases de acordo com a maneira que sãoa) haverão - ocorre - permitem pronunciadas:b) haverá - ocorre - permitemc) haverá - ocorre - permitem 1. Declarativa:d) haverão - ocorre - permite Declara-se alguma coisa sobre alguém –e) haverão - ocorrem - permite Paulo escreve livros 2. Interrogativa:22. (CEF) A apuração dos dois crimes.......... Pergunta-se alguma coisa sobre alguém –até que se............ provas decisivas. Paulo escreve livros?a) vai continuar - encontremb) vão continuar - encontre 3. Exclamativa:c) vão continuar – encontremd) vai continuarem - encontrem Mostra admiração, espanto, surpresa, pelo fato dee) vão continuarem - encontrem certa pessoa fazer determinada coisa.23. (FUVEST-SP) Num dos provérbios abaixo Paulo escreve livros!não se observa o uso correto da gramática.Indique-o. 4. Imperativa:a) Não se apanham moscas com vinagreb) Casamento e mortalha no céu se talha Traduz ordem, conselho, pedido – Escreva livros.c) Quem ama o feio, bonito lhe parece. Por outro lado, é preciso igualmente conceituard) De boas ceias, as sepulturas estão cheias. oração. Segundo Francisco Platão Savioli, “é oe) Quem cabras não tem e cabritos vende, de enunciado lingüístico organizado em função de umalgum lugar lhe vêm. verbo constituído de sujeito e predicado, ou ao menos de predicado”. (Gramática em 44 lições, 10ª24. (F.C.Chagas-SP) Sempre............... pessoas edição, Ed. Ática).revoltadas com pequenas coisas a que não Exemplo: João comprou uma casase.......... dar maior importância. Sujeito predicadoa) há de haver - devemb) há de haverem - devem Por fim, valemo-nos, mais uma vez, de Franciscoc) hão de haver - devem Platão Savioli para conceituar período: “é umd) há de haver - deve enunciado lingüístico com sentido que acabae) hão de haver - deve produzido por elementos combinados entre si de acordo com as regras sintáticas da língua”.Gabarito Ex: Mariana foi ao parque, levou seu irmão 01A 02C 03B 04A 05E 1ª oração 2ª oração 06E 07D 08B 09C 10C 11E 12E 13D 14A 15E e contou-lhe muitas histórias. 16B 17D 18A 19A 20A 3ª oração 21D 22A 23B 24D Ora, pois é de posse destes conceitos, associados às demais informações constantes (períodos EQUIVALÊNCIA E TRANSFORMAÇÃO compostos por subordinação ou coordenação, tipo DE ESTRUTURAS de predicado, sinais de pontuação, etc...) desta apostila, é que o estudante fará a corretaO reconhecimento da correta estruturação de frases estruturação de frases, formando um universoconsubstancia a correta identificação de períodos, coeso de conhecimentos.orações e frases. Este reconhecimento somente épossível se tivermos muito bem sedimentado o EMPREGO E SIGNIFICADO DE NEXOSconceito destes enunciados lingüísticos. Destaforma, é preciso aclarar bem estes três conceitos,quais sejam, de período, oração e frase. Nexos oracionais (conjunções). A vírgula é obrigatória para separar nexos coordenativos adversativos (mas), explicativos (porque), nexos 31
  • 28. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSsubordinativos adverbiais quando estiverem na SEMPRE QUEprimeira oração (embora, se, quando, para que,como, à medida que ...). Se esses nexos estiverem PARA QUE,na segunda oração, a vírgula que separa as duas FINAIS A FIM DE QUE PARAorações é apenas facultativa. SEGUNDO,“O nexo que, quando funciona como pronome CONFORMATIVAS CONFORME CONSOANTE,relativo (substituível por o qual e suas variações). COMOas conjunções coordenativas e subordinativasrecebem também o nome de nexos conectivos, À MEDIDAarticuladores, conectores e outros apelidos. QUE, QUANTO MAIS.., ÀUm nexo muito usado e que traz dificuldades é o (TANTO) MAIS, PROPORCIONAIS PROPORÇÃOnexo que. QUANTO QUE MENOS...,Guarde a seguinte receita e execute saudavelmente (TANTO)as questões onde ele aparece. MENOSa) que = porque, sempre nos dará uma oração Assim: COMO,coordenada explicativa. TAL COMO,b) que = o qual e suas variações, apresenta uma COMO: MAIS, MENOS, (semelhança) MAIOR, MENOR,oração subordinada adjetiva. COMPARATIVAS MAIS QUE: PIOR,c) que = precedido de tão, tal, tamanho e tanto, é (quantidade) MELHOR, QUEoração subordinada adverbial consecutiva. ¯d) que = conjunção integrante, é insubstituível por DO QUEqualquer outro nexo e aparece em oraçõessubordinadas substantivas. TAL, TAMANHO,Muito cuidado com as orações subordinadas CONSECUTIVAS TÃO...QUE ¯adjetivas TANTO, QUESe a segunda oração (com o nexo que, o qual, cujoe suas variações) particularizar a primeira oração, EMPREGO DOS SINAIS PONTUAÇÃOela será adjetiva restritiva e não deve vir comvírgulas obrigatórias. Há certos recursos da linguagem - pausa,Ao contrário, se a segunda oração, generalizar a melodia, entonação e até mesmo, silêncio - que sóprimeira, teremos adjetiva explicativa, com vírgulas estão presentes na oralidade. Na linguagem escrita,obrigatórias.” para substituir tais recursos, usamos os sinais de SUBORDINATIVOS COORDENATIVOS CONJUNÇÃOCLASSIFICAÇÃO SINÔNIMOS BÁSICA ADITIVAS E NEM CASO, A PORÉM, TODAVIA, MENOS QUE, CONTUDO, CONDICIONAIS SE CONTANTO ADVERSATIVAS MAS ENTRETANTO, NO QUE, SALVO ENTANTO, NÃO SE OBSTANTE JÁ QUE, DESDE ORA..ORA, QUE, UMA VEZ ALTERNATIVAS (OU)...(OU) QUER...QUER, CAUSAIS POR QUE QUE, VISTO SEJA...SEJA QUE POR TANTO, POIS, AINDA QUE, POR ISSO, APESAR DE CONCLUSIVAS LOGO CONSEQÜENTEMENTE, QUE, POSTO POR CONSEGUINTE CONCESSIVAS EMBORA QUE, SE BEM QUE, MESMO EXPLICATIVAS POR QUE POIS QUE pontuação. Estes são também usados para destacar LOGO QUE, palavras, expressões ou orações e esclarecer o ASSIM QUE, sentido de frases, a fim de dissipar qualquer tipo de TEMPORAIS QUANDO MAL, APENAS, ambigüidade. ANTES QUE, DEPOIS QUE 1. Vírgula Emprega-se a vírgula (uma breve pausa): 32
  • 29. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS a) para separar os elementos mencionados j) para indicar a elipse de um elemento danuma relação: oração: Foi um grande escândalo. Às vezes gritava; A nossa empresa está contratando outra estrebuchava como um animal.engenheiros, economistas, analistas de sistemas e Não se sabe ao certo. Paulo diz que ela sesecretárias. suicidou, a irmã, que foi um acidente. O apartamento tem três quartos, sala devisitas, sala de jantar, área de serviço e dois k) para separar o paralelismo de provérbios:banheiros. Ladrão de tostão, ladrão de milhão. Ouvir cantar o galo, sem saber onde. NOTA Mesmo que o e venha repetido antes de cada l) após a saudação em correspondência (socialum dos elementos da enumeração, a vírgula deve e comercial):ser empregada: Com muito amor, Respeitosamente, Rodrigo estava nervoso. Andava pelos cantos,e gesticulava, e falava em voz alta, e ria, e roía as m) para isolar as orações adjetivasunhas. explicativas: Marina, que é uma criatura maldosa, "puxou o b) para isolar o vocativo: tapete" de Juliana lá no trabalho. Vidas Secas, que é um romance Cristina, desligue já esse telefone! contemporâneo, foi escrito por Graciliano Ramos. Por favor, Ricardo, venha até o meu gabinete. n) para isolar orações intercaladas: c) para isolar o aposto: Não lhe posso garantir nada, respondi Dona Sílvia, aquela mexeriqueira do quarto secamente.andar, ficou presa no elevador. O filme, disse ele, é fantástico. Rafael, o gênio da pintura italiana, nasceu emUrbino. 2. Ponto d) para isolar palavras e expressões Emprega-se o ponto, basicamente, paraexplicativas (a saber, por exemplo, isto é, ou indicar o término de um frase declarativa de ummelhor, aliás, além disso etc.): período simples ou composto. Gastamos R$ 5.000,00 na reforma do Desejo-lhe uma feliz viagem.apartamento, isto é, tudo o que tínhamos A casa, quase sempre fechada, pareciaeconomizado durante anos. abandonada, no entanto tudo no seu interior era Eles viajaram para a América do Norte, aliás, conservado com primor.para o Canadá. O ponto é também usado em quase todas as e) para isolar o adjunto adverbial antecipado: abreviaturas, por exemplo: Lá no sertão, as noites são escuras e perigosas. Ontem à noite, fomos todos jantar fora. fev. = fevereiro, hab. = habitante, rod. = rodovia. f) para isolar elementos repetidos: O palácio, o palácio está destruído. O ponto que é empregado para encerrar um Estão todos cansados, cansados de dar dó! texto escrito recebe o nome de ponto final. g) para isolar, nas datas, o nome do lugar: 3. Ponto-e-vírgula São Paulo, 22 de maio de 1995. Roma, 13 de dezembro de 1995. Utiliza-se o ponto-e-vírgula para assinalar uma pausa maior do que a da vírgula, praticamente h) para isolar os adjuntos adverbiais: uma pausa intermediária entre o ponto e a vírgula. A multidão foi, aos poucos, avançando para o Geralmente, emprega-se o ponto-e-vírgulapalácio. para: Os candidatos serão atendidos, das sete àsonze, pelo próprio gerente. a) separar orações coordenadas que tenham um certo sentido ou aquelas que já apresentam i) para isolar as orações coordenadas, exceto separação por vírgula:as introduzidas pela conjunção e: Criança, foi uma garota sapeca; moça, era Ele já enganou várias pessoas, logo não é inteligente e alegre; agora, mulher madura, tornou-digno de confiança. se uma doidivanas. Você pode usar o meu carro, mas tome muito b) separar vários itens de uma enumeração:cuidado ao dirigir. Art. 206. O ensino será ministrado com base Não compareci ao trabalho ontem, pois estava nos seguintes princípios:doente. I - igualdade de condições para o acesso e 33
  • 30. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSpermanência na escola; - Bem. II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar - O senhor sai a passeio depois do jantar? dee divulgar o pensamento, carro ou a cavalo? a arte e o saber; - Não. III - pluralismo de idéias e de concepções, e (José de Alencar)coexistência de instituições públicas e privadas deensino; 6. Ponto de exclamação IV - gratuidade do ensino emestabelecimentos oficiais; O ponto de exclamação é empregado para ........ marcar o fim de qualquer enunciado com entonação (Constituição da República Federativa do Brasil) exclamativa, que normalmente exprime admiração, surpresa, assombro, indignação etc. 4. Dois-pontos - Viva o meu príncipe! Sim, senhor... Eis aqui Os dois-pontos são empregados para: um comedouro muito compreensível e muito repousante, Jacinto! a) uma enumeração: - Então janta, homem! ... Rubião recordou a sua entrada no (Eça de Queiroz)escritório do Camacho, o modo porque falou: e daítornou atrás, ao próprio ato. NOTA Estirado no gabinete, evocou a cena: o menino, O ponto de exclamação é também usadoo carro, os cavalos, o grito, o salto que deu, levado com interjeições e locuções interjetivas:de um ímpeto irresistível... Oh! (Machado de Assis) Valha-me Deus! b) uma citação: 7. Reticências Visto que ela nada declarasse, o maridoindagou: As reticências são empregadas para: - Afinal, o que houve? a) assinalar interrupção do pensamento: - Bem; eu retiro-me, que sou prudente. Levo c) um esclarecimento: a consciência de que fiz o meu dever. Mas o mundo Joana conseguira enfim realizar seu desejo saberá...maior: seduzir Pedro. Não porque o amasse, mas (Júlio Dinis)para magoar Lucila. b) indicar passos que são suprimidos de um Observe que os dois-pontos são também texto:usados na introdução de exemplos, notas ou O primeiro e crucial problema de lingüísticaobservações. geral que Saussure focalizou dizia respeito à Parônimos são vocábulos diferentes na natureza da linguagem. Encarava-a como umsignificação e parecidos na forma. Exemplos: sistema de signos... Considerava a lingüística,ratificar/retificar, censo/senso, portanto, com um aspecto de uma ciência maisdescriminar/discriminar, etc. geral, a ciência dos signos... Nota: A preposição per, considerada arcaica, (Mattoso Camara Jr.)somente é usada na frase de per si (= cada um porsua vez, isoladamente). c) marcar aumento de emoção: As palavras únicas de Teresa, em resposta Observação: Na linguagem coloquial pode-se àquela carta, significativa da turvação do infeliz,aplicar o grau diminutivo a alguns advérbios: foram estas: "Morrerei, Simão, morrerei. Perdoa tucedinho, longinho, melhorzinho, pouquinho etc. ao meu destino... Perdi-te... Bem sabes que sorte eu queria dar-te... e morro, porque não posso, nem NOTA poderei jamais resgatar-te. A invocação em correspondência (social ou (Camilo Castelo Branco)comercial) pode ser seguida de dois-pontos ou devírgula: 8. Aspas Querida amiga: Prezados senhores, As aspas são empregadas: 5. Ponto de interrogação a) antes e depois de citações textuais: Roulet afirma que "o gramático deveria O ponto de interrogação é empregado para descrever a língua em uso em nossa época, pois éindicar uma pergunta direta, ainda que esta não dela que os alunos necessitam para a comunicaçãoexija resposta: quotidiana". O criado pediu licença para entrar: b) para assinalar estrangeirismos, neologismos, - O senhor não precisa de mim? gírias e expressões populares ou vulgares: - Não obrigado. A que horas janta-se? O "lobby" para que se mantenha a - Às cinco, se o senhor não der outra ordem. autorização de importação de pneus usados no 34
  • 31. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSBrasil está cada vez mais descarado. comentário: (Veja) Todo signo lingüístico é formado de duas partes associadas e inseparáveis, isto é, o Na semana passada, o senador republicano significante (unidade formada pela sucessão deCharles Grassley apresentou um projeto de lei que fonemas) e o significado (conceito ou idéia).pretende "deletar" para sempre dos monitores decrianças e adolescentes as cenas consideradas b) incluir dados informativos sobre bibliografiaobscenas. (autor, ano de publicação, página etc.): (Veja) Mattoso Camara (1977:91) afirma que, às vezes, os preceitos da gramática e os registros dos Popularidade no "xilindró" dicionários são discutíveis: consideram erro o que Preso há dois anos, o prefeito de Rio Claro já poderia ser admitido e aceitam o que poderia, detem apoio da população e quer uma delegada para preferência, ser posto de lado.primeira-dama. (Veja) c) indicar marcações cênicas numa peça de teatro: Com a chegada da polícia, os três suspeitos Abelardo I - Que fim levou o americano?"puxaram o carro" rapidamente. João - Decerto caiu no copo de uísque! Abelardo I - Vou salvá-lo. Até já! (sai pela c) para realçar uma palavra ou expressão: direita) Ele reagiu impulsivamente e lhe deu um (Oswald de Andrade)"não" sonoro. Aquela "vertigem súbita" na vida financeira d) isolar orações intercaladas com verbosde Ricardo afastou-lhe os amigos dissimulados. declarativos, em substituição à vírgula e aos travessões: 9. Travessão Afirma-se (não se prova) que é muito comum o recebimento de propina para que os carros Emprega-se o travessão para: apreendidos sejam liberados sem o recolhimento das multas. a) indicar a mudança de interlocutor nodiálogo: 11. Asterisco - Que gente é aquela, seu Alberto? - São japoneses. O asterisco, sinal gráfico em forma de estrela, - Japoneses? E... é gente como nós? é um recurso empregado para: - É. O Japão é um grande país. A única a) remissão a uma nota no pé da página ou nodiferença é que eles são amarelos. fim de um capítulo de um livro: - Mas, então não são índios? Ao analisarmos as palavras sorveteria, (Ferreira de Castro) sapataria, confeitaria, leiteria e muitas outras que b) colocar em relevo certas palavras ou contêm o morfema preso* -aria e seu alomorfe -expressões: eria, Maria José sempre muito generosa - sem ser chegamos à conclusão de que este afixo está ligadoartificial ou piegas – a perdoou sem restrições. a estabelecimento comercial. Em alguns contextos Um grupo de turistas estrangeiros - todos pode indicar atividades, como em: bruxaria,muito ruidosos - invadiu o saguão do hotel no qual gritaria, patifaria etc.estávamos hospedados. * É o morfema que não possui significação c) substituir a vírgula ou os dois pontos: autônoma e sempre aparece ligado a outras Cruel, obscena, egoísta, imoral, indômita, palavras.eternamente selvagem, a arte é a superioridade b) substituição de um nome próprio que não sehumana - acima dos preceitos que se combatem, deseja mencionar:acima das religiões que passam, acima da ciência O Dr.* afirmou que a causa da infecçãoque se corrige; embriaga como a orgia e como o hospitalar na Casa de Saúde Municipal está ligada àêxtase. falta de produtos adequados para assepsia. (Raul Pompéia) MORFOLOGIA d) ligar palavras ou grupos de palavras queformam um "conjunto" no enunciado: A ponte Rio-Niterói está sendo reformada. ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE O triângulo Paris-Milão-Nova York está sendo PALAVRASameaçado, no mundo da moda, pela ascensão dosestilistas do Japão. Neologismo 10. Parênteses Beijo pouco, falo menos ainda. Os parênteses são empregados para: Mas invento palavras Que traduzem a ternura mais funda a) destacar num texto qualquer explicação ou E mais cotidiana. 35
  • 32. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS Inventei, por exemplo, a verbo teadorar. felizmente. É necessário prestar atenção para não Intransitivo: confundir este caso com o que virá a seguir! Teadoro, Teodora. Parassintética (BANDEIRA, Manuel. Estrela da Vida Inteira. Existe este tipo de derivação quando um prefixo e Rio de Janeiro: José Olympio, 1970) um sufixo são acrescentados à palavra primitiva de forma dependente. Em outras palavras, os dois afixos RADICAL devem ser empregados ao mesmo tempo, pois sem um deles a palavra não possui significado. É o elemento básico e significativo das palavras, Ex.: envelhecer. Não existem as palavras envelhe e velhecer, pois os afixos não podem ser usadosconsideradas sob o aspecto gramatical e prático,dentro da língua portuguesa atual. separadamente. Regressiva Acha-se o radical despojando-se a palavra de seus Há derivação regressiva quando morfemas daelementos secundários (quando houver). Exemplos: palavra primitiva desaparecem.cert - o, cert - eza, in – cert - eza, a – jeit - ar,receb - er, educ - ar, etc. Ex.: foto (fotografia), dança (dançar), falha (falhar).TEMA - VOGAL TEMÁTICA O tema é o radical mais uma vogal (vogal Imprópriatemática) que o prepara para receber as desinências. A derivação imprópria pode ser chamada deNos nomes nem sempre é fácil apontar a vogal mudança de classe ou, ainda, de conversão. Ocorretemática, quando coincide com as desinências do quando há mudança de classe gramatical no empregogênero, ou não passa de simples semivogal; além da palavra. Ex.: pires (substantivo comum) usado como substantivo próprio em Fábio Pires da Silva;disso, pode nem existir. Nos verbos, obtemos o tema margarida (substantivo comum) e Margaridacom a eliminação da desinência do infinitivo ®. Ex.: (substantivo próprio).ama – é o tema (amaR), am – é o radical e a a vogaltemática (característica da primeira conjugação). A COMPOSIÇÃO, por sua vez, consiste em formar A vogal temática é aquela que torna possível a palavras a partir de radicais, em vez de utilizarligação entre a desinência e o radical. acréscimo de afixos como ocorre na derivação: AFIXOS Justaposição São partículas que se anexam ao radical para Neste caso, há a junção de dois ou mais radicaisformar outras palavras. Existem dois tipos de afixos: sem que ocorra alteração fonética. Exemplos: girassol (gira + sol); beija-flor; Prefixos: colocados antes do radical. Ex.: desleal, passatempo.ilegal Aglutinação Sufixos: colocados depois do radical. Ex.: Consiste na junção de dois ou mais radicais,folhagem, legalmente entretanto, há alteração fonética na sua formação. Exemplo: aguardente (água + ardente); embora As palavras são formadas pelos processos de (em boa hora); pernalta (perna alta).DERIVAÇÃO ou COMPOSIÇÃO e através de outroscasos como a onomatopéia e o hibridismo. A derivação Além desses casos, há outros que ocorrem naé um fenômeno que forma palavras a partir de outras, formação de palavras da língua portuguesa:as quais são chamadas de primitivas. Hibridismo Os processos de DERIVAÇÃO são: Ocorre este processo quando palavras são formadas a partir de elementos de línguas diferentes. Prefixal Exemplos: automóvel (auto – radical grego; Ocorre derivação prefixal quando palavras se móvel – radical latino).formam ao se acrescentar um prefixo (ou mais) àpalavra primitiva. Onomatopéia Ex.: recompor (dois prefixos), infeliz, imoral. As onomatopéias são palavras que reproduzem determinados sons ou ruídos. Sufixal Exemplo: tique-taque. Neste caso, é acrescentado à palavra primitiva umou mais sufixos. Vejamos alguns sufixos importantes: Ex.: realmente, felizmente. TIPOS DE PRINCIPAIS EXEMPLOS SUFIXOS SUFIXOS Prefixal e Sufixal Aumentativo: - NOMINAIS A derivação prefixal e sufixal ocorre quando forem alhão, -ão, - Copázio, bocarra, (substantivosacrescentados um prefixo e um sufixo à palavra anzil, -arra, - corpanzil, casarãoprimitiva de forma independente, isto é, mesmo sem a e adjetivos) orra, -ázio...presença de um dos afixos, a palavra continua tendosignificado. Diminutivo: - Riacho, filhote, acho, -eto, - Ex.: deslealmente, infelizmente. Pode-se observar livrinho inho, -inha, -que os dois afixos são independentes: existem as ote...palavras desleal e lealmente, assim como infeliz e 36
  • 33. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS São Paulo, Círculo do livro, Superlativo: - 1988. p. 33.) Belíssimo, íssimo, érrimo, paupérrimo, facílimo -limo... Substantivo é a palavra que nomeia tudo o que existe e também o que imaginamos. Pode ser Lugar: -aria, - classificado como: Papelaria, internato, ato, -douro, - bebedouro • comum ou próprio - flores / Alexei; ia... Profissão: -ão, - Diarista, dentista, • simples ou composto - rosas / lua-de-mel; dor, -ista... vendedor • primitivo ou derivado - pedra / pedregulho; • concreto ou abstrato - casa / amor. Origem: -ano, - Francês, alagoano, eiro, ês... mineiro Além disso, os substantivos se flexionam em gênero, número e grau. Coleção, aglomeração, Folhagem, cabeleira, Gênero conjunto: -al, - capinzal eira, -ada, - agem... Quanto ao gênero, podem ser: Excesso, • Biformes - possuem duas formas, uma para o Gostoso, ciumento, feminino e outra para o masculino. Ex.: abundância: barbudo cabra/bode. -oso, -ento, - udo... Folhear, velejar, • Uniformes - possuem apenas uma forma para -ear, ejar, - os dois gêneros. Subdividem-se em: envelhecer, ecer, -escer, Epicenos – apenas uma forma para os dois florescer, afugentar, -entar, -fazer, - gêneros, em que a distinção é feita através dasVERBAIS liquefazer, petrificar, ficar, -icar, - palavras macho e fêmea. Ex.: cobra adocicar, chuviscar, iscar, -ilhar, - macho/cobra fêmea. dedilhar, inhar, -itar,- escrevinhar, saltitar, izar... Comuns de dois gêneros – apenas uma forma organizar para os dois gêneros, em que distinção é feitaADVERBIAIS Somente o Amavelmente, por um determinante (artigo, pronome, sufixo –mente distraidamente adjetivo...). Ex.: a pianista/ o pianista. Sobrecomuns – apenas uma forma para os dois gêneros. Não é possível fazer a distinção pelos CLASSES DE PALAVRAS ASPECTOS determinantes. A distinção pode ser feita pela MORFOLÓGICOS E EMPREGO, FLEXÃO expressão: do sexo masculino/ do sexo NOMINAL E VERBAL feminino. Ex.: a pessoa, a criatura, a criança, o cônjuge. CLASSE DAS PALAVRAS Exercícios comentados: Substantivo (PETROBRÁS) Assinale a opção que só contenha substantivos biformes: Como se chama a) onça - jacaré - tigre. b) aluno - homem - carneiro. Se recebo um presente dado c) artista - estudante - jornalista. com carinho por pessoa de quem não d) pessoa - criatura - criança. gosto — como se chama o que sinto? e) pianista - catequista - boneca. Uma pessoa de quem não se gosta mais e que não gosta mais da gente - Resposta: letra B. Substantivos biformes são como se chama essa mágoa e esse aqueles que possuem duas formas, ou seja, uma rancor? Estar ocupada, e de repente para o feminino e outra para o masculino. Na letra parar por ter sido tomada por uma A, são todos epicenos: substantivos que designam desocupação beata, milagrosa, animais; na C, são comuns de dois gêneros e na D sorridente e idiota — como se chama o são sobrecomuns. que se sentiu? O único modo de chamar é perguntar: como se chama? (TJ-DF) Assinale a opção que contém um Até hoje só consegui nomear com a substantivo do gênero feminino: própria pergunta. Qual é o nome? e a) anátema, telefonema, teorema, trema. este é o nome. b) edema, ágape, cauda, champanha. c) eclipse, lança-perfume, dinamite, estratagema. (LISPECTOR, Clarice. Para não d) alvará, guaraná, plasma, proclama. esquecer. e) dó, cã, fibroma, grama (unidade de peso). 37
  • 34. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSResposta: letra C. A palavra dinamite é um Terminados em -m trocam -m por -ns.substantivo feminino. Ex.: álbum/álbuns. (TRT-DF) Assinale a opção em que um dos Terminados em -x são invariáveis.substantivos é do gênero masculino: Ex.: látex/látex, xerox/xerox.a) omelete, aluvião análise;b) cal, derme, champanha; Terminados em -zinho pluraliza-se a palavrac) ênfase, alface, cataplasma; primitiva sem o -s e a terminação.d) comichão, aguardente, bacanal; Ex.: balão + zinho = balõe(s) + zinhose) libido, sentinela, hélice. balõezinhos; coração + zinho = coraçõe(s) + zinhos coraçõezinhos.Resposta: letra B. O único vocábulo masculino échampanha. Nos substantivos compostos, a formação do plural ocorre de forma distinta:(TJ-AL) Abaixo encontramos cinco pares desubstantivos. Todos ao mudarem de gênero, Flexionam-se os substantivos, adjetivos,mudam de significado, exceto: numerais e pronomes sem preposição entrea) o cabeça / o capital; eles. Ex.: primeiro (numeral) - ministrob) o rádio / o moral; (substantivo) primeiros-ministrosc) o lotação / o lente;d) o alfaiate / o coma; Verbos, advérbios e demais palavras invariáveise) o nascente / o guia. não são flexionadas. Ex.: vira (verbo) - lata (substantivo) vira-Resposta: Não há troca de sentido apenas na letra latas.D, o alfaiate. Quando há palavras ligadas por preposição,(TALCRIM-SP) Assinale a opção em que o apenas a primeira é flexionada.artigo determina corretamente o gênero do Ex.: mula-sem-cabeça mulas-sem-cabeça.substantivo:a) O mascote do regimento veste farda vermelha; Nas palavras que se repetem ou nasb) O dinamite foi inventado por Alfred Nobel; onomatopaicas só o segundo elemento éc) Todos os anos a gente pode observar o eclipse flexionado. da lua; Ex.: pingue-pongue pingue-pongues; tique-d) A lança-perfume foi proibida no Brasil durante o taque tique-taques. governo de Jânio Quadros;e) Eles participaram de um grande bacanal. Quando o segundo elemento limita ou determina o primeiro, apenas o primeiro éResposta: letra C. É correto dizer: a mascote, a flexionado. Ex.: caneta-tinteiro/canetas-dinamite, o lança-perfume e uma grande bacanal. tinteiro. Número Os substantivos também podem ser classificados como coletivos, transmitindo a noção de plural, porém grafados no singular. Neste caso, nomeiam Os substantivos podem estar no singular ou um agrupamento de seres da mesma espécie.no plural. Vejamos como ocorre a formação de Vejamos alguns exemplos na tabela a seguir:plural nos substantivos simples: COLETIVOS Regra geral o plural é formado pelo acréscimo da desinência -s. Alcatéia De lobos Ex.: capa/capas, bola/bolas. Álbum De fotografias Terminados em -ão plural em -ões, -ães ou Antologia De trechos literários ãos. De parlamentares, Ex.: questão/questões, decisão/decisões, Assembléia associados órgão/órgãos. Baixela De objetos de mesa Banca De examinadores Terminados em -r, -z acréscimo de -es. Bandeira De garimpeiros Ex.: lar/lares, juiz/juizes. Bando De aves Cacho De uvas Terminados em -s acréscimo de -es quando Cancioneiro De poemas, canções forem oxítonos; invariáveis quando não forem Concílio De bispos oxítonos. Corja De ladrões Ex.: país/países, lápis/lápis Elenco De artistas Enxoval De roupas Terminados em -l substitui-se o -l por -is. Feixe De lenha Ex.: papel/papéis, álcool/álcoois. Flora De vegetais Exceções: mal/males, cônsul/cônsules. Girândola De fogos de artifício Junta De examinadores, 38
  • 35. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS médicos, bois • Locução adjetiva – na maioria dos casos, De demônios, é constituída por preposição e substantivo Legião soldados, anjos ou preposição e advérbio, equivalendo a um Malta De desordeiros adjetivo. Ex.: cadeira de ferro, casa de Nuvem De insetos madeira. Panapaná De borboletas Pinacoteca De pinturas Gênero e Número De atletas, animais Plantel de raça Os adjetivos simples concordam em gênero De peças teatrais, Repertório e número com os substantivos. Ex.: professor anedotas, músicas simpático / professora simpática / alunos dedicados Revoada De pássaros / alunas dedicadas. Há casos em que o adjetivo se Romanceiro De poesias populares refere aos dois gêneros: alunos/alunas inteligentes. Artigo Nos adjetivos compostos, somente o gênero do último elemento varia. Ex.: olho verde-claro/ saia Canção mínima verde-clara. Da mesma maneira, quando for pluralizado, somente o segundo elemento é No mistério do Sem-Fim, flexionado. Ex.: bolsa marrom-escura / bolsas equilibra-se um planeta. marrom-escuras. Exceção: estudante surdo-mudo/ E, no planeta, um jardim, estudantes surdos-mudos. e, no jardim, um canteiro, no canteiro, uma violeta, e, sobre ela, o dia inteiro, Grau entre o planeta e o Sem-Fim, a asa de uma borboleta. A flexão de grau corresponde à variação em intensidade da qualidade expressa pelo adjetivo,(MEIIRELES, Cecília. Obra poética. 3. ed. Rio de podendo ser comparativo, superlativo absoluto ouJaneiro, Nova Aguilar, 1985. p. 163.) superlativo relativo. Artigo é a palavra que antecede o substantivo COMPARATIVO:para determiná-lo ou indeterminá-lo; indica gêneroe número. ♦ Igualdade - Este animal é tão dócil quanto aquele. Subdivide-se em: ♦ Superioridade - Este animal é mais dócil que aquele. • definido - o, a, os, as - (ser ou objeto já ♦ Inferioridade - Este animal é menos dócil que conhecido do ouvinte) Ex.: Peguei o livro aquele. de Borges. • indefinido - um, uma, uns, umas - (qualquer SUPERLATIVO: ser ou objeto) Ex.: Pequei um livro da biblioteca. ♦ Absoluto Adjetivo ♦ Sintético - Este animal é ferocíssimo. ♦ Analítico - Este cão é muito feroz. A pedra A pedra é bela, opaca, ♦ Relativo peso-a gostosamente como um pão. ♦ Superioridade - Este animal é o mais feroz É escura, baça, terrosa. Avermelhada, de todos. polvilhada de cinza. ♦ Inferioridade - Este animal é o menos feroz Contemplo-a: é evidente, impenetrável, de todos. preciosa. Exercícios comentados: (ROSA. Antônio Ramos. A palavra e o lugar. Lisboa, Dom Quixote. 1977. p. 98.) O adjetivo é a palavra que caracteriza o (TCE-GO) Assinale o par em que não hásubstantivo através de qualidade, estado ou diferença quanto ao sentido do adjetivo:origem. Flexiona-se em gênero, número e grau, a) alto funcionário - funcionário alto;podendo ser classificado como: b) homem simples - simples homem; c) amigo velho - velho amigo; • primitivo - A criança teimosa; d) mulher grande - grande mulher; • derivado - O rapaz atencioso; e) mulher bonita - bonita mulher. • simples - Cabelos loiros; Resposta: letra E, pois alto funcionário é • composto - Olhos verde-água. funcionário graduado e funcionário alto é aquele que possui estatura elevada; homem simples é o homem humilde e simples homem é um homem 39
  • 36. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSqualquer; amigo velho é um amigo idoso e velho • multiplicativo - dobro, triplo - indica umamigo é aquele amigo de muito tempo; mulher aumento proporcional;grande é a mulher de avantajado porte e grande • fracionário : ½ , ¼ - indicam umamulher é aquela que possui muitas qualidades. diminuição exatamente proporcional.(ITA-SP) Assinale a opção em que os adjetivos Pronomecorrespondem às expressões sublinhadas nas Pronome é a palavra que substitui/acompanhaseguintes frases, completando as lacunas. um substantivo em relação às pessoas do discurso.1. Apresentou uma redação sem mácula: era...2. Meu amigo não tem habilidade: é, pois,... Se subdivide em:3. Um argumento sem defesa é um argumento...4. O rapaz não foi escrupuloso. Pode-se dizer que • pessoais - eu tu, ele, nós, vós, eles;ele é... • possessivos - meu, teu, dele, nosso, vosso,5. Aquela casa não está habitada, logo é... deles; • demonstrativos - esse, este, isso, isto,a) imaculada, inabilitado, indefensável, aquilo, aquele;desescrupuloso, inabitável; • indefinidos - algo, tudo, nada, alguém;b) imaculável, inabilitado, indefensável, • interrogativos - qual, quem, que;desescrupuloso, inabitável; • relativos - que, quem, onde, o qual;c) imaculada, inábil, indefensível, desescrupuloso, • átonos - me, te, se, o(s), a(s), lhe(s) e nos.inabitada;d) imaculável, inábil, indefensável, inescrupuloso, FLEXÃO VERBALinabitável;e) imaculada, inábil, indefensável, inescrupuloso, Verboinabitada. Além da Terra, além do CéuResposta: letra E. Não podem ser as letras A, B e Cporque não existe a palavra desescrupuloso, da Além da Terra, além do Céu,mesma forma que não pode ser a letra D, pois sem no trampolim do sem-fim das estrelas,mácula equivale a maculada. no rastro dos astros, na magnólia das nebulosas.(CESGRANRIO-RJ) Assinale a opção em que Além, muito além do sistema solar,todos os adjetivos não se flexionam em até onde alcançam o pensamentogênero. e o coração, vamos!a) delgado, móbil, forte; Vamos conjugarb) oval, preto, simples; o verbo fundamental essencial,c) feroz, exterior, enorme; o verbo transcendente,d) brilhante, agradável, esbelto; acima das gramáticase) imóvel, curto, superior. e do medo e da moeda e da política, o verbo sempreamar, o verbo pluriamar,Resposta: letra C. Na A, delgado/delgada; na B, razão de ser e de viver.preto/preta; na D, esbelto/esbelta e na E,curto/curta. (ANDRADE, Carlos Drummond de. Amar se aprende amando.(TRE-CE) Relativamente à concordância dos Rio de Janeiro, Record, 1985, p. 16.)adjetivos compostos designativos de cor, umadentre as seguintes opções está errada. O verbo exprime um fato (ação, estado ouMarque-a: fenômeno) representado no tempo. O verboa) saia amarelo-ouro; apresenta variações de número, pessoa, modo,b) papel amarelo-ouro; tempo e voz:c) caixa vermelho-sangue;d) caixa vermelha-sangue; • flexão de número - singular e plural;e) caixas vermelho-sangue. • flexão de pessoa - 1ª, 2ª, 3ª; • flexão de modo - indicativo, subjuntivo,Resposta: letra D. Se o adjetivo composto indica imperativo, infinitivo, particípio, gerúndio;cor e o último é substantivo, ficará invariável em • flexão de tempo - passado, presente,gênero e número. futuro; • vozes verbais - ativa e passiva. Numeral Numeral é a palavra que dá ao substantivo aidéia de quantidade expressa em números. Pode Modos:ser: • Indicativo: Apresenta o fato de uma maneira real. Exemplo: Eu estudo geografia. • cardinal - 1, 2, 3, 4 - indica uma quantidade exata; • Subjuntivo: Pode exprimir um desejo e • ordinal - 1º, 2º, 3º - indica uma posição apresenta o fato como algo possível ou exata; 40
  • 37. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS duvidoso. Ex.: Se eu tivesse dinheiro, PRETÉRITO PERFEITO – Indica ação ou fato que compraria um carro. começou e terminou no passado.• Imperativo: Exprime ordem. Exemplo: Feche a janela. Eu amei AR ER IR Tu amaste• Infinitivo: 1ª, 2ª e 3ª conjugações verbais. Ele amou -EI -I -I Nós amamos -ASTE -ESTE -ISTE 1ª Conjugação - verbo terminado em AR. Vós amastes Exemplo: Cantar, Pular, Amar, Voltar. -OU -EU -IO Eles amaram -AMOS -EMOS -IMOS 2ª Conjugação - verbo terminado em ER. Ex.: -ASTES -ESTES -ISTES Comer, Beber, Vender. Ação Acabada -ARAM -ERAM -IRAM 3ª Conjugação - verbo terminado em IR. Ex.: Partir, Dormir, Sair. PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO SIMPLES - fato já• Particípio: amado, comido, partido. concluído antes de outro também no passado.• Gerúndio: amando, cantando, partindo. AR, ER, IR Eu cantara -RATempos: Tu cantaras -RAS Mãos dadas Ele cantara Ação Acabada Nós cantáramos -RA Não serei o poeta de um mundo caduco. Vós cantareis -RAMOS Também não cantarei o mundo futuro. Eles cantaram -REIS Estou preso à vida (...) O presente é tão grande, não nos afastemos. -RAM Não nos afastemos muito, vamos de mãos FUTURO DO PRESENTE SIMPLES dadas(...) - indica fato futuro em relação ao que se fala, O tempo é a minha matéria, o tempo presente, imediato e certo. os homens presentes, a vida presente. (ANDRADE, Carlos Drummond de. Reunião - 10 INFINITO PESSOAL livros de poesia.) Eu amarei + PRESENTE - Indica um fato que se realiza no Tu amarás -EI momento em que se fala. Ele amará Nós amaremos -ÁS Eu amo AR ER IR Vós amareis -Á Tu amas Eles amarão -O -O -O -EMOS Ele ama Nós amamos AS -ES ES -EIS Vós amais -A -E E -ÃO Eles amam -AMOS -EMOS -IMOS FUTURO DO PRETÉRITO – Refere-se a uma ação -AIS -EIS -IS futura, que pode indicar condição. Está vinculado a -AM -EM -EM um momento do passado.PRETÉRITO IMPERFEITO - Indica ação inacabada no Eu amaria ARpassado, ou ainda uma ação que o sujeito Tu amarias -IAcostumava fazer. Ele amaria Nós amaríamos -IAS AR ER/IR Vós amaríeis -IA Eu amava -AVA -IA Eles amariam -ÍAMOS Tu amavas -AVAS -IAS Ele amava -ÍEIS Nós -AVA -IA -IAM amávamos -ÁVAMOS -ÍAMOS Vós amáveis -ÁVEIS -ÍEIS Tipologia Verbal Eles amavam -AVAM -IAM Tipo Característica Exemplo Intransitivo Não necessita de O giz caiu. Ação Inacabada complemento. 41
  • 38. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSTransitivo Necessita de Giovana tem • tempo - ontem, hoje, depois, agora,Direto complemento – uma bolsa sempre, nunca; objeto direto (OD), (OD). • modo - bem, devagar, rapidamente; que pode ser ou Amo a você • lugar - aqui, lá, ali; não preposicionado (OD • afirmação - sim, certamente, realmente; (quando se deseja preposiciona • negação - não, absolutamente; enfatizar o do). • dúvida - talvez, acaso, provavelmente; significado do • intensidade: muito, bastante, pouco, tão. verbo).Transitivo Necessita de um Rodrigo • Locução adverbial – Ocorre quando háIndireto complemento – gosta de duas ou mais palavras com valor de objeto indireto escutar advérbio. Ex.: Paulo está morrendo de medo (OI), que música (OI). da professora (locução adverbial que necessariamente expressa a circunstância de causa); O belo deve ser rapaz apareceu na festa. (locução adverbial preposicionado. que expressa a circunstância de lugar).Transitivo Aceita os dois NorbertoDireto e complementos, isto reclamou aIndireto é, o objeto direto e terra (OD) Exercícios comentados: o indireto. ao pai (OI). Verbo crackar (TJ-SP) Marque a opção em que a palavra em Eu empobreço de repente destaque é advérbio. Tu enriqueces por minha causa a) O colega mal entendia o que lhe dizíamos. Ele azula para o sertão b) Mal chegando, pusemo-nos a gritar. Nós entramos em concordata c) Não pratiques o mal. Vós protestais por preferência d) Maneco, você é mau, hein? Eles escafedem a massa e) Aquele garoto pratica sempre o mal. Sê pirata Resposta: letra A. Sede trouxas Na B, mal é uma conjunção subordinativa Abrindo o pala temporal e pode ser substituída por assim que Pessoal sarado. (chegamos); na C e na E, mal é um substantivo que significa errado; e na D, mau é um adjetivo.Oxalá que eu tivesse sabido que esse verbo erairregular. (TJ-SP) Marque a opção em que a palavra em destaque é advérbio. (ANDRADE. Oswald de. a) O colega mal entendia o que lhe dizíamos. Memórias sentimentais de João Miramar. b) Mal chegando, pusemo-nos a gritar. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1978) c) Não pratiques o mal. d) Maneco, você é mau, hein?Além das características acima, os verbos podem e) Aquele garoto pratica sempre o mal.ser classificados da seguinte maneira: • Regulares: não há grandes modificações no Resposta: letra A. radical da 1ª pessoa do presente do Na B, mal é uma conjunção subordinativa indicativo e do pretérito perfeito. Ex.: temporal e pode ser substituída por assim que cantar, beber, partir. (chegamos); na C e na E, mal é um substantivo que significa errado; e na D, mau é um adjetivo. • Irregulares: nestes verbos ocorrem modificações no radical. Ex.: Pedir – peço, (Objetivo-SP) Aponte a alternativa em que pedi; Ser – sou, fui. mais é advérbio de tempo: a) Você voltou mais cedo que nós. • Defectivos: são os verbos que não possuem b) Não somos mais alunos. 1ª pessoa do singular. Ex.: falir, colorir. c) Quero comprar mais imóveis. d) Tens mais compromissos do que eu? • Anômalos: são aqueles que possuem mais e) Sansão foi mais forte. de um radical. Ex.: fazer, ser, ir. Resposta: letra B. Advérbio A oração “Não somos mais alunos” equivale a “Não somos, a partir de agora, alunos” e por isso tem a O advérbio é uma palavra invariável que função de advérbio de tempo.modifica o sentido do verbo, podendo alterartambém o sentido de um adjetivo ou até mesmo de (TCE- TO) Aponte a alternativa em que nãooutro advérbio. ocorre advérbio de intensidade. a) Pedrinho fala bem mal. O advérbio pode ser de: b) As meias custaram caro. c) As meias estão caras. 42
  • 39. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSd) João é meio maluco. Resposta: letra D. Na primeira lacuna é adequada ae) Ele era um homem bem trajado. preposição com, pois quem está aflito, está aflito com alguma coisa; a segunda, pede a preposição aResposta: letra C. porque o sujeito não se encontra apto a algumaNa letra A, bem intensifica o advérbio mal, assim coisa; a terceira lacuna, da mesma forma, solicita acomo na B, caro intensifica o verbo custaram; na D, preposição a. A quarta lacuna é preenchida pelameio intensifica o adjetivo maluco e na E, o preposição para (sujeito está ansioso para algo) eadjetivo trajado é intensificado pelo advérbio bem. na quinta utiliza-se em (situados em).(BOMBEIROS-GO) Uma das opções abaixo Conjunçãocontém um advérbio de modo. Marque-a.a) Hoje faz mau tempo. Embora sonetob) Os maus serão castigados.c) Não deves fazer o mal. Vivo meu porémd) Maria anda mal vestida. No encontro do todaviae) Mal chegou, olhou desconfiado. Sou mas. ContudoResposta: letra D. Encho-me de aindaNa alternativa A, mau é um adjetivo (contrário de Na espera do quandobom); na B, maus desempenha a função de Desando ou desbundo.substantivo comum (contrário de os bons); na C, Viver é apesarmal é um substantivo abstrato e na E, mal Amar é a despeitodesempenha a função de conjunção subordinativa Ser é não obstante.temporal, equivalendo a assim que. Destarte Sou outrossim Preposição Ilusão, sem embargo Malgrado senão. Flor da pele (BARROS, Paulo Alberto M. Monteiro. (Artur da flor da boca da pele do céu Távola) Calentura. pele do céu da flor da boca Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 17.) céu da flor da boca da pele boca da pele do céu da flor Conjunção é a palavra que liga orações ou termos semelhantes de uma oração. Se subdivide (CAMPOS, Augusto de. Viva vaia. em: São Paulo, Duas Cidades, 1979. p. 107) • Coordenativa - aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas; e Preposição é o que liga duas palavras • Subordinativas - concessivas, condicionais, entre si, estabelecendo entre elas certas conformativas, causais, comparativas, relações. Pode ser: consecutivas, finais, integrantes, proporcionais, temporais. • simples (expressa por apenas um vocábulo) – de, com, por, para, a, ante, após, até, com, • Locução conjuntiva – ocorre quando há contra, desde, em, entre, perante, sem, duas ou mais palavras com valor de uma sobre, trás. conjunção. Ex.: já que, a fim de. • composta (locução prepositiva) - além de, Obs.: As conjunções subordinadas e coordenadas por entre. serão tratadas em sintaxe. Interjeição Exercício comentado: Uai! Uai! é o que se diz, se o tempo vai(MACK-SP) Indique a letra correspondente à ou fica preso em nós, e lastimável.alternativa que completa, com as preposições Uai! para a manhã; o outono, o espasmo,adequadas as lacunas do seguinte período: para os muros da infância e o amor sumido.“Pareci muito aflita ........... tua mudança Dizer uai! uai! agora, e nuncainexplicável porque não me encontrava apta dizer senão uai! aos que fugiram,.......... nova situação, nem sou imune ......... tempos do mesmo uai! desirmanados.choques emocionais. Confesso-te que estouansiosa .......... ver-te com os pensamentos (CÉSAR. Guilhermino.situados.......... esferas mais tranqüilas.” Sistema do imperfeito & outros poemas.a) para com – à - a.- de - entre Porto Alegre. Globo, 1977. p. 17.)b) por - a - à - por - nasc) para- à - à- de - em A interjeição é um vocábulo-frase. Exemplos:d) com - à - a - para - em Ah! Oh! Uai!e) sobre - à - aos -por - entre 43
  • 40. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS • Locução interjetiva é o conjunto de duas b) vir / dispuser / vai e) vier / dispor / vai ou mais palavras com valor de interjeição. c) vier / dispor / vá Ex.: Que horror! 2) (CARLOS CHAGAS) Ele _____________ que lhe _____________ muitas dificuldades, mas enfim _____________ a verba para a pesquisa. Exercício comentado: a) receara / opusessem / obtera b) receara / opusessem / obtivera c) receiara / opussem / obtivera(TCE-CE) A classificação do vocábulo d) receiara / oposessem / obteradestacado está correta em: e) receara / opossem / obteraa) “Os infelizes tinham caminhado o dia inteiro”. Adjetivo. 3) (FUNDAÇÃO LUSÍADA) Assinale a alternativa queb) “Mas como haviam repousado bastante na areia se encaixe no período seguinte: “Se você do rio seco...”. Pronome. _____________ e o seu irmão _____________,c) “Espiou os quatro cantos, zangado, quem sabe você _____________ o dinheiro.” praguejando baixo...”. Advérbio.d) “Entregou a espingarda a Vitor”. Artigo. a) requeresse / interviesse / reouvesse b) requisesse / intervisse / reavesseResposta: letra C. Erros – infelizes = substantivo; c) requeresse / intervisse / reavessebastante = advérbio; a = preposição. d) requeresse / intervisse / reavesse e) requisesse / intervisse / reouvesse(FISCAL-PB) Marque a alternativa que indicaas classes de palavras destacadas conforme a 4) A segunda pessoa do singular do pretéritoordem em que estas aparecem a seguir: perfeito do indicativo do verbo precaver é:“Ante essa repulsa obstinada, teve as maisvariadas reações.” e “Isso produzia nele um a) precavias d) precavisteconstrangimento não só perante todos b) precavieste e) n.d.a.quantos sabiam da estória como também c) precavesteperante si mesmo.” 5) Assinale a opção que completa corretamente asa) advérbio, adjetivo, numeral, pronome lacunas da seguinte frase: “Quandodemonstrativo, advérbio _____________ mais aperfeiçoado, o computadorb) preposição, adjetivo, advérbio, pronome certamente _____________ um eficiente meio dedemonstrativo, preposição controle de toda a vida social.”c) preposição, adjetivo, advérbio, pronomedemonstrativo, advérbio a) estivesse / será d) estivesse / erad) advérbio, verbo, pronome indefinido, pronome b) estiver / seria e) estiver / serárelativo, adjetivo c) esteja / erae) conjunção coordenativa, adjetivo, numeral,pronome indefinido, preposição 6) Quando _____________ todos os documentos, _____________ um requerimento eResposta: letra B. Ante = preposição; obstinada = _____________ a chamada de seu nome.adjetivo (qualifica o substantivo repulsa); mais =advérbio (modifica o adjetivo variadas); isso = a) obtiver / redija / aguarda d)pronome demonstrativo; perante = preposição ob-ter / redija / aguarde(equivale a diante de) b) obteres / rediges / aguardes e) ob-tiver / redija / aguarde(Objetivo-SP) Aponte a alternativa em que c) obtiveres / redige / aguardamais é advérbio de tempo:a) Você voltou mais cedo que nós. 7) Ele _____________ numa questão difícil de serb) Não somos mais alunos. resolvida e _____________ seus bens graças aoc) Quero comprar mais imóveis. bom senso.d) Tens mais compromissos do que eu?e) Sansão foi mais forte. a) interviu / reouve d) interveio / reouve b) interveio / rehaveu e) interviu / rehouveResposta: letra B. c) interviu / reaveuA oração “Não somos mais alunos” equivale a “Nãosomos, a partir de agora, alunos” e por isso tem a 8) Em que frase a forma verbal não está flexionadafunção de advérbio de tempo. corretamente?EXERCÍCIOS a) Eu águo as flores que a sua mãe planta. b) Ninguém creu no que ela declarou.1) (CARLOS CHAGAS) Se você _____________ no c) Se pores tudo em ordem, ficarei satisfeito.próximo domingo e _____________ de tempo d) Foi aos gritos que ela interveio na_____________ assistir a final do campeonato. discussão.a) vir / dispor / vá d) vier / dispuser / vá e) Eu môo o grão, você depois faz o pão. 44
  • 41. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS9) (PUC) Indique a frase onde houver uma forma - feminino (menina, mulher, árvore, pátria, mão,verbal incorreta. etc.).a) O vegetais clorofilados sintetizam seu Os artigos e adjetivos vinculados aos nomes-próprio alimento. substantivos concordam com seu respectivob) Se ela vir de carro, chame-me. gênero.c) Lembramos-lhe que o eucalipto é umaexcelente planta para o reflorestamento. Númerod) Há rumores de que pode haver novoracionamento de gasolina. A categoria de flexão de número é a que indica see) N.d.a. um nome é referido a um único ser ou objeto ou se é referido a mais de um ser ou objeto (referido a10) (MACK) Assinale a alternativa em que não há um grupo ou conjunto de seres ou objetos). Quantoerro na forma verbal. à flexão de número, os nomes-substantivos podem estar:a) Minha mãe hesitou; tu não hesitastes.b) Esta página vale por meses; quero que - no singular (um, homem, país, lápis, carro,valha para sempre. batalhão, etc.);c) Tu tiveste dezessete anos; vós tivesteissempre a mesma idade. - no plural (uns, homens, países, lápis, carros,d) A análise das minhas emoções é que batalhões, etc.).entrava no meu plano; vós não entravais.e) Achavam-se lindo e diziam-mo; achavais- Os artigos, adjetivos e verbos, vinculados aosme lindo e dizieis-mo. nomes-substantivos, concordam com seu respectivo número.RESPOSTAS: Nexos oracionais1)d; 2)b; 3)a; 4)c; 5)e; 6)e; 7)d;8)c; 9)b; 10)b. Conforme já visto anteriormente, no item de “nexos”, ouso de questões onde aparecem os nexos PALAVRAS COGNATAS OU FAMÍLIAS coordenativos e subordinativos é um dos pontos ETIMOLÓGICAS altos da Prova de Português. Variados, indispensáveis e ricos na estruturação de sentidos, esses nexos, em primeiro lugar devem estar naAs que provêm de um mesmo radical. ponta da língua. Saber diferenciar os coordenativos das subordinativas, suas diferenças e semelhanças,Exemplos: agrário, agricultor, agrícola, suas oposições e concordâncias. É comum aperegrino; lácteo, lactante, leiteria, laticínio; questão que traz um nexo destacado em uma dasnatal, nativo, nasciturno, renascer. linhas do texto, e pede-se, nas alternativas, qual deles mantém o mesmo sentido do original ou, USO DOS ARTIGOS E NEXOS então, qual deles modifica o sentido.Os artigos são as palavras que se antepõem aos ASPECTOS GRÁFICOSsubstantivos para lhes conferir gênero e número.Os artigos ainda indicam se os seres ou objetos aosquais se referem são seres ou objetos específicos ORTOGRAFIA(quando já houve menção anterior a esses seres e Sistema oficial vigenteobjetos no contexto da enunciação), ou aindaindicam se os seres ou objetos são representantes Grafia correta das palavrasde uma espécie de ser ou objeto (quando nãohouve menção anterior a tais seres e objetos no A técnica de empregar a linguagem na forma decontexto da enunciação). No primeiro caso, os comunicação escrita é chamada de grafia.artigos são definidos, e, no segundo caso, os O emprego da grafia correta é conhecido em nossaartigos são indefinidos. Os artigos concordam em língua como ortografia.gênero e número com os substantivos a que se A ortografia ainda empregada no Brasil é a doreferem. Pequeno Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, 1943, que, em 18 de dezembro deGênero 1971, sofreu algumas alterações, no que tange às regras de acentuação gráfica das palavras.A categoria de flexão de gênero é a que divide os Na ortografia, estudam-se, entre outros pontos:nomes de seres através do critério de sexo (ou, alfabetopara elementos inanimados, através de associações letraspsicológicas). Na língua portuguesa, são dois os vocábulos homógrafos e homófonosgêneros: acentuação gráfica emprego de algumas letras- masculino (menino, homem, carro, tambor, abreviaturas.trovão, etc.); 45
  • 42. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSALFABETO Abscesso, abscissa, acrescentar, adolescente, aquiescer, etc.O conjunto de letras empregadas na comunicaçãoescrita de uma língua é chamado de alfabeto. EMPREGO DE AM E ÃO:O alfabeto da língua portuguesa é composto de 23(vinte e três) letras – cinco vogais e dezoito A terceira pessoa do plural dos verbos terminaráconsoantes. em AM, se a sílaba tônica, (isto é, a sílaba forte),Letras que compõem o alfabeto e seus respectivos for anterior a essa terminação AM.nomes: a (a), b (bê), c (cê), d (dê), e (é), f (efe),g (gê), h (agá), i (i), j (jota), l (ele), m (eme), n Mandaram, esperam, voltaram, etc.(ene), o (ó), p (pê), q (qué), r (erre), s (esse), t(tê), u (u), v (vê), x (xis), z (zê). A terceira pessoa do plural terminará em ÃO, se a sílaba tônica for a própria sílaba em que está aLETRAS terminação ÃO.Enquanto os fonemas são unidades sonoras, as Mandarão, esperarão, voltarão, etc.letras são sinais gráficos que representam osfonemas. Emprego do R (fraco)Quanto à forma, as letras podem ser: maiúsculas eminúsculas. Observe: A, B, C, D, E Um R, entre duas vogais, é sempre fraco. a, b, c, d, e Caro, careta, caroço, carícia, etc.Quanto à natureza, as letras podem ser: vogais econsoantes. Observe: a, e, i, o, u  vogais Por isso, se quisermos torná-lo forte, teremos que b, c, d, f, g,...  consoantes dobrá-lo.DÍGRAFO Exemplos: carro, carreta, carroça, etc.Grupo de letras que representam um só fonema. EMPREGO DO GEx.: ch (chave), gu (guerra), lh (palha), nh(manhã), qu (quero), rr (carro), ss (passo) Se o vocábulo primitivo for grafado com g, seusPode-se acrescentar: sc (descer), sç (cresço), xc derivados também serão. Veja:(exceção), xs (exsudar), correspondem a duasletras e um único som. Exigir – exigênciaAntes de p e b, acrescenta-se m: pampa, bamba Impingir – impingem Afligir – afligemEMPREGO DAS LETRAS Usa-se g em viagem (substantivo):EMPREGA-SE C (Ç): Tudo transcorreu bem durante a viagem.a) Nos vocábulos derivados de primitivos com t noradical (t – ç ou c): torto – torção, torcer, distorcer, Mas usa-se j em viajar e seus derivados:contorção, contorcer; isento – isenção; exceto – O caixeiro-viajante passou por aqui ontem.exceção; Marte – marcial – marciano; discreto – Que eles viajem durante a noite: preocupo-mediscrição; indiscrição. muito.Exceção: dissentir (= discordar) – dissensão (= EMPREGO DO X, S E Zdiscórdia) Usa-se a letra x geralmente nos vocábulosb) Nos vocábulos derivados do verbo ter e seus iniciados por e (e seus derivados) e antes de vogal.compostos (ter – tensão) reter – retenção; deter – Ex.: Exatidão existência exorcizardetenção.c) Nos vocábulos de origem indígena: Iguaçu, Usa-se a letra sCanguçu, Juçara, Paraguaçu, babaçu.d) Após ditongo: foice, fauce, coice, feição, louça, a) após ditongos:traição.e) Nos vocábulos derivados de primitivos com ç (c) aplauso causa coisa faisãono radical: afiançar (fiança); adocicar, adocicado lousa maisena mausoléu(doce); açucarado (açúcar); dançante, dançarino;acelerar (célere) O sufixo – inho/zinhoEMPREGO DE SC: O sufixo inho e seu composto zinho são muito usados em português para compor o diminutivo.Não há, dentro do nosso idioma, regra específica eprática para o emprego do dígrafo sc, que aparece Usa-se inho quando o vocábulo primitivo terminarsomente em palavras de origem latina. Os em s ou z: lápis – lapisinho raiz – raizinhaseguintes vocábulos são de uso freqüente: nariz – narizinho 46
  • 43. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSUsa-se zinho quando o vocábulo primitivo tiver Às vezes, o C e o Ç são confundidos com S ou Ss.outra terminação: lã – lãzinha mãe – mãezinha Algumas palavras com C:papel - papelzinho • acender (iluminar), acento (tom de voz), alicerce, cacique, cear, cebola, cê-EMPREGO DAS LETRAS G e J cedilha, cédula, célula, censo (recenseamento), penicilina, etc.1) Escrevem-se com G:- argila, agenda, gesto, giz, gengiva, girafa, gente, Algumas palavras com Ç:gesso, sargento, viagem, etc. • aço (ferro temperado), açúcar, alçapão, almoço, caiçara, coação, maçom,2) Usa-se a consoante J: mordaça, ouriço, ruço (grisalho), traça, etc.a) nos derivados de palavras terminadas emJA: EMPREGO DO SS e RR- laranjeira, laranjinha (de laranja)- granjear (e suas flexões) (de granja) Duplicam-se o S e o R em dois casos:- gorjeta, gorjeio, gorjear (e suas flexões) (de 1) Quando intervocálicos, representam os sonsgorja = garganta) simples do R e S iniciais:- lojista, lojinha (de loja) - carro, ferro, pêssego, missão.- lisonjeiro, lisonjear (de lisonja)b) Em todas as formas de conjugação dos verbos 2) Quando a um elemento de composiçãoem JAR: terminado em vogal, seguir, sem interposição do- arranjar, viajar, etc. hífen, palavra começada por uma daquelas:c) em palavras de origem ameríndia, africana ou - derrogar, prerrogativa, prorrogação,popular: pressentimento, madressilva, sacrossanto,- canjica, jeca, jequitibá, jerico, cafajeste, jibóia, dulcíssimo, etc.pajé, Moji, etc.d) nas seguintes palavras: EMPREGO DO SC- jeito, ajeitar, desajeitado, injeção, jerimum,majestade, pajem, a juíza, etc. 1) Elimina-se a letra S do dígrafo SC (do latim): a) quando inicial:EMPREGO DO S - cena, cetro, ciência;Muitas vezes o S é confundido com C, Ç ou X, mas b) Nos compostos formados em nossa língua:mencionaremos apenas os casos em que mais - encenação, alvorecer, anticientífico.freqüentemente se erra no emprego: 2) Mantém-se o S:1) Nos seguintes monossílabos: a) em palavras compostas provindas do latim:- ás (carta, aviador exímio), três, mês, rês, trás - consciência, cônscio, acrescentar, prescindir,(prep.), gás (e seus derivados). proscêncio. b) No dígrafo medial SC de certas palavras de2) Nos oxítonos: origem latina:- aliás, anis, carnês, atrás, através, convés, - nascer, crescer, descer, florescer, discípulos,freguês, país, retrós, revés (e seus derivados). ascensão, imprescindível, piscina, seiscentos, susceptível, etc.3) Nos seguintes nomes próprios:- Inês, Isabel, Luís, Resende, Teresa, Tomás, Luisa, EMPREGO DO Zetc. Emprega-se:4) Nos adjetivos pátrios terminados em ÊS: 1) Nos derivados em ZAL, ZINHO, ZITO:- francês, inglês, português, etc. - cafezal, cafezeiro, cafezinho, irmãozinho. 2) Nos derivados de palavras de radical em Z:5) Nos verbos em ISAR, derivados de palavras cujo - cruzeiro (de cruz), enraizar (de raiz).radical termina em S: 3) Nos verbos formados com o sufixo IZAR:- analisar, alisar, pesquisar, paralisar, avisar, etc. - fertilizar, civilizar, e palavras corradicais: exceção: catequese = catequizar. civilização. 4) Nos substantivos abstratos em EZA, derivados6) Nas formas do verbo pôr, querer, usar e seus de adjetivos e denotando qualidade física ou moral:derivados: - leveza (de leve).- pus, pusesse, quis, quiser, repus, repuser, 5) Em várias outras palavras:compus, compusesse, usasse, etc. - azeite, azedo, cozinha, mezinha (remédio), bazar, proeza, buzina, etc.7) Nas palavras:- pretensão, salsicha, senso (juízo), misto, EMPREGO DO CHcansaço, descanso, ansioso, esplendor, turquesa,ânsia, etc. Algumas palavras com CH: - bicho, bucha, broche, bochecha, boliche, cacho,EMPREGO DO Ç chuchu, charque, chimarrão, charuto, chope, chumaço, churrasco, colchão, cachaça, cochilo, 47
  • 44. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSdeboche, encharcar, ficha, flecha, fantoche, II) Sufixos ESA e EZA:salsicha, inchar, mochila, piche, prancha, penacho, a) Escreve-se ESA (com S):guincho, etc. 1. Nos seguintes substantivos derivados de verbos em ENDER:EMPREGO DO X - defesa (defender), despesa (despender). 2. Nos substantivos femininos designativos de1) Esta letra representa os seguintes sons: títulos nobiliárquicos:a) CH: xarope, vexame - baronesa, duquesa, marquesa, princesa,b) CS: reflexo, tóxico consulesa.c) Z: exame, exílio 3. Nas formas femininas dos adjetivos em ÊS:d) SS: auxílio, próximo - burguesa (de burguês), freguesa (de freguês).e) S: Sexta, texto. 4. Nas seguintes palavras femininas:2) Não soa nos grupos internos (dígrafo): - framboesa, indefesa, mesa.- exceder, exceção, excelente.3) Escreve-se com X: III) Verbos em ISAR e IZAR:a) em geral, depois de ditongo: caixa, rouxinol, Escreve-se ISAR (com S) quando o radical dosameixa, frouxo. nomes correspondentes termina em S:b) geralmente, depois da sílaba inicial EN: - avisar (aviso + ar)- enxame, enxada, enxugar. Se o radical não terminar em S, grafa-se IZARc) em vocábulos de origem indígena ou africana: (com Z): - abacaxi, xavante, caxambu. - anarquizar (anarquia + izar).4) Note-se a presença desta consoante em: - puxar, enxofre, lixa, mexer, mexerico, rixa, EMPREGO DO O E DO Upraxe, xadrez, xale, xingar, bexiga, xícara, Xá(soberano da Pérsia). Uma das razões da confusão entre u e o é que a vogal o, de timbre fechado, quando reduzida, soaEMPREGO DA LETRA H quase como u, o que acaba provocando dúvidas na correta grafia de algumas palavras. Veja:Esta letra não tem valor fonético no começo daspalavras; conservou-se apenas como símbolo, por Com Oforça da etimologia e da tradição escrita.Emprega-se o H: Abolir – amêndoa – boteco – bússola – coelho -1) Inicial, quando etimológico: comprimento (extensão) - homem, hélice.2) Medial, como integrante dos dígrafos CH, LH, Com UNH: - chave, telha, campainha. Acudir - bueiro – bulir – burburinho - cumprimento3) Final, em certas interjeições: (saudação) - ah! Ih!4) Em compostos unidos por hífen no início do DÚVIDAS DE GRAFIA E DE PRONÚNCIA:segundo elemento: candeeiro (= lampião) - sobre-humano casimira5) No substantivo próprio Bahia (estado do Brasil). cumeeira dirimir (= esclarecer, resolver)EMPREGO DAS LETRAS K, W e Y discrição (= reserva, recato)Usam-se apenas: eletricista, eletricitário1) Em abreviaturas e como símbolos de termos empecilho (= obstáculo)científicos de uso internacional: entabular (= iniciar, preparar)- km (quilômetro), K (potássio), etc. entreter, entretenimento2) Na transcrição de palavras estrangeiras não equitação (u mudo)aportuguesadas: digladiar (= disputar, combater)- kart, smoking. dilapidar (= esbanjar)3) Em nomes próprios estrangeiros não discente (aluno)aportuguesados e seus derivados: disenteria- Kant, Wagner, Disneylândia. INICIAIS MAIÚSCULAS E MINÚSCULASEMPREGO DAS LETRAS S ou Z MaiúsculasI) Sufixos ÊS e EZ: 1. Em início de frase. a) O sufixo ÊS forma adjetivos (às vezes 2. Em substantivos próprios:substantivos) derivados de substantivos: - José, Sílvia, Tupã, Marte, Deus, Via-Láctea, - cortês (de corte), chinês (de China), francês Maceió, Suécia, Campinas, etc.(de França). 3. Em épocas históricas, datas e fatos importantes: b) O sufixo EZ forma substantivos abstratos - Romantismo, Proclamação da República, Natal,femininos, derivados de adjetivos: Páscoa, etc. - aridez (de árido), acidez (de ácido), estupidez 4. Nomes de cargos políticos e de dignidades(de estúpido). políticas e religiosas: 48
  • 45. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS - Presidente, Deputado, Prefeito, Papa, Bispo. d) idealizar, simbolizar, avisar, improvisar5. Nomes de conceitos religiosos, cívicos, políticos: e) fertilizar, concretizar, cicatrizar, matizar. - Nação, Pátria, etc.6. Expressões de tratamento: 2) (Mackenzie) Assinale a alternativa em que - Vossa Excelência, Sua Senhoria, etc. todas as palavras estão corretamente grafadas:7. Nomes de ruas, praças, etc: a) assessores, exceção, incansável - Ipanema, Largo do Machado, Praça da Sé, b) pretencioso, aspectos, sossegoAcademia Brasileira de Letras, etc. c) excessivo, expontâneo, obseção8. Nomes de produções artísticas, culturais, d) quiseram, essência, impecilioreligiosas, políticas, etc: e) obsecado, reinvidicação, repercussão. - O Guarani, Arquitetura, Manchete, etc.9. Nomes comuns, quando usados para 3) (FUVEST) Preencha os espaços vazios com apersonificar: alternativa adequada. - o Ódio, o Moral; a Morte, etc. Estava _____________ a ____________ da guerra, pois os homens ____________ nosMinúsculas erros do passado.Nos versos modernos tem-se dispensado o uso de a) eminente / deflagração / incidiramletras minúsculas: b) iminente / deflagração / reincidiram c) eminente / conflagração / reincidiram“No meio do caminho haviam pedras d) preste / conflagração / incidiramhaviam pedras no meio do caminho e) prestes / flagração / recindiramhaviam pedrasem meu caminho” 4) (Fund. Carlos Chagas) Use ___________ de ____________ diferentes para____________Os nomes de países escrevem-se com maiúsculas, na lousa a relação dos materiais.mas os de povos e de línguas com minúsculas: a) gis / côres / dispôr b) giz / côres / dispôrO Brasil a França a Espanha c) gis / cores / disporos brasileiros os franceses o espanhol d) gis / côres / dispor e) giz / cores / disporOs nomes próprios tornados comuns, inclusive noscompostos unidos por hífen, também se escrevem 5) (Fund. Carlos Chagas) Na biblioteca, todos têmcom minúscula: ____________ aos livros que desejam ____________.castanha – do- pará a) assesso / compulsarpau-brasil b) asseço / compulsarave-maria c) acesso / compulsar d) acesso / compulçarOs nomes comuns tornados próprios escrevem-se e) assesso / compulçarcom maiúscula:“Uma modificação necessária seria, por exemplo, 6) (Fund. Carlos Chagas) A ____________ a seracrescentar um Sintagma Adverbial aos desenvolvida visava à ____________ deconstituintes da oração.” (Mario Perini) objetos bastante ____________.Em títulos de obras literárias, deve-se usar a) pesquisa / consecução / pretensiososmaiúscula apenas na palavra inicial do título: b) pesquisa / consecussão / pretenciososMemórias de um sargento de milícias e A cidade e c) pesquisa / consecução / pretenciososas serras. d) pesquiza / consecução / pretensiososNos nomes dos dias dos meses da semana: e) pesquiza / consecussão / pretenciososjaneiro fevereiro sexta-feira sábadoNos nomes de festas populares ou pagãs, também 7) (Fund. Carlos Chagas) Estavam ____________usam-se letras minúsculas: de que os congressistas chegassemo carnaval nas festas juninas a festa da cerveja ____________para a__________________de abertura.Obs.: Quando os pontos cardeais indicam a) receosos / atrasados / sessãolocalização, usam-se minúsculas: b) receosos / atrazados / seção c) receiosos / atrazados / seçãoA extremidade sul da ponte ruiu. d) receiosos / atrasados / sessãoAo norte, pegando-se essa estrada, nota-se o e) receiosos / atrazados / sessãoprincípio da erosão. 8) Preencha as lacunas com S ou Ç: EXERCÍCIOS a) sumi___o b) sen___ato1) Assinale a alternativa que contenha uma c) proibi___ão palavra mal grafada: d) compul___ório a) capitalizar, socializar, canalizar, radicalizar e) imer___ão b) analisar, alisar, deslizar, imunizar f) far___a c) alizar, abalizar, catalisar, bisar g) ra___ão 49
  • 46. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS o h) sem___ato 6 ) Acentuam-se o I e o U quando segundo elemento tônico do hiato, seguidos ou não de9) Preencha as lacunas com S ou Z: S: egoísta, reúne, juíza, faísca. a) desli___amento b) análi___e 7o) Não se acentuam as ditas vogais quando c) despre___o seguidas de L, N, R, Z, M finais de sílaba ou do d) a___edo dígrafo NH: ruim, juiz, rainha, ainda, cair. e) vi___inho f) co___inhar 8o) Não se acentuam grupos vocálicos fechados ou g) sinu___ite ditongos fechados, com exceção de ÔO no h) i___ento final: pessoa, coroa, reis, vôo, enjôo.10) Preencha as lacunas com SS ou Ç: 9o) Acentuam-se as formas verbais: a) regre___o - monossílabos terminados com EM na b) exce___ão terceira pessoa do plural: c) conce___ão eles tem – eles têm; ele vem – eles vêm. d) agre___ão - monossílabos ou oxítonos terminados com Ê e) exce___ivo no singular são também acentuados no plural: f) so___ego ele vê – eles vêem; ele lê – eles lêem; ele g) extin___ão descrê – eles descrêem. h) alma___o OBS: Nos verbos derivados de TER e VIR, a terceiraRESPOSTAS: pessoa do singular recebe acento agudo, enquanto que a terceira pessoa do plural recebe acento1) c; 2) a; 3) b; 4) e; 5) c; 6) a; 7) a; circunflexo: ele contém – eles contêm; ele convém8) a) ç; b) s; c) ç; d) s; e) s; f) s; g) ç; h) s; – eles convêm.9) a) z; b) s; c) z; d) z; e) z; f) z; g) s; h) s;10) a) ss; b) ç; c) ss; d) ss; e) ss; f) ss; g) ç; h) ç 10o) O trema deve ser colocado nos grupos GUE, GUI, QUE, QUI: agüenta, cinqüenta, ACENTUAÇÃO tranqüilo, quando o u for pronunciado. 11o) Acentuam-se para distinguir os homógrafos1o) Acentuam-se os monossílabos tônicos tônicos de átonos: terminados em: A, E, O, seguidos ou não de S: - pára (verbo) – para (preposição); pás, já, mês, pés, pó. - péla, pélas (verbo) – pela, pelas (conjunções, per + a );2o) Acentuam-se os vocábulos oxítonos terminados - pélo (verbo), pêlo (substantivo) – pelo (per em: A, E, O, seguidos ou não de S, e os + o): terminados em ENS, EM: Pará, inglês, você, - pólo, pólos (extremidade, jogo) – pôlo, vovô, jacaré, parabéns, ninguém. pôlos (falcão); - pôr (verbo) – por (preposição);3o) Acentuam-se os vocábulos paroxítonos, - côa, côas (verbo coar) – coa, coas terminados em: (contrações com + a, com + as); - Ditongo: ambulância, ginásio, série - pôde (pretérito perfeito do verbo poder) – - R: revólver pode (presente do indicativo). - L: útil - N: hífen OBS: A reforma ortográfica de 1971 aboliu o - X: tórax acento circunflexo como diferencial nos homógrafos - PS: bíceps de tônica fechada: erro, sede, governo, almoço e - Ã: ímã não mais êrro, sêde, Govêrno, almôço. - ÃS: ímãs, órfãs A mesma reforma eliminou também o - ÃO: órgão acento secundário que se grafava na sílaba - ÃOS: órfãos subtônica: somente, cafezinho, cafezal e não mais - I: táxi sòmente, cafèzinho, cafèzal. - IS: lápis O acento grave usa-se apenas para indicar - US: vírus a crase da preposição A com os artigos A, AS e com - UM: álbum os demonstrativos A, AS, AQUELE(S), AQUELA(S), - UNS: álbuns AQUILO.4o) Acentuam-se todos os vocábulos EXERCÍCIOS proparoxítonos, com acento agudo, se forem vogal tônica aberta: sólido, médico e com 1) Assinale a alternativa em que a palavra não tem acento circunflexo, se o som for fechado: as suas sílabas corretamente separadas. lâmpada, pêssego.5o) Acentuam-se os ditongos abertos ÉU, ÉI, ÓI, a) in – te –lec – ção quando tônicos: céu, papéis, herói. b) cons – ci – ên – cia c) oc – ci – pi – tal 50
  • 47. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS d) psi – co – lo – gia f) ( ) Você ainda crê nessa lenda? e) ca – a – tin – ga g) ( ) Ela vêm a reunião. h) ( ) Eles relêem esta obra todos os anos.2) Assinale a opção em que a divisão de sílabas não está corretamente feita RESPOSTAS: a) a – bai – xa – do 1) d; 2) b; 3) c; 4) a; b) si – me – tria 5) heroína – ínterim – cônsul – baú – júri; c) es – fi – a – pa – da 6) b; 7) d; d) ba – i – nhas a) E; b) E; c) E; d) C; e) C; f) C; g) E; h) C. e) ha – vi – a RELAÇÃO ENTRE FONEMAS E GRAFIAS3) O plural de TEM, DÊ e VÊ é respectivamente(OSEC) a) têm, dêem e vêm Fonologia b) têm, deêm e vêem Fonologia é o estudo dos fonemas de uma língua c) têm, dêem e vêem Fonemas são unidades sonoras capazes de d) deêm e vêm estabelecer diferenças nos significados das e) dêem e vêem palavras.4) A última reforma ortográfica aboliu o acento Classificação dos Fonemas gráfico da sílaba subtônica e o acento diferenciado. Por isso, não há erro de Vogal = São as cinco a, e, i, o, u - funcionam acentuação na alternativa: como base de uma sílaba. Em cada sílaba há a) surpresa, pelo (contração), sozinho apenas uma vogal. NUNCA HAVERÁ MAIS DO QUE b) surprêsa, pelo (contração), sòzinho UMA VOGAL EM UMA MESMA SÍLABA. c) surprêsa, pélo (verbo), sozinho d) surpresa, pêlo (substantivo), sòzinho Consoante = Qualquer letra que só possa ser soada e) n.d.a. com o auxílio de uma vogal (com + soante = soa com...). Na fonética são consoantes b, d, f, g (ga,5) Em cada série de palavra abaixo, apenas uma go, gu), j (ge, gi, j) k (c ou qu), l, m (antes dedeve ser acentuada, assinale-a: vogal), n (antes de vogal), p, r, s (s, c, ç, ss, sc, sç, a) caju – ruim – heroina – sutil xc), t, v, x (inclusive ch), z (s, z), nh, lh, rr. b) bainha – dedo – interim – sufoco c) tatu – porão – Bauru – consul Semivogal = São as letras i e u, quando formarem d) jovem – tabu – bau – conforto sílaba com uma vogal, antes ou depois dela, e as e) perito – juri – rubrica – palidez letras m e n, nos grupos AM, EM e EN, em final de palavra - somente em final de palavra.6) (PUC-SP) Na palavra CONSCIÊNCIA o acentográfico se justifica em função de ser: TÉCNICA DE MEMORIZAÇÃO RÁPIDA a) proparoxítona terminada em ditongo decrescente RESUMO b) paroxítona terminada em ditongo crescente LEITURA E COMPREENSÃO DE TEXTOS c) paroxítona terminada em ditongo decrescente Interpretar é retirar do texto aquilo que d) proparoxítona terminada em hiato ele tem de relevante. e) paroxítona terminada em ditongo nasal DISSERTAÇÃO, como é um texto argumentativo, é formado por três partes7) (OSWALDO CRUZ) Em uma das alternativas, Introdução, Desenvolvimento e todas as palavras devem ser acentuadas. Conclusão. Assinale-a: a) climax, trofeu, constroem, patio ACENTUAÇÃO b) catastrofe, bussola, peru, suino c) juiz, avaro, rubrica, dificil Hei você aí! Toda vez que os que(s) e d) metodo, porem, magoa, tambem porque(s) baterem em um ponto, levarão acentos circunflexos (^). Ex.:8) Coloque CERTO (C) ou ERRADO (E) nas frases Você fez isto porquê? abaixo, considerando a acentuação da palavra grifada. ORTOGRAFIA a) ( ) Este plano de pagamento não nos convêm. Solicite uma empresa que faça b) ( ) Esta aluna têm feito grande telentrega, desta maneira; você estará progresso. acertando o lugar. c) ( ) Poucas pessoas, nesta cidade, detém Se você solicitar uma empresa que faça o poder. tele entrega assim; deste modo correrá d) ( ) Esta caixa contém alguns doces. o risco de seu pedido nem chegar. e) ( ) Os professores revêem as provas 51
  • 48. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSSe você ainda solicitar uma outra Sujeito é o ser de quem se declaraempresa que faça teleentrega desta alguma coisa.outra maneira; você, certamente, estaráligando para o lugar errado. PREDICATIVO Atrasado é aquele que escreve Predicativo é o nome que acompanha o atrasado com “Z”. predicado nominal ou verbo-nominal. Só haverá predicativo na oração,ASPECTOS GRAMATICAIS quando o verbo for de ligação: ser, estar, ficar, parecer, permanecer, Não se esqueça: Ditongo continuar e virar. Crescente é semivogal + vogal e Verbo-nominal é aquele que possui dois Ditongo Decrescente é vogal + núcleos, sendo que um deles é semivogal. representado por um verbo de ligaçãoCRASE subentendido. Verbal é aquela que tem por núcleo o Não coloque crase, DE MANEIRA ALGUMA, diante próprio verbo. de palavra masculina, exceto quando se referir à moda. Complemento Nominal completa o sentido de um nome (substantivo, FONEMAS adjetivo ou advérbio) de significação incompleta. A sílaba é constituída por uma CONCORDÂNCIA NOMINAL: Relaciona- unidade sonora, formada por um ou se ao gênero e número entre o adjetivo e mais fonemas, pronunciados numa o pronome adjetivo, o artigo, o numeral única emissão de voz. ou o particípio e o substantivo ou pronome Há três tipos de fonemas: Vogal, a que se referem. Semivogal e Consoante. PONTUAÇÃO ENCONTRO CONSONANTAL As normas de pontuação se baseiam nos O Encontro vocálico é a seqüência tipos de pausa que, na linguagem escrita, de fonemas vocálicos em uma são representadas por sinais de palavra. pontuação. Pausa breve: vírgula, ponto-e-vírgula, DÍGRAFO dois pontos, parênteses e travessão. O Dígrafo é a seqüência de duas Pausa longa: ponto simples e ponto letras que representam um único parágrafo. fonema (som). Pausa emotiva: ponto de interrogação, Exemplo: CARRO. ponto de exclamação e reticências. EMPREGO DE HÍFEN CONCORDÂNCIA VERBAL Grave bem o esquema: HORAS, se as É a concordância do verbo com o sujeito. palavras tiverem o prefixo inicial H R S e antecedidas por palavra terminada em O e A, levam hífen. REGÊNCIA NOMINAL Exemplo: auto-retrato e supra-renal. Quando um substantivo ou um adjetivo MORFOLOGIA exige outro termo que lhes integre o sentido. O Substantivo é uma palavra variável que indica um ser. Exemplo: O cão é útil REGÊNCIA VERBAL ao homem. O Adjetivo é uma palavra variável que Quando há uma relação entre o verbo e o indica uma qualidade do ser. Exemplo: seu complemento. Essa relação é feita Pedro deu-me um conselho sábio. pelo emprego da preposição. O Verbo expressa ação, estado ou fenômeno. Exemplo: Ele correu rapidamente ao escritório. João é honesto. EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO: Faz muito tempo que não a vejo. LEITURA E COMPREENSÃO DE TEXTOS SUJEITO 1) “Em toda parte, o verdadeiro criador da 52
  • 49. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊS cultura não é o ambiente físico; é o homem, eles tinham a ver com o Rio Grande do Sul. com seus valores indestrutíveis. A roupagem Tendiam para um cosmopolitismo sofisticado, externa da cultura, sua expressão regional, que me levava a descrever a provincianíssima esta sim, é determinada pela paisagem Porto Alegre de 1934 como a metrópole natural”. tentacular e turbulenta que recendia a gasolinaDe acordo com o texto: queimada e asfalto”. a) O homem não consegue destruir seus Segundo o texto: valores, nem o ambiente físico que o cerca a) A Porto Alegre retratada naqueles romances pode mudar-lhe a personalidade. não tinha personalidade própria: era apenas b) É o ambiente físico que determina os uma grande metrópole. valores indestrutíveis da pessoa humana. b) O autor preferiria que a sua Porto Alegre c) O homem não consegue esquivar-se da fosse atualmente uma metrópole influência do meio que vive: os valores provinciana. humanos são profundamente alterados c) O autor encarava então sua terra com por ele. parcialidade, como se ela tivesse usos e d) As peculiaridades regionais são o reflexo costumes particulares. da invariabilidade dos valores humanos. d) A Porto Alegre verdadeira daquela época e) É o homem quem cria a cultura, ainda que era uma metrópole que se desenvolvia em esta, externamente guarde as marcas do todas as direções e nada tinha de ambiente físico. particularmente gaúcho. e) O autor acha que a Porto Alegre de 19342) “A sociedade tecnológica prescinde, por era uma cidade única no mundo, devido a definição, dos grandes homens. Ela precisa, sua peculiaridade de metrópole tentacular. realmente, de homens condicionados, capazes de responder, por via de reflexos, às exigências 5) “A sociedade humana nasceu para ser solidária, de sua dinâmica”. sendo a contestação um acidente na vida social.De acordo com o texto: Vivemos, porém, um momento em que tudo é a) A sociedade tecnológica, que é muito contra todos e todos são contra tudo”. dinâmica, prescinde de grandes homens, porque, esses são muito passivos e, De acordo com o texto: portanto não possuem reflexos condicionados. a) A polêmica faz parte da natureza da b) Os grandes homens não conseguem sociedade humana: hoje, contudo, ela se compreender a dinâmica da sociedade transformou em acontecimento casual nos tecnológica, razão por que esta os relega grupos sociais. a um segundo plano. b) O fato de todos questionarem a tudo e a c) Quanto mais previsíveis forem os homens, todos representa a consolidação da menos eles interessam à sociedade obrigação moral que as pessoas possuem de tecnológica. apoiarem seus semelhantes. d) A sociedade tecnológica necessita de c) Apesar de a reciprocidade de interesses homens criativos, exigentes, com reflexos constituir a base da formação da sociedade rápidos e com espírito crítico. humana, a contestação vem assumindo, e) A sociedade tecnológica requer homens hoje, proporções inusitadas. submissos à sua rígida organicidade. d) Porque não há vínculos naturais de reciprocidade, nem interesses comuns entre3) “Nós somos como frutas, minha flor. A fruta as pessoas humanas, o indivíduo tende a ser não é objetivo da árvore. Uma laranjeira não é cada vez mais responsável em relação aos uma laranjeira, é uma árvore que só existe outros. para produzir outras iguais a ela. Ela é apenas e) Embora as pessoas sejam impelidas à um veículo da própria semente, como nós somos solidão, dentro de seu grupo social, a embalagem da vida”. atualmente observa-se uma interferênciaSegundo o texto: sistemática de todos na vida de todos. a) Os homens, como a árvore, existem para reprodução de valores materiais. RESPOSTAS: b) Os homens, como a árvore, reproduzem-se 1) e; 2) e; 3) e; 4) a; 5) c. aleatoriamente. c) O homem, como o fruto, é o receptor dos VOCABULÁRIO valores de sua espécie. d) A árvore e o homem têm por objetivo 1) Utilizar o termo adequado: produzir bons furtos. a) O empregado competente ..................... e) O destino do homem é perpetuar os valores (acende, ascende), na hierarquia funcional. dos quais é depositário. b) Alguns políticos têm ..................... (acento, assento), na mesa diretora. c) Costuma-se ....................... (arrear, arriar), o4) “Procurando analisar com imparcialidade os pavilhão nacional às 18h. meus romances anteriores, eu percebia o quão d) O Governo ................. (caçou, cassou) os pouco, na sua essência e na sua existência, 53
  • 50. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSdireitos civis de algumas pessoas. 3) a) discriminação; b) discrição; c) estada; d)e) O próximo ................ (senso, censo) brasileiro a par; e) intercessão.será realizado no ano 2000. 4) b; 5) ef) A atual .............................. (conjetura,conjuntura) nacional merece uma análise profunda. ASPECTOS GRAMATICAISg) Devemos ....................... (coser, cozer) amaioria dos alimentos. 1) Observe as palavras grifadas da seguinte frase:h) Embora se esforçasse, passou o maior tempo do “Encaminhamos ao Diretor cópia autêntica doespetáculo ....................... (despercebido, Edital nº19/94”.desapercebido). Elas são respectivamente:i) O diretor ...................... (deferiu, diferiu) o a) verbo, substantivo e adjetivo;pedido do aluno. b) verbo, substantivo e substantivo;j) É obrigação de todos ..................... (delatar, c) verbo, substantivo e advérbio;dilatar) os crimes. d) pronome, adjetivo e adjetivo;k) Suas atitudes revelam uma grande e) pronome adjetivo e substantivo............................. (descrição, discrição) 2) O pronome está empregado incorretamente2) Assinale com um “x” a forma correta: em: a) abóbada ( ) ou abóboda ( ) a) Os herdeiros dividiram os bens entre si, sem desavenças. b) areoporto ( ) ou aeroporto ( ) b) Tudo ficou esclarecido entre mim e ti. c) cincoenta ( ) ou cinqüenta ( ) c) São muitas as pessoas de quem dependemos. d) caramanchão ( ) ou carramanchão ( ) d) É pra mim fiscalizar aqueles volumes. e) beneficente ( ) ou beneficiente ( ) e) Não há razão para eu ficar triste. 3) Marque o erro de flexão de número em:3) Complete as frases com o homônimo correto: a) guarda-louças; a) Devemos condenar veementemente a b) quartas-feiras; ............................................... racial e c) lugares-comuns; religiosa. (descriminação, discriminação) d) pública-formas; b) Temos de agir com cautela e muita e) mesas-redondas. ....................................... . (discreção, discrição, descrição) 4) Assinale a opção em que uma das formas plurais c) Conversei com o Senhor Ministro por esta incorreta: ocasião de sua ...................................... a) charlatões – álcoois; em Porto Alegre. (estadia, estada) b) cidadãos – corrimãos; d) Não se preocupem, pois já estou ............... c) reveses – casaizinhos; par de tudo. (a par, ao par) d) tabeliães – suéters; e) Consegui este emprego sem a e) gravidezes – guardiões. ..................................... de ninguém. (interseção, intercessão) 5) Em qual opção o adjetivo composto está flexionado incorretamente?4) Responda qual é o sinônimo da palavra a) relações afetivo-sexuais;“propensão”: b) manchas roxo-escuras; a) vontade; c) soluções alcalino-terrosas; b) tendência; d) questão argentina-boliviana; c) indiferença; e) discussões político-econômicas. d) firmeza; e) indisposição; RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS DE ASPECTOS GRAMATICAIS: 1) a; 2) d; 3) d; 4) d; 5) e5) Aponte o antônimo do vocábulo “sucinto”: a) eficaz; PONTUAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A b) breve; ESTRUTURAÇÃO SINTÁTICA c) conciso; 1) A pontuação está correta em: d) inerente; a) É esta creio eu, a fita que por motivos e) ampliado. políticos, foi censurada. b) É esta, creio eu, a fita que por motivosRESPOSTAS: políticos, foi censurada.1) a) ascender; b) assento; c) arriar; c) É esta, creio eu, a fita que, por motivosd) cassou; e) censo; f) conjuntura; g) cozer; políticos, foi censurada.h) despercebido; i) deferiu; j) delatar; d) É esta, creio eu, a fita que, por motivosk) discrição políticos foi censurada. e) É esta creio eu, a fita, que, por motivos2) a) abóbada; b) aeroporto; c) cinqüenta; d) políticos, foi censurada.caramanchão; e) beneficente. 2) Assinale a alternativa em que falta um sinal de pontuação: 54
  • 51. NOVA EDIÇÃO PORTUGUÊSa) Aquela mãe só se preocupa com uma coisa: b) público – pálida – espírito;o futuro dos filhos. c) experiência – série – distraída;b) Ela só gostava de autores antigos, tais d) célula – indústria – também;como: Mozart, Chopin e Verdi. e) líder – fácil – heróico.c) Castro Alves (lamentavelmente, viveupouco) é o criador imortal dos poemas “Navio 3) Argumentando com ................................, oNegreiro” e “Vozes da África”. promotor exige que ............................... ad) Da sacada, descortinava-se tudo o rio, a exatidão das declarações do depoente.montanha e o vale. a) eloquencia – averiguei;e) Não, amigo meu – eu conheço meus b) eloqüência – averíguem;amigos – não faria isso. c) eloquéncia – averiguei; d) eloqüência – averigúem;3) Aponte a afirmação verdadeira em relação ao e) eloqüenda – averigüem.uso do travessão no trecho:“É assim a força do boato: é assim que ele nasce, 4) O amor verdadeiro provoca sempre alegria.circula, cria corpo – e convence”. .................................? ...............................(Peregrino Júnior) é crescimento, realização, dom de vida. No a) indica uma oração intercalada; entanto, você poderia perguntar b) denota interrupção de pensamento; ................................ sofrem aqueles que c) serve para destacar enfaticamente a amam. parte final do enunciado; a) Porque – Por que – porque; d) assinala uma expressão intercalada; b) Por quê – Por que – porque; e) serve para indicar que se trata de um c) Porque – Porque – por que; diálogo. d) Por que – Porque – por que; e) Por quê – Porque – por que.4) Assinale o item em que se observa erro depontuação: 5) A manifestação do Ministro foi contundente: a) “Colombo! Fecha a porta dos teus “............................dar ................................ mares!”. aos .........................................?”. b) Por que estou aqui! a) Por que – subsídios – privilegiados; c) Machado de Assis, autor de “Dom b) Por que – subsídios – previlegiados; Casmurro”, escreveu também alguns c) Porque – subisídios – privilegiados; poemas. d) Por que – subisídios – privilegiados; d) Meu velho Pedro! Meu fantasma de e) Porque – subsídios – previlegiados. criança! e) N.d.a. RESPOSTAS: 1) d; 2) b); 3) d; 4) e; 5) a.5) Há erro por falta ou uso indevido de vírgula, em: a) Tuas obras, grande e imortal Jorge Amado, jamais serão esquecidas. b) Um cientista moderno chegou à conclusão de que a vida, na Terra existe por um triz. c) A mulher aceita o homem por amor ao casamento, e o homem aceita o casamento por amor à mulher. d) Vencemos; não fique, pois, tão triste. e) Estou convencido de que a disparada da inflação guarda relação com a perda da confiança da sociedade nos governantes e nas instituições.RESPOSTAS:1) d; 2) d; 3) c; 4) b; 5) b. ORTOGRAFIA1) Identifique onde há erro de acentuação noconjunto a seguir: a) grátis – jibóia – juriti – altruísmo; b) aqui – Nobel – também – rubrica; c) apóio – item – espelho – tênue; d) ávaro – íngreme – trégua – caráter; e) circuito – boêmia – ínterim – Nélson.2) Qual a alternativa em que todas as palavrasobedecem à mesma norma de acentuação? a) distraída – dói – alumínio; 55

×