Aula iv fluxos reais e monetários
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Aula iv fluxos reais e monetários

  • 1,772 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,772
On Slideshare
1,772
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
10
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Prof. Mestre Peter Wilhelms Aula de 05 de Agosto de 2013 Bibliografia: Introdução ao Direito Econômico – Luiz Carlos Barnabé de Almeida Ed. Saraiva – Cap. 8 Macroeconomia. ESTRUTURA DOS SISTEMAS ECONÔMICOS. 1 - Estoque de recursos produtivos 2 - complexo de unidades de produção 3 - conjunto de instituições jurídicas políticas sociais econômicas Adotando, para uma primeira aproximação, a fusão dos critérios com que se decompõem a estrutura dos sistemas econômicos, verificamos que estes podem ser decompostos em três grandes grupos de elementos básicos, conforme esquematizado acima. Devemos acrescentar que esses três elementos básicos dos sistemas econômicos - estoque de recursos, unidades de produção e instituições - estão diretamente ligados ao processo de crescimento, teoricamente sinalizado pelo deslocamento positivo das curvas de possibilidades de produção. O suprimento de recursos de produção é um dos principais condicionantes do crescimento econômico: tecnologia incipiente, recursos humanos mal preparados, insuficiência de capital, capacidade empresarial pouco agressiva e reduzidas possibilidades de incorporação dos recursos naturais às atividades econômicas constituem, evidentemente, barreiras ao progresso de expansão das possibilidades de produção, pois este exige satisfatórios estoques de fatores positivos. De outro lado, o crescimento econômico depende - também em grande parte - da forma como operam as unidades de produção: a debilidade do complexo empresarial é incompatível com a promoção do crescimento, porquanto a eficiência do aparelhamento produtivo, diretamente relacionada ao nível das possibilidades de produção, manifesta- se a partir da melhor utilização possível dos recursos disponíveis - tarefa que se exige de cada uma das unidades de produção, seja qual for o setor a que se dediquem. Por fim, as instituições - sejam elas de natureza jurídica, política, social ou econômica - encontram-se também relacionadas ao crescimento: para que este se processe, devem as sociedades dispor não só de satisfatórios suprimentos de recursos e de eficiente atuação das empresas, mas ainda de um conjunto de instituições que facilitem - e não emperrem - os procedimentos econômicos do sistema. OS FLUXOS REAIS E MONETÁRIOS Para o modelo desenvolvido a seguir, algumas premissas são adotadas: A) O reconhecimento da propriedade privada; B) Existe liberdade de escolha; C) Os fatores de produção são de propriedade das unidades familiares.
  • 2. Do ponto de vista das atividades de produção, de geração de poder aquisitivo e de destinação dos bens e serviços finais elaborados, a dinâmica da organização econômica pode ser descrita através de dois fluxos fundamentais. O primeiro, geralmente indicado como fluxo real, descreve as relações entre as unidades familiares (proprietárias de recursos) e as unidades de produção (mobilizadoras dos recursos existentes). E o segundo, geralmente identificado como fluxo monetário, descreve o processo de geração de renda e de poder aquisitivo, bem como sua utilização e destino. As unidades familiares incluem todos os indivíduos que, direta ou indiretamente, participam das atividades produtivas desenvolvidas pelo sistema e consomem os bens e serviços finais elaborados. Sob um tratamento teórico mais rigoroso, a existência de uma unidade familiar pressupõe certa capacidade de contribuição para o desenvolvimento das atividades produtivas e de certa capacidade decisória em relação às remunerações recebidas. Assim, um indivíduo isolado pode constituir, do ponto de vista da teoria econômica, uma unidade familiar. Mas, os grupos familiares que geralmente vivem sob o mesmo teto e que são constituídos por indivíduos que exercem atividades produtivas e por seus dependentes são considerados como unidades familiares típicas. De outro lado, as unidades de produção, formam um grupo mais restrito, empenhado na compra, aluguel ou emprego de recursos de produção, bem como na venda dos bens ou serviços por elas elaborados. Caracterizando-as por uma linguagem mais direta, as unidades de produção são representadas pelas empresas. Para elas é que se destinam todos os recursos de produção disponíveis. Assim, as atividades econômicas dependem, em grande parte, de seu dinamismo. Quanto mais recursos as unidades de produção puderem absorver e empregar, tanto mais expressivo será o volume real dos bens e serviços produzidos. Assim, desempenhando suas funções econômicas essenciais, esses dois agentes inter-relacionam-se diretamente, dando origem à produção real de bens e serviços. Os recursos de produção, com exceções não significativas, pertencem de fato às unidades familiares. Estas fornecem trabalho, capacidade empresarial, capacidade tecnológica, UNID. DE PRODUÇÃO UNID. FAMILIARES FLUXO REAL FLUXO MONETÁRIO FLUXO MONETÁRIO FLUXO REAL
  • 3. recursos da terra e poupanças para formação de capital. Tais fornecimentos fluem para as unidades de produção, onde são empregados e combinados para a elaboração de bens ou para a prestação de serviços. Finalmente, completando o fluxo, os bens e serviços fluem das unidades de produção para as familiares, destinando-se à sua subsistência e ao conforto material. A medida que se desenvolve o fluxo real, gera-se simultaneamente o fluxo monetário, tal como se encontra esquematizado na figura acima. Ao empregar os recursos fornecidos pelas unidades familiares as unidades de produção os remuneram, pagando-lhes salários, aluguéis e outras rendas de ativos reais, juros, lucros e dividendos. Com a massa de remunerações recebidas, as unidades familiares adquirem poder aquisitivo, para desfrutar dos bens e serviços disponíveis - basicamente para alimentação, habitação, vestuário, saúde, educação, transportes e lazer. E, ao adquirir os bens que atendam mais adequadamente às suas necessidades e desejos possíveis, as unidades familiares retransmitem às unidades de produção, pelos preços pagos quando das aquisições, os fluxos monetários dela originados. Governo. É o poder público, representado pelos três poderes e nas esferas municipais, estaduais e federal. Sua finalidade é atender a sociedade de forma coletiva. Suas funções se agrupam em algumas categorias: - Fiscalizador; - Provedor de bens e serviços; - Ações redristributiva; - Ações estabilizadoras. Resto do mundo. As unidades familiares, unidades de produção e governos de outros países.