Redução de Custos em
 Telecomunicações

       AFONSO TAVARES
 PROJECT MANAGER & BUSINESS
         CONSULTANT
           (...
INTRODUÇÃO
Abordagens

Tradicional
 Auditoria a facturação
 Tecnologia
Hoje
 Plano cross-technology
 Procurement <> SLA
 Orientação C...
Focos de análise

Gestão telecom end-to-end: procurement,
monitorização, facturas, follow-up
Alternativas tecnológicas; co...
Custos

 Drivers Organizacionais             Drivers de Serviço
   Preços acima de mercado             Baixo incentivo por...
Reduzir custos em telecomunicações

Reduzir utilização – menos chamadas, menos
ramais, etc
Outsourcing da gestão das telec...
Tendências de suporte

Importância estratégica das comunicações
Internet como força dominante nas
telecomunicações
Novas t...
Tendências de outsourcing

Pagamento e auditoria a facturas
Relatórios de consumos
Implementação de projectos
Elaboração R...
Custos dífíceis de gerir

Facturas longas e complexas – dífícil leitura e não
electrónicas
Informação de formatos não unif...
Custos dífíceis de gerir (2)

Receio da mudança tecnológica
Regulação de mercados ainda complexa
Integração voz-dados-imag...
Vantagens de outsourcing

Problema/Necessidade          Outsourcing                    Valor para cliente
Despesas adhoc e...
Vantagens de outsourcing (2)

Problema/Necessidade          Outsourcing                   Valor para cliente
Visibilidade ...
Drivers de necessidades

Aplicações com crescente necessidade de largura de banda
  e-learning
  telemedicina
  interactiv...
Foco de atenção do factor ‘C’

Gestão de custos telecom
  CFO/CIO
Call/contact center
  CEO/BUs
Fornecedores serviços
  CI...
Preocupações de negócio

Como podemos reduzir custos recorrentes
Que processos e ferramentas sustentam a redução,
garantin...
questões nível ‘C’

Gestão de custos telecomunicações
  Competitividade dos contratos
  Facturas correctas ?
  Há excesso ...
questões nível ‘C’ (2)

Tecnologias emergentes
 Melhoram níveis de serviço ou reduzem custos?
 É escalável e flexível adap...
questões nível ‘C’ (3)

Ferramentas solicitadas:
 Processamento em worlflow para os processos de
 provisionamento
 Verific...
Desafios das operadoras

Entrega e suporte de serviços IP based
Convergência de comunicações (voz, dados, vídeo)
Concorrên...
Incentivos das operadoras

                               Segmentação e dinâmica de
        Key drivers:
                 ...
Sumário

Telecom têm espaço para redução de custos
Verificam-se mudanças contínuas em
 Tecnologia
 Mercados
 Procura
 Requ...
CRIAR UMA VISÃO
“Visão” de gestão de custos

A arquitectura de um sistema de comunicações permite
minimizar custos
Sistemas de monitorizaç...
Fazendo acontecer


  Projecto       • recolha de informação; decisões

  Processo       • mantém e explora benefícios

• ...
Fazendo acontecer (2)

                                  Análise de riscos

                               • gestores rece...
O “quick fix”

 Telecomunicações podem não ser prioritárias em
 relação a outros focos de atenção
    Soluções de curto pr...
Especiais considerações

Tomada de decisões des/centralizada
• em telecom centralização é mais eficaz
• operadoras premeia...
Informação preliminar




                    Gastos anuais de empresa do sector energia



                              ...
Informação preliminar (2)

        Organização                   Estratégia

• Contactos chave:           • Tecnológica
  ...
Informação preliminar (3)

       CRM                 Processos             Custos

• caracterização de   • encomendas e  ...
Visão

Desenvolver uma visão dos potenciais benefícios
ajuda a planear a gestão de custos mais
eficientemente
A recolha pr...
AUDITAR TELECOMUNICAÇÕES
The man who makes no mistakes does not usually
make anything. — Edward John Phelps, 1889

Revisão de facturas é um process...
passos do serviço telecom

                                              pedido serviço
                                  ...
Pagamentos telecom


     recepção factura              recepção factura

                                 contabilidade
 ...
Timings de auditoria



Entrevistas iniciais e   • pode levar semanas
    pedidos de           • depende do ambiente empre...
Revisão de contratos


Contratos
• voz, dados, gsm, pager, wireless, VSAT, etc.

Colectar informação chave
•   datas de in...
Análise de dados

Custo por minuto: divisão do custo de chamada pelo
tempo de duração
 estratificando este resultado obtém...
Análise de dados (2)

Recolha de chamadas por amostragem
 cálculo do valor conforme contrato
 discrepâncias averiguadas
 e...
Análise de dados (2a)

Análise descritiva aplicada à    Análise descritiva aplicado a
          Duração                   ...
Análise de dados (3)

Ordenar e sumarizar por origem
 analisar no contexto de negócio
 outliers podem significar – negócio...
Análise de dados (3a)




Exemplo de agregação por origem
Análise de dados (4)

Análise de nrs gratuitos
 sem tráfego – cancelável ?
 tráfego intenso – análise de serviço
 utilizad...
WAN
Processo de revisão WAN


         avaliar                    consolidar      análise
                     categorizar
   ...
Organizar e planear


          Objectivo                       Passos

• confirmar âmbito e obter   • kickoff – equipa e ...
Recolha de informação


         Objectivo                       Processo

• informação: identificar,      • analisar qual...
Avaliar qualidade de dados

          Objectivo                        Processo

• estimativa do esforço para     • obter ...
Quantificar ganhos


         Objectivo                      Processo             Potenciais poupanças

• identificar, cla...
manter os ganhos



         objectivo                      processo

• melhoramento de             • facturação e
  proce...
[Outsourcing e SLAs]


             pptPlex Section Divider
The slides after this divider will be grouped into a section a...
GESTÃO DE SERVIÇOS DE
TELECOMUNICAÇÕES: PORQUÊ UM SLA?
Contratos e Outsourcing

Contratos
 Alto nível de esforço de esforço e desenvolvimento
 Serviços
   Dependem de Supervisão...
Outsourcing - Gestão de Recursos

Recursos                      Risco
 Recursos e Pessoal            Riscos operacionais
 ...
Outsourcing Relationship Management

ORM é complementar a outras áreas da empresa
Representa um elo com um importante cons...
Outsourcing – Interesses de negócio

Cliente (Objectivos de negócio             Fornecedor (recompensado pelo
Alinhados co...
Outsourcing – Tipos

Completo
  fornecedor único
Fornecimento Múltiplo
  ou prime contractor e parceiros
Joint venture
  P...
Outsourcing – Pros & Cons

Vantagens                    Desvantagens

 Redução de custos            Perda de controlo no
 ...
Outsourcing de vantagem competitiva

Problema real
IBM externalizou
  Desenvolvimento de microchips – Intel
  Sistema oper...
Service Level Agreement (SLA)

Service Level Agreements
 Contrato entre fornecedor e cliente
 Define (entre outros) perfor...
SLA - Equilíbrio

Acordos escritos entre…
  Fornecedor de serviço (SP)
  e Cliente
Nível mínimo de serviço
               ...
SLA – Motivação

Information Age                     Risco envolvido
 Requisitos técnicos para             Perda de contro...
SLA –Penalizações

Incentivo                        Contrapartida
  Para que se                    •   Situação de
  garan...
SLA –Penalizações

Consequências
 SLAs tornaram-se em mais que apenas um pré-requisito
 para atrair clientes
 Com um forte...
SLA – História

Finais 90s e início 2000s
  SLA marcados por dureza crescente
  Um acordo rigoroso < selling-point para fo...
SLA – Evolução

1ª. Geração – TI Operacional
  Objectivos e métricas simples (geralmente técnicas)
  Método consistente de...
SLA – Escalada de SL

Nos 1ºs anos da década os SP passaram a tentar bater-se
consecutivamente
Implantando novas e mais du...
O SLA hoje

SLA é tornou-se um componente natural na indústria de
telecomunicações que
  Crescentemente indispensável, pod...
SLA na própria organização

Discussão de grupo – 10min

Experiências de SLAs recentes
 Métricas
 Timings
 Ferramentas de c...
SLA – Problemas

Alguns analistas   • O SLA não é panaceia que aparenta
   afirmam

 Empresas que      • Têm pouco recurso...
SLA - Problemas

Grau de controlo do SLA
 É geralmente quantificado pela própria operadora
 À parte de claros períodos lat...
SLA - Problemas

Outra complicação dos SLA é que quase sempre um
operador não controla o service path completo
Nesse ambie...
SLA – Processo


                                                               Probabilidade
                            ...
Tipos de SLA I

SLAs de Infraestruturas             SLAs de Aplicações

 Objectivos de Performance           Objectivos de...
Tipos de SLA II



• Cobre um serviço para todos       • Cobre funcionalidades e        • Algumas organizações optam
  os ...
SLA multinível

Exemplo de acordo com três níveis

Nível corporativo
  Questões genéricas SLM comuns a todos os utilizador...
DEFINIÇÃO DE OBJECTIVOS DE NÍVEIS DE
              SERVIÇO
Catálogo de serviços

Fonte única
  De informação consistente de todos os serviços
  Garantir que está disponível a quem d...
Gestão de capacidade

Gestão da Capacidade garante
 Capacidade e performance dos serviços e sistemas envolvidos
 Correspon...
Gestão de capacidade -
                        Práticas recomendadas


Monitorizar padrões de actividade de negócio e plan...
SLR – Requisitos

Levantamento de processos de negócios
 Determinando-se as áreas e users ligados às aplicações ou recurso...
SLR – Requisitos
Problemas típicos de especificação

Uma corrente é tão forte quanto seu elo mais fraco
   Falta de compromisso dos sub-for...
SLO

Service Level Objectives
 Forma de medir performance do SP e evitar disputas entre as partes
 baseado em faltas de en...
SLA e SLO I

Um SLA Operacional
 Combinação de Objectivos de Nível de Serviço (SLO).


SLO
 parâmetros mensuráveis
 qualid...
SLA e SLO II

SLA                               SLO

  Contrato que delineia             Elemento do SLA que
  compromisso...
SLO piloto

    Ajustar de         Fase piloto é
                                                          No final
   par...
SLA - Estrutura

Secção              Descrição
Sumário Executivo   Sumário descrevendo o propósito geral do documento de a...
SLA – Definições de SL I

Âmbito
 • Detalhes do hardware e do software que está a ser coberto

Gama de serviços
 • Serviço...
SLA – Definições de SL II

Métricas de SL
  • Medição relevante do trabalho efectuado pela empresa fornecedora
  • Express...
SLA – Definições de SL III

Registos
 • Detalhes de problemas e soluções devem ser devidamente documentados
 • Os registos...
SLA – Proposta
Sumário executivo                    SL Management
  Propósito                            Tracking e Report...
Exemplo de SLA - Métricas
Exemplo de SLA - Timings
Exemplo de SLA - Bónus/Malus
Exemplo de SLA - SLM


        Actividades adicionais




 Definição de severidade e prioridade



     Procedimento de es...
SLA - Normas de forma

Discurso claro e conciso
Sem espaço para ambiguidades
Discurso natural ajuda a um entendimento comu...
Níveis de Severidade


             • Grande impacto nos negócios
Severidade   • As operações comerciais normais não podem...
Gestão de incidentes
Gestão de problemas
Cinco fases do contrato

                • Quais são os processos chave de negócios da
  Definição       empresa

        ...
Lições aprendidas


Compreender o que realmente deve ser medido
 • Em termos de impacto para o negócio
 • Não o que pode s...
RELATÓRIOS: TIPOS E FREQUÊNCIA DE
RELATÓRIOS DE CUMPRIMENTO DO SLA.
           OPTIMIZAÇÃO
Monitorização de SLA I

Nada deve ser incluído que não possa ser efectivamente
monitorizado e medido
Essencial, pois inclu...
Monitorização SLA II

Deve corresponder à percepção de serviço, do utilizador
Díficil, por vezes:
  Monitorização de compo...
Relatórios – Tipos

Performance
  Registam métricas conforme definidas nos SLS e SLO
  Índices de performance por unidade ...
Relatórios - Periodicidade

Assim que o SLA é posto em prática
 Monitorização deve ser “instigada” e emitidos relatórios d...
Relatório Performance
Relatórios - Timings
Relatórios - Histórico
Relatórios – Resposta ETE
Relatórios – Dashboard
Relatórios – Dashboard
Gestão de expectativas I

Soft-issues não mensuráveis por métodos ou procedimentos
  Sentimentos do utilizador
Após repeti...
Gestão de expectativas II

SLA é apenas um documento
Por si só não alteram a qualidade do serviço
fornecido
  Afectam comp...
Percepção da QoS
IMPLEMENTAÇÃO DE ALTERAÇÕES
Tipos de Mudanças

Mudança Padrão
 • É uma Mudança comum que segue um roteiro pré-definido
 • A autorização e a aprovação ...
Gestão de alterações
KPI’S: FERRAMENTAS E INDICADORES PARA
 A MONITORIZAÇÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO
KPIs - Características

KPIs e métricas ajudam a avaliar eficiência e efectividade
das actividades de SLM
Devem ser constr...
SLA em Networks

Edge-device –Encapsulamento, Monitorização, Policiamento, Classificação de pacotes
Policy server – Config...
Quality of Service (QoS)

Mecanismos de reserva de recursos
Possibilidade de providenciar prioridades a diferentes
 Aplica...
QoS – Métricas

Métrica       Descrição                                 Observações
Bit rate      Qtd bits transferidos / ...
CUSTOS ASSOCIADOS AO SLA
Benefícios do SLM

Benefícios de negócio                      Benefícios tecnológicos
Definição dos SL necessários        ...
Benefícios do SLM

Benefícios de negócio                    Benefícios tecnológicos
Performance previsível de negócio     ...
Planeamento financeiro

Avaliação do Serviço (fin.)       Actividades e
  Quantificação do budget a       características
...
GLOSSÁRIO

SLA - Service Level Agreement ou acordo de nível de serviço
SLM - Service Level Management, práticas ou ferrame...
Obrigado

Afonso Tavares
Project Manager & Business Consultant
(c) 2009
  afotav@gmail.com
  962592257
Redução Custos Telecom
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Redução Custos Telecom

4,162

Published on

Seminário sobre redução de custos em telecomunicações

Published in: Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,162
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
193
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Redução Custos Telecom

  1. 1. Redução de Custos em Telecomunicações AFONSO TAVARES PROJECT MANAGER & BUSINESS CONSULTANT (C) 2009
  2. 2. INTRODUÇÃO
  3. 3. Abordagens Tradicional Auditoria a facturação Tecnologia Hoje Plano cross-technology Procurement <> SLA Orientação Cost + Business
  4. 4. Focos de análise Gestão telecom end-to-end: procurement, monitorização, facturas, follow-up Alternativas tecnológicas; consequências longo termo Revisão de opções outsourcing: operadores e outros fornecedores Potencial benefício: 4-35%
  5. 5. Custos Drivers Organizacionais Drivers de Serviço Preços acima de mercado Baixo incentivo por gestão Excesso de capacidade de custos Erros de billing Penalizações pesadas por Tecnologia sub-óptima interrupções de serviço Resultado: Atitude ‘funciona – não mexe!” Utilizadores - esperam 100% disponibilidade - intolerância a perturbações
  6. 6. Reduzir custos em telecomunicações Reduzir utilização – menos chamadas, menos ramais, etc Outsourcing da gestão das telecomunicações* Fornecedores menos dispendiosos Reestruturar contratos/acordos com fornecedores Monitorizar e corrigir erros de facturação* Tecnologia mais eficiente/mais económica Incrementar segurança – evitar fraudes
  7. 7. Tendências de suporte Importância estratégica das comunicações Internet como força dominante nas telecomunicações Novas tecnologias – serviços wireless Níveis de standardização e complexidade (C/F) Mercado flui de radical para conservador Coexistência de tecnologias (antigas/novas) Tecnologias antigas operativas permanecerão durante décadas Maturidade dos modelos de outsourcing
  8. 8. Tendências de outsourcing Pagamento e auditoria a facturas Relatórios de consumos Implementação de projectos Elaboração RFPs Operadora Cliente Procurement, monitorização e (des)activação de serviços Renegociação de contratos Fornecedor outsourcing
  9. 9. Custos dífíceis de gerir Facturas longas e complexas – dífícil leitura e não electrónicas Informação de formatos não uniformes Relacionamento de dados – tempo consumido, etc Necessidades futuras difíceis de prever – ramais, PA’s Falta de especialistas internos nas tecnologias mais recentes
  10. 10. Custos dífíceis de gerir (2) Receio da mudança tecnológica Regulação de mercados ainda complexa Integração voz-dados-imagem desarticulação de formas de cobrança: per mês; per minuto; flatrates; pacotes; etc Envolvente de mercado dinâmica: tecnologias, operadoras, produtos, preços
  11. 11. Vantagens de outsourcing Problema/Necessidade Outsourcing Valor para cliente Despesas adhoc em Tracking de despesas a todos Poupanças por gestão e serviços/equipamento os níveis; controlo controlo apertados a diversos os centralizado de encomendas níveis Bill-back a clientes Seguimento de custos ao Processos Bill-back fáceis; nível do empregado de cada Poupanças por processos cliente precisos e bem controlados Falta de informação Fontes estruturadas e Poupança de tempo nas centralizada sobre recursos centralizadas com contactos, procuras de informação de de telecomunicações notícias, informação telecomunicações Soluções desadequadas aos Monitorização online e web Soluções standard/ padrões de consumo based de soluções; RFQs costumizadas ao melhor preço; automáticos actualização de informação dinâmica
  12. 12. Vantagens de outsourcing (2) Problema/Necessidade Outsourcing Valor para cliente Visibilidade de gastos; Agregação de facturação Clareza nos gastos; volumes difícil comparar facturação inter-localização, agregados optimizam negociações entre operadoras e serviços departamento, operadoras e serviços Facturação volumosa e Relatórios costumizados; Relatórios relevantes e claros a incompreensível Software com interfaces decisões corporativas; telegestão intuitivos Contratos de preços Integração de contratos em Clareza de termos contratuais e complexos sistema implicações para renegociações Risco percepcionado em Referências e avaliações de Minimização de riscos; acesso a tentar novas cada operadora/serviço plataforma de comparação credível operadoras/serviços Departamentos de gestão Ferramentas integradas de Redução em HR telecom; foco no telecom com overstaff gestão telecom core biz
  13. 13. Drivers de necessidades Aplicações com crescente necessidade de largura de banda e-learning telemedicina interactive video vídeo conferência Plataformas intranet e mobilidade Ajax, Javascript, ASP VPN, encriptação Como são desenvolvidos • são optimizados ? budgets de telecom Que circuitos de voz e • como são utilizados dados estão contratados e quanto custam ?
  14. 14. Foco de atenção do factor ‘C’ Gestão de custos telecom CFO/CIO Call/contact center CEO/BUs Fornecedores serviços CIO/Facilities (voz) Operações CIO Tecnologias emergentes CIO Convergência redes CIO Redes costumizadas CIO/BUs
  15. 15. Preocupações de negócio Como podemos reduzir custos recorrentes Que processos e ferramentas sustentam a redução, garantindo níveis de serviço Como controlar Circuitos cobrados mas não utilizados Circuitos cancelados mas ainda cobrados Circuitos subutilizados Consolidação/reestruturação de circuitos Mudanças na arquitectura Como e quais “ best practices” implementar Como estruturar a rede para cumprir as necessidades presentes e futuras ?
  16. 16. questões nível ‘C’ Gestão de custos telecomunicações Competitividade dos contratos Facturas correctas ? Há excesso de gastos nos serviços ? Call centers Call center trás competitividade à empresa? Índices de QoS no call center Grau de sucesso da integração de tecnologias – ex: migração de mails, resposta intranet Fornecedores de serviços Que circuitos/serviços existem, como são utilizados, quanto custam É a melhor opção actualmente ? devemos fazer procurement ? Operações Que risco de falhas operacionais Alterações no ambiente empresarial e tecnológico afectam operações ? Quão adequados pessoas-processos-tecnologias Deve considerar-se outsourcing?
  17. 17. questões nível ‘C’ (2) Tecnologias emergentes Melhoram níveis de serviço ou reduzem custos? É escalável e flexível adaptando-se a alterações de requisitos? São importantes ? Convergência de redes O desenho foi optimizado para alterações na envolvente de negócio? Quando será atingida a capacidade instalada? Riscos de súbitos bottlenecks ? Redes costumizadas Troços de rede podem ser costumizados para melhorar serviço ? Que hw/sw de suporte ? >>
  18. 18. questões nível ‘C’ (3) Ferramentas solicitadas: Processamento em worlflow para os processos de provisionamento Verificação automática de inventário e pricing de serviços Processo end-to-end que garanta relação despesa-revenue e reconcilicações Repositório central para todas as questões e despesas relacionadas com telecom Integração de sistemas de inventário, pagamentos, facturações e planeamento Visibilidade de todos os custos de comunicações
  19. 19. Desafios das operadoras Entrega e suporte de serviços IP based Convergência de comunicações (voz, dados, vídeo) Concorrência e desregulação do loop local Advento do super-operador Reestruturações de infraestrutura para suportar novos requisitos banda larga Esforço de contenção de custos Modelo de negócio antiquado: “facturam voz e investem em dados” Aumento de opções >> confusão para o cliente
  20. 20. Incentivos das operadoras Segmentação e dinâmica de Key drivers: mercado • Procura dos consumidores • Serviços de internet – que serviços estão • Serviços de dispostos a pagar infraestruturas – • Tecnologia disseminação da fibra • Fontes de capital – quanto • Wireless/Cabo como mais maior independência tramo final dos sistemas legacy • Políticas governamentais – promoção à concorrência
  21. 21. Sumário Telecom têm espaço para redução de custos Verificam-se mudanças contínuas em Tecnologia Mercados Procura Requisitos dos clientes (empregados) Contudo há soluções sistematizadas que podem ajudar Compreendendo as ferramentas – técnicas, procedimentos, negociações, outsourcing A organização pode tomar decisão informada, mais adequada
  22. 22. CRIAR UMA VISÃO
  23. 23. “Visão” de gestão de custos A arquitectura de um sistema de comunicações permite minimizar custos Sistemas de monitorização alertam a gestão de excepções financeiras Configurações e clusters de tecnologia flexíveis e escaláveis Investimentos reflectirão natureza do negócio – mínima necessidade de adaptação Telecoms entendidos como activo, não apenas um recurso Alternativas telecom periodicamente revistas – suporte ao core business
  24. 24. Fazendo acontecer Projecto • recolha de informação; decisões Processo • mantém e explora benefícios • Recursos humanos disponíveis ? muitos HM de pessoal especializado • Ambiente empresarial atraído pelo desafio – técnico ou procedimental ? • Tendências pro/contra outsourcing ? • Equipa assignada com background adequado ? • Que recursos externos estão disponíveis ?
  25. 25. Fazendo acontecer (2) Análise de riscos • gestores receiam mudanças, ainda que insatisfeitos com Que impacto em trocar de serviço actual operadora • alterações em infraestruturas causam disrupção sentida por utilizadores Aceitação de mudanças • acesso remoto vs. ligação VPN para acesso à rede tecnológicas sem benefícios • economia e escalabilidade a longo termo; desafio e directos possíveis indisponibilidades temporárias a curto prazo • é importante conseguir o preço adequado pelos serviços Negociadores demasiado adequados eficazes • preços demasiado baixos incentivam foco a outros clientes em nosso detrimento
  26. 26. O “quick fix” Telecomunicações podem não ser prioritárias em relação a outros focos de atenção Soluções de curto prazo -> alguma poupança imediata -> projectos + profundos mais tarde Renegociação de Telecom “para lá da Auditoria de contratos vedação” contigência • Algumas operadoras • Um outsourcing de • Procedimentos de reduzem preços na curto prazo pode ser error-check e perspectiva de teste para sobrefacturação contratos mais longos Compromissos mais efectuados por longos, sujeito a profissionais afinação progressiva experientes • Medida pode • Objectivo de fazer acarretar riscos análise “mineira” e colaterais – falhas de encontrar as maiores serviço “pepitas”
  27. 27. Especiais considerações Tomada de decisões des/centralizada • em telecom centralização é mais eficaz • operadoras premeiam volume • contratos locais pontualmente melhores – mas a soma de todos é provavelmente mais económica; e gerível Mudanças constantes ? • contratos de longo termo podem ser arriscados Comunicação entre dptos de voz e dados • IT, e comunicações de voz e dados devem estar integrados com o risco de custos sub-óptimos
  28. 28. Informação preliminar Gastos anuais de empresa do sector energia Gestão de Gestão de Organização Estratégia CRM Processo risco custos
  29. 29. Informação preliminar (2) Organização Estratégia • Contactos chave: • Tecnológica empregados, • Cliente – empregado subcontratados, • Planos de investimento fornecedores; e-mails, em tecnologias websites, etc. • Questões geográficas • Estruturas (organização, • Planos e oportunidades de voz, dados) outsourcing • Estrutura funcional de • Outros planos e requisitos projectos importantes • Sensibilidade com segurança
  30. 30. Informação preliminar (3) CRM Processos Custos • caracterização de • encomendas e • budgets clientes provisionamento • contratos e • arquitectura de • pagamentos de termos – suporta o CRM – facturas operadoras, call centers, hw, • manutenção equipamento, sw sw, redes • gestão de • inventários • volumes de projectos telecom circuitos utilização – • políticas e • análises de actual vs. procedimentos facturação histórico • custos • descrição dos manutenção processos
  31. 31. Visão Desenvolver uma visão dos potenciais benefícios ajuda a planear a gestão de custos mais eficientemente A recolha preliminar de informação catalisa entusiasmo pelo projecto. Em alguns casos basta um grafo representativo das despesas globais em comunicações
  32. 32. AUDITAR TELECOMUNICAÇÕES
  33. 33. The man who makes no mistakes does not usually make anything. — Edward John Phelps, 1889 Revisão de facturas é um processo complexo terminologia arcana de serviços pletora de opções disponíveis aos clientes empresariais Recursos limitados > facturas enviadas para pagamento sem revisão despesas com telecomunicações: 4ª maior despesa
  34. 34. passos do serviço telecom pedido serviço • utilizador pagamento factura autorização • contabilidade paga • manager factura análise de factura encomenda de • dpto telecomunicações > serviço aprova • depto telecomunicações autorização de provisão de serviço factura • fornecedor de serviços • contabilidade > dpto telecomunicações recepção de factura validação do serviço • contabilidade > sistema • depto telecomunicações financeiro
  35. 35. Pagamentos telecom recepção factura recepção factura contabilidade contabilidade revisão factura pagamento factura dpto telecomunicações contabilidade aprovação de factura dpto telecomunicações revisão factura pagamento factura dpto telecomunicações contabilidade
  36. 36. Timings de auditoria Entrevistas iniciais e • pode levar semanas pedidos de • depende do ambiente empresarial e perfil do documentação projecto Documentação de • 4-6 semanas operadoras • deve ser seguido e verificado à medida que chega • 1-2 semanas Introdução de dados • subcontratação facilita gestão dos custos de projecto e introdução de dados Análise e • 3+ semanas documentação
  37. 37. Revisão de contratos Contratos • voz, dados, gsm, pager, wireless, VSAT, etc. Colectar informação chave • datas de instalação/fim contrato • períodos de transição, carência • taxas por minuto • horários/calendários especiais – descontos • mínimos por serviço – requer vigilância • valores per instalação • equipamento especial englobado ?
  38. 38. Análise de dados Custo por minuto: divisão do custo de chamada pelo tempo de duração estratificando este resultado obtém-se um histograma € qtd
  39. 39. Análise de dados (2) Recolha de chamadas por amostragem cálculo do valor conforme contrato discrepâncias averiguadas erros > maior frequência e quantidade “Descriptive analysis” rápida perspectiva nos campos mais relevantes
  40. 40. Análise de dados (2a) Análise descritiva aplicada à Análise descritiva aplicado a Duração Custo/Minuto a) média de custo por minuto a) a duração máxima de uma b) preço mais comum por minuto chamada superior a 25h c) valor mais elevado
  41. 41. Análise de dados (3) Ordenar e sumarizar por origem analisar no contexto de negócio outliers podem significar – negócio legítimo, nova localização ou toll fraud, abusos internos; Idem para destino aumento pode justificar circuito dedicado Idem para tráfego inter-sucursal identificar aumento/reavaliação de infraestruturas Idem para códigos de zona, país números especiais (707, 800, 808, 6*) visíveis
  42. 42. Análise de dados (3a) Exemplo de agregação por origem
  43. 43. Análise de dados (4) Análise de nrs gratuitos sem tráfego – cancelável ? tráfego intenso – análise de serviço utilizados para serviço interno ? Revisão de circuitos facturados condiz com estrutura actual da organização ? circuitos não utilizados/cancelados condiz com necessidades de negócio ? Análise de pagamentos a entidades obter pagamentos globais acima de threshold possíveis pagamentos telecom não centralizados ?
  44. 44. WAN
  45. 45. Processo de revisão WAN avaliar consolidar análise categorizar qualidade facturação/ utilização prioritizar dados circuitos circuitos quantif. ganhos recolha de informação manter org. ganhos plan. inventário análise de processos base gestão do âmbito
  46. 46. Organizar e planear Objectivo Passos • confirmar âmbito e obter • kickoff – equipa e mngmt; consenso documento com funções, • linha temporal, local e contactos (tel, mail) documentação e recursos • relatório de status semanal • actividades/resultados • problemas pendentes • actividades planeadas • reunião semanal • espaço trabalho, equipamento, previlégios • plano de projecto
  47. 47. Recolha de informação Objectivo Processo • informação: identificar, • analisar qual a melhor nível de detalhe, qualidade fonte info disponível • topologia da rede • conciliar factura-número • ferramentas > obter inventário base • manutenção • compreensão darede • ligação a outros processos existente • planos de build-out • requisitos e planos de negócio • requisitos de continuidade • SLAs • capacidade de tráfego
  48. 48. Avaliar qualidade de dados Objectivo Processo • estimativa do esforço para • obter e importar dados ultrapassar deficiências dos recolhidos dados • testar dados com • avaliar integridade, ferramentas de agregação, qualidade e validade ordenação , contagem • identificar e tomar medidas necessárias para resolver problemas de integridade • ex: campos vazios, formatos errados, terminologias inconsistentes
  49. 49. Quantificar ganhos Objectivo Processo Potenciais poupanças • identificar, classificar, e • brainstorm > lista de • locais encerrados ou concretizar poupança categorias de poupança transferidos em custos telecom • cancelamento, • pontos (ex: comerciais) alterações, etc. sem tráfego ou extintos • classificar circuitos • trabalho remoto activos • reestuturar circuitos de • identificar circuitos dados/voz – aplicações, inexistentes backup, redundância e • prioritizar decisões uso • rever decisões com • renegociação de responsáveis contratos desadequados • obter autorizações, notificar depto telco • rastrear pedidos e status das acções
  50. 50. manter os ganhos objectivo processo • melhoramento de • facturação e processos, controlo reconciliação de operacional, realização inventário de poupança • planeamento e optimização da rede – favorece escala; evita adaptações ad hoc • seguimento de melhorias de processo
  51. 51. [Outsourcing e SLAs] pptPlex Section Divider The slides after this divider will be grouped into a section and given the label you type above. Feel free to move this slide to any position in the deck.
  52. 52. GESTÃO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES: PORQUÊ UM SLA?
  53. 53. Contratos e Outsourcing Contratos Alto nível de esforço de esforço e desenvolvimento Serviços Dependem de Supervisão detalhada Outsourcing SP fornece bem ou serviço independente da gestão do cliente Serviços Baseados num conjunto de métricas de performance Sustentados por resultados entregáveis Recursos podem ser dispensados ou realocados
  54. 54. Outsourcing - Gestão de Recursos Recursos Risco Recursos e Pessoal Riscos operacionais pertencem ao SP transferidos para o Esforço de gestão pertence fornecedor ao SP Riscos mitigados através A motivação de aligeirar de acordos legais – processos e reduzir definem termos de pessoal fica do lado do SP responsabilidade Acordos contêm outros factores chave que não incluem riscos financeiros ou legais
  55. 55. Outsourcing Relationship Management ORM é complementar a outras áreas da empresa Representa um elo com um importante constituinte do negócio Deve estar assente em três pilares Estratégia de gestão Principais iniciativas conduzidas pelo C-level Não é raro o CEO envolver-se Estrutura organizacional Iniciativas de outsourcing alteram a estrutura Empregados transladados, equipas divididas Infraestrutura IT
  56. 56. Outsourcing – Interesses de negócio Cliente (Objectivos de negócio Fornecedor (recompensado pelo Alinhados com métricas do SP) valor que incrementa) Objectivos bem definidos Targets de níveis de serviço Benchmarking interno Targets de custos financeiros Avaliação - Recompensas & Penalizações Crescimento da receita Controlo Avaliação dos objectivos Responsabilização Lucros adicionais Redução de custos Performance melhorada Extensões de contrato Rentabilidade melhorada Conjunto Aumentar o valor do relacionamento Criação de iniciativa Benchmarking externo Estudo e planeamento de cenários
  57. 57. Outsourcing – Tipos Completo fornecedor único Fornecimento Múltiplo ou prime contractor e parceiros Joint venture Parceria estratégica de sourcing/insourcing Outras Modelos matriciais – Relação de competências base e actividades de organização => suporte a decisões de gestão Razão base • Redução de custos • Liberdade para se focar o Core Business
  58. 58. Outsourcing – Pros & Cons Vantagens Desvantagens Redução de custos Perda de controlo no Flexibilidade com processo – deve reforçar- se o contrato capacidade Receio de externalizar Custos laborais menores vantagem competitiva Simplicidade de estrutura Parceria com fornecedor de custos errado – ou sub-óptimo Se não é competência - Custos não o justificam externaliza-se Falta de compreensão das Flexibilidade vantagens
  59. 59. Outsourcing de vantagem competitiva Problema real IBM externalizou Desenvolvimento de microchips – Intel Sistema operativo - Microsoft Quais os riscos de outsourcing no meu contexto específico ? Discussão de grupo – 10min
  60. 60. Service Level Agreement (SLA) Service Level Agreements Contrato entre fornecedor e cliente Define (entre outros) performance Disponibilidade Resposta Aplicável a diferentes tipos de serviço Departamento IT a outras àreas de negócio Serviço Network oferecido a um departamento ou empresa Serviços de Hosting oferecidos por web sites alojados
  61. 61. SLA - Equilíbrio Acordos escritos entre… Fornecedor de serviço (SP) e Cliente Nível mínimo de serviço Incentivo Especificam • Serviço cai abaixo de nível Serviços de negócio Penalizações mínimo • Falha na identificação Parâmetros para serviço financeiras • Falha na activação de serviços técnico backup Níveis de acesso Protocolos de escalamento Standards de serviço
  62. 62. SLA – Motivação Information Age Risco envolvido Requisitos técnicos para Perda de controlo dos seus gestão do negócio sistemas Crescem Não sabem se estes são exponencialmente geridos correctamente Corporações escolhem ou de acordo com os seus exteriorizar para ASP interesses Comunicação Entre companhias vs. Intra companhia Potenciais problemas – directivas e interesses de uma parte podem não ser seguidos ou compreendidos pela outra SLA é um método para aliviar receios. Mecanismo que assegura que os seus objectivos técnicos e estratégicos serão atingidos.
  63. 63. SLA –Penalizações Incentivo Contrapartida Para que se • Situação de garantam os falha no standards de cumprimento serviço Pressão de Compensação vulnerabilidade mitiga eventuais financeira perdas
  64. 64. SLA –Penalizações Consequências SLAs tornaram-se em mais que apenas um pré-requisito para atrair clientes Com um forte SLA como USP um SP pode cobrar mais por serviços garantidos SPs usam SLA como “mola” que os diferencia SLA providencia uma combinação de “cenoura” e “espeto” que incentiva as operadoras a instituir o melhor serviço possível Diferentes Diversos Diferentes Expansão níveis de serviços custos das opções performance
  65. 65. SLA – História Finais 90s e início 2000s SLA marcados por dureza crescente Um acordo rigoroso < selling-point para fornecedores Consumidores ^ menos tolerantes com lapsos de serviço Resultado • Muitos SLA cobraram pesadas penalizações • Falhas ainda que curtas não eram toleradas • Fornecedores obrigados a “engordar” os seus sistemas e… • Prioritizar cadeia de resposta a problemas
  66. 66. SLA – Evolução 1ª. Geração – TI Operacional Objectivos e métricas simples (geralmente técnicas) Método consistente de reporte para medir, monitorar e gerir os serviços. 2ª. Geração – Serviços de Negócios SLAs evoluem para incluir métricas que meçam os serviços que os utilizadores finais julguem importantes Utiliza métricas de negócios em lugar de métricas tecnológicas Ex.: Aplicação X disponível 99,5% do tempo 3ª. Geração – Processos e transações de negócios SLAs medem ao nível de user final as transacções e processos de negócios. Ex.: Tempo para que seja completada a transacção do pedido ao embarque da mercadoria.
  67. 67. SLA – Escalada de SL Nos 1ºs anos da década os SP passaram a tentar bater-se consecutivamente Implantando novas e mais duras garantias de serviço Case study Cable&Wireless Inc. Oferta serviço round-trip latency < 55ms AT&T oferecia 60ms Oferecia 1 dia de crédito se as condições do SLA fossem infringidas Para além de penalizações por cada minuto de falha Pequenas diferenças para consumidor final Para negócios baseados em comunicações estas pequenas diferenças merecem atenção
  68. 68. O SLA hoje SLA é tornou-se um componente natural na indústria de telecomunicações que Crescentemente indispensável, pode ser extremamente instável Causa grande incerteza e hesitação no mundo dos negócios No início 2000s o futuro do SLA era incerto Eram cada vez mais frequentes mas… A razão de existirem estavam na condição de imaturidade das firmas de telecomunicações, ISP, ASP gerirem os seus serviços Os serviços tendem a ser mais sofisticados e fiáveis A incerteza inerente tende a ser minimizada Os SLA tendem a evoluir para um veículo de valor para comunicação com clientes Ferramenta de diferenciação dos providers da sua concorrência
  69. 69. SLA na própria organização Discussão de grupo – 10min Experiências de SLAs recentes Métricas Timings Ferramentas de controlo Report Issues
  70. 70. SLA – Problemas Alguns analistas • O SLA não é panaceia que aparenta afirmam Empresas que • Têm pouco recurso no caso da operadora negar a contratam responsabilidade em falha O SLA serve mais • expectativa geral de qualidade de serviço que um como compromisso concreto As garantias • Têm falta de objectividade embebidas no SLA • Cada operadora concebe os seus critérios de medição
  71. 71. SLA - Problemas Grau de controlo do SLA É geralmente quantificado pela própria operadora À parte de claros períodos latos de corte Para colmatar esta necessidade Foram desenvolvidas ferramentas de controlo de SLA Geralmente sob a forma de software Tornaram em si próprias numa forte indústria Estas ferramentas são desenhadas para medir certos elementos comuns aos SLA
  72. 72. SLA - Problemas Outra complicação dos SLA é que quase sempre um operador não controla o service path completo Nesse ambiente a garantia de execução de SLA pode ser difícil – funcionalmente inoperacionais Case Study – Linha de comunicações PT-DE É contratada em PT Tem que atravessar 4 países Troços públicos e privados SLAs múltiplos Ambiente de negócio caracterizado por camadas de acordos SLA
  73. 73. SLA – Processo Probabilidade Diálogo Negociações Aborda itens a dos níveis de acerca do que SPs – Clientes ser incluidos serviço serem é esperado abordados O fornecedor compreende que serviços têm maior prioridade para o cliente O SP deverá seguir mais de perto as áreas de serviço que o cliente irá controlar, assegurando os requisitos do SLA
  74. 74. Tipos de SLA I SLAs de Infraestruturas SLAs de Aplicações Objectivos de Performance Objectivos de Performance Resposta: network latency Resposta: tempo de resposta Disponibilidade: Conectividade aplicação Network Disponibilidade: Utilização da aplicação – não da rede Adequado para ISPs/operadoras network Adequado para sistemas de Podem não ter visibilidade informação “end-to-end” Adequado para ASPs Providenciam visibilidade “end-to-end”
  75. 75. Tipos de SLA II • Cobre um serviço para todos • Cobre funcionalidades e • Algumas organizações optam os seus utilizadores tecnologias comuns a um por adoptar uma estrutura • Eficiente quando um mesmo grupo de utilizadores SLA multi nivelada nível de serviço satisfaz todas • Cliente prefere este tipo de • Contrato mais complexo com as áreas de negócio acordo visto todos os seus objectivo de cobrir • Ex: Telefonia, e-mail requisitos serem satisfeitos necessidades de diversas da • Classes múltiplas do serviço com apenas um documento – empresa e diferentes são usadas para diferenciação uma única assinatura contextos Service/Component Customer Based Multi nível Based
  76. 76. SLA multinível Exemplo de acordo com três níveis Nível corporativo Questões genéricas SLM comuns a todos os utilizadores da organização Pontos cobertos tendem a ser pouco voláteis, e alterações pouco frequentes Nível do cliente Cobre questões relacionadas com um determinado grupo ou área de negócio Não orientado ao serviço ou tecnologia envolvidos Nível de serviço Todas as questões relativas a um serviço específico com relação a um grupo de utilizador Será discriminado um por cada serviço fornecido e coberto pelo SLA
  77. 77. DEFINIÇÃO DE OBJECTIVOS DE NÍVEIS DE SERVIÇO
  78. 78. Catálogo de serviços Fonte única De informação consistente de todos os serviços Garantir que está disponível a quem dela necessita Gestão de catálogo Definição de serviços Produção e manutenção de informação actualizada Serviços Catálogo de serviços de Negócio Detalhes dos serviços fornecidos ao cliente Relação e características com as BU do cliente Visível ao cliente Catálogo de serviços Técnicos Detalhes e características dos serviços técnicos Relações com os serviços de negócio Não visível ao cliente
  79. 79. Gestão de capacidade Gestão da Capacidade garante Capacidade e performance dos serviços e sistemas envolvidos Corresponde aos elementos acordados de forma eficiente em termos de custo e tempo Acto de balanceamento Custos versus Recursos necessários Capacidade adquirida justifica-se pelos requisitos de negócio Como utilizar eficientemente esses recursos Oferta versus Procura A oferta de potência de processamento suporta a procura – actual e futura Pode ser necessário influenciar ou gerir a procura para um recurso específico
  80. 80. Gestão de capacidade - Práticas recomendadas Monitorizar padrões de actividade de negócio e planos de nível de serviço Indicadores de Produção de relatórios performance, utilização e Capacidade e Performance throughput Serviços Serviços prestados Componentes Infraestrutura de suporte Periódicos Sistemas envolventes Ad-hoc Sistemas de dados Componentes aplicacionais
  81. 81. SLR – Requisitos Levantamento de processos de negócios Determinando-se as áreas e users ligados às aplicações ou recursos Estabelecimento de métricas e indicadores de qualidade Na forma de SLOs (Service Level Objectives) Avaliação da relação custo/benefício envolvida Negociação dos termos que regerão os SLAs Matriz de responsabilidades Dentro do âmbito da cadeia funcional Operacionalização e divulgação Junto aos profissionais e/ou empresas envolvidos Adopção de ferramentas para acompanhamento das métricas Análise dos relatórios
  82. 82. SLR – Requisitos
  83. 83. Problemas típicos de especificação Uma corrente é tão forte quanto seu elo mais fraco Falta de compromisso dos sub-fornecedores Escolha de critérios objectivos e de métricas para avaliação de níveis de serviço Ausência de histórico anterior ou introdução de novas tecnologias/serviços Dificuldades na gestão de SLA Users muitas vezes não especificam SLAs nas suas specs Mas especificam que os fornecedores devam fornecer os seus SLAs
  84. 84. SLO Service Level Objectives Forma de medir performance do SP e evitar disputas entre as partes baseado em faltas de entendimento Devem ser Atingíveis Mensuráveis Compreensíveis Significativos Controláveis Acessíveis financeiramente Mutuamente aceites
  85. 85. SLA e SLO I Um SLA Operacional Combinação de Objectivos de Nível de Serviço (SLO). SLO parâmetros mensuráveis qualidade de serviço para o ambiente de serviço de um determinado cliente. Um SLO é uma medição de nível de serviço com limites: Os SLOs podem ter períodos de operação e períodos de carência Os SLAs podem ter um período de conformidade Os SLAs tipicamente têm uma percentagem de conformidade
  86. 86. SLA e SLO II SLA SLO Contrato que delineia Elemento do SLA que compromisso entre duas permite materializar o SLA partes Não há regra que defina Inclui serviço genérico número Faz sentido medir apenas o Aspectos financeiro de que é relevante Service Delivery Cada SLO corresponde a Pagamentos, taxas uma característica única Penalizações Exemplos: Bónus Disponibilidade de sistema Termos e condições Tempos de resolução de Métricas específicas: SLO incidências Resposta de aplicações Governam o SD
  87. 87. SLO piloto Ajustar de Fase piloto é No final parâmetros ideal • Período de • Empresas que • CIO e SP revêm experiência trocam de as metas • Até seis meses fornecedor • Fazem ajustes • Objetivo de • Ou têm pouca de contrato atingir os SLAs experiência previstos. com outsourcing. Garante-se • O fornecedor não cobra mais que o devido • O SLO é importante para que a relação seja de Win-Win
  88. 88. SLA - Estrutura Secção Descrição Sumário Executivo Sumário descrevendo o propósito geral do documento de atingir ou superar as medidas de SL que foram mutuamente acordadas. Deve incluir a duração do acordo, definir as partes envolvidas de cada organização e os donos dos processos acordados. Descrição dos Descrição dos serviços e os níveis de performance associados aos mesmos serviços Definições de SL Para cada área funcional devem ser incluídos os respectivos SLA – ver em baixo SLM Medição e monitorização, Elaboração de relatórios Linhas gerais de escala de problemas Pedidos de alteração; Implementação de novos serviços Papéis e Das parte intervenientes de cada entidade. Envolve as áreas operacionais, e entidades externas adicionais. responsabilidades Identifica comités de governação e stakeholders chave. Apêndices Informação adicional que possam ser úteis e evitar falhas de compreensão
  89. 89. SLA – Definições de SL I Âmbito • Detalhes do hardware e do software que está a ser coberto Gama de serviços • Serviços que o fornecedor terá que fornecer • helpdesk, diagnóstico inicial off-site, engenharia suporte on-site, suporte on-site temporário Disponibilidade Serviço • Define quando o serviço deve estar disponível • Especial atenção a quaisquer horas irregulares Tempos de Resposta • Tempo de reacção a incidentes • Aspecto importante do SLA. • Geralmente os tempos de resposta mais rápida, maior será o custo.
  90. 90. SLA – Definições de SL II Métricas de SL • Medição relevante do trabalho efectuado pela empresa fornecedora • Expresso em % deve relacionar-se com objectivo de negócio Fórmula de medida • Se se utilizarem indicadores complexos deve descrever-se a fórmula utilizada • Incluir exemplos Intervalos de medição • Período de avaliação ao fim do qual se determina se se excederam, atingiram ou não, os níveis de SLA propostos Fontes de dados • Localização de onde são retirados os dados • Onde são colectados • Como são armazenados • Quem é responsável Procedimentos de Escalagem • Acorda uma série de acções para garantir que problemas são tratados sem demora • Reacções são intensificadas até que o problema seja resolvido - por exemplo, deslocam-se do local de diagnóstico para suporte on-site
  91. 91. SLA – Definições de SL III Registos • Detalhes de problemas e soluções devem ser devidamente documentados • Os registos podem ser necessários para a resolução de litígios Análise de Desempenho • Necessário para manter níveis aceitáveis de serviço ao longo do tempo Bónus/malus contratuais • Refere e descreve excepções, penalizações, prémios e penalizações previstas Compensação/ Penalização • Descrição de fórmula matemática e exemplos Rescisão de acordo • Um processo formal que define as regras e condições específicas ao abrigo do qual o contrato pode ser rescindido
  92. 92. SLA – Proposta Sumário executivo SL Management Propósito Tracking e Reporting de medições Duração Continuidade de negócio Âmbito Linhas guia de escalagem Descrição de serviços Pedidos de serviço/ alteração Data center Implementação de novos serviços Desktop/LAN e SL Service desk Processos de aprovação Serviços WAN Processos de revisão do SL Telefonia/voz Papéis e responsabilidades Suporte aplicacional Service Provider E-mail, CRM, etc Unidades de negócio Definições SL Fornecedores de serviço externos Medidas específicas de SL para Apêndices cada serviço Hardware suportado Graus de severidade e prioridade Software suportado Procedimentos de compensação
  93. 93. Exemplo de SLA - Métricas
  94. 94. Exemplo de SLA - Timings
  95. 95. Exemplo de SLA - Bónus/Malus
  96. 96. Exemplo de SLA - SLM Actividades adicionais Definição de severidade e prioridade Procedimento de escalagem Especificação de actividades on/off site
  97. 97. SLA - Normas de forma Discurso claro e conciso Sem espaço para ambiguidades Discurso natural ajuda a um entendimento comum Regra geral não há necessidade de utilizar terminologia legal Leitura independente Entidade não envolvida na compilação efectuar uma leitura completa Frequente serem identificadas ambiguidades ou dificuldades que são tratadas e esclarecidas Glossário Essencial para definir termos específicos e clarificar áreas de ambiguidade
  98. 98. Níveis de Severidade • Grande impacto nos negócios Severidade • As operações comerciais normais não podem ser realizadas 1 • O user final é VIP ou o user final não pode contornar o problema • As operações comerciais normais são substancialmente prejudicadas Severidade • O user final consegue executar aplicações de produção ou aceder 2 DB mas a utilização é substancialmente limitada • O user final experimentou problemas contínuos ou repetidos • Impacto limitado nos negócios Severidade • O user final consegue executar aplicações ou aceder a DB mas 3 perdeu alguma funcionalidade • O problema não é contínuo ou repetido
  99. 99. Gestão de incidentes
  100. 100. Gestão de problemas
  101. 101. Cinco fases do contrato • Quais são os processos chave de negócios da Definição empresa • Como atingir os resultados. Quantificar • Não se basear em suposições • Resultados medidos em relação aos objectivos Examinar traçados para encontrar falhas • o que foi encontrado de errado ou inadequado Correcção em busca de aprimorar os processos • Do processo de melhoria com uma estrutura Monitorização formal para manter os ganhos obtidos
  102. 102. Lições aprendidas Compreender o que realmente deve ser medido • Em termos de impacto para o negócio • Não o que pode ser facilmente medido Os clientes internos devem ser envolvidos • Na definição dos SLA. Sabem o que é ou não relevante para o negócio A melhor medida de performance • Em última instância é a satisfação do utilizador SLAs precisam estabelecer penalidades • Para preservar a relação com o fornecedor Definir claramente checkpoints • Como categoria de serviço, disponibilidade, responsabilidades, fórmulas de medição, periodicidade dos relatórios, relatórios, cláusulas de excepção e preço
  103. 103. RELATÓRIOS: TIPOS E FREQUÊNCIA DE RELATÓRIOS DE CUMPRIMENTO DO SLA. OPTIMIZAÇÃO
  104. 104. Monitorização de SLA I Nada deve ser incluído que não possa ser efectivamente monitorizado e medido Essencial, pois incluindo itens não mensuráveis leva: Indesejáveis disputas Falta de confiança no SLM As empresas que o experienciaram sofreram Pesados custos financeiros Impacto negativo na sua credibilidade
  105. 105. Monitorização SLA II Deve corresponder à percepção de serviço, do utilizador Díficil, por vezes: Monitorização de componentes individuais não garante disponibilidade do serviço ao utilizador Network Server Se múltiplos serviços são entregues a um utilizador, pode ser mais efectivo registar apenas tempo de downtime do serviço que tentava aceder Método de medição envolve acordo com cliente
  106. 106. Relatórios – Tipos Performance Registam métricas conforme definidas nos SLS e SLO Índices de performance por unidade de tempo Pode incluir vista – histórico SLA Agregam informação e disponibilizam-na em termos de fulfillment com o SLA definido Pode incluir vista – histórico ETE – resposta end-to-end Representam métricas como o utilizador avalia o funcionamento das ferramentas disponíveis Lançamento de aplicação, tempo de login, acesso a dados, extracção e representação de dados Pode incluir vista – histórico Dashboard Vista integrada para leitura completa de diversos indicadores Facilita a interpretação alto nível de quem gere SLM – SP e cliente
  107. 107. Relatórios - Periodicidade Assim que o SLA é posto em prática Monitorização deve ser “instigada” e emitidos relatórios de níveis atingidos Relatórios Operacionais – semanalmente Relatórios de Excepção – Quando se verifique quebra de SLA Relatórios “Early-warning” – Se se definirem tresholds Relatórios de Gestão - >= mensalmente Informação agregada
  108. 108. Relatório Performance
  109. 109. Relatórios - Timings
  110. 110. Relatórios - Histórico
  111. 111. Relatórios – Resposta ETE
  112. 112. Relatórios – Dashboard
  113. 113. Relatórios – Dashboard
  114. 114. Gestão de expectativas I Soft-issues não mensuráveis por métodos ou procedimentos Sentimentos do utilizador Após repetidas notificações de falha de serviço Utilizadores podem estar positivos em relação ao problema Se sentirem que as medidas apropriadas foram tomadas Mesmo com poucos ou nenhuns SLO violados Utilizadores podem sentir-se genericamente desagradados Ex: Maneiras de alguns indivíduos do serviço de suporte • Definir formalmente expectativas e objectivos (SLR, SLA, SLO) Gerir as • Colocar em prática processo para manter expectativas positivas expectativas • Satisfação = Percepção – Expectativa • Resultado >= 0 , cliente satisfeito
  115. 115. Gestão de expectativas II SLA é apenas um documento Por si só não alteram a qualidade do serviço fornecido Afectam comportamento Ajudam a engendrar cultura de serviço Com impacto imediato Torna possível melhorias de longo prazo Torna-se necessário algum grau de tolerância e paciência que deve ser integrado na gestão de expectativas
  116. 116. Percepção da QoS
  117. 117. IMPLEMENTAÇÃO DE ALTERAÇÕES
  118. 118. Tipos de Mudanças Mudança Padrão • É uma Mudança comum que segue um roteiro pré-definido • A autorização e a aprovação orçamentária são dadas previamente • Pode ser iniciada pelo Service Desk Mudança Normal • É uma Mudança que não é urgente e que não atende os critérios de uma Mudança padrão • Será desenvolvida via “procedimentos normais” • Necessita ser avaliada pelo Gestão de Alterações Mudança Urgente • É uma Mudança tão urgente que não pode seguir os • “procedimentos normais” para sua implementação • Será desenvolvida via “procedimentos urgentes”
  119. 119. Gestão de alterações
  120. 120. KPI’S: FERRAMENTAS E INDICADORES PARA A MONITORIZAÇÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO
  121. 121. KPIs - Características KPIs e métricas ajudam a avaliar eficiência e efectividade das actividades de SLM Devem ser construídas na perspectiva do Serviço, Cliente e Negócio e cobrir medições tanto objectivas como subjectivas Objectivas Número/Percentagem de objectivos de serviço atingidos Número e níveis de gravidade de falhas de serviço Número de serviços com SLA actualizado Número de serviços com relatórios actualizados Subjectivas Melhorias na satisfação de clientes
  122. 122. SLA em Networks Edge-device –Encapsulamento, Monitorização, Policiamento, Classificação de pacotes Policy server – Configuração e políticas operacionais Monitor SLA – Vistas agregadas de comportamento da rede Controlo é transparente a aplicações, hosts, administradores de sistema (não rede) Networks – Site e Intranet/VPN/environment pertencem a diferentes organizações – interface garantido por SLA Policy SLA Site Server monitor network Edge device Site network Edge IP environment Edge device device Site network
  123. 123. Quality of Service (QoS) Mecanismos de reserva de recursos Possibilidade de providenciar prioridades a diferentes Aplicações Utilizadores Tipos de dados Garantia nível de performance a Tipo de Dados Métricas Garantia QoS é importante se Capacidade Network é insuficiente Caso não se preveja congestão de tráfego estes mecanismos não são necessários
  124. 124. QoS – Métricas Métrica Descrição Observações Bit rate Qtd bits transferidos / processados por Net bit rate ≥ Maximum unidade de tempo throughput ≥ Throughput ≥ Goodput Delay Round-trip de um pacote ao longo da Medido através de “ping” network ou protocolos RTCP Jitter Variação no delay end-to-end entre Exs: pacotes probatórios enviados (packet Dispersão: -10ms delay variation) Clumping: +10ms Packet Drop % perda de pacotes de prova em round-trip Bit error % erros recebidos em pacotes de teste Total bits recebidos com ratio erro / Total bits enviados
  125. 125. CUSTOS ASSOCIADOS AO SLA
  126. 126. Benefícios do SLM Benefícios de negócio Benefícios tecnológicos Definição dos SL necessários Controlo de custos SLM permite às áreas de negócio definir Com SL claros as áreas tecnológicas os SL tecnológicos necessários para podem orientar os investimentos a atingir os objectivos de performance de requisitos bem definidos negócio Alinhamento tecnológico com o Operações mais eficientes negócio Com SLM definem-se e prioritizam-se Esforços tecnológicos são prioritizados, os compromissos com o negócio, focalizados e operam em linha com os ajudando as áreas tecnológicas a focar- objectivos de negócio se e aligeirar as suas operações. Adicionalmente à melhoria de qualidade de serviço, tem-se redução de custos de operação – aumento de processos automatizados e redução de “firefighting”
  127. 127. Benefícios do SLM Benefícios de negócio Benefícios tecnológicos Performance previsível de negócio Reputação da qualidade de serviço Torna-se possível prever os resultados Objectivos claros e resultados clientes de negócio dependentes dos níveis de aumentam reputação da qualidade de serviço tecnológico garantidos serviço Quantificação de investimentos Segurança laboral As negociações SLA permitem Ao entregar-se consistentemente visibilidade e justificação de custos relativamente a compromissos, as áreas tecnológicos necessários para atingir de negócio estão menos aptas a performance de negócio considerar outsourcing
  128. 128. Planeamento financeiro Avaliação do Serviço (fin.) Actividades e Quantificação do budget a características atribuir ao negócio e Registo de serviço – assignar tecnologias pelos serviços custos ao serviço correcto resultantes, baseado no valor Tipos de custos acordado desses serviços Classificação high-level Hardware e licenças de SW Hardware, SW, Mão de Valores anuais de obra, administração, etc. manutenção (idem) Classificação de custos Recursos pessoais usados no suporte Capital/Operacional Custos de utilidades, data Directo/ centers, instalações Indirecto(partilhado) Impostos e juros cobrados Fixo/Variável Unidades de custo
  129. 129. GLOSSÁRIO SLA - Service Level Agreement ou acordo de nível de serviço SLM - Service Level Management, práticas ou ferramentas para gestão de nível de serviço SLO - Service Level Objective, primeira fase do SLA, para determinar o objectivo do controle de nível de serviço OLA - Operational Level Agreement, o mesmo que SLA interno RFP - Request for Proposal, solicitação de serviço ao mercado KPI - Key Performance Indicator, indicadores-chave de performance
  130. 130. Obrigado Afonso Tavares Project Manager & Business Consultant (c) 2009 afotav@gmail.com 962592257
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×