Resultados de 2006
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Resultados de 2006

on

  • 450 views

 

Statistics

Views

Total Views
450
Views on SlideShare
448
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 2

http://www.slideshare.net 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Resultados de 2006 Resultados de 2006 Presentation Transcript

  • Resultados de 2006 08 de Março de 2007
  • Destaques Perfil da Dívida Reorganização Brasiliana g ç Fluxo de Caixa Mercado Mercado de Capitais Performance Operacional Conclusão Performance Financeira
  • Destaques de 2006 • Conselho de Administração passa a ter 20% dos membros independentes (novo regulamento do Nível 2 da Bovespa) 1T06 • Emissão de R$ 300,0 milhões em CCB’s - Pagamento antecipado da parcela remanescente da dívida renegociada com bancos credores (12/05/2006) 2T06 • Reajuste Tarifário – 11,45% (4/07/2006) 3T06 • Alongamento da dívida com Fundação CESP até 2022 – economia de caixa de R$ 633 milhões até o fi l d 2008 ilhõ té final de • Reorganização da holding Companhia Brasiliana de Energia • Oferta Secundária de ações da Eletropaulo (25/09/2006) • Total da oferta: R$ 1 3 bilhão 1,3 • 15,8 bilhões de ações PNB (38% do Capital Social), com 100% de tag along • Free-float passou de 18,3% para 56,2% • Ebitda ajustado de R$2.490,8 milhões em 2006, 16,7% superior a 2005 4T06 • Lucro Líquido de 373,4 milhões em 2006, frente a um prejuízo de R$155,5 milhões em 2005 • Redução de 19,8% do endividamento líquido • Elevação dos Ratings (BB- em escala internacional e A em escala nacional) • Dividendos Propostos de R$ 130,4 milhões (R$ 2,94/’000 ações ON e R$ 3,23/’000 ações PN) 3
  • Reorganização Brasiliana • Redução do endividamento da Brasiliana e suas holdings de R$ 2.044,0 milhões (saldo do principal em 30.09.2006) para R$ 800,0 milhões AES Holdings BNDES Brasil Ltda O 49,99% O 50,01% 50 01% P 100,00% P 0,00% T 53,84% T 46,15% Cia. Brasiliana R$ 800 milhões De Energia O 100,00% O 98,26% T 100,00% T 98,26% P 7,38% AES Uruguaiana O 71,27% O 100,00% AES ELPA T 4,44% T 100,00% 100 00% Inc (Cayman) ( y ) P 32,23% T 52,51% O 100,00% O 77,81% T 100,00% P 0,00% T 30,97% O = Ações Ordinárias AES Uruguaiana P = Ações Preferenciais AES Infoenergy Eletropaulo AES Tietê S.A. T = Total Empreend. S.A. 4
  • Comparação do Consumo em GWh Evolução do Mercado Cativo (GWh) 7.792 7.360 7.370 7.528 7.436 • Excluindo-se os clientes livres atuais de todos 7.166 7.221 6.904 os períodos anteriores, houve um crescimento do mercado cativo de 5,1% em 2006 1T05 2T05 3T05 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 4,6% 4 6% 6,9% 0,1% 38.183 36.499 12.687 3,2% 11.863 31.634 31.656 31 634 31 656 -12,9% 9.593 9.898 34,2% 7.580 6.606 6.527 -5 1% 5,1% 4.865 4 865 2.598 2.465 Residencial Industrial Comercial P. Públicos e Cons. Livres Mercado Cativo Mercado Total Outros Obs: Não considera consumo próprio 5 2005 2006
  • Clientes Livres % Mercado Total (2006) Consumo Cativo 80,9% 18,5% Clientes Livres Clientes Potencialmente Livres 0,6% Receita Líquida com TUSD X Consumo Clientes Livres 467,1 367,3 134,4 6.527 4.865 2.675 2004 2005 2006 Clientes Livres (GWh) TUSD (R$ milhões) 6
  • Destaques Operacionais Taxa de Arrecadação Total - Evolução das Perdas* (%) % sobre receita bruta 13,5 -7,1% +0,1% 12,9 99,0 99,1 12,0 97,5 7,0 6,4 5,5 6,5 6,5 6,5 2004 2005 2006 2004 2005 2006 Perdas Técnicas Perdas Com erciais Combate a Fraudes e Ligações Clandestinas (2006): Taxa de arrecadação (2006) • Poderes Públicos: 104,2% • 443 mil Inspeções e 49 mil fraudes detectadas • Setor Privado: 98,8% • 80 mil regularizações de ligações clandestinas Cortes e Religações - média mensal (2005 x 2006) • Cortes - aumento de 92 mil para 116 mil * Devido ao aprimoramento do critério de apuração de Perdas Técnicas, • Religações - aumento de 55 mil para 74 mil a Companhia alterou seu valor retroativamente de 5,6% para 6,5%, mas sem alterar as perdas totais 7
  • Investimentos 2006 R$ milhões ilhõ 404 Investimentos 2006 378 49 (R$ 377,7 milhões) 330 58 33 Serviço ao Consumidor e 217 15% Expansão do Sistema 32 Manutenção ç 355 366 8% 37% 297 319 Recuperação de Perdas 186 Tecnologia da Informação 14% Outros 11% 14% Autofinanciados 2003 2004 2005 2006 2007 (e) Capex Auto Financiados 8
  • Resultados R$ milhões ilhõ Receita Bruta Despesas Operacionais -7,6% +1,8% +1 8% 7.471,3 6.903,9 11.153,7 11.350,8 2.856,9 2.996,6 4.712,5 4.392,4 -1,0% +4,4% 8.296,8 8.354,2 2.964,8 1.848,8 724,9 2.839,7 1.830,3 805,7 775,2 781,1 1.105,1 1.137,9 2.064,5 2.183,7 188,4 2.033,9 2 033 9 230,8 1.705,8 555,3 461,7 4T05 4T06 2005 2006 4T05 4T06 2005 2006 Receita Líquida Deduções à Receita Operacional Despesas Operacionais Encargos do Setor Eletricidade +Transporte • Aumentos em relação ao 4T05 e a 2005 • Redução de 7,6% em 2006: decorrem: • Diminuição de 5,8% na despesa com compra de energia devido à alteração do mix (fim dos g ( • Da aplicação do reajuste tarifário médio Contratos Iniciais) 11,45% desde 04 de julho de 2006 • Diminuição de 45,0% nas Outras Despesas em função de despesas extraordinárias registradas • Evolução do consumo total: em 2005 e 2006: • 5,6% superior ao 4T05 • R$ 451,3 milhões – 2005 • 4,6% superior a 2005 • R$ 158,6 milhões – 2006 9
  • EBITDA R$ milhões ilhõ 4T05 x 4T06 2005 x 2006 EBITDA sem ajustes 290,8 433,1 1.121,9 1.763,4 RTE 83,6 83,4 334,9 326,8 Fundação CESP 60,3 60,4 241,8 242,0 Provisão - PMSP 0 0 330,5 0 Prescrição PIS/Pasep 0 0 (72,0) 0 Provisão - RTE 176,9 1,5 176,9 37,7 Provisão - Contingências 0 0 0 120,9 EBITDA AJUSTADO 611,6 578,4 2.134,0 2.490,8 Margem EBITDA AJUSTADO 29,6% 26,5% 25,7% 29,8% Redução de 5,4% Crescimento de 16,7% 10
  • Resultado Financeiro Consolidado R$ milhões ilhõ Resultado Financeiro O resultado financeiro de 2006 decorre: 4T05 4T0 4T06 2005 200 2006 • Da diminuição de 39,0% das receitas financeiras • Receitas adicionais de R$ 193,6 milhões em 2005 pela (42,8) (41,5) alteração das regras de remuneração do saldo de RTE -2,9% 2 9% • A redução de 25,2% das Despesas Financeiras amenizou a diminuição das receitas no +3,9% resultado final • Redução do custo total líquido do endividamento (329,6) (342,3) Custo Total Dívida (Líquido) Custo Médio e Prazo Médio 5,44 5 44 5,48 5 48 (160,4) (153,7) % 101,18% 104,28% 97,27% 88,22% 91,61% % (130,2) 3,90 % 3,69 3,81 (120,4) (120 4) % (104,2) % % 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 Custo Médio - % CDI* a.a. Prazo Médio - anos 11 Taxa CDI fim de período
  • Lucro Líquido R$ milhões ilhõ • A Companhia propõe distribuir o máximo permitido por lei em dividendos, após absorção dos prejuízos acumulados até 2005: • R$ 2,94/’000 ações ON • R$ 3,23/’000 ações PN 373,4 õ Dividendos Propostos 2006 (R$ milhões) +728,3% Prejuízos Acumulados 2005 (262,1) 99,0 Reversão dividendos prescritos 3,8 Lucro do Exercício 2006 373,4 12,0 Saldo Líquido 115,0 Reserva Legal (5%) (5,8) 4T05 4T06 2005 2006 Realização Reserva Reavaliação 21,1 Dividendos 130,4 (155,5) 12
  • Dívida Consolidada R$ milhões ilhõ Curto Prazo X Longo Prazo Dívida Bruta – 2006 -19,8% -9,3% 9 3% IGP-DI 5.075 50,0% 4.800 4.830 4.830 4.562 21% 4.031 20% 27% 20% 3.658 3.658 Taxa Fixa es R$ milhõe 11,6% 11 6% Libor CDI/Selic 1,6% 79% 80% 73% 80% 36,8% • Fundo de Pensão - R$ 2.415 milhões 3T06 4T06 2005 2006 • Credores Privados - R$ 2.040 milhões LP CP Dívida Líquida • BNDES - R$ 375 milhões Destaques do Endividamento – 2006 Evolução de ratings – Fitch Ratings Escala Nacional A • Dívida Bruta: redução em 4,8% ( $ 245,2 milhões) ç , % (R$ , ) BBB+ Out ‘06 06 • Dívida Líquida: redução em 19,8% (R$ 904,5 milhões) BB - BBB Jul ‘06 B+ • Moeda estrangeira: redução de 6,0% para 1,6% do total BB Dez ‘05 Out ‘04 B+ B- Escala Internacional Última atualização: 05/10/2006 13
  • Cronograma de Amortização Principal P i i l 31/12/2006 - R$ milhões ilhõ 1.273 917 881 47 153 628 469 25 1.273 159 440 441 25 25 346 729 231 147 153 291 291 112 263 378 153 153 153 234 268 263 212 138 138 111 23 Pré- Pagtos 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014-22 pagtos 2006 2006 R$ (S/ FCESP) FCESP BNDES US$* * Taxa de câmbio em 31/12/2006 - US$ 1,00 = R$ 2,1380 14
  • Fluxo de Caixa Gerencial R$ milhões ilhõ R$ milhões 1T06 2T06 3T06 4T06 2006 Saldo de caixa inicial 492 358 619 767 492 Geração de caixa operacional 687 653 725 741 2.806 Investimentos ( (101) ) ( ) (88) ( ) (75) ( ) (85) ( (349) ) Despesa Financeira Líquida (194) (85) (176) (91) (545) Amortizações Líquidas (245) (45) (158) (111) (559) Fundação CESP ç ( (134) ) ( (108) ) ( ) (85) ( ) (55) ( (382) ) Imposto de Renda (147) (67) (83) - (297) Caixa Livre (133) 261 148 399 675 Saldo de caixa final 358 619 767 1.166 1 166 1.166 1 166 • Geração de Caixa Operacional – Redução de custos e despesas operacionais ao longo do ano • Despesa Financeira - Pagamentos semestrais de juros no 1º e 3º trimestres (bonds e 8ª emissão de debênctures) • Amortizações Líquidas - Emissão de R$ 300 milhões do CCB em maio e pagamento antecipado da dívida renegociada em 2004 • Fundação Cesp - Renegociação dos contratos de dívida no 3T06 • IR/CS – Baixa para perdas de R$ 369 4 milhões (provisão PMSP) tornou realizável o benefício fiscal 369,4 15
  • Mercado de Capitais Preço Volume ELPL6 (PNB) • Valorização de 28,2% desde 21/09/2006 (pricing) • O volume médio diário de negociações das ações ELPL5 (PNA) PN em 2006 é 4,3 vezes superior ao volume de 2005 • Valori ação de 2 5% em 2006 Valorização 2,5% IBOVESPA • Valorização de 32,7% em 2006 ELPL5 x ELPL6 Volume Médio Diário - ações PN (R$/'000 ações) (R$ mil) 122,0 118,0 114,0 114 0 18.024,9 18 024 9 110,0 106,0 102,0 98,0 94,0 +331,5% 90,0 86,0 86 0 82,0 78,0 74,0 4.177,5 70,0 05 06 06 06 6 6 6 6 6 6 6 6 6 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 20 20 20 20 20 20 20 20 20 /2 /2 /2 /2 / / / / / / / / / 2 0 1 2 /1 /2 /3 /4 /5 /6 /7 /8 /9 /1 /1 /1 /1 31 28 31 30 31 30 31 31 30 31 31 30 31 2005 2006 ELPL5 ELPL6 16
  • Conclusão • Reversão do prejuízo acumulado de R$ 262,1 milhões em 2005 para um lucro líquido de R$ 373 4 milhões em 2006 373,4 ilhõ • Dividendos propostos de R$ 130,4 milhões (R$ 2,94/’000 - ON e R$ 3,23/’000 - PN) • Aumento de 16 7% do EBITDA Ajustado passando de R$ 2 134 0 milhões em 2005 para 16,7% Ajustado, 2.134,0 R$ 2.490,8 milhões em 2006: • Redução de 7,6% das Despesas Operacionais – menor volume de despesas extraordinárias em 2006 • Redução de 19,8% na dívida líquida consolidada e de R$ 228,3 milhões da dívida denominada em moeda estrangeira d i d d t i • Alongamento do prazo médio da dívida de 3,7 para 5,5 anos • Elevação dos ratings pela Fitch Ratings e S&P • Free float aumentou de 18,3% para 56,2% do capital total 17
  • Resultados de 2006 08 de Março de 2007 18
  • Destaques D t Capex C Performance Operacional Obrigação de Expansão Contrato Bilateral Mercado de Capitais Performance Financeira Conclusão 19
  • Destaques - 2006 Jan/06: 100% da energia assegurada passou a ser vendida a Eletropaulo 1T06 Prêmio “Melhores e Maiores 2005” da Revista Exame: Melhor Empresa do Setor de Serviços Públicos 2T06 Jul/06: Reajuste do contrato com Eletropaulo em 0,9% 3T06 Pagamento d R$ 305 5 milhões em di id d P t de 305,5 ilhõ resultado do 1º semestre dividendos referente ao f t Pagamento de R$ 143,4 milhões em dividendos e JSCP, com base no lucro acumulado até o 3T06 4T06 EBITDA de R$ 1.096,9 milhões, 16,8% superior à 2005 Lucro líquido de R$ 614,1, aumento de 10,4% em relação à 2005 614 1 10 4% Dividendos propostos de R$ 165,2 milhões, relativos ao 4T06 20
  • Balanço Energético – 2006 Geração Bruta x Energia Faturada em GWh Caconde 2,8% 344,6 Euclides 3,7% 463,8 Limoeiro 1,1% 132,0 Água Vermelha 60,1% 89,0% Eletropaulo - Bilateral 7.498,1 , 11.107,7 11 107 7 Barra Bonita 4,0% TOTAL FATURADA 495,2 Bariri 4,5% 12.474,6 12.474,6 565,6 11,0% 11 0% MRE/CCEE* Ibitinga 5,3% 1.366,6 655,9 Promissão 7,7% 964,2 964 2 Nova Avanhandava 10,6% 1.323,5 Mogi Guaçu 0,2% 31,7 31 7 *Após descontados consumo próprio e perdas de transmissão, a diferença é direcionada primeiramente ao Mecanismo de Realocação de Energia – MRE e, então, à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE. 21
  • Geração e Confiabilidade do Sistema Geração em 2006 foi 12% acima da energia Usina Período sem Acidentes – Anos assegurada. Ibitinga Ibiti 18,5 18 5 Taxa de Falha (TF) e Disponibilidade da Mogi-Guaçu 11,9 Nova Avanhandava 9,0 Unidade Geradora (DUG) estão melhores Água Vermelha 8,4 do que as metas estabelecidas pela ANEEL Limoeiro 6,3 – de 2,9 para TF e 92,8% para DUG Barra Bonita 6,3 Promissão 4,8 Média de 7 anos de operação sem Caconde 3,7 acidentes com afastamento Euclides da Cunha 3,3 Bariri 1,0 Energia Gerada Taxa de Falha x Disponibilidade 123% 120% 123% 97,2% 96,8% 117% 115% 96,1% 109% 107% 112% 94,2% 93,0% 92,6% 98% 90,9% 81% 3,0 2,8 2,5 25 2,2 2,3 1.617 1.619 1.581 1.502 1.392 1.467 1.424 1.258 1.363 1,7 1,6 1.040 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 Geração - MW Médio Geração / Energia Assegurada Taxa de Falha - TF Disponibilidade da Unidade Geradora - DUG 22
  • Contrato Bilateral A partir de jan/06, 1.268 MW (100% da energia assegurada) são vendidos para a Eletropaulo: Em julho de 2006 o preço foi reajustado em 0,86%, com base na variação do IGP-M Contrato válido até dezembro de 2015 Garantia: recebíveis Aditamento assinado em out/03 alterando o a validade do contrato para jun/28 Em ago/05, após a negativa de aprovação pela Aneel, a Eletropaulo recorreu judicialmente e aguarda o julgamento em 1ª instância, que ainda não tem data definida Receita Média – R$/ MWh 133,9 119,6 94,4 73,6 73 6 54,0 48,8 45,9 2000 2001 2002 2003 2004 2005 Contrato Bilateral 23
  • Resultados R$ milhões Receita Líquida Custos e Despesas Operacionais 1.387 1.387 357 345 1.220 1 220 1.220 1 220 14% 18 38 3% 35 77 47 46 132 68 8% 8% 61 5 -36% 85 321 346 346 103 321 58 79 11 5 10 8 19 14 23 32 64 67 16 16 4T05 4T05 4T06 4T06 2005 2005 2006 2006 4T05 4T06 2005 2006 Compra de Energia e Transmissão Royalties Outros* Despesas Operacionais Provisões Depreciação 2006 x 2005 Aumento de 33,8% do volume energia vendido para Compra de Energia e Transmissão: aumento de Eletropaulo (de 948 MWm para 1.268 MWm) R$ 26,1 milhões nos encargos de transmissão devido ao maior volume vendido à Eletropaulo Jul/06: reajuste do preço de venda (0,9%) Outras: aumento do percentual da receita líquida destinada à Pesquisa & Desenvolvimento de 0,25% para 1% Provisão de R$ 58,3 milhões em 2005 referente à $ energia livre (RTE) enquanto em 2006 foram provisionados R$ 17,7 milhões 24 *Outros: P&D, taxa de fiscalização, seguros, hidrovia, etc.
  • Resultados R$ milhões EBITDA 80,2% 77,0% 79,1% 17% 1.097 939 63,9% 205 278 36% 4T05 4T06 2005 2006 Aumento no volume de vendas através do contrato com a Eletropaulo de 948 MWm para 1.268 MWm Reajuste do preço de venda de energia em julho de 2006 ( + 0,9% ) Redução no volume de provisões 25
  • Resultados R$ milhões Resultado Financeiro Lucro Líquido 4T05 4T06 2005 2006 45,6% 45 6% 44,3% 7 47,7% 45,2% 10% 10% 614 614 (35) 556 14% 14% 145 145 165 (64) 4T05 4T06 2005 2006 72% (111) Lucro Líquido Margem Líquida 2006 x 2005: 006 005 2006 x 2005: Atualização monetária do contas a receber de Lucro Líquido 10% superior energia livre (RTE) de R$ 37,0 milhões em Margem líquida menor em função do resultado 2005 (4T05) conforme estabelecido pela Aneel financeiro comparada a R$ 17,7 milhões em 2006 (R$ 2,9 milhões no 4T06) 4T06 x 4T05 Variação do IGP-M sobre dívidas Aumento de 14% no lucro líquido, principalmente em virtude da redução de custos e despesas operacionais. 26
  • Endividamento Saldo de caixa em 30/dez/06 = R$ 690,3 milhões em R$ milhões Credor Montante Vencimento Custo Garantia Eletrobras 1.364,8 mai/13 IGP-M + 10% a.a. Recebíveis FunCesp III 20,7 set/27 IGP-DI + 6% a.a. Recebíveis Dívida Líquida – R$ bilhões 3,3x 3,2x 3,0x 2,0x 2 0x 1,4x 1,4 0,7x 1,3 0,6x 1,1 1,1 1,1 0,7 0,7 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 Dívida Líquida Dívida Líquida / EBITDA 27
  • CAPEX Capex – 2006: R$ 46,5 milhões Capex – 2006 12,5% 2,0% % Estimativa de Capex para 2007: R$ 75,5 milhões: R$ 22,4 milhões: Construção de 3 PCHs no interior do Estado de São Paulo totalizando 8MW de potência instalada Paulo, 29,5% 29 5% 55,4% 55 4% O restante será destinado principalmente para recapacitação 0,5% e modernização de equipamentos: Equip. Hidrovia PCH Meio Am b. TI Bariri: Término das melhorias da Un. geradora 03 Promissão: Recapacitação e modernização da Un. Geradora 02 Capex – R$ milhões Nova Avanhandava: Recapacitação e modernização da Un. U geradora 01 d 75,5 Reflorestamento 46,5 Investimento em Pequenas Centrais Hidrelétricas 30,5 27,5 21,9 Aquisição de licenças para construção de 3 PCHs no Estado 12,4 do Rio de Janeiro, com capacidade instalada total de 52 MW eE Energia assegurada de 28,97 MW médios, ainda sujeito à i d d 28 97 édi i d j it aprovação da ANEEL – investimento previsto de R$ 225 2002 2003 2004 2005 2006 2007E milhões em 2 anos 28
  • Mercado de Capitais AES Tietê – Base 100 (dez/05) Volume financeiro média/dia (R$ mil) 140 133 130 69% 124 120 122 4.196,9 GETI3 110 1.810,2 GETI4 100 1.624,5 1.619,7 90 dez-05 mar-06 jun-06 set-06 dez-06 2005 2006 Ibovespa GETI3 GETI4 Proventos Pagos x Dividend Yield 12,0% R$ 614,1 milhões 2006 11,4% 13,2% R$ 539,0 milhões 2005 13,2% 2004 , 13,4% R$ 276 9 milhões 276,9 12,3% ON PN 29
  • Obrigação de Expansão Obrigação: expandir a capacidade instalada em, no mínimo, 15% (aproximadamente 400 MW), no período de 8 anos, a partir da assinatura do Contrato de Concessão, ocorrida em dezembro/99 Obrigação poder ser cumprida mediante: aumento da capacidade instalada no Estado de São Paulo; ou contratação, por prazo superior a 5 anos, de energia de novos empreendimentos construídos em SP Restrições para cumprimento: recursos híd i hídricos insuficientes no Estado i fi i t E t d restrições ambientais para instalação de usinas térmicas em SP fornecimento de gás Lei do Novo Modelo do Setor Elétrico (Lei n 10 848/04) nº 10.848/04) Proposta apresentada pela AES Tietê ao Governo do Estado de SP: suspensão da obrigação de expansão pelo período de 5 anos. Durante este prazo a AES Tietê poderá analisar projetos de investimento livremente, independente da localização após o período de suspensão, caso ainda existirem restrições ao cumprimento da obrigação, a AES Tietê seria liberada da obrigação nenhuma quantia e/ou obrigação substituta será devida como indenização Governo de SP ainda não se manifestou a respeito 30
  • Conclusão Geração 12% acima da energia assegurada EBITDA de R$ 1 1 bilhão em 2006 16 8% superior à 2005. Margem 1,1 2006, 16,8% 2005 EBITDA de 79,1% ante 77,0% no ano anterior. Distribuição de 100% do lucro líquido de 2006 na forma de dividendos e JSCP, no valor total de R$ 614,1 milhões* , $ , * R$ 448,90 milhões antecipados durante o exercício de 2006 e R$ 165,2 sujeito a aprovação em AGO a ser realizada em 09/04/2007. 31