Apresentação institucional_versao final
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Apresentação institucional_versao final

on

  • 450 views

 

Statistics

Views

Total Views
450
Views on SlideShare
430
Embed Views
20

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

2 Embeds 20

http://ri.aeseletropaulo.com.br 19
http://aes-eletropaulo.riweb.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Apresentação institucional_versao final Apresentação institucional_versao final Presentation Transcript

  • Institucional Maio, 2010
  • Grupo AES Brasil 7 milhões de clientes ... com resultado 2009: Market Share¹ 6 mil colaboradores R$ 3,2bi (Ebitda) R$ 1,9bi (Lucro líquido) Distribuidoras 14,6% 85,4% Geradoras 3,0% Investimentos 1998-2009: 97,0% R$ 5,8 bilhões após privatizações 1 - Fonte: Abradee (Distribuidoras) and Aneel (Geradoras) - Dados de Dezembro de 2008 2
  • Estrutura societária AES Corp BNDES O 50,00% + 1 ação O 50,00% - 1 ação P 0,00% P 100% T 46,15% T 53,85% Cia, Brasiliana de Energia O 76,45% O 71,35% O 99,99% O 99,00% O 98,25% P 7,38% P 32,34% O 99,99 % T 99,70% T 99,99% T 99,00% T 98,25% T 34,87% T 52,55% T 99,99 % AES AES AES AES AES AES AES Eletropaulo Sul Infoenergy Uruguaiana Com Rio Eletropaulo Tietê Telecom O = Ações Ordinárias P = Ações Preferenciais T = Total 3
  • Composição acionária Free Float Outros¹ 16,1% 19,2% 56,2% 8,5% 24,2% 28,3% 39,5% 8,0% 1 – inclui as ações do Governo Federal e da Eletrobrás na AES Eletropaulo e AES Tietê, respectivamente 4
  • Perfil da AES Eletropaulo Área de Concessão • Maior distribuidora de energia elétrica da América Latina • Presente em 24 municípios na área metropolitana de São Paulo Área Metropolitana de São Paulo • Área de concessão com maior PIB do Brasil: – 17,3% do PIB brasileiro e 50,9% do PIB do Estado de São Paulo (2007) • Extensão da rede: 46 mil quilômetros • Área de concessão: 4.526 km2 • 1,1 milhões de postes elétricos • 4.491 colaboradores Regional Oeste Regional Norte • 5,9 milhões de unidades consumidoras Regional Sul Regional ABC Regional Leste • 41 TWh de volume de energia distribuida em 2009 • Contrato de concessão válido até 2028 6
  • Ranking¹ de distribuidoras 8.000 7.000 Receita Líquida - R$ milhões 6.000 5.000 2007 2008 4.000 3.000 2.000 Receita Líquida 1o 1o 1.000 CPFL PAULISTA BANDEIRANTE PIRATININGA ELETROPAULO AMPLA COELBA ELEKTRO COELCE CELESC COPEL CELPE CEMIG CELG LIGHT CPFL AES 1.800 1.600 Ebitda - R$ milhões 1.400 1.200 1.000 800 Ebitda 2o 1o 600 400 200 CPFL PAULISTA ELETROPAULO PIRATININGA AMAZONAS COELBA ELEKTRO AMPLA CEMAR COELCE COPEL CEMIG CELPE LIGHT RGE CPFL AES 7 1 – Fonte: ABRADEE (Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica); pesquisa entre 48 distribuidoras no Brasil
  • Evolução do consumo Mercado Total - (GWh)1 Distribuição do Consumo 1T10 - (GWh)1 6% R: 1% CAG 14% 41.243 41.269 35% 39.932 7.383 6.832 7.355 18% 9.691 10.344 410 1.573 1.801 27% 32.577 33.860 34.436 8.118 8.544 Residencial Comercial 2007 2008 2009 1T09 1T10 Clientes Livres Mercado Cativo Clientes Livres Industrial Outros 1 – Consumo próprio não é considerado 8
  • Principais classes de consumo Residencial (GWh¹) – CAGR 2007-09: 4% Comercial (GWh¹) – CAGR 2007-09: 2% 15.015 10.752 14.427 10.301 13.500 10.072 3.646 2.804 3.494 2.657 2007 2008 2009 1T09 1T10 2007 2008 2009 1T09 1T10 Industrial (GWh¹) – CAGR 2007-09: -2% Mercado Cativo¹ (GWh¹) – CAGR 2007-09: 2% 34.436 6.475 6.559 33.860 6.032 32.577 1.449 8.544 1.327 8.118 2007 2008 2009 1T09 1T10 2007 2008 2009 1T09 1T10 9 1 – Consumo próprio não é considerado
  • Consumo Evolução do Consumo (GWh¹) +4,4 % +9,2 % +5,5 % +0,7 % +5,2% +14,4% +6,7% 9.691 10.344 8.118 8.544 3.494 3.646 2.804 2.657 1.573 1.801 1.327 1.449 645 641 Residencial Industrial Comercial P. Público e Mercado Cativo Clientes Mercado Total Outros Livres 1T09 1T10 10 1 – Consumo próprio não é considerado
  • Investimentos somaram R$ 98 milhões no 1T10 Investimentos - (R$ milhões) Investimentos 1T10 691 54 2% 2% 516 10% 37 457 433 47 15% 47% 69 101 98 478 9 24% 637 10 410 364 92 88 Serviços ao Consumidor Manutenção e Expansão do sistema 2007 2008 2009 2010(e) 1T09 1T10 Recuperação de Perdas TI Recursos Próprios Financiado pelo Cliente Financiado pelo Cliente Outros 11
  • DEC e FEC DEC – Duração de Interrupções FEC – Freqüência de Interrupções 8,49 11,34 8,41 10,92 10,09 7,87 8,90 9,20 11,86 10,20 13,50 5,64 5,20 6,17 5,46 6,74 2007 2008 2009 1T09 1T10 2007 2008 2009 1T09 1T10 3o 5o 1o 1o DEC (horas) DEC Padrão Aneel FEC (vezes) FEC Padrão Aneel ► DEC Padrão ANEEL para 2010: 9,32 horas ► FEC Padrão ANEEL para 2009 : 7,39 vezes Posição no ranking ABRADEE entre as 28 distribuidoras com mais de 500 mil consumidores Fonte: ABRADEE, ANEEL e AES Eletropaulo 12
  • Indicadores Operacionais Taxa de Arrecadação - (% da Receita Bruta) Perdas - (%) 1,6 p.p. 0,3 p.p. 102,5 101,1 99,8 99,5 11,6 11,8 11,8 98,5 11,5 11,5 5,0 5,1 5,3 5,3 5,3 5,0 6,5 6,5 6,5 66,5 6,5 2007 2008 2009 1T09 1T10 2007 2008 2009 1T09 1T10 Perdas Comerciais Perdas Técnicas • Cortes e Religações – Média Mensal (1T09 X 1T10) • Combate a Fraudes e Ligações Ilegais (1T10) – Cortes: aumento de 75 mil para 92 mil – 56 mil inspeções e 8 mil fraudes detectadas – Religações: aumento de 50 mil para 77 mil – 16 mil regularizações de ligações ilegais • Negativações (média mensal 1T10): 131 mil 13
  • Receita líquida de R$ 2,1 bilhões no 1T10 Receita Líquida - (R$ milhões) R: 4% CAG 8.050 7.529 7.193 2.131 1.850 2007 2008 2009 1T09 1T10 14
  • Custos e Despesas Operacionais Custos e Despesas Operacionais (R$ milhões) R: 5% CAG 6.422 5.893 5.537 1.312 1.193 1.747 1.440 1.485 341 288 4.097 4.700 5.110 1.197 1.406 2007 2008 2009 1T09 1T10 Supr. Energia e Enc. Transmissão PMS² and Outras Despesas 1 – Não inclui depreciação 2 - Pessoal, Material e Serviços 15
  • Ebitda de R$ 341 milhões no 1T10 Ebitda (R$ milhões) : 0,1% CAGR 1.566 1.696 1.573 341 288 2007 2008 2009 1T09 1T10 16
  • Lucro líquido de R$ 1,1 bilhão em 2009 Lucro Líquido (R$ milhões) Distribuição de Dividendos (R$ milhões) Proventos Pay-out Yield PNB 100,3% 101,5% 101,5% 34,9% 20,3% 20,4% : 14% CAGR 14,4% 1.063 1.080 1.027 1.043 3,2% 713 715 157 147 130 2007 2008 2009 1T09 1T10 2006 2007 2008 2009 • Pay-out mínimo de 25% de acordo com estatuto • Desde 2006, prática de distribuição de dividendos semestrais de 95% do lucro líquido 17
  • R$ 993 milhões em dividendos pagos em 2009 Fluxo de Caixa Gerencial (R$ milhões) 2007 2008 2009 1T09 1T10 Saldo Inicial 1.166 1.334 1.536 1.536 1.249 Geração Operacional de Caixa 2488 1893 1970 268 572 Investimentos (407) (374) (378) (104) (135) Despesa Financeira Líquida (501) (161) (118) (80) (81) Amortizações Líquidas (182) (94) (136) (184) (14) Fundação CESP (198) (192) (166) (58) (48) Imposto de Renda (418) (295) (189) (119) (73) Caixa Livre 783 777 706 (278) 221 Dividendos (615) (576) (993) - - Saldo Final 1.334 1.536 1.249 1.258 1.470 18
  • Perfil da dívida Dívida Líquida Cronograma de Amortização¹ (R$ milhões) 1.919 1,8x 1,8x 1,7x 1,5x 1,6x 3,2 1.365 3,0 2,9 2,7 2,5 580 602 56 341 368 74 417 313 316 302 65 70 84 89 66 554 524 528 79 250 276 298 223 333 224 2007 2008 2009 1T09 1T10 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 De 2018 à 2028 Dívida Líquida (R$ bilhões) Moeda Nacional (sem Fundação Cesp) Fundação Cesp Dívida Líquida / EBITDA Ajustado1 com FCesp • Março de 2010: – Custo médio da dívida é de 120,5% do CDI, o que significa uma taxa efetiva de 14,5% por ano – Prazo médio da dívida de 10,4 anos 1 – Inclui a 12ª e 13ª emissões de debêntures 19
  • Mercado de Capitais AES Eletropaulo1 X Ibovespa X IEE Volume Médio Diário3 (R$ Mil) 12 month² 180 72,0% 160 26.066 44,7% 25.677 24.538 140 21.960 19,4% 120 100 80 60 Mar-09² Jun-09 Set-09 Dez-09 Mar-10 1T10³ 2007 2008 2009 1T10 120 13,0% 110 2,6% 100 -0,4% AES Eletropaulo PNB IEE – Índice de Energia Elétrica 90 Ibovespa Dez-09³ Jan-10 Fev-10 Mar-10 1 – Ações preferenciais Classe B 2 – Data Base: 31/03/09 = 100 3 – Data Base: 31/12/09 = 100 20
  • Perfil da AES Tietê Área de Concessão • Concessão de 30 anos expira em 2029, renovável por mais 30 anos • 10 hidroelétricas no Estado de São Paulo nos rios Tietê, Pardo, Grande e Mogi Guaçu • 6 PCH’s no Estado de Minas Gerais • Capacidade Instalada de 2.657 MW, com garantia física1 Usinas da AES Tietê: Água Vermelha (1.396 MW) Ibitinga (132 MW) de 1.280 MW Nova Avanhandava (347 MW) Euclides da Cunha (109 MW) • 100%da garantia física está contratada por meio de um Promissão (264 MW) Caconde (80 MW) Bariri (143 MW) contrato bilateral com a AES Eletropaulo Limoeiro (32 MW) Barra Bonita (141 MW) Mogi-Guaçu (7 MW) • 315 empregados 1 – Quantidade de energia disponível para contratação de longo prazo 22
  • Desempenho operacional Energia Gerada (MW Médio1 ) Energia Faturada – (GWh ²) 155% 137% 130% 121% 1.979 118% 1.753 14.523 1.662 13.421 103 13.148 1.543 1.510 573 330 2.357 1.740 1.680 955 4.164 3.705 49 19 511 563 11.108 11.138 11.108 589 335 2.787 3.015 2007 2008 2009 1T09 1T10 2007 2008 2009 1T09 1T10 AES Eletropaulo Mercado Spot2 Geração – MW Médio Geração / Garantia Física MRE2 Outros Contratos Bilaterais 1 – Quantidade de energia gerada, dividida pela quantidade de horas do período e volume comprado 2 – Incluindo Energia Comprada 3 – Considera a diferença entre o volume de venda e compra 23
  • Investimentos Investimentos (R$ milhões) Investimentos (1T10) Novas PCH’s Investimentos 6%2% 67 18% 9 59 57 51 75% 8 20 13 58 43 44 39 9 8 1 1 8 7 Equip. e Manut. Novas PCH’s 2007 2008 2009 2010 1T09 1T10 TI Meio-Ambiente (e) 24
  • Projetos para o cumprimento da obrigação de expansão A AES Tietê tem buscado oportunidades para aumentar sua capacidade instalada a fim de cumprir com o requerimento de expansão de 15% dentro do Estado de São Paulo  6MW de co-geração através de biomassa, contratado por 15 anos (a partir de 2010) Concluído Concluído Em  7 MW de geração hidrelétrica através de PCHs1 no Rio Jaguari Mirim Em Desenv. Desenv. – PCH São José (4 MW) possui estimativa de entrada em operação no 2S10 – PCH São Joaquim (3 MW) possui estimativa de entrada em operação no 2S10 Em Em  550 MW de geração térmica através de gás natural Avaliação Avaliação – Local foi definido em Novembro/09 – Início do processo de licenciamento ambiental, com entrada na CETESB em Março/2010  22 MW de geração hidrelétrica através de PCHs, em fase de estudos técnicos e de viabilidade econômica 25 1 – Pequena Central Hidrelétrica
  • Receita líquida de R$ 460 milhões no 1T10 Receita líquida (R$ milhões) Preço médio 1T10 (R$ / MWh) AES Eletropaulo 152,00 : 20% MRE 8,51 C AGR 1.670 Spot 18,20 1.605 1.449 460 417 2007 2008 2009 1T09 1T10 26
  • Custos e despesas Custos e despesas (R$ milhões) R: 5% CAG 475 Depreciação e Amortização 415 416 65 Provisões Operacionais 65 65 55 3 98 97 92 16 Outros Custos e Despesas1 109 141 16 5 Compra de Energia, Transmissão 27 30 e Conexão, Recursos Hídricos 281 239 214 48 48 28 2007 2008 2009 1T09 1T10 1 – Pessoal, material, serviços de terceiros e outras despesas (receitas) operacionais 27
  • Ebitda de R$ 378 milhões no 1T10 Ebitda (R$ milhões) R: 5% CAG 1.260 1.254 1.099 378 342 2007 2008 2009 1T09 1T10 28
  • Lucros e dividendos sustentáveis Lucro Líquido (R$ milhões) Distribuição de Dividendos1 (R$ milhões) Dividendos Pay-out Yield PN 100 % 100 % 100 % 100 % 100 % 11% 9% 10% 12% R: CAG 780 780 692 692 609 609 215 239 239 215 2007 2008 2009 1T09 1T10 2007 2008 2009 1T09 1T10 • Pay-out mínimo de 25% de acordo com estatuto • Desde os resultados de 2006, prática de distribuição de dividendos trimestrais do máximo permitido 1 – Valor Bruto 29
  • R$ 829 milhões de dividendos pagos em 2009 Fluxo de Caixa Gerencial Consolidado (R$ milhões) 2007 2008 2009 1T09 1T10 Saldo Inicial 688 638 840 840 615 Geração Operacional de Caixa 1.120 1.222 1.243 297 368 Investimentos (46) (55) (58) (11) (8) Despesas Financeiras Líquidas (72) (49) (48) (6) (12) Amortização Líquida (197) (194) (224) (53) (60) Imposto de Renda (247) (66) (309) (253) (328) Caixa Livre 558 858 604 (25) (41) Dividendos e JSCP (608) (656) (829) 0 0 Saldo Final Consolidado 638 840 615 814 574 30
  • Debt Dívida Líquida (R$ bilhões) Característica da 1ª emissão de debêntures 0,6x • R$ 900 milhões 0,3x 0,3x 0,3x 0,3x • Prazo de 5 anos • CDI + 1,20% a.a. 0,7 • Pagamento de juros semestrais 0,4 0,4 0,4 0,3 • Amortizações fixas no 3º, 4º e 5º anos • Objetivo: Pré-pagamento da dívida com a Eletrobrás 2007 2008 2009 1T09 1T10 Dívida Líquida (R$ bilhões) Dívida Líquida / Ebitda 31
  • Mercado de Capitais AES Tietê1 X Ibovespa X IEE Volume Médio Diário - R$ mil 13.708 12 meses 10.187 190 8.160 9.756 + 72% 8.086 170 150 + 45% 5.468 130 + 10% 110 2.692 3.952 2.101 90 mar-09² jun-09 set-09 dez-09 mar-10 2008 2009 1T10 Preferencial Ordinária 1T10 110 + 3% 100 0% AES Tietê PN - 3% IEE – Índice de Energia Elétrica 90 Ibovespa dez-09³ jan-10 fev -10 mar-10 32 1 – Preferred shares 2 – Index: 03/31/09 = 100 3 – Index: 12/30/09
  • Responsabilidade Social e Ações Ambientais
  • Responsabilidade social Programa de Voluntariado Distribuindo a Agindo para Empreendendo Energia do Transformar na Bem Comunidade Campanhas pontuais ou Oportunidades de atividades Reconhecimento e apoio a emergenciais de mobilização voluntárias nas organizações projetos para o social. sociais parceiras das empresas desenvolvimento de AES Brasil. organizações sociais. Colaboradores podem se Campanha do Agasalho, de inscrever em atividades Voluntários poderão Natal, entre outras. voluntárias disponíveis no apresentar projetos para portal de voluntariado da AES ajudar outras organizações a Brasil, desde set/09 se desenvolverem. www.energiadobem.com.br Lançamento previsto para • Lançado em dezembro de 2008; jan/10. • Objetivo: engajar os colaboradores para a transformação de comunidades baixa renda e desenvolvimento de instituições não-governamentais; • 1.137 voluntários
  • Responsabilidade social Casa da Cultura e Cidadania • Mais de 5,2 mil crianças, jovens e adultos beneficiados; • Investimentos próprios e incentivados: cerca de R$ 14 milhões em 2009 • Atividades de teatro, dança, artes circenses, artes visuais, música, ginástica artística, oficinas de geração de renda, e educação do uso seguro e eficiente da energia elétrica e o consumo consciente dos recursos naturais • 6 unidades em funcionamento Centros Educacionais Infantis Luz e Lápis • 302 crianças beneficiadas de 1 a 6 anos • Investimentos próprios de R$ 1,5 milhão em 2009 • Unidades: Santo Amaro e Guarapiranga
  • Anexos
  • Acordo de Acionistas Em 22 de dezembro de 2003, AES e BNDES assinaram um Acordo de Acionistas para regular suas relações como acionistas da Brasiliana e de suas empresas controladas. O acordo está disponível para consulta em: www.aeseletropaulo.com.br/ri Destaques Os acionistas podem alienar suas quotas a qualquer momento, considerando os seguintes termos: • Direito de primeira recusa - As partes com intenção de alienar suas ações, devem primeiramente fornecer à outra parte o direito de comprar essa participação pelo mesmo preço oferecido por uma terceira parte. • Direito ao Tag Along - No caso de mudança de controle da Brasiliana, tag along são acionados para as seguintes empresas (apenas se a AES não é mais acionista controlador): - AES Eletropaulo: Tag along de 100% de suas ações ordinárias e preferenciais classe B e 80% em suas ações preferenciais classe A - AES Tietê: Tag along de 80% em suas ações ordinárias - AES Elpa: Tag along de 80% em suas ações ordinárias • Direito ao Drag Along - Uma vez que a parte ofertante exerce a cláusula de Drag Along, a parte ofertada é obrigada a dispor de todas as suas ações se o direito de primeira recusa não for exercido.
  • Agentes do setor elétrico brasileiro Ministério de Minas e Energia (MME) (Determina Metas e Políticas) Conselho Nacional de Política de Energia (CNPE) (Formula Políticas) Comitê de Monitoramento do Agência Nacional de Empresa de Pesquisa Setor Elétrico (CMSE) Energia Elétrica (ANEEL) Energética (EPE) (Monitora Oferta de Energia) (Rege, Inspeciona & Audita, Monitora o Setor) (Planejamento em Geração e Transmissão) Câmara de Distribuidoras Operador Nacional Comercialização de Transmissoras do Sistema (ONS) Energia (CCEE) Agenda e Despacha Fontes Precifica e Liquida Geradoras de Geração de Energia Operações de Energia Comercializadoras 38
  • Setor elétrico brasileiro (Ambiente de Contratação) Mercado Regulado – (ACR) Mercado Livre – (ACL) Contrato Bilateral de Leilões Mercado Spot Longo Prazo Distribuidoras Comercializadoras Comercializadoras Clientes Livres Clientes Livres • Principais leilões (leilões inversos): Distribuidoras – Energia Nova (A-5): Entrega para 5 anos, duração do contrato de 15-30 anos – Energia Nova (A-3): Entrega para 3 anos, duração do contrato de 15-30 anos – Energia Existente (A-1): Entrega para 1 ano, duração do contrato de 5-15 anos 39
  • Metodologia regulatória de distribuição (Revisão e Reajuste Tarifários) Revisão e Reajuste Tarifários • Revisão Tarifária é aplicada a cada 3 a 5 anos • Custos da Parcela A − AES Eletropaulo: cada 4 anos − Custos não-gerenciáveis que são Sup. de Energia integralmente repassados à tarifa − AES Sul: cada 5 anos Transmissão − Reduzir as perdas melhoram a − Parcela A: custos repassados à tarifa Encargos efetividade do repasse − Parcela B: custos determinados pela ANEEL Setoriais • Reajuste Tarifário: anual Empresa de • Empresa de Referência: − Parcela A: custos repassados à tarifa Referência – Estrutura de custos operacionais (PMSO) − Parcela B: custos ajustados por IGPM +/- Fator X(1) eficientes determinado pela ANEEL Remuneração X WACC do investimento • Base de Remuneração: Base de – Total de investimentos prudentes sobre Remuneração o qual se aplica a taxa de retorno X Depreciação Depreciação (WACC) e de depreciação Ebitda Parcela A - Custos Não-Gerenciáveis Regulatório 1 - Fator X: índice que captura os ganhos de produtividade Parcela B - Custos Gerenciáveis 40
  • Obrigação de expansão 15%  Aumento da capacidade instalada no Estado de São Paulo em 15% (400 MW) em projetos greenfield e/ou através de contratos de longo prazo com novas usinas  A obrigação deveria ter sido cumprida até dezembro de 2007, entretanto a AES Tietê ficou impossibilitada de atender a este requerimento devido às seguintes restrições: – Insuficiência de recursos hídricos no estado de São Paulo – Restrições ambientais – Insuficiência de gás natural / problemas de timing – Aumento de restrições regulatórias para a venda de energia, estabelecida pela Lei do Novo Modelo do Setor Elétrico (Lei nº 10.848/04) que proíbe a contratação bilateral entre geradoras e distribuidoras  Em agosto de 2008, a Aneel informou que o assunto não tem relação com a concessão  Ação popular contra União, Aneel, AES Tietê e Duke – Status: Defesa apresentada em 1ª instância em outubro de 2008 pela AES Tietê. Em dezembro de 2008, os autores apresentaram réplica à contestação da AES Tietê e desde então aguarda-se a manifestação do Juízo sobre a necessidade de produção de provas no procedimento.  Em 27 de julho de 2009, a AES Tietê foi notificada pela Procuradoria Geral do Estado para se pronunciar quanto ao cumprimento da obrigação de expansão – A Companhia apresentou resposta em 29 de julho, o que esgota o procedimento da Notificação. Eventual desdobramento depende de nova manifestação da Procuradoria. 41
  • Contatos: ri.eletropaulo@aes.com ri.aestiete@aes.com + 55 11 2195 7048 Declarações contidas neste documento, relativas à perspectiva dos negócios, às projeções de resultados operacionais e financeiros e ao potencial de crescimento das Empresas, constituem-se em meras previsões e foram baseadas nas expectativas da administração em relação ao futuro das Empresas. Essas expectativas são altamente dependentes de mudanças no mercado, do desempenho econômico do Brasil, do setor elétrico e do mercado internacional, estando, portanto, sujeitas a mudanças.