MPS.BR MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA EMPRESA ALAGOANA DESENVOLVEDORA DE SOFTWARE
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

MPS.BR MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA EMPRESA ALAGOANA DESENVOLVEDORA DE SOFTWARE

on

  • 1,809 views

Monografia apresentada por Adson Wendel (Adson_wendel@hotmail.com), como requisito final à obtenção do grau de bacharelado do Curso de Análise de Sistemas, no do Centro Universitário - CESMAC - ...

Monografia apresentada por Adson Wendel (Adson_wendel@hotmail.com), como requisito final à obtenção do grau de bacharelado do Curso de Análise de Sistemas, no do Centro Universitário - CESMAC - Maceió

Statistics

Views

Total Views
1,809
Views on SlideShare
1,808
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
19
Comments
0

1 Embed 1

http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

MPS.BR MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA EMPRESA ALAGOANA DESENVOLVEDORA DE SOFTWARE MPS.BR MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA EMPRESA ALAGOANA DESENVOLVEDORA DE SOFTWARE Presentation Transcript

  • FUNDAÇÃO EDUCACIONAL JAYME DE ALTAVILA - FEJAL
    CENTRO UNIVERSITÁRIO- CESMAC
    FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS-FACET
    MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA EMPRESA ALAGOANA DESENVOLVEDORA DE SOFTWARE
    Adson Wendel Cirilo Ferreira
    Orientador: Prof. Esp. Mozart de Melo Alves Jr.
  • Roteiro
    Introdução;
    Desenvolvimento;
    ISO/IEC 12207, ISO/IEC 15504, CMM e CMMI;
    MPSBR;
    KMF, Implementação, certificação e resultado.
    Conclusão.
    2/27
  • Introdução
    Possibilidade tangível;
    MPSBR, Níveis G e F;
    ISO/IEC 12207, ISO/IEC 15504 e CMM/CMMI;
    Aplicação em uma empresa Alagoana.
    3/27
  • ISO/IEC 15504
    SPICE, níveis de Maturidade;
    Publicada em 1998;
    Agrupados em 5 categorias;
    Cliente;
    Fornecedor;
    Engenharia;
    Suporte;
    Organização;
    Processos, níveis de 0 a 5.
    4/27
  • ISO/IEC 15504
    0 Incompleto, má performance generalizada;
    1 Executado, esforço individual;
    2 Gerenciado, os processos são planejados e acompanhados;
    3 Estabelecido, busca práticas nos processos definidos;
    4 Previsível, controlado quantitativamente;
    5 Otimizado, aperfeiçoamento contínuo, inovações.
    5/27
  • CMM
    Financiado departamento de defesa norte americano;
    Década de 1980;
    SEI;
    Os Níveis.
    6/27
  • CMM
    Novas tecnologias adicionadas
    Gerentes têm a possibilidade de medir quantitativamente.
    È visível as atividades
    Controle nos requisitos ;
    O processo é uma caixa preta
    7/27
  • CMMi
    Diversificações/problemas, SE-CMM,SA-CMM...
    Aumentado custo;
    Representações por estágios e contínua.
    8/27
  • CMMi
    Representação contínua;
    4 categorias
    {Gerência de Processos
    9/27
  • MPSBR
    Micros, pequenas e médias empresas;
    Projeto é formado SOFTEX, COPPE, RIOSOFT, CESAR, MCT, BID...
    10/27
  • MPSBR
    Método de avaliação (MA-MPS);
    IA- Instituição Avaliadora do MPSBR
    II- Instituição Implementadora do MPSBR
    Modelo de Negócio Específico
    Modelo de Negócio Cooperado
    11/27
  • MPSBR
    Modelo de Referência (MR-MPS);
    Parcialmente Gerenciado
    Otimização
    | ||0 50 100
    Gerenciado Quantitativamente
    Gerenciado
    Definido
    | ||0 50 100
    | ||0 50 100
    Largamente Definido
    Parcialmente Definido
    | ||0 50 100
    | ||0 50 100
    12/27
  • MPSBR
    Nível G - Parcialmente Gerenciado.
    ter cautela;
    Gerência de projetos;
    Estabelecer e manter planos ;
    Resultado esperado com 17 atividades.
    GPR1 - O escopo do projeto é definido;
    GPR3 - Fases do ciclo de vida são definidas
    GPR11 - A viabilidade do projeto;
    13/27
  • MPSBR
    Gerência de requisitos;
    Controle na evolução dos requisitos;
    Análise junto ao cliente;
    Resultado esperado com 5 atividades.
    GRE1 - Os requisitos são entendidos, avaliados e aceitos ;
    GRE3 - A rastreabilidade é definida
    GRE5 - Mudanças são gerenciadas ;
    14/27
  • MPSBR
    Nível F - Gerenciado.
    processos de apoio à gestão do projeto;
    Gerência de Configuração;
    Controle sobre os produtos, artefatos ;
    Resultado esperado com 7 atividades.
    GCO1- Sistema de controle de versões;
    GCO3- Controle formal nos artefatos “Base Lines”
    15/27
  • MPSBR
    Garantia da Qualidade;
    Avaliar as conformidades com os processos traçados;
    Resultado esperado com 4 atividades;
    GCO1 - As não-conformidades são identificadas, registradas e comunicadas;
    GCO3 - Não-conformidades são acompanhadas
    • Gerência de Medição ;
    • Coletar, armazenar, analisar e relatar os dados;
    • Resultado esperado com 7 atividades.
    • MED1- Objetivo, medir, tempo, esforço, nº de incidências e etc;
    • MED5- Dados requeridos são coletados e analisados, muitos erros;
    • MED6- Análises são armazenados.
    16/27
  • 17/27
  • 18/27
  • KMF
    No Mercado deste 1996;
    Trabalha na análise e desenvolvimento de sistemas;
    Plano Inicial para o MPSBR, nível G.
    Percepção, mais aprofundada Nível F.
    Equipe de Apoio;
    19/27
  • KMF
    Contrato Cooperado, com mais 3 empresas.
    Apoio de Viabilidade.
    SOFTEX;
    SEBRAE;
    BID;
    ASSESPRO;
    APL-TI.
    Instituição Implementadora;
    Responsabilidade do Dr. Reinaldo Cabral;
    20/27
  • KMF
    Escopo do projeto, ClippingNews ;
    Dividido em 3 fases;
    Vários documentos são produzidos.
    Declaração de Escopo;
    Termo de Abertura;
    Laudo de Avaliação (GQ)
    21/27
  • KMF
    Software Estação TABA;
    Apóia a execução das tarefas, do plano do processo;
    Desenvolvido dela COPPE/UFRJ;
    Descreve os artefatos das Fases;
    Cria Relatórios;
    22/27
  • Gerente de Projeto
    KMF
    Fluxo Declaraçãode escopo;
    Gerente de Qualidade
    Gerente de Medição
    Gerencia Geral
    23/27
  • KMF
    Avaliação realizada em dezembro de 2009;
    Instituição Avaliadora (IA) RIOSOFT;
    MPSBR versão 1.2;
    Avaliadora líder Gisele VillasBôas;
    Avaliador adjunto e mais 2 representantes da KMF.
    Alex Moreira Müller e Sandney Farias da Cunha
    24/27
  • KMF
    Resultado;
    SOFTEX informa a certificação no MPSBR nível F;
    Gerência de Portfólio de Projetos não fazia parte do pacote de avaliação;
    Resultado da Avaliação emitida pela SOFTEX;
    25/27
  • CONCLUSÃO
    Possível melhorar os processos de uma empresa;
    MPSBR;
    Realidade no mercado, porém pouco procurado;
    KMF;
    Incentivar que outras empresas busquem semelhante certificação.
    26/27
  • O único meio de evitar erros é adquirindo experiência, mas, a única maneira de adquirir experiência, é cometendo erros.
    (autor desconhecido)
    FIM