Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
IBGE
Presidenta da República
Dilma Rousseff
Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão
Miriam Belchior
INSTITUTO BRASILEIRO
D...
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE
Diretoria de Pesquis...
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE
Av. Franklin Roosevelt, 166 - Centro - 20021-120 - Rio de Janeiro, ...
Sumário
Apresentação
Introdução
Notas técnicas
População de estudo
Aspectos de amostragem
Coleta dos dados
Aspectos éticos...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
Conhecimento dos pa...
Sumário________________________________________________________________________________________
Percepção da imagem corpor...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
1.2 Alimentos comer...
Sumário________________________________________________________________________________________
1.3.6 - Estimativas, total...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
2.1.3 - Percentual ...
Sumário________________________________________________________________________________________
2.3.4 - Percentual de esco...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
2.4.5 - Percentual ...
Sumário________________________________________________________________________________________
2.5.3 - Percentual de esco...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
2.6.5 - Percentual ...
Sumário________________________________________________________________________________________
2.6.13 - Percentual de esc...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
2.7.4 - Percentual ...
Sumário________________________________________________________________________________________
2.8.5 - Percentual de esco...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
2.9 Hábitos de higi...
Sumário________________________________________________________________________________________
2.11.3 - Percentual de esc...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
Convenções
-	 Dado ...
Listas
Siglas das Unidades da Federação
RO - Rondônia
AC - Acre
AM - Amazonas
RR - Roraima
PA - Pará
AP - Amapá
TO - Tocan...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
Municípios das Capi...
Apresentação
Asegunda edição da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar - PeNSE
foi realizada em 2012, a partir de convênio ...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
As informações ora ...
Introdução
A adolescência é uma fase da vida que tem características
próprias, marcada pela passagem da infância para a id...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
reprodutiva para in...
Introdução______________________________________________________________________________________
Pioneira não só em seu ob...
Notas técnicas
População de estudo
A população-alvo da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar -
PeNSE 2012 foi formada por ...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
Aspectos de amostra...
Notas técnicas__________________________________________________________________________________
Portanto, a pesquisa tem ...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
As amostras dos est...
Notas técnicas__________________________________________________________________________________
Onde:
n é o tamanho da am...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
Matricu-
lados
(3)
...
Notas técnicas__________________________________________________________________________________
Do total de escolas selec...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
whijkl
= whi
whij
w...
Notas técnicas__________________________________________________________________________________
Onde:
whj
é o peso da esc...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
A PeNSE 2012 introd...
Análise dos resultados
Características do ambiente escolar
e entorno
A estrutura física da escola, seus espaços e equipame...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
Estrutura de inform...
Análise dos resultados___________________________________________________________________________
A oferta de bebidas e al...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
A comparação dos re...
Análise dos resultados___________________________________________________________________________
Embora disponibilizando ...
___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
estimada segundo a ...
Análise dos resultados___________________________________________________________________________
Escolaridade dos pais
A ...
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Pense 2012
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Pense 2012

413 views
280 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
413
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Pense 2012

  1. 1. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE
  2. 2. Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo Nuno Duarte da Costa Bittencourt ÓRGÃOS ESPECÍFICOS SINGULARES Diretoria de Pesquisas Marcia Maria Melo Quintslr Diretoria de Geociências Wadih João Scandar Neto Diretoria de Informática Paulo César Moraes Simões Centro de Documentação e Disseminação de Informações David Wu Tai Escola Nacional de Ciências Estatísticas Denise Britz do Nascimento Silva UNIDADE RESPONSÁVEL Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Claudio Dutra Crespo Ministro da Saúde Alexandre Padilha Secretaria de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde Deborah Carvalho Malta Coordenação-Geral de Vigilância de Agravos e Doenças Não Transmissíveis Marta Maria Alves da Silva
  3. 3. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Rio de Janeiro 2013 Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012
  4. 4. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Av. Franklin Roosevelt, 166 - Centro - 20021-120 - Rio de Janeiro, RJ - Brasil ISBN 978-85-240-4289-8 (CD-ROM) ISBN 978-85-240-4278-2 (meio impresso) © IBGE. 2013 Elaboração do arquivo PDF Roberto Cavararo Produção de multimídia LGonzaga Márcia do Rosário Brauns Marisa Sigolo Mônica Pimentel Cinelli Ribeiro Roberto Cavararo Capa Marcos Balster Fiore e Renato Aguiar - Coordenação de Marketing/Centro de Documentação e Disseminação de Informações - CDDI
  5. 5. Sumário Apresentação Introdução Notas técnicas População de estudo Aspectos de amostragem Coleta dos dados Aspectos éticos Análise dos resultados Características do ambiente escolar e entorno Estrutura de informação e comunicação Alimentos comercializados Estrutura para atividades físicas Outras características Características da população de estudo Aspectos básicos Aspectos socioeconômicos Escolaridade dos pais Número de residentes por domicílio Trabalho entre escolares Posse de bens e serviços Contexto familiar
  6. 6. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Conhecimento dos pais ou responsáveis acerca do tempo livre dos escolares Falta às aulas sem permissão dos pais ou responsáveis Presença dos pais ou responsáveis durante as refeições Verificação dos deveres de casa pelos pais ou responsáveis Entendimento dos pais ou responsáveis quanto aos problemas e preocupações dos filhos Hábitos alimentares Consumo de alimentos marcadores de alimentação saudável Consumo de alimentos marcadores de alimentação não saudável Hábito de tomar café da manhã Hábito de comer assistindo à TV Alimentação na escola Prática de atividade física Atividade física acumulada Atividade física globalmente estimada Aulas de Educação Física na escola Hábito sedentário: tempo assistindo TV Cigarro, álcool e outras drogas Cigarro e outros produtos do tabaco Álcool Uso de drogas ilícitas Saúde sexual e reprodutiva Iniciação sexual Uso de preservativos Acesso na escola a informações sobre sexualidade Violência, segurança e acidentes Segurança no trajeto casa-escola ou no espaço escolar Envolvimento em briga com armas Agressão física por adulto da família Lesões e ferimentos sofridos Violência no trânsito Bullying Hábitos de higiene Lavar as mãos Saúde bucal Escovação dos dentes Relato de dor de dente Frequência de ida ao dentista
  7. 7. Sumário________________________________________________________________________________________ Percepção da imagem corporal Atitude em relação ao peso corporal Saúde mental Sentimento de solidão Perda do sono em decorrência de preocupações Existência de amigos Uso de serviço de saúde Prevalência de asma Tabelas de resultados 1 Características do ambiente escolar e entorno 1.1 Estrutura de informação e comunicação 1.1.1 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em escolas que informaram possuir biblioteca, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.1.2 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em escolas que informaram possuir sala ou laboratório de informática para uso dos alunos, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.1.3 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental nas escolas em que os alunos têm acesso direto a computadores (notebooks, PC, palm, tablets) da escola na sala de aula, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.1.4 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental nas escolas em que os alunos têm acesso à Internet através de equipamentos da escola, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.1.5 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em escolas que informaram possuir sala para os recursos de mídia/comunicação, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012
  8. 8. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 1.2 Alimentos comercializados 1.2.1 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em escolas que informaram possuir cantina, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.2.2 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em escolas que informaram existência de ponto alternativo de venda de produtos alimentícios, dentro ou na entrada da escola (ex.: ambulante/carrocinha), por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.3 Estrutura para atividades físicas 1.3.1 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em escolas que informaram possuir quadra de esportes, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.3.2 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em escolas que informaram possuir pista para corrida/atletismo, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.3.3 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em escolas que informaram possuir pátio para a prática regular de atividade física com instrutor, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.3.4 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em escolas que informaram possuir piscina em condições de uso, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.3.5 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em escolas que informaram possuir vestiário em condições de uso para os alunos, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal - 2012
  9. 9. Sumário________________________________________________________________________________________ 1.3.6 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em escolas que informaram oferecer atividades esportivas para os alunos, fora do horário de aula regular, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal - 2012 1.4 Outras características 1.4.1 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, em escolas que informaram ter conhecimento de consumo de cigarro por professores nas suas dependências, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.4.2 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, em escolas que informaram ter conhecimento de consumo de cigarro por alunos nas suas dependências, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.4.3 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, em escolas que informaram possuir política sobre proibição do uso do tabaco, por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 1.4.4 - Estimativas, total e percentual, de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em que, a localidade onde a escola está situada foi considerada, nos últimos 12 meses, área de risco em termos de violência (roubos, furtos, assaltos, troca de tiros, consumo de drogas, homicídios, etc.), por dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2 Características da população de estudo 2.1 Aspectos básicos 2.1.1 - Estimativa do total de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.1.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por idade, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012
  10. 10. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 2.1.3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por cor ou raça, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.2 Aspectos socioeconômicos 2.2.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por nível de instrução da mãe, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.2.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por nível de instrução do pai, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.2.3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por classe de número de residentes no domicílio, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.2.4 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, que possuem, ou não, algum trabalho/emprego/negócio e receberam dinheiro, ou não, por desempenhar esta atividade, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal - 2012 2.2.5 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que possuem bens e/ou serviços no domicílio, por tipo de bens e/ou serviços e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.3 Contexto familiar 2.3.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que moram, ou não, com pai e/ou mãe, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.3.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, cujos pais ou responsáveis sabiam o que eles faziam durante o tempo livre, nos últimos 30 dias, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.3.3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que faltaram às aulas ou à escola sem permissão dos pais ou responsáveis, nos últimos 30 dias, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012
  11. 11. Sumário________________________________________________________________________________________ 2.3.4 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que costumam fazer refeições em cinco ou mais dias na semana com a presença dos pais ou responsáveis, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.3.5 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, cujos pais ou responsáveis verificaram se os seus deveres de casa (lição de casa) foram feitos, nos últimos 30 dias, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.3.6 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, cujos pais ou responsáveis entenderam seus problemas e preocupações, nos últimos 30 dias, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.3.7 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental cujos pais ou responsáveis mexeram em suas coisas sem a sua concordância, nos últimos 30 dias, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.4 Hábitos alimentares 2.4.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por frequência de consumo alimentar, nos últimos sete dias, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo o alimento consumido - Brasil – 2012 2.4.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por frequência de consumo alimentar, nos últimos sete dias, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo o alimento consumido - Municípios das Capitais e Distrito Federal – 2012 2.4.3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, com consumo alimentar maior ou igual a cinco dias, nos últimos sete dias, por alimento marcador de hábito saudável e não saudável, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.4.4 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por alimento marcador de hábito saudável (feijão) e frequência de consumo, nos últimos sete dias, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012
  12. 12. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 2.4.5 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por alimento marcador de hábito saudável (frutas frescas) e frequência de consumo, nos últimos sete dias, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.4.6 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por alimento marcador de hábito não saudável (guloseimas) e frequência de consumo, nos últimos sete dias, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.4.7 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por alimento marcador de hábito não saudável (refrigerante) e frequência de consumo, nos últimos sete dias, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.4.8 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que costumam tomar café da manhã cinco ou mais dias da semana, por sexo e dependência administrativa da escola, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.4.9 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, cuja escola oferece comida, por sexo e dependência administrativa da escola, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal - 2012 2.4.10 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, que costumam comer a comida oferecida pela escola, por sexo e dependência administrativa da escola, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.4.11 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, que costumam comer quando estão assistindo à TV ou estudando, por sexo e dependência administrativa da escola, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.5 Prática de atividade física 2.5.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por tempo de atividade física acumulada, nos últimos sete dias, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.5.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, com 300 minutos ou mais de atividade física acumulada, nos últimos sete dias, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012
  13. 13. Sumário________________________________________________________________________________________ 2.5.3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por frequência de aulas de educação física na escola, nos últimos sete dias, por sexo, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.5.4 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que tiveram dois ou mais dias de aulas de educação física na escola, nos últimos sete dias, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.5.5 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que costumavam assistir duas ou mais horas de televisão, num dia de semana comum, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.5.6 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, que fizeram 300 minutos ou mais de atividade física globalmente estimada, nos últimos 7 dias, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6 Cigarro, álcool e outras drogas 2.6.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que experimentaram cigarro alguma vez, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que, nos últimos 30 dias, usaram outros produtos de tabaco: cigarros de palha ou enrolados à mão, charuto, cachimbo, cigarrilha, cigarro indiano ou bali, narguilé, rapé, fumo de mascar, etc., por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que fumaram cigarros pelo menos um dia, nos últimos 30 dias, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.4 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que, nos últimos 7 dias, estiveram na presença de pessoas que faziam uso de cigarro, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012
  14. 14. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 2.6.5 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental em cujas residências pelo menos um dos pais ou responsáveis fuma cigarros, por sexo e dependência administrativa da escola, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.6 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental cuja família se importaria muito, caso soubesse que o estudante fuma cigarros, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.7 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, dentre os que fumaram nos últimos 12 meses, que tentaram parar de fumar neste mesmo período, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.8 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que experimentaram bebida alcoólica alguma vez, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.9 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que tomaram uma dose de bebida alcoólica alguma vez, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.10 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que consumiram bebida alcoólica pelo menos um dia, nos últimos 30 dias, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.11 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que já sofreram algum episódio de embriaguez, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.12 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental cuja família se importaria muito caso o estudante chegasse bêbado em casa, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012
  15. 15. Sumário________________________________________________________________________________________ 2.6.13 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que tiveram problemas com a família ou amigos, perderam aulas ou brigaram, uma ou mais vezes, porque tinham bebido, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.14 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que usaram drogas ilícitas alguma vez, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.15 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que fumaram maconha nos últimos 30 dias, por sexo e dependência administrativa da escola, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.16 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, dentre os que usaram algum tipo de droga alguma vez, que utilizaram maconha, por frequência de uso da droga, nos últimos 30 dias, sexo e dependência administrativa, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.6.17 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, dentre os que usaram algum tipo de droga alguma vez, que utilizaram crack, por frequência de uso da droga, nos últimos 30 dias, sexo e dependência administrativa, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.7 Saúde sexual e reprodutiva 2.7.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que tiveram relação sexual alguma vez, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.7.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, dentre os que já tiveram relações sexuais, que usaram preservativo na última relação sexual, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.7.3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que receberam orientação na escola, sobre aids ou outras doenças sexualmente transmissíveis, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012
  16. 16. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 2.7.4 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que receberam orientação na escola, sobre aquisição gratuita de preservativo, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.7.5 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que receberam orientação na escola, sobre prevenção de gravidez, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.7.6 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, dentre os que já tiveram relações sexuais, em que um dos parceiros usou algum método para evitar a gravidez e/ou doenças sexualmente transmissíveis (DST) na última relação sexual, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.8 Violência, segurança e acidentes 2.8.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental por frequência com que, nos últimos 30 dias, os colegas da escola os trataram bem e/ou foram prestativos com eles, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.8.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental por frequência com que, nos últimos 30 dias, se sentiram humilhados pelas provocações de colegas da escola, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.8.3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que, nos últimos 30 dias, esculacharam, zombaram, zoaram, caçoaram, mangaram, intimidaram ou humilharam algum de seus colegas da escola tanto que ele ficou magoado, aborrecido, ofendido ou humilhado, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.8.4 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que, nos últimos 30 dias, não compareceram à escola por falta de segurança no trajeto casa-escola ou na escola, por local e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012
  17. 17. Sumário________________________________________________________________________________________ 2.8.5 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que estiveram envolvidos, nos últimos 30 dias, em alguma briga na qual alguma pessoa usou arma de fogo, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.8.6 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que estiveram envolvidos, nos últimos 30 dias, em alguma briga na qual alguma pessoa usou arma branca, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.8.7 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que, nos últimos 30 dias, foram agredidos fisicamente por um adulto da família, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.8.8 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que, nos últimos 30 dias, não usaram cinto de segurança quando estavam em veículo motorizado dirigido por outra pessoa, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.8.9 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, que nos últimos 30 dias dirigiram veículo motorizado, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.8.10 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que, nos últimos 30 dias, andaram em veículo motorizado dirigido por alguém que havia consumido alguma bebida alcoólica, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.8.11 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que referiram uso de capacete, dentre os que andaram de motocicleta nos últimos 30 dias, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.8.12 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que foram feridos seriamente uma ou mais vezes, dentre os que sofreram ferimentos sérios nos últimos 12 meses, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012
  18. 18. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 2.9 Hábitos de higiene 2.9.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que, nos últimos 30 dias, nunca ou raramente lavaram as mãos antes de comer, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.9.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que, nos últimos 30 dias, nunca ou raramente lavaram as mãos após usar o banheiro ou o vaso sanitário, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.9.3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que, nos últimos 30 dias, nunca ou raramente usaram sabão/sabonete quando lavaram as mãos, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.10 Saúde bucal 2.10.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que escovaram os dentes três ou mais vezes por dia, nos últimos 30 dias, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.10.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que tiveram dor de dentes, nos últimos 6 meses, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.10.3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por frequência de ida ao dentista, nos últimos 12 meses, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.11 Percepção da imagem corporal 2.11.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por autopercepção da imagem corporal, sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.11.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por atitude em relação ao peso corporal, sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012
  19. 19. Sumário________________________________________________________________________________________ 2.11.3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que vomitaram e/ou ingeriram laxantes para perder peso ou evitar ganhar peso, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.11.4 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que ingeriram medicamentos, fórmulas ou outro produto para perder ou manter o peso, sem acompanhamento médico, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.11.5 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que ingeriram medicamentos, fórmulas ou outro produto para ganhar peso ou massa muscular, sem acompanhamento médico, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.12 Saúde mental 2.12.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que se sentiram sozinhos na maioria das vezes ou sempre, nos últimos 12 meses, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.12.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que perderam o sono devido a preocupações na maioria das vezes ou sempre, nos últimos 12 meses, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.12.3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que não têm amigos próximos, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 2.13 Uso de serviço de saúde 2.13.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que, nos últimos 12 meses, procuraram algum serviço ou profissional de saúde para atendimento relacionado à própria saúde, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012
  20. 20. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Convenções - Dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento; .. Não se aplica dado numérico; ... Dado numérico não disponível; x Dado numérico omitido a fim de evitar a individualização da infor- mação; 0; 0,0; 0,00 Dado numérico igual a zero resultante de arredondamento de um dado numérico originalmente positivo; e -0; -0,0; -0,00 Dado numérico igual a zero resultante de arredondamento de um dado numérico originalmente negativo. 2.14 Prevalência de asma 2.14.1 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que tiveram chiado (ou piado) no peito, nos últimos 12 meses, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal - 2012 2.14.2 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental que tiveram episódio de asma alguma vez na vida, por sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo as Grandes Regiões, os Municípios das Capitais e o Distrito Federal – 2012 Referências Glossário
  21. 21. Listas Siglas das Unidades da Federação RO - Rondônia AC - Acre AM - Amazonas RR - Roraima PA - Pará AP - Amapá TO - Tocantins MA - Maranhão PI - Piauí CE - Ceará RN - Rio Grande do Norte PB - Paraíba PE - Pernambuco AL - Alagoas SE - Sergipe BA - Bahia MG - Minas Gerais ES - Espírito Santo RJ - Rio de Janeiro SP - São Paulo PR -Paraná SC - Santa Catarina RS - Rio Grande do Sul MS - Mato Grosso do Sul MT - Mato Grosso GO - Goiás DF - Distrito Federal
  22. 22. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Municípios das Capitais Porto Velho/Rondônia Rio Branco/Acre Manaus/Amazonas Boa Vista/Roraima Belém/Pará Macapá/Amapá Palmas/Tocantins São Luís/Maranhão Teresina/Piauí Fortaleza/Ceará Natal/Rio Grande do Norte João Pessoa/Paraíba Recife/Pernambuco Maceió/Alagoas Aracaju/Sergipe Salvador/Bahia Belo Horizonte/Minas Gerais Vitória/Espírito Santo Rio de Janeiro/Rio de Janeiro São Paulo/São Paulo Curitiba/Paraná Florianópolis/Santa Catarina Porto Alegre/Rio Grande do Sul Campo Grande/Mato Grosso do Sul Cuiabá/Mato Grosso Goiânia/Goiás Brasília/Distrito Federal
  23. 23. Apresentação Asegunda edição da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar - PeNSE foi realizada em 2012, a partir de convênio celebrado entre o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE e o Ministério da Saúde, com o apoio do Ministério da Educação. Dela resultou esta publicação, com a qual espera-se ampliar o conhecimento sobre a saúde dos adolescentes e subsidiar as políticas públicas relativas a este grupo. A publicação apresenta os resultados da investigação sobre os fatores de risco e proteção à saúde dos adolescentes, pesquisados entre os escolares do 9º ano do ensino fundamental, bem como informações básicas das escolas fornecidas pelos diretores das unidades selecionadas, ou seus responsáveis. Ressalte-se a significativa ampliação da abrangência geográfica, em relação à edição anterior da pesquisa, que passou a conter dados para o conjunto do País, as Grandes Regiões, além dos 26 Municípios das Capitais e o Distrito Federal. Este volume contém notas técnicas, com a descrição da pesquisa e considerações metodológicas, breve análise dos resultados e um conjunto de tabelas com informações que traçam um perfil da situação dos estudantes e de alguns aspectos do ambiente escolar, no que tange à prevalência de fatores de risco comportamentais para doenças e agravos não transmissíveis. Com os resultados da PeNSE, o Ministério da Saúde e o IBGE aprimoram a análise das características de saúde da população brasileira. As instâncias executivas e legislativas, os Conselhos de Saúde e os demais agentes relacionados aos setores de saúde e educação terão parâmetros para a orientação e a avaliação de um conjunto de políticas destinadas aos adolescentes e escolares.
  24. 24. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 As informações ora divulgadas estão disponíveis no CD-ROM que acompanha a publicação e no portal do IBGE na Internet, onde também podem ser consultadas através do Sistema IBGE de Recuperação Automática - Sidra. O Ministério da Educação teve fundamental colaboração, tanto ao disponibilizar o cadastro de escolas utilizado para a seleção da amostra, quanto ao divulgar a realização da pesquisa para as Secretarias Estaduais e Municipais de Educação. Marcia Maria Melo Quintslr Diretora de Pesquisas
  25. 25. Introdução A adolescência é uma fase da vida que tem características próprias, marcada pela passagem da infância para a idade adulta, com mudanças físicas e emocionais, ampliação no campo da socialização, uma evolução não linear de experiências e autonomia, inclusive no campo da sexualidade. Segundo a Organização Mundial da Saúde - OMS (World Health Organization - WHO), os limites etários que definem esta fase são 10 e 19 anos (CURRIE et al., 2012). Embora a adolescência tenha características específicas e marcas que a distinguem, ela é vivenciada de formas diferenciadas por cada sujeito, em cada sociedade, num determinado tempo histórico, em cada grupo social e cultural. Portanto, a adolescência exige um olhar específico para as suas particularidades (CAMPOS, 2011). Os adolescentes, ao mesmo tempo em que experimentam mudan- ças biológicas, cognitivas, emocionais e sociais, vivenciam um importante momento para a adoção de novas práticas, comportamentos e ganho de autonomia e, também, de exposição a diversas situações que envolvem riscos presentes e futuros para a saúde. A exposição a diversos fatores de risco comportamentais, como tabagismo, consumo de álcool, alimentação inadequada e sedentarismo, tem, com frequência, início na adolescên- cia. Estes fatores estão associados ao desenvolvimento da maioria das doenças crônicas não transmissíveis, como as cardiovasculares, diabetes e câncer, que lideram as causas de óbito na vida adulta, no País e no mundo (BRASIL, 2011). É também na adolescência que ocorre a puberdade e, frequentemente, o início da atividade sexual. Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (United Nations Children’s Fund - Unicef), é de grande importância investir em serviços e conhecimentos sobre saúde sexual e
  26. 26. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 reprodutiva para indivíduos na fase inicial da adolescência (ADOLESCÊNCIA..., 2011). A orientação e o cuidado podem resguardar o adolescente da gravidez precoce e do contágio de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), como a AIDS. Outro aspecto relevante na saúde dos adolescentes resulta do fato de que as causas externas (lesões, acidentes, violências etc.) são a principal causa de morte e importante causa de sequelas e incapacidades entre os adolescentes e jovens no Brasil. Estas causas de morte refletem a exposição a situações de risco vividas pelos adolescentes e que podem ser prevenidas, em grande parte, por mudanças no ambiente social e no comportamento desta parcela da população. No Brasil, o acesso à escola é de 97,4% para a população de 6 a 14 anos e de 87,7% na faixa etária de 15 e 19 anos de idade, independentemente da classe de rendimento mensal (PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMIÍLIOS 2011, 2012). Portanto, a escola constitui-se como importante locus no monitoramento da saúde do escolar. É comum entre os especialistas da educação afirmar que a escola e a família compartilham funções sociais, políticas e educacionais, na medida em que contribuem e influenciam na formação do cidadão. A família, como agente socializador, como rede de apoio e desenvolvimento humano; e a escola, como um contexto diversificado de desenvolvimento e aprendizado, um local de diversidade cultural, atividades, regras e valores. Um ambiente onde ocorre a construção de laços afetivos e o preparo para a inserção dos indivíduos na sociedade (POLONIA; DESSEN, 2005; RAMIRES, 2004). Segundo a OMS, no mundo, mais de 100 países já fazem monitoramento da saúde dos estudantes, ajudando na modificação de currículos e estruturando programas de saúde voltados para a faixa etária dos adolescentes (CURRIE et al., 2008b, 2012)1 . No Brasil, em resposta a essas questões, se dá a implantação do Sistema Nacional de Monitoramento da Saúde do Escolar, que surge como uma resposta ao Programa Saúde na Escola - PSE instituído pelo Decreto nº 6.286, de 5 de dezembro de 2007, que tem como objetivo integrar as redes públicas de educação básica e de atenção à saúde nos territórios de responsabilidade das Equipes de Saúde da Família, com a finalidade de contribuir para a formação integral dos estudantes da rede pública de educação básica por meio de ações de prevenção, promoção e atenção à saúde. A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar - PeNSE, primeira iniciativa nacional, que perguntou diretamente aos adolescentes sobre fatores de risco e proteção, constitui um importante instrumento para subsidiar com informações os gestores, dando sustentabilidade ao Sistema Nacional de Monitoramento da Saúde do Escolar e apoiando as políticas públicas de proteção a saúde dos adolescentes. 1 Para informações complementares sobre o assunto, consultar também o documento: TRENDS in the prevalence of sexual behaviors. National Youth Risk Behavior Survey - YRBS: 1991-2007. Atlanta: Centers for Disease Control and Prevention - CDC, [2007]. Disponível em: <https://ppt-elect.center-school.org/providers/304/yrbs07_us_ sexual_behaviors_trend.pdf>. Acesso em: maio 2013.
  27. 27. Introdução______________________________________________________________________________________ Pioneira não só em seu objeto como em seu método, a PeNSE, já em sua primeira edição realizada em 2009, ousou lançar mão de tecnologias inovadoras, como o Personal Digital Assistent - PDA, que permitiram que o escolar respondesse diretamente a um questionário eletrônico, sem que houvesse necessidade de interferência do entrevistador. Tal método permitiu que a pesquisa fosse realizada simultaneamente por um grande número de escolares, de forma independente e espontânea, resguardada a privacidade e o sigilo das informações. Além disso, a PeNSE incorporou práticas participativas ao incluir, em seus trabalhos, reuniões e discussões conjuntas entre representantes e gestores da Saúde e da Educação em diferentes esferas administrativas e de governo. Estas reuniões de esclarecimento e mobilização, que contaram com a participação dos responsáveis pela vigilância das doenças e agravos não transmissíveis dos estados e municípios envolvidos, além de diretores de escolas e representantes das Secretarias Estaduais e Municipais de Educação, contribuíram para o êxito da pesquisa, que teve apenas uma recusa, entre todas as 1 507 escolas selecionadas no País, em 2009. Em 2012, mantendo a mesma metodologia, a PeNSE entrevistou 109 104 escolares em 2 842 escolas, ocorrendo cinco recusas. Nesta edição, a PeNSE teve ampliada a sua abrangência geográfica, para além da representatividade nos Municípios das Capitais e no Distrito Federal, como realizado em 2009. A PeNSE 2012 incluiu uma amostra de escolas que permite a representação nacional e a estratificação para as Grandes Regiões do Brasil, passando a fornecer dados e indicadores mais adequados para retratar o País e que permitem comparabilidade com indicadores internacionais. A PeNSE 2009 abordou diversos temas e questões importantes para o conhecimento da saúde dos escolares, compreendendo: aspectos socioeconômicos; contextos social e familiar; hábitos alimentares; prática de atividade física; experimentação e consumo de cigarro, álcool e outras drogas; saúde sexual e reprodutiva; violência, segurança e acidentes; e percepção da imagem corporal, entre outros aspectos. Em 2012, foram introduzidos novos temas e questões, como: trabalho entre escolares; hábitos de higiene; saúde mental; uso de serviços de saúde; e prevalência de asma, entre outros. Em alguns temas, novas perguntas foram adicionadas ou alteradas, no sentido de facilitar a obtenção das respostas e/ou adequá-las ao cálculo de indicadores e parâmetros internacionais.
  28. 28. Notas técnicas População de estudo A população-alvo da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar - PeNSE 2012 foi formada por escolares do 9º ano do ensino fundamental (antiga 8ª série) de escolas com um total de 15 estudantes ou mais nesse ano letivo, públicas ou privadas, de todo o território brasileiro. O cadastro utilizado para a seleção da amostra pesquisada foi formado pelas escolas de ensino fundamental listadas pelo Censo Escolar 2010, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, que informaram possuir turmas de 9º ano do ensino fundamental nos seus turnos diurnos. A escolha do 9º ano do ensino fundamental teve como justificativas o mínimo de escolarização considerada necessária para responder ao questionário autoaplicável e também a proximidade da idade de referência preconizada pela Organização Mundial da Saúde - OMS (World Health Organization - WHO), que é de 13 a 15 anos. Decidiu-se excluir do cadastro de seleção as escolas com um total de menos de 15 escolares no 9º ano do ensino fundamental, pois, embora representassem mais de 20% das escolas, abarcavam apenas 3% do total de matriculados, com um grande contingente dessas escolas espalhadas por municípios do interior. Considerou-se, portanto, que a seleção de uma ou mais escolas desse subconjunto representaria grande esforço de coleta para pouco retorno em termos de informação. Dessa maneira, o cadastro de seleção da amostra foi constituído por 42 717 escolas que informaram possuir turmas do 9º ano do ensino fundamental, sendo 7 519 destas distribuídas pelos Municípios das Capitais e o Distrito Federal e o restante, 35 198, pertencentes aos demais municípios do País.
  29. 29. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Aspectos de amostragem A PeNSE 2012 investigou alguns fatores comportamentais de risco e de proteção à saúde em uma amostra de estudantes que estavam frequentando o 9º ano (antiga 8ª série) do ensino fundamental, no turno diurno de escolas públicas ou privadas, situadas nas zonas urbanas ou rurais de um conjunto de municípios situados no território brasileiro. A amostra foi dimensionada de modo a estimar parâmetros populacionais (proporções ou prevalências) em diversos domínios geográficos: cada um dos 26 Municípios das Capitais e o Distrito Federal, o conjunto dessas capitais, cada uma das cinco Grandes Regiões do País (Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste), além do País como um todo. Nesta publicação, são apresentados um conjunto bastante extenso de tabelas com as estimativas pontuais das prevalências de vários aspectos investigados, bem como os respectivos intervalos de 95% de confiança para os parâmetros estimados. Para atender aos objetivos da pesquisa, a amostra de estudantes foi composta por alunos de escolas públicas e privadas dos 26 Municípios das Capitais e o Distrito Federal e de municípios selecionados entre os demais. Para isso foi feita uma estratificação do território nacional da seguinte forma: • Cada um dos 26 Municípios das Capitais e o Distrito Federal foi definido como um estrato geográfico; e • Os demais municípios foram agrupados em cada uma das cinco Grandes Regiõesa que pertencem, formando cinco estratos geográficos. Em cada um dos 27 estratos formados pelos Municípios das Capitais e o Distrito Federal, foi dimensionada e selecionada uma amostra de escolas. Essas escolas foram visitadas e suas turmas de 9º ano do ensino fundamental foram relacionadas. Em seguida, foi selecionada uma amostra de turmas em cada escola e os respectivos alunos foram convidados a responder o questionário da pesquisa. Assim, foi obtida uma amostra independente de estudantes em cada uma das 27 capitais. Após testes preliminares indicarem que a seleção direta de escolas nos estratos formados por municípios fora das capitais resultaria num grande espalhamento geográfico, com poucas escolas sendo visitadas, num grande número de municípios, foi introduzido mais um estágio de seleção, o de municípios. No entanto, a seleção de municípios individualmente em cada estrato, além de também espalhar a amostra, esbarraria no problema da grande heterogeneidade entre os tamanhos dos municípios (medidos pelo número de turmas de 9º ano do ensino fundamental registrado no Censo Escolar 2010), o que levaria à necessidade da seleção de um grande número de municípios para se obter uma quantidade suficiente de escolas para a seleção da amostra. Assim, a opção adotada foi agrupar os municípios seguindo critérios de homogeneidade e vizinhança, obtendo grupos de 300 a 600 turmas aproximadamente, e, em seguida, selecionar uma amostra desses grupos em cada Grande Região, de onde foram selecionadas as escolas que fazem parte da amostra e que tiveram seus alunos entrevistados. Este procedimento, além de reduzir o custo total da pesquisa, também diminuiu o tempo de coleta e tornou o controle dos trabalhos de campo menos complexo, já que fez com que as escolas, selecionadas para se obter os resultados fora das capitais, ficassem concentradas em municípios vizinhos.
  30. 30. Notas técnicas__________________________________________________________________________________ Portanto, a pesquisa tem planos amostrais distintos para os estratos geográficos dos Municípios das Capitais e para os cinco estratos geográficos formados pelos demais municípios. No primeiro caso, dos Municípios das Capitais, as escolas são as unidades primárias de amostragem (UPA) e as turmas das escolas selecionadas são as unidades secundárias de amostragem (USA). No caso dos municípios que não são capitais, as unidades primárias de amostragem são os agrupamentos de municípios, as unidades secundárias de amostragem são as escolas e as turmas dessas escolas são as unidades terciárias de amostragem (UTA). Em ambos os casos, todos os alunos das turmas selecionadas, presentes no dia da coleta de dados, formaram a amostra de estudantes e foram convidados a participar da pesquisa. O esquema de seleção de amostra para a PeNSE 2012 pode ser resumido na figura a seguir. Figura 1- Esquema de seleção da amostra da PeNSE 2012 por tipo de estrato Estratificação da PeNSE 2012 Capitais Estrato = Capital UPA = Escola USA = Turma Não Capitais UPA = Grupo de Municípios USA = Escola UTA = Turma UPA: Unidade Primária de Amostragem USA: Unidade Secundária de Amostragem UTA: Unidade Terciária de Amostragem Estrato = Grande Região Geográfica, exceto capitais O tamanho da amostra em cada estrato foi calculado para fornecer estimativas de proporções (ou prevalências) de algumas características de interesse, em cada um dos estratos geográficos, com um erro máximo aproximado de 3% em valor absoluto ao nível de confiança de 95%. Para tanto, foi dimensionada a amostra, considerando que a prevalência (proporção) é da ordem de 0,5 (ou 50%), pois, para proporções desse valor, a variância dos estimadores amostrais é máxima. Os estratos formados pelo cruzamento dos estratos geográficos com a dependência administrativa das escolas foram utilizados apenas para alocação da amostra, de maneira a garantir a presença de escolas públicas (federais, estaduais ou municipais) e privadas na amostra, de forma aproximadamente proporcional à sua existência no cadastro de seleção.
  31. 31. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 As amostras dos estratos formados por cada capital foram obtidas em dois estágios. Primeiro foram selecionadas as escolas (unidades primárias de amostragem), por meio de método de seleção com probabilidades proporcionais ao tamanho. A medida de tamanho considerada na seleção das escolas foi o número total de turmas de 9º ano do ensino fundamental em cada uma delas, conforme o cadastro de escolas do Censo Escolar 2010. Cada uma das escolas, selecionadas nesse primeiro estágio, foi visitada para construção de uma lista atualizada de turmas de 9º ano, existentes em 2012. Após a obtenção dessas listas, foram selecionadas as turmas (unidades secundárias de amostragem) de 9º ano a serem efetivamente pesquisadas em cada uma das escolas selecionadas no primeiro estágio. Para os estratos geográficos formados pelos demais municípios, a seleção foi em três estágios. No primeiro estágio, foram selecionados grupos de municípios (unidades primárias de amostragem) com probabilidades proporcionais ao número total de turmas de 9º ano do ensino fundamental dos municípios agrupados; no segundo estágio, foram selecionadas escolas (unidades secundárias de amostragem) com probabilidades proporcionais ao número de suas turmas de 9º ano; e, após a atualização da lista de turmas de 9º ano das escolas selecionadas, foram selecionadas, no terceiro estágio, as turmas (unidades terciárias de amostragem) cujos alunos formaram a amostra de estudantes em cada estrato. Em ambos os casos – estratos geográficos dos Municípios das Capitais e estratos geográficos formados pelos demais municípios – foi selecionada, aleatoriamente e com probabilidades iguais, uma turma em cada escola selecionada que tivesse uma ou duas turmas de 9º ano do ensino fundamental, e duas turmas em cada escola com três ou mais turmas desses escolares. Em cada uma das turmas selecionadas, todos os alunos foram convidados a responder o questionário da pesquisa, eliminando-se, desta maneira, a necessidade de mais um estágio de seleção (seleção de alunos na turma selecionada), o que aumentaria as dificuldades operacionais da pesquisa, sem o correspondente ganho significativo de precisão. O emprego de planos amostrais conglomerados geralmente resulta em redução de custos para amostras de igual tamanho total em comparação com a amostragem aleatória simples, por concentrar a amostra nos conglomerados selecionados, reduzindo seu espalhamento geográfico. Por outro lado, o impacto sobre a precisão costuma ser negativo, no sentido de que amostras conglomeradas de igual tamanho que uma amostra aleatória simples tendem a fornecer estimativas com maior variância. Uma medida usual do impacto do emprego de amostragem conglomerada (ou de amostragem usando planos complexos, em geral) é o chamado efeito do plano amostral (epa), definido como a razão entre a variância do estimador sob o plano conglomerado e a variância do estimador sob uma amostra aleatória simples de igual tamanho. Portanto, para estimar uma proporção da ordem de 50%, com uma margem de erro k e nível de confiança de 95%, pode-se estimar um tamanho (em número de alunos) para um plano amostral conglomerado em estágios e seleção com probabilidades proporcionais a uma medida de tamanho pela fórmula: 1,962 n = epa. 4k2 1 + 1,962 N4k2
  32. 32. Notas técnicas__________________________________________________________________________________ Onde: n é o tamanho da amostra de alunos num determinado estrato geográfico, considerando o plano amostral utilizado; N é o total de alunos no cadastro nesse estrato geográfico; k é a margem de erro desejada; e epa é uma estimativa do efeito de conglomeração, pelo fato de se utilizar uma amostragem de conglomerados em vez de uma amostra aleatória simples de alunos. Os valores de epa para proporções em variáveis socioeconômicas da pesquisa do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica - SAEB 2003 foram analisados e decidiu-se utilizar o terceiro quartil desses valores em cada estrato de interesse (capitais e Distrito Federal) como fator de ajuste para o dimensionamento da amostra da pesquisa aqui considerada. Dessa forma, assegura-se que cerca de 75% das variáveis teriam estimativas com precisão igual ou melhor que aquela especificada para dimensionamento da amostra. Exemplificando, se o valor de epa for igual a 3,5 num certo estrato de interesse, considerando uma margem de erro de 0,03, o número de alunos na amostra desse estrato é dado por: n = epa.nAAS = 3,5.1068 = 3738 Onde: n é o número esperado de alunos na amostra com o plano amostral da pesquisa, utilizando amostragem de conglomerados; nAAS é o tamanho de uma amostra aleatória simples de alunos para satisfazer as condições exigidas de precisão; e epa é o efeito de conglomeração considerado. Vê-se que o efeito de conglomeração funciona como um fator de correção para o tamanho da amostra no caso de se optar por uma amostra de conglomerados. Para determinar o tamanho da amostra de turmas selecionadas em cada estrato, divide-se n pelo número médio de alunos por turma do 9º ano do ensino fundamental, conforme obtido no cadastro de seleção da amostra de escolas. Supondo que esse número médio, para o estrato do exemplo anterior, fosse de 30 alunos por turma, seria preciso uma amostra de aproximadamente 125 turmas para poder obter os 3 738 alunos necessários. O número de escolas do primeiro estágio foi obtido dividindo-se o número de turmas da amostra pelo número médio de turmas das escolas do cadastro em cada estrato. A Tabela 1 mostra os tamanhos de amostra calculados (planejados) e coletados por estágio de seleção (escolas, turmas e alunos) para as capitais, o Distrito Federal e os estratos formados pelos demais municípios. O cadastro de seleção da amostra foi composto pelas escolas listadas pelo Censo Escolar 2010, sendo a coleta de dados realizada no primeiro semestre de 2012. As informações sobre os números de alunos matriculados e de alunos que frequentam regularmente as aulas nas turmas selecionadas de 9º ano do ensino fundamental das escolas foram por elas fornecidas no momento da pesquisa.
  33. 33. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Matricu- lados (3) Fre- quentes (3) Presen- tes/fre- quentes (3) Respon- dentes Total 3 004 4 288 131 741 2 842 4 091 134 310 132 123 110 873 109 104 Norte (não capitais) 292 389 11 272 270 345 11 089 10 914 9 303 8 802 Nordeste (não capitais) 308 385 11 150 279 352 11 376 11 183 9 493 9 460 Sudeste (não capitais) 257 371 11 867 247 362 12 604 12 527 10 145 9 945 Sul (não capitais) 237 348 9 384 235 351 10 171 10 167 8 943 8 731 Centro-Oeste (não capitais) 357 540 15 094 342 462 14 638 14 026 11 149 11 021 Porto Velho 53 78 2 404 49 76 2 549 2 531 2 072 2 002 Rio Branco 41 60 2 575 38 60 2 085 2 072 1 737 1 735 Manaus 44 67 2 376 41 64 2 518 2 517 2 043 2 019 Boa Vista 48 82 2 432 47 86 2 450 2 450 2 042 2 027 Belém 47 68 2 440 44 68 2 509 2 339 1 978 1 974 Macapá 58 92 3 016 56 90 3 006 2 959 2 441 2 437 Palmas 45 64 2 165 42 61 2 140 2 087 1 789 1 778 São Luis 65 89 3 081 62 86 3 127 3 094 2 676 2 675 Teresina 63 83 2 624 55 80 2 740 2 718 2 482 2 377 Fortaleza 54 78 2 564 52 79 2 728 2 656 2 270 2 266 Natal 65 89 2 836 63 90 2 943 2 943 2 385 2 384 João Pessoa 83 102 3 038 75 97 3 222 3 221 2 612 2 610 Recife 71 97 3 289 70 99 3 718 3 705 3 010 3 006 Maceió 48 68 2 304 40 60 2 239 2 143 1 825 1 819 Aracaju 66 90 2 780 63 92 3 196 3 167 2 648 2 640 Salvador 47 75 2 470 46 77 2 589 2 454 2 070 2 064 Belo Horizonte 68 109 3 457 68 102 3 284 3 270 2 759 2 754 Vitória 69 97 2 808 64 88 2 526 2 501 2 161 2 140 Rio de Janeiro 58 85 2 869 54 84 2 900 2 851 2 424 2 413 São Paulo 50 86 2 832 50 88 3 070 3 007 2 464 2 408 Curitiba 46 79 2 581 43 76 2 477 2 463 2 174 2 153 Florianópolis 68 89 2 662 67 105 3 011 2 992 2 771 2 539 Porto Alegre 54 69 1 987 52 64 1 752 1 742 1 456 1 455 Campo Grande 56 74 2 194 55 76 2 355 2 215 1 987 1 953 Cuiabá 47 70 2 082 43 65 2 136 2 123 1 545 1 539 Goiânia 82 121 3 841 77 112 3 792 3 727 3 055 3 044 Distrito Federal 57 94 3 267 53 94 3 370 3 359 2 964 2 934 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012. Nota: O cadastro de seleção da amostra foi composto pelas escolas listadas pelo Censo Escolar 2010, realizado pelo Ins- tituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. (1) Tamanhos de amostra calculados. (2) Valores esperados. (3) Informações obtidas nas escolas pesquisadas. Turmas (2) Estrato geográfico Amostra planejada/esperada Amostra pesquisada Escolas (1) Escolas Alunos Tabela 1 - Tamanhos das amostras planejados e coletados, Turmas segundo o estrato geográfico - 2012 Alunos (2)
  34. 34. Notas técnicas__________________________________________________________________________________ Do total de escolas selecionadas para a amostra, 162 não foram pesquisadas por diversos motivos, tais como: inexistência de turmas de 9º ano do ensino fundamental, greve no período de coleta ou recusa por parte da direção da escola. Esses motivos também levaram à prorrogação do prazo de coleta para o segundo semestre em alguns municípios, quando geralmente aumenta a evasão escolar. A Tabela 2 mostra o total de escolas não participantes da pesquisa, segundo o motivo da não coleta. Deve-se levar em conta a desatualização cadastral pelo fato de a seleção das escolas ter sido realizada em cadastro formado a partir das informações do Censo Escolar 2010 e a coleta ter sido realizada em 2012. Destaque-se que as perdas de tais escolas estão dentro dos padrões de pesquisas semelhantes realizadas pelo IBGE e outros órgãos de estatística. Pelas informações obtidas das próprias escolas pesquisadas, como pode ser observado na Tabela 1, um total de 132 123 alunos de 9º ano do ensino fundamental frequentavam habitualmente as aulas, porém, na data de coleta dos dados, apenas 110 873 desses estudantes compareceram às aulas, representando aproximadamente 84% do total. Do total de estudantes presentes na data da pesquisa nas turmas selecionadas, 1 651 não desejaram participar e 118 não informaram sexo ou idade, sendo excluídos da base de dados apenas para efeito da tabulação dos resultados da pesquisa. O número de alunos presentes na data da pesquisa e excluídos da mesma, pelos motivos relatados, representam aproximadamente 1,6% do total de presentes. Portanto, as ausências e recusas redundaram num número de respondentes da pesquisa que representa perto de 83% dos alunos de 9º ano do ensino fundamental que costumam frequentar as aulas nas escolas pesquisadas. Os pesos amostrais foram calculados para os alunos respondentes da pesquisa de maneira a representar os alunos matriculados no 9º ano do ensino fundamental que frequentam regularmente as aulas, de acordo com as informações obtidas das escolas pesquisadas. Desse modo, o peso de um determinado estudante para os estratos formados por municípios que não são capitais é dado pelo produto dos pesos da seleção do primeiro estágio (grupo de municípios ou unidade primária de amostragem), da seleção do segundo estágio (escola ou unidade secundária de amostragem) e da seleção do terceiro estágio (turma ou unidade terciária de amostragem), com a correção devido à ausência dos alunos que regularmente frequentam a escola, porém estavam ausentes na data da pesquisa. Portanto o peso do aluno l, da turma k, da escola j, da unidade primária de amostragem i, do estrato h, é dado pela fórmula: Motivo de não coleta Número de escolas Total 162 Escola com menos de 15 alunos no 9º ano 54 Escola desativada 21 Impedida 2 Não visitada 2 Recusa 5 Sem turma de 9º ano 78 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012. Tabela 2 - Número de escolas não participantes, segundo o motivo de não coleta - 2012
  35. 35. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 whijkl = whi whij whijk , l = 1, 2, ..., Phijk whi = Th 2Thi whij = Thi nhi Thij whijk = Thij Fhijk nhij Phijk Onde: whi é o peso da unidade primária de amostragem i, do estrato h; whij é o peso da escola j, da unidade primária de amostragem i, do estrato h; whijk é o peso da turma k, da escola j, da unidade primária de amostragem i, do estrato h; Th é o número de turmas do estrato h; Thi é o número de turmas da unidade primária de amostragem i, do estrato h; Thij é o número de turmas da escola j, da unidade primária de amostragem i, do estrato h; nhi é o tamanho da amostra de escolas da unidade primária de amostragem i, do estrato h; nhij é o tamanho da amostra de turmas da escola j, da unidade primária de amostragem i, do estrato h; Phijk é o número de alunos respondentes da turma k, da escola j, da unidade primária de amostragem i, do estrato h; e Fhijk é o número de alunos frequentes da turma k, da escola j, da unidade primária de amostragem i, do estrato h. Para os estratos formados pelas capitais, a fórmula simplifica, pois só existem os dois últimos estágios de seleção. O peso do aluno l, da turma k, da escola j, do estrato h, é dado pela fórmula : whjkl = whj whj whjk , l = 1, 2, ..., Phjk whj = Th nh Thj whjk = Thj Fhjk nhj Phjk
  36. 36. Notas técnicas__________________________________________________________________________________ Onde: whj é o peso da escola j, do estrato h; whjk é o peso da turma k, escola j, do estrato h; Th é o número de turmas do estrato h; Thj é o número de turmas da escola j,do estrato h; nh é o tamanho da amostra de escolas do estrato h; nhj é o tamanho da amostra de turmas da escola j, do estrato h; Phjk é o número de alunos respondentes da turma k, da escola j, do estrato h; e Fhjk é o número de alunos frequentes da turma k, da escola j,do estrato h. Para o ajuste dos pesos, foram utilizadas as informações sobre totais de turmas e alunos matriculados nas escolas segundo dados do Censo Escolar 2012, realizado pelo INEP. Nesta publicação, são apresentadas as estimativas para várias características populacionais, para cada estrato geográfico considerado, e os respectivos intervalos de confiança estimados, para um nível de confiança de 95%. As estimativas de variância utilizadas para construir os intervalos de confiança foram calculadas pelo método do conglomerado primário, implementado através do software SAS. Cabe ainda ressaltar que nos resultados tabulados o percentual de não informados foi distribuído proporcionalmente entre os respondentes. Coleta dos dados Nesta edição da pesquisa, o questionário para coleta dos dados dos escolares foi ampliado em relação ao questionário da PeNSE 2009, visando aumentar a comparabilidade com pesquisas internacionais conduzidas pela Organização Mundial da Saúde - OMS (World Health Organization - WHO) e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (Centers for Disease Control and Prevention - CDC), como a Global School-Based Student Health Survey - GSHS e o Youth Risk Behavior Surveillance System - YRBSS. A pesquisa sobre o estudante foi realizada utilizando o smartphone, no qual foi inserido o questionário estruturado, autoaplicável, com módulos temáticos que variam em número de perguntas. Os assuntos contemplados nas edições da PeNSE realizadas em 2009 e 2012 foram: características sociodemográficas, alimentação, imagem corporal, atividade física, tabagismo, consumo de álcool e outras drogas, rede de proteção, saúde bucal, comportamento sexual, violência, e acidentes. A maioria das perguntas foi mantida da mesma forma e são inteiramente comparáveis. Algumas novas perguntas foram acrescentadas nesses módulos comuns, as quais são descritas na apresentação de resultados; outras sofreram alterações, o que eventualmente limita a comparabilidade do indicador especifico. A PeNSE 2012 ampliou seu escopo, inserindo questões referentes a trabalho, hábitos de higiene, saúde mental, uso de serviços de saúde e prevalência de asma. A antropometria não foi realizada em 2012.
  37. 37. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 A PeNSE 2012 introduziu um segundo questionário, referente ao ambiente escolar, aplicado ao diretor ou responsável pela escola e preenchido pelo agente de coleta do IBGE, incluindo temas sobre estrutura da escola, dimensão, espaços, equipamentos, práticas, políticas e situações do entorno. As perguntas versam sobre características gerais da escola (esfera administrativa, níveis de ensino, número de salas, número de alunos matriculados, valor da mensalidade); estrutura de informação e comunicação (biblioteca, sala com recursos de mídia, laboratório de informática, Internet, disponibilização de recursos de informática em sala de aula); alimentos comercializados (cantina e ponto alternativo); estrutura para atividades físicas (pátio, quadra de esportes, vestiário, pista de atletismo, piscina); atividades e políticas (conselho escolar, atividade extraclasse, ambientes livres de tabaco); e aspectos de localização da escola quanto a risco de violências. Os questionários do estudante e do ambiente escolar também estão disponibilizados no portal do IBGE na Internet. A coleta dos dados foi realizada pelos agentes de coleta do IBGE, no período de abril a setembro de 2012. Aspectos éticos Participaram da pesquisa os alunos que concordaram com o “Termo de Consentimento Livre e Esclarecido”, colocado na primeira página do smartphone utilizado para a aplicação do questionário, e eles decidiram preencher ou não as questões. Foram considerados no levantamento das estatísticas relacionadas aos fatores de risco e proteção para as doenças e agravos não transmissíveis os adolescentes que marcaram no quadro apropriado a sua concordância em participar da pesquisa. A pesquisa não oferecia riscos à saúde do escolar, mas poderia suscitar sensibilidade, por parte do aluno, a alguma questão investigada. Desse modo, medidas foram tomadas para proteger o adolescente e deixá-lo confortável. A participação foi voluntária e o estudante tinha a possibilidade de deixar de responder qualquer pergunta ou todo o questionário. As informações do estudante são sigilosas e a escola também não foi identificada. O Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990) prevê autonomia do adolescente para tomar iniciativas, como responder um questionário que não ofereça risco a sua saúde e que tenha como objetivo claro subsidiar políticas de proteção à saúde para esta faixa etária. A realização da pesquisa foi precedida de contato com as Secretarias Estaduais e Municipais de Educação e com a direção das escolas selecionadas em cada município. A PeNSE 2012 foi aprovada pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - Conep (Registro nº 16.805).
  38. 38. Análise dos resultados Características do ambiente escolar e entorno A estrutura física da escola, seus espaços e equipamentos, possuem grande importância no cumprimento de suas funções sociais. Segundo Santos, “a função está diretamente relacionada com sua forma; portanto, a função é a atividade elementar de que a forma se reveste” (SANTOS, 1985, p. 51). Desse modo, os lugares na escola, além de sua importância como palco para a prática pedagógica de ensino, estão dotados de significados e transmitem uma importante quantidade de estímulos, conteúdos e valores que a criança internaliza e aprende (ESCOLANO, 1998, p. 27). A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar - PeNSE 2012, com o objetivo de caracterizar o ambiente escolar e o espaço onde está inserida a escola que abriga os alunos do 9º ano do ensino fundamental, objeto da pesquisa, aplicou um questionário para investigar questões relacionadas à estrutura da escola, dimensão, espaços, equipamentos, práticas, políticas e situações do entorno, e cujas informações pudessem ajudar a caracterizar a situação de exposição a fatores de risco e proteção dos escolares. Dentre as várias questões existentes, algumas foram selecionadas e serão apresentadas considerando o número de 3 153 314 escolares estimados. Vale ressaltar que as características levantadas se referem a uma amostra representativa do conjunto de escolas do Brasil que possuem 15 ou mais alunos matriculados no 9º ano do ensino fundamental em turmas regulares diurnas.
  39. 39. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Estrutura de informação e comunicação No Brasil, a biblioteca é um recurso disponível para 86,7% dos escolares do 9º ano do ensino fundamental, não sendo observadas diferenças significativas quanto à dependência administrativa da escola, com 86,0% para os estudantes da rede pública e 89,9% para os da rede privada. Essas proporções apresentaram variação entre as Grandes Regiões, indo da menor, 78,7% na Região Centro-Oeste, para os alunos da rede pública, e alcançando 100% para os alunos da rede privada na Região Sul. Nos Municípios das Capitais, a proporção de alunos com esse recurso disponível foi menor em Cuiabá (86,4%) e Belém (86,7%), atingindo 100% em Boa Vista, Fortaleza, Vitória, Curitiba e Florianópolis (Tabela 1.1.1). As escolas oferecem sala ou laboratório de informática para uso de 88,9% dos alunos, não sendo significativamente diferente para os alunos nas escolas públicas (88,3%) ou privadas (85,3%). Esse recurso é oferecido a uma proporção maior de alunos na Região Sul (92,8%) e menor na Região Norte (80,2%). A existência de sala com recursos de mídia/comunicação atinge a 59,5% dos escolares, sendo mais frequente para os alunos da rede privada (86,6%) do que para os da rede pública (53,9%). O acesso à Internet, com equipamentos da escola, é facultado a 84,2% dos escolares, apresentando maior proporção na Região Sul (98,1%) e menor, na Região Norte (78,1%). O acesso a computadores da escola, pelos alunos, na sala de aula, atinge a 21,3% dos escolares, sendo mais frequente para os alunos das escolas privadas (39,4%) do que para os das escolas públicas (17,6%), e maior, também, para os escolares da Região Centro-Oeste (31,7%) e menor para os da Região Sul (9,6%) (Tabelas 1.1.2,1.1.3,1.1.4 e 1.1.5). Alimentos comercializados Procurando disciplinar a venda de alimentos nas cantinas localizadas dentro das escolas, tanto públicas quanto particulares, alguns governos estaduais, municipais e distritais regulamentaram, via leis ou portarias, a venda de produtos considerados não adequados para o consumo, sobretudo diminuindo o acesso à alimentação inadequada e favorecendo escolhas alimentares mais saudáveis, buscando proteger, assim, a saúde dos estudantes. O governo federal, através da Portaria Interministerial nº 1.010, de 8 de maio de 2006, instituiu as diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e nível médio das redes pública e privada, em âmbito nacional. Esta Portaria, no Art. 3º, inciso IV, define, como um dos eixos para a promoção da alimentação saudável, a restrição ao comércio e à promoção comercial, no ambiente escolar, de alimentos e preparações com altos teores de gordura saturada, gordura trans, açúcar livre e sal e incentivo ao consumo de frutas, legumes e verduras (BRASIL, 2006). A PeNSE 2012 levantou a presença de cantina e de pontos alternativos de venda de alimentos nas escolas e o tipo de alimento vendido. Cerca de metade dos escolares (48,9%) estudavam em escolas com cantina e 42,8%, em escolas com ponto alternativo de venda no interior destas ou em sua entrada. A presença de cantinas foi muito maior para os estudantes das escolas privadas (94,8%) do que para os estudantes da rede pública (39,4%), porém, para o ponto alternativo de venda, essas proporções não apresentaram diferenças significativas na mesma magnitude: 44,8% para os alunos da rede pública e 33,3% para os da rede privada.
  40. 40. Análise dos resultados___________________________________________________________________________ A oferta de bebidas e alimentos na cantina é apresentada de acordo com o percentual de escolares expostos a essas opções de consumo. Dentre os itens perguntados, destacaram-se como os que estão disponíveis, nas cantinas, para um maior número de escolares: os salgados de forno (39,4%), o suco ou refresco natural de frutas (34,1%) e as guloseimas (balas, confeitos, doces, chocolates, sorvetes e outros) (32,0%). Frutas frescas ou salada de frutas foram os itens de alimentos disponibilizados para a menor proporção de escolares, na cantina (11,1%). O comportamento da exposição a esses itens por esfera administrativa é apresentado no Gráfico 1, onde pode ser observado que uma maior proporção de alunos das escolas da rede privada está exposta ao consumo de alimentos na cantina, sendo que, quanto ao tipo de alimento disponibilizado em maior ou menor frequência, se assemelham entre si e acompanham o resultado geral para o País. Da oferta de bebidas e alimentos no ponto alternativo de venda, de acordo com o percentual de escolares expostos, destacaram-se, dentre os itens perguntados, como os que estão mais disponíveis: as guloseimas (balas, confeitos, doces, chocolates, sorvetes e outros) (33,2%), os salgados fritos (29,6%) e os salgadinhos industrializados (29,1%), todos considerados como alimentos não saudáveis. A exposição ao consumo, pelos escolares, de bebidas e alimentos no ponto alternativo de venda, por esfera administrativa, é apresentada no Gráfico 2, onde pode ser observado que, em vários itens, uma proporção maior de alunos das escolas da rede pública está exposta ao consumo de alimentos nesse ponto alternativo, com destaque para as guloseimas (balas, confeitos, doces, chocolates, sorvetes e outros) (34,9%), os salgados fritos (31,4%) e os salgadinhos industrializados (30,9%). Em relação, porém, a algumas bebidas e alimentos considerados mais saudáveis, a disponibilidade nos pontos alternativos é similar entre os escolares da rede privada e os da rede pública, respectivamente, como: sucos e refresco de fruta natural (15,8% e 15,0%) e leite ou bebidas à base de leite (9,2% e 8,7%). As frutas frescas figuram como o item menos disponibilizado, tanto na rede privada quanto na pública (aproximadamente 3,0% em ambas). Gráfico 1 - Proporção de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por dependência administrativa da escola, segundo as opções de bebidas e produtos alimentícios vendidos na cantina - Brasil 2012 Privada Pública Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012. 52,7 77,1 59,0 52,4 51,5 89,8 54,8 54,5 69,6 60,3 37,3 20,3 25,1 18,1 15,4 14,1 28,9 22,3 21,7 24,1 16,9 5,4 Refrigerante Suco/refresco naturaldefrutas Bebidas açucaradas Leiteoubebidaa basedeleite Salgadosfritos Salgadosdeforno Salgadinhos industrializados Biscoitosou bolachassalgadas oudoces Balas,confeitos, doces,chocolates, sorveteseoutros Sanduiches Frutasfrescasou saladadefrutas %
  41. 41. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 A comparação dos resultados apresentados nos Gráficos 1 e 2 indica que muitas dessas diferenças encontradas, tanto entre a cantina e o ponto alternativo de venda, como entre a rede pública e a rede privada, guardam relação com as políticas de alimentação escolar implementadas no País2 e as legislações de controle, mais eficazes na rede pública e para as cantinas do que para os pontos alternativos de venda. Estrutura para atividades físicas A atividade física também é objeto de várias políticas de promoção à vida saudável e tem na escola um importante ponto de apoio e disseminação. A PeNSE 2012 levantou a disponibilidade de alguns espaços e equipamentos destinados para a prática de esportes e atividade física. Dentre esses recursos, destaca-se a quadra de esportes, disponível para 79,4% dos escolares, sendo em uma proporção maior na rede privada (93,4%) do que na pública (76,4%). O pátio da escola é utilizado para a atividade física, com instrutor, para 52,2% dos escolares, numa proporção de 59,7% na rede privada e 50,6% na rede pública. A disponibilidade de vestiários em condições de uso para os alunos atinge 28,5% deles, sendo maior a cobertura dos estudantes das escolas privadas (66,8%) do que das públicas (20,5%) A pista de corrida e/ou atletismo é oferecida para apenas 1,9% dos estudantes, nas proporções de 5,9% na rede privada e de 1,0% na pública. A piscina também é pouco disponibilizada para os estudantes (6,7%), sendo muito diferenciada a oferta para os alunos da rede privada (35,3%) em relação à oferta para os da escola pública (0,7%). 2 Para informações complementares sobre o assunto, consultar o documento: BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de alimentação e nutrição. 2. ed. rev. Brasília, DF, 2003. 48 p. (Série B. Textos básicos de saúde). Disponível em: <http://www4.planalto.gov.br/consea/documentos/saude-e-nutricao/politica-nacional-de-alimentacao-e-nutricao-pnan>. Acesso em: maio 2013. Privada Pública Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012. Refrigerante Suco/refresco naturaldefrutas Bebidas açucaradas Leiteoubebidaa basedeleite Salgadosfritos Salgadosdeforno Salgadinhos industrializados Biscoitosou bolachassalgadas oudoces Balas,confeitos, doces,chocolates, sorveteseoutros Sanduiches Frutasfrescasou saladadefrutas Gráfico 2 - Proporção de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por dependência administrativa da escola, segundo as opções de bebidas e produtos alimentícios vendidos no ponto alternativo de vendas - Brasil - 2012 16,9 16,1 19,4 9,4 21,0 15,6 20,7 17,6 25,7 13,8 3,5 23,6 15,0 18,1 8,7 31,4 21,6 31,0 24,5 35,0 12,9 3,5 %
  42. 42. Análise dos resultados___________________________________________________________________________ Embora disponibilizando menor estrutura de apoio às atividades físicas, é a es- cola pública que mais oferece atividade esportiva aos alunos, fora do horário regular de funcionamento da escola. Cerca de 61,5% dos escolares da escola pública contam com esse recurso, contra 38,3% na escola privada. Ao considerar, porém, as atividades esportivas fora do horário regular de funcionamento da escola, oferecidas mediante pagamento, essa proporção se inverte, com a rede privada passando a disponibilizar esse recurso para 83,6% dos alunos, permanecendo a rede pública com praticamente o mesmo percentual (61,9%) (Tabela 1.3.6). Outras características A maior parte dos adolescentes estuda em escolas que informaram possuir política sobre proibição do uso do tabaco (89,3%), não sendo significativa a diferença entre as esferas administrativas pública (90,3%) e privada (84,6%) (Tabela 1.4.1). Em relação às escolas onde o diretor ou responsável referiu conhecimento quanto ao consumo de cigarro, na escola, por professores, ou alunos, essas ocorrências atingiram os percentuais de 15,8% dos escolares, para o caso de consumo de cigarro por professores, e de 19,6% dos escolares, para esta ocorrência entre os alunos. Em ambas as situações, a diferença entre as esferas administrativas das escolas foi significativa, com proporções de 5,9% de escolares na rede privada e 17,8% na rede pública, para o caso de consumo de cigarro por professores, e de 3,3% e 22,9%, respectivamente, para o caso de consumo de cigarro por alunos. Essas proporções apresentaram variações importantes entre as Grandes Regiões. As Regiões que apresentaram as maiores proporções para o consumo de cigarro pelos professores foram Nordeste (23,3%) e Centro-Oeste (20,1%); para a ocorrência de consumo de cigarro pelos alunos, foram as Regiões Centro-Oeste (32,1%), Sul (20,7%) e Norte (20,6%) (Tabelas 1.4.2 e 1.4.3). A PeNSE 2012 também levantou informações quanto à situação de risco, em termos de violência, na região onde se encontra a escola. Esta informação foi obtida através do questionário do ambiente escolar, respondido pelo diretor ou responsável pela escola. Tendo em vista aqueles que informaram que a escola estava situada em área considerada como de risco para a violência, a maior parte do tempo ou todo o período, nos últimos 12 meses, 17,9% dos alunos do 9º ano do ensino fundamental estudavam em escolas consideradas em áreas de risco, nas proporções de 5,5% para a rede privada e de 20,4% para a rede pública (Tabela 1.4.4). Quanto às Grandes Regiões, apesar de não serem estatisticamente significativas as diferenças entre as proporções, elas oscilaram entre 27,8%, no Centro-Oeste, e 10,9%, no Sul. Diferenças significativas foram obtidas para as capitais, com proporções que variaram de tal forma que as maiores foram observadas em Belo Horizonte (46,2%), Maceió (45,9%) e Salvador (41,6%) e as menores proporções, em Cuiabá (8,2%), Rio Branco (10,9%) e Rio de Janeiro (11,0%). Características da população de estudo Aspectos básicos A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar - PeNSE 2012 estimou em 3 153 314 o número de escolares do 9º ano do ensino fundamental frequentando escola no País. Desse total, 1 508 703 (47,8%) são do sexo masculino e 1 644 612 (52,2%), do sexo feminino. Na análise por Grandes Regiões, observa-se que o Sudeste (44,3%) concentra o maior percentual estimado desses escolares. Em seguida, figuram Nordeste (25,3%), Sul (14,6%), Norte (8,0%) e, por último, Centro Oeste (7,9%). A população
  43. 43. ___________________________________________________________ Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 estimada segundo a dependência administrativa da escola foi composta por 2 611 931 (82,8%) alunos que estudavam em escolas públicas e 541 384 (17,2%), em escolas privadas (Tabela 2.1.1). A estrutura etária3 observada entre os participantes da pesquisa revelou que 86,0% dos escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental tinham 13 a 15 anos de idade, segmento etário preconizado pela Organização Mundial da Saúde - OMS (World Health Organization - WHO) como referência para os estudos de adolescentes escolares. Cabe ressaltar que 45,5% tinham 14 anos de idade. As estimativas de escolares no grupo de 13 a 15 anos de idade, por Grandes Regiões, somaram os seguintes percentuais: Sul (91,1%), Sudeste (89,%), Centro-Oeste (86,4%), Nordeste (79,9%) e Norte (76,7%). O maior percentual de escolares com idade igual ou inferior a 13 anos foi encontrado na Região Nordeste (1,7%). Nas Regiões Norte (22,3%) e Nordeste (18,4%), foram encontrados os maiores percentuais estimados para idade igual ou superior a 16 anos (Tabela 2.1.2). A distribuição estimada dos escolares segundo a cor ou raça, no País, mostra maiores proporções de pardos (42,2%) e brancos (36,8%). Nos demais grupos de cor ou raça, as proporções foram: 13,4% para pretos, 4,1% para amarelos e 3,5% para indígenas. Na distribuição por Grandes Regiões, tem-se os maiores percentuais de declaração da cor branca na Região Sul (57,8%), da cor parda na Região Norte (57,3%) e da cor preta na Região Sudeste (15,6%), embora seja Salvador, na Região Nordeste, a capital com o maior percentual de escolares que informaram a cor preta (32,7%) (Tabela 2.1.3). Aspectos socioeconômicos Os fatores socioeconômicos exercem papel fundamental no desenvolvimento físico, psicológico e social das crianças e adolescentes. As desigualdades socioeconômicas são importantes determinantes sociais da saúde da população em geral e deste segmento especificamente. Isso porque, de fato, são as condições econômica, cultural, biológica e ambiental, nas quais os indivíduos e grupos familiares estão inseridos, que se constituem em fatores diferenciais da situação de saúde. Os estudos que enfatizam as desigualdades sociais e a saúde dos adolescentes são recentes e ainda carecem de medidas mais adequadas para este grupo etário, uma vez que é difícil obter informações de adolescentes sobre a posse de bens e serviços e de outros dados socioeconômicos, resultando em percentual elevado de respostas em branco ou incompletas, segundo a Organização Mundial da Saúde - OMS (World Health Organization - WHO) (CURRIE et al., 2008a, 2008b). A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar - PeNSE 2012 levantou alguns aspectos socioeconômicos dos escolares de modo a obter indicadores que estabeleçam diferenciais das condições de vida do público-alvo estudado. Neste sentido, investigou-se a escolaridade dos pais, o número de residentes no domicílio do estudante, o trabalho entre os escolares, o número de banheiros do domicílio, a posse de bens e a disponibilidade do serviço doméstico no domicílio do escolar. 3 A amostra não foi calculada para desagregar as informações por grupos etários.
  44. 44. Análise dos resultados___________________________________________________________________________ Escolaridade dos pais A escolaridade dos pais, e em particular a da mãe, é considerada um importante fator de proteção para a saúde de crianças e adolescentes. A forte associação com as condições econômicas confere a essa variável a possibilidade de ser utilizada como uma importante proxy das condições socioeconômicas, assim como ocorre em diversos estudos estatísticos relativos às famílias. Na PeNSE 2012, foi analisada tanto a escolaridade materna, quanto a paterna. O percentual de escolares cujas mães não possuíam qualquer grau de ensino ou possuíam somente o ensino fundamental incompleto foi de 34,5% no País. Por outro lado, a proporção de escolares cujas mães tinham o nível superior completo foi de apenas 8,9%. A proporção de escolares cujas mães não possuíam qualquer grau de ensino ou possuíam somente o ensino fundamental incompleto foi mais elevada na Região Nordeste (45,0%) e menor na Região Sudeste (28,1%). As Regiões Centro-Oeste e Sul apresentaram os maiores percentuais de escolares que informaram a escolaridade da mãe equivalente ao ensino superior completo (10,1% e 9,4%, respectivamente). Os alunos que não souberam informar a escolaridade materna totalizaram 18,4% (Tabela 2.2.1). Há que se ressaltar as percentagens mais elevadas de alunos de escolas privadas cujas mães tinham ensino médio completo ou superior completo. As diferenças são ainda marcantes quando se observam as frequências de escolares da rede pública cujas mães sequer completaram o ensino fundamental. O Gráfico 3 explicita as desigualdades educacionais das mães dos estudantes do 9º ano do ensino funamental, conforme a dependência administrativa da escola. Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012. Seminstrução Nãosoubeinformar Ensinofundamentalou 1ºgrauincompleto Ensinofundamental ou1ºgraucompleto Ensinomédioou2º grauincompleto Ensinomédioou2º graucompleto Ensinosuperior incompleto Ensinosuperior completo Gráfico 3 - Percentual de escolares frequentando o 9º ano do ensino fundamental, por dependência administrativa da escola, segundo o nível de instrução da mãe Brasil - 2012 0,9 9,1 4,9 6,2 25,2 10,2 28,7 14,8 9,7 29,9 8,4 7,0 17,8 3,2 4,8 19,2 Privada Pública %

×