Descoberta, inovação,
criatividade, originalidade

                 Adriana Schein e Joni Hoppen dos Santos
DESCOBERTA

Aurélio – [Fem. substantivado do adj. Descoberto] S. f. 1. Aquilo que se
descobriu ou encontrou por acaso ou m...
INOVAÇÃO

Aurélio – [Do lat. innovatione.] S. f. 1. Ato ou efeito de inovar. 2. P. ext.
Novidade (2).
           inovar. [...
CRIATIVIDADE

Aurélio – S. f. 1. Qualidade de criativo. 2. Capacidade criadora; engenho,
inventividade.
__________________...
ORIGINALIDADE

Aurélio – S. f. 1. Qualidade de original.
          original. [Do lat. originale.] Adj. 2. g. 1. Relativo a...
LAVA-ROUPAS
LAVA-ROUPAS 2
ORIGINALIDADE

   é atributo da




 CRIATIVIDADE

                     que possibilita



            DESCOBERTA
        ...
CRIATIVIDADE E ORIGINALIDADE


Para Alencar (2000), a originalidade está presente em respostas incomuns,
infreqüentes, rar...
CRIATIVIDADE E DESCOBERTA


A descoberta pode ser decorrente dos três níveis de criatividade
propostos por Taylor (apud AL...
CRIATIVIDADE E DESCOBERTA


De acordo com Rodari (1982), uma mente criativa é aquela “que trabalha,
que sempre faz pergunt...
AS INVENÇÕES DE
 DEAN KAMEN
AFINAL, QUAL A DIFERENÇA ENTRE
   CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO?
CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO


Para Alencar (1996), criatividade e inovação são domínios muito próximos.

Ambos os conceitos es...
CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO



TRÊS ESTÁGIOS BÁSICOS DO PROCESSO DE INOVAÇÃO
(ROGERS, 1983, apud DICIONÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, ...
CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO


     A INOVAÇÃO É UM FENÔMENO
      SOCIAL OU EMPRESARIAL?
CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO


Ocorrência da inovação nos três sistemas básicos de uma organização
(ALENCAR, 2000):

SOCIAL
Mud...
CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO


TIPOS DE INOVAÇÃO (ALENCAR, 1995):

Inovações técnicas - ocorrem nos sistemas técnicos de uma or...
CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO


TIPOS DE INOVAÇÃO (ALENCAR, 1995):

Inovação de rotina - introdução de algo similar, já em práti...
CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO


FATORES DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL
(DICIONÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, 2003):

   Motivação;

   Recur...
CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO


FATORES DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL
(DICIONÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, 2003):

   Grupos de trabalho c...
A PARTIR DO QUE VIMOS ATÉ AQUI,
        É POSSÍVEL UMA
 ONTOLOGIA DA CRIATIVIDADE?
O QUE É ONTOLOGIA


Aurélio – [De ont(o)- + -log(o)- + -ia] S. f. Filos. Parte da filosofia que trata
do ser enquanto ser,...
POR UMA ONTOLOGIA DA CRIATIVIDADE


Uma ontologia para a criatividade, com validade para esta disciplina,
poderia ser cons...
MAPEAMENTO INICIAL PARA
UMA ONTOLOGIA DA CRIATIVIDADE


             HEMISFÉRIOS CEREBRAIS

             SISTEMAS ADAPTATI...
HEMISFÉRIOS CEREBRAIS


Existência de dois padrões de pensamento distintos – um deles capaz de
reestruturar conceitos, e o...
SISTEMAS ADAPTATIVOS COMPLEXOS


O processo de aprendizagem individual decorre de um rearranjo dos
padrões simbólicos ment...
SISTEMAS ADAPTATIVOS COMPLEXOS


O subsistema simbólico dominante forma as regras que conduzem a um
compromisso com a real...
ESPAÇO CRIATIVO


Para a Ciência da Complexidade, a zona de operação da mente humana
em que se consegue sustentar a tensão...
PROCESSO INTERGERATIVO


AUTOPOIESE E HETEROPOIESE

A criatividade é ao mesmo tempo, heteropoiese e autopoiese.

Isso sign...
TIPOS DE PENSAMENTO

DE BONO (apud PAROLIN)

Pensamento vertical
contínuo e orientado para desenvolver as idéias geradas.
...
TIPOS DE PENSAMENTO

DE BONO (apud PAROLIN)

Pensamento lateral
descontínuo e destinado à geração de idéias.
    - Modo es...
TIPOS DE PENSAMENTO

GUILFORD
(KNELLER, 1973, apud PELAES)

Categorias da capacidade de pensamento da mente humana:

Cogni...
TIPOS DE PENSAMENTO


Nas categorias produtivas, são identificadas duas espécies de
pensamentos: o convergente e o diverge...
PRÓXIMOS PASSOS PARA UMA
ONTOLOGIA DA CRIATIVIDADE...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ALENCAR, Eunice M. L. Soriano de. A gerência da criatividade.
São Paulo: Makron Books, 1996.
...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


CARVALHO, Bruno. Criatividade e o papel dos hemisférios
cerebrais . Disponível em
http://www....
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


FIALHO, F. A. P. ; SILVEIRA, Ermelinda Ganen da ; COELHO,
Christianne Coelho de Souza Reinisc...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


PAROLIN, S. R. H. A criatividade nas organizações: um estudo
comparativo das abordagens socio...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


RODARI, Gianni. Gramática da fantasia. 3. ed. São Paulo:
Summus, 1982.
ARTE:
CRIATIVIDADE? TALENTO?
 HABILIDADE? TÉCNICA?
OBRIGADO!
Seminario Descoberta Inovacao Criatividade Originalidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Seminario Descoberta Inovacao Criatividade Originalidade

7,309

Published on

0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
7,309
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
321
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Seminario Descoberta Inovacao Criatividade Originalidade

  1. 1. Descoberta, inovação, criatividade, originalidade Adriana Schein e Joni Hoppen dos Santos
  2. 2. DESCOBERTA Aurélio – [Fem. substantivado do adj. Descoberto] S. f. 1. Aquilo que se descobriu ou encontrou por acaso ou mediante busca, pesquisa, observação, dedução ou invenção. 2. Restr. Terra que se descobriu ou se encontrou pela primeira vez. 3. Achado, invenção, inovação. 4. Solução conveniente, bem arquitetada; achado. [Sin. ger.: descobrimento.] ____________________________________________________________ “Descoberta é a geração da idéia nova na mente de um indivíduo.” (SCHAFFER) “Uma descoberta é o encontro entre um sujeito e um objeto, até então desconhecido para ele, mas que existia tal como é antes desse encontro...” (PIAGET)
  3. 3. INOVAÇÃO Aurélio – [Do lat. innovatione.] S. f. 1. Ato ou efeito de inovar. 2. P. ext. Novidade (2). inovar. [Do lat. innovare.] V. t. d. 1. Tornar novo; renovar. 2. Introduzir novidade em. novidade. [Do lat. novitate.] S. f. 2. Aquilo que é novo; coisa nova; inovação. ____________________________________________________________ “Introdução intencional, dentro de um grupo ou organização, de idéias, processos, produtos ou procedimentos novos para a unidade, relevante de adoção e que visa gerar benefícios para o indivíduo, grupo, organização ou sociedade maior.” (WEST e FARR, apud ALENCAR, 1995)
  4. 4. CRIATIVIDADE Aurélio – S. f. 1. Qualidade de criativo. 2. Capacidade criadora; engenho, inventividade. ____________________________________________________________ A criatividade é a habilidade de divergir os pensamentos, idéias ou conceitos para solucionar um determinado problema. (FAGERBERG, MOWERY, NELSON, 2005)
  5. 5. ORIGINALIDADE Aurélio – S. f. 1. Qualidade de original. original. [Do lat. originale.] Adj. 2. g. 1. Relativo a origem. 2. Que provém de origem; inicial, primordial, primitivo, originário. 3. Que não ocorreu nem existiu antes; inédito, novo. 4. Que foi feito pela primeira vez, em primeiro lugar, sem ser copiado de nenhum modelo. 5. Que tem caráter próprio; que não procura imitar nem seguir ninguém; novo. 6. Que por seus caracteres peculiares, singulares, chega ao ponto de tornar-se bizarro, extravagante. ____________________________________________________________ Segundo Alencar (2000), originalidade é atributo do processo criativo. Para Guilford (NOVAES, 1977, apud PELAES), originalidade é uma das características dos indivíduos criadores.
  6. 6. LAVA-ROUPAS
  7. 7. LAVA-ROUPAS 2
  8. 8. ORIGINALIDADE é atributo da CRIATIVIDADE que possibilita DESCOBERTA INOVAÇÃO
  9. 9. CRIATIVIDADE E ORIGINALIDADE Para Alencar (2000), a originalidade está presente em respostas incomuns, infreqüentes, raras, diferentes daquelas apresentadas pela maior parte das pessoas. Guilford (NOVAES, 1977, apud PELAES) afirma que criatividade diz respeito às habilidades, que são características dos indivíduos criadores, como: Fluência Flexibilidade Originalidade Pensamento divergente
  10. 10. CRIATIVIDADE E DESCOBERTA A descoberta pode ser decorrente dos três níveis de criatividade propostos por Taylor (apud ALENCAR, 1995): Expressiva, que se apresenta, por exemplo, nos desenhos espontâneos da criança; Produtiva, presente na produção de cientistas e artistas; Inventiva, que caracterizaria uma produção marcada pela engenhosidade na manipulação de métodos, técnicas e materiais, como ocorre, por exemplo, em uma nova patente.
  11. 11. CRIATIVIDADE E DESCOBERTA De acordo com Rodari (1982), uma mente criativa é aquela “que trabalha, que sempre faz perguntas, que descobre problemas onde os outros encontram respostas satisfatórias, que é capaz de juízos autônomos e independentes, que recusa o codificado, que remanuseia objetos e conceitos sem se deixar inibir pelo conformismo.” “Cada descoberta criativa requer uma interseção do infantil e do maduro; o espírito específico moderno deste século [Séc. XX] foi a incorporação da sensibilidade da criança pequena.” (GARDNER, 1996, apud PAROLIN, 2003)
  12. 12. AS INVENÇÕES DE DEAN KAMEN
  13. 13. AFINAL, QUAL A DIFERENÇA ENTRE CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO?
  14. 14. CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO Para Alencar (1996), criatividade e inovação são domínios muito próximos. Ambos os conceitos estão intimamente relacionados e têm sido usados, às vezes, como sinônimos. A criatividade, entretanto, pode ser considerada como o componente conceitual da inovação, ao passo que a inovação englobaria a concretização e aplicação das novas idéias. Por essa razão, o termo inovação tem sido mais utilizado no nível das organizações e o termo criatividade no nível do indivíduo ou grupos de indivíduos.
  15. 15. CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO TRÊS ESTÁGIOS BÁSICOS DO PROCESSO DE INOVAÇÃO (ROGERS, 1983, apud DICIONÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, 2003): Invenção de uma idéia original; Seu desenvolvimento; A implementação.
  16. 16. CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO A INOVAÇÃO É UM FENÔMENO SOCIAL OU EMPRESARIAL?
  17. 17. CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO Ocorrência da inovação nos três sistemas básicos de uma organização (ALENCAR, 2000): SOCIAL Mudanças nos valores e normas da cultura organizacional para alterar padrões de comportamento administrativo e das percepções individuais. TÉCNICO Implementação de nova divisão de trabalho, com processos técnicos mais atuais. GERENCIAL Alteração de métodos, regras e estilos de formulação das diretrizes administrativas.
  18. 18. CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO TIPOS DE INOVAÇÃO (ALENCAR, 1995): Inovações técnicas - ocorrem nos sistemas técnicos de uma organização, estando diretamente relacionadas às atividades primárias de trabalho da organização; Inovação administrativa - ocorre no sistema social da organização; Outros dois tipos...
  19. 19. CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO TIPOS DE INOVAÇÃO (ALENCAR, 1995): Inovação de rotina - introdução de algo similar, já em prática na organização, embora suas especificidades fossem novas para a organização; Inovação radical - algo muito diferente do que a organização está habituada a fazer, exigindo grandes mudanças neste contexto.
  20. 20. CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO FATORES DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (DICIONÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, 2003): Motivação; Recursos para inovação; Comunicações freqüentes por meio das linhas departamentais, entre pessoas com pontos de vista diferentes; Incerteza ambiental moderada e mecanismos para focalizar a atenção em condições mutantes; e mais...
  21. 21. CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO FATORES DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (DICIONÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, 2003): Grupos de trabalho coesos, com mecanismos abertos de resolução de conflitos, que integrem personalidades criativas ao fluxo principal; Estruturas que forneçam acesso a modelos de papéis de inovação e a mentores; Rotatividade de pessoal moderadamente baixa; e contratos psicológicos que legitimem e solicitem comportamentos inovadores espontâneos.
  22. 22. A PARTIR DO QUE VIMOS ATÉ AQUI, É POSSÍVEL UMA ONTOLOGIA DA CRIATIVIDADE?
  23. 23. O QUE É ONTOLOGIA Aurélio – [De ont(o)- + -log(o)- + -ia] S. f. Filos. Parte da filosofia que trata do ser enquanto ser, i.e., do ser concebido como tendo uma natureza comum que é inerente a todos e cada um dos seres. [Cf, metafísica.] metafísica. [Do gr. metà tà physikà, ‘depois dos tratados da física.] S. f. 1. Filos. Parte da Filosofia, que com ela muitas vezes se confunde, e que, em perspectivas e com finalidades diversas, apresenta as seguintes características gerais, ou algumas delas: é um corpo de conhecimentos racionais [...] em que se procura determinar as regras fundamentais do pensamento (aquelas de que devem decorrer o conjunto de princípios de qualquer outra ciência, e a certeza e evidência que neles reconhecemos), e que nos dá a chave do conhecimento do real, tal como este verdadeiramente é (em oposição à aparência). [Cf. ontologia.]
  24. 24. POR UMA ONTOLOGIA DA CRIATIVIDADE Uma ontologia para a criatividade, com validade para esta disciplina, poderia ser construída através do entendimento de onde, como e quando a criatividade está presente no pensamento humano e, conseqüentemente, reflete-se nas ações do indivíduo. Com auxílio dos 14 seminários apresentados neste trimestre, acreditamos ser possível consolidar o significado de criatividade e suas implicações através de um construto aplicável a diversas áreas do conhecimento, como Psicologia, Filosofia, Ciências Cognitivas, Gestão, Pedagogia etc.
  25. 25. MAPEAMENTO INICIAL PARA UMA ONTOLOGIA DA CRIATIVIDADE HEMISFÉRIOS CEREBRAIS SISTEMAS ADAPTATIVOS COMPLEXOS ESPAÇO CRIATIVO PROCESSO INTERGERATIVO TIPOS DE PENSAMENTO
  26. 26. HEMISFÉRIOS CEREBRAIS Existência de dois padrões de pensamento distintos – um deles capaz de reestruturar conceitos, e ou outro, de avaliá-los. Segundo autores como Torrance (1965, apud CARVALHO), tais pensamentos ocorreriam em partes distintas do cérebro: o primeiro no hemisfério direito, e o segundo, no esquerdo. Nas palavras de Alencar (1993, apud CARVALHO), “o que tem sido proposto é que cada hemisfério cerebral teria sua especialidade: o esquerdo seria mais eficiente nos processos de pensamento descrito como verbais, lógicos e analíticos, enquanto o hemisfério direito seria especializado em padrões de pensamento que enfatizam percepção, síntese e o rearranjo geral de idéias.”
  27. 27. SISTEMAS ADAPTATIVOS COMPLEXOS O processo de aprendizagem individual decorre de um rearranjo dos padrões simbólicos mentais (STACEY, 1996, apud FIALHO, SILVEIRA, COELHO, 2005). Esses padrões mentais interagem de duas formas: - Rede simbólica dominante - Rede simbólica recessiva
  28. 28. SISTEMAS ADAPTATIVOS COMPLEXOS O subsistema simbólico dominante forma as regras que conduzem a um compromisso com a realidade externa. As regras são expressas como rotinas, hábitos, procedimentos, comportamentos rituais, etc. Para que a inovação ocorra se faz necessária uma substituição de partes do sistema simbólico dominante, em um processo de destruição e criação, gerando tensão entre os dois subsistemas simbólicos (STACEY, 1996, apud FIALHO, SILVEIRA, COELHO, 2005). Já a rede simbólica recessiva forma as regras que governam o lúdico, o mundo interno. Esse subsistema é formado por especulações, imagens, sonhos, analogias, metáforas, fantasias, enfim, qualquer representação interna dos objetos externos. O aprendizado é do tipo double-loop, quando novos esquemas são construídos pela combinação de esquemas existentes. É a partir desse tipo de aprendizagem que ocorre a criatividade.
  29. 29. ESPAÇO CRIATIVO Para a Ciência da Complexidade, a zona de operação da mente humana em que se consegue sustentar a tensão dos opostos, a ambigüidade e o paradoxo é chamada de espaço criativo. No espaço criativo ocorre o lúdico, a habilidade de utilizar símbolos e analogias, a construção de metáforas. Há um processo de realimentação entre a fantasia interna e a realidade externa. É uma zona onde se sustenta a tensão dos opostos (STACEY, 1996, apud FIALHO, SILVEIRA, COELHO, 2005).
  30. 30. PROCESSO INTERGERATIVO AUTOPOIESE E HETEROPOIESE A criatividade é ao mesmo tempo, heteropoiese e autopoiese. Isso significa que adquiro materiais dos outros (heteropoiese), mas os reelaboro dentro da minha mente até chegar a uma visão nova (autopoiese) (DE MASI).
  31. 31. TIPOS DE PENSAMENTO DE BONO (apud PAROLIN) Pensamento vertical contínuo e orientado para desenvolver as idéias geradas. - Modo óbvio de encarar as situações e necessita de uma estrutura conceitual básica aceita; - Direciona o pensamento de acordo com o processo convencional de resolver problemas, - Obtendo alta probabilidade de acertos; - Lógica assume o controle da mente; - Idéias dominantes, adequadas e polarizantes; - Classifica as coisas para controlar a imprecisão; - Contexto rigidamente definido (estar certo a cada passo).
  32. 32. TIPOS DE PENSAMENTO DE BONO (apud PAROLIN) Pensamento lateral descontínuo e destinado à geração de idéias. - Modo específico de pensar, estimulado pela atitude e pelo hábito mental (pensamento criativo); - Estimula a flexibilidade da mente para modos alternativos de resolver problemas, com baixa probabilidade de acertos se comparado ao convencional; - Lógica está a serviço da mente; - Idéias novas, promovidas pelo aguçamento da percepção e dos sentidos; - Fluidez dinâmica que se alimenta do potencial ilimitado do caos; - Exige talento e originalidade.
  33. 33. TIPOS DE PENSAMENTO GUILFORD (KNELLER, 1973, apud PELAES) Categorias da capacidade de pensamento da mente humana: Cognitivas reconhecimento de informações Produtivas uso de informações Avaliativas julgamento daquilo que é reconhecido ou produzido em função da adequação às exigências.
  34. 34. TIPOS DE PENSAMENTO Nas categorias produtivas, são identificadas duas espécies de pensamentos: o convergente e o divergente. O pensamento convergente é apresentado como aquele utilizado quando quot;implica uma única solução corretaquot; para o problema e o pensamento divergente, como aquele capaz de produzir quot;uma gama de soluções apropriadasquot;. O pensamento divergente seria responsável pelas soluções, quot;onde o problema está por ser descoberto e onde, ainda, não existe meio conhecido de resolvê-loquot;. Tal pensamento estaria associado ao levantamento de hipóteses, buscando mais de uma solução para os problemas, isto é, quot;quantas soluções diferentes podemos imaginar para o problemaquot;.
  35. 35. PRÓXIMOS PASSOS PARA UMA ONTOLOGIA DA CRIATIVIDADE...
  36. 36. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALENCAR, Eunice M. L. Soriano de. A gerência da criatividade. São Paulo: Makron Books, 1996. __________ Criatividade. 2ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1995. __________ O processo da criatividade. São Paulo: Makron, 2000. BATTRO, Antonio M. Dicionário terminológico de Jean Piaget. São Paulo: Pioneira, 1978. BODEN, Margaret A. (Org.) Dimensões da criatividade. Porto Alegre: ArtMed, 1999.
  37. 37. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARVALHO, Bruno. Criatividade e o papel dos hemisférios cerebrais . Disponível em http://www.criativ.pro.br/criatividade/contemporas-mainmenu-40/3- abordagens-contemporas/11-criatividade-e-o-papel-dos-hemisfos- cerebrais.html . Acessado em 1º de maio de 2008. COOPER, Cary L.; ARGYRIS, Chris. Dicionário enciclopédico de administração. São Paulo: Atlas, 2003. FAGERBERG, Jan; MOWERY, David C.; NELSON, Richard R. The Oxford Handbook of Innovation. London: Oxford University Press, 2005. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Aurélio século XXI: o dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, c1999. (4. impr.)
  38. 38. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FIALHO, F. A. P. ; SILVEIRA, Ermelinda Ganen da ; COELHO, Christianne Coelho de Souza Reinisch . Criatividade e complexidade - Reflexões sob a ótica da psicologia profunda. In: I EBEC - Encontro Brasileiro de Estudos sobre a Complexidade, 2005, Curitiba. I EBEC. Curitiba : PUCPR, 2005. v. 1. Disponível em http://www.ijba.com.br/arquivos/criatividade_e_complexidade.pdf . Acessado em 1º de maio de 2008. PALIERI, Maria Serena. Entrevista com Domenico De Masi sobre o livro Ócio Criativo. Disponível em http://www.buscalegis.ufsc.br/arquivos/Domenico_De_Masi_Ocio_ Criativo.htm . Acessado em 21 de abril de 2008.
  39. 39. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PAROLIN, S. R. H. A criatividade nas organizações: um estudo comparativo das abordagens sociointeracionistas de apoio à gestão empresarial. Caderno de Pesquisas em Administração (USP), v. 10, n. nº 01, p. 3-18, 2003. Disponível em http://www.ead.fea.usp.br/cad-pesq/arquivos/v10n1art2.pdf . Acessado em 21 de abril de 2008. PELAES, Maria Helena. Uma reflexão sobre o conceito de criatividade e o ensino da arte no ambiente escolar. Disponível em http://www.clicklivro.com.br/content/view/3254/29/#_ftn1 . Acessado em 19 de abril de 2008. PERASSI, Richard L. S. A estética e o conhecimento para além do sujeito. Florianópolis: UFSC, 2007 (reprografia).
  40. 40. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS RODARI, Gianni. Gramática da fantasia. 3. ed. São Paulo: Summus, 1982.
  41. 41. ARTE: CRIATIVIDADE? TALENTO? HABILIDADE? TÉCNICA?
  42. 42. OBRIGADO!
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×