Your SlideShare is downloading. ×
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Ler 1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
204
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br ABAIXO, ITENS DA NORMA NR 17 E SEU ANEXO I COMENTADOS PELA CMQV. Port. SIT/DSST 8/07 - Portaria SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO/DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO nº 8 de 30.03.2007 / D.O.U.: 02.04.2007 Aprova o Anexo I da NR-17 - Trabalho dos Operadores de Checkout. A SECRETÁRIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 200 da Consolidação das Leis do Trabalho e no artigo 2º da Portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978 e Considerando a proposta de regulamentação apresentada pelo Grupo de Trabalho Tripartite do Anexo I da NR-17, aprovada pela Comissão Tripartite Paritária Permanente - CTPP, de acordo com o disposto na Portaria nº 1.127, de 02 de outubro de 2003, resolvem: Art. 1º Aprovar o Anexo I da Norma Regulamentadora nº 17 - Trabalho dos Operadores de Checkout, nos termos do Anexo desta Portaria. Art. 2º Os prazos estabelecidos nesta Portaria não implicam a dispensa da obrigação de cumprir as demais normas regulamentadoras de segurança e saúde no trabalho. Art. 3º O disposto no anexo da Norma Regulamentadora obriga todos os empregadores, inclusive os constituídos sob a forma de microempresa ou empresa de pequeno porte. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor da data de sua publicação. RUTH BEATRIZ VASCONCELOS VILELA Secretária de Inspeção do Trabalho RINALDO MARINHO COSTA LIMA Diretor do Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho COMENTÁRIOS: Portanto é LEI Federal, pois as Normas, NR, são LEIS! ANEXO ANEXO I DA NR-17 - TRABALHO DOS OPERADORES DE CHECKOUT
  • 2. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br 1. Objetivo e campo de aplicação 1.1. Esta Norma objetiva estabelecer parâmetros e diretrizes mínimas para adequação das condições de trabalho dos operadores de checkout, visando à prevenção dos problemas de saúde e segurança relacionados ao trabalho. 1.2. Esta Norma aplica-se aos empregadores que desenvolvam atividade comercial utilizando sistema de auto-serviço e checkout, como supermercados, hipermercados e comércio atacadista. 2. O posto de trabalho 2.1. Em relação ao mobiliário do checkout e às suas dimensões, incluindo distâncias e alturas, no posto de trabalho deve-se: a) atender às características antropométricas de 90% dos trabalhadores, respeitando os alcances dos membros e da visão, ou seja, compatibilizando as áreas de visão com a manipulação; COMENTÁRIOS: Características antropométricas significa, a grosso modo, atentar para as medidas das pessoas que vão, a trabalhar, desde a sua altura, peso, comprimento dos braços e suas pernas. O objetivo é fazer com que o trabalhador não exerça suas funções com riscos de má postura, risco de tensões nos membros pelo fato de suas medidas obrigarem a esticar demasiadamente o braço, o pescoço, por exemplo. Os campos de visão no monitor, o leitor de código de barras, as esteiras, devem estar no seu campo de ação ótimo. Vide figuras clássicas abaixo. b) assegurar a postura para o trabalho na posição sentada e em pé, e as posições confortáveis dos membros superiores e inferiores, nessas duas situações; COMENTÁRIOS: A alternância de posturas é altamente salutar. O trabalho sentado, por longos períodos, traz fadiga, excesso de consumo de energia e riscos para a estrutura músculo esquelética. Assim, oferecer ao caixa a possibilidade dele mesmo, escolher seu trabalho, hora sentado, hora em pé, é muito bom.
  • 3. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br Na posição em pé, caso o lay out permita, a inclusão, não obrigatória pela Norma de um apoio de pé para que haja alternância da posição dos pés (pernas) é muito interessante. c) respeitar os ângulos limites e trajetórias naturais dos movimentos, durante a execução das tarefas, evitando a flexão e a torção do tronco; COMENTÁRIOS: Deve-se evitar movimentos que estiquem e flexione os membros superiores como os braços e ombros.
  • 4. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br d) garantir um espaço adequado para livre movimentação do operador e colocação da cadeira, a fim de permitir a alternância do trabalho na posição em pé com o trabalho na posição sentada; COMENTÁRIOS: O espaço para trabalhar dever ser suficientemente grande para que o operador possa usar a cadeira ou ficar de pé à sua vontade e sempre que desejar. e) manter uma cadeira de trabalho com assento e encosto para apoio lombar, com estofamento de densidade adequada, ajustáveis à estatura do trabalhador e à natureza da tarefa; COMENTÁRIOS: Uma cadeira com espuma e coberta com tecido que pode ser o Courvin de PVC ou tecido 100 % poliéster, com assento e encosto separados. O assento e encosto devem ter regulagem de altura. Dois modelos básicos de altura dos assentos: checkouts mais baixos ou mais altos, respectivamente para alturas 54 a
  • 5. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br 74 cm e de 70 a 110 cm, em relação ao solo. Conseqüentemente com dois modelos diferentes em termos de altura das cadeiras e altura para os apoios de pés. A cadeira deve ter espuma com densidade de no mínimo 40 kg/m3 e de acordo com a NR 17, ou seja: Apoio em 05 (cinco) pés, com rodízios cuja resistência evite deslocamentos involuntários e que não comprometam a estabilidade do assento, para os postos de trabalho mais baixos, cerca de; COMENTÁRIOS: Por incrível que pareça, há ainda cadeiras com três ou quatro patas ou pernas. Devem ter no mínimo cinco. As bases podem ser de vários tamanhos e diâmetros e de vários materiais. A norma de tele marketing não menciona o diâmetro nem o material. Mas determina que os rodízios evitem deslocamentos involuntários e que não comprometam a estabilidade do assento. Este particular se refere à manutenção, pois é comum se deparar com cadeiras manquitolando por aí, com rodízios quebrados. Os rodízios de plástico comum se quebram facilmente. As cadeiras DEVEM ter, todas, 5 patas, equipadas e rodízios de alto desempenho e que estão em conformidade com a norma. Os modelos com bases injetadas em Nylon com fibra de vidro com formato levemente curvo com ótimo acabamento e diâmetro 56 cm são muito boas. Bases de aço e diâmetro menores também recomendadas.
  • 6. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br As cadeiras da Mundo ergonomia alem de terem, todas, 5 patas, são equipadas e rodízios de alto desempenho e que estão em conformidade com a norma. Os modelos Golden Flex possuem bases injetadas em Nylon com fibra de vidro com formato levemente curvo com ótimo acabamento e diâmetro 56 cm. 2. Superfícies onde ocorre contato corporal estofadas e revestidas de material que permita a perspiração e conforto; COMENTÁRIOS: Os tecidos de revestimento das cadeiras devem ser do tipo tramado, isto é tecido ou cobertos de PVC. Podem ser de trama mais grossa ou mais fina. Quanto maior a densidade do tecido trama mais fina, mais pesado, mais resistente e maior custo. Revestimentos de PVC tipo semilicouro, Courvin ou Courino. Deve-se preferir que estes revestimentos não tenham emendas e ou costuras, pois as mesmas são pontos de fragilidade e concentração de bactérias e fungos. Dois modelos básicos de tecido: J. Serrano mais econômico ou VIP com opções de panamá ou crepe, todos em varias cores lisas ou fantasia. Todas as cadeiras Golden Flex atendem estas opções, com dois modelos de tecido: J. Serrano mais econômico ou VIP com opções de panamá ou crepe, todos em varias cores lisas ou fantasia. PVC tipo Courvin deve ter no mínimo 1,2 mm de espessura de PVC para maior resistência e sem costura também. Corrugado é mais resistente. O liso é também aceitável. A base estofada deve ter material de densidade entre 40 (quarenta) a 50 (cinqüenta) kg/m3;
  • 7. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br COMENTÁRIO: Espumas com densidade mínima 40 kg/m3, devem ser injetadas na forma final e ter altíssima resiliência. É interessante ressaltar que a maioria das cadeiras econômicas e até algumas ditas de qualidade possuem densidade baixa. Um dos custos principais de uma cadeira é sua espuma de poliuretano. Menor densidade, menor peso e o PU tem seu custo por peso. Deve-se exigir que as espumas sejam injetadas (pois se pode adquirir um bloco de espuma e cortá- lo) na forma final. Uma alta resiliência não exigida pela norma é fundamental, pois resiliência é a capacidade da espuma voltar ao seu estado natural após deflexão. Todos as espumas fornecidas pela Mundo Ergonomia possuem densidade mínima 45 kg/m3, são injetadas na forma final e tem altíssima resiliência. Altura da superfície superior ajustável, em relação ao piso; CHECK OUTS MAIS BAIXOS: Primeira Opção: Giratória, Sem braços com pés fixos altos Base D= 56 cm Nylon curva: H Max 59,0 cm H Min 46,0 cm Pistão normal 220 curso 13 cm Base 52 cm aço reta: H Max 57,0 cm H Min 44,0 cm
  • 8. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br ou Apoio de pés, Todo em aço, 8 alturas, plataforma móvel 40 cm x 30 cm Fosfatizado e Pintura automotiva Alturas em relação ao piso: Máxima 20 cm e Mínima 7 cm. Demais alturas intermediárias. Segunda Opção: Giratória, Sem braços com pés fixos baixos Base D= 56 cm Nylon curva: H Max 54,0 H Min 41,0 Pistão normal 220 curso 13 cm Base D= 52 cm aço reta: H Max 52,0 cm H Min 39,0 cm Apoio de pés, Todo em aço, 8 alturas, plataforma móvel 40 cm x 30 cm Fosfatizado e Pintura automotiva Alturas em relação ao piso: Máxima 20 cm e Mínima 7 cm. Demais alturas intermediárias. Terceira Opção: Giratória, alta, tipo caixa, Sem Braços com pistão curso 13 cm sem aro, com pés fixos altos Base D= 56 cm Nylon curva: H Max 80 cm H Min 67 cm Pistão 220 + P Base D= 52 cm aço reta: H Max 78,0 cm M Min 65,0 cm
  • 9. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br Apoio de pés todo em aço, 16 alturas. Plataforma 40 cm x 30 cm fixa com inclinação de 15 °. Altura da plataforma em relação ao piso: Máxima 41 cm Mínima 9,5 cm, Demais intermediárias Quarta Opção: Giratória, alta, tipo caixa, Sem Braços com pistão curso 13 cm sem aro sem aro com pés fixos mais baixos Base D= Nylon 56 cm curva: H Max 75 cm H Min 62 cm Pistão 220 + P Base D= 52 cm aço reta: H Max 73,0 cm H Min 60,0 cm Apoio de pés todo em aço, 16 alturas. Plataforma 40 cm x 30 cm fixa com inclinação de 15 °. Altura da plataforma em relação ao piso: Máxima 41 cm Mínima 9,5 cm, Demais intermediárias Quinta Opção : Giratória, alta, tipo caixa, Sem Braços, com pistão curso maior 25 cm com pés fixos baixos Base D= 56 cm Nylon curva H Max 82 cm H Min 57 cm Pistão gigante Base D= 52 cm reta aço: H Max 80 cm H Min 55 cm Apoio de pés, Todo em aço, 8 alturas, plataforma móvel 40 cm x 30 cm
  • 10. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br Fosfatizado e Pintura automotiva Alturas em relação ao piso: Máxima 20 cm e Mínima 7 cm. Demais alturas intermediárias. OU Apoio de pés todo em aço, 16 alturas. Plataforma 40 cm x 30 cm fixa com inclinação de 15 °. Altura da plataforma em relação ao piso: Máxima 41 cm Mínima 9,5 cm, Demais intermediárias Profundidade útil recomendada: Quatro modelos fabricados pela Mundo Ergonomia preenchem também este quesito: Assento: Profundidade 39 cm para modelo Econômico (H 20) Golden Flex Assento: Profundidade 43 cm para modelo Secretária (H0 23) Golden Flex Assento: Profundidade 43 cm para modelo Executiva (H0 21) Golden Flex A borda frontal deve ser arredondada:
  • 11. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br COMENTÁRIO: As bordas das cadeiras alem de não terem costura ou emenda, devem ter um raio da borda grande a fim de diminuir ou evitar concentração de tensões sob as coxas prejudicando a circulação sanguínea causando riscos diversos como varizes, edemas, fadiga. O ideal são raios maiores do que 8 cm. Todos os quatro modelos oferecidos pela Mundo Ergonomia excedem neste particular com raios maiores do que 8 cm. Características de pouca ou nenhuma conformação na base; COMENTÁRIO: Com densidade e resiliência controladas fatores fundamentais para que as nádegas sejam abraçadas pela espuma evitando tensões, não há necessidade de qualquer conformação. Desta maneira, atende-se uma gama muito grande de medidas antropométricas dos operadores.
  • 12. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br Encosto recomendado: ajustável em altura e em sentido ântero- posterior, com forma levemente adaptada ao corpo para proteção da região lombar; COMENTÁRIO: O encosto deve ter uma regulagem da profundidade o que é possível através de uma roseta rosqueável. Da mesma forma, a altura do encosto é regulável por outra roseta. Estas disposições são fundamentais para que a região lombar fique comprimida em relação aos pés. Ao se regular estas alturas, estaremos possibilitando este contato da lombar. Alem destas regulagens, suas medidas de largura e profundidade são determinadas pela norma. Os encostos dos quatro modelos disponibilizados pela Mundo Ergonomia seguem as seguintes medidas: Modelos Golden Flex: Profundidade 28 cm; Largura 36, formato curvo mais reto para o modelo Econômico (H0 20). Profundidade 27 cm; Largura 39; formato curvo para o modelo Secretária (H0 23). Profundidade 36,50 cm; Largura 40; formato curvo COM PROTUBERANCIA LEVE LOMBAR, para o modelo Executiva (H 21).
  • 13. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br f) colocar apoio para os pés, independente da cadeira; COMENTÁRIOS: Ficam proibidos os antigos e anti ergonômicos AROS. Eles não devem ser presos à cadeira, mesmo que não sejam usados. g) adotar, em cada posto de trabalho, sistema com esteira eletro- mecânica para facilitar a movimentação de mercadorias nos checkouts com comprimento de 2,70 metros ou mais; COMENTÁRIOS: Colocar as esteiras. h) disponibilizar sistema de comunicação com pessoal de apoio e supervisão; COMENTARIOS: Luzes, intercomunicadores e afins a fim de que os trabalhadores de caixa possam chamar apoio com rapidez e sem gritarias. i) manter mobiliário sem quinas vivas ou rebarbas, devendo os elementos de fixação (pregos, rebites, parafusos) ser mantidos de forma a não causar acidentes. COMENTÁRIOS: As quinas vivas provocam tensões nos tecidos enquanto que os pregos e rebites provocam ferimentos. 2.2. Em relação ao equipamento e às ferramentas utilizadas pelos operadores de checkout para o cumprimento de seu trabalho, deve- se: a) Escolhê-los de modo a favorecer os movimentos e ações próprias da função, sem exigência acentuada de força, pressão, preensão, flexão, extensão ou torção dos segmentos corporais; b) Posicioná-los no posto de trabalho dentro dos limites de alcance manual e visual do operador, permitindo a movimentação dos membros superiores e inferiores e respeitando a natureza da tarefa; c) Garantir proteção contra acidentes de natureza mecânica ou elétrica nos checkouts, com base no que está previsto nas
  • 14. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br normas regulamentadoras do MTE ou em outras normas nacionais, tecnicamente reconhecidas; d) Mantê-los em condições adequadas de funcionamento. COMENTÁRIOS: De novo se pede a não se exceder na área de trabalho ótima como mostra a figura abaixo. Dispositivos como tesouras, canivetes, leitoras, devem ser protegidos contra acidentes e conforme o caso, caso sejam elétricos, protegidos contra choques elétricos. Veja o exemplo abaixo: A ilustração A mostra uma faca anti ergonômica enquanto a B, a mesma faca com muito mais conforto. 2.3. Em relação ao ambiente físico de trabalho e ao conjunto do posto de trabalho, deve-se: a) Manter as condições de iluminamento, ruído, conforto térmico, bem como a proteção contra outros fatores de risco químico e físico, de acordo com o previsto na NR-17 e outras normas regulamentadoras; b) Proteger os operadores de checkout contra correntes de ar, vento ou grandes variações climáticas, quando necessário; c) Utilizar superfícies opacas, que evitem reflexos incômodos no campo visual do trabalhador. COMENTÁRIOS: Os monitores CRT de vidro ou de LCD devem estar posicionados em pés que possam fazê-los girar, e se inclinarem na posição vertical a fim de proporcionar melhor conforto visual e diminuir o risco de fadiga visual. Estas inclinações podem ser necessárias para se evitar reflexos nos monitores CRT de vidro. Atenção às luminárias que devem evitar reflexos às telas dos monitores e aos olhos dos funcionários. Idem iluminação natural nas janelas. As luminárias devem preferencialmente ser de luz indireta, mas as luminárias com lâmpadas fluorescentes podem ser do tipo
  • 15. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br reticulado, muita usadas. Devem ser colocadas sempre aos pares e jamais uma lâmpada apenas, pois estas produzem intermitência. O ideal é 4 lâmpadas e ainda melhor, alternando a temperatura da cor, mixando as chamadas super brancas (temperatura da cor mais elevadas cerca de 6 000 graus K) com as mais amarelas, ou mais “rosadas” com temperaturas em torno de 4 000 graus. Os ambientes de trabalho devem atender ao disposto no subitem 17.5.2 da NR-17, obedecendo-se, no mínimo, aos seguintes parâmetros: Níveis de ruído de acordo com o estabelecido na NBR 10152, norma brasileira registrada no INMETRO, observando o nível de ruído aceitável para efeito de conforto de até 65 dB (A) e a curva de avaliação de ruído (NC) de valor não superior a 60 dB; b) índice de temperatura efetiva entre 20º e 23ºC; c) velocidade do ar não superior a 0,75 m/s; d) umidade relativa do ar não inferior a 40% (quarenta por cento). COMENTÁRIOS: O conforto no trabalho compreende vários fatores, dentre os quais os descritos acima. Caso não tenhamos um bom projeto de ventilação e ar condicionado, ou termos parâmetros abaixo ou acima dos níveis recomendados. Numa sala grande de Tele Atendimento, por exemplo, é comum observamos cantos do ambiente com pouca ventilação com comprometimento serio de oxigenação alem do fator temperaturas. O projeto destes itens deve ser feito por profissional habilitado e certificado. Sobre curva NC, abaixo sua definição: O método mais utilizado para avaliar o ruído em ambientes é a aplicação das curvas NC (Noise Criterion) criadas por Beranek em pesquisas a partir de 1952 (ver na bibliografia os vários trabalhos desse autor). Em 1989 o mesmo autor publicou as Curvas NCB (Balanced Noise Criterion Curves), com aplicação mais ampla. São várias curvas representadas em um plano cartesiano que apresenta no eixo das abscissas as bandas de freqüências e, no eixo das ordenadas, os níveis de ruído. Cada curva representa o limite de ruído para uma da atividade, tendo em vista o conforto acústico em função da comunicação humana. 2.4. Na concepção do posto de trabalho do operador de checkout deve-se prever a possibilidade de fazer adequações ou ajustes localizados, exceto nos equipamentos fixos, considerando o conforto dos operadores. COMENTÁRIOS: Desde que há clara manifestação de que os equipamentos fixos são exceção, as cadeiras e os apoio de pé devem ter regulagem de altura a fim de se adéqüem às pessoas
  • 16. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br que irão trabalhar no posto. 3. A manipulação de mercadorias 3.1. O empregador deve envidar esforços a fim de que a manipulação de mercadorias não acarrete o uso de força muscular excessiva por parte dos operadores de checkout, por meio da adoção de um ou mais dos seguintes itens, cuja escolha fica a critério da empresa: a) Negociação do tamanho e volume das embalagens de mercadorias com fornecedores; COMENTÁRIOS: Quanto maior a alavanca que o ante braço e braço exercer, maior o momento ou torque no coluna lombar. Ao esticar os braços, a relação é de cerca de 10:1. Por outro lado, a “pega” da mercadoria, sua forma podem afetar este particular. Os pacotes revestidos de polietileno que agregam garrafas e ou pacotes que possibilitem massa superior a 2 kg, devem ser evitados. UMA CARGA DE 50 KG PODE PROVACAR 500 KG DE MOMENTO NA COLUNA LOMBAR
  • 17. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br b) Uso de equipamentos e instrumentos de tecnologia adequada; COMENTÁRIO: Há tecnologia de leitura óptica por grandes ângulos que facilitam a sua leitura por baixo do produto, na altura na esteira. Por outro lado, o uso do leitor de barros portátil, desde que leve pode ser estudada. c) Formas alternativas de apresentação do código de barras da mercadoria ao leitor ótico, quando existente; d) Disponibilidade de pessoal auxiliar, quando necessário; COMENTÁRIOS: A tarefa de empacotamento deve ser feita por auxiliares quando o ritmo de trabalho for alto. e) Outras medidas que ajudem a reduzir a sobrecarga do operador na manipulação de mercadorias. COMENTARIOS: Um dos dispositivos que podem ser introduzidos é o cinto abdominal lombar FLEXÌVEL. Deve-se associar a estes, sempre o treinamento associado, a fim de que o mesmo seja o mai eficaz possível. Largamente usado nos EUA, proporciona uma redução no esforço lombar.
  • 18. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br 3.2. O empregador deve adotar mecanismos auxiliares sempre que, em função do grande volume ou excesso de peso das mercadorias, houver limitação para a execução manual das tarefas por parte dos operadores de checkout. COMENTÁRIOS: Vide acima 3.3. O empregador deve adotar medidas para evitar que a atividade de ensacamento de mercadorias se incorpore ao ciclo de trabalho ordinário e habitual dos operadores de checkout, tais como: a) Manter, no mínimo, um ensacador a cada três checkouts em funcionamento; b) Proporcionar condições que facilitem o ensacamento pelo cliente; c) Outras medidas que se destinem ao mesmo fim. 3.3.1. A escolha dentre as medidas relacionadas no item 3.3 é prerrogativa do empregador. COMENTÁRIOS: O auxílio é proporcional ao ritmo, ao peso de cada material. Tanto o operador como o ensacador e pessoal auxiliar devem ser treinados para manusear pesos de qualquer natureza, pois eles manuseiam materiais FORA do ambiente de trabalho e a acumulatividade é muito prejudicial. 3.4. A pesagem de mercadorias pelo operador de checkout só poderá ocorrer quando os seguintes requisitos forem atendidos simultaneamente: a) balança localizada frontalmente e próxima ao operador; b) balança nivelada com a superfície do checkout;
  • 19. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br c) continuidade entre as superfícies do checkout e da balança, admitindo-se até dois centímetros de descontinuidade em cada lado da balança; d) teclado para digitação localizado a uma distância máxima de 45 centímetros da borda interna do checkout; e) número máximo de oito dígitos para os códigos de mercadorias que sejam pesadas. COMENTÁRIOS: A norma acima é bastante clara e o cuidado é para se evitar torções no tronco e manuseio de cargas, mesmo pequenas, com alavancas proporcionadas pelo braço estendido e “alto” que podem provocar tensões e lesões importantes. Há no mercado balanças são combinadas com a leitora de código de barras. 3.5. Para o atendimento no checkout, de pessoas idosas, gestantes, portadoras de deficiências ou que apresentem algum tipo de incapacidade momentânea, a empresa deve disponibilizar pessoal auxiliar, sempre que o operador de caixa solicitar. COMENTÁRIOS: Observe o fim da do parágrafo: ... sempre que o operador de caixa solicitar... 4. A organização do trabalho 4.1. A disposição física e o número de checkouts em atividade (abertos) e de operadores devem ser compatíveis com o fluxo de clientes, de modo a adequar o ritmo de trabalho às características psicofisiológicas de cada operador, por meio da adoção de pelo menos um dos seguintes itens, cuja escolha fica a critério da empresa: a) Pessoas para apoio ou substituição, quando necessário; b) Filas únicas por grupos de checkouts; c) Caixas especiais (idosos, gestantes, deficientes, clientes com pequenas quantidades de mercadorias); d) Pausas durante a jornada de trabalho; e) Rodízio entre os operadores de checkouts com características diferentes; f) Outras medidas que ajudem a manter o movimento adequado de atendimento sem a sobrecarga do operador de checkout. COMENTARIOS: O objetivo é reduzir fadiga. A ginástica do gato pode proporcionar hidratação adequada e micro pausas recomendadas.
  • 20. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br
  • 21. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br
  • 22. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br 4.2. São garantidas saídas do posto de trabalho, mediante comunicação, a qualquer momento da jornada, para que os operadores atendam às suas necessidades fisiológicas, ressalvado o intervalo para refeição previsto na Consolidação das Leis do Trabalho. 4.3. É vedado promover, para efeitos de remuneração ou premiação de qualquer espécie, sistema de avaliação do desempenho com base no número de mercadorias ou compras por operador. 4.4. É atribuição do operador de checkout a verificação das mercadorias apresentadas, sendo-lhe vedada qualquer tarefa de segurança patrimonial. COMENTÁRIOS: Segurança Patrimonial, furtos, é com Segurança e não com os Operadores de Caixa. 5. Os aspectos psicossociais do trabalho 5.1. Todo trabalhador envolvido com o trabalho em checkout deve portar um dispositivo de identificação visível, com nome e/ou sobrenome, escolhido(s) pelo próprio trabalhador. 5.2. É vedado obrigar o trabalhador ao uso, permanente ou temporário, de vestimentas ou propagandas ou maquilagem temática, que causem constrangimento ou firam sua dignidade pessoal. 6. Informação e formação dos trabalhadores 6.1. Todos os trabalhadores envolvidos com o trabalho de operador de checkout devem receber treinamento, cujo objetivo é aumentar o conhecimento da relação entre o seu trabalho e a promoção à saúde. 6.2. O treinamento deve conter noções sobre prevenção e os fatores de risco para a saúde, decorrentes da modalidade de trabalho de operador de checkout, levando em consideração os aspectos relacionados a: a) posto de trabalho; b) manipulação de mercadorias; c) organização do trabalho; d) aspectos psicossociais do trabalho; e) agravos à saúde mais encontrados entre operadores de checkout. 6.2.1. Cada trabalhador deve receber treinamento com duração mínima de duas horas, até o trigésimo dia da data da sua admissão, com reciclagem anual e com duração mínima de duas horas, ministrados durante sua jornada de trabalho. 6.3. Os trabalhadores devem ser informados com antecedência sobre mudanças que venham a ocorrer no processo de trabalho. 6.4. O treinamento deve incluir, obrigatoriamente, a disponibilização de material didático com os tópicos mencionados no item 6.2 e alíneas. 6.5. A forma do treinamento (contínuo ou intermitente, presencial ou à distância, por palestras, cursos ou audiovisual) fica a critério de cada empresa. 6.6. A elaboração do conteúdo técnico e avaliação dos resultados
  • 23. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br do treinamento devem contar com a participação de integrantes do Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho e da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, quando houver, e do coordenador do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional e dos responsáveis pela elaboração e implementação do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. COMENTÁRIOS: O Treinamento baseado na Conscientização para que os operadores, associados, se previnam dentro e FORA do ambiente de trabalho é fundamental. O treinamento solicitado na norma é abrangente e abriga uma série de requisitos. Na realidade, a Mundo Ergonomia já faz este tipo de incentivo e recomendação aos seus clientes há anos, desde sua criação. O responsável pelos treinamentos da Mundo Ergonomia há 15 anos vem escrevendo e incentivando as empresas a adotar os princípios da Ergonomia de Conscientização. Não basta conscientizar os operadores, mas também seus gerentes e diretores. Os norte americanos descobriram que investir no conforto do ambiente de trabalho e ensinar boas maneiras para que a qualidade de vida dos seus funcionários deve ser preservada dá retorno, dá lucro. Mas não basta cobrir apenas o ambiente de trabalho, pois muitas doenças e problemas ocupacionais têm origem e ou se potencializam por ações exercidas ou adquiridas FORA do ambiente de trabalho. Como é de difícil diagnóstico a sua origem, dentro ou fora do trabalho, os riscos que venham a ser provados que venham de dentro são importantes e neste caso, a recomendação é de que este conceito prevencionista de conscientizar e treinar o operador deve cobrir e contemplar medidas para que elas sejam estendidas às atividades FORA do ambiente de trabalho. (transporte, lar, esporte, lazer,...). Desta maneira não basta adquirir ou adequar o mobiliário recomendado pela norma. A Mundo Ergonomia assegura não só os treinamentos necessários, como os prepara, os adéqua, os corrige se for o caso e os providencia em todo o território nacional acoplando-os com os demais treinamentos existentes na empresa e ou procedimentos. Quando não existirem, também vai sugerir como fazê-los e como integrá-los.
  • 24. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br
  • 25. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br Há possibilidade de ampliar medidas de prevenção e bons hábitos aos clientes em uma estratégia de marketing cujo custo x benefícios é muito interessante. Consulte a ASE para detalhes sobre esta estratégia. 7. Disposições Transitórias 7.1. As obrigações previstas neste anexo serão exigidas após encerrados os seguintes prazos: 7.1.1. Para os subitens 1.1; 1.2; 3.2; 3.5; 4.2; 4.3 e 4.4, prazo de noventa dias. 7.1.2. Para os subitens 2.1 "h"; 2.2 "c" e "d"; 2.3 "a" e "b"; 3.1 e alíneas; 4.1 e alíneas; 5.1; 5.1.1; 5.2; 5.3 e 6.3, prazo de cento e oitenta dias. 7.1.3. Para Subitens 2.1 "f" e "g"; 3.3 "a", "b" e "c"; 3.3.1; 6.1; 6.2 e alíneas; 6.2.1; 6.4; 6.5 e 6.6, prazo de um ano. 7.1.4. Para os subitens 2.1 "a", "b", "c", "d", "g" e "i"; 2.2 "a" e "b"; 2.3 "c"; 2.4 e 3.4 e alíneas, prazos conforme o seguinte cronograma: a) Janeiro de 2008 - todas as lojas novas ou que forem submetidas a reformas; b) Até julho de 2009 - 15% das lojas; c) Até dezembro de 2009 - 35% das lojas;
  • 26. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br d) Até dezembro de 2010 - 65% das lojas; e) Até dezembro de 2011 - todas as lojas. Autores dos principais comentários acima: Dra. Celia Wada & Eng. Osny Telles Orselli COORDENADORA DE SAÚDE: RESUMO DO CURRÍCULO • Célia Corrêa Bento Wada Farmacêutica- bioquímica (USP) Especialização em Análises Clínicas (SNPC), Energia Nuclear (CNEM), Ecologia (OSEC). Pós- graduação em Administração e Gestão Hospitalar (Fac. Hoyler), Medicina Preventiva baseada em Evidência (ABMAE), História da Arte (FAAP). Mestranda em Gestão de Recursos Hídricos e Auditoria Ambiental (FUNIBER). Cursos de extensão nas área de gestão ambiental , infecção hospitalar, gerenciamento de risco, CIPA, arquitetura hospitalar, gestão ambiental em áreas de mananciais, meio ambiente e negócios, análises clínicas , imunologia, microbiologia, citologia oncótica, gestão ambiental, gestão de resíduos, gestão de riscos, análise de sustentabilidade, créditos de carbono, gestão de áreas impactadas, perícia ambiental, políticas de resíduos (nacional de federal), EIA/RIMA/RAP, políticas públicas. Consultora de sustentabilidade do SINCEP, Consultora de Sustentabilidade da ASE All Safety Ergonomics, Diretora Executiva da A1 Consultores Associados, Membro do Grupo Tripartite para a elaboração da NR 32, Presidente do Comitê do Meio Ambiente da Câmara Ítalo Brasileira de Comércio de São Paulo, Membro fundador da ABMAE – Academia Brasileira de Medicina Anti-Envelhecimento, Ex- Presidente da comissão de Proteção Ambiental do Rotary Club Aeroporto, Presidente do Comitê do Meio Ambiente da Câmara de Comércio da China, Presidente e fundadora da CMQV – Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida, Coordenadora do Projeto Ambiental Reconstruindo um Mundo Melhor da CMQV e IBEA, Coordenadora do Grupo Ambiental da ABMAE – (meio ambiente no antienvelhecimento). Coordenadora do LABFAR – CTRQB – Comissão de Apoio a Riscos Químicos e Biológicos da UNIFAR – (União Farmacêutica do estado de São Paulo). Atuação na área ambiental clínica / hospitalar desde 1987. Publicação de artigos técnicos em portais, revistas especializadas técnico-científicas de saúde e meio ambiente, participação em projetos de leis estaduais, municipais e federais, entre outras participações. - Autora do capítulo: Capítulo 24 – "Gestão Ambiental de Resíduos nos Serviços de Saúde" do livro : Farmácia Clínica e Atenção Farmacêutica - livro editado pela equipe da Universidade de São Paulo - editado pela editora Guanabara Koogan - novembro 2007 - Autora do livro: Arte e o SER Mulher - Autora do livro: Equilíbrio e Qualidade de Vida Línguas: Italiano e Japonês fluentes Escritórios em Jacareí, São José dos Campos e S Paulo. celia@consultevida.com.br
  • 27. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br Nascido em Santos - SP Fone: (12) 3941 7242 / (11) 50554931 (12) 7850 6576 -ENG MECÂNICO FORMADO PELA ESCOLA POLITECNICA DA USP -ENG DE SEGURANÇA DO TRABALHO FORMADO PELA ESCOLA DE ENGENHARIA MACKENZIE DE SÃO PAULO -POS GRADUADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS COM ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO PELA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS S PAULO -DIPLOMADO PELA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ADESG) EM ALTOS ESTUDOS ESTRATÉGICOS -EX- COLABORADOR DA ABPA – Associação Brasileira de Prevenção de Acidentes. -MEMBRO DO CAPITULO INTERNACIONAL DO AMERICAN SOCIETY OF SAFETY ENGINEERS USA -MEMBRO DO US NATIONAL SAFETY COUNCIL USA -MEMBRO DA HUMAN FACTORS AND ERGONOMICS SOCIETY - USA -EX EXECUTIVO DE VÁRIAS EMPRESAS NO BRASIL E NO EXTERIOR -COLABORADOR E PALESTRANTE DO SINDICATO DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO SINTESP -CONSULTOR DE EMPRESAS -CONSULTOR EM ERGONOMIA E, EM PARTICULAR EM RISCOS ERGONÔMICOS. -COLABORADOR TÉCNICO DO CENTRO DOS MÉDICOS DO TRABALHO DO VALE DO PARAÍBA CEMIVAP -MEMBRO DA ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE JACAREÍ - SP. -MEMBRO DA ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP. -MEMBRO DA ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE SEGURANÇA DOS EUA. -PROFESSOR CONCURSADO DO ESTADO DE SÃO PAULO EM HIGIÊNE E SEGURANÇA DO TRABALHO. -ASSESSOR TÉCNICO DA MUNDOERGONOMIA E CAMARA MULTIDISCIPLINAR DE QUALIDADE DE VIDA – WWW.CMQV.ORG -MEMBRO DA ITAL CAM CAMARA COMERCIO INDÚSTRIA BRASIL ITÁLIA. Extra Curriculares: -Ex- Conselheiro e Diretor do Conselho Municipal de Turismo de Jacareí SP - CONTUR -Ex- Presidente do Fundo Municipal de Turismo de Jacareí SP - FUNTUR -Ex- Presidente do CONSEG - Conselho Comunitário de Segurança de Jacareí SP -Ex- Presidente do Rotary Club Jacareí 3 de Abril -Ex Governador Assistente do Distrito de Rotary International 4 600 vale do Paraíba -Ex-Conselheiro da CIESP – Jacareí -Membro da CIESP DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS -MEMBRO DA ASSOCIAÇÀO INDUSTRIAL E COMERCIAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. -MEMBRO E CONSELHEIRO DA ASSOCIAÇÀO COMERCIAL DE SÃO PAULO- DISTRITAL CENTRO. -Foi Membro da comissão que outorga o selo Empresa Cidadã a empresas de Jacareí com balanço social positivo;
  • 28. Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida – CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242 e mail osny@mundoergonomia.com.br -Ex Diretor Executivo da Alstom Power, COSIPA, Secretaria dos Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, Ex Gerente Técnico da CESP, -HOBBY : Gosta de trabalhar na pedra bruta para transformá-la em polida. Línguas: Inglês, Francês e Espanhol fluentes osny@mundoergonomia.com.br DIREITOS RESERVADOS DESTE TRABALHO COPYRIGHT CMQV.ORG

×