Afonia e gagueira  a voz soletrada no corpo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Afonia e gagueira a voz soletrada no corpo

on

  • 562 views

 

Statistics

Views

Total Views
562
Views on SlideShare
562
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Afonia e gagueira  a voz soletrada no corpo Afonia e gagueira a voz soletrada no corpo Document Transcript

    • 1 Latusa digital – ano 5 – N° 32 – fevereiro de 2008 Afonia e gagueira: a voz soletrada no corpo* Ana Martha Wilson Maia (relatora) Cherubina de Cicco Márcia Zucchi Mirta Zbrun Regina de La Roque Rejane Maurell** Em seus estudos iniciais sobre a histeria, Freud relata um caso de afonia, ilustrando a dupla função da laringe – órgão fonador e órgão sexual – na constituição do sintoma. Rosalia H. queixa-se que sua voz foge ao controle de alguns compassos, acompanhada da sensação de sufocamento e de constrição da garganta. Freud atribui essa “falha na voz” a uma conversão histérica e relaciona a contratura das cordas vocais à história da paciente. Rosalia H. perdeu os pais cedo e passou a viver com uma tia que possuía muitos filhos e um marido que os tratava com violência. Quando a tia faleceu, passou a cuidar das crianças, embora continuasse sentindo desprezo pelo tio. Os sintomas apareceram nessa época: “toda vez que tinha que refrear uma resposta, ou se forçava a ficar quieta em face de algum insulto, sentia a garganta arranhar e apertar, e perdia a voz”1 . Estes sintomas apareceram depois associados ao canto: um professor havia lhe dito que poderia utilizar sua bela voz profissionalmente e, pensando em se tornar independente, ela * Trabalho apresentado na Mesa simultânea 1 das XVIII Jornadas Clínicas da EBP-Rio em 02/11/2007. ** Cartel do CLAC composto por Ana Martha Wilson Maia (relatora), Cherubina de Cicco, Márcia Zucchi, Mirta Zbrun, Regina de La Roque e Rejane Maurell 1 FREUD, S.- “Estudos sobre histeria”. Em: Obras Completas, vol II. Rio de Janeiro: Imago. 1976, p.219.
    • 2 decidiu iniciar as aulas. Muitas vezes, após presenciar uma cena violenta saía escondido e com a constrição na garganta. Em um primeiro tempo, temos a afasia como resposta à voz que deve emudecer diante de uma cena. O formigamento nos dedos das mãos inaugura o segundo tempo do sintoma. Essa moça mudou-se para Viena, para a casa de um tio que, encantado com sua voz, pedia que cantasse ao piano. Sua esposa supunha um interesse dele maior pela sobrinha e ficava muito incomodada com suas “apresentações”. Além disso, a sobrinha representava o luto por sua vocação perdida já que ela própria abdicara de seu dom para o canto. Desse modo, Rosalia H. evitava cantar e tocar piano na presença da tia. Na cena que desencadeou o surgimento do novo sintoma, o formigamento nos dedos, seu tio lhe pediu que “tocasse algo”; ela sentou ao piano e, tendo sido surpreendida pela tia, fechou a tampa do piano e jogou fora a partitura. Esse sintoma foi associado a uma cena de sedução na infância: “seu tio mau, que sofria de reumatismo, pedira-lhe que massageasse suas costas e ela não ousou recuar. Na ocasião estava deitado na cama e de súbito lançou fora as roupas da cama, deu um salto, tentou agarrá-la e fazê-la deitar-se. A massagem naturalmente não foi concluída e um momento depois ela escapou’ e trancou-se em seu quarto”.2 A irritação da laringe e a constrição da garganta, assim como as alfinetadas nas pontas dos dedos, indicam a presença da voz como objeto soletrado no corpo. Em O Seminário, livro 10: a angústia, Lacan captura as cinco formas do objeto a através de uma lógica encarnada. O objeto a se inscreve no formalismo lógico como irredutível, como o não formalizado da estrutura. A voz, como parte da carne que permanece aprisionada na máquina formal, fica irrecuperável para sempre como objeto perdido, objeto causa de desejo. Nas palavras de Lacan: “não se trata do corpo como algo que nos permita explicar tudo, por uma espécie de esboço da harmonia do Umwelt com o Innenwelt, 2 Idem, ibidem, p. 221.
    • 3 mas é que sempre há no corpo, em virtude desse engajamento na dialética significante, algo de separado, algo de sacrificado, algo de inerte, que é a libra de carne”3 . Aqui ele aponta para o que desenvolveu posteriormente a partir de O Seminário, livro 20: mais ainda, e que se consagrou, graças às referências de Miller, como clínica do real. No Seminário 10, o objeto deixa de ser pensado como imagem, ou mesmo como um significante que designa a falta na imagem, passando a ser pensado como perdas no próprio corpo do sujeito. Uma jovem mulher demanda atendimento e a primeira consulta circunscreve seu sintoma: a gagueira que a impede de trabalhar é o “resto” de um abuso sexual que sofreu de seu tio quando tinha 11 anos de idade4 . Seus pais participam arduamente de uma doutrina religiosa e optaram, na época, por nada fazer com o fato. Até o momento atual, o tio freqüenta a casa dos pais e participa das reuniões familiares como se nada tivesse acontecido. Como Rosalia H., esta jovem deve silenciar. Ela casa-se, em um primeiro casamento, com um rapaz que possui uma forte ligação com a mãe, permitindo que esta comande a organização de sua casa, o que faz a jovem sentir-se invadida, mas sem poder “falar” sobre o assunto. Ela volta então para a casa dos pais com uma filha, que tem agora 5 anos de idade. O início do tratamento é marcado por uma intervenção que circunscreve o sintoma. Queixa-se do que nomeia “abuso sexual” como aquilo que a impede de ser feliz, de se tornar independente. “Ele me tirou sangue”. Em uma primeira intervenção, digo: “mas ele não lhe tirou tudo”. A partir daí, passa a falar de sua posição em seu segundo casamento, a de ser mulher de um homem que havia lhe dito, revoltado, que se estivesse no lugar de seu pai, teria expulsado o tio de sua casa e o agredido fisicamente. De certo modo, o segundo marido ocupa o lugar de “pai protetor”. Por isso, seus pedidos e 3 LACAN, J.- O Seminário, livro 10: a angústia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005, p. 242. 4 Este atendimento foi realizado no CLAC.
    • 4 reclamações têm uma dimensão absoluta sobre ela, os quais procura responder plenamente como garantia de amor. Ele tem uma ex-mulher e uma filha adolescente, cujas raras presenças a fazem sentir como se estivesse perdendo seu lugar. Ele regula o tamanho do seu decote, o comprimento de sua saia, fato que comenta com uma mistura de prazer e angústia. Isso ameniza a ameaça de ser visada pelo outro sedutor, um homem para quem ela ocupa o lugar de objeto de desejo. Mas, por outro lado, como ficar no lugar de objeto no desejo do marido? Daí as Outras mulheres, não só a ex-mulher, serem constantes rivais, com as quais não pode disputar por se sentir feia, gorda, gaga. Se de um lado, há a voz como objeto que apaga o sujeito na infância, quando os pais lhe ordenaram que não falasse mais sobre o abuso, de outro, há a entrada do objeto voz no circuito pulsional em sua face amorosa, a entrada no circuito da fantasia. Dominado pela mãe, o primeiro marido não tinha voz, portanto, não se prestava ao reencontro do que ela perdera. Já o laço libidinal com o segundo marido passa pela voz: ele diz o que deve ser feito, lhe demanda coisas, dá ordens, determina o tamanho dos decotes; ações que talvez tenham importância pela voz que as emite. Esta jovem histérica tem um bebê que está com 4 meses de idade que traz em todas suas sessões. Algumas vezes, traz também sua filha. Depois do período das férias ela retorna na mesma posição queixosa, reivindicativa, reclamando das repetições do marido. Em uma segunda intervenção, digo que pode escolher viver com ele de outro jeito, ou viver sem ele, mas como faz, só pode ficar mesmo insatisfeita. Ela adoece, liga avisando que teve um “princípio de pneumonia”. Volta com o cabelo pintado e mais magra. Começa a fazer salgados, que vende na calçada da rua em que mora.
    • 5 Esta jovem traz invariavelmente seu “objetinho” (o filho) à sessão e a analista marca uma separação ao anunciar as férias. Quando retorna queixosa, a analista aponta que não há como não se separar, não há como não perder algo. Sua resposta é no corpo: um “princípio de pneumonia” revela a proximidade que a voz tem com os pulmões. E, então, ela volta tendo cedido algo de seu gozo histérico. Em uma das últimas sessões, observo que alguma coisa está diferente em sua voz: não ouço mais o início da palavra longamente arrastado, até a parada para respirar fundo, e o controlado recomeço da fala. Consideramos, então, que um ciclo teria se concluído. Todavia, ela falta à última sessão. Telefono e ela relata que foi no velório de um amigo. Agradece a oportunidade de ser atendida, menciona as mudanças que conseguiu fazer e se refere à sessão que faltou como sendo o final. A redução do sintoma com uma perda relativa de gozo pôde ajudar o sujeito a desatar algum nó e inventar um novo caminho de vida. No entanto, em um brevíssimo instante, a gagueira se faz presente ao telefone, talvez indicando a divisão do sujeito e o que resta de enigmático sobre seu gozo. Quem sabe essa jovem mulher, que teve acesso à experiência psicanalítica por meio de um tratamento gratuito e por tempo limitado, que conseguiu modificar de algum modo sua relação com seu sintoma, queira dar prosseguimento a essa experiência?