Quem sou eu
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Quem sou eu

on

  • 513 views

 

Statistics

Views

Total Views
513
Views on SlideShare
513
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Quem sou eu Document Transcript

  • 1. Quem sou eu?Bom meu nome é Adriana Teixeira da silvaXimenes, tenho 15 anos e vou contar sobre aminha vida desde o meu nascimento. Tudocomeça no dia 14041998, as 00h03min, nohospital Azevedo Lima em Niteróia terceirafilha de minha mãe Mônica Teixeira da silvaXimenes, a primeira e única filha do sexofeminino do meu pai José Cleiton XimenesMelo.Quanto eu tinha alguns meses de vida, minhairmã Monique me derrubou da cadeira debalanço, minha moleira ficou molinha, depoiscom oito meses meus primeiros dentinhosapareceram, com nove meses comecei a andar,e a falar com um ano e cinco meses.Quando eu era pequena minha mãe saia paraos forrós e me deixava com minhas irmãsMonique e Dominique. Um grande problema
  • 2. que sempre achei em minha mãe foi à maneiracomo ela cuida dos seus filhos na verdademinha mãe é um pouco porca e me deixavalargada na rua, descuidada. Meu pai quandome via na rua não gostava, e ficava pedindopara ir para casa.Minha mãe sempre foi doidinha às vezes elasaia e me deixava lá sozinha com meus irmãos.Nunca tive infelizmente uma mãe que eupudesse compartilhar cada momento, cadafase da minha vida, nem meu crescimentodireito ela não viu.Quando eu tinha uns três anos de idade, nessetempo o Palhaço Carequinha (Brizolão), a noiteera tomado pelos vagabundos, na parte damanhã eu ia pra lá brincar ficavapraticamentejogada lá, meu pai via e melevava para casa como sempre fizera.Lembro-me que tinha uma menina que eraminha vizinha a Isabela, ela era minha melhoramiga da infância, todo dia eu ia a casa dela ela
  • 3. era rica, tinha uma casa bonita, escolaparticular, vários brinquedos lindos. Nósbrincávamos muito, ela me dava muitosbrinquedos que ela não queria, mas, e euadorava isso.Tinha uma mulher que ela sempre quis serminha madrinha, mas minha mãe nunca mebatizava, ela era muito legal me dava muitascoisas, beco, brinquedos, roupas etc.Com uns cincos anos, minha mãe foi trabalhare eu fiquei sozinha em casa dormindo, entãocomeçou a chover muito forte acompanhadode uma ventania, é ainda faltando energia, era,mas ou menos umas 18 h, minha casa começoua alagar, eu fiquei muito assustada, com medo,depois de alguns minutos meu pai chega láonde eu estava, com uma lanterna na mão,estava muito escuro, ele me tirou de lá e melevou para sua casa.Minha irmã Dominique era sempre a,masimplicante sempre me fazendo raiva, ela
  • 4. ficava vestindo minhas roupas e quando fuivestir as dela ainda brigou comigo.Eu e meu irmão Zeca fugimos de casa comcinco anos, ficamos em um ponto de ônibusesperando pelo ônibus em que pudéssemosentrar, quando chegou esse ônibus meu irmãoconseguiu passar por debaixo das pernas damulher que estava entrando, já eu nãoconseguir fiquei nervosa na hora, acho queainda tinha um pouco de juízo na hora, pegueio orelhão e liguei para o celular de minha mãe,que veio imediatamente me pegar. Meu irmãofoi achado pelo meu vizinho Junior que já foinamorado de minha mãe que era pai deMonique e Dominique, ele achou meu irmãoem Tribobó. Depois desse acontecimento meupai me levou para ir dormir lá na casa dele. Eledormia no colchão no chão e eu na cama aolado, ele acordava cedo para ir entregar gás, esempre quando acordava lá estava um pedaçode bolo que ele chama de "pé seco", mas é obolinho de chuva, depois de lanchar eu ia lá
  • 5. fora pegar um abacate, pois ao lado tinha umpé de abacate, eu não sei por que, mas euescondia esse abacate de meu pai, acho queera com medo dele brigar, chegava à casa daminha mãe e pedia pra ela fazer vitamina.Ainda nesse tempo meu pai foi morar com suaex-mulher a Lúcia que é mãe do meu irmãoGabriel, morei um tempo com ela, ela se gabaque cuidou de mim quando eu era, maspequena, que me levava ao hospital quando euestava doente e mais um monte de coisas. Notempo em que morei com ela, fui praticamentehumilhada, meu irmão o Gabriel derrubavaseus brinquedos de proposito para eu pegar ecolocar no lugar. Um certo dia, ela saiu commeu irmão e me deixou trancada entre a portada entrada e a varanda, meu pai passou emcasa e me tirou de lá, me levou para entregargás com ele, ela passou e nos viu. Quandocheguei em casa não tinha se quer uma roupaminha dentro de casa, ela jogou tudo que eutinha na rua, e fechou a porta na minha cara,
  • 6. fui pra casa de minha mãe. Hoje me deparocom ela e penso "o que leva uma pessoa aexpulsar uma criança de casa?", depois de umtempo expulsou meu pai também e fez amesma coisa que fez comigo.Meu pai tomou uma decisão me mandar paraSanta Quitéria (CE). Em 2005 com sete anosminha tia Joana Darck, feia me buscar, fomosde ônibus três dias exato de viagem, fiqueiamiga de uma menina no ônibus, mas a gentese separou, pois o destino dela era Fortaleza eo meu Santa Quitéria, primeiro fui à casa daminha outra tia a Cleidiane, depois de uns doisdias fui para Santa Quitéria.Primeiro morei no interior de Santa Quitériacana-fístula, no começo não gostei de nada delá era tudo tão diferente que não meacostumava com esse lugar.No segundo dia, uma menina chamada Claraveio me ver, nós nos tornamos melhoresamigas, a gente brincava todos os dias,
  • 7. éramosmuitos doidas. Depois de alguns diascomecei a estudar, no Manoel Rufino da Rochaa única escola que tinha no interior, e a partirdo ensino médio a escola era no Liseux. Aescola do interior tinha duas salas e só umafuncionava, e as series eram misturas. Naescola tinha uma menina chamada Elenice elanão gostava de mim de forma alguma, só porque eu e a Clara ficamos super amigas, aí elaficou com ciúmes, depois começou a inventarhistórias dizendo que eu ficava chamando elade "preta", mas nunca havia chamado assim, amãe dela ia lá em casa dizer que eu estavaimplicando com a filha dela, mas um dia eu e aClara não deixamos barato,quando a Elenicevoltava da escola nós ficamos no meio do matose fingindo de mortas, mas ela passou e nemligou, mas em outro dia eu e Clara sujamosnossas mãos na lama e começamos a abraçar aElenice a blusa dela ficou toda suja, depois amãe dela descobriu que foi a gente... Depois de
  • 8. um tempo nós nos tornamos amigas, eu ia pracasa dela ela ia pra minha, brincávamos muito.Nós tivemos uma vizinha que era a tia Neuza,nós íamos tomar banho lá às vezes porque nãotiamos água encanada em casa, às vezes eu iano rio a tarde pegar água para tomar banho.Na casa de minha vó morava também meu tioClaudio, eu sempre gostei muito dele, mas eletinha um problema psicológico fazendo comque ocorresse ataque nele, quando aconteciaisso ele quebrava tudo que visse pela frente,ele tomavaremédios controlados. O primeirodia que eu vir esse ataque, foi quando eleparou de comer por uns dois dias, não tomavabanho, em uma noite ele começou a gritar ajogar tudo para chão, ele queria matar meu vô,porque minha vó não tinha liberdade, meu vôde imediato foi até lisieux e chamou o medicologo em seguida me mandou para casa da tiaNeusa, eu ficava observando a minha casa, achegada dos médicos. Mas no dia seguinteocorreu tudo bem.
  • 9. Minha vó sofria com meu vô, pois ele não adeixava usar calças, nem shorts, só sais evestidos. Nãoa deixava ir tomar banho no rio,só se ele fossejunto para vigia-la, e nem podiase quer ir à casa de alguém em que morassehomens, só se ele fosse junto.Em 2007 me batizei na igreja católica, minhasmadrinhas eram: Luciana e Lucimar, e ospadrinhos eram: Marion e Raimundo.Para ir a Lisieux era precisa ir de "pau dearara", quem dirigia esse carro era meu tioAntônio Lino marido da minha tia Dark, naverdade nunca gostei muito dele ele semprefoi muito folgado, ele não a merecia, umamulher guerreira, batalhadora. Ela se cuidavamuito era, mas bonita, mas quando foi casarcom ele se esqueceu de simesma. Em2007tiveram uma menina chamada Daniella eucuidei dela por muito tempo, e na verdadesempre achei que ele gostasse da minha outratia a Luciana, mas ela nunca quis nada com ele.
  • 10. No ano de 2007, fiz um aniversário de oitoanos, fiquei um pouco triste por que vierampoucas, não veio a Patrícia a Camila, que eramgrandes amigas. Mas esqueci, pois a Claraestava lá isso que importava, ela era minhamelhor amiga mesmo.Aos nove anos fiz minha primeira comunhão,eu fazia aulas dia de domingo na casa da tiaNeuza.Meu pai veio para minha para minha primeiracomunhão dessa fez trouxe meu irmão Zeca eo deixou para minha vó cuidar dele, de carrocomo sempre fez, eu estava toda de branco,cortei meu vestido do batismo e coloquei ablusa da comunhão, minha tia e madrinhaLuciana fez um penteado bem legal em mim.Eu estava muito feliz, até me sentar no carro eminha vela quebrar, chorou muito dentro docarro, e quando meu pai e minha tia meolharam eu estava com os olhos inchados, e euexpliquei o que tinha acontecido. Mas lá noLisieux minha tia conseguiu uma era usada,mas
  • 11. servia. Confessei-me para o padre, tomei a ostasagrada, mas lá no fundo do meu coração eusempre achava a igreja católica tão pra baixo.Depois de alguns dias meu pai foi embora,choro e, mas choro como sempre. Ele começouum relacionamento com uma mulher emFortaleza a Iriani, ela trabalhava na casa daminha tia Cleidiane.Ganhei minha bicicleta, era roxa e preta amei,ficava andando direto com ela, ia pra escolacom ela, andava depois da escola e etc. Mastinha dias que quando eu a levava para escolaela estava revirada ou com o pneu vazio, mechateada muito com isso. Mas depois depraticamente um ano ela acabou de vez, opneu ficou empinado. Umas das armações,mas legais de Clara e eu, era implicar com asvacas, meu vô tinha vaca, ovelhas, e galinhas.Quando ele saltava as vacas em um campoperto de casa, eu e Clara íamos implicar com asvacas em cima de uma arvore e só saiamos
  • 12. quando meu vô tirava as vacas de lá, nóséramos muito doidas.No dia das crianças ganhei uma boneca da minhatia Luciana e um par de brincos da minha vó,fiquei muito feliz, mas essa alegria acaba depoisde alguns minutos, minha vó começa a passar mal,então meu vô e minha tia a levam para o hospitalem Sobral, e eu fui para a casa de Clara. Minha vópassou um tempo internada tinha que fazer umaoperação, meu vô começou com umas saídasestranhas a noite para Lisieux depois descobrimosque meu vô estava traindo a minha vó, com umavagabunda.No tempo que minha vó estava internada minhatia Cleidiane veio de Fortaleza para ajudar minhatia Luciana a achar uma casa em Santa Quitéria,enquanto eu, meu irmão Zeca e meu avôficávamos lá no interior, nem sabíamos damudança. Quando minha vó voltou do hospital,ela começou a se recuperar, depois de, mas ou
  • 13. menos um mês ela acordou cedo, e começou a searrumar colocou calças, brincos, coisas que nãopodia usar antes, quando o carro chegou elapegou sua mala e saiu, meu vô a gingou foihorrível ele ficou muito furioso, mas ocorreu tudobem eu, meu irmão e minha tia continuamos lá,mas minha tia estudava a noite isso era chato,meu vô saia para se encontrar com a amante, eu eZeca ficávamos sozinho em casa, com medo.Mas depois de uns dias nos mudamos para SantaQuitéria, primeiro moramos em casa alugada,conhecemos os vizinhos, rua bem tranquila.Também conheci uma menina chamada Jainneminha vizinha e minha grande amiga, sempregostei muito dela, lembro que nós ficávamos anoite sentada na calçada conversando e ouvindomusica, e às vezes brincavam de pega-pega,futebol, queimado e etc. Depois começou a aulasde agosto, a escola era perto da minha casa, masessa escola a Geracina Lobo de Mesquita era uma
  • 14. escola que não tinha seu espaço próprio, então elaestava ocupando uma escola que só funcionava àtarde e a noite era a escola Aracy Martins, e nóssó éramos de manhã. Eu estava na quarta seriequando cheguei lá, fiquei amiga das pessoas, tinhaa Jeane, o Jean, a Dagila, a Dara, a Patrícia etc.Que estudaram comigo durante um bom tempo, ese tornaram meus grandes amigos.Em 2009 minha vó levou meu irmão de volta parao Rio de Janeiro ninguém, mas aguentava meuirmão era muito teimoso. Nesse tempo meu tioClaudio foi pra Fortaleza, ele ficava pra lá e pra cá,não sabia onde ficar, mas lá ele era tão diferenteele saia, ajudava na padaria, era tão diferente doque ele é em Santa Quitéria.Quando minha vó voltou do Rio de Janeiro fomosmorar na casa do meu tio Carlito, pois ele tinha seseparado da mulher dele, ela o traiu com opadrinho do filho deles. A casa não era grande nóstivemos que dividir os dois quartos, que era
  • 15. dividido assim o primeiro era meu e da minha tia,e o outro era da minha vó e do meu tio, alémdisso, tinha um quarto na varanda que era dabanda do meu tio Carlito "Estação Nordeste", queantes era composta pelo meu tio e por minha tiaVanessa, que com o passar do tempo eleconseguiu outras cantoras, dançarinas. Ele sofreumuito com isso, mas já é passado, depois dealguns meses ele começou a namorar a Franciscafoi morar com ela. Ela era uma pessoa muito legal,simples, guerreira trabalhava para o prefeito de lá.Então quando meu tio foi morar com ela, minhatia pegou um quarto só pra ela, nunca concordeicom isso.Em abril minha mãe pela primeira fez veio me verna casa de minha vó, me deu de presente umcelular, veio ela e meu irmão que na época era o,mas novo o Lucas, ele tinha uns quatro anos, eume minha mão passeamos por Santa Quitéria efizermos varias coisas. Mas na hora da volta, poxa
  • 16. era muito ruim ver minha mãe ir embora, poresses poucos dias que ela passou comigo, era tãodifícil vê-la ir embora e eu ficando ali, minhavontade era de ir, maspermaneci calada. Quandocheguei em casa não sair, mas pra fora, fiqueitrancada no quarto chorando, a noite é que euconseguir ir na calçada, mas nada estava meanimando, mas os dias foram passando e a dor foiembora.Eu também fiquei muito amiga de uma meninachamada Patrícia era minha melhor amiga nessestempos, ela tinha 15 anos quando a conheci, erabem formada de corpo, baixinha, mas gostavatanto dela, que não abrir mão da nossa amizade.Mas com um tempo eu fui me envolvendo e aseguindo onde ela fosse. Teve um tempo que eu eela tínhamos um grande amigo ele era muitoengraçado era o Douglas, um dia resolvemos ir acasa dele, ele ia fazer um Orkut para mim, masnão foi só isso, tá no primeiro dia ele tentou fazer
  • 17. não conseguiu, no outro conseguimos, masenquanto eu estava no Orkut, ele e a Patríciaestavam lá dentro fiquei curiosa e fui lá eles seesconderam, cheguei 18h00min em casa e aindafui capaz de mentir pra minha família, disse queteve uma prova na escola, como me arrependo deter feito isso. No dia seguinte perguntei a Patríciao que eles estavam fazendo lá dentro, ela nãoqueria me contar, mas conseguir fazer com queela me falasse ela disse que ela mostrou seus seiospra ele, e ele sua parte intima, e ainda ficaram,mas nada além. Quando ouvir aquilo me veio umacoisa na cabeça "eu não sou assim", não queriame afastar dela, ela era minha melhor amiga, masquando ela precisa-se eu estaria ali, depois de unsdias tirei meu "BV" como falam, tirei com ummenino que era amigo do meu vizinho, mas mearrependo disso que burra que fui. Nóscomeçamos a matar aula pra ir a lonhouse, queficava na biblioteca. Faltamos muitas aulas.
  • 18. Teve um tempo que eu e a Patrícia nos afastamosum pouco uma da outra, teve um dia que aPatrícia tinha ido pra casa de um garoto depois daescola, e eu não queria que ela fosse então ligueipara o pai dela e perguntei se ela estava, mas nãodisse que era eu. Depois de uns dias ela ligou parao meu celular e viu que tinha sido eu que ligueipra ela, ela foi lá em casa chorando aquilocomprovou que eu tinha feito uma coisa erradaela, rompeu nossa amizade ali. Mas depois de unsmeses a gente voltou a se falar, não como antes.No final de 2010 viajei para Fortaleza fui para casada minha tia Cleidiane, assim que cheguei lá, elaestava se arrumando para ir a igreja, ela se tornouevangélica, mas era obcecada, ela me chamou prair, fui e continuei indo nos outros dias. Nãogostava de lá por uma coisa, ela passava o diafora, enquanto eu cuidava dos dois filhos dela, dacomida, da casa, era muito pesado e cansativopara mim. No dia 23 de dezembro resolvi aceitar
  • 19. Jesus na assembleia, no dia que aceitei tambémcantei, a igreja estava lotada, mas foi muito bom.A partir daí comecei a cantar naquela igreja, eraeu e a Renata. Mas chegou o dia de ir embora,cheguei em Santa Quitéria umas 23h00min, meutio Luciano que também mora em Fortaleza metrouxe de carro.No dia seguinte a primeira coisa que fiz foi ir àcasa da Patrícia e da Jainne contar que me torneievangélica.Comecei a frequentar a igreja batista não gostei,fui na universal e também não gostei, mas quandorecebi o convite de ir a assembleia pela gloria queera minha amiga e também era do mundo. Nessaassembleia era bem rigorosa não podia usar calça,shorts, blusas de alça, maquiagem etc.Identifiquei-me com ela, lá conheci varias pessoalegal entrei para o conjunto musical "Herdeiros deCristo", sempre gostei de cantar no conjunto. Umdia eu estava de saída da pra igreja a Patríciafoi lá
  • 20. em minha casa, e disse que ia na casa de Amanda(uma amiga nossa) aí de brincadeira eu disse nãotraz a Amanda pra cá não, pois vou sair. Nocaminho pra igreja estava eu e a Gloria, a Patríciae a Amanda passaram por nós, eu falei com ela,mas foi baixo. Então no dia seguinte na escola, eucheguei pra ir falar com a Amanda, ela se viroupara mim e disse que a Patrícia estava chateadacomigo por que eu tinha vergonha dela, isso nãoera verdade falei, e também disse que eu ficavafalando mal delas pelas costas, e a partir daí elanunca, mas falou comigo. Mas na hora do recreioela e a Patrícia ficavam passando por mim e meempurrando, eu aguentei aquilo calada por unsdias, mas um dia não aguentei quando elasfizeram isso, então a empurrei também aí ela meempurrou, e perguntou se eu queria brigar, ela jáera bem, mas acostumada, mas eu não então nãome contive e comecei a rir da cara dela, depoissepararam a gente e pronto. Briga nunca, mas. Ela
  • 21. ainda ficou inventando que eu havia chorado eblábláblá. Mas a verdade é que eu nunca gostei debrigas, principalmente quando me envolve, entãonão quis dá a ela esse gostinho que ela tantoqueria. Depois que fiz isso ela parou de mexercomigo, nunca, mas me insultou. Às vezes euficava com vontade de pedir desculpas a Patrícia ea Amanda, mas acho que faltava coragem. APatrícia morava um pouco perto da minha casa,isso se tornava, masdifícil a nossa briga, masdepois de uns meses a gente voltou a se falar, masnão era como antes, éramos, mas separadas, euestava conhecendo Jesus não queria que nadaestragasse isso, e ela também percebeu que eumudei, então nem andávamos juntaspraticamente.Eu estava decidida que queria mudar, não queriaser a mesma de antes, e hoje percebo que andavaperdida por aí, sem caminho a seguir. Chamavam-me até de santinha, porque eu ficava usando saia.
  • 22. Uma segunda-feira, as 18h00min eu e a Claraestávamos sentadas na calçada, quando um amigomeu, Mauricio da igreja passa em frente a minhacasa, e começa a conversar comigo, depois ele vaiembora. No ensaio do conjunto na igreja, ele pedepara um menino me dá um tridente, as pessoasfiram e começaram a falar que ele gostava demim, mas nós negamos, até que um dia ele pedepra ficar comigo, eu não aceito, mas depois de umtempo começo a gostar dele um pouco e fico comele. No dia seguinte eu ia para Fortaleza, passeiuns treze dias lá, depois quando cheguei a casa fuiligar meu celular tinha umas três chamadasperdidas, retornei a ligação e vir que era oMauricio, ele disse que tinha sido as meninas queligaram, mas não acreditei nele, depois começou ame enviar mensagens, a ligar todos os dias, edepois ainda veio com uma caixa de chocolatespra me dar. A gente ficou, mas duas vezes edepois acabei com tudo, não me sentia bem,
  • 23. talvez eu nem gostasse dele verdadeiramente,mas depois de um tempo ele começou a ficar comuma garota.Comecei a trabalhar, aos sábados eu limpava acasa da minha tia Ilda, de segunda a sexta eu davareforço para um menino e cuidava de umamenina.Quando dava 06h00min da manhã, eu acordava eme arrumava para ir a escola, quando era11h30min chegava e começava a arrumar a casa, equando dava 14h00min ou 13h30min eu ia cuidarda menina era a Maria Clara, nós nos apegamosmuito uma da outra, umas 17h00min saia da casadela e ia ensinar o menino a fazer dever e depoisdisso ainda tinha a minha aula de informática. Eramuitas coisas para fazer, que às vezes me sentiaentediada. Mas eu sempre gostei de ganhar meupróprio dinheiro, de comprar minhas coisinhas,sem depender das pessoas.
  • 24. Mas quando foi no final de 2012, meu pai, meuirmão e minha madrasta vieram me ver, elessempre vinham de supressa. Formos para Cana-fistula, Fortaleza. E decidir que queria ir para o Riode Janeiro, meu pai concordou e me levou comele, mas na ida para o Rio de Janeiro, ele passoupela casa da minha tia Fatima que fica em Brasília,gostei muito de ter visitado esse estado tãoimportante.Quando chegamos aqui achei um poucoestranho estava tão diferente. Fuiconhecendo as pessoas daqui, fui à casa daminha mãe, ela nem acreditou que euestava aqui, ela estava gravida de gêmeosera uma menina e um menino, minha mãesempre gostou de está em bar gravida ounão sempre estava e isso sempre medeixava triste, é muito chato ver sua mãetodos os dias em um bar onde só tem coisaruim. O mas triste então é saber que
  • 25. Dominique minha irmã, está jogada aí pelomundo, com um filho que parece que nemmãe tem me dá muita pena quando a vejoe vejo seu filho.Em março minha mãe tem os bebes, aRafaela e o Rafael são umas gracinhas.Uma coisa que me deixava e ainda medeixa irritada é ter que entregar gás nascasas, águas, e trabalhar em obras. Meupai vende gás e tem casas, e ainda faz mascasas, mas eu não queria ficar carregandocoisas pesadas tenho medo de ficar comalgum problema na coluna, mas ao mesmotempo quero ajudar meu pai. As vezesacho que ele preserva mas sua mulher doque sua filhas, isso me deixa um poucoirritada, mas eu fique finjo que nemobservo nada, mas na verdade não paro deobservar. Minha madrasta estava mecontando que a Lúcia já entrou aqui no
  • 26. quintal da nossa casa um tempo atrás parafazer confusão, ela sempre quis tudo paraela e para seu filho Gabriel, sempre armouconfusão para se sair melhor.Essa mulher sempre gostou de nosperseguir, quando eu estava procurandouma igreja aqui para frequentar, ficou indoonde eu estava e a mandar o Gabriel paramesma igreja que eu frequentasse. Semprequer que seu filho seja um santo.Em fevereiro de 2012, as aulas começampor aqui, fiquei ansiosa e com medo, poisnão sabia como funcionava aqui. Estavaestudando a tarde no 9º ano do ensinofundamental, mas nos primeiros três diasde aula fiquei na sala errada, poiscolocaram meu nome na sala do 6º ano.Quando percebi fui a secretariaperguntar, e meu nome estava em duasturmas no 6º ano e no 9º. Então quando
  • 27. foi quarta-feira fui para o 9º ano. Aprimeira pessoa que veio falar comigo foia Luana, então nos tornamos amigas,despois em um dia de trabalho deciências juntaram os alunos, e fiquei naturma de Andressa e Ângela, que setornaram minhas melhores amigas, e nóssempre fomos muito doidas. E essaamizade dura até hoje e espero que parasempre.Depois de alguns meses uma menina semudou pra minha rua e a gente comecei aser amiga dela, e também das amigas dela.Que são muito legais e engraçadas.Como eu já disse antes nunca gostei defazer trabalhos pesados, como carregarcoisas pesadas. Mas tive que fazer variasvezes, nunca criei coragem em dizer não.Esses são meus 14 anos de vida!