Your SlideShare is downloading. ×
Ar fenômenos naturais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Ar fenômenos naturais

740

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
740
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ArFenômenos Naturais Adriana Gotschalg
  • 2. QUEM SÃO OS FENÔMENOS NATURAIS?
  • 3. MASSAS DE ARAs massas de ar são um fenômeno que provoca mudanças temporárias detemperatura, trazendo frio ou calor por um curto ou longo período de tempo em umadeterminada região, dependendo das condições climáticas. É assim que nós, cidadãoscomuns, sentimos a presença de uma massa de ar.Para que uma massa de ar seja formada, aporção de ar da atmosfera deve estar emcontato prolongado com a região queocupa. A superfície dessa região deve tercaracterísticas homogêneas. Exemplos deregiões vastas com característicashomogêneas em toda a sua extensão sãooceanos, grandes florestas, extensosdesertos, extensa superfície de gelo. Direção das correntes de ar
  • 4. MASSAS DE ARComo essas massas de ar podem ser classificadas?
  • 5. MASSAS DE ARO encontro da massa de ar polar e da massa de ar subtropical - uma mais friaque a outra - forma a frente fria. Frentes frias podem ser sentidas por umamudança climática brusca, que pode ser queda na temperatura e chuvas. Paraque haja a frente fria, primeiro é preciso ocorrer a massa de ar.Uma massa de ar é definida como quente quando esta se desloca sobre umaregião relativamente mais fria que ela. Neste caso, o ar quente vai perdendocalor, devido ao contato com a superfície terrestre, que está mais fria. Essa perdade calor, ou esse resfriamento, pode inibir o movimento de convecção daatmosfera no local. Se o ar quente que invade a região é úmido, tal resfriamentofavorece a formação de nevoeiro, cuja espessura depende da velocidade dovento e da turbulência.
  • 6. TORNADOSEm uma tempestade, os movimentos de ar ascendentes são particularmentefortes. Se forem fortes o bastante, um turbilhão de ar pode se formar,exatamente como se forma na água em uma pia. Um turbilhão de arembaixo de uma nuvem de tempestade constitui um tornado.
  • 7. TORNADOSO tornado desce de uma nuvem de tempestade como uma imensacorda de ar em redemoinho. Ventos com velocidade de 320 a 480 km/hsão comuns. Se o turbilhão tocar o solo, a velocidade do torvelinho(bem como do movimento de ar ascendente e a diferença de pressão)pode causar enormes estragos.O tornado segue um trajeto controlado pelo trajeto da sua nuvem detempestade originária, geralmente parecendo saltar. Os saltos ocorremquando o turbilhão é perturbado. Você já deve ter visto que é fácilperturbar um redemoinho na banheira, mas daí ele volta a se recompor.A mesma coisa pode acontecer com o do tornado, fazendo com que seforme e se desfaça ao longo do caminho.
  • 8. FURACÕESDe acordo com o Centro Nacional de Furacões dos EUA, "furacão" é umnome para um ciclone tropical que ocorre no Oceano Atlântico. "Ciclonetropical" é o termo genérico usado para sistemas de baixa pressão que sedesenvolvem nos trópicos, geralmente com ventos de 120Km/h.Os furacões se formam em regiões tropicais onde há água aquecida (nomínimo 27°C), umidade atmosférica e ventos equatoriais convergentes.
  • 9. FURACÕESOs furacões são definidos pelas seguintes características: eles são tropicais, o que significa que são gerados em áreas tropicais do oceano próximas à linha do Equador; são ciclônicos, o que significa que seus ventos fazem um turbilhão ao redor de um olho central. A direção do vento é anti-horária (oeste para leste) no hemisfério norte e horária (de leste para oeste) no hemisfério sul; eles constituem sistemas de baixa pressão. O olho de um furacão é sempre uma área de baixa pressão. os ventos turbilhonam ao redor do centro da tempestade com uma velocidade de pelo menos 119 km/h.
  • 10. GRANIZOEste ciclo é um velhoconhecido nosso: oCICLO DA ÁGUA.Vamos analisá-lo, agora,sob outro aspecto: Aformação das chuvas degranizo.
  • 11. GRANIZOO vapor de água é invisível, mas rapidamente se torna visível ao se resfriare condensar em contato com alguma coisa. Se você já reparou na umidade quesurge nas janelas de um carro quente em um dia frio, está vendo a condensaçãoem ação. O vapor de água quente toca a janela fria e o vapor volta ao estadolíquido. Nuvens se formam de maneira semelhante. A atmosfera está repleta depequenas partículas de poeira conhecidas como núcleos de condensação, que vemde erupções vulcânicas, tempestades de areia, incêndios e poluição. Quando ovapor de água se condensa, adere a essas partículas microscópicas. Se houvervapor de água em refrigeração no ar em volume suficiente, as partículas seacumulam aos milhões e formam nuvens.
  • 12. GRANIZOCaso água demais se condense em torno de uma partícula no ar ou atemperatura do ar caia, a água cai de volta à superfície. Partículas líquidascaem em forma de chuva, enquanto partículas congeladas caemcomo neve. Se a chuva se congela ao cair, ela se torna chuva gelada. Emalguns casos, a chuva sobe a altitudes mais elevadas e frias por força dovento vertical; as partículas se congelam e voltam à terra em forma degranizo. Video http://www.youtube.com/watch?v=Ga2FK9r_f9c&feature=related
  • 13. INVERSÃO TÉRMICAA inversão térmica é um fenômeno atmosférico muito comum nos grandescentros urbanos industrializados, sobretudo naqueles localizados em áreascercadas por serras ou montanhas. Esse processo ocorre quando o ar frio (maisdenso) é impedido de circular por uma camada de ar quente (menos denso),provocando uma alteração na temperatura.Outro agravante da inversão térmica é que a camada de ar fria fica retida nasregiões próximas à superfície terrestre com uma grande concentração depoluentes. Sendo assim, a dispersão desses poluentes fica extremamenteprejudicada, formando uma camada de cor cinza, oriunda dos gases emitidospelas indústrias, automóveis, etc.Esse fenômeno se intensifica durante o inverno, pois nessa época do ano, emvirtude da perda de calor, o ar próximo à superfície fica mais frio que o da camadasuperior, influenciando diretamente na sua movimentação. O índice pluviométrico(chuvas) também é menor durante o inverno, fato que dificulta a dispersão dosgases poluentes.
  • 14. INVERSÃO TÉRMICA
  • 15. EFEITO ESTUFAO Efeito Estufa consiste, basicamente, na ação do dióxido de carbono CO2 e outrosgases sobre os raios infravermelhos refletidos pela superfície da terra, reenviando-ospara ela, mantendo assim uma temperatura estável no planeta.
  • 16. EFEITO ESTUFAAo irradiarem a Terra, parte dos raios luminosos oriundos do Sol são absorvidos etransformados em calor, outros são refletidos para o espaço, mas só parte desteschega a deixar a Terra, em consequência da ação refletora que os chamados "Gasesde Efeito Estufa" (dióxido de carbono, metano e óxidos de azoto) têm sobre talradiação reenviando-a para a superfície terrestre.
  • 17. FONTES:http://www.howstuffworks.com/http://www.brasilescola.com/geografia/inversao-termica.htmhttp://www.youtube.com/
  • 18. Créditos IR. MARINEZ ROSSATO Diretora Administrativa IR ROSELI TERESINHA HART Diretora Pedagógica RITA RANGEL Coordenação Pedagógica ÁTILA ANDERSON D. AZEVEDOCoordenador de Ciências, Química, Física e Biologia ADRIANA GOTSCHALG Professora de Ciências 6º ano - EFII

×