Your SlideShare is downloading. ×
Tipos de rochas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Tipos de rochas

3,626
views

Published on


0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,626
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
182
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Rocha s Agregados naturais constituídos por um ou mais minerais. Substância homogénea, cristalina, de composição química bem definida, que se forma na Natureza sem intervenção do Homem
  • 2. As propriedades dos minerais conferem-lhes certas características Propriedades físicas Propriedades óticas Dureza Clivagem Fratura Reação com ácidos Cor Brilho Traço
  • 3. Dureza Figura 5 - Escala de dureza de Mohs (retirado de Antunes, et al., 2002)
  • 4. Clivagem e Fractura A galena tem uma clivagem cúbica, muito perfeita (retirado de Antunes, et al., 2002) A moscovite tem uma clivagem laminar, muito perfeita (retirado de Antunes, et al., 2002)
  • 5. A niquelina tem fratura concoidal (retirado de Antunes, et al., 2002) O ouro tem clivagem nula, possuindo fratura esquirolosa (retirado de Antunes, et al., 2002)
  • 6. Reação com ácidos Calcite (retirado de Antunes, et al.,2002) Teste da presença de calcite, com ácido clorídrico.
  • 7. Cor – Variedades de cor do mineral quartzo. A – Quartzo incolor. B – Quartzo castanho. C – Quartzo esfumado. D – Quartzo citrino. E – Quartzo rosa (adaptado de Antunes, et al., 2002 e Korbel & Novák, 2000)
  • 8. Brilho Brilho Metálico Não metálico Calcopirite, mineral com brilho metálico Berilo, mineral de brilho não metálico Âmbar, mineral de brilho gorduroso Zircão, mineral com brilho adamantino Whewelite, mineral de brilho vítreo
  • 9. Risca ou traço Para se verificar esta propriedade dos minerais, deve riscar-se um pedaço de porcelana branco. Por vezes, observa-se que a cor do traço é diferente da cor da amostra. A hematite pode apresentar cor preta, vermelha ou castanha, mas deixa sempre um risco vermelho-acastanhado na porcelana
  • 10. De acordo com a sua origem… Existem três tipos: Rochas Magmáticas Rochas Sedimentares Rochas Metamórficas
  • 11. Rochas Magmáticas Formam-se quando o magma em fusão arrefece e solidifica. Podem dividir-se em: Rochas extrusivas ou vulcânicas Rochas intrusivas ou plutónicas Quando a lava é solidificada à superfície, sofrendo um arrefecimento tão rápido que os minerais não têm tempo de se individualizarem. Quando o arrefecimento é muito lento, em profundidade, permitindo o crescimento de todos os minerais.
  • 12. Magma No interior da Crosta À superfície da crosta Arrefecimento lento Arrefecimento rápido Rocha com cristais visíveis Rocha com ou sem cristais visíveis
  • 13. Basalto Rocha vulcânica, compacta, dura e escura, com aspecto bastante homogéneo, em que os cristais são dificilmente visíveis à vista desarmada. Forma-se à superfície dos continentes ou nos fundos oceânicos, aparecendo em grandes mantos de lava e cones vulcânicos. Fig. 1 – Basaltos.
  • 14. Paisagem Basáltica Fig. 2 – Disjunção colunar, Madeira. Fig. 3 – Colinas cónicas, Madeira.
  • 15. Granito Rocha plutónica, de textura cristalina, apresenta um tom claro, onde predomina o cinzento. O aspecto macroscópico mais notório é a sua heterogeneidade, apresentando-se como uma rocha com minerais bem visíveis. Forma-se a grandes profundidades. Fig. 4 – Granito.
  • 16. Paisagem Granítica Fig. 5 – Caos de blocos/diáclases. Fig. 6 – Maciço granítico.
  • 17. Formação de Caos de blocos Fig.7 Esquema de formação de Caos de blocos
  • 18. Rochas sedimentares Originam-se a partir: da alteração e fragmentação de outras rochas. Rochas sedimentares detríticas - consolidadas - não consolidadas de substâncias dissolvidas nas águas, em ambiente aquático. Rochas sedimentares quimiogénicas; de restos de seres vivos (animais ou plantas) ou de detritos da sua atividade. Rochas sedimentares biogénicas.
  • 19. Rochas sedimentares detríticas Formam-se por acumulação de partículas sólidas de diferentes dimensões, resultantes da alteração e desagregação de rochas pré-existentes. Rochas sedimentares quimiogénicas Resultam de processos que causam a precipitação de substâncias dissolvidas na água. Rochas sedimentares biogénicas Resultam da acumulação de materiais provenientes dos seres vivos.
  • 20. Ciclo Sedimentar As rochas expostas são fragmentadas pela ação de agentes erosivos (erosão).Os fragmentos são transportados pelo vento, correntes fluviais ou marítimas (transporte) e depois depositadas em estratos (sedimentação). Os sedimentos dos estratos, através da diagénese, transformam-se em rochas sedimentares. Fig. 9 – Ciclo sedimentar.
  • 21. Diagénese Processo de compactação do material depositado, cimentação e consequente aparecimento de alguns novos minerais. Fig. 10 – Diagénese.
  • 22. Rochas sedimentares detríticas não consolidadas; Areias Rocha sedimentar permeável. detrítica, móvel e De acordo com o tamanho dos grãos, pode ser classificada em areia grosseira, média ou fina. Fig. 11 – Areia clara, Porto Santo, Madeira. Fig. 12 – Areia escura, S. Miguel, Açores.
  • 23. Argila Tipo de sedimento detrítico que pode resultar da alteração de uma rocha granítica, mais propriamente dos feldspatos. Fig. 14 – Fendas de dessecação na argila.
  • 24. Rochas sedimentares detríticas consolidadas; A consolidação dos sedimentos detríticos, por Diagénese, origina as rochas sedimentares detríticas consolidadas. Arenitos por A cor desta rocha natureza do cimento. Fig. 13 – Arenito. Areias consolidadas natural. varia um com cimento a
  • 25. Conglomerados Geralmente constituídas por fragmentos de grande calibre, aglutinados por um cimento natural
  • 26. Rochas sedimentares quimiogénicas; Calcários Rocha formada principalmente por calcite. quimiogénicos Pode apresentar cores variadas, geralmente muito claras, mas também existem calcários negros. Fazem efervescência com os ácidos, libertando dióxido de carbono. Fig. 15 – Calcários.
  • 27. Sal-gema Rocha translúcida, geralmente incolor, solúvel em água, com sabor salgado característico, formada essencialmente por halite.
  • 28. Gesso Tem cor branca, acinzentada ou amarelada, facilmente riscado pela unha e ligeiramente solúvel em água.
  • 29. Rochas sedimentares biogénicas. Calcários conquíferos Têm origem em restos de animais , em especial conchas de moluscos, agregados por um cimento natural.
  • 30. Calcários recifais Têm origem em restos de recifes de corais.
  • 31. carvões Tiveram origem em restos de plantas.
  • 32. Petróleo Líquido de cor esverdeado, acastanhado ou negro, com cheiro característico e que arde facilmente. Forma-se a partir de matéria orgânica de origem aquática (plâncton). A morte dos organismos leva à deposição de matéria orgânica no fundo de um ambiente sedimentar onde sofre decomposição. Processo lento que demora dezenas de milhares de anos
  • 33. Paisagens Sedimentares Modelado Cársico Álgar Evolução de um maciço calcário.
  • 34. Aspeto típico do modelado cársico (retirado de Costa, et al., 1998)
  • 35. • desenvolve-se apenas em rochas calcárias (carbonatadas) • materiais passíveis de sofrerem o processo de carsificação que é resultado quer da ação mecânica da água (erosão mecânica) quer da ação química, pelo processo de dissolução. • A água da chuva, ao cair da atmosfera, dissolve e arrasta consigo o dióxido de carbono contido na atmosfera. O dióxido de carbono ao dissolver-se na água vai formar ácido carbónico. Quanto maior a quantidade de dióxido de carbono dissolvido na água das chuvas, mais ácidas serão essas águas. • As rochas calcárias são constituídas por uma grande quantidade de carbonato de cálcio e é esta substância química que reage com o ácido carbónico contido na água das chuvas, libertando-se dióxido de carbono, ocorrendo assim a dissolução das rochas calcárias. Esta ocorre de forma irregular, corroendo e erodindo as rochas, alargando as diaclases e esculpindo assim as rochas.
  • 36. Paisagem cársica, Serra d’ Aire e Candeeiros.
  • 37. Estalactites, estalagmites e colunas Estalactites e estalagmites. Processo de formação de uma coluna.
  • 38. Duna. Bloco pedunculado Chaminés-de-fada
  • 39. Plataforma de abrasão. Pilar Arco natural
  • 40. Dunas litorais Acumulações de areias que no litoral, juntamente com a praia, formam um sistema de transição entre a terra e o mar. As dunas e a praia protegem o avanço do mar, das areias e do vento, principalmente durante as tempestades. Fig. 21 – Praia com duna protegida, Francelos
  • 41. O Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em Lisboa, é revestido exteriormente por calcário (retirado de Antunes, et al., 2002) Utilização da argila em louça de barro, telhas, entre outros (adaptado de Antunes, et al., 2002) O Mosteiro da Batalha foi totalmente construído com calcário (retirado de Antunes, et al., 2002)
  • 42. Rochas Metamórficas Provêm da transformação – metamorfismo – das rochas sedimentares ou magmáticas, apresentando características comuns a estes dois tipos de rochas. Agentes de metamorfismo: Agentes responsáveis pela formação destas rochas. Altas temperaturas e elevadas pressões. Tempo de duração dos processos.
  • 43. Como se formam? Esquema de metamorfismo de contacto. Mármores e corneanas Uma rocha sujeita a pressões dirigidas fica com a sua forma distorcida. Xistos e gnaisses Metamorfismo regional
  • 44. calor Calcário pressão + calor Argilito Xisto Mármore pressão + calor Gnaisse
  • 45. Rocha de cor variável, cuja foliação se apresenta sob a forma de lâminas paralelas, delgadas, e constituídas essencialmente por quartzo e micas. Xisto Fig. 24 – xisto.
  • 46. Gnaisse Rocha que apresenta os seus minerais dispostos em bandas paralelas claras e escuras. Muitos gnaisses derivaram do metamorfismo de rochas sedimentares, embora ouros pareçam ter resultados de granitos “esmagados” ou que sofreram metamorfismo. Fig. 25 –Gnaisse.
  • 47. Paisagens Metamórficas Fig. 26 – Paisagem xistosa, Valongo.
  • 48. Ciclo das rochas